segunda-feira, abril 12, 2021

Saab Naval

Expedição encontra o destróier USS Johnston no naufrágio conhecido mais profundo do mundo

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Offshore Samar Island, Mar das Filipinas – Uma expedição privada financiada e executada por dois ex-oficiais da Marinha dos EUA relocalizou, inspecionou e filmou com sucesso o USS Johnston, o naufrágio mais profundo conhecido do mundo que se encontra principalmente em profundidades de 21.180 pés (6.456 m).

O financiador da expedição, Victor Vescovo, é um ex-comandante da Marinha dos Estados Unidos (aposentado) que pilotou pessoalmente seu submersível DSV Limiting Factor até o naufrágio durante dois mergulhos separados de oito horas. Estes constituíram os mergulhos em naufrágios mais profundos, tripulados ou não, da história.

O USS Johnston (DD-557) foi um destróier da classe “Fletcher” da Marinha dos EUA que afundou em batalha em 25 de outubro de 1944. O Johnston media 376 pés (115m) de comprimento com uma boca  de 11,9 m. O navio foi afundado durante uma intensa batalha contra forças japonesas muito superiores na costa da Ilha de Samar durante a Batalha do Golfo de Leyte, amplamente citada como a maior batalha naval da história.

“Em nenhum engajamento em toda a sua história, a Marinha dos Estados Unidos mostrou mais galhardia, bravura e coragem do que nas duas horas da manhã entre 7h30 e 9h30 ao largo de Samar”, escreveu o contra-almirante Samuel E. Morison em seu History of US Naval Operations in World War II.

Após o comissionamento do navio, o capitão 3⁄4 nativo americano de Oklahoma do destróier, comandante Ernest Evans, disse à sua tripulação que “nunca fugiria de uma luta” e que “qualquer um que não quisesse se colocar em perigo, é melhor sair agora.” Nenhum membro de sua tripulação o fez.

USS Johnston (DD-557) em 27 de outubro de 1943

Batalha de Samar. Parte da Batalha do Golfo de Leyte
Batalha de Samar. Parte da Batalha do Golfo de Leyte

DIVULGAÇÃO: Caladan Oceanic

- Advertisement -

44 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
44 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mk48

Um feito tecnologico fantastico, mas a chamada da noticia induz ao erro. O “mergulho mais profundo do mundo ” ?

Não. Não é . Na verdade o local mais profundo conhecido possui praticamente o dobro da profundidade onde esse naufragio ocorreu. Trata-se da “Fossa das Marianas”, onde em 1969, o batiscafo americano “Trieste” chegou pela 1a vez.

Mk48

Blz Galante!

Abs.

LucianoSR71

A manchete não está correta, mas no texto consta: “Estes constituíram os mergulhos em naufrágios mais profundos, tripulados ou não, da história.”
A historia da Taffy 3 na Batlha de Samar é um dos mais interessantes e heroicos capítulos da 2ªGM, um dos destroyers perdidos ganhou um episódio na serie Hero Ships USS – o Samuel B Roberts:https://www.youtube.com/watch?v=yNCtVyzlSQg

Mk48

Prezado Luciano,

Minha observacao foi no sentido de corrigir a manchete.

Depois, acrescentei um pouco mais de informação a noticia.

Temos que acabar com um hábito que existe aqui no blog, que é depreciar as contribuições que nós , foristas, tentamos fazer as materias publicadas no blog. Até para alertar os Editores. Blz?

Abs.

Last edited 9 dias atrás by Mk48
LucianoSR71

Não estou lhe criticando, estou apenas corroborando quanto a manchete que não condiz ( condizia, agora após a alteração ) c/ o que diz no texto, ok?
Abs.

Mk48

Amigo, agradeço.

As vezes interpretamos um texto de forma errada.

Me desculpe.

Abs.

LucianoSR71

Sem problema, mas alguém me negativou, rs.
Aproveitando, já assistiu o documentário sobre o Samuel B Roberts?
Essa serie tem 13 episódios.
Abs.

Mk48

Não. Mas vou procurar no youtube.

Obrigado pela dica!

Abs

LucianoSR71

Não sei se tem todos no YT, mas se vc entende bem o espanhol, tem todos os 13 disponíveis procure no Google:
documaniatv buques de guerra
Esse site é como se fosse um YT dedicado a documentários em espanhol tem muita coisa boa, só sobre Historia são quase 6 mil – quando comparamos ao que temos disponível em português, vemos como não damos valor a cultura no seu melhor nível.

Mk48

Minha esposa é argentina. Sem problemas com o espanhol.

Obrigado!

Abs.

nonato

Apenas uma observação.
Não é crítica.
Você conseguiu identificar erro na matéria, mas interpretou errado o comentário do colega.
🤭
Escrever manchete e interpretar comentário não está fácil para ninguém.
🙆‍♂️

Mk48

Sim. É verdade, mas já havia me desculpado com o Luciano.

Abs.

Piassarollo

Concordo plenamente, a função do site é essa, trazer informações e conhecimento. E nossa função aqui é justamente aprender e compartilhar informações, abraço

Mk48

Isso ai !!!!

Abs.

Blindado

Creio que o nobre colega se equivocou com a interpretação.
A não ser que o equivocado seja eu está dizendo que é o mergulho mais profundo “em naufrágios” e não o mergulho mais profundo como creio que entendeu.

LucianoSR71

O título original era outro, já está modificado.

Mk48

Olá Blindado.

O título original foi mudado, conforme o Luciano observou .

Obrigado.

Abs.

Marcelo Andrade

Show MK48, inclusive o Trieste foi utilizado para achar os destroços do SSN Thresher!

Mk48

Bem lembrado Marcelo Andrade!

Thiago A.

Bem observado MK, só complementando, essa grande epopéia “americana” viu a fundamental contribuição dos europeus ( como na maioria dos casos) entre eles a Itália que construiu o batiscafo, lembrando
a participação importante das Acciaierie di Terni, a mesma que permitiu o surgimento da OTO Melara ( hoje parte do grupo Leonardo) produtora do famoso canhão Otobreda 76/62 mm.
Abraço e feliz páscoa.

Mk48

Bom dia Thiago !

Rapaz, eu não fazia a menor idéia sobre a contrução do Trieste e tbm sobre as outras informacoes citadas por você.

Obrigado por compartilhar conosco !
Feliz Páscoa.

Abs.

Zé Mané

Comandante disse que quem quisesse sair que “saísse agora”. Sair para onde? Pedir um tempo aos japoneses para quem quisesse poder sair? Essas histórias de heroísmo … sei não.

Leandro Costa

Porque ele falou isso ma cerimônia na qual assumiu o comando do navio e não durante a ação em si.

Esteves

Canhão apontado para a linha d’água. Metralhadora antiaérea apontada para cima. Tenho certeza que seguem assim mas profundezas. Lutando.

Bravos, descansem em paz.

Pedro

Vale tbm observar que os reparos de torpedos estão conteirados. Seria talvez com as coordenadas da localização de algum sub?

Fui guarnição do Ex-D33 CT MARANHÂO, que fora o Ex-USS SHIELDS(DD-596). Quando citam a classe Fletcher eu logo corro pra ler sobre.

Abraços a todos os foristas.

M65

Lamento que nenhum dos nossos Fletcher foram preservados.

Mk48

Poxa, nem fala!

Uma lástima mesmo.

Victor Filipe

Bom dia Pedro, nessa batalha em que o Johnston afundou a Taffy 3 não engajou submarinos mas os Destroyers Americanos e Escolta de Destroyers fizeram vários avanços para disparar torpedos contra as Belonaves da IJN

Dalton

Oi Victor, não querendo ser mais chato do que sou, mas, você não é o primeiro a usar o termo “Escolta de Destroyers”, mas, o correto é “Destroyer de Escolta” menor, mais lento e menos armado que um “Destroyer de Frota” como o USS Johnston.
.
Os 4 de escolta participantes coincidentemente pertenciam a classe “John C Butler” que também estava presente, uma melhoria sobre classes anteriores, como a classe Cannon dos quais o “Bauru” é um representante.
.
Abs

Victor Filipe

Não esquente a cabeça com isso Dalton, você não esta sendo chato, já aprendi muito com seus comentários

Marcus Pedrinha

A Marinha dos Estados Unidos tem justo motivo de orgulho pelo desempenho e denodo de seus destróieres na Batalha de Samar, na qual, parafraseando o Brigadeiro Ian Hogg, se verificou não apenas “uma explosão momentânea de bravura, mas a aplicação fria e consciente da coragem contra dificuldades impossíveis” durante longo tempo de combate.

Last edited 9 dias atrás by Marcus Pedrinha
Zé Rato

A batalha que resultou no afundamento deste destroyer pode ser vista neste vídeo, a partir dos 42:00.

Foi uma ação praticamente suicida deste destroyer, ao atacar uma frota de couraçados e cruzadores pesados, para ganhar tempo, desviar a atenção destas unidades pesadas e proteger os vulneráveis porta-aviões de escolta e navios de desembarque nas proximidades.

Osvaldo serigy

Show! Muito bom!

Leandro Costa

Não é à toa que uns amigos e eu decidimos batizar nossa frota no star trek online de ‘Taffy 3’ a uns dez anos atrás. Simplesmente uma das ações mais fantásticas em combate naval.

Paulo Sollo

Este episódio da série Combates Aéreos , A Morte de Marinha Japonesa, também aborda os feitos heróicos do USS Johnston e do USS Samuel B. Roberts:
https://m.youtube.com/watch?v=txbz9nc0M6I

Last edited 8 dias atrás by Paulo Sollo
Mk48

Otima dica Paulo.

Obrigado por compartilhar.

Feliz Páscoa.

Abs.

Paulo Sollo

OK. Feliz páscoa!

Flanker

Interessante o nível de conservação do casco e estruturas, inclusive o indicativo pintado no costado de proa……depois de mais de 76 anos no fundo do mar!

Mk48

Caro Flanker,

Ótima observação.

Certamente se deve a baixissima temperatura existente nessa profundidade, bem como pela alta pressão que inibe várias formas de parasitas que poderiam corroer o casco.

6k de profundidade é para poucos.

Abs.

JagdVerband#44

Também acho que o nível de oxigênio dissolvido na água é baixo.

Carlos Eduardo Oliveira

Esse é o comandante Evans durante a cerimônia de assunção de comando, em outubro de 1943.

2560px-thumbnail.jpg
Victor Filipe

Recomendo esse vídeo para todos que querem ter um pouco da noção do quão incrível as ações desse navio e sua tripulação realmente foram

Leandro Costa

Aliás, aproveitando o gancho, todo o conteúdo do Drachinifel é excelente.

- Publicidade -

Guerra Antissubmarino

Doutrina de engajamento da US Navy contra submarinos inimigos

A doutrina de Guerra Antissubmarino (ASW) da US Navy (Marinha dos EUA) prioriza a destruição dos submarinos de um...
- Publicidade -
- Advertisement -