terça-feira, setembro 28, 2021

Saab Naval

Rússia faz acordo para ter base naval no Mar Vermelho por pelo menos 25 anos

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

MOSCOU — A Rússia assinou um acordo com o Sudão para estabelecer uma base naval no país africano por pelo menos um quarto de século, parte dos esforços de Moscou para expandir seu alcance global.

O acordo publicado terça-feira no portal oficial de documentos do governo permite que a Rússia mantenha simultaneamente até quatro navios da marinha, incluindo os de propulsão nuclear, em Port Sudan, no Mar Vermelho. O acordo tem duração de 25 anos e pode ser automaticamente prorrogado por períodos de 10 anos, caso nenhuma das partes se oponha.

O documento afirma que a base naval russa deve “ajudar a fortalecer a paz e a estabilidade na região” e não é dirigida contra terceiros. Em troca da permissão do Sudão para estabelecer a base, a Rússia fornecerá ao Sudão armas e equipamento militar.

O novo acordo faz parte dos esforços de Moscou para restaurar uma presença naval regular em várias partes do globo. A presença militar russa diminuiu após o colapso soviético de 1991 em meio a problemas econômicos e escassez de fundos militares, mas o presidente Vladimir Putin tem agido constantemente para reconstruir o poderio militar do país em meio a tensões com o Ocidente.

FONTE: Associated Pres

- Advertisement -

26 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo

Um lugar bem estratégico!

Edlustig

Não diria “bem” diria “extremamente”

Fabio Jeffer

Djibouti com duzentas bases estrangeiras é ali pertinho

Fabio Araujo

E a Síria com outra base russa também, é só passar o canal de Suez!

Pablo Maroka

Meu medo é ver essas embarcações de superfície feiosas russas estragando o visual de várias paisagens pelo mundo.

João Carlos

Kkkk que asneira. Parabéns.

Cristiano de Aquino Campos

São navios antigos, numa epôca em que os Russos não ligavam muito para estética desde que cumprisse a missão. Os novos são mais bonitos.

José Carlos David

É feio, porém armado até os dentes…queria uns cinco feiosos desses na MB!

ADRIANO MADUREIRA

Quem dera umas duas fragatas Admiral Grigorovich class na marinha do brasil…

comment image?fit=4032%2C3024&ssl=1
comment image?ssl=1

luiz blower

Permita-me discordar. Acho os navios soviéticos dos anos 70/80 muito bonitos. O Slava aí da foto da matéria não é dos melhores exemplos (assim como os Moskva) mas mesmo assim esses lançadores de mísseis dão uma aspecto “guerreiro” muito legal. Compare com as classes americanas da época, por exemplo: as O. Perry são bem feiosas, meio desengonçadas… os Ticonderoga cabeçudos, desequilibrados. (nada disso tem a ver com eficiência, ok? Tô falando só de estética)

Pra mim os Udaloy, Kirov e Krivak são ainda navios belíssimos (de uma outra era, claro).

horatio nelson

ta certo a russia,agora q nosso amado lider está namorando o putin seria bom uma aproximação militar com a russia quem sabe ate ceder alcantara para eles já que não podemos confiar nas democracias decadentes ocidentais q tem como objetivo a internacionalização da amazonia…e assim resolveriamos 2 problemas: o da venezuela e o do “status internacional da amazonia”

Andre

Democracias decadentes ocidentais? Em qual realidade você vive?

Enquanto a Rússia afunda, a China cresce a passos largos depois de abandonar o fracassado modelo soviético e se “inspirar” nas democracias decadentes ocidentais.

Cristiano de Aquino Campos

Acho que o decadente ao qual ele se refere, e na questão de costumes. Más isso e uma questão complicada, afinal a sociedade não e algo imutavel, ao longo dos séculos as noções de certo e errado mudam. Se não fosse assim, ainda estariamos na idade média.

Luiz Trindade

Não liga não… Tá igual à certos personagens atuais de direita (Me nego a dizer o nome deles, mas todo mundo sabe quem são) que vivem no século XX na eterna luta entre o Capitalismo vs Socialismo. Esquece que a URSS mostrou com sua decadência e a China com sua virada para o lado do Mercado de Capitais que isso morreu!

nonato

Falou o seguidor de Maduro posando de isentao para enganar a quem?

WELLINGTON MARINHO FALCAO

WELLINGTON MARINHO FALCAO

Andre

Os últimos suspiros colonialista do Putin, pegando as sobras… Síria, Sudão…

Enquanto isso a China e a Turquia vem passando o rodo nos antigos satélites soviéticos.

Antoniokings

E os EUA se retirando, retirando…….

Matheus S

O que é irônico, já que a Rússia aumentou consideravelmente seu poder global assim que assumiu um compromisso com a guerra na Síria e definitivamente colocou um fim na hegemonia americana na região e conseguiu tudo isso pegando as “sobras” da Síria.

Yuri Dogkove

Canção do senhor da guerra!

Last edited 9 meses atrás by Yuri Dogkove
Antoniokings

Sinal de novos tempos no O.M.
Modéstia à parte, eu já havia comentado sobre o aumento da influência sino-russa na região na esteira da retirada americana.
E vem mais por aí.
Em tempo: Segundo as más (ou boas) línguas, as próximas bases russas serão em Cuba e no Vietnã.

leonidas

Certo eles, Putin faz o melhor para os interesses russos.
Quisera nós termos um lider com esta consciência…rs

Walter

Os russos tem também acordo militar , feito recentemente, com os venezuelanos onde os portos russos e venezuelanos podem receber navios militares de ambos livremente .

Matheus S

O período pós-Guerra Fria, com os EUA protegendo as LCMs do mundo sem qualquer oposição, claramente aumentou consideravelmente o poder naval dos americanos. Com a entrada da China em Djibouti e agora com a Rússia conseguindo uma base naval no Sudão, estão mostrando que a situação que perdurou após o final da Guerra Fria está acabando.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

30 mil empregos altamente qualificados, em um país com PIB e população menores que o do Brasil, produzindo submarinos.

E aqui, na Terra do Nunca, discutimos se depois do 4º submarino haverá como manter o estaleiro funcionando…

Não se aprende no Brasil uma lição básica: uma indústria depende de encomendas constantes, se não, ela morre. Aqui, preferem deixar que morra, não sem antes gastar fortunas em “transferência de tecnologia”..

- Publicidade -

Últimas Notícias

Navio de guerra britânico ignora avisos chineses e navega pelo Estreito de Taiwain

A HMS Richmond, uma fragata Type 23, navegou pelo sensível estreito de Taiwan a caminho do Vietnã para demonstrar...
- Advertisement -