Home Aviação Naval Porta-Helicópteros Atlântico agora é Navio-Aeródromo Multipropósito

Porta-Helicópteros Atlântico agora é Navio-Aeródromo Multipropósito

9316
322
O Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico – A140 passa a ser denominado Navio-Aeródromo Multipropósito Atlântico

Em novembro, por meio de Portaria do Comandante da Marinha, o Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico teve a sua denominação alterada para Navio-Aeródromo Multipropósito Atlântico.

Tal alteração do tipo de navio deve-se ao fato de o meio possuir a capacidade de operar em seu convoo com aeronaves remotamente pilotadas bem como com aeronaves turbohélice de pouso vertical.

A Portaria nº 328/MB, de 12 de novembro de 2020, da Marinha do Brasil modificou a Portaria nº 190/MB/2018, para alterar a denominação do Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) “ATLÂNTICO” que agora, passa ser denominado: Navio-Aeródromo Multipropósito Atlântico (NAM “Atlântico”).

Outras duas modificações foram feitas:

  • Art. 2º Classificar o NAM “Atlântico” como navio de 1ª Classe.
  • Art. 3º Subordinar o NAM “Atlântico” ao Comando de Operações Navais.
  • Art. 4º Delegar competência ao Comandante de Operações Navais para transferir a subordinação do NAM “Atlântico” ao Comando em Chefe da Esquadra.” (NR)

PHM Atlântico

Um V-22 Osprey operando com o navio quando ainda era o HMS Ocean na Marinha Real Britânica
Subscribe
Notify of
guest
322 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

É mais ou menos pegar uma fragata leve e mudar de nome para contratorpedeiro para ter o prazer de dizer que tem um, se é que me entendem…

JOAO
JOAO
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Que criatividade é essa da MB!!?Transformando água em vinho🍷 rsrs

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  JOAO
1 mês atrás

Ao contrário, estão transformando vinho em vinagre kkkkkkk.

Kemen
Kemen
Reply to  JOAO
1 mês atrás

Criatividade mesmo é a do Iran, a da nossa Marinha é verdadeira pois o Atlântico tem capacidadev de levar AV 8B Harrier e outros, Mas no Iran foi publicado na propaganda dos Aiatolá que o Shahid Rudaki é um Multipropósito para enfrentar os Porta Aviões da Navy com carros embarcados lançadores de misseis, porta helicópteros e uma serie de coisas mais, além de ter sistemas de última geração. kkkkkkk
.
comment image

comment image

GuiBeck
GuiBeck
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Olhando essa segunda foto lembrei dos que ficam falando no “Astros II naval” kkkk.

Kemen
Kemen
Reply to  GuiBeck
1 mês atrás

Pois é, ali no Iran acreditaram na idéia e fizeram a propaganda. KKKKKK

Eduardo
Eduardo
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Seria o mesmo que colocar o astros 2020 no Atlântico. kkkk

leonidas
leonidas
Reply to  Eduardo
1 mês atrás

Não dá ideia… kkkk

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Harrier no antigo Ocean só para transporte! Nunca foram operados. O navio não tem essa capacidade.

Groselha Vitaminada Milani
Groselha Vitaminada Milani
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Quer dizer que: podemos operar DRONES de decolagem e pouso verticais.

Afinal, V-22 Osprey ou algo similar ou só no sonho ou de uma outra Marinha amiga em exercícios navais ….

Como disse a Dilma: Feliz de quem não é triste! rs rs rs ….

Kemen
Kemen
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

“””The HMS Ocean can transport up to 15 Harrier II aircraft in the ferry role, however it is unable to operate as an aircraft carrier.“””

Não pode operar como um Porta-Aviões lançando caças para atacar ou interceptar, mas é um Navio Aeródromo Multipropósito sim, nada como se informar a respeito antes de comentar!

AV 8B Harrier II, até a pouco operados pela Marine Militare, US Navy Marine Corps (ainda opera alguns), Royal Navy, Armada Espanhola, ideais para dar apoio a fuzileiros e tropas em ações de desembarque. A maioria dos AV 8B foram modernizados.

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Flanker
Flanker
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Você acha que o Atlântico pode operar o Harrier ou não? Ficou meio confuso seu comentário. Mas, de antemão já te digo que ele não pode operar essas aeronaves.

Kemen
Kemen
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Não pode operar como Porta Aviões, mas sim como apoio no Multipropósito, a R.N. não operava os AV 8B II neles porque tinha Porta Aviões para apoio, nesse conceito caberiam mais helicópteros para desembarcar carros e tropas no Ocean.

Uma das capacidades do navio é de receber os convertiplano V-22 Osprey e aviões com capacidade de decolagem e pouso verticais, como o AV-8B Harrier .”

Não pode levar os F-35 por causa do seu pêso

Dalton
Dalton
Reply to  Kemen
1 mês atrás

O “Ocean” não foi equipado com rampa (skijump) que era considerado importante para os NAes classe “Invincible” com convés de voo de mesmo comprimento nem radares adequados ,reforço de certas áreas do convés de voo para pouso, paióis para armas e reservas de combustível dimensionados, etc, sem mencionar que o “Ocean” era lento, o que o tornava menos adequado no papel de um real NAe. . E com o “Invincible” indo para a reserva, os britânicos ficaram reduzidos ao “Illustrious” e ao “Ark Royal V” o que mal garantia um “sempre” operacional, mesmo assim nunca testaram o “Ocean” na capacidade… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Por isso os Harrier no Atlântico não podem operar como Porta Aviões alçando vôo aterrisando e sendo reabastecidos continuamente, embarcados com combustivel, podem dar apoio a tropas de desembarque, não sei a capacidade de combustivel reservada para os helicópteros, mas talvez um ou outro reabastecimento ocasional fosse possivel. No conceito da R.N. o Ocean era apenas uma belonave para desembarque de tropas e carros de combate, sendo a atividade de apoio ao desembarque dedicada somente aos porta aviões e outras belonaves, já outras Marnhas implementaram a capacidade até certo ponto também limitada para opera-los em determinadas operações como mini porta… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Andei lendo que os espanhóis tem previsão de substituir os AV 8 talvez entre 2028 e 2030, os deles foram modernizados

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Kemen, em caso de necessidade, o Atlântico pode LANÇAR os Harrier, mas basicamente para levá-los até o destino, de onde irão efetivamente operar. Ou seja, eles decolam, mas pousam em outro lugar, que é onde ficarão baseados. É claro que, em uma emergência, um poderia pousar no convôo, afinal de contas, teve Harrier que pousou até em porta-container quando estava com emergência de combustível. Mas operar são outros quinhentos. Um exemplo histórico disso foi o fato de que porta-aviões americanos, pequenos, inclusive, lançaram P-40’s durante a Operação Tocha. Esses aviões não conseguiriam retornar aos porta-aviões, por exemplo, e pousaram em… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Receber é uma coisa….operar, é outra. Tem um monte de coisas, incluindo capacidades de armazenamento de combustível, armas, suprimentos, capacidade de manutenir, hangarar, etc…..que São necessárias para OPERAR aeronaves como as que vc citou. Receber no confio é o menor dos problemas, apesar de cuidados necessários com o peso e calor gerado pelos motores.

JORGE PETROLA FERREIRA
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Amigo… A tradução literal do texto é que apesar de transportar harriers ele não pode operar como porta aviões…

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Obs: aproveitei um comentário que fiz e publiquei aqui.
A piadarada em geral com esta mudança de categoria creio ser uma questão de descrédito com nosso almirantado.
Entre um pensamento estratégico genial onde o Atlântico seria uma plataforma de testes para aeronaves de 6 geração automatizadas e mera pataquada, o histórico de nossa marinha aposta na segunda tese.

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Meu gato pode morder, portanto é um cachorro.

Kemen
Kemen
Reply to  Adriano RA
1 mês atrás

Se não arranha não é gato!

Paulo
Paulo
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Muito triste ver que a Marinha resolve os seus problemas materiais com mudanças de termos, nomes, conceitos, etc.

Fernando Zappa
Fernando Zappa
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

“Oficialmente” eu sou o Brad Pitt, só que não.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Por ae… Para dizer que agora tem porta-aviões… Ohhhh Meu Deus…

Gerson
Gerson
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Acho que da pra usar super tucano também…

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Gerson
1 mês atrás

Kkkkkkkkk… Pois eh… Imagina um super tucano realizando proteção da frota em alto mar…

Alexandre
Alexandre
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

E qual seria a diferença, hoje, entre fragata e contratorpedeiro?

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Alexandre
1 mês atrás

Tonelagem, tamanho e poder de fogo.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
1 mês atrás

Poder ele pode operar esses itens… Mas não irá.

Alexcg
Alexcg
1 mês atrás

Isso foi so pra satisfazer o ego dos almirantes o marinha do Brasil sem jeito essa.

horatio nelson
horatio nelson
1 mês atrás

esperando os comentários sobre f-35 no atlantico…rs

Vilela
Reply to  horatio nelson
1 mês atrás

sera que a marinha poderia fazer o leasing de uns 12 f35 b para o NaEM Atlantico? kkkkkkk

Groselha Vitaminada Milani
Groselha Vitaminada Milani
Reply to  horatio nelson
1 mês atrás

Ou a versão Sea Harrier M feita pela Embraer e Albit. Compra-se 24 unidades …. faz um overhauling … e teremos 6, isso mesmo, meia dúzia operacionais.

Vai começar tudo de novo …. rs rs rs … que venha o engodo do F-35.

E faremos o filme: NHM Atlântico de Volta a Viagem da Maresia do F-35, The Final Weed F-35 Countdown.

Luiz Dias
Luiz Dias
Reply to  Groselha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Nunca se sabe sobre f-35 mas o mais óbvio será is Osprey V22 que já estão na mira … não é só ora mudar o nome e sim pela função que desempenhará

Gustavo
Gustavo
Reply to  Luiz Dias
1 mês atrás

o osprey quase derreteu o piso. isso é fato kk

Kemen
Kemen
Reply to  Gustavo
1 mês atrás

Garotinho, o piso não é como o chocolate da mamãe.

Kemen
Kemen
Reply to  Gustavo
1 mês atrás

Mas sendo da R.N. até seria possivel, quando prestava serviço lá era a maravilha dos fanbritish , na MB virou porcaria. KKKKKK

MMerlin
MMerlin
Reply to  Luiz Dias
1 mês atrás

A MB não tem verba para compra e manter o Osprey sem comprometer outros projetos.
Mas como já existe mais de um precedente é capa de vermos novamente outra “grande” decisão da Marinha.

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  Luiz Dias
1 mês atrás

Vamos usar a base de dados do Poder Naval para explicar. Sea Harrier só faz decolagens verticais com pouca carga. Quer dizer praticamente desarmados. Armando só em pista corrida ou Sky Jump. F-35 o calor gerados na decolagem destroem o convôo e não foi construido para suportar alta temperatura. Portanto inviável. V-22 Osprey além do custo unitário de aquisição ser elevado e também manutenção, não cabe no elevador e nem no hangar. Portanto, não sendo possível qualquer manutenção dentro da embarcação. S-2 Sabre da FAB além de não caber nos elevadores, também não é marinizado. Nenhum Sabre possui uma variante… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Colega, peça para eles corrigirem o que escreveram, pois vc como especialista analisou e descobriu esse problema no aço utilizado no convés do Ocean atual Atlântico. E tem outros para corrigir o que escreveram também.

http://www.military-today.com/navy/hms_ocean.htm

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Luiz Dias
1 mês atrás

O Osprey V22 pousou nele assim como o CH-47. Más os dois não cabem no hangar e nem nos elevadores.

Luiz
Luiz
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 mês atrás

Isso mesmo, como consta no link postado acima pelo Kemen. Só serve para transporte.

The HMS Ocean can transport up to 15 Harrier II aircraft in the ferry role, however it is unable to operate as an aircraft carrier.

sj1
sj1
Reply to  horatio nelson
1 mês atrás

Talvez o drone Tupan que está em desenvolvimento, e uma das versões que terá peso de 1600 Kg, que aliás, ainda não foi objeto de matéria aqui na trilogia…

Up The Irons
Up The Irons
Reply to  sj1
1 mês atrás

Parece um projeto muito bom! Se for pra frente, olha… Estaremos muito bem na fita!

https://www.infodefensa.com/latam/2020/11/23/noticia-turbomachine-siatt-projetam-primeiro-drone-brasileiro-decolagem-vertical.html

Kemen
Kemen
Reply to  horatio nelson
1 mês atrás

F-35 não podem operar no Atlântico pelo pêso.

Last edited 1 mês atrás by Kemen
SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  horatio nelson
1 mês atrás

comment image

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  horatio nelson
1 mês atrás

F-35?!? Como que dinheiro?!? Ahhhh já sei… O dinheiro que o Ministério da Saúde não tá gastando para ajudar os brasileiros na Pandemia neh?!?

Guacamole
Guacamole
1 mês atrás

Com a devida Venia, venho aqui neste site de defesa de renome para informar a quem é de direito que meu Siena 2006 1.0 sem ar-condicionado passa a se chamar Porsche Taycan Turbo S.
Obrigado pela atenção.

Jorge Knoll
Reply to  Guacamole
1 mês atrás

BOA Hahahahahaha

Wilson
Wilson
Reply to  Guacamole
1 mês atrás

Parabéns pelo seu belo Porshe!

OSEIAS
OSEIAS
Reply to  Guacamole
1 mês atrás

Sr. Guacamole, eu sou o Sr. Detran e venho avisar que logo enviaremos seu IPVA devidamente corrigido.

att Detran

kkkkkkk

Tomcat4,2
Reply to  OSEIAS
1 mês atrás

Detran não pode ver ninguém feliz😜😜😜

Jack
Jack
Reply to  Guacamole
1 mês atrás

Boa…se a moda pegar, logo logo teremos umas da maiores” marinha de guerra do mundo” ! rsssss

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Guacamole
1 mês atrás

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Kemen
Kemen
Reply to  Guacamole
1 mês atrás

E aparece comprador se vender?

Tomcat
Tomcat
1 mês atrás

Não entendi o artigo 2º. O que isso quer dizer? E o que ele era antes?

João Carlos
João Carlos
Reply to  Tomcat
1 mês atrás

Deve ser a deixa pra aumentar os soldos dos responsaveis…

JOAO
JOAO
Reply to  João Carlos
1 mês atrás

Sensacional João!!! Tu matou a charada.

miguel Felicio
miguel Felicio
Reply to  João Carlos
1 mês atrás

Um das poucas coisas que interessa ao Comando………eita Pentia sô!

filipe
1 mês atrás

Se a MB ter o V-22 Osprey e drones , ai sim teriamos um NAE completo, já sabemos que não dá para operar o F-35B.

Zezão.
Zezão.
1 mês atrás

Tinhamos os “Porta-harriers” agora teremos os “Porta-drones”!
Porque só Turbo-hélices de pouso vertical?

Last edited 1 mês atrás by Zezão.
Emerson
Emerson
1 mês atrás

É para rir ou chorar?

Ricardo
Ricardo
Reply to  Emerson
1 mês atrás

é pra ser viratala se não entendeu

Marcos10
Marcos10
1 mês atrás

Típica coisa de quem não tem nada para fazer.
Vou pegar minha Garelli 1972 e mudar de nome. Agora se chama Kawasaki Ninja 4 super, mega, hiper, Power, phdastyk, Plutão.
Se fosse para pegar as fragatas atuais, retirar equipamentos mais pesados, revisar e passar a operar em patrulha, então aí poderíamos mudar para NApOc.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

Ok, mas…
Quais seriam as aeronaves remotamente pilotadas que poderiam/seriam operadas nele?

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Pipa.

Gelson
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Muito boa!

Flick
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

E sem cerol

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Fio 4 ou 10. Corrente.

João Carlos
João Carlos
Reply to  Esteves The Block Man
1 mês atrás

4… mais profissional… a 10 é pra amadores!

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Pior que eu dei risada…foi impossível evitar.

Ricardo Rosa Firmino
Ricardo Rosa Firmino
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Peixinho??

Lewandowski
Lewandowski
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Kkkkkkkkkkkkkkkk! Sensacional! Kkkkkkkkkkk

André Amorim Mondelo
André Amorim Mondelo
Reply to  Lewandowski
1 mês atrás

O pessoal aqui estão mais criativos que nossos Almirantes, kkkkkkk

Groselha Vitaminada Milani
Groselha Vitaminada Milani
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

PIROCÖPTERO!

Aquele pirulito que vinha com uma hélice. Pouso e decolagens verticais!

sj1
sj1
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás
Last edited 1 mês atrás by sj1
Amaury
Amaury
Reply to  sj1
1 mês atrás

Acho que já tem pra vender no Wish

leonidas
leonidas
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Não arrasta esse assunto que nos causa vergonha alheia, peloamordedeus… rs

Vovozao
Vovozao
1 mês atrás

26/11/2020 – quinta-feira, btarde, pelo que entendi, ele poderá, caso tenhamos dinheiro e vontade politica, operar Harry’s, como nao existem novos, novamente estariamos comprando usados, ou estou errado.

Guacamole
Guacamole
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

Está errado.
Uma boa tarde.

Ricardo
Ricardo
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

1º esquece operar Harry’s, deleta isso da memoria, nunca vai acontecer (mesma coisa pra f35)

2º a ideia é operar drones tipo o ScanEagle e TUPAN ou similares

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

Harry usado.

images.jpg
peter nine nine
peter nine nine
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

Morri

rommelqe
Reply to  peter nine nine
1 mês atrás

KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

Essa foi muito boa.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

LOL

Gilmar
Gilmar
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

Boa kkkk

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

Harry! Kkkk_k……
Carai,boa essa!

Flanker
Flanker
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

Kkkkkkkkkkk

Kemen
Kemen
Reply to  Dario Renato
1 mês atrás

Tá apaixonado?

leonidas
leonidas
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

Os Harrier já estão pra lá de usados e sem suporte.
Já era complicado antes, agora que os USMC terão o F 35 comprar alguma dessas aeronaves (se é que alguém venderia) é pior que comprar um Marea.
Sabe como é o ditado né?

  • – Nada é mais caro do que comprar um Marea barato…rs
Amaury
Amaury
Reply to  leonidas
1 mês atrás

Rebatiza o Marea como BMW e segue o barco….se tiver barco pra seguir

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Amaury
1 mês atrás

troca o motor por um gmc 6 canecos, muda o nome pra BMW e tá feito…

Kemen
Kemen
Reply to  leonidas
1 mês atrás

Tem suporte sim, não confunda os antigos Harrier britanicos com AV 8B Harrier II norte americanos, tem melhor G que os F-35B.

Flanker
Flanker
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

Não seria Harriers que o senhor quis dizer?

Kemen
Kemen
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

AV 8B Harrier II ainda esta em uso em algumas Marinhas, devem ser subtituidos pelos F-35, muitos foram modernizados, os Skyhawk modernizados ou não nem se comparam aos AV 8B II.

Flanker
Flanker
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Acha suprimento para esses aviões, então….o USMC comprou os que o Reino Unido desativou para servir de spare parts. E você vai colocar onde o combustível, armas e suprimentos para esses supostos Harriers? E a ski jump? Parem com essa teimosia! Parece coisa de criança!!

Last edited 1 mês atrás by Flanker
Kemen
Kemen
Reply to  Flanker
1 mês atrás

No mesmo depósito onde fica o combustivel dos helicópteros, entretanto não poderiam operar como num P.A., por acaso o Atlântico não opera com helicópteros, o mais engraçado é que escrevi que PODE e todo mundo acha que eu escrevi que vai operar e até mostrei que esta escrito.

Greyjoy
Greyjoy
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Mas aí que tá. Ele NÃO pode. O convés não recebeu reforços para isso. A falta de uma sky jump o obrigaria a decolar verticalmente, ou seja, praticamente sem armas e combustível.

Flanker
Flanker
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Mas, é justamente à esse seu PODE que eu estou respondendo! Um caça consome beeem mais combustível que um helicóptero. E vai decolar sem skijump? Não adianta fazer malabarismos…..não opera….não adianta!

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
1 mês atrás

Operar UAVs e V-22? Sabemos que os V-22 não virão…Já aeronaves remotamente pilotadas como o SacnEagle podem ser operadas até a partir de NPOc classe Amazonas, nem por isso elas devem ser reclassificadas como navio-aerodrómo.

Amaury
Amaury
Reply to  Adriano Luchiari
1 mês atrás

Não duvide de nosso almirantado!!!!!

Welington S.
Welington S.
Reply to  Amaury
1 mês atrás

É só dar A LOUCA no Almirantado que eles compra os V-22 de segunda mão dos States. Tiveram a coragem de comprar o NAe São Paulo mesmo eles sabendo que era uma completa bucha de canhão… nada nos surpreenderá caso o Almirantado se decida por operar os V-22 no Atlântico daqui alguns anos.

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
1 mês atrás

A140

Embaixo do 0 tá amassado. Não estava. Tem um amassado grande acima da linha d’água que fizeram quando manobraram o navio. Um amassado cumprido. A pintura não está brilhosa…não sei se o navio ta dormindo no sereno.

Aeronave remotamente pilotada que temos…deve ser pipa. Fio 4. A melhor.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 mês atrás

Achamos um jeito de termos armas poderosas, é só mudar a nomenclatura.

Próxima nomenclatura: Destróier Tamandaré…

Fernando
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

Pensa grande. Destróier nada, Cruzador!

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Fernando
1 mês atrás

Encouraçado…

Mahan
Mahan
Reply to  Fernando
1 mês atrás

Aioo’…cruzador de convés corrido até vai. É só pendurar uns Brahmos à bombordo…ou seria estibordo…kkk! Lembram daqueles navios soviéticos do super-trunfo?

Luiz
Luiz
1 mês atrás

Agora sim, vamos impor respeito no Atlântico Sul. Viram só o poder de uma canetada?! O que eramos ontem e no que somos hoje? É fantástico isso! Poderiam aplicar esse processo de aumento de poderio militar no Exercito e na Aeronáutica também. Passaríamos, em curtíssimo prazo, a ser uma potencia militar inigualável.

Bruxo Charlie
Bruxo Charlie
Reply to  Luiz
1 mês atrás

Quando acaba a saliva, tem que ter tinta!
Digo, pólvora…

Bueno
Bueno
1 mês atrás

Muito Bom! O NAVAL já falava sobre esta possibilidade. Da mais flexibilidade
no uso do Navio de guerra.

Pop. Procedimento operacional padrão.
Pessoal acompanha a trilogia há muito tempo e não entendeu que Forças armadas trabalham e operam com normatização, padronização, metodologia  e tudo tem que ser descritivo… POP
Já esqueceram da encrenca do avião Sherpa para o EB.  
Uma galera exige profissionalismo da Força, quando apresentam uma alteração o “POP” AI40 , sai falando horrores. 

Cinturão de Orion
Reply to  Bueno
1 mês atrás

Parabéns, Bueno!

O único comentário “coerente” sobre a finalidade da alteração da nomenclatura.

miguel Felicio
miguel Felicio
Reply to  Cinturão de Orion
1 mês atrás

Ai meu Deus, cada um e cada uma que aparece……….

Rosi
Rosi
Reply to  Cinturão de Orion
1 mês atrás

Isto mesmo. Aqui a maioria são meros intuciastas, poucos com conhecimento e vivencia com equipamentos militares da aérea específica, não se dão conta que a marinha está comunicando não pedindo opinião.
Outra coisa, mesmo sendo pagadores de impostos, pessoas qualificadas da área militar decidirão o que fazer com o dinheiro e com os equipamentos que adquiriu.
Tá achando ruim, capacite e tenta chegar no posto de tomador de decisão.
turminha chata que nada acrescenta no debate.
Desculpem.

Cinturão de Orion
Reply to  Rosi
1 mês atrás

“Perfeito”, Rosi.

Greyjoy
Greyjoy
Reply to  Rosi
1 mês atrás

Quando você tem mais de 80% do gasto do Ministério da Defesa só com pessoal, até um leigo sabe que tem alguma coisa errada.

Flanker
Flanker
Reply to  Rosi
1 mês atrás

E vc é o que? “Intuciasta” tb?

Astolfo
Astolfo
Reply to  Bueno
1 mês atrás

Profissionalismo é mudar a classificação de uma embarcação? Passa mais a impressão de uma força sem nada pra fazer e sem problemas pra resolver, o que sabemos não ser o caso.

Marcelo Baptista
Marcelo Baptista
Reply to  Bueno
1 mês atrás

obrigado Bueno, eu estava tentando entender o porque da alteração. Ficou claro, pelo menos para mim.

sidney pereira
sidney pereira
1 mês atrás

A ordem dos fatores ainda que mudadas, não mudaram os seus produtos.

Jorge Knoll
1 mês atrás

A Marinha do Brasil necessita urgentemente passar por uma reengenharia no seu quadro de Oficiais, com redução drástica de cargos, de Capitão-de-Fragata pra cima, até chegar aos Almirantes, pois enquanto ela vê suas belonaves envelhecerem, serem descomissionadas, e virarem treinamento de alvo, esses Senhores estão mais preocupados com “perfumarias”, mudando a nomenclatura de “corvetas” para ‘fraquetas’ ou ‘fragatas leves’, quando o projeto original em 2017, denominou de “corvetas Classe Tamandaré”. agora, novamente criativo, o Almirantado muda a seu bel prazer, o Porta-Helicópteros ATLÂNTICO, para Aeródromo Multipropósito Atlântico (NAM “Atlântico”), é falta do que fazer. A manhã vão vender a ideia… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  Jorge Knoll
1 mês atrás

A industria aeronáutica tem que projetar um vetor que possa operar no Atlântico. Os Brits operatam Harriers, em cargueiros, nas Malvinas. Sem dentes de longoalcance esse barco não se justifica. Melhor devolver a Sua Majestade. Muityo dinheiro de manutanção para simples figuração.

Dalton
Dalton
Reply to  Luiz Floriano Alves
1 mês atrás

Não foi isso que aconteceu Luiz. O “Atlantic Conveyor” transportou “Harriers” extras para os 2 NAes, “Hermes” e “Invincible” e assim que aproximou-se deles as aeronaves decolaram verticalmente sem armas e com pouco combustível.
.
Um dos “Harriers” ficou de prontidão para defender o navio se necessário, mas, no fim das contas este também partiu em direção aos NAes, estes sim, aptos a opera-los de forma sustentada.

miguel Felicio
miguel Felicio
Reply to  Jorge Knoll
1 mês atrás

…….discordo apenas quanto à FAB,………de Força Aérea 1 (3 e 4…) e de Base Aérea para ALA, NÃO foi também mudança de nomenclatura para dar a possibilidade de um brigadeiro comandar uma base por exemplo?……..posso estar enganado, mas são casos similares……..mudança de nome que deu um “poder” enorme para a FAB, mas diminuir efetivo e diminuir principalmente o número de oficiais generais, nadinha de nada.

Celso
Celso
1 mês atrás

O próximo passo será criar o 1. EsqDrAtPipCCer – 1. esquadrão de drones de Ataque com Pipas com cerol….

Fernando
Reply to  Celso
1 mês atrás

Esquadrão “Bota outro”.

Num acordo com nossos colegas das américas ele poderá ser equipado com as poderosas pipas com rabiolas equipadas com Gillete e linhas chilenas de corte garantido em 100% do tempo

A6MZero
A6MZero
1 mês atrás

Ótimo a honra (e o Ego) dos nossos almirantes está a salvo, já podem estufar o peito e dizer que temos o único Navio Aeródromo do hemisfério Sul, que somos a potência naval do atlântico sul e que estamos prontos para defender a Amazônia Azul… (e sei lá mais qual bobagem ufanista se passa na cabeça desses comandantes)

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

Daqui a pouco vão inventar o contratorpedeiro tamandaré kkkkkkkkk
Essa forças armadas de repúblicas de bananas são uma piada

Guilardo Pedrosa.
Guilardo Pedrosa.
Reply to  Gabriel BR
1 mês atrás

Os almirantes fizeram isso no intervalo do dominó. Agora é a vez da corveta Barroso que vai mudar para CRUZADOR DE BATALHA Barroso. Eu disse a vcs semana passada, o BRASIL É UM PAÍS PÂNDEGO.

Bardini
Bardini
1 mês atrás

Qualquer navio pode ser chamado de “Multipropósitos”… Esse “M” aí pra mim, nunca fez o menor dos sentidos. Viagem na maionese que foi herdada das alucinações do antigo PEAMB e seus 04 “Navios de Propósitos Múltiplos”. . Mas esperar o que do Brasil, terra onde a mesma porcaria de helicóptero tem 3 designações diferentes? . Os comandantes da Maricas do Brasil gostam mesmo é de navegar a sua Esquadra composta de “Mesa de Escritório Multipropósitos”… . De resto: Se renomearam esse navio aí só pelo fato de poder operar ScanEagle e não sair mais porcaria nenhuma além disso, como a… Read more »

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

Nem tudo é choro e vela, afinal.

Guilardo Pedrosa.
Guilardo Pedrosa.
Reply to  Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

Compra 2 Osprey e diz que é portaviões. É menos ridículo.

Eduardo
Eduardo
1 mês atrás

Graças a ideologia de gênero o porta helicópteros virou navio aeródromo.

Se pensasse assim antes, eu teria arrancado o nome Etios do meu ex-carro e colocado Corolla ali na tampa do porta malas.

leonidas
leonidas
Reply to  Eduardo
1 mês atrás

Mano vc matou a charada!
Ele se sente um porta aviões rs
Deve ser isso mesmo, como nosso almirantado não é preconceituoso só fez reconhecer e oficializar como o porta helicópteros se sentia.
Só pode ser isso mesmo.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  leonidas
1 mês atrás

o PHM se sente um porta aviões, assim como nossa Transferência de Renda/Guarda Costeira se sente marinha.
É o país do faz-de-conta.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
1 mês atrás

Preparação para a aquisição de F-35b e V-22 Osprey

Luiz
Luiz
Reply to  SmokingSnake 🐍
1 mês atrás

Só se forem aeromodelos controlados por rádio, e mesmo assim em pequena quantidade.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  Luiz
1 mês atrás
Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  SmokingSnake 🐍
1 mês atrás

Esqueça isso de F-35 ou Harrier. O Atlântico não comporta sua operação. Simples assim.

Farragut
1 mês atrás

Deve ser a volta daquela corrente que, à época do Minitz, desculpa, Minas, não admitia o uso da expressão “porta-aviões” pelos mais jovens desatentos. De acordo com ela, um mercante carregando aviões poderia ser um “porta-aviões”, mas não operava com eles.

Dalton
Dalton
1 mês atrás

O texto menciona: ” a capacidade de operar em seu convoo com aeronaves remotamente pilotadas bem como com aeronaves turbohélice de pouso vertical”.
.
Aparentemente está de acordo com o que já li que o “V-22″ não cabe nos elevadores do Ocean/Atlântico” nem o hangar teria altura suficiente para manutenção de grande monta, algo que precisou ser revisto nos novos anfíbios da classe “America”.
.
A aeronave pode pousar, decolar, ser reabastecida, receber carga, etc, mas, tudo a partir do convés de voo, como, na classe francesa “Mistral” por exemplo.

Satyricon
Satyricon
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Olha Dalton, como a MB adora laçar moda (vide esse decreto), arrisco: a MB será o cliente de lançamento do AW-609M…
Vou tomar meu remédio

Cinturão de Orion
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Parabéns, Dalton!

O (2o) único comentário “coerente” sobre a finalidade da alteração da nomenclatura.

Rosi
Rosi
Reply to  Dalton
1 mês atrás

E o eVTOL da EmbraerX , um conceito que pode ser aplicado para o Atlântico?
O tempo de serviço que o Atlântico terá na MB +/-25 anos?

Almeida
Almeida
1 mês atrás

Sem escoltas, poderia muito bem se chamar alvo.

Wellington
Wellington
1 mês atrás

Mudar de nome os equipamentos aqui no Brasil de defesa é moda drone virou ARP, porta helicópteros vira navio aeródromo hoje dps de mais velho eu entendo pq as forças armadas aqui são pra inglês da risada o importante mesmo é o tal do soldo se é que vcs me entendem!

FABRÍZIO AMORIM DE MENEZES
1 mês atrás

Alguma novidade sobre a substituição dos Phalanx?

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  FABRÍZIO AMORIM DE MENEZES
1 mês atrás

Sim.

Fenelon de Almeida
Fenelon de Almeida
Reply to  FABRÍZIO AMORIM DE MENEZES
1 mês atrás

Vão ser repostos com verba consignatária do Min.Eco. sendo recebidos de precatórios do tesouro.

Wilson
Wilson
1 mês atrás

Se as corvetas Tamandares viraram Fragatas depois de contratadas (Sem crescer nadinha) não espanta um porta helicópteros virar porta-avioes sem ter aviões.

Tutu
Reply to  Wilson
1 mês atrás

Amigo, você chamaria um navio de 3400 toneladas de corveta?

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Olha, eu não chamaria de fragata. Não em 2020, onde as REAIS fragatas são as FREMM e type 26/31.
Parece grande pra uma corveta, como as nossas SEMPRE precisam ser, uma vez que não estamos num mar fechado, mas definitivamente elas são mais pra corvetas atuais do que pra fragatas.
Na real mesmo, a Russia chama as 20386 de “corveta”, dá uma olhada no peso delas.

Ramon
Ramon
1 mês atrás

Utilizando dessa lógica jaja bote de transporte vai virar navio de assalto anfíbio por causa da capacidade de desembarque em praias, meu Deus se um dia esse país for atacado em um dia vão render o país todo.

Hellen
Hellen
1 mês atrás

A marinha gastou mais de meio billhao comprando os avioes c-1 trader da decada 1950 mais nao comprou navio para executar sua funcao constitucional e vc sonhando com f-35 !!!

sergio ribamar ferreira
1 mês atrás

Uma vergonha. Esperando o dinheiro, 9 bilhões, provavelmente investido, guardado pela Engeprom se evaporar. Vão solicitar mais dinheiro, esperem e verão. A incompetência e a burocracia tacanha de nossa força naval vence as outras duas forças que também ficam a desejar. É uma lástima. Será que não tem um que mostre os erros e tente corrigir esses inconsequentes?

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  sergio ribamar ferreira
1 mês atrás

Pode parar.

Essa bola, Esteves o Matuto já chutou. Os 9 bilhões acabam antes dos navios.

Tiago
Tiago
1 mês atrás

V-22 Ospray para Marinha do Brasil.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Tiago
1 mês atrás

Mais fácil Trump se reeleger.

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

Vichi.

Renato
Renato
1 mês atrás

A Marinha não consegue esconder a vontade louca de ter um porta aviões.
Enquanto isso, as Tamandarés que é bom….

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Renato
1 mês atrás

Se cada brasileiro doar 1 real por mês, por 1 ano, eles conseguem comprar um.

Vamos pessoal, vamos fazer essa vaquinha, e dar um pouco de alegria ao nosso almirantado kkkkkkkkkk

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

A MB não precisa de esmalte. E não parece que os Almirantes estejam tristes.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Drones não duvido que possa vir a operar nele, mas existe alguma possibilidade da MB comprar o Osprey?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Zero.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Deveria ser criado um decreto para impedir a MB de comprar um NAe e suas aeronaves suplementares enquanto não tiverem os equipamentos básicos.

É de uma falta de respeito com os contribuintes continuar buscando este sonho de maneira irresponsável.

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Gamayun
Gamayun
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

E desde quando um FABiano quis que a MB tivesse aviação de asa fixa? Ou mesmo o EB? Nos poupe.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Considerando-se que um Osprey custa mais que um F-35, e que a hora-voo dele custa mais que a hora-voo de um F-22, eu diria que a chance da MB comprá-lo e operá-lo seria de…

Zero elevado o infinito.

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

Então o Atlântico ao contrário do que dizia muitos “especialistas de teclado” pode sim operar caças VTOL como o Sea Herrier ou F-35 por exemplo.
Se opera o Osprey opera outras aeronaves.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Não é bem assim, pelo que ouvi falar o Sea Harrier, o Harrier e o F-35 as saída dos motores a jato são direcionadas para o solo na decolagem e no pouso vertical lançando ar quente no convoo que se não for preparado é danificado e para ele operar o F-35 teria que além do convoo fazer outras modificações que tornam complicado e caro para se fazer!

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Se for só o piso do convido, é só preparar amigo.
O problema aqui é que adoram problematizar o que é simples de resolver.
Não há vontade para nada nesse país, só para safadeza e coisas escusas !

Greyjoy
Greyjoy
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Como se “só preparar” fosse tão barato quanto ir no barbeiro “tosar” o cabelo.

Além disso, sem sky jump, os aviões decolarão verticalmente praticamente sem carga.

Luiz
Luiz
Reply to  Greyjoy
1 mês atrás

Uma ” gambiarra” aqui, outra li e tudo bem, “vamu qui vamu”! É cada ideia de jerico!

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Luiz
1 mês atrás

Galera, cérebro é feito para pensar, analisar etc e não para apenas ocupar a caixa craniana.
Fica a dica!
Nem tudo que escutam, lêem é verdade absoluta.
Tenham senso crítico, questionem, pesquisem, estudem e tirem suas conclusões.
Não sejam mais uns “zumbis” dementados ruminantes .

Flanker
Flanker
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

O Osprey pousa, decola, reabastece, etc….MAS, não pode ser hangarado!! Um Harrier ou F-35 poderiam pousar verticalmente e decolar da mesma maneira….mas, para decolar verticalmente eles não podem receber muito combustivel e armamento. Fora o calor gerado pelos motores sobre o deck do navio. Fora a necessidade de se aumentar muito a capacidade de armazenamento de combustível de aviação carregado pelo navio e os paióis de armamento. Esqueçam isso de Harrier, F-35, etc operando no Atlântico.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Por isso mesmo inventaram uma tecnologia inédita e alienígena que não conhecemos aqui, denominada Skijunp kkkkkkk.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

O pior não é ter uma ideia ruim, é ter e INSISTIR na ideia ruim.
F-35 não cabe nem no elevador desse navio. Fazer todas as modificações necessárias custaria tanto quanto ligar pra Espanha e encomendar um Juan Carlos I logo, E MESMO ELE precisaria de modificações para suportar o calor gerado pelo F-35, mas seria mais simples uma vez que estaria no projeto.
Isso, claro, ignorando que um F-35B custa pra lá de 100 milhões de dólares.

Flanker
Flanker
Reply to  Fernando Turatti
1 mês atrás

Exato, Fernando! E isso sem falar onde iria colocar os tanques para armazenar o combustível extra de aviação e mais os paióis……e mais os depósitos para suprimentos….e mais acomodações para o pessoal que iria operar e manter esses aviões. Mas, não adianta discutir com esse cara….ele é o dono da verdade e da razão….na cabeça dele, claro….

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Você não sabe conversar com ideias diretas e corretas caro Flanker, e aí depois que não consegue por suas ideias fica com raivinha meu caro. Mas você é mais fácil de aturar que um certo comentarista aqui que se acha o tal Não estou insistindo em nado, só fiz uma comparação lógica hora bolas. Se o Atlântico consegue suportar o peso de um Osprey (que é muito mais pesado que o F-35 ou Harrier) pela lógica ele suportaria o pouso dos mesmos. Agora quanto a hangar e manter é outra questão. Conselho de amigo, isso aqui não é uma disputa,… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Isso mesmo……vc falando bonitinho assim, após chamar os outros de zumbis, dementados, ruminantes ……..
Não é questão de levar, ou não, para o lado pessoal……é que já foi dito, mostrado e explicado que não da pra operar essas aeronaves citadas no Atlântico…..ou melhor, não dá pra operar sem que seja feita praticamente uma reconstrução total do navio……e, se for pra fazer isso, então constrói ou compra um que possa operar eles desde o projeto….

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Fernando Turatti
1 mês atrás

Idéia ruim para quem?

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

Espero realmente que o Tupã-300 vingue.
Mas até lá, a MB deveria olhar com mais carinho o Falcão naval, Atobá, FT200TH que já lhe daria uma boa capacidade de inteligência aérea.
Aconselho a Avibras, Estella tecnologias, Turbomachine e SIATT a conversarem com a Bradar, pois no seu tempo de Orbsat da Amazônia a mesma tinha o projeto de radar SAR para Vant.
E que sabe com um pouco mais de investimentos e associação com a IACIT não desenvolvam um radar naval para esses drinks?

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Esses Drones.
Maldito corretor de textos.

Jef2020
Jef2020
1 mês atrás

Alguem saberia me dizer se alem de mudar a classificação do navio a MB tb resolveu a defesa antiaérea de ponto que estava inoperante com a retirada do sistema phalanx CIWS????? Ou é só mudar a classificação que resolve?

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  Jef2020
1 mês atrás

Se a Marinha tivesse considerado necessário e indispensável ter canhão tipo CIWS no navio…ele estaria lá.

Assim como os helicópteros estão.

Jef2020
Jef2020
Reply to  Esteves The Block Man
1 mês atrás

Pelo que li a respeito não é bem assim amigo…esse armamento não foi liberado para nós…

Flanker
Flanker
Reply to  Jef2020
1 mês atrás

Não é isso…acontece que os Phalanx foram retirados do Ocean pq os ingleses queriam eles para instalar em outros navios.

jef2020
jef2020
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Ok, amigo…obrigado pela informação…mas então o que será que a MB está esperando para colocar algo além de estilingue para defesa de ponto? Como diz aquele ditado…ou compra o Phalanx ou outro sistema de defesa, “mas faz alguma coisa homi de Deus”, né?

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Jef2020
1 mês atrás

Sim, os SIMBADs instalados nele agora são sistema de mísseis antiaéreos exo-atmosféricos classe V, com 200 km de altura de teto….

Jef2020
Jef2020
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

Ah tá…então os SIMBAD serão reclassificados tb e ganharão um novo nome bem bonito…só o nome já fará que França, Alemanha, EUA e outros desistam imediatamente de suas ambições amazônicas!!! Aliás esse nome SIMBAD me faz lembrar de um filme de seção da tarde que adorava assiatir nos anos 90…SIMNAD e o olho do tigre era meu favorito!!! Talvez o nome veio daí…Mas como já é muito antigo é bom mudar o nome mesmo!!! Ai sim vai resolver todos oa problemas da MB…

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Jef2020
1 mês atrás

SIMBAD é um nome muito antigo ,poderia se usar CONAN,soaria mais ameaçador….

jef2020
jef2020
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

kkkk…. já ví que vc é da minha geração….conan o bárbaro!!!

MMerlin
MMerlin
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

Trocaram um sistema defesa contra mísseis anti-navio por um por um sistema de ataque de alcance bem limitado.

Se uma aeronave lançar um míssil de uma distância acima de 6 km (que é o alcance do mistral) a única defesa que sobra para proteger a tripulação será a fé de que o artefato irá errar o alvo ou falhar.

Para o Atlântico, um sistema similar ao Phalanx é quase indispensável.

Flanker
Flanker
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

Que eu saiba, nem os SIMBAD foram instalados no Atlântico.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Flanker
1 mês atrás

Achei que tinha sido instalados, ou foram cogitados. O que está defendendo o Atlântico hoje, oração?

Flanker
Flanker
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

4 canhões de 30 mm
4 M134 Miniguns 7,62 mm
8 metralhadoras FN MAG 7,62 mm

jef2020
jef2020
Reply to  Defensor da liberdade
1 mês atrás

O mesmo que está defendendo-nos em terra quanto a ataques aéreos de médio ou longo alcance….muiiiitttta oração!!!!

Amaury
Amaury
1 mês atrás

Que bom ver que nosso almirantado trabalha incansavelmente para ampliar nosso poder naval. Supimpa!!!
Mas fiquei com uma dúvida.
Se nosso Porta Helicópteros agora é um NAVIO-AERÓDROMO MULTIPROPÓSITO, como será chamado um porta-aviões na MB se um dia voltarmos a ter um deles em nossa esquadra?
Seria NAVIO-AERÓDROMO MEGA MULTIPROPÓSITO?
Ou NAVIO-AERÓDROMO BLASTER?
Modestamente acho que ficaria bom NAVIO-AERÓDROMO EITA BICHÃO GRANDE, BONITO E JOIADO….
Mas deixo também outras sugestões:
NAVIO-AERÓDROMO VAI ENCARAR?
Ou NAVIO-AERÓDROMO CHUPA ARGENTINA
Ou NAVIO-AERÓDROMO MILLENNIUN FALCON
Ou NAVIO-AERÓDROMO ENTERPRISE
Ou NAVIO-AERÓDROMO AGORA VAI

João Carlos
João Carlos
Reply to  Amaury
1 mês atrás

ESTRELA DA MORTE…

Alang
Alang
Reply to  Amaury
1 mês atrás

Um porta aviões cheio de pólvora, “talquei”?
CUIDADO EUA 😂😂😂😂

sidney pereira
sidney pereira
1 mês atrás

Pura semântica.

Alang
Alang
1 mês atrás

Eu além de ser um entusiasta naval sou músico guitarrista, então posso bem pegar a minha SX Strato Vintage e mudar o nome pra Fender Stratocaster Custom Shop.
Como foi dito aqui, isso é pra satisfazer o ego dos almirantes pelo fato de não termos capacidade 💲💲💲 de ter um novo PA propriamente dito, faz se uma gambiarra dessa. Francamente… 😂😂

Guilardo Pedrosa.
Guilardo Pedrosa.
Reply to  Alang
1 mês atrás

O Bardíni falou lá em cima sobre a nomenclatura ” multiproposito”. Verdade se diga, que esses expedientes dos nossos militares, em inventarem palavras pomposas para equipamentos débeis, já se tornaram praxe. Na Marinha, por exemplo, para designar um porta helicópteros de raiz, criaram o tal ” PHM” , Quando deveriam só deixar o PH mesmo. O inimigo não vai ser enganado por enchimento de linguiça não. Ele já sabe que a nave só tem alguns helicópteros e nenhuma defesa. Vai mandar para o fundo com ” siglas” de efeito ou não. Mesma coisa com os carros Guaranis, que adotaram um… Read more »

Alang
Alang
Reply to  Guilardo Pedrosa.
1 mês atrás

Disse tudo, o inimigo vai mandar pro fundo do Atlântico o Atlântico sem se importar com a nomenclatura.

_RR_
_RR_
Reply to  Guilardo Pedrosa.
1 mês atrás

Pelo contrário…

O termo ‘multiproposito’ é adequado, haja visto a capacidade de transportar tropas e atuar no seu desembarque. Aliás, o ‘Atlântico’ é originalmente um meio anfíbio, que também se presta a controle de área.

FERNANDO
FERNANDO
1 mês atrás

Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) = Navio-Aeródromo Multipropósito Atlântico (NAM “Atlântico”).

???

Qual a diferença????

Vai operar agora disco voadores??

guilardo
guilardo
Reply to  FERNANDO
1 mês atrás

Amigo, os almirantes perderam uma grande oportunidade de ter um porta-aviões. O casco do São Paulo está muito bem, devidamente atestado por uma equipe paga a peso de ouro para a análise. Ou seja, o CASCO PRESTA. Mudassem apenas a propulsão para diesel, ainda que ficasse mais lento, resolveria em parte. Desativassem as catapultas, porque só usariam aviões de decolagem vertical. O resto seria de menor complexidade, pois restariam desativadas as caldeiras de vapor. Gastaria muito menos que o previsto para uma grande reforma, como queriam, e teriam um PV por mais 15 anos.

Ersn
Ersn
Reply to  guilardo
1 mês atrás

O buraco e mais embaixo, o A12 poderia estar com o casco bom mas todas as máquinas, sistemas ,fiações,tubulações cabeamentos além de áreas habitáveis sem falar nos equipamentos eletrônicos estava e ciclo final de vida útil,e a mesma coisa que reformar um opala que nunca teve melhorias e revisão durante o tempo de uso.

carvalho2008
carvalho2008
1 mês atrás

Se chegamos a era dos drones, porque os colegas e leitores estão se recusando a debater o cerne da questão a qual seria como as Marinhas podem operar e evoluir suas doutrinas com drones.

Não esquecer a enorme variedade deles que vão desde um drone que cabe na palma da mão, Loitering Drones ( Drones Suicidas), a até drones do porte de aviões pesados.

Se a MB desejar ingressar e evoluir nisto, deveria usar a plataforma das Tamandarés????? Ou o Atlantico seria o ideal para este começo?

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Quantos destes cabem numa Tamandaré?? Vamos ser mais bondosos…mesmo que seja numa fragata de 6 mil ton??comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Quantos modelos de drones podem ser desenvolvidos nos proximos 20 anos?comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image
Parece, mas não é pequeno

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image
Navy considering future ship-based long-range Marine Corps UAV for combat, EW, cargo, and reconnaissance

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Quantos modelos podem surgir?comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

numa fragata, só cabem 1 ou 2 no lugar reservado ao que seria para o helicoptero….ou seja, ou hum ou outro….

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Em cinquenta anos de vida de um navio, quantos modelos de caças vtol podem surgir?comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Creio ser uma questão de descrédito com nosso almirantado.

Entre um pensamento estratégico genial onde o Atlântico seria uma plataforma de testes para aeronaves de 6 geração automatizadas e mera pataquada, o histórico de nossa marinha aposta na segunda tese.

Bardini
Bardini
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Tio Carvalho, é óbvio que UAVs são uma parte do futuro da Guerra Naval. Mas qual o projeto de futuro da nossa MB??? . A MB ainda está requentando a mais de uma década, uma visão de como lutar as últimas guerras. Todos os projetos que ela tem no papel, são velharias, desde de o SNBR até os Patrulhas… Ainda se sonha com projetos convencionais, em todos os âmbitos da força. Não se vê nada de concreto e inovador tomar forma, ainda mais no tocante aos meios de apoio, onde a imaginação tem muito espaço pra gerar excelentes soluções. .… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Bardini
carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Bardini
1 mês atrás

Concordo plenamente que a ortodoxia da MB projeta para a frente modelos defasados de 40 anos atras…normal para quem se acostumou a comprar equipamentos em desuso pelos paises de origem…se está em desuso….não se usa…. guerra em rede é algo que já chamei muito a atenção….uma rede moderna permite que uma estação de combate possa comandar outras e assim, elas não precisam ser necessariamente iguais e redundantes…e por consequencia, um pacote caro de navios….hum, dois ou três deles podem ser o cerebro e os outros as mulas que podem levar arsenal complementar ou aquilo que não coube nos navios de… Read more »

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Operando coisa grande ou pequena…o que fará diferença, pelo que entendi, é se os sistemas e não somente os sistemas de combate mas incluiriam também os sistemas logísticos que deverão estar com os inventários preparados, se os sistemas estarão integrados e geridos transformando as Tamandarés em mais que navios de defesa de ponto.

Os UAVs operados no Atlântico…estariam a serviço dos sistemas.

Mas não sei qual a capacidade da MB para processar isso.

Supercomputadores. A MB tem supercomputadores?

ednardo curisco
ednardo curisco
1 mês atrás

tenho um sandero.

Mas agora ele será um camaro monopropósito

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  ednardo curisco
1 mês atrás

Putz Ednardo,eu já me contentava com a promoção à GTS do meu Polo…

Kemen
Kemen
1 mês atrás

Acho que o Atlântico teria capacidade de levar alguns AV 8B II que estão sendo desativados na Navy.__ Poderiam ter validade operacional na MB?

_RR_
_RR_
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Kemen…

Esqueça qualquer Harrier… O que sobrou, que não virou sucata ou spare parts, está só a capa da gaita…

Até poderiam ter valor como equipamento efetivo de combate, mas temos coisas mais urgentes, tais como as próprias escoltas e o programa de submarinos. A aquisição de uma aeronave de caça agora, seria um desvio de foco…

Flanker
Flanker
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Não tem capacidade de OPERAR, não. Receber no confio ele recebe….operar, da maneira que deve, não tem capacidade.

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Meodeos!!!! De novo isso? Não, Atlântico não pode ooerar Harriers!
Alguém aí desenha pro rapaz,por favor…

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
1 mês atrás

Precisa de plataforma de 9 bilhões de reais para lançar drones? Ficou a incerteza da F&A da T por indianos ou por quem tenha disposição financeira como esses fundos que arrematam gigantes caídos. A T não é a mesma do YouTube. Se o Esteves…valia a pena ir lá e tirar essa história a limpo. Falar com fornecedores. Com funcionários. As Tamandarés levaram tiros por todos os lados aqui. Se querem plataformas para drones em razão dos fatos havidos no conflito em Nagorno Karabakh e vão agora mudar as nomenclaturas dos navios…que aproveitem melhor o que está sobrando dos 9 bilhões.… Read more »

_RR_
_RR_
Reply to  Esteves The Block Man
1 mês atrás