terça-feira, setembro 28, 2021

Saab Naval

ESPECIAL: Visita ao cruzador blindado ‘Georgios Averof’ em Atenas

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Jean François Auran*
Enviado especial do Poder Naval/Forças de Defesa

A história

O Georgios Averof é um navio de guerra da Marinha Real Grega que serviu como navio capitânia durante a primeira metade do século XX. Foi batizado com o nome do empresário e filantropo grego Georges Averof, que ajudou a financiá-lo.

Ele pertence aos cruzadores blindados da classe “Pisa” construídos na Itália entre 1905 e 1910, junto com o Pisa e o Amalfi. A sua construção começou nos estaleiros de Orlando em Livorno em 1907. O navio foi inicialmente encomendado pela italiana Regia Marina, mas as restrições orçamentais levaram a Itália a colocá-lo à venda a clientes internacionais. Foi lançado em 12 de março de 1910, e o capitão Ioannis Damianos assumiu o primeiro comando em maio de 1911 para ir à Grã-Bretanha para as festividades de coroação do rei Jorge V.

Em 1911, o Georgios Averof foi considerado o mais poderoso dos navios modernos da Liga Balcânica (Grécia, Bulgária, Sérvia, Montenegro) contra o Império Otomano. Durante a Primeira Guerra dos Balcãs (1912-1913), o Georgios Averof tornou-se a nau capitânia da Marinha Real Helênica e participou na libertação das Ilhas Gregas do Egeu, sob o comando do experiente Almirante Pavlos Koundourio.

Durante as batalhas navais de Elli e Lemnos, o navio quase sozinho consegue a vitória da frota grega, forçando a frota otomana a se retirar em desordem. A frota turca fica sob o fogo dos poderosos canhões do navio e recua confusa, refugiando-se no estreito dos Dardanelos, sob a cobertura da artilharia das fortalezas à entrada. O Georgios Averof recebeu apenas danos leves durante essas duas batalhas.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Grécia não participou do conflito, mas em 1916, após os acontecimentos de novembro, o Georgios Averof foi capturado pela frota anglo-francesa. Foi devolvido em 1917, quando a Grécia entrou oficialmente na guerra. Ele navega com navios aliados em Constantinopla (1918) ocupada pelas forças aliadas após a derrota das Potências Centrais e do Império Otomano, seu aliado. O estaleiro HM em Malta reparou o navio em 1919.

Durante a guerra greco-turca de 1919 a 1922, quando o Exército Grego desembarcou na Ásia Menor para ocupar os territórios devolvidos à Grécia pelo Tratado de Sèvres (08.10.1920), o navio participou do ataque à costa turca, para dar cobertura à evacuação de refugiados para a Grécia após a derrota do Exército Grego.

Entre 1925 e 1927, o navio foi reconstruído no estaleiro francês “Forges et Chantiers de la Méditerranée” em La Seyne. O estaleiro também garantiu a transformação do cruzador Elli e a construção do veleiro de treinamento Ares. Sua revisão incluiu:

  • Troca das caldeiras.
  • Revisão de máquinas.
  • Instalação de um diretor de tiro no topo do mastro frontal.
  • Substituição de holofotes e instalação de modernos equipamentos de combate a incêndios.

Além disso, novas armas antiaéreas substituíram parte das originais de 76 mm, substituídas por 2 x 76 mm AA, 4 x 40 mm AA e duas metralhadoras. O estaleiro removeu o equipamento de torpedo obsoleto.

Durante a década de 1930, várias tentativas de golpe ocorreram na Grécia. Em 1935, o político Eleftherios Venizelos fugiu a bordo do cruzador Averoff. Após o ataque alemão à Grécia em abril de 1941 (“Operação Marita”) e o colapso da frente, a tripulação se recusou a afundar o navio. Refugiou-se na baía de Souda, em Creta, e depois juntou-se ao porto de Alexandria.

No final de 1942, o “G.Averof” partiu para Port Side, onde participou em missões de proteção portuária. O “G.Averof” foi mais tarde ativo no Oceano Índico para proteger comboios que se dirigiam de Bombaim a Aden. Em abril de 1944, ocorreram combates entre os monarquistas gregos e os pró-republicanos em Alexandria. Os britânicos usam o navio como prisão para os pró-republicanos até o fim do conflito.

Com a retirada das tropas de ocupação alemãs no final de setembro de 1944 e após quase quatro anos de ausência, o Georgios Averof retornou à Grécia em 16 de outubro de 1944, transportando o então exilado governo grego ancorando solenemente na baía dos Faliros. Entre 1947 e 1949, o navio tornou-se o Quartel-General da Frota em Keratsini. No entanto, o navio era bastante antigo, e em 1952 a Marinha Helênica ordenou seu descomissionamento.

De 1957 a 1983, o cruzador esteve ancorado em Poros. Em 1984, a Marinha decidiu transformá-lo em navio-museu, sendo rebocado até o porto de Phalere, no Golfo Sarônico.
Mesmo que o navio seja um museu, ele sempre carrega na popa a bandeira da Marinha Grega. É o único navio de guerra ainda flutuando nesta categoria.

O navio

O cruzador blindado deslocava 10.200 toneladas. Tinha 19.000 cavalos de potência, 22 caldeiras francesas, alternadores alemães e artilharia naval Armstrong do tipo inglês de 190 e 234 milímetros. A velocidade máxima do encouraçado era de 23 nós.

A Elswick Ordnance Company produziu quatro canhões de 9,2 polegadas de 45 calibres (414 polegadas ou 10,5 metros) montados em duas torres duplas. Eram como os canhões modelo de exportação Vickers, calibre 45, usados ​​pela Grã-Bretanha como artilharia ferroviária na Frente Ocidental na Primeira Guerra Mundial sob a designação de canhão BL 9,2 polegadas Mark XIV. Eles dispararam o mesmo projétil de 380 libras (170 kg) usando a mesma carga de cordite de 120 libras (54 kg) do canhão britânico Mk X, e pode-se presumir que seu desempenho era muito semelhante.

O Averof tinha oito canhões 190/45 A Modelo 1908 em quatro torres de canhão duplo acionadas hidraulicamente, duas de cada lado da superestrutura a meia nau, como armamento secundário. O modelo 1908 produzido por Armstrong tinha um alcance máximo de tiro de 22 km e uma cadência de 2-3 tiros por minuto.

O passadiço tem blindagem de 50 mm. A blindagem do navio consiste em um cinto contínuo de 2,50 metros de altura com 203 mm no centro e 82 mm de espessura nas pontas. O centro do navio é separado da popa e da proa por uma parede ao pé das torres de 177 mm de espessura. As torres são blindadas: 165 mm na máscara, 177 mm na blockhouse fixo de 177 mm; pequenas torres têm 150 mm de blindagem.

Visita

O navio está atracado na marina de Flisvos, distrito de Palio Faliro. A visita é relativamente fácil de realizar. O museu é acessível de carro, ônibus e bonde. A parada de bonde mais próxima é Palio Faliro.

Após escalar a passarela instalada para visitantes, caminha-se pela popa do navio, chegando imediatamente na frente da torre traseira de 234 mm. A embarcação está muito bem conservada e é comum ver tripulantes trabalhando. Uma pequena parte do navio é acessível; são dois níveis de sua parte central.

Portanto, pode-se visitar as estações da tripulação, as acomodações do almirante, do comandante e dos oficiais. O visitante pode admirar muitas vitrines, que reúnem memórias acumuladas ao longo da rica trajetória do navio.

Em 5 de outubro de 2017, o Averof deixou seu antigo cais em Palaio Faliro e foi rebocado por 250 milhas em mar aberto para uma exposição de 50 dias na orla urbana de Thessaloniki. Após sete semanas de intensa visitação, o Averof voltou ao cais do museu de Palaio Faliro em 13 de dezembro.

O preço de entrada é de três euros para adultos. As visitas são abertas de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 14h00. e nos fins de semana, das 10h às 17h

Mais informações no site da Marinha Grega: https://averof.mil.gr/en/

*É militar reformado do Exército Francês. Faz reportagens e escreve artigos para revistas e sites de defesa

- Advertisement -

16 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
16 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Adaime

Este barco tem História e a Grécia, berço da civilização ocidental, mostrando como se conserva um navio museu.
Excelente matéria.

Burgos

Parabéns!!!
Muito bem conservado !!!
Verdadeira relíquia pós guerra !!!

Teropode

Com um currículo deste é natural que seja preservado , tem história , tem combate , tem vitória .💐💐💐

José Carlos David

Se o Brasil cultivasse suas memórias históricas, o Encouraçado Minas Gerais ou São Paulo poderiam tranquilamente ter virado museu. Seria o máximo!

Rafael M. F.

Olho o Averoff, o Philadelphia, o Aurora e penso se o Almirante Barroso não poderia ter tido o mesmo fim…

José Carlos David

O Barroso ou o Tamandaré. Dois navios com belas histórias nas marinhas americana e brasileira. Tive o prazer de servir no Barroso de 1970 a 1974.

Âncora

Ótima matéria, parabéns!
E o navio?! 117 anos depois de lançado ao mar foi “…rebocado por 250 milhas em mar aberto para uma exposição de 50 dias na orla urbana de Thessaloniki.” Bela conservação!!!

Rayr Guilherme

Enquanto aqui o povo “queima” sua história…

Heinz Guderian

Literalmente, infelizmente.

José de Souza

Ué, mas o “povo” daqui abomina as disciplinas de humanas, notadamente a de História, e vocês ainda querem que a população se importe com isso? Ou só vale para navios, tanques e aviões? A Cinamateca de SP, a terceira em acervo NO MUNDO acaba de queimar por falta de cuidado!

Hélio

Ninguém abomina a história, o que abominam é o revisionismo histórico ensinado em sala de aula por “professores” militantes. Sobre a cinemoteca, nada de valor foi perdido, muito diferente do incêndio no museu nacional, muito comemorado por esses mesmos “professores de história”.

Antonio Palhares

Um navio importante para sua época . Vencedor que teve história.

soldado imperial

Um hipotético combate dele com o encouraçado Minas Gerais em 1914, acho que daria Minas.

Dalton

Sem dúvida daria o “Minas”, um autentico encouraçado muito maior. Outra hipótese seria o
“Minas” contra o então mais poderoso navio grego em 1914 o “Lemnos” um encouraçado que pertencera aos EUA recém adquirido armado com 4 canhões de 12 polegadas e 8 de 8 polegadas e o resultado seria o mesmo por conta do “Minas” estar armado com 12 canhões de 12 polegadas e dispor de melhor proteção.

Osvaldo Marcilio Junior

Maravilhoso, muito bem conservado, uma “obra de arte” de muita história, parabéns à Marinha Grega e a todos os envolvidos no processo!!

Welington S.

Toda vez que leio ”Atenas” me vem a cabeça o Kratos brabo com a moça heheheh

- Publicidade -

Últimas Notícias

Grécia assina MoU com o Naval Group e MBDA abrindo negociações para o fornecimento de fragatas FDI HN

Em 28 de setembro, Nikólaos Panayotópoulos, o Ministro da Defesa grego, Pierre Eric Pommellet, CEO do Naval Group, e...
- Advertisement -