sexta-feira, dezembro 3, 2021

Saab Naval

Marinha do Brasil inicia a Operação ‘ADEREX-Aeronaval I/2021’

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A Marinha do Brasil iniciou, em 22 de março, as atividades da Operação “ADEREX-Aeronaval I/2021”, que envolve os meios do Comando da Força Aeronaval, além dos meios do Comando da Força de Superfície: Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico” e as Fragatas “Independência” e “União”, atuando na área compreendida entre as cidades do Rio de Janeiro e Cabo Frio (RJ).

Durante os cinco dias de operação, que se estenderá até 26 de março, serão realizadas operações de esclarecimento e ataque, ações de superfície, aeronavais, de defesa aeroespacial, a fim de contribuir para elevar o grau de adestramento dos meios navais e aeronavais da Esquadra.

O Grupo-Tarefa (GT), comandado pelo Contra-Almirante Eduardo Augusto Wieland, Comandante da 2ª Divisão da Esquadra (ComDiv-2), conta com a participação de cerca de 1.500 militares, cumprindo adestramentos e qualificações que contribuem diretamente para a manutenção da capacidade operativa da Esquadra.

FONTE: Marinha do Brasil

- Advertisement -

23 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO

Parece aquelas crianças que os pais não deixam sair da rua…

pgusmao

Tudo da Marinha parece sempre estar no perímetro do RJ, parece até a Marinha do RJ!!! O Brasil é um “pouquinho” maior!!

Pablo

Lembro que em fevereiro do ano passado o Atlântico esteve em Rio Grande/RS. A vez anterior que um navio do porte tinha vindo ate Rio Grande, foi em 2001, com o São Paulo.
E ainda tem gente que acha ruim criticar a “Marinha do Rio de Janeiro”.

Nilo

É o excesso de barulho provocado duissss “ssssssss” da Marinha do Brasil. Estão a nos poupar a saúde da poluição sonora.

Gabriel

Se os objetivos pretendidos com a Operação podem ser atingidos na proximidade da Base, por qual motivo deveriam realizar em uma área distante (Sul ou Norte), considerando os gastos logísticos?

Alex

Nessa região se concentra grande área de exploração de petróleo, talvez seria isso e devido a logística.

Matheus S

A MB poderia receber muitas outras críticas, mas essa é infundada. A notícia diz o seguinte: “além dos meios do Comando da Força de Superfície: Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico” e as Fragatas “Independência” e “União”, atuando na área compreendida entre as cidades do Rio de Janeiro e Cabo Frio (RJ).” Por acaso, os navios de superfície irão atuar na Lagoa de Araruama, único corpo de água que banha São Pedro da Aldeia? Não. Irão atuar na faixa de mar que compreende o RJ e Cabo Frio ou Arraial do Cabo. Sugiro muito olhar o mapa e ler com atenção antes… Read more »

Zorann

Estes exercícios devem ser feitos em outras regiões do Brasil também.

João Carlos

Se sair do Rio de Janeiro gasta muito combustível e aí fica difícil o orçamento pra lagosta…
…. Aí tem a plataforma de petróleo… Bla bla bla bla…isso é papo pra boi dormir…
Não saem do Rio de Janeiro porque fica caro, e com navio velhos uma pane pode piorar muito a coisa… Só isso.

Gustavo

Deixa a Marinha do Rio de Janeiro atuar no morro da Amazônia azul poxa.

Bardini

O pessoal viaja muito na maionese e quer “bater” até em coisa que está certa do jeito que está. . A Esquadra de Guerra concentrada no RJ, gera economia e assim deve ser. . Ao longo da costa, nós precisamos é de uma força com cara de Guarda Costeira. Cadê essa força??? É aí que está o problema real no tocante a presença. Quer bater? Bate nisso aí. . A MB não precisa e não deve queimar combustível em navio, aeronaves e consequentemente dinheiro para mandar pessoal para executar uma operação dessas no Nordeste ou Sul, pra só agradar olheiro:… Read more »

Arrais Amador

Fazer exercícios só na costa do RJ significa apenas incapacidade de projetar poder fora da costa do RJ. Por falta de recursos, é claro; mas é isso.

Bardini


.
TODO ano a MB sai do RJ, no mínimo por uma vez em uma grande comissão, com a Força Tarefa que consegue montar naquele momento.

Last edited 8 meses atrás by Bardini
Marcelo Andrade

Bardini, muito boa sua explicação mas, infelizmente, esse pessoal gosta só de denegrir, não conhecem nada além da padaria perto de casa!! Eles querem que a MB vá fazer um adestramento no Oceano Índico, e não adianta fundamentar, é o mesmo que dar bom dia a um poste!

João das Botas

Recentemente várias unidades estiveram no NE, não?

Pablo

So que a marinha tem que marcar presenca no resto do Brasil uma vez por década pelo menos.

Marcelo Andrade

Pesquise por Forças Distritais! Navios Patrulha. Vocè vai entender!

Fernando XO

Comentário lúcido e imparcial.

Gelson

Boa tarde, à parte a área de operação ser conveniente ou não para a MB eu gostaria de saber como são feitos estes exercícios. Principalmente este: “serão realizadas operações…, de defesa aeroespacial, a fim de contribuir para elevar o grau de adestramento dos meios navais e aeronavais da Esquadra”.
Como é feita esta simulação de ataques aeroespaciais – eu entendo a ação dos dois A-4 e helicópteros tentando se aproximar para um ataque com bombas e mísseis de menor alcance. Mas, para mísseis de longo alcance e balísticos…como é feito isso?
Obrigado.

Last edited 8 meses atrás by Gelson
Leandro Costa

Depois criticam que gastam mal o orçamento…

Dalton

É uma operação de apenas 5 dias como mencionado no texto, então não dá para ir muito longe de qualquer maneira. A US Navy também tem suas áreas de treinamento, na costa leste a área entre Charleston e Jacksonville é comumente usada.

Agnelo

Prezado
Não sou de Marinha, então não terei muita precisão, mas uma Fragata dessa consome uns 40.000 litros de combustível dia ( se não me falha a memória – por favor, os colegas de Marinha me corrijam).
Logo, dependendo do Obj do exercício, é válido ser longe?

Carlos Eduardo Oliveira

No década de 2010, estava sendo feito um estudo sobre a criação de uma segunda esquadra, mas a ideia não saiu do papel.
Se não me engano, esse estudo estava sendo feito pelo Ministro da Defesa na época (Nelson Jobim).

Publicidade
- Publicidade -
Parceiro

Últimas Notícias

IACIT apresentará na Mostra BID Brasil tecnologias únicas existentes no país

Empresa com mais de 35 anos de história é referência em soluções de ponta que podem contribuir para...
- Advertisement -