sexta-feira, setembro 17, 2021

Saab Naval

Status da construção do novo porta-aviões chinês Type 003 – maio/junho 2021

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Novas imagens da construção do terceiro porta-aviões chinês, conhecido como Type 003, feitas por passageiros de aviões, de barcos passando ao largo e de dentro do estaleiro.

O navio em construção no Estaleiro Jiangnan em Xangai terá dimensões similares às dos porta-aviões da classe Nimitz e Ford da Marinha dos EUA (ver as fotomontagens comparativas).

Segundo as últimas estimativas, o navio terá cerca de 325 metros e comprimento e largura do convoo de 80 metros.

A propulsão do Type 003 deverá ser convencional (caldeiras a óleo movendo turbinas a vapor). Para lançar os aviões, o navio deverá ser equipado com catapultas eletromagnéticas.

O navio deve ser lançado ao mar no final de 2021 ou meados de 2022.

Comparação do Ford e o Type 003 em construção
Comparação do Ford e o Type 003 em construção

Type 003 acima e um porta-aviões classe Nimitz abaixo
Type 003 acima e um porta-aviões classe Nimitz abaixo

Modelo em 3D do porta-avioes Type 003 baseado nas imagens aéreas
Modelo em 3D do porta-avioes Type 003 baseado nas imagens aéreas

Modelo em 3D do porta-avioes Type 003 baseado nas imagens aéreas

- Advertisement -

60 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
60 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Filipe

Os Chineses não estão de brincadeira, parece que é um NAE de 90 mil Toneladas com 330 metros, EMALS e propulsão convencional.

Wellington R. Soares

Realmente será um avanço gigantesco para o poder Naval Chinês, principalmente pela forma de lançamento dos aviões através de catapultas eletromagnéticas, o que possibilitará os caças serem lançados com maior carga de armamentos e combustível.
Parabéns aos Chineses pelo grande projeto e empenho.
Será que o próximo PA Chinês será de propulsão nuclear, existe alguma informação a respeito ?

Wellington R. Soares

Obrigado Galante.
Por ele ser convencional, existem dados disponíveis sobre o alcance dessa bela máquina?

Matheus S

O grande “X” da questão é que os americanos integraram muitos novos sistemas com testes mínimos e a diferença vai depender de quantos testes os chineses farão nos novos sistemas antes de integrá-los no NAe. Os elevadores elétricos(elevadores de munições e não das aeronaves – não confundir) do Ford são outra bugiganga que só recentemente um equipamento de teste baseado em terra foi construído para testá-los e corrigir os problemas.  Você esperaria que eles fizessem isso antes de colocar o sistema no NAe, ao invés de agora, certo? Voltando ao EMALS, a integração de todos os componentes(nunca testados em terra)… Read more »

Dalton

Não se trata de ser mais pragmático “48” e sim que a US Navy se cansou da classe “Nimitz” tanto que o último o USS George H W Bush deveria ter sido um NAe de transição conforme livros e revistas de 20 anos atrás inclusive com desenhos de como ele deveria ter sido que podem ser encontrados na Internet. . O “Nimitz” nada mais é do que um “Forrestal” de 1955 com reatores nucleares , utilizando catapultas, elevadores de armas, maquinário de retenção de aeronaves e tantas outras feições já provadas denotando também um certo pragmatismo. . Os chineses também… Read more »

Matheus S

Os chineses não estão subindo um degrau de cada vez, isso se formos considerar o Type 003. Eu concordo com que o Dalton disse: “Os chineses também estão dando um grande salto , do “Liaoning” para o “003” que pode ser comparável ao salto do “Bush” para o “Ford”“. Mais do que uma disponibilidade incremental tecnológica no sistema de propulsão e de catapultas, o que o PLAN está fazendo é um verdadeiro salto de tecnologia se comparado ao Type 001 e Type 002. O que muda não é o salto tecnológico entre os países, mas sim o modo como foi… Read more »

MMerlin

Ah, a classe Forrestal…
Uma pena não termos optado pela embarcação que tem o mesmo nome da classe em vez do Foch.
Foi oferecido por um valor mais alto mas, se contabilizarmos todos os custos que o Foch teve, teríamos pago menos.
Sem contar ainda que o primeiro tinha passado por uma manutenção recente, diferente do segundo. Possivelmente estaria operando ainda hoje.

Leandro Costa

MMerlin, o que eu conheço é que o Kitty Hawk teria sido oferecido. O Dalton menciona o Independence, e agora você com o Forrestal. Na época em que rolava o boato do Kitty Hawk, eu tinha um amigo que era Cmdr. da USN, na época ainda na ativa, que ele disse que achava uma oferta dessas extremamente estranha, porque eles não costumavam oferecer porta-aviões para nações amigas. Os únicos que tinham sido repassados eram CVL’s da classe Independence, um porta-aviões leve convertido à partir de cascos de cruzadores da classe Cleveland, mas desconheço qualquer ‘Fleet Carrier’ tenha sido repassado para… Read more »

MMerlin

Correto. O que foi oferecido foi o Independence, que é da classe Forrestal.

MMerlin

Quem acha que tem condições de manter os programas atuais e expandi-los, isto aí seria pouco.

Mas daria para ver pelo lado positivo. Não existe bastante comentaristas que dizem que existem muitos oficiais, sargentos e praças em terras, sem embarcação?

Mas concordo. A embarcação era muito areia para o caminhão da MB.

Apenas uma correção aí Mk48, ele desloca 80 mil ton. Mais que o dobro do Foch.

Last edited 3 meses atrás by MMerlin
MMerlin

Defendo o PROSUB mas não SNBR. Não em tempo de vacas magras. Não quando as embarcações de superfície são insuficientes e as que existem já tem idade. Que um NAe não acrescenta em nada ao Brasil concordamos! E investimento em P&D, uma vez que trabalho na área, entendo e defendo. Mas “…deve gastar com ele tudo o que for necessário…” é bem (mas bem) relativo e, em se tratando de SNBR, é muito arriscado. Ali tem muito tecnologia que não será repassada e depende do desenvolvimento interno. Acredite, esta etapa do PROSUB irá atrasar (e muito), e não pela construção… Read more »

Last edited 3 meses atrás by MMerlin
Janleque ramos

Isso é um grande exemplo para o Brasil saber o quanto está atrasado em questão de tecnologia e defesa nacional. Estando no século 21 e ainda não tem nenhum progresso significativo.

Filipe

Se a China pode , nos tambem podemos , primeiro vamos finalizar o SNBR e os 4 SBRs, dominar o ciclo de operação de um submarino nuclear, e em 2030 começamos a construir um NAE de 45 000 Toneladas com a ajuda da NAVAL GROUP , uma especie de CDG desnuclearizado… um passo de cada vez, vamos ter a paciência chinesa, estamos no bom caminho, temos que concluir o SNBR.

Antoniokings

A China pode porque investe muito (e põe muito nisso) em ciência e tecnologia.
A partir do momento que o Brasil fizer isso, vc poderá dizer que o Brasil também pode construir.

MMerlin

Sim. Querer comparar nosso país com a China é impossível por diferentes questões. Mas vamos pegar o assunto ciência e tecnologia, onde só é possível crescer com investimento massivo em educação. A China acabou com o modelo de ensino anterior e implementou mudanças profundas. Acabou com ideologias no ensino e reformulou todo o processo de aprendizado. A melhor forma de acabar com as diferenças sociais não é com redistribuição de renda mas sim, tornado todas as escolas iguais, padronizando o método de ensino e garantindo a qualidade em todas elas. Adotaram desde cedo avaliações constante de professores, diretores e instituições.… Read more »

Last edited 3 meses atrás by MMerlin
Antoniokings

Prezado Mk48

Saudações!

Estava pesquisando um pouco sobre o mercado de informática e eletrônicos.

Mas, estou de volta.

Antoniokings

P.S.
Estou com comentários, no Aéreo e Terrestre, sendo liberados aos poucos, às vezes depois de quase um dia, o que desestimula um pouco o debate.

Mas, vamos em frente!

Nilo

Caldeiras a óleo movendo turbinas a vapor, equipado com catapultas eletromagnéticas. para um navio de  dimensõs comparával ao Nimitz que tem 2 reatores nucleares e 4 turbinas a vapor para emergência e tem catapulta convencional. Será um navio escola para engenharia naval chinesa.

Alexandre Galante
Alex Barreto Cypriano

80 MW prum bote IFEP de 80 mil toneladas? Pode colocar o dobro nisso que ainda vai faltar…

Juarez

Pode colocar três vezes porque não poderá navegar sempre com potência elétrica principal, no pau da goiaba com com potência no.inal mantida de 80%.

Piassarollo

Caro Nilo se me permite uma pequena correção, as turbinas não são para emergências, elas são para a propulsão do navio, movidas pelo vapor gerado pelo calor dos reatores nucleares. A grosso modo, os reatores servem para gerar vapor de água que por pressão fazem as turbinas girarem os eixos propulsores

Alex Barreto Cypriano

Então, Nilo, os dois reatores nucleares do Nimitz geram 1,1 GW térmicos que botam até 70 MW em cada um dos quatro eixos propulsores (total de 280 MW). No Nimitz existem oito geradores eletricos de 8MW cada (total de 64 MW elétricos) e mais quatro geradores de emergência de 8 MW. E o Nimitz não comporta a carga elétrica de um Ford, que precisa gerar 2,5 vezes mais eletricidade e ter reatores 1,25 vezes mais potentes. Digo isso pra se ter uma idéia das demandas energéticas naqueles dois botes. Ademais, no Forrestal, cada turbina a vapor depositava até 65/70 MW… Read more »

Alex Barreto Cypriano

O Forrestal, corrijo-me, possuía três geradores diesel de emergência: um à vante, um a meia nau e um à ré.

Alex Barreto Cypriano

Mais uma correção: a potência debitada em cada eixo nos Forrestal era de 48/51 MW e a potência dos quatro conjuntos somavam 190/205 MW.
Por falar em geradores diesel, posto a fotim de um dos instalados no USS Forrestal

025999.jpg
carcara_br

Primeiro pegaram um velho projeto soviético e modernizaram, depois construíram um do zero nos seus próprios estaleiros, agora vão aumentar a escala e testar novas tecnologias, o próximo terá propulsão nuclear. Em paralelo eles desenvolveram toda uma constelação de navios de apoio/escolta, aeronaves e mísseis. Os primeiros vão cumprindo várias funções, como escolas, protótipos tecnológicos e, por fim, operacionais. E assim vamos testemunhando a criação de uma das maiores marinha do planeta.

Tomcat4,2

Esse vai ser bruto hein, caramba , que trenhão!!!rs
Os chineses não estão de brincadeira.

Wellington R. Soares

Sei que muitos não gostam da China, mas eu acho muito bom que exista outra super potência militar capaz de se contrapor aos EUA / Europa.
Isso acaba equilibrando a balança geopolítica, que por certo tempo existiu na época da URSS.
A URSS não conseguiu atingir o poderio Aeronaval americano, mas tudo está indicando que em algumas décadas teremos a China navegando com porta aviões gigantescos, sendo alguns em breve de propulsão nuclear.
Os chineses estão de parabéns !

Filipe

Queremos que a Industria naval Brasileira aprenda com a Industria Chinesa.

Wellington R. Soares

Isso seria muito bom, mas muito bom mesmo. Mas por aqui não conseguimos nem manter a fabricação dos 20 e poucos patrulhas da classe Macaé de 500 toneladas, quem dera uma cadência de produção de navios maiores.
Na minha opinião deveríamos iniciar pelo mais simples e ir se aprofundando, partindo de navios patrulhas, passando pelas fragatas e posteriormente quem sabe navios maiores como de desembarque ou porta helicópteros.

Tomcat4,2

E eles tem muito a ensinar mesmo, aceitemos/gostemos ou não mas, a questão é a forma como operam mediante seus interesses, são agressivos, querem dominar em absoluto tendo o controle até das palavras que saem da boca de quem julgam dominar e assim não dá rock.

Régis

Se este projeto de NAe realmente for eficaz, então poderemos dizer que os chineses ultrapassaram os russos, que ainda usam rampas ski-jump.

Filipe

A China já esta em outro patamar , eles nesse momento estão competindo com os EUA por mercados, tem muita gente que a acha que a China compete com a India e Rússia, a China esta nesse momento em outro patamar , a Rússia vive da herança da União Soviética( o maior império bélico que a humanidade já viu) , mas não tem a mesma força da URSS, a India tem potencial para ser super-potência (a maior democracia do mundo, alguns setores altamente qualificados ,grande parte da população fala inglês, economia liberal) , mas a China têm um único partido… Read more »

Dalton

Na verdade “48” não foi o F-35B que decidiu como seria o sistema de lançamento dos NAes da Royal Navy e sim o custo tanto que inicialmente houve estudos de dotar ambos de catapultas e maquinário de retenção de aeronaves, só que isso, resultaria em um aumento significativo no custo de aquisição e consequentemente manutenção. . Além disso se teria que optar pelo F-35C mais caro que o “B” e consequentemente adotar também o E-2D e isso inviabilizaria ainda mais já que tomou-se a decisão de ter 2 NAes ao invés de um, o que ao menos possibilita que um… Read more »

carvalho2008

Qualquer que sejam os projetos finais, guarda-se sempre a cultura de origem e doutrinaria como influencia. Ela pode até ter em mente dimensionar um catobar, desenha-lo e quantifica-lo mas a mente é a mente… E neste aspecto, ja li muito sobre o inicio do inicio, do inicio…. Eles queriam , baseados em sua experiencia dos Classe Invencible e no sucesso observado dos baixissimos custos do PHM A-140 Atlantico (Ex HMS Ocean), providenciar algo similar porém da categoria de 30-35 mil ton…começou assim….depois foi mudando…mudando…mudando…e mudou…primeiro era isto, depois ganhou o pensamento incrementado e concomitante de anfibio e Nae….e veja que… Read more »

carvalho2008

Sim Mestre, eu não o estou contradizendo, apenas na realidade reforçando.

Piassarollo

Sr Carvalho, falou de algo muito interessante, a continuidade de uma doutrina já estabelecida, no caso dos ingleses, o uso do sky jump na classe Invincible, no PA Hermes e agora nos QE.

Piassarollo

Exato!

Juarez

Perfeito Dalton, aqui foi literalmente a galinha que botou o ovo.

Piassarollo

Não diria ultrapassar, pois são épocas diferentes com realidades diferentes. Na época os então soviéticos, focaram em navios para o combate principalmente contra os porta aviões americanos e em apoio à sua frota de submarinos. A doutrina chinesa hoje, me parece diferente. Se concentrando na defesa do seu litoral e bases no mar da China. Vão expandir seus domínios? É muito provável que sim. Aí entra a tão falada projeção de poder, com o uso principalmente de grandes porta aviões. É ver pra crer. Abs

Otto Lima

Os chineses não estão só construindo navios, estão construindo uma base de conhecimento sobre como construir e operar uma marinha de águas azuis do século XXI.

Alex Barreto Cypriano

O type 003 com apenas dois elevadores a estibordo fica em desvantagem em relação aos Nimitz e Ford (pouca redundância e flexibilidade). As dimensões da linha dágua (~300m), da boca (~40m), do calado (~11 m) e da largura do convôo (~75/80m) do Type 003 são semelhantes às dos supercarriers classe Forrestal, portanto, deslocamento de até 80 mil toneladas.
Vamos aguardar pra ver a configuração final, ou ao menos as análises e palpites educados dos interessados já que da China dificilmente se terá informação crível, ainda mais agora que Xi convoca pra um ataque de propaganda contra o ocidente…

Leandro Costa

Eu duvido que ele vá ter apenas dois elevadores para aeronaves, Alex. O que está mostrado no desenho é o que se sabe até o momento, mas realmente acredito que no final terão pelo menos três elevadores. Dois são limitados demais.

Alex Barreto Cypriano

Leandro, repare que o sponson a boreste parece não ter recesso pra instalar elevador, nem à popa, nem à vante. Esse tema é polêmico, mesmo…

Matheus S

Não é razoável para a China construir um porta-aviões com capacidades elevadas, especialmente porque ainda não tem nenhuma experiência com quaisquer operações CATOBAR. A construção do 4º porta-aviões começará em 2 a 3 anos, assumindo o ritmo usual de 5 a 6 anos e não há como 003 chegar a qualquer tipo de IOC com catapulta até então. A China estaria essencialmente construindo 004 sem as experiências operacionais de 003, assim como 003 está sendo construído apenas com a experiência operacional do 001, mas não 002. Eu vejo mais como o PLAN construindo os porta-aviões se aprimorando à medida que vai incrementando… Read more »

Matheus S

Fazendo um resumo bem rápido, pelo meu entender a China com esses projetos do 001, 002, 003 e 004 são designers de transição até o CVN, não representam o objetivo final dos chineses que é terem seu próprio supercarrier. Portanto, não tem porque colocar capacidades comparadas ao Nimitz e Ford em projetos de transição, mas sim aumentando gradualmente as tecnologias embarcadas até ter o conhecimento e desenvolvimento suficiente para partir para o projeto do CVN, o salto do 002 para o 003 é realmente surpreendente, mas ainda não representam o objetivo final dos chineses, o CVN. Esse plano de desenvolvimento… Read more »

Leandro Costa

Pois é Matheus, mas por mais transitório que seja o projeto do 003, dois elevadores, sejam do tamanho que forem, implica em uma falta de flexibilidade e redundância que pode ser extremamente penoso às operações embarcadas. Digamos assim, os Chineses estudaram os projetos de porta-aviões da USN, claro. Provavelmente após muita deliberação resolveram partir para o sistema EMALS, um passo grande se pensarmos que não pularam imediatamente para a propulsão nuclear. Mas que pensando bem, faz sentido para os chineses. Afinal de contas eles também nunca tiveram qualquer experiência com catapultas à vapor, e portanto faria sentido passar direto para… Read more »

Matheus S

E tem mais, são dois elevadores maiores do que o Shandong, ou seja, de maior capacidade do que o anterior que teoricamente e de acordo com as especificações do navio em construção, irá permitir levar 2 J-15. É um modelo de transição, não há porque se equiparar com o Nimitz ou o Ford, são realidades completamente distintas.

Claudio QUADROS

Abasta um torpedo certeiro já era porta avioes chinês fundo mar lembra do porta aviões japonês segunda guerra basrou um subibarino.

MMerlin

Se um OHP não afunda com “apenas” um torpedo, imagine a resistência de um NAe…
De uma olhada abaixo e reflita.

carcara_br

Merlin sabe dizer porque o torpedo parece “procurar” a frente do navio, quero dizer uma explosão centralizada não geraria um momento maior, e forças mais destrutivas à estrutura?

carcara_br

Olá, Mk48,
Sua contribuição e dos demais comentaristas, é sempre bem vinda.
Assistindo ao vídeo, parece que mais de um torpedo atingiu o mesmo ponto, sempre deslocado.

Carlos Campos

achei que ia ser nuclear,

Claudio QUADROS

Este porta avioes chinês me lembra maior porta avioes japonês segunda guerra um simples submarino afundou super portavaioes japonês só um torpedo certeiro.

Piassarollo

Amigo, o maior porta aviões japonês da 2G foi o Shinano, um Yamato class convertido em porta aviões. Ele foi afundado quando estava em testes, ainda incompleto, sem toda sua capacidade estanque e faltando equipamentos, por um submarino americano , na costa japonesa. E segundo consta, o submarino disparou 6 torpedos diretos, acertando 4 . Mesmo assim o porta aviões não afundou. Vindo a afundar no caminho de volta a sua base pelo acúmulo de água que entrou em seu casco. Acha mesmo que PA de hoje pode ser afundado por um único torpedo? Abs

Claudio QUADROS

Os novos torpedo americanos afunda esse porta avioes chinês rápido viu quantidade submarino ataque estados unidos tem imagina apoio submarinos aliado Japão. India coreia até Taiwan.

Mgtow

Qualquer porta avião pode ser afundado por um submarino mané. Seja Chines, russo ou americano.
Mas eu sei aonde quem lança comentarios como esse seu quer chegar.

Veiga 104

A velocidade de construção deles é impressionante.

Marcelo de Jesus Miranda

Tem como ver no Google Earth ? Tem coordenadas ?

- Publicidade -

Últimas Notícias

Austrália abandona acordo de submarinos de 56 bilhões de euros com o Naval Group francês

A Austrália decidiu abandonar o acordo de A$ 90 bilhões (€ 56 bilhões) de 12 submarinos convencionais com a...
- Advertisement -