terça-feira, setembro 28, 2021

Saab Naval

VÍDEO: Retomada da Construção Naval no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ)

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Tecnologia é desenvolvimento. Tecnologia é soberania!

Berço da construção Naval, o Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ) destaca-se pela excelência das suas atividades técnicas e industriais, envolvendo o projeto, a construção e a manutenção dos meios navais.

Ao longo da história, já construiu importantes navios para a Marinha do Brasil, a exemplo do Navio-Escola “Brasil”; das corvetas “Frontin”, “Jaceguai” e “Barroso”; das fragatas “Independência” e “União”; dos submarinos”Tamoio”, “Timbira”, “Tapajó” e “Tikuna”; dos Navios de Assistência Hospitalar “Carlos Chagas” e “Oswaldo Cruz”; e dos Navios-Patrulha Fluviais “Raposo Tavares” e “Pedro Teixeira”.

Assim como ocorreu no seu brilhante passado, o AMRJ está pronto para um novo ciclo de desenvolvimento, iniciado com a construção dos Navios-Patrulha da classe “Maracanã”.

FONTE: Comandante da MB – https://www.instagram.com/tv/CRbwPhyg2JP

- Advertisement -

149 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
149 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MMerlin

O Maracanã chegou em 2017 no AMRJ.
De lá para cá, teve 20% da construção, avançando de 40% para 60%, como relata o vídeo.
A falta de prioridade da MB na construção de novos NPa’s, impedindo um patrulhamento eficiente da costa, é impressionante.
E ainda sonham com NAe…

Last edited 2 meses atrás by MMerlin
Vovozao

17/07/2021 – sábado, btarde, M Merlin, 40 0/0 era só casco, esse progresso, colocação de cabos, motores, geradores, é a parte mais demorada, e dificil, após isso, podemos acreditar no lancamento em 2022. Se não houver contingenciamento de verbas.

MMerlin

As obras recomeçaram em 2018. Era a previsão. Se passaram 3 anos e projeto avançou 20%. Estamos falando de esforço e não dificuldade. Se continuar nesta evolução, a embarcação será concluída em 6 anos.

Joao Moita Jr

Não vejo nada demais, tratando-se do Brasil. Surpreendente teria sido uma construção rápida e eficaz.

Mk48

Nada de mais em se tratando de um comentário seu em relação ao Brasil.
.
Você mora nos EUA ? Beleza.
.
Agora, não cuspa no prato que um dia já comeu.
.
Abs

Last edited 2 meses atrás by Mk48
Piassarollo

Sigo o relator

roberto martins

Muito bem, deu o troço.

Manoel Messias

Calma MK48, nossa ( Forças Armadas) marinha tá recomeçando agora. Após 35 anos de desgraça. Vamos ficar mais forte que a China, pois temos recursos naturais de sobra. Paciência já suportamos tantos anos de corrupção. CALMA!!!

Camargoer

Caro João. O estaleiro cearense construiu três navios no prazo e no custo contratado. O estaleiro fluminense faliu e não concluiu o contrato. Em sua opinião, o que deve ser feito? Analisar os dois contratos de modo separado ou tirar uma média? Ignorar o contrato do Inace e analisar apenas o Eisa? Ou ignorar o Eisa e analisar apenas o Inace?

Felipe

Nao vale a pena analisar contratos que foram “esquentados” pra tirar dinheiro dos contribuintes. Valeria a pena, como forma de pagar parte dos prejuizos gerados, que o EISA fosse tomado dos irmãos “AVIANCA” e colocado sob comando da EMGEPRON, e especializa-lo em embarcações de porte médio pra policiamento da costa ou manutenção e adaptação das antigas. Porque até gerarem valores através de processos pra restituir valores ou funções, já terão se deteriorado. Tenho vista do EISA, e uma estrutura como aquela apenas como doca, é um desperdício.

Dinoacjunor

Caro Camargoer, apenas uma correção. O Inace construiu apenas dois napas: Macaé e Macau.

JagdVerband#44

Cara, já percebeu que tu só avacalha com o Brasil

Joao Moita Jr

Não. Avacalho com aqui também, quando fazemos bosta. Idem minhas críticas ao F-35, corrupção e controle total da política externa por lobbies como AIPAC, o desastre no Iraque, etc. Ademais,quando faço aquelas críticas sensatas para incentivar o debate e a reflexão, ouço também que sou um mal agradecido, e estou cuspindo no prato aonde como. Muitos como você não querem ouvir a verdade, e ficam fazendo beicinho e jogando insultos. O que falta aí e um programa DE VERDADE para a construção de meios navais, e não esse faz de conta. Sinto muito dizer, mas a MB está simplesmente desaparecendo.… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Joao Moita Jr
João Carlos

Perfeito João, aqui não querem saber de problemas, só de sonhos ufanistas, de que somos “putencia”, somos os melhores da América Latina … Puros devaneios… Assim fica muito difícil alguém ver uma solução pra corrupção que toma conta das nossas forças armadas há muito tempo. A MB não é excessão, temos altas patentes trocando yate particular por outro maior (propio)… e ninguém acha errado… A corrupção está em todos os que aceitam isso como se fosse natural… mas vamos lá…

Vagner Luiz rosa

Caro João, concordo em número, gênero e grau com o sua colocação.
Nós brasileiros estamos mal acostumados a aceitar certo comportamentos e atitudes das lideranças do nosso país.
O simples fato de você criticar não quer dizer que você está contra. Temos sim que colocar o dedo na ferida, seja ela na área da defesa, política, saúde ou educação.
Acho inclusive que além das críticas, tem que haver mais cobranças dos brasileiros e mais transparências dos nossos líderes, só assim iremos progredir para tornarmos uma nação grande e soberana.

Leonardo Costa da Fonte

Vagner, eu penso que tem ir além. O pessoal deveria responder judicialmente pelo desperdício do dinheiro do contribuinte! Gastam, gastam e gastam, não terminam os projetos e fica tudo por isso mesmo. A lista é grande, vão desde os navios, até os mísseis (AVMT, ADarter e Mansup), gastaram fortunas e não concluíram NADA. Ninguém é responsável pelo prejuízo.

Claudio Moraes

Vagner Luiz rosa, também concordo plenamente com o João e você, assim como os demais nessa linha. Só um adendo, nós temos que parar de “achar” e sim pensar. Sendo assim eu (Penso) que. Essa nossa mentalidade de só achar em casos críticos como esse é que tem que mudar também. Não é uma crítica ao seu comentário, somente uma contribuição no debate.
Abçs.

fewoz

Os ufanistas odeiam críticas, João. Qualquer coisa para eles já significa ataque pessoal. Eu mesmo já ouvi que não poderia “comentar sobre política” por não morar no Brasil. Não sei como funciona a cabeça dessa gente. É justamente este pensamento pequeno e que não admite pensamento contrário que continua a atrasar o Brasil.

Saldanha da Gama

Boa noite, o que realmente nos falta aqui, tem em abundância aí…. Patriotismo, amor a pátria!!! Até erram como no caso do f35, mas erram no excesso e não na falta…. Abraços

Fernando Veiria

Quantos anos o AMRJ levou para construir uma corveta Inhaúma melhorada? Nesse tempo um estaleiro sério teria feito um esquadrão de corvetas. Considere o Maracanã, mais simples que uma corveta e como anda sua construção? Eu vejo esse comentário apenas como verdade.

A Engepron é outro cabidão de empregos. Enquanto nesse país nos serviços públicos não for “mostre trabalho ou vá para o olho da rua” nada vai dar certo.

Leandro Costa

Acho que foram 14 anos até a conclusão da Barroso. Passei quase dez anos pegando barca quase todos os dias indo pro Rio e vendo ela inacabada enferrujada ao lado do AMRJ. Fiquei até surpreso de terem completado o navio após esse tempo todo e ainda me surpreendo em vê-la carregando o piano.

Mk48

Mestre Vovozão,
.
Ótimo comentário.
.
Abs

Camargoer

Caro Merlin. Acho que temos vários motivos para criticar a MB e as forças armadas, mas dizer que o atraso na construção das duas patrulhas de 500 ton (devido à falência de um estaleiro privado) parece-me equivocado. Claro que estas duas novas patrulhas serão bem vindas, mas a sua incorporação vai alterar pouca coisa em todo o contexto de vigilância. Talvez a ausência de um programa de construção de NaPaOC de 1500 ton seja mais grave do que o atraso na fabricação das duas patrulhas. Aliás, foi uma surpresa ver o casco da Mangaratiba em obras. Eu quase apostava que… Read more »

MMerlin

Não me restingi a estas duas embarcações.
O problema é mais profundo.
Nossa costa é um peneira. Não temos embarcações de patrulhamento nem de perto suficientes para uma fiscalização eficiente.
Os navios de 1.500 e 500 toneladas se complementam. E deveriam ter uma prioridade de construção maior que outros projetos, uma vez que estes resolveriam problemas que temos hoje, e não daqui a 20 anos.

Last edited 2 meses atrás by MMerlin
Camargoer

Caro Merlin. Eu concordo com você sobre a enorme extensão do litoral brasileiro, de tal ordem que nem mesmo 20 ou 50 navios de patrulha seriam capazes de fazer uma vigilância efetiva. No caso brasileiro, a vigilância naval precisa ser feita por monitoramento remoto, usando satélites, drones e outros recursos de monitoramento, que forneceriam informações para serem processadas por inteligência artificial, que selecionariam as potenciais ameaças que seriam verificadas por aviões de patrulha, que por sua vez poderiam acionar a abordagem por navios de patrulha. Acho que a MB jamais será capaz de manter um numero de navios patrulhando o… Read more »

Welington S.

Concordo. Se pararmos pra pensar, tudo se encaixa perfeitamente no que disse. ‘‘…a vigilância naval precisa ser feita por monitoramento remoto, usando satélites, drones e outros recursos de monitoramento, que forneceriam informações para serem processadas por inteligência artificial…”. Somente mandar navios patrulhas para o local não adianta. O trabalho em conjunto é o que vai fazer a missão muito bem sucedida.

MMerlin

Concordo Camargoer. A MB nunca terá navios de superfície para vigilância de toda a costa. Esta vigilância deve ser sim efetuada pelos meios que você mencionou. Mas veja que estou falando de patrulhamento, que exige presença física e inibe de forma mais eficiente ações criminosas.

Camargoer

Olá Merlin. Eu concordo com você que existe a necessidade de uma frota de navios de patrulha para a atuação final. Contudo, a MB jamais terá condições de manter uma vigilância naval baseada em navios de patrulha. Este navios devem ser acionados para a ação de fiscalização após a identificação da suspeita feita por meios de inteligência policial e inteligência naval.

MMerlin

Exato!
E o programa SisGAAz é um ótimo tópico para ser publicado no Naval e discutido por aqui.
Referente a peneira mencionada em comentário anterior, é de conhecimento a “liberdade” disponível para tráfego de embarcações em determinados locais da costa, principalmente próximo a portos.
Basta ver os problemas que a MB tem na Baia de Guanabara. E o que ocorre ali também ocorre em outras áreas.

Alem

Muito bom comentário.

Mk48

Ótimo exemplo de uma crítica bem fundamentada.
.
Aprendeu, MMerlin ?

Claudio Pepe

Sentiu?

Mk48

Senti o que rapaz ?
.
Você é paranormal para se preocupar com esse tipo de coisa ?
.
Me poupe !
.
Aqui falamos de assuntos sérios.
.
Esse negócio de “sentiu” é coisa de viado.

Last edited 2 meses atrás by Mk48
Eduardo

Sentiu o golpe. Te desnorteou.

Eduardo

Sentiu o golpe sim.

Last edited 2 meses atrás by Eduardo
Mk48

Sinceramente , é deprimente ver pessoas como você , entre muitos outros, que só torcem contra e postam textos depreciativos em relação a MB. . Para pessoas como você nunca nada o que é feito é suficiente, sempre há um senão. . Critícas são bem vindas sempre, mas críticas infundadas que beiram o viralatismo como a sua e de outros almirantes de teclado que postam aqui , são deprimentes e ridículas . Aprendam a dar valor ao seu País. . A MB tem problemas sim, infelizmente, como todo e qualquer autarquia Federal, mas reconheça ao menos os esforços que são… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Mk48
Welington S.

Mk48, eu realmente estou muito esperançoso em relação ao novo comandante da Marinha. Quem viu o discurso dele, sabe que o cara veio de baixo, acompanhou vitórias e derrotas e sabe do que a MB precisa e etc. Algo me diz que durante a administração dele, veremos muitas notícias vindo da MB pra nós.

Mk48

Oi Wellington,
.
Sim. Temos muitas expectativas com ele, mas não podemos esquecer que no final das contas , o Braga Netto é quem dá a palavra final.
.
Abs

PACRF

Infelizmente.

Allan Lemos

É melhor criticar o que está errado, nem que seja apenas um meio de desabafar, do que passar pano, que é o que você faz com esse tipo de comentário. Nossos políticos são terríveis, não há dúvidas. Mas acha mesmo que os oficiais da MB não são iguais? Porque se engana quem acha que o problema das FA é o contingente, além disso, há a questão das benesses infindáveis, o corporativismo, os investimentos ruins(i.e São Paulo), a falta de estratégias nos seus projetos(i.e MAR-1) e tantas outras. Então, meu caro, os oficiais também têm a sua parcela de culpa, não… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Allan Lemos
rinaldo nery

Vc tem tanta competência q nem no concurso passou…

Allan Lemos

No das forças armadas? De fato, nesse eu nem me inscrevi e nem tive interesse em fazê-lo. Mas passei em outros, graças a Deus.

Eduardo

Esse tipo de comentário mostra a arrogância de nossos militares de alta patente que administram sua previdência como uma bola de neve e, seus recursos para combate, minguam a cada dia. Mas o importante é ficar bem no final, aposentado com valores irreiais e pouco tempo de contribuição.

Claudio Moraes

Caro rinaldo nery, o senhor é uma pessoa que acompanho a muito tempo aqui no blog com bons comentários. Mas eu discordo desse seu posicionamento.

Mk48

Allan, você é ridículo
.

MMerlin

Coleguinha.
Me incomoda muito mais algumas decisões da MB, tanto no passado quanto no presente, do que sua indignação, pre-julgamento ou “negativação”…

Mk48

Coleguinha não.
.
Escolho com quem me relaciono, e você certamente está fora.

Eduardo

Não é questão de ser almirante de teclado, é ter minimamente noção sobre administração. Nossos almirantes não administram bem o próprio salário, deve ser a esposa que administra para não ficarem no negativo.

Parabellum

O estaleiro EISA era do grupo da avianca, aquela empresa aérea que vendia uma ponte aérea na época a mais de 1000 reais para que ninguém importunasse os políticos do governo da época. Com a mudança de governo e a exposição à concorrência de mercado eles preferiram falir. O resto da história todos sabem. Resta ao congresso Nacional decidir aonde vai nosso dinheiro. Acabaram de decidir que quase 6 bilhões vão para a máquina de propaganda de campanha política. Poderiam destinar um pouco mais para a infraestrutura, defesa, educação, etc.

MARCELO R

Um NAVIO patrulha , SEM nenhuma tecnologia especial….. E um barco comum….
TEM que construir em 6 MESES no máximo…
Para se montar um barco tão simples como esse em um tempo tão ESTENDIDO de 4 anos para uma EVOLUÇÃO de 40% para 60% … representa Um SOBRE PREÇO exagerado , custo de mão de obra extremamente alto….. sobre o custo inicial.. E ainda não foi finalizado…
A previsão para se chegar a 100% ….pelo modelo em ação sera de 9 anos ou MAIS….de construção ???
Contabilmente…..nao SE TORNA VIAVEL CONSTRUIR NADA AI…

Mk48

“TEM que construir em 6 MESES no máximo…”
.
Beleza!.
.
Sai da sua cadeirinha, do seu ar-condicionado e do seu teclado, vai no Arsenal, arregaça as mangas e faz em 6 meses.
.
Abs

Last edited 2 meses atrás by Mk48
Camargoer

Caro Marcelo. O atraso na construção das duas patrulhas de 500 ton precisa ser visto em seu contexto, caso contrário poderá induzir a um erro de compreensão do problema. A construção destes dois barcos foi colocada em uma licitação pública para ser executada por um estaleiro privado nacional, que foi vencida pelo estaleiro Eisa. Houve outra licitação vencida por outro estaleiro que ocorreu normalmente. O atraso ocorreu devido a falência do Eisa. A MB precisou entrar na justiça para retomar os dois casos do estaleiro falido para evitar o seu leilão como sucata para cobrir as despesas trabalhistas. Uma vez… Read more »

Mk48

Não adianta explicar Camargo.
.
O negócio desses viralatas é detonar, lacrar. Não perca seu tempo com isso.

Burgos

Carai MK !!!
O povo teimoso !!!🤦‍♂️
Vc postou 3 vezes a mesma coisa e insistem em uma narrativa fora da realidade !!!
Particularmente eu não falo mais nada !!!
Aí volto a repetir:
“A facilidade de acesso à internet deu voz aos que não sabem de nada”
Autor: vcs já sabem 👍💪😎🇧🇷⚓️🤜🤛👊

Mk48

🤣🤣🤣🤣🤣🤣
Caro Burgos.
.
Você é uma figura!
.
Infelizmente esse blog se deteriorou.
.
Mas……..ainda temos poucos que sabem o que escrevem. Repito : Poucos.
.
Abs.

Burgos

Sim !!!sim !!!
Esse ditado é profético !!!😜

BK117

Sem contar que, como o vídeo já diz, houve a retomada da construção no Arsenal, ou seja, nesse meio-tempo tiveram que contratar e treinar pessoal, comprar equipamentos, modificar instalações, etc. Isso leva tempo. Certamente daqui para frente as coisas acontecerão um pouco mais rápido. Quem sabe até continuem a construir mais por lá, né?

Last edited 2 meses atrás by BK117
Mk48

👍👍👍👍👍

Curiango

Acho q tem q haver o planejamento orçamentário p cada uma das demandas. Fico pasmo de ver q começão a construção sem dinheiro em caixa e sem cronograma de desembolso/ construção (pagamento p medição). Ui!

curioso1960

Entendo que ficaram abandonados no estaleiro EISA.
Seria necessário verificar, em quanto tempo ficariam prontas, partindo do primeiro corte de chapa, embarcações desse tipo, em um estaleiros Coreanos ou Chineses.

Camargoer

Caro Curioso. Acho que é suficiente avaliar quanto tempo foi gasto pelo Inace para construir os três primeiros navios de patrulha. Não precisa perguntar para chinês.

Wilson Look

O INACE levou 3 anos para construir cada um dos 2 navios, o Macaé e o Macau. O Macaé começou a ser construído em 2006 e foi entregue em 2009 e o Macau foi de 2007 a 2010. Como curiosidade nesse período o INACE também estava construindo um navio classe Grajaú para a Namíbia, cuja construção começou em 2005, o navio ficou pronto em 2008 e foi entregue em 2009, e foi contratado para terminar de construir os 6 avisos patrulha classe Marlim, o estaleiro original teve problemas contratuais e a MB cancelou o contrato com eles pegando os navios… Read more »

curioso1960

Está mais que provado, os estaleiros Coreanos e Chineses são extremamente rápidos.
Com certeza modificariam o projeto e construiriam em módulos, sistema que é muito mais rápido, as partes são construídas e outros locais e chegam no momento certo, para serem acoplados ao navio, não ficam ocupando lugar no estaleiro.

Leandro Costa

Curioso, o problema é que os estaleiros Coreanos e Chineses tem certeza de que serão contratados para produzirem mais navios, mesmo que não sejam os mesmos, porém aqui não há essa certeza e se prefere por uma cadência mais lenta de produção para manutenção de empregos e know-how.

Se houvesse uma longa sequência de navios, mesmo que de diferentes projetos já contratados por X número de anos, provavelmente a cadência de produção seria bem mais rápida.

EduardoSP

Creio que a crítica nem é em relação ao atraso decorrente da inclassificável decisão de trazer os contratos para o Eisa, mas sim da demora de, uma vez de posse dos cascos levar três anos para avançar na construção.
São navios simples, para o AMRJ não deveria ser difícil completá-los nesse período.
O atraso, para além de lamentável, sugere que o AMRJ já não é o que foi.
E orçamento nem deveria ser desculpa, pois deveriam ser navios baratos e já haviam sido contratados.

Camargoer

Olá Eduardo. O Eisa ganhou a licitação. Era uma empresa privada que apresentou toda a documentação requerida para participar da licitação e ofereceu o menor preço. A MB poderia ter dispensado a licitação e escolhido outro estaleiro, mas não foi assim. O Eisa faliu por mérito próprio. Sobre o tempo que o AMRJ esta levando para concluir o trabalho, isso é outra discussão. Creio que se o AMRJ tivesse começado o navio desde o zero, teria sido mais rápido. Creio que além dos problema inerentes do AMRJ, a necessidade de uma ampla revisão de todo o trabalho realizado pelo Eisa… Read more »

Leonardo Rodrigues

Oi Camargo Saudações! E verdadeiro que a responsabilidade pelo fracasso do projeto dos Nap500 é da marinha. Afirmar isso não retira de mim patriotismo que coloca do lado dos negacionistas. Não entendo nada de navios, mas sei muito de licitações. Houve um erro grotesco nas exigências de habilitação das empresas para construção do navio, assim como existem em diversas obras de infraestruturas. Ou o erro está na especificação, ou na precificação, ou na habilitação. Alguém (membro da comissão de licitação) deveria ter visto que o estaleiro não possuía condições para executar, tão verdadeiro que não o fez! Quanto ao tempo… Read more »

EduardoSP

Lembrando que o mesmo erro ocorreu na aquisição da Júlio de Noronha e da Frontin, no final dos anos 80. A MB contratou o estaleiro Verolme, em Angra dos Reis, para construir as duas corvetas. O estaleiro quebrou durante a construção, em 1991, e o trabalho foi repassado ao AMRJ.
O tempo passa e os vícios permanecem.

Zorann

Você tem razão. Contabilmente, gastar com mão de obra por longos períodos, para construir um patrulha de 500t, torna o preço do navio proibitivo.

Mas estes navios que estão sendo concluídos, são os que vieram do estaleiro Eisa que faliu.

Welington S.

”HuUr DuUr, TEM que construir em 6 MESES no máximo, HuUr DuUr.”

Vai lá então construir pra MB, Sr. Polvo. Acha que é simples? Meu Deus.

Mk48

Exato Wellington.
.
Falar é fácil.
.
Quero ver esse sabichão ir lá e fazer.
.
Abs

Allan Lemos

Olha o nível do argumento do cidadão.

“Mi Mi Mi se tÁ rEcLaMaNdO vAi lÁ e FaZ!”

Como se alguém aqui tivesse a obrigação constitucional de cuidar da defesa do País(além do alistamento) e/ou estivesse recebendo para isso. Depois eu que sou o ridículo…

Largue o seu toddynho, saia do Fortnite, ganhe mais alguns neurônios e procure entender como o mundo funciona antes de poluir o fórum com esse tipo de falácia ridícula.

Salim

Os dois primeiros foram feitos Inace, contrato 2006 entregues 2009.

Curiango

Será q os oficiais aprenderam com os políticos quanto mais tempo demora mais dim-dim?? Vide “reforma dos F-5, A-1, enrolação com NAE-SP”?

Bardini

Retomada de construção no AMRJ, mostrando Napinha com gestação de Cv Barroso e oficina que parou no tempo. UAU! Mas enfim… O AMRJ, se fosse modernizado, poderia sim ser empregado em diferentes projetos navais que poderiam até correr em paralelo, indo desde Fragatas até os Navios Patrulha, Navios de Apoio e etc. Sem falar que ter sua estrutura modernizada, agregaria na capacidade de dar manutenção a TODOS os meios da Esquadra, pois a maior parte dela está ali e a estrutura seria da própria MB. . Como eu já disse outras vezes: com o advento das tecnologias de construção em… Read more »

Zorann

Vão construir o que no AMRJ? Se for para construir corvetas, fragatas, já há 2 estaleiros privados que receberam grande volume de verbas publicas recentemente para construírem navios. Um para construir submarinos e outro para construir tamanduás. Se for para construir patrulhas de 500t, a modernização tem de ser o suficiente para dar conta da demanda planejada, produzindo navios a um custo viável. Coisa simples. Feijão com arroz, fácil de gerir os recursos Sem essa de modernizar completamente o AMRJ, gastando os tubos, capacitando mão de obra em “sistemas”, para depois não conseguir terminar um navio e/ou demorar 14 anos… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Zorann
Bardini

Vão construir o que no AMRJ? . R: Construir navios simples, baratos, que podem ser construídos em sequência por anos, mantendo a mão de obra qualificada. . Existe essa necessidade… E o dinheiro que vai ser alocado em um estaleiro privado em Itajaí, para a TKMS, poderia estar bancando HOJE, todo um projeto de futuro com a modernização e capacitação do AMRJ, onde essa estrutura passaria a fazer exatamente o que você bem disse. E fariam isso utilizando a questão das Fragatas, que além de ser uma necessidade real, querem fazer aqui de qualquer jeito. A questão é que o… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Bardini
Zorann

Temos de construir navios simples, que dá pra ir construindo sem grandes sustos com orçamento. Navios complexos, contrata estaleiro que é melhor. Quer um exemplo? Há uns 12 anos, assinamos o PROSUB para 4 submarinos e quase que ao mesmo tempo, uma Niterói entrou em PMG no AMRJ. Neste período de 12 anos, através do PROSUB dois submarinos estão prestes a serem entregues e os outros dois estão com construção bem avançada. Já no AMRJ, demoraram o mesmo tempo para fazer um PMG de uma Niterói. Por que? Porque contrato você renegocia, prorroga prazos, mas é difícil cancela-lo sem ter… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Zorann
Bardini

Cara, a MB já gastou praticamente 28 bilhões de reais no PROSUB, até agora. Falta pagar outros 27 bilhões de reais, sendo a maioria deste montante destinada a parte da estrutura nuclear da base e a construção do charuto atômico… O que se tem de dinheiro anualmente para investir, é gasto quase que na totalidade nisso aí. Como fazer o resto da MB rodar??? . Pq tu achar que o AMRJ está sucateado? Pq tu acha que PMG da Defensora demorou tanto? Pq não estamos com todos os IKL modernizados e pq querem vender parte deles? Pq tu acha que… Read more »

Zorann

Eu não estou defendendo o PROSUB não. Só citando o quanto um contrato de construção com um estaleiro é importante. Se o contrato das FCT não tivesse sido assinado, posso te garantir que possivelmente não sairia. Não depois do aprofundamento da crise orçamentária que temos enfrentado ainda consequência do Covid e com eleições o ano que vem. Por mim, nem PROSUB teríamos, teríamos comprado IKL 214 de prateleira, bem como Tamanduá. Tudo construído lá fora, sem ToT, no máximo alguma contrapartida no sentido de manutenção… e só. pagar mais barato e construir lá fora. E você sabe disso, porque já… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Zorann
Wilson Look

Pensando assim o ModFrag das Niterói também é culpado pelo atraso na construção da Barroso, do Tikuna, pelos atrasos nas manutenções das Inhaúmas, que condenou 3 delas a serem tiradas de serviço na casa dos 20 anos. Se a MB realmente tivesse essa grana toda antes do PROSUB ter sido iniciado, ela não teria ficado pensando em construir apenas 1 submarino novo no AMRJ, no caso um IKL 214 sem AIP ou um segundo Tikuna. Por curiosidade o objetivo era o mesmo do PROSUB, avançar até um submarino nuclear, só que mais devagar e já haviam confirmado que teria que… Read more »

Mk48

Para de falar besteira Bardini !
.
No Congresso acabaram de aprovar um fundo eleitoral só para 2022 de R$ 5.2 BILHÕES de Reais!. Só para financiar campanhas políticas !

Camargoer

Caro Mk48. Por favor, observe quais foram os partidos que aprovaram a ampliação do fundo eleitoral e quais foram os partidos que votaram contra. Foram 248 votos a favor na Câmara (contra 145) e 40 votos a favor no Senado e 33 contra.

Willber Rodrigues

Aliás….qual o filho de qual presidente da República ( e sua base aliada em peso, aliás ) votou A FAVOR desse fundo mesmo?
Como diria o Silvio Santos: vaaaalendo…..

Bardini

E quem é que deixou essa joça aí passar? O pessoal que faz arminha com a mão. O mesmo pessoal que é amplamente apoiado pelos politiqueiros dentro das forças. Tu nem devia estar achando ruim, deveria é estar passando o teu pano.

Palpiteiro

Prezado, acredito que se não for viável se fazer navios civis no Brasil. Não será viável se fazer navios militares

Camargoer

Olá Palpiteiro. Eu concordo com seu palpite.

Mk48

Não Bardini.
.
O que ficamos mordidos é ver uma pessoa com tanto conhecimento do assunto como você fazer uns comentários ridículos, sarcásticos e grosseiros como você faz.
.
Cresce rapaz.
.
Ninguem entra no blog e comenta para receber as patadas que você dá de resposta. Melhor ficar calado.

Last edited 2 meses atrás by Mk48
curioso1960

Será que na AMRJ já tem corte de chapas de aço à laser?
Trabalhei em uma empresa de maquinas para construção,em 1999 a empresa comprou uma maquina para corte de chapas à laser.

Bardini

No vídeo aparecem dois sistemas do corte: um para chapa grossa, onde empregam maçarico montado em tartaruga de corte e o outro, um plasma CNC, pra chaparia mais fina. Em termos de máquina, isso aí dá pro gasto. E se o Plasma CNC é bom e tem mesa grande, dá pra fazer miséria…

Satyricon

Bardini, eu acho que suas colocações vão no sentido correto, mas discordo na conclusão. Veja bem, historicamente, o setor público SEMPRE foi menos eficiente que o setor privado. Isso no caso da MB fica patente, por uma questão de escala, pois já existiram hiatos de quase uma década entre uma construção de meios e outra. Óbvio que a MB faz o que pode com o contingenciamento de verbas, mas isso não é a única razão. Acredito que exista uma parcela grande de culpa da MB e seu planejamento deficiente (excessivamente otimista ou ingênuo até), haja visto os episódios dos S2… Read more »

Camargoer

Caro Satyricon. Creio que não se pode fazer esta comparação de eficiência entre o setor público e o setor privado de modo simples assim. Até mesmo no Instituto Mises Brasil existem artigos que discutem essa questão. O setor público oferece serviços que não são mensurados pelo preço do mercado, mas em termos de benefício social. A pandemia de Covid mostrou isso claramente. Também existem setores nos quais haveria um claro conflito entre os interesses dos prestadores de serviço e o interesse da sociedade (novamente a pandemia de Covid mostrou claramente os limites do setor privado em relação aos interesses da… Read more »

Satyricon

Caro Camargoer, suas colocações estão corretas, principalmente quando menciona que a ação estatal se faz necessária em situações específicas onde o risco é muito alto ou os benefícios à sociedade superam os ganhos econômicos (objetivados pela iniciativa privada). A pandemia é um excelente exemplo. Ressalta-se aqui a conotação “específica”. Entretanto, é um erro o estado insistir em atuar em setores produtivos onde a iniciativa privada tem claramente maior eficiência. O contrato com o EISA foi, a meu ver, uma excessão à regra, enquanto o contrato do INACE correu a contento. A MB não está nadando em (nosso) dinheiro, e precisa… Read more »

Camargoer

Caro Satyricon. Eu concordo com você quando menciona que na maioria dos setores produtivos faz mais sentido deixar nas mãos da iniciativa privada. Talvez fizesse sentido o Estado brasileiro criar uma empresa automobilística nos anos 30/40. Hoje não mais. No caso da indústria naval, também acho razoável a contratação de estaleiros privados instalados no Brasil para a construção de meios para a MB (por isso discordo da ideia da simples importação como defendem muitos colegas). Também concordo que as forças armadas brasileiras são ineficientes, desestruturadas, descoordenadas e perdulárias. O que discordo é com a afirmação que o setor privado é… Read more »

curioso1960

O AMRJ, deveria especializar-se na construção de navios patrulha oceánicos e fluviais e no reparo dos de maior tonelagem.
Acho que deveriam construir mais exemplares da classe Macaé, os que estão atuando, até onde eu sei não apresentaram problemas. Se conseguirem entregar 20 unidades, das 27 que estavam no planejamento está ótimo.

Camargoer

Caro Curioso. Discordo. Navios simples como patrulhas ou NaPaOc podem ser construídos em estaleiros particulares por meio de licitação. Eu tenho dúvidas sobre a viabilidade de manter o AMRJ para a construção de meios para a MB. O investimento para o AMRJ manter oficinas modernas e pessoal treinado demandará do estaleiro uma necessidade de oferecer serviços para o setor privado, ou acabará subutilizado, como aconteceu diversas vezes. Eu não sei nem mesmo se faz sentido manter o AMRJ para a manutenção de navios, ou se este serviço deveria ser contratado de estaleiros privados.

EduardoSP

Camargoer, a última licitação para a construção de navios simples acabou como acabou. Ao invés de concentrarem esforços em melhorar o que funcionou (INACE), especializar e ganhar escala, foram atrás de sabe-se lá o que, e deu no que deu, prejuízo para a Viúva.

Roberto Bozzo

Belo vídeo…as imagens antigas são lindas, pena que se perdeu a capacidade construtiva mais relevante.

A reconstrução da MB passa pelo AMRJ; a MB deveria investir na sua modernização e recapacitação para a construção de meios militares atendendo às suas necessidades, trabalhando em conjunto com estaleiros privados. Constroem os blocos nos estaleiros privados e faz-se a junção, integração e lançamento no AMRJ, barateando a construção.

Mk48

👍👍👍👍

Marco Magliano

Pergunta? O aguardo pela definição da lei de destinação de verbas do Fundo da Marinha Mercante poderia de alguma forma estar impedindo a própria Marinha de Guerra em reunir recursos para a construção de novas patrulhas?

Last edited 2 meses atrás by Marco Magliano
Camargoer

Olá Marco. O problema é que o Fundo da Marinha Mercante não deveria ser usado para financiar a Marinha de Guerra.

Willber Rodrigues

Pela última notícia que pesquisei sobre isso, o Posto Ypiranga e a ala governista querem extinguir esse Fundo. Imagine então usá-lo pra MB…

Zorann

Se querem realmente retomar a construção de navios no AMRJ, este é o caminho.

Construir navios simples, baratos, que podem ser construídos em sequência por anos, mantendo a mão de obra qualificada.

Se a verba que sobra é curta (não que o orçamento seja pequeno), não adianta querer construir navios complexos, mais caros, mais sujeitos a faltar verba, que demorarão uma década para ficarem prontos.

Vamos fazer o simples de maneira contínua. Este é o caminho. Precisamos muito de navios de patrulha. Se construímos, é um problema a menos.

Mk48

Beleza Zorann.
.
Penso o mesmo.
..abs

Esteves

Isso. Vamos fazer canoas. Belas canoas feitas com chapas de aço.

Bem bacana.

Leonardo Meireles

O AMRJ, tem função estratégica para a MB, só que a MB não dá o devido valor. É necessário investimento em tecnologias e novos concursos para recomposição permanente do quadro de funcionários civis, visto que são estes que fazem o AMRJ funcionar.

MARCELO R

O BRASIL está assim…
Para cada comentário técnico….
Temos 10 estagiários que se metem no assunto e que acham que sabem LER…

Para quem é da indústria, prestador de serviços técnicos especializados , tem outra cabeça…
São …. sim os custos , as perdas de tempo, a mão de obra muito cara e principalmente os períodos de execução dos SERVIÇOS muito extensos… Que inviabilizam um trabalho….
Lamentável…A falta informações ………..para ficar LACRANDO….TUDO… SEM SABER NADA

Mk48

Ótimo.
.
Espero que aprenda com esta sua auto-reflexão.
.
Abs.

Cícero Martins

Eu não consigo mais acreditar no Brasil, estamos sendo roubados diante da pandemia por corrupção e por impostos abusivos

Caio

Se os trabalhos estão recomeçando ótimo! Mãos a obra que a segurança urge e o dinheiro existe! Afinal nesses 22 bilhões de dólares, devem ter um tantinho para equipamentos de guerra novos.

Flanker

Quantos navios novos a MB recebeu nos últimos 10 anos? E quantos foram construídos no Brasil? E no AMRJ? Em quanto tempo, em média, foram construídos? O que foi feito com a tecnologia e conhecimento adquiridos com a construção das Niterói? E com a construção dos IKL? E com a aquisição do projeto dos NaPa 500 ton da França? O que foi feito com a expertise, mão-de-obra e capacitação adquiridas com esses projetos? Por que estão precisando modernizar as instalações, equipamentos, etc e formar e requalificar o pessial técnico? A MB, e o Brasil como um todo, tem espasmos de… Read more »

Nilson

Com certeza foi um erro desmontar a capacidade construtiva do Arsenal, apostando todas as fichas na iniciativa privada. Concordo com vários colegas, que disseram que pelo menos a capacidade de construir navios simples, em série (poucos mas de forma contínua), deveria ter sido mantida. Tomara que essa retomada no Arsenal não seja voo de galinha, tomara que depois do lançamento do Maracanã se inicie pelo menos mais um da série, para dar continuidade ao Mangaratiba. Mesmo que saia mais caro do que a iniciativa privada faria, a capacidade construtiva não pode ser perdida novamente (partindo do princípio de que está… Read more »

Esteves

Mais 1, 2 ou 3 navios patrulha costeiros vão mudar nossa realidade?

O mundo dos anos 2030/40 oferecerá lugar para gente de coisas simples?

Sabe o que assustou na vacina? Saber que temos conhecimento e capacidade para fazer. Saber que possuímos inteligência e que dominamos a tarefa. Descobrir que teríamos sido os primeiros e os mais eficientes. Os bambambam.

Desdenhamos do nosso próprio saber. Assim levamos a vida.

Lippy and Hardy.

Esteves

Assim como não concluímos o reator pelo envelhecimento das mentes também não avançamos na construção naval pelo mesmo motivo.

O Brasil sucateou-se.

Esteves

Pois é. Bacana ver os meninos mudarem. Defenderam sempre que deveríamos fazer aqui os cascos. Porque casco é fácil de fazer e aço é barato de comprar. Aqui no PN os meninos afirmativamente defendiam que deveríamos importar sistemas e enfiar nos cascos. Mudaram é? Pera aí. Pera aí. Quem sempre objetou isso foi o Esteves. Esteves defendeu sempre + que devemos investir em inteligência e inovação e, conforme publicado no PN…eletrônica, sistemas, gestão, inovação, antecipação, decisão, operação…são os diferenciais de um navio de guerra. Aço e propulsão dá-se um jeito. Mísseis…isso terá que esperar. Pera lá. Bardini. É isso. Nacionalizar… Read more »

Palpiteiro

É necessário se entender o que é meio e o que é fim. Tratar meio como meio e objetivo fim como fim.

Esteves

O fim. A MB enfiar 50 bilhões de reais em 4 submarinos licenciados. O submarino nuclear ainda não chegou no meio.

O objetivo. Entregar à pátria tudo que a pátria merece. Uma Marinha apta a defendê-la. A família naval que vá pescar.

Marcelo Baptista

Huuum, achei a idéia boa, comprar o casco vazio da China ou Coreia, conforme projeto da Engepron, rebocar para o Brasil e fazer a parte cara do negocio, integração, que não necessariamente precisa ser feito pelo AMRJ, mas que tem que ser acompanhado diretamente pela MB (posso estar errado, mas acho que a Petrobras faz ou fazia algo assim)

Camargoer

Olá Esteves. Concordo com você que a construção de um casco de um navio de combate seria a parte mais fácil e barata de de ser feita. E também é a parte que emprega mais pessoas. No atual cenário econômico, isso é relevante. Sendo a parte mais fácil, barata e que emprega mais pessoas, a construção do casco seria a parte mais simples de ser implementada e que traria impacto mais rápido. Na outra ponta, existem os softwares e integração dos sistemas. Esta parte do projeto demanda poucas pessoas mas de altíssima capacitação técnica. Atualmente, é a parte mais sensível… Read more »

Esteves

Mestre dos Estudos,

Sabe o que aborrece?

Ler a defesa que, para consolo do que ficou, devemos retornar aos anos 1970/80 e construir navios mecanicamente. Nada de indústria 4.0. Nada de esforço na inovação. Tecnologia zero. 50 anos segurando uma solda MIG.

Sendo fácil soldar chapas…sendo fácil seguir desenhos…vamos fazer o barato. Eternamente.

Mestre Camargo. Vós sois professor. Ensina o valor da dedicação.

Ou não seremos exemplo de Nação.

Esteves

Deveriam ter feito um vídeo dentro de uma instituição de pesquisa e desenvolvimento emulando um avançado centro técnico com mentes formadas nas melhores escolas do mundo. Técnicos e profissionais de vários países + brasileiros trabalhando na elaboração de projetos para o Arsenal executar.

A execução…a montagem…isso fizemos nos anos 1970, no PROSUB e faremos novamente com as Tamandarés.

Cientistas…gente do pensamento deveriam dividir o chão de fábrica com os cabeçudos. Unidos pela inovação.

Eita trem doido.

Nilo

Perda de tempo, terceiriza o Arsenal. Mas a descrição do Arsenal pelo Bardini. Imperdível. “…..Essa mesma MB, que fez esse vídeo…..blábláblá, ………. bancou ……. a TKMS…” O que é Esteves a TKMS. Uma empresa que tem a expertise de projetar e constuir. Abre em qualquer lugar do mundo um Estaleiro, projeta e constroi. Fica a pergunta, mais e a MB, é capaz de fazer um projeto naval viável, sustentavel, que cumpra objetos que a gloriosa MB canta em prosa e verso? Volta para escolinha, aprende a fazer patrulha litoranea e oceanica, para marcar presença física no mar, promova uma indústria… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Esteves

Isso também é blá-blá-blá. Nos anos 2020 fazer barquinho patrulha costeira. Pra marcar presença física no mar faz com jangada. O que impressionou Bacana Esteves foi o porque. Porque navio de guerra bom ou é italiano ou é alemão. Bela licitação. Tivéssemos escolhido o Vard com a Ficantieri também não bancaríamos os italianos? Empresas parceiras haviam em Duque de Caxias. Calderaria pesada. Deixaram falir. Entraram as de implementos. Deixaram sumir. Viu lá as parceiras…Bardella. Tem que aprender. Vai reaprender a soldar chapa como fizemos em 1970/80 ou vai aprender a apensar sistemas de radar? Vichi..tá na mão do alemão. De… Read more »

Mk48

Prezado Nilo,.
.
Excelente comentário.
.
Abs

Marcelo Baptista

Nilo, acho que a questão é, a MB projeta e define o que precisa (Frageta/NPa, etc). Fabricar, eu acho, que nunca mais vai ter capacidade produtiva capaz, sem um investimento elevadíssimo, e que vai se perder ao longo do Tempo, o AMRJ deve ser mantido para manutenção dos equipamentos. Licita o casco em qualquer lugar do planeta, conforme nosso projeto (o contratado pode avaliar o projeto e sugerir melhorias, onde trabalho fazemos isto normalmente e o cliente não fica ofendido, analisa e diz sim ou não). Já a integração licita com estaleiros nacionais, (obvio capazes, não os amigos dos amigos).… Read more »

Marcelo Baptista

Esteves, o conhecimento atualmente não é muito valorizado. Infelizmente.

CPAN

Boa noite!
O arsenal de Marinha ficou muito tempo sem construir uma embarcação de guerra, como estão as instalações e a mão de obra? Já existe recurso destinado para o término dessa embarcao? Alguém poderia responder essas perguntas?

Teropode

Que possam produzir os navios patrulha que o Brasil carece e , quem sabe um Destroyer porta-misseis .

Tiago Cruz

Se arsenal conseguir entregar uma patrulha de 500t a cada 18 meses ou 24 meses seria uma boa pois em 10 anos teríamos pelo menos 5 patrulhas novas , aí poderíamos pensar em patrulha de 1500t de fabricação nacional , andamento do maracana tá lento mas tirar leite da pedra e duro , mas legal q as obras voltaram por lá a equipe vai se atualizando , vamos q vamos.

Esteves

Não. Não é. Aprendeu a fazer navio de 500 e pula pra navio de 1,500? Pula não. Navio de 1.500 tem outro conceito, leva mísseis, leva sistemas de gestão de combate, pode suportar danos.

Os chineses fazem navios pequenos e navios grandes. Navios “simples” e navios avançados. Ao mesmo tempo.

Junto e misturado. Para capacitar as bases industriais de Defesa e Logística. Gerar atividade econômica rica.

Mk48

Tiago,.
.
É isso mesmo.
.
Ótimo comentário.
.
Abs

Esteves

Laia, laia, laialaia, laialaia…

168B3E37-306D-4C65-ACD1-A8EEA9D29EB6.jpeg
Carlos Gallani

Tendo o rolo da falência do estaleiro ou não é um parco progresso para um navio muito pequeno.
Pergunto aos colegas especialistas qual o número de NPAs e NPOs ideais para nossa Costa?
Pergunto pq navios de 500t poderiam ser “cuspidos” em boas quantidades por qualquer estaleiro razoavel, é bem menor e muito menos complexo que qualquer AHTS!

Larry Cincere

Será que vai ter oportunidade de trabalhar no arsenal. De marinha. Ou contratação de empresas terceirizadas. Gostaria muito de volta a trabalhar lá. Sou encanador industrial e já prestei serviço ao arsernal. Meu telefone 21973508511. Gostaria de fazer parte deste retomada junto a marinha do Brasil. Obrigado

Marcelo

Só vi galpões VAZIOS!! Kkkkk puseram uns 2-3 funcionários 🥱🥱🤣 Jesus !! Esse país não é sério mesmo

Nilo

Porque é impresindível o alcance dos objetos de conclusão do SUBNUC dentro do teatro da América do Sul.
https://www.theaustralian.com.au/inquirer/only-nuclearpowered-submarines-can-meet-our-future-needs/news-story/5c17c26d5774b8ced876b763eea662fb
O Prosub não foi uma escolha esclusiva de um governo , mas uma opção, da MB.

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Mk48

Perfeito Nilo.
.
A maioria aqui por alguma razão não consrgue enxergar isso.
.
Abs

Esteves

Perfeito Nilo. Excelente comentário Nilo. Parabéns Nilo.

Qual opção tem e tinha a MB?

Nilo,

Teu chefe te chama.

— Sabe aquele programa que tu vive me torrando que não tem grana pra acabar, que passaram 50 anos e virou história de acampamento, aquele saco sem fundo…sabe? Arrumei um patrocinador. Com o pré-sal passamos a régua na história. Fácil de pagar será. Oportunidade única de aprender. Deixa o contrato comigo. Topas? Depois desse vamos fazer outro contrato…aquele de superfície.

Quem diria não?

Nilo

Congratulações. E Daí……, Tá esse é o desastre: A previsão inicial para a conclusão da construção do submarino com propulsão nuclear era 2023…. (2017) a Marinha mudou o cronograma de entrega do SN-BR para 2027…. o primeiro submarino convencional brasileiro com propulsão nuclear……….. pevisto para ser lançado em 2029….. O submarino nuclear deve entrar em operação somente em 2034….. Tu vai fazer o que? Vai impor ao patrão empregar mais familiares seus discursando que vai trazer resultado efetivos, pergunto, mais pra quem? Mourão….., acima de qualquer lealdade está seu compromisso de obediência à Constituição. General Sérgio Etchegoyen afirmou que a… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Luciano

Arsenal está sucateado essa é a verdade não possui mais servidores habilitados pois a grande maioria já aposentou e não houve contratação mais sim demissões dos funcionários da emgepron e agora possuí empreiteiras na realização de obras

Mk48

Amigo, você tem acesso ao Arsenal ?
.
Trabalha lá ?
.
Se sim , prove o que falou. Fale a qual OM está subordinado.
.
Se não, nos poupe de suas viagens na maionese.
.
Abs.

Top Gun Sea

O cenário de desolação é o mesmo!

Esteves

Não é espetacular? Várias pessoas olhando para uma mesma imagem. Cada uma delas enxerga uma realidade diferente.

André

São 8 mil km de fronteiras que nossa marinha impecavelmente nós guarda e nos protege

Rodrigo Phanardzis Ancora da Luz

Se o Lula fosse presidente, teríamos muito mais navios e projetos. Apesar de termos hoje um presidente que está entregando as nossas estatais, o Brasil ainda resiste superando os obstáculos.

angelo bigalli

brasil sendo brasil….a mesmice eterna….

Pedro

Pessoal,

Sei que toda a armada está no Rio em razão de lá ser a antiga capital do País. A pergunta é o seguinte: Ainda hoje é viável estrategicamente mantê-la lá?

Leandro Costa

Acredito que sim, visto que a infra-estrutura previamente instalada continua lá e não temos dinheiro para duplicar isso, mesmo que de forma espalhada ao longo do resto da costa.

Adriano Madureira

É o lugar mais óbvio de se atacar, feito isso já é meio caminho andado para derrotar as outras forças…

- Publicidade -

Últimas Notícias

Grécia assina MoU com o Naval Group e MBDA abrindo negociações para o fornecimento de fragatas FDI HN

Em 28 de setembro, Nikólaos Panayotópoulos, o Ministro da Defesa grego, Pierre Eric Pommellet, CEO do Naval Group, e...