segunda-feira, março 1, 2021

Saab Naval

Submarino nuclear francês Émeraude treina com o USS Asheville (SSN 758)

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

GUAM – O submarino de ataque rápido USS Asheville (SSN 758) classe “Los Angeles” teve a rara oportunidade de treinar com tripulantes franceses neste mês, quando conduziu uma série de exercícios submarinos no mar com o submarino nuclear de ataque (SSN) FS Émeraude da classe “Rubis”.

O Émeraude e o navio de apoio e assistência da classe Loire (tipo BSAM) FS Seine estão em um desdobramento programado no Pacífico Ocidental. O Asheville e o Émeraude aproveitaram a oportunidade para praticar habilidades marítimas de ponta ao longo de vários dias em uma variedade de disciplinas destinadas a aumentar a interoperabilidade entre as forças marítimas.

“A oportunidade de empregar taticamente o submarino em um exercício multilateral foi benéfica para o nosso treinamento geral para operações desdobradas avançadas na AOR Indo-Pacífico”, disse o capitão de fragata Thomas Bullock, oficial comandante de Asheville. “Exercícios dessa natureza enfatizam a importância da interoperabilidade e melhoram nossas habilidades de combate.”

O Émeraude e o Seine também visitaram recentemente a Base Naval dos EUA de Guam, lar do Esquadrão de Submarinos 15 da Marinha dos EUA (CSS-15), em 30 de novembro como parte de sua implantação no Pacífico Ocidental. A liderança do esquadrão foi a primeira a recebê-los na “Ponta da Lança”.

“É importante alavancar nossas fortes parcerias estratégicas na área do Oceano Índico e da Ásia-Pacífico, especialmente nestes tempos desafiadores, quando a segurança marítima está ameaçada por crises transnacionais de saúde e políticas”, disse o comandante de Émeraude. “A disposição da Marinha dos Estados Unidos e da JMSDF de realizar exercícios anti-superfície e antissubmarinos conosco é um exemplo positivo do relacionamento cooperativo que nossas marinhas desfrutam.”

O Asheville é um dos quatro submarinos de ataque rápido da classe “Los Angeles” com o CSS-15, que está localizado em Polaris Point, Base Naval de Guam em Apra Harbor, Guam. A equipe do esquadrão é responsável por fornecer treinamento, material e apoio à prontidão de pessoal para esses comandos. Também baseados na Base Naval de Guam estão os tenders de submarinos USS Frank Cable (AS 40) e USS Emory S. Land (AS 39). Os submarinos e os tenders são mantidos como parte da força de submarinos desdobrados avançados da Marinha dos EUA e são prontamente capazes de atender aos requisitos operacionais globais.

Como a maior frota implantada avançada da Marinha dos EUA, a 7ª Frota dos EUA opera rotineiramente entre 50-70 navios e submarinos e 140 aeronaves com aproximadamente 20.000 marinheiros.

A área de operação da 7ª Frota se estende por mais de 124 milhões de quilômetros quadrados, desde a Linha Internacional de Data até a fronteira Índia/Paquistão; e das Ilhas Curilas no Norte à Antártica no Pacífico Sul, proporcionando segurança e estabilidade à região.

O Émeraude também fez exercícios antissubmarino com navios da Força Marítima de Auto-Defesa do Japão (JMSDF) e a Marinha dos EUA:

FONTE: Marinha dos EUA

- Advertisement -

20 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dalton

Já que o Galante consertou o problema da impossibilidade de comentar, registro que o Esquadrão de 4 SSNs americanos baseado em Guam acabou de perder um de seus submarinos, o USS Topeka que mudou-se para o Havaí onde passará por um longo período de manutenção e não há substituto ainda em vista. . Uma curiosidade sobre o “Ashville” é que ele é conhecido como “meu nome do meio é malvado” , por conta do “evil” entre “Ash” e “le”. . No mais é interessante um maior comprometimento de países europeus, especialmente França e Reino Unido, no Pacífico, aqui pontuado pelo… Read more »

CVN76

E no ano que vém, mais um deverá deixar esse esquadrão.

USS Oklahoma City SSN 723 indo para Bremerton/WA para iniciar o longo processo de inativação e descomissionamento.

Mas pelo menos para esse está previsto um substituto, o USS Jefferson City SSN 759 mudará de Pearl Harbor para Guam.

Dalton

A expectativa é que o “759” chegue a Guam em dezembro de 2021 e quanto ao “723” sendo ele um “F II” não terá sua vida consideravelmente estendida, o que só deverá ocorrer com alguns poucos “F III” ou “Los Angeles melhorados”.

Funcionario da Comlurb

Também registro aqui que o “Perle” , irmão de classe do “Emeraud” , que sofreu forte incendio enquanto estava docado, seguiu para reparos.

Last edited 2 meses atrás by Funcionario da Comlurb
Dalton

E o interessante será como será feito o reparo. Da mesma forma que o então USS San Francisco teve a parte dianteira danificada substituída por idêntica parte de um submarino descomissionado, o “Perle” terá a parte dianteira substituída pela parte equivalente do “Saphir” descomissionado ano passado.
.
As obras estão previstas para durar 2 anos, mesmo tempo que levou o reparo do “San Francisco”.

Paulo Costa

Nas tres ultimas fotos,o subnuc acelerou e deixou os 2 navios para tras.

Dalton

Só para deixar mais claro Paulo, a velocidade máxima do submarino francês na superfície é significativamente mais baixa do que os navios de superfície que supostamente ele teria deixado para trás.

mk48

Em imersão é de 25 nós.

Dalton

Exato é o que temos acesso. Quanto a velocidade máxima na superfície segundo o que li é de 18 nós, além do mais a hidrodinâmica de um submarino nuclear é´péssima na superfície exigindo muito dispêndio de energia e consequentemente “esvaziando” o reator mais cedo, se usado, inadequadamente obrigando “reabastecimento” no caso da classe “Rubis” antes que o planejado.

Gabriel BR

É outro patamar

filipe

Dois submarinos sem PumpJets , são duas classes ultrapassadas (Los Angels + Rubis) , o SNBR se baseia nessas duas classes, o SNBR é um mix de Rúbis/Scorpene + Los Angels , o próximo SNBR devera se basear no mix Virginia + Suffren/Barracuda, será bem mais modernos do que o projecto actual.

Juarez

E aí tu já acordou do torpor alucinógeno?

Dalton

O “pump jet” é altamente recomendável, mas,sua ausência não torna de imediato um submarino sem ele, “ultrapassado”, vide a classe russa conhecida como “Yasen”. . E o USS Asheville não é simplesmente um “Los Angeles” e sim um dos 23 originais “Los Angeles melhorados” mais capazes e silenciosos que os anteriores. . O último da classe o USS Cheyenne foi comissionado em 1996 com expectativa de vida de 33 a 35 anos e foi anunciado recentemente que ele será um dos submarinos a ser “reabastecido” coisa que os “Los Angeles melhorados” não precisam dentro dos 35 anos de vida, para… Read more »

filipe

Mas o PumpJet torna o submarino mais silencioso e evita a cavitação provocada pelas helices… Os projectos mais recentes de submarinos são todos com PumpJets Tirando os Russos e Chineses, mas no Ocidente é tudo com PumPjet, na Rússia apenas a classe Borei possui essa tecnologia.

Dalton

Sim, mas, os submarinos que não tem “pump jet” hoje, americanos, russos, etc, continuarão relevantes por muitos anos ainda.

filipe

O Bom do nosso projecto é o tamanho dele, 6800 Toneladas de deslocamento, 108.5 metros de cumprimento , 10 metros de diâmetro, quase um Los Angels ( 6900 Toneladas de deslocamento, 110 metros de cumprimento e 10 metros de diâmetro) , dai a razão do meu comentário , o SNBR sempre foi cópia do Los Angels , mas como o projecto é francês a base foi o Rubi, como o Rubi é pequeno se escolheu o Scorpene como base, o Rubi é um projecto com um um Reactor de 48MW igualzinho ao nosso, mas todos esses projectos não tem PumpJet,… Read more »

Dalton

Ficou um pouco confuso filipe. O “Rubi” é maior que um “Scorpene” !

filipe

Tem razão Dalton, o Rubi é maior com 2670 Toneladas e 73.6 metros de cumprimento, mas dizem que o scorpene é derivado dele, pelo menos o casco (ambas as classes usam no casco o aço HLES 80), então o nosso projecto é derivado do Rubis apenas na parte da propulsão, uma vez que o reactor da Classe Rubis é de 48 MW.

Alex Barreto Cypriano

Sabe que eu prefiro traduzir fast attack submarine pra submarino rápido de ataque. O rápido diz respeito ao submarino e não ao ataque. Mas cada um chama como quiser: depois só não pode reclamar quando um leigo (que eventualmente tenha o poder da bolsa) achar que um ssn brazuca (aquele convencional de propulsão nuclear) é um boomer…

Alex Barreto Cypriano

Justifico algo mais meu raciocínio, pro bem do figado de alguns: o quê diferencia um battleship de um fast battleship da WWII? O quê diferencia um submarino SSK de um ‘SSK’ nuclear? Então…

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

A foto que irritou os almirantes da Marinha dos EUA

Durante uma manobra no Caribe em 2007, um submarino alemão diesel-elétrico (U24) rompeu o anel defensivo em torno do...
- Advertisement -
- Advertisement -