segunda-feira, abril 12, 2021

Saab Naval

Helicóptero Lynx da Leonardo celebra 50 anos desde seu voo inaugural

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br
  • O Lynx da Leonardo voou pela primeira vez no dia 21 de março de 1971, nas dependências da companhia em Yeovil. Atualmente, nove países seguem operando o helicóptero, entre eles a Marinha do Brasil
  • O acontecimento destaca o sucesso da companhia como líder global no mercado naval de helicópteros, além de desempenhar um papel-chave na defesa do Reino Unido contra ameaças marítimas e terrestres
  • G-Lynx mantém o recorde de helicóptero mais rápido

Há 50 anos, em março de 1971, um protótipo do helicóptero Lynx (XW835) de cor amarela decolou de Yeovil,  no Condado de Somerset, na Inglaterra. A aeronave, um ícone até hoje, era pilotada por Ron Gellatly e completou dois voos curtos de 10 e 20 minutos, respectivamente.

Além do Piloto de Teste Chefe, seu suplente, Roy Moxam, ocupou o assento de co-piloto, enquanto Dave Gibbings voou como engenheiro de teste de voo, responsável pelo gerenciamento de instrumentação, monitoramento de dados de estresse e observações de backup.

Este acontecimento que marca o 50º aniversário da Leonardo também reforça a posição de liderança nesta categoria de tamanho/peso no mercado de helicópteros. O design e o desenvolvimento do Lynx atenderam às demandas dos operadores e aos requisitos em mudança em terra e no mar, o que levou à introdução de várias variantes em linha com as novas tecnologias que surgiram.

Protótipo do Lynx XW838

Protótipo do Lynx XW836

O legado do Lynx também contribui fortemente para a proteção do território e dos mares no Reino Unido, pronto para enfrentar quaisquer ameaças potenciais no ambiente marítimo, além de atuar na função de helicóptero de combate.

Mais de 500 aeronaves desta classe foram construídas, atendendo a operadores em todo o mundo. Existem nove países que ainda usam a aeronave hoje para missões como guerra anti-superfície, guerra anti-submarino, campo de batalha, busca e resgate, proteção costeira, utilitários leves, entre muitos outros. Os operadores atuais das variantes do Lynx incluem a Marinha do Brasil, a Marinha Real da Malásia e a Força de Defesa Sul-africana.

Helicópteros Lynx da MB com as cores da época

Lynx pousando na fragata Independência

Super Lynx e a fragata Liberal
Super Lynx e a fragata Liberal

A Marinha do Brasil opera helicópteros Lynx há mais de quatro décadas. No final do ano passado, no Reino Unido, a Marinha do Brasil e a Leonardo concluíram o Teste de Aceitação de Fábrica do quarto dos oito helicópteros Super Lynx Mk21B atualizados.

A Leonardo continua apoiando sua base de clientes global que ainda opera o Lynx em suas instalações de Yeovil.  Atualmente, a Leonardo trabalha na atualização de cinco aeronaves Lynx MK95A para a Marinha Portuguesa. O trabalho de modernização inclui novos motores, um novo cockpit de vidro com Display Units integrados, dentre muitas outras tecnologias.

As origens do desenvolvimento do Lynx começaram como parte de um programa anglo-francês de três aeronaves. O desenvolvimento básico do Lynx foi realizado utilizando cinco protótipos de aeronaves, cada um deles pintado em uma cor diferente: amarelo (XW835), cinza (XW836), vermelho (XW837), azul (XW838) e laranja (XW839). O programa de teste de voo inicial envolveu 13 aeronaves.

G-Lynx detentor do recorde de velocidade para helicópteros
G-Lynx detentor do recorde de velocidade para helicópteros

Em março de 1972, a quarta aeronave Basic voou pela primeira vez e incluía a primeira cabeça de rotor ‘Monobloc’, padrão escolhido para a produção. A cabeça do rotor de produção apresentaria um cubo central com quatro elementos de flapping integrais forjados a partir de um único bloco de titânio, conhecido como cabeça ‘Monobloc’. A primeira produção Naval Lynx (XZ227) voou pela primeira vez em 10 de fevereiro de 1976, e a primeira entrega à Marinha Real foi feita em 8 de julho de 1976.

A Marinha Real dos Países Baixo (RNN) encomendou o Lynx antes que os testes no Reino Unido fossem concluídos, sendo que o primeiro Lynx Mk 25 voou em setembro de 1976. Paralelamente à entrega da aeronave da RNN, o Lynx passou a operar com a Marinha Britânica em 26 de janeiro de 1978. Em junho do mesmo ano foi a vez do British Army Air Corps receber aeronave, enquanto que daquele ano, o Lynx iniciou suas operações na Alemanha.

Helicóptero Super lynx da MB armado com míssil Sea Skua

O Lynx trouxe inovações tecnológicas para a época, incluindo as lâminas do British Experimental Rotor Program (BERP), capazes de aumentar a velocidade máxima e a capacidade de decolagem, posteriormente adotadas também para todas as variantes Lynx / Super Lynx e para o AW101. Adicionalmente, a icônica aeronave quebrou o recorde mundial de velocidade há 35 anos, em 11 de agosto, quando o chamado G-Lynx atingiu velocidades de 249 mph / 216 nós / 400 km / h no horizonte de Somerset.

AW159

O AW159 representa a mais recente capacidade oferecida pela Leonardo neste segmento de mercado, mantendo sua liderança. Com sua aviônica totalmente integrada e suíte de missão, juntamente com um processador tático e Interface Homem-Máquina derivada de militares, o AW159 oferece consciência situacional avançada nos ambientes marítimo e terrestre.

Ele é projetado para operar com segurança nos menores conveses dos navios e nos ambientes mais adversos de mau tempo e mar alto, ao mesmo tempo em que oferece alta disponibilidade para o cumprimento imediato da missão.

O AW159 não é apenas fundamental para a proteção da frota de navios da Marinha Britânica de hoje e de amanhã, mas também está em serviço com clientes de exportação, oferecendo capacidade multifuncional para operações de superfície e subterrâneas. Para o Exército do Reino Unido, é parte integrante da 1ª Brigada de Aviação na função de Coordenação e Reconhecimento de Ataques, com utilidade em todo o espectro de operações.

O editor do Poder Naval Alexandre Galante em 1988, quando era tripulante da fragata Niterói, ao lado de um helicóptero Lynx, durante os primeiros ensaios com o míssil antinavio Sea Skua na Marinha do Brasil

Vídeo do primeiro voo do Lynx

DIVULGAÇÃO: Leonardo / Approach Comunicação

- Advertisement -

31 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mk48

Na verdade a Leonardo está colhendo os frutos de um projeto da Westland.

Leandro Costa

Boa, Sherlock!

Luiz

Também poderíamos estar colhendo os nossos.
Foto do Beija-Flor, o primeiro (e único) helicóptero brasileiro(1960)

o beija-flor e seu construtor em 1963.JPG
Paulo Sollo

Desenvolvido pelo mestre Heinrich Focke, criador ao lado de Kurt Tank do lendário FW-190, e que construiu o primeiro helicóptero totalmente controlável do mundo. “Se” os interesses desde aquela época fossem outros, o Brasil poderia ter se tornado pioneiro na área, e hoje poderia ter uma indústria solidamente estabelecida. Com o fim da 2ª guerra, muitos paises tiveram a oportunidade de usufruir dos conhecimentos de projetistas alemães que estavam à frente de seu tempo em várias áreas, e lucraram tremendamente com isto. O Brasil foi agraciado com esta oportunidade, mas seus governantes sob o jugo de visão estreita e ambições… Read more »

Mk48

Otimo texto Paulo.

Se não me engano a Argentina (na época do Peron) conseguiu começar a desenvolver um avião cim a ajuda de um desses engenheiros alemães. Chegaram a construir um protótipo mas abortaram o projeto por falta de grana e por falta de infra-estrutura fabril.

Abs.

Paulo Sollo

Sim, e foi o próprio Kurt Tank, que passou a desenvolver na Argentina o jato Pulqui ll.
Porém antes dele esteve lá desenvolvendo o Pulqui l o também lendário engenheiro francês Émile Dewoitine, que projetou o Dewoitine D.520, o melhor caça francês da Segunda Guerra.
Creio que tem uma matéria sobre isto no Poder Aéreo.

Mk48

Isso mesmo !

Tomcat4,2

Não sabia deste fato histórico, obrigado por compartilharem !!!

Luiz

E você conhece a história do convertiplano, também desenvolvido aqui por Heinrich Focke cujo protótipo quase foi finalizado?

Convertiplano.jpg
Otto Lima

O ancestral dos tiltrotors?

Tomcat4,2

Rapaz, pegou pesado hein, não conhecia, o ancestral dos tiltrotors é brasuca ,loucura loucura, viva a história.

Leandro Costa

Na verdade não. Existem diversos ancestrais para eles. P Focke mesmo começou à trabalhar no dele durante a Segunda Guerra Mundial. Na Alemanha.

Acho que aquele da Bell voou já em meados da década de 1950 ou algo assim. Enfim… muitos desenvolvimentos paralelos.

Kemen

O mesmo com a Gurgel e inumeros projetos de tanques de guerra e carros blindados de infantaria que morreram com o tempo, por falta de interesse do Estado em manter seu interesse nessas industrias.

Mk48

Sim… lembro do Osório……

Pablo

Hoje o EB busca um caça tanque para seu arsenal, a engesa ja tinha o projeto do Sucuri 1 e 2, este ultimo, se nao me engano, com a torre da propria engesa com um canhao L7 de 105mm (ou 120mm) nao tenho bem certeza. E outro informação que nao tenho certeza (nao achei muitos detalhes) é que esse projeto e um dos primeiros (ou primeiro) com essa finalidade.
Bem que poderiam fazer uma matéria com detalhes no forte.

Bardini

Hoje o EB busca um caça tanque para seu arsenal”
.
O EB não está buscando um caça tanque.
.
https://www.forte.jor.br/2018/03/01/entrevista-completa-de-reginaldo-bacchi-para-forcas-de-defesa/

Leandro Costa

Tanto Sucuri I e II tinham canhões de 105mm. A torre da ENGESA no Sucuri II (o primeiro tinha uma torre oscilante francesa), tinha um canhão OTO MELARA de 105, que realmente era uma versão do L7 inglês mesmo.

Zorann

Eu sei que os Super Lynx da MB estão passando por modernização e tals (não me lembro quantos já entregues).

Uma dúvida: o custo de operação de um AW 159 é maior que um SH 60?

Alexandre Galante

O AW159 é mais barato de adquirir e de operar que o MH-60.

Zorann

Obrigado

Leitor da Trilogia

Boa noite Galante.
E em termos de capacidade como ficam?

Dalton

No caso de ainda não ter lembrado, 4 já foram devidamente entregues. Restam 4, inclusive os 2 sobreviventes do primeiro lote adquiridos na década de 1970 que já haviam passado por uma modernização elevando-os para o padrão “Super Lynx” na década de 1990.

Mk48

Oi Dalton. Bom dia.

Modernizações e entregas a parte, não sei você, mas eu acho os Lynx muito bonitos, um design agressivo, e um desenho ainda muito atual.

Abs.

Rinaldo Nery

Quando servi na Macega (88 a 90), gostava de ver os Lynx voando. Som inconfundível. Primeira aeronave militar no Brasil com RWR.

Mk48

Lembro muito dos shows aéreos no MUSAL, década de 90. Eu morava no Flamengo, mas ia até lá só para ver os Lynx fazerem acrobacias e o show do Cel. Braga com seu T6. Tempos da filmadora vhs.

Last edited 9 dias atrás by Mk48
Rinaldo Nery

Em 88 um Lynx entrou voando numa pedra em Casemiro de Abreu, testando NVG c franceses a bordo. Morreu o Clementino, meu veterano na EPCAR. Não passou no exame do CEMAL e foi p Escola Naval.

Leandro Costa

Provavelmente nos topamos por lá algumas vezes hehehehe

Dalton

Concordo “48” e além do mais nenhum país pode se dar ao luxo de dispensar a modernização de plataformas ainda viáveis que assim continuarão relevantes durante muitos anos ainda.
.
Aproveito a ocasião para agradecer a você e por extensão aos outros pelas generosas palavras em “post” anterior.
.
Abraços !

Mk48

Oi Dalton, bom dia.

“nenhum país pode se dar ao luxo de dispensar a modernização de plataformas ainda viáveis…”

Exatamente.

Um abraço !

Tomcat4,2

Uma super máquina em sua categoria com certeza, ainda mais agora com os novos armamentos !!!

Kemen

Maravilhoso e vitorioso projeto e produção da Westland Aircraft.

- Publicidade -

Guerra Antissubmarino

SIMULAÇÃO – Como o P-3AM Orion da FAB caça submarinos

O Esquadrão Orungan (1°/7° GAv) realizou, nos dias 16 e 17 de julho de 2014, missão antissubmarino (ASW) na...
- Publicidade -
- Advertisement -