segunda-feira, março 8, 2021

Saab Naval

Conexão Defesa nº 8: Debriefing da ‘Operação Pólvora’

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

No sábado, 26 de dezembro de 2020, às 20h de Brasília, teremos o oitavo programa Conexão Defesa no Youtube e Facebook, um bate-papo com os editores da Trilogia de sites Forças de Defesa.

Ao longo do programa, Alexandre Galante, Fernando “Nunão” De Martini e Guilherme Poggio vão analisar a simulação “Operação Pólvora”, debater sobre suas lições e responder a perguntas dos espectadores sobre o tema.

Aguardamos vocês lá!

- Advertisement -

54 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
54 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Fernando

o jesuis vamos passar vergonha de novo, já não basta a sabugada agora teremos o debriefing

pangloss

Não basta perder o jogo. O torcedor sai do estádio, chega em casa cansado e ainda liga a TV para ver os comentários, o tira-teima e todo o restante, só para prolongar o sofrimento.

Zé Mané

Na minha modestíssima opinião, a Operação Pólvora serviu para provar uma coisa: não adianta multiplicar por 3 nossas capacidades militares. Claro que com maior capacidade de dissuasão, nenhum potência se aventuraria a nos atacar sem uma razão muito forte. No entanto, se o motivo fosse suficientemente forte para a aventura, nada impediria nossa derrota, já que, apesar de eventuais perdas pesadas dos atacantes – refiro-me a uma potência militar, claro, não a uma vizinhos sul-americanos – suas indústrias teriam capacidade de reposição. A questão a meu ver portanto, não é de recursos desviados por corrupção que poderiam ser utilizados no… Read more »

Mariner

Este tal de ter pólvora saiu da cabeça de quem não tem neurônios, melhor esquecer antes que os EUA levem a sério e a surra vai ser grande.Qualquer coisa que for dita com a palavra PÓLVORA nos remete ao delírio do bolsomito. 🤣🤣🤣🤣

Paulo Drusnam

Calaaaado!

Mariner

Pesso desculpa aos autores da trilogia por ter levado o assunto para o lado político, é que no meu modo de ver a precariedade das forças armadas , e do país tem a ver com os políticos .
.

Salomo0n

Eu também peço. Fui injusto e cruel, assumo as consequências de tão tresloucado gesto.

Paulo

Também peço desculpa pelo desvirtuamento.

carvalho2008

Mestre Galante,

Se o GT invasor estava a 300km – 400 km do Continente, isto faz pensar que os submarinos costeiros da categoria de 250 ton a 800 ton podem fazer um excelente trabalho de defesa, pois estas categorias podem atuar com um range de 3 mil km.

  • 1 Subnuke = 4 Scorpenes BR
  • 4 Scorpenes BR = 12 Midget Submarines
carvalho2008
  • 01 SubNuke Alvaro Albaerto = 04 Scorpenes BR
  • 01 Scorpene BR Riachuelo = 03 SMX 23
  • 04 Scorpenes BR = 12 SMX23 Andrasta

Existem vários modelos novos da categoria de 300ton a 800 ton que aparentam ter otima efetividade e alcance de ate 3 mil km.

carvalho2008

comment image

Esteves

Os editores citaram a saturação como meio efetivo de ataque/contra ataque.

Quantidade.

4 Scorpenes = 12 Andrasta.

12.

Carvalho2008

Exato…12

E se um subnuke equivale ao custo de 4 Riachuelos, então haveria mais 12…

12+12= 24 SSKs da categoria 800 ton….

carvalho2008

comment image
Agora com o exercício talvez alguns colegas entendam quando falo de levar uma guerra assimetrica ao mar.

Aqueles pequenos barcos submersives focados em ataques de satração, poderiam com 120 GLSDBs, causar um inferno nos sistemas AEGIs. Caso fossem 03 unidades do tipo, poderiam descarregar até 360 glsdbs de 125 kg com alcance de até 120 km. Acertando ou de forma diversionista, sobrecarregaria os SMs permitindo os caças da FAB e MB chegarem.

carvalho2008

Um tosco barco submersivel de construção simples como os Gadhir, com um arsenal barato ( cerca de US$ 80 mil cada GLSDB) e leve pois épequeno…pesariam umas 16 ton e acrescentaria apenas uma seção de cerca de 40 ton ao casco. O ataque é acima da distancia padrão da guerra submarinacomment image

carvalho2008

comment image

carvalho2008

comment image

carvalho2008

comment image

Esteves

Eu não entendo nada disso. Só dou palpites.

Nunca vi motivos ou razões para torrar 2 bilhões de dólares com 4 navios fragatas…serão sempre 4 ou 2 bilhões de euros com 4 submarinos…sempre 4.

4 bilhões de dólares para dotar nossa Marinha de/para guerra assimétrica.

Isso faz sentido. A Saab está no nosso quintal.

Esteves

Não esqueça toda a cerimônia radioativa de um reator nuclear.

1 nuclear = 4 não nucleares no custo da construção.

Bota esses 50 anos na conta…

carvalho2008

O SMX23 Andrasta tem comunalidade de até 70% de peças com o Scorpenecomment image

carvalho2008

Minusculo Italiano DG160.comment image

carvalho2008

O DG 550 com 4 tubos de 533 mmcomment image

Luiz Dias

Uma chuva de mansup S300 levava o porta aviões ao naufrágio bastava soltar 20 de várias direções que o caos comia sólito kkkk

Bosco

Como o CSG seria detectado? Como se daria a “kill chain”?

Luiz Dias

Uma pequena ogiva nuclear passiva como bomba naufragava a frota toda

Bosco

O que é uma ogiva nuclear passiva?
E depende! A dispersão de uma CSG pode colocá-la protegida de apenas uma bomba nuclear.

Luiz Dias

Como uma bomba não míssel pode ser embarcada em qualquer tipo de veículo disfarçado desde um barco pesqueiro a um minisub robô de alta profundidade 1000 m navega protegido e chegando ao local de detonação sob lentamente até o ponto ideal pra detonação … estratégia de desespero mas eficaz … criatividade na guerra é fundamental kkk

Bosco

Um dos princípios que regem a utilização de armas nucleares é o de “não usar primeiro” (NFU). A ìndia e a China se comprometeram a isso. Os outros paises nucleares (EUA, Rússia, RU, França, Israel, CN, Paquistão) não se comprometeram. Ou seja, não seria bom o Brasil em tendo armas nucleares, usá-las contra os EUA, mesmo no caso de um ataque por parte deles. *Os americanos se reservam a usar armas nucleares no caso de algum país usar contra eles e no caso de uma agressão convencional de larga escala contra si ou um país aliado, tendo o país atacante… Read more »

Esteves

Bomba…burra ou nuclear tem que ter muitas. Se tiver 1 e usar…vai levar 30 na cabeça.

Não se faz guerra com 4 navios…ops…nem com 6 aviões…ops…menos ainda com 4 submarinos…ops de novo.

Salomo0n
Luiz Dias

Em uma guerra a loucura estratégica leva a resultados surpreendentes … não se esqueçam dos russos no Afeganistão os americanos no Vietnã …

Esteves

A Operação Pólvora mostra combates no mar.

joão Fernando

Temos jangadas

carvalho2008

O uso de Drones Engodos para ação diversionista, saturar e atrair os misseis antiaéreos para si desviando-os de atingir os caças.
comment image

carvalho2008

O firebee esta entre os modelos mais produzidos.
comment image

carvalho2008

MALD Miniature Air Launched Decoy
comment image

carvalho2008

comment image

Bosco

A coisa é mais feia do que a simulação mostrou. Numa situação real os E-2D teriam detectado os E-99 e caças F-18E em patrulha teriam neutralizado os dois antes deles detectarem o CSG. Depois, uma chuva de Tomahawks destruiria a base aérea antes dos caças decolarem. Após, a base seria varrida por caças. Os poucos caças que conseguissem decolar seriam destruidos no ar pelos caças. Os navios brasileiros seriam alvos de uma série de armas stand-off lançados pelos caças ou mesmo pelos navios. Os navios da Marinha do Brasil posicionados a 300 km de distância seriam alvo de mísseis como… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Bosco
Esteves

Você lê a notícia e vê as imagens de 1 AB lançando 50 mísseis contra forças na Síria. 50 de 1 navio. Imagino como seria e pra onde o Esteves correria ou aonde me esconderia de 50 mísseis. Não…não imagino. Uma das desculpas…talvez desculpa não seja a palavra correta…mas um dos motivos para termos o que temos e sermos o que somos é a região. Região de baixa tecnologia, região de baixo empoderamento, região de minhocas não pode ter galinha…menos ainda águia. Um papai-noel…1 papai-noel bem bacana foi a um asilo animar os idosos porque a COVID avança mais nas… Read more »

joão Fernando

Esse papai Noel não foi na Europa? Ou estamos na Europa e não to sabendo?

Bosco

Para termos chances contra um CSG teriamos que ter: Aviões patrulha avançados e aviões radar em patrulha 24/7, escoltados por caças. Uma grande quantidade de caças (120???) estacionados em bases fora do alcance dos Tomahawks, capazes de ser reabastecidos em voo por aviões tanque também fora do alcance dos Tomahawks. *Pelo menos duas formações de ataque seria mais apropriado , de modo a dispersar os meios defensivos. Nesse caso a utilização de mísseis despistadores seria fundamental. Esse pacote de ataque teria que ser formado por caças armados com mísseis antinavios, caças dedicados ao ataque eletrônico e lançamento de mísseis despistadores… Read more »

Esteves

Marinha fora. Submarinos liqüidados.

Vichi.

EParro

Vichy era na França ocupada!
Aqui seria Sifu!
Saudações Esteves

Esteves

Será que assim seria?

“Dois quintos do país administrados pelo governo local,

Todos os vascaínos seriam entregues aos invasores,

O exército local contaria apenas com 10 mil homens,

Permanência dos presos de guerra em Bangú,

Caberia ao país invadido arcar com os custos da ocupação,

Os sambistas não poderiam deixar o país.”

carvalho2008

Perfeito Mestre Bosco! Por incrível que pareça, os aviões AEW da frota invasora seriam os alvos primários e para tanto, a necessidade de misseis específicos de muito longo alcance precisariam estar embarcados em nossos caças. Sem destruir os E2, é quase como ter de abortar a operação pois eles são os designadores para toda a defesa da frota. . Não acho que a frota ficaria a apenas 350 km de distancia de nossa costa, ficariam mais distantes…. Seria de fato, necessario capacidade de REVO na perna de ida de ataque de nossos caças em grande quantidade, pois eles estariam operando… Read more »

Luiz Dias

Na verdade está guerra nunca acontecerá …somos aliados históricos , treinamos juntos o congresso americano não autorizaria , somos a segunda maior democracia do mundo após o próprio USA, os Estados Unidos foram o primeiro país a reconhecer o Brasil como país independente apus 1822 … e se num absurdo hipotético ainda acontece-se a guerra outros aliados se posicionariam geopolítica è complicado e a guerra outra vez nem começaria …e se anda assim acontece-se nada é como parece pois a Inglaterra contra Argentina em 82 não foi um passeio apesar da superioridade inglesa … como diria Sun Tzu em a… Read more »

Esteves

De novo. Sun Tzu comics. Manhua de Sun Tzu.

Uma Marinha de 6 aviões, 4 navios e submarinos…

Mantenha o inimigo afastado com espada longa se voce bebeu demais na noite anterior.

Ensinamento de Sun Esteves.

carvalho2008

Quando falo de guerra assimetrica marinha, não quer dizer que não tenha de se realizar razoaveis investimentos, mas mesmo assim investimentos inversamente proporcionais desembolsados pelo inimigo.

Poderíamos usar e/ou desenvolver “mobiles mines” (Minas moveis)

Algumas chegam a ser similares a UUVs. Possuem biblioteca de assinatura, sonar passivo, contador de navios que assim identificado navio ou sub agressor, solta um torpedo em direção ao contato.comment image

carvalho2008

Mina Mark 60 Captor
comment image

carvalho2008

comment image

carvalho2008

Pesquisa Australiana

carvalho2008

Interessante material sobre a micro automação da guerra submarina, isto pode mudar em muita a forma de combater abaixo da superfície.
https://www.strikepod.com/cuber-implications-for-microsubmarines/

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Dynamic Manta 2021: Forças da OTAN treinam para a guerra antissubmarino

De 22 de fevereiro a 5 de março de 2021, acontece, no Mar Jônico, o exercício antissubmarino (ASW) da...
- Advertisement -
- Advertisement -