segunda-feira, janeiro 24, 2022

Saab Naval

Desativação da Fragata Greenhalgh (F46) – ex-HMS Broadsword

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Após 26 anos em operação, a Fragata “Greenhalgh” – F46 (ex-HMS Broadsword) deixou o serviço ativo da Marinha do Brasil (MB), no dia 10 de agosto, em Cerimônia de Mostra de Desarmamento realizada na Base Naval do Rio de Janeiro (BNRJ), presidida pelo Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante de Esquadra Marcos Silva Rodrigues.

Incorporada à MB em 1995, a Fragata “Greenhalgh” é o quarto navio da Esquadra a ostentar esse nome, em alusão ao Guarda-Marinha João Guilherme Greenhalgh, personagem que ganhou notoriedade na Batalha Naval de Riachuelo.

Em quase 26 anos de serviço ativo, a Fragata “Greenhalgh” perfez 1.234 dias de mar, navegando 247.119 milhas náuticas, em inúmeras comissões relevantes, como PARADEX, TROPICALEX/APRESTEX, ADEREX, VENBRAS 2000, ASPIRANTEX, MISSEX e UNITAS.

Destaca-se, também, o importante papel desempenhado na Comissão em apoio às Olimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016, contribuindo para a segurança dos Jogos e elevando o nome do Brasil perante o mundo.

O evento respeitou os protocolos sanitários de prevenção à Covid-19 e contou com a presença de diversas autoridades, como o Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Alipio Jorge Rodrigues da Silva, o Chefe do Estado-Maior do Comando de Operações Navais, Vice-Almirante Claudio Henrique Mello de Almeida, o Comandante em Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Arthur Fernando Bettega Corrêa, e o Comandante da Força de Superfície, Contra-Almirante Iunis Távora Said.

Além de representantes da primeira tripulação e de ex-comandantes do “Lobo Guerreiro”, como o Almirante de Esquadra Carlos Augusto de Sousa, Ministro aposentado do Superior Tribunal Militar, que lembrou que a Fragata “Greenhalgh” possui uma rica história na Marinha do Brasil e na Marinha do Reino Unido, sendo um navio “testado em combate”.

Nas suas palavras à tripulação, o Almirante Carlos Augusto também destacou que “a alta Administração Naval entendeu que a Fragata ‘Greenhalgh’ cumpriu sua missão, ainda que, visivelmente, esteja em plena forma. Todos nós temos nosso tempo de ir para a reserva e com os navios não é diferente”.

NOTA DA REDAÇÃO: Servindo à Royal Navy, a fragata HMS Broadsword participou da Guerra das Malvinas em 1982 e foi alvo de ataque da Aviação Argentina. Veja abaixo imagens do navio no conflito:

Para saber mais sobre a fragata Greenhalgh – F 46, ex-HMS Broadsword – F88, acesse a página dedicada no NGBNavios de Guerra Brasileiros, clicando aqui.

Idade dos atuais navios escolta da Marinha do Brasil

- Advertisement -

216 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
216 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos 10

45 anos de seu lançamento ao mar.
Não está muito cedo para ser descomissionada?

Wellington R. Soares

Como já dizia o Sr. Omar do todo mundo odeia o Cris…..TRÁGICOOOOO KKKK…

Paulo

E o processo de desmonte da esquadra continua. Pra completar, não bastasse os 80 mil homens pouco ocupados, a MB agora faz política em Brasília.

Jorge Knoll

Verdade, a nossa MB está em pleno declínio, nem tiveram a honradez de mantê-la intacta.
Não bastasse a politização que tomou conta do Alto Comando, em troca de cargos e benesses, acredito já esteja contaminando o resto da força, pois foi triste assistir aquela fiasqueira em Brasília, um desfile patético, desfilando armas obsoletas da década de 70, fazendo a MB passar um “mico internacional”, onde os principais jornais do mundo não pouparam críticas.

Kornet

Armas obsoletas,vc tá repetindo a asneira de jornalistas ideológicos e insipientes em assuntos militares ppq os veículos produzem uma fumaça muito preta,queriam que veículos a diesel produzissem fumaça colorida,só pode.

Carlos Campos

é tão obsoleto, mas sujam a calcinha de medo quando veem um na rua kkkkkkk

André Macedo

Não sabia que os blindados foram comprados pra colocar “medo” em civil, achei que era pra defender o país de ameaças, vivendo e aprendendo.

Carlos Campos

mas não é mesmo, me divirto aqui

Koprowski

…medo em civil bandido, corrupto e traidor da pátria…

Adriano RA

Chamando os desafetos de “traidores da pátria”, ditadores sanguinários cometeram crimes terríveis ao longo da história. Posts assim me causam grande tristeza.

luciano andrade de amorim

Vá ser feliz então na venezuela seu zé ruela…

André Macedo

Pra isso existe a Polícia Federal, e é bom lembrar que as FA não são blindadas contra a corrupção, não mais ou menos honestos só por saber marchar e fazer ordem unida. Como ainda caem nessa demagogia? Kkkkkk

Koprowski

…quiz dizer como civis vários parlamentares e membros do judiciário, além da imprensa esquerdista.

Ted

Não é pra botar medo, e sim exterminar traidores da pátria que mandaram milhões para Cuba e Venezuela

Fernando Veiria

Pessoalmente meu medo com relação a esse blindado é encostar nele e pegar tétano. Mas felizmente existe vacina e a minha está em dia.

Renato de Almeida

Acho q a fumaça dessas lata velhas obstruíram seu cérebro e olhos.

Kornet

Acho que o seu ceguismo ideológico fez coisa pior com você e afins.

A6MZero

Kornet o SK-105 é sim obsoleto, um projeto de mais de 50 anos com blindagem completamente defasada para qualquer TO moderno, sem qualquer modernização ou melhoramento eletrônico, tem baixa mobilidade, baixa disponibilidade e já foi tirado de linha de frente por praticamente todos os usuários. Quanto a fumaça o motor dos SK-105 é um já fora de produção Steyr da década de 60, de manutenção cara e dispendiosa afinal é um motor fora de linha e um projeto com quase 60 anos, além disso a fumaça é excessiva que demonstra problemas com a manutenção dos referidos motores. Além disso manter… Read more »

Kornet

Então por causa de um todos estão obsoletos ,como diz a “mídia especialista ” em armamento?
Todo mundo sabe que o SK 105 tá velho,agora chamar Clanf,Astros,Piranha e M113 modernizado de obsoleto é panfletagem ideológica e desonestidade intelectual da militância.

A6MZero

Os M113 apesar da modernização estão longe do estado de arte, são veículos ainda úteis em alguns TO mas seu uso é limitado, e não podem ser chamados de obsoletos mas estão longe de serem veículos modernos. Quanto ao Astros esse sim é um sistema sim novo moderno e de alta eficiência (apesar dos números limitados). O Piranha também é um veiculo moderno e eficiente em que pese uma nova geração já esteja em operação. E não por causa de um não significa que todos os equipamentos dos Fuzileiros estejam obsoletos… Mas a critica quanto manter em operação veículos pouco… Read more »

André Macedo

Realmente amigo, os SK-105 estão em estado da arte, bem atualizados para o cenário da guerra moderna, boatos que a manutenção deles é feita ao estilo F1, os SK param no pitstop e saem novinhos em minutos.

Fernando Veiria

Você tem toda razão. Aqueles carros são o Estado da Arte em carros de combate atualmente. Apenas um daqueles é capaz de tirar três Abrahams de combate. Os chineses não pensam em invadir o Brasil pois morrem de medo do que apenas um carro desses pode fazer com suas tropas. Aquela fumaça foi chacota no mundo inteiro porque nenhum motor a diesel bem regulado produz mais essa fumaça. na Europa é muito comum carros de passeio serem movidos por motores diesel e se você olhar o escapamento deles, não vê essa fumaça. Mesmo no Brasil, apenas caminhões antigos e aquelas… Read more »

Paulo

Verdade o que outros governos fizeram com o congresso , destruição de cargos e dinheiro esse prefere comprar as forças armadas , que como o nome diz tem as armas nas mãos .
E o outro passo e conquistar apoio popular à um golpe militar .
Isso está mais próximo do que muitos pensam .
Temos uma justiça que não nos agrada , temos um congresso em suas 3 esferas ( estadual , municipal, federal) , que não nos representam não é difícil ter apoio de parte da população à um golpe militar por incrível que pareça.

luciano andrade de amorim

Seu comentário foi desprovido de sensatez, são armas em total capacidade de uso independente de sua fabricação, a maioria dos países sul americanos não as possuem e não foi um desfile para pompas… infelizmente aprendemos a desvalorizar o que temos! Lamentável.

Marinheiro "Oscar"

No Brasil é muito cacique (oficiais generais) para pouco índio (baixo clero). E o pior é que falta até o arco e flecha para o combate.

Precisamos de menos homens, menos oficiais generais, menos comissões de compras no exterior, menos cursos de capacitação de gente que já vai para a reserva ganhar dinheiro em empresas privadas etc.

Precisamos de mais navios, mais helicópteros, mais tanques e blindados para CFN, mais comissões, manobras, operações etc.

Em resumo, precisamos de mais adestramento (TRABALHO) e menos politicagem em Brasília.

Nem só de soldo, pensões, “sopões” e cargos comissionados vive uma marinha.

Bruno

Antigamente corveta não era considerada escolta, daqui a pouco quando desativarem todas as fragatas e não haverem outras, pois a classe barroso é de CORVETA, vão titular os OPVS como escolta também.

Fernando "Nunão" De Martini

Não, já passou da hora, pois não foi modernizada e em boa parte usa tecnologia dos anos 70/80.

Willber Rodrigues

“Tecnologia dos anos 70/80”
Curioso…comentei numa matéria do PN, a umas semanas atrás, me perguntando como seria a disposição de peças de reposição pra equipamentos tão antigos, e se estariam operantes hoje.
Teve um…certo alguem…no alto de sua arrogância, conhecido por ser passadoe de pano profissional, querendo dar carteirada e dizendo que estavam sim.
Vejam como são as coisas…

Camargoer

Olá Nunão. É sempre bom ter noticias suas. Lembrei da dificuldade que a Nasa tinha de conseguir peças e componentes para a frota de ônibus espacial. Ao contrário dos projetos atuais, que são pensado para substituir o hardware com facilidade, o projeto daquelas espaçonaves era bastante rígido. O processador mais moderno era um 286.

Fernando "Nunão" De Martini

Também é sempre um prazer revê-lo por aqui, Camargoer. Há itens substituídos ao longo desse tempo. Por exemplo, pode-se retirar um guindaste velho e colocar um novo em folha no lugar. Encomendar novas bombas e válvulas para as redes de combustível, água etc, seguindo especificações das originais. Muitos equipamentos, turbinas, tiveram suporte dos fabricantes até relativamente pouco tempo atrás, porque ainda havia navios em oitras marinhas (não necessariamente da mesma classe ou da RN) que usavam turbinas iguais. Mas isso foi rareando. E itens como sistemas de combate vão depender mais dê canibalizações pra serem mantidos. Peças das duas fragatas… Read more »

Piassarollo

Marcos, já está passando da hora. Navios desse tipo, normalmente são usados por no máximo 40 anos, claro, alguns países acabam estendendo esse tempo, mas raramente vai chegar aos 45 anos de serviço. A vida útil de um navio de guerra depende primariamente de uma manutenção bem feita e que respeite os ciclos de parada para tal. Em segundo plano temos a intensidade que este navio é usado. A marinha do Brasil, dentro das possibilidades, cumpre estes ciclos de manutenção de forma que seus meios, mesmo com idade avançada, possam continuar a cumprir suas missões. Mesmo que aparentemente o navio… Read more »

FERNANDO

Já foi tarde.
Vai com Deus e que venha as Tamandarés.
Bolsaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Compra mais 4 pô.

Rodrigo Maçolla

Não entendo, se ainda esta em boa forma, e temos poucos meios porque passar para a reserva Agora ?? Esta na hora de fazer o período de Manutenção e não querem gastar ?? ou é tão antiga ao ponto de não ter como fazer mais manutenção nos sistemas ? o que leva a esta decisão de desativação ?

João Fernando

Lagosta não custa barato. Se bem que a MB virou um museu né

Rei Antônio

Não ter o que falar é lamentável…

Doug385

É verdade. Se não comessem lagosta a gente teria uma marinha de primeiro mundo. Malditas lagostas!

Amaury

Culpar somente as lagostas realmente é um exagero. Mas se não fosse esse efetivo inchado, essa quantidade de sedes com finalidades duvidosas, tantos pagamentos a inativos e pensionistas que são o espelho do corporativismo das FA’s, tantos projetos iniciados e paralisados, tantos militares realizando funções que poderiam e deveriam ser feitas por civis, etc., poderíamos ter sim uma marinha de primeiro mundo. Pq o gasto que temos com a nossa MB permitiria isso fácil fácil.
Quem não concorda com isso ou está se enganando ou apenas passando pano. Pq a realidade nua e crua é essa.

Wellington R. Soares

Tu já viu a cotação internacional da lagosta ?
O kg tá caro meu amigo !

Joao Moita Jr

Sei não, mas acho que a carne com a maior cotização do mundo é a do alto oficialato das FFAAS brasileiras. Acho que custam ao redor de $50000 dólares o quilo…
Claro, filhas solteiras custam extra…

Last edited 5 meses atrás by Joao Moita Jr
Leandro Costa

Rodrigo, sistemas antigos, difíceis ou impossíveis (no caso dos lançadores de Sea Wolf) de se conseguir peças de reposição, etc. Por fora continua lindo, mas por dentro é outro papo.

Otto Lima

Sem falar nas turbinas RR Tyne, que são de manutenção caríssima por falta de sobressalentes no mercado.

Mk48

Otto,
.
Não esqueça das Olympus, que também equipam essa classe de navios. Mesmo problema.

Rodrigo Maçolla

Ok então Leandro obrigado pela resposta, é o que imaginei… mais é um bonito Navio não

Leandro Costa

De nada Rodrigo. E é um navio lindo sim. Pude visitar a Bosísio a vários anos atrás e mesmo de perto a beleza permanece. Mas até o Spitfire teve que ser aposentado algum dia, por mais belo que fosse.

Esteves

Esse ainda voa.

Wellington R. Soares

Mais uma ?
Ainda bem que temos 8 destroyer, 15 fragatas e 20 corvetas.
Não vai fazer falta nenhuma !

Tomcat4,2

Esqueceu do aero porta-aviões meu caro !!!

Wellington R. Soares

Verdade Tomcat, havia me esquecido do nosso porta aviões, que até 2040 serão 2 porta aviões conforme PEM2040 KKKKK…
Além é claro de 15 sub convencionais e 6 (SEIS) nucleares !

Palpiteiro

Com o papel do voto impresso da pra fazer um monte de barquinho

Willber Rodrigues

E não se esqueça da força de 16 subs convencionais e 4 nucleares

Jorge Knoll

Quando??? Ano 2099….

Parabellum

Serviu bem à 2 marinhas, já devia estar apresentando sinais de desgaste. Para não se tornar um ônus à nação, um perigo à tripulação e uma dor de cabeça aos maquinistas, decisão superior achou por bem sua retirada do serviço ativo. Alguém saberia informar o destino? Alvo, reserva, canibalismo, doação….

Mk48

Reserva e doação eu diria que pode desconsiderar.
.
Os Seawolf já estavam inoperantes há um certo tempo. Dificuldades na reposição de peças e sistemas em geral, ou seja, seu valor como navio de combate estava comprometido.
.

Moriah

Scrap com certeza, mas bem que poderia voltar ao UK para preservação histórica. A Broadsword foi um dos escudeiros da frota nas Falklands, sempre ao lado das capitanias da esquadra inglesa e defendendo o desembarque com sua varredura tridimensional.

Mk48

Sim !
.
Inclusive tem outro comentario meu, mais abaixo, falando que os ingleses deveriam comprar o navio e ttansforma-lo em museu, na Inglaterra.

Rudi PY3TO

Navio de sorte também…se aquela bomba argentina tivesse explodido!

Caio

Ainda tem um.belo design mesmo que não seja o ideal para hoje. Agora dor maior é ser desativado sem reposição imediata. Deve ser por que há o entendimento, de que não termos ameças latentes, PORÉM GASTAMOS como se tivéssemos. Isso é que é difícil de entender.

guilardo

Caro companheiro, lembre-se da palavra dissuasão. Nós nunca aprenderemos com isso. Exemplo clássico é o desfile da Marinha no Planalto com carros de combate velhos e alguns imprestáveis. Mas veja o amigo, se aquele tanque não estivesse fumaçando daquela forma, ninguém saberia do atual estado dos blindados da Marinha. Enfraqueceu o poder dissuasório perante eventuais inimigos. Nesse caso específico do descomissionamento da fragata, enveredamos pelo mesmo caminho. Se ela consegue navegar sem risco de afundamento, ainda que com mísseis inexistentes, mas com canhões ativos ou outros mísseis adaptados, até para inglês ver, não daríamos mais uma demonstração de fraqueza. Se… Read more »

Caio

Guilardo, A do lago Paranoá foi boa.
A estratégia seria essa mesma meu nobre. Pelo menos mostrar um dente para furar carne, nessa boca banguela.
Como diz o famoso manual da Arte da Guerra: “SE ESTÁ FRACO, FINJA QUE ESTÁ FORTE, SE ESTÁ FORTE, APARENTE ESTÁ FRACO” mas deixe o inimigo saber de seu estado real.

Last edited 5 meses atrás by Caio
Mk48

Guilardo, bom dia. . Gostaria de fazer as seguintes observações no seu comentário : . 1 – Não existe isso de “navegar para inglês ver” , de “Rogamos aos almirantes que cuidem das pinturas dessas naves, façam de conta que são poderosas, mantenham as mesmas navegando, pois se não “confessarem” aos inimigos a impotência delas”. . Não há nenhum segredo, para nenhum país, sobre as condições dos meios da MB, assim como a MB também sabe como andam as outras marinhas. Você também pode encontrar essas informações em qualquer publicação especializada, como a Janes, por exemplo. . 2 – “Se… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Mk48
Mk48

Uma correção : As turbinas Olympus é são as mais beberronas nessa classe de navios.

Guilardo Pedrosa.

Abraço.

Mk48
Jhonn

Aquela matéria sobre o Sk105 com fumaça foi de uma falta de conhecimento de quem publicou, motor a diesel faz fumaça em excesso quando a bomba injetora esta mal regulada, não se trata de motor desgastado. Com certeza são carros antigos, mas cumprem sua missão.

parabellum

Isso mesmo: se a fumaça é preta sinal de excesso de diesel sendo queimado (falta ar na mistura), tem que regular a bomba injetora. Tem gente que adiciona querosene. Se a fumaça é branca, sinal de lubrificante sendo queimado aí só uma boa retífica. Se a fumaça azulada excesso de temperatura.

Flanker

Sim. Mas, o correto, é não fazer fumaça ou, se fizer, uma quase imperceptível. Entretqnto, vão para um desfile, que inclusive ja tinja chamado tpda a atneção do país, com um motor fazendo toda aquela fumaça. E não era apenas um dos SJ que estava assim. Ao menos, que fizessem uma regulagem……enfim, o motivo da fumaça é o de menos. O que importa é que estava lá e isso é um sinal de problema. Só serviu para passarem vergonha.

Kornet

O nivel aqui tá baixissimo,sinceridade acho que a maioria que tá publicando aqui è aborrecente,só pode ser è tanta asneira.
Tá dificil.

Palpiteiro

Nem tanto. Acho existem também pessoas mais velha, que acham que sabem tudo, e se portam como donas da razão e da verdade, por escutarem sim senhor o dia todo de subalterno, costumam ficar frustradinho ao lerem a verdade. É fundamental que todos se contextualizem, se atualizem e sim se expressem da melhor maneira e com respeito. Dou razão aos mais jovem de estarem muito aborrecidos com a situação apresentada, pois eles que terão que pagar a conta.

André Macedo

Amigão ele podia ser o blindado menos poluente do mundo, ainda tem 50 anos e em números baixíssimos pra ter algum valor real além de treinamento, foram comprados menos de 20, sabe-se lá quantos estão na ativa atualmente, eu chuto 5.
Sem falar que a própria fumaça é um indicativo de uma época em que haviam pouquíssimas preocupações quanto às emissões dos veículos, nos EUA ou Europa se duvidar ele seria até proibido de rodar.

Last edited 5 meses atrás by André Macedo
Fernando Veiria

Isso me lembrou da história da substituição do sucatão (o KC-137 que servia como aeronave presidencial). No governo FHC em um voo com o vice Marco Maciel, a aeronave teve incêndio em um dos motores e pousou em emergência, sem maiores danos. A partir daí FHC disse que não viajaria mais naquele avião. Ele passou a fretar os A330 da TAM que eram novinhos na época. Na transição para o governo Lula, esse assunto do avião foi conversado entre os dois no que Lula perguntou se ele ia comprar outro avião. FHC disse que não, que o desgaste seria do… Read more »

Adriano Madureira

“Na transição para o governo Lula, esse assunto do avião foi conversado entre os dois no que Lula perguntou se ele ia comprar outro avião. FHC disse que não, que o desgaste seria do Lula, mas que era algo que precisava ser feito”.

Ou seja : Uma aeronave essencial mas que por trazer um certo desgaste político na imagem, é preferível ficar sem ou permanecer com a velha só por politicagem.

Adriano Madureira

menos de 20 veículos em uma força composta por 18.000 fuzileiros… Sempre pensei que por ser uma força compacta, a obtenção de veículos e armamento moderno fosse mais fácil de adquirir, comparado as três forças tradicionais. Apesar de ser um número muito parco, para não dizer ridículo, adquirir 20 viaturas de apoio a infantaria modernas, não seria difícil, basta vontade política, tanto dos políticos de carreira quanto dos militares. Infelizmente o número de Grupamento de Fuzileiros Navais no país é pequeno, levando em conta nossa extensão territorial. Há muitas viaturas modernas no mercado, sejam estas de esteiras ou não,e que… Read more »

carvalho2008

Os especialistas não sabem a diferença do oleo de motor que vaza para dentro de um pistão a gasolina de um motor diesel que queima diesel desregulado pela bomba injetora…

Heinz Guderian

Diante dessas desativações, a marinha deveria já encomendar um segundo lote de Tamandarés , feito em outro estaleiro, poderia ser até uma parceria. Enquanto um estaleiro constrói uma o outro também. Geraria mais emprego, e teríamos meios em maior quantidade e disponíveis num intervalo menor de tempo.
Não sei se é viável, mas é uma opção a ser discutida, tendo em vista a situação da flotilha.

Last edited 5 meses atrás by Heinz Guderian
Tomcat4,2

Mas ideia pode ser aplicada se mantendo outro estaleiro produzindo os navios patrulha de 500 toneladas que são meios muito necessários e em quantidades.

Adriano Madureira

Acredito que os navio patrulha brasileiros serão as MEKO-80,certamente a TKMS não irá querer ficar de fora de uma possível venda, ainda mais sabendo da nossa deficiência nesse tipo de embarcação.

comment image

Adriano Madureira

comment image

Infelizmente o Brasil quando vai as compras,não sai do circuito europeu,fica sempre restrito as indústrias de defesa daquele continente,virando as costas para a ásia e até oceania…
comment image

Last edited 5 meses atrás by Adriano Madureira
Satyricon

A meu ver, a situação da frota de superfície da MB é tão precária, tão periclitante, que será necessário pensar “fora da caixinha”, mesmo porque, não existem compras de oportunidade disponíveis mundo afora para tampar tamanha deficiência. Uma solução paliativa seria a adaptação de meios civis, novos preferencialmente, à função. Existe uma capacidade ociosa grande nos estaleiros nacionais privados, acostumado a produzir tais meios, que, com boa dose de criatividade e objetividade, poderia atender. Tipo o Discovery Séries da Ulstein Group:
https://www.marinelink.com/news/discovery-launches392390

carvalho2008

Agua mole em pedra dura…cada vez mais adeptos….

Camargoer

Olá Heinz (88). O contrato para a aquisição de 4 FCT prevê a opção de outras duas. Portanto. Se a MB exercer esta opção, elas seriam entregues em 2029 e 2030. Um segundo lote de FCT poderia ser assinado até 2027 para manter a cadência de produção de uma unidade por ano. Acho improvável que a MB assine um segundo contrato disso. Sobre as compras de oportunidade, recentemente fiz uma estimativo que o custo de aquisição de navios antigos (que poderiam operar por mais 10~15 anos) seria o equivalente ao custo de contratar dois NaPaOc novos em um estaleiro nacional.… Read more »

Vovozao

12/08/2021 – quinta-feira, btarde, mestre Camargoer, acredito que seu calculo esteja um pouco alto, estás usando como comparativo (aparentemente) o preço divulgado por site’s das ADELAIDE’s. Não sabemos (somos só entusiastas) as reais intenções do(s) comandantes da MB, entretanto, acredito que possam encontrar bons meios navais na Asia, ate entendo eles so terem olhos para as Murasames; porém, acredito que os mesmos não tenham intenção de se desfazer…… tradicionalmente os Japoneses desativam seus meios navais com +- 28 a 30 anos, existem 2 classes neste intervalo…. as Abukumas, de pouca tonelagem e sem Hangar; e, as Asigiri com bom deslocamento,… Read more »

Camargoer

Ola Vovozão. Eu fiz esta estimativa há alguns dias. Considerei o custo de aquisição/revisão de duas fragatas usadas, algo em torno de US$ 100 milhões. Considerando que elas irão operar por uns 10~15 anos, o custo de operação pode ser outros US$ 50 milhões (combustível, tripulação, manutenção, etc). Este valor seria o suficiente para adquirir duas NaPaOc novas (algo em torno de US$ 70~90 milhões cada). Esta opção seria vantajosa considerando um grau de nacionalização, criação de empregos diretos e indiretos. Eu concordo que os navios japoneses seriam excelente opções (será que os sistemas e sensores estão em japonês?)

Vovozao

12/08/2021 – quinta-feira, Camargoer, acredito que estejam em Japones/Inglês, ja que eles costumam usar muito a lingua Inglesa em documentos/conversações. O que costumo falar: para construir NaPaOc, teriamos que seguir legislação; ou seja, a “”BURROcracia”” e levaria muito tempo; ja as compras de oportunidades, normalmente são ações de governo para governo, alem de ter um financiamento, hoje os juros no Japão estão na casa de 0,50 a 1 0/0, com pagamentos trimestral, semestral e ate anual….. quero dizer, isso sairia no cafe da manha, poderiamos, trazer tipo as 5 Asigiri’s, completas, mesmo que antigos, sistemas, armas, radares são muito superiores… Read more »

Palpiteiro

O problema desta ideia é se ela significa aumentar o orçamento da defesa. Se 50% do orçamento da defesa fosse destinada a investimentos, a questão seria a necessidade de capacitar um terceiro estaleiro.

A6MZero

Realmente uma solução dessas poderia acelerar o programa, contudo a TKMS comprou o estaleiro em que as Tamandarés serão construidas e não deve ser do interesse da empresa abrir a produção para outro estaleiro.

Também pode causar um problema de logística e de custo possuir duas linhas simultâneas em estaleiros diferentes possivelmente localizados em cidades ou ate mesmo estados diferentes.

carvalho2008

Não sei se seria pertinente a navios menores com 3 mil ton, mas a Inglaterra dividiu os blocos dos dois CVFs de 65 mil ton em varios estaleiros …ou seja…cada estaleiro pegou uma pequena fatia do projeto….

Marcelo Baptista

Já havia dito isto em um poste sobre o Gripen. Mas serve para os SBR, para os Guarani, e serve para as Tamandaré. Um segundo lote só deve vir após a avaliação do primeiro! Sempre existem melhorias a serem feitas ao longo tempo, como são novas, são novos todas os procedimentos operacionais, processos logísticos, manutenção, montagem, etc. Por isto as compras são feitas em lotes, com possibilidade de mais X dentro dele, para estes ajustes. Não é uma questão de desejo, é uma questão de racionalidade no gerenciamento do projeto. Obvio, tem também a questão da grana, que geralmente mata… Read more »

Marcelo Baptista

Bruno um dos conceitos de ToT das Tamandaré é a construção e integração de módulos, um processo moderno, (não é novo!), os módulos são construídos (podem ser construídos em outros Estaleiros terceirizados ou Fábricas) e vários componentes integrados a eles, depois são enviados ao Estaleiro integrador, que irá uni-los e integrar todos os item críticos.
Não temos estaleiros com esta filosofia no Brasil, aqui o Estaleiro faz tudo, o que gera uma ocupação da Doca por um período enorme.
O Método modular gera uma produção mais rápida.

BK117

Tinha visto em uma tabela que a previsão de descomissionamento dela era pra 2022 ou 2023, pra adiantar a coisa devia estar feia. Triste perder mais um meio. Quatro Tamandarés não serão suficientes. Eu queria saber da Marinha quais são os planos deles para os próximos anos: mais Tamandarés, compras de oportunidade, compra de material pronto, etc.
Bravo Zulu Greenhalgh/Broadsword! Essa tem história!

Nilson

Uma hipótese que levanto é que tenha sido necessário adiantar a desativação da Greenhalgh para com suas peças manter a Rademaker em atividade. Apenas uma hipótese, não tenho nenhuma informação a respeito.

Mk48

Sim. A Rademaker vai ser muito beneficiada, mas o motivo real di descomissionamento foi explicado em outros posts. Dá uma lida.
.
Abs

BK117

Faz sentido, mesmo destino da Bosísio. Se a situação tá assim, mesmo com as peças dela imagino que a Rademaker não navegue por muitos anos mais.
Muito obrigado pela informação!

Camargoer

Caro BK117. O que temos certeza são as quatro FCT que foram contratadas e com os recursos garantidos com a Emgepron. Este contrato tem a opção de outras duas FCT, mas a MB ainda não exerceu esta opção. As primeiras quatro FCT serão entregues em 2025, 2026, 2027 e 2028. Como elas levam cerca de 3,5 anos para serem construídas, a MB teria uma janela até 2025 para confirmas as duas FCT adicionais mantendo a cadência de produção. Sobre as compras de oportunidade, isso depende mais da oferta de navios por outras marinhas do que da vontade da MB. Pelo… Read more »

BK117

Espero sinceramente que contratem as duas adicionais, quem sabe até um segundo lote incorporando melhorias que se identifiquem no projeto. De qualquer forma acho cedo pra falar de outro lote e tudo depende de la plata, não é mesmo?
Vamos torcer para que tudo dê certo!
Abraços, caro Camargoer!

Moriah

Belos nomes para uma história “Brilliant”, uma referência também à sua eterna companheira Dodsworth.

MAURICIO AZEVEDO DOS SANTOS

Que venham as fragatas classe Tamandaré! Ansioso para ver essa aquisição. 4 sub scorpene( deveria ser 8) 1 propulsor nuclear ( deveria ser2 ) e os bebês Mansup e MiCLA -BR

Esteves

O pessoal tá ansioso pra ver os navios. As aquisições ninguém liga.

Ricardo Rosa Firmino

Opa olha aí um belo alvo para o Mansup…Mansup??? Será que existe ainda???

BENTO

Saudações ! Essa sim merecia ficar atracada, como um museu !
Para min o navio com o Nome Mais Bonito da MB.

Tomcat4,2

O nome anterior tbm era bacana demais e esta tem história pra contar viu !!!

Mk48

Tambem ja havia dito isso aqui em outro post. Esse navio merecia ser preservado, pela sua história e porque é lindo mesmo….rsrs.
.
O ideal seria que alguma associação de veteranos das Falklands comprasse o navio e o levasse para a Inglaterra, como museu. Aqui no BR, não vai rolar.

Leandro Costa

Seria legal vê-la ao lado do Belfast. Épocas diferentes, mas que serviram com distinção em seus dias. É um belo navio e seria bom vê-lo bem cuidado para as gerações seguintes poderem aprender com ele.

Zeus

Bom dia prezados!
A foto dos A-4 se aproximando contra uma tormenta de projéteis é impressionante!

Porém sobre “Em quase 26 anos de serviço ativo, a Fragata “Greenhalgh” perfez 1.234 dias de mar”, menos de 4 anos em missões em 26 anos de serviço.
Sei que há diversas Marinhas incomparavelmente mais ativas, mas no caso da MB, este parco uso da nau se deu por falta de recursos ( leia-se mau uso das verbas) ou problemas diversos com o navio?

Esteves

É uma ilustração. Não foto.

Não houve parco uso. O navio cumpriu as missões que lhe foram dadas em tempos de guerra e paz no Brasil.

Uma foto do navio nos dias de hoje provavelmente mostraria uma nau velha, enferrujada e desdentada. Preservar a história do navio mostrando seu melhor é justo.

Last edited 5 meses atrás by Esteves
Leandro Costa

Estever, acredito que ele está se referindo à foto imediatamente acima da ilustração. A ilustração é um ‘outro ângulo’ do que está retratado na foto, quando a Broadsword levou a bomba que atravessou o convôo e foi explodir no mar, mas cuja fumaça do impacto fez com que a Coventry assumisse que a Broadsword estava fora de combate, levando à manobras evasivas que cortaram ‘o lock’ ótico dos Sea Wolf e acabou por condenando a Coventry à levar (acho que) três bombas que à fizeram ir à pique em 21 minutos, se me lembro bem.

Esteves

Esteves também. Mas essa é ilustração.

A032CBCF-6CF9-4C3B-99BA-4BA6C9E0044B.jpeg
Zeus

E esta é a foto à qual me refiro, Ó, desatento! Observe os dois A-4 alí!

E sobre a fragata ter cumprido as missões que lhe foram dadas, isto não responde a minha pergunta.

Menos de 4 anos navegando em 26 anos de serviço é pouquíssimo comparado com as atividades de outras marinhas! Então repito a pergunta àqueles que tiverem o interesse em esclarecer: navegou tão pouco, tão poucas missões por falta/ mau uso de verbas ou por questões técnicas?

A-4-atacam-a-HMS-Broadsword-no-dia-25-de-maio-de-1982.jpg
Esteves

O navio foi lançado em 1976. Combateu nas Malvinas em 1982. Cumpriu missão na Marinha do Brasil. Desativado em 2021.

Ponto.

Zeus

Ponto e virgula; OK, o esquivar-se de responder já indica os fatos que preferes evitar!
Tanto pelo notório mau uso do orçamento quanto por questões técnicas, a rainha de porto cumpriu seu comedido papel!

Então aos que sonham com 8 Tamandarés, 8 Riachuelo, 1 sub nuclear terceira classe, 4 Fremm, 1 NAe, 20 NPO de 1500ton, 50 NPC de 500ton, eles realmente poderiam sustentar o custo operacional disto?

Esteves

Não lutamos. O navio não lutou aqui. Navio velho. Obsoleto. Computadores dos anos 1960/70.

O navio veio para somar com o que havia. Pra que comprar navio velho? Respostas com os Almirantes.

O orçamento da MB não tem fôlego. Por conta do PROSUB e dos custeios. Mas a MB ganhou 10 bi.

Vai que ganha mais 10.

Zarapa91

47,5 dias por ano. Mau uso de verbas.

Last edited 5 meses atrás by Zarapa91
Fernando "Nunão" De Martini

Esse governo é incoerente.

Faz estardalhaço contra urnas eletrônicas, porque quer “voto impresso auditável”.

E na mesma semana desativa uma fragata com sistema de combate que usa computadores programados com cartões perfurados, auditáveis, em vez dos computadores novos cheios de algoritmos suspeitos que ninguém consegue auditar.

Pela retirada dos computadores auditáveis da classe Greenhalgh para instalação na futura classe Tamandaré, já!!!

Camargoer

Olá Nunão. Bem observado. Uma para padronizar seriam ábacos.

Leandro Costa

Dedos, Camargoer. Com 80 mil militares, dá para calcular nos dedos de todos os integrantes qualquer solução de disparo que se precise fazer 😉

Camargoer

Olá Leandro. Minha estimativa é que a MB precisaria de 50 mil militares para operar a atual frota e manter uma divisão de fuzileiros.

Leandro Costa

E perder o poder de processamento!? Estou chocado! 😀

Camargoer

Olá Leandro. Dá para apertar a tecla “turbo” (lembra???) e usar os dedos dos pés. Isso dobra a capacidade de processamento (a propósito, os dedos dos pés se chamam artelhos)

Mk48

Nunão,.
.
A decisão de desativar o navio é do Governo ou da MB ?.
.
O PR também decide isso ? Não creio.
.
Certamente da MB.
.
Não entendi seu comentário.
.
O que o Governo tem a ver com isso ?

Last edited 5 meses atrás by Mk48
Zarapa91

O PR nem deve saber o que é fragata.

Fernando "Nunão" De Martini

“ O PR também decide isso ? Não creio.”

Mk48, o PR poderia mandar a MB cancelar a desativação. Ele adora fazer isso.

Lembra da vacina que o Ministério da Saúde afirmou que compraria e no dia seguinte o PR mandou cancelar a compra?

Era só mandar cancelar a desativação de uma das últimas fragatas com computadores de cartões perfurados totalmente auditáveis, simples assim, afinal um manda e o outro obedece, né?

PS: meu comentário foi uma piada irônica, acho que isso não preciso explicar.

Esteves

Impressionante.

A3394E6A-C9AD-4DC5-AE2F-4676699EF30A.jpeg
Camargoer

Olá Esteves. Existem computadores Burroughs e outros inteligentes.

Esteves

Esteves viu na TV. Na Índia. Eles usam crachá contra o coronavírus. Tipo carteirinha pendurada.

Vamos usar cartão perfurado. Pra mostrar em quem vota. Tipo crachá.

Impressionante.

Camargoer

Olá Esteves. Na Ladeira Porto Geral, perto da Praça da Sé, tem um cacique que vende garrafadas cheias de ervas e uma cobra coral dentro. Cura tudo, até corvid.

Esteves

Dizem que tem um capitão vendendo vento lá.

Dizem.

Camargoer

Olá Esteves. “Capitão Caverna”. Riso.

Fernando "Nunão" De Martini

Esteves, gostei da propaganda com um cartão de resposta comercial perfeitamente impresso e auditável.

Dos tempos em que a informação mais sensível para a coleta de dados não era o CPF nem o número do zapzap, mas o nome da secretária.

Last edited 5 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Zarapa91

🤣🤣🤣

carvalho2008

Mestre Nunão, Sabia que um dos primeiros procedimentos do presidente de mesa e mesários é, assim que liga a urna, retirar o extrato de votação afim de garantir que ela está “zerada de votos”, vazia, antes de iniciar a abertura da seção para votação? Temos a certeza de que todos os valorosos presidentes de mesa e mesarios cumprem o procedimento e caso a fita (extrato) não saia “zerada”, cancelem a urna e abram o BO registrando o ocorrido…afinal, após o brevissimo período de registro da ocorrencia na instancia e orgão competente a qual sabemos, o presidente e testemunhas da ocorrencia… Read more »

Leandro Costa

Carvalho, só um detalhe. O B.O. em si não é feito pelo Presidente de Mesa ou qualquer um dos secretários/mesários, mas sim pelo chefe da Zona Eleitoral, que inclusive antes de acionar a força policial, aciona o TRE para que a urna seja substituída imediatamente e o próprio pessoal do TRE possa iniciar as investigações, etc. O Presidente de Mesa mal dá seu relato antes de ter que voltar ao trabalho dedicado… nem me pergunte como eu sei 😛

carvalho2008

Claro que não vou perguntar…porque todo mundo fala no passarinho verde…no amigo do amigo…do amigo que ouviu falar….e por obvio….niguem nunca viu a urna gerar uma lista de centenas de votos neste procedimento de zeramento….antes do eleitor começar a votar….isto com certeza jamais aconteceu….e se aconteceu….todo o rito legal e previsto foi realizado…..tenho fé e confiança certeza….

bobinha esta desconfiança infantil….

Fernando

Durante o curso da votação a seção é visitada por fiscais de partido. Fiscais de todos os partidos podem ir e solicitar ao mesário a zerésima. Eles podem conferí-la o quanto quiserem e até assinar na mesma. Se o mesário deixou passar algo errado nela, o fiscal de partido pode acabar vendo. Além disso,ao término da votação, a zerésima vai junto com os resultados e fica arquivada no TRE. Se o pessoal do TRE ver problemas nela, eles podem impugnar a urna. Então, mesmo que os mesários não façam nada ao ver a zerésima errada, ainda há mais camadas de… Read more »

Marcelo Baptista

Carvalho20018, como vc não confia em nossa descrição da experiência (e nem precisa confiar!), vc pode se voluntariar para ser mesário!
É possível, participe, veja e depois nos relate sua visão.

Carvalho2008

Ja coloquei a visão

carvalho2008

De fato, o tratamento da ocorrência deve ser bem rápido, agil e eficiente, pois afinal ninguem quer atrasar o inicio da votação da seção eleitoral, então a troca da urna deve ser bem rapida, já imaginou se o processo for moroso e ficar esperando a troca da urna??? esperar trocar a urna e atrasar o encerramento em umas duas horas, quatro horas, seis horas seria impensavel….certamente o processo é decidido e corrigido rapido….ninguem quer atrasar o processo, nem o TRE nem o Presidente de mesa, Mesarios….o processo deve correr perfeitamente dentro do previsto e atender ao planejado com o minimo… Read more »

Marcelo Baptista

Sim, nos que trabalhamos como mesários, caso desse este problema chamamos o juiz eleitoral, e junto os fiscais de partido. Ninguém fica sozinho numa zona eleitoral. Sempre tem um olheiro ou de Partido ou do TSE. Sempre! E sabe porque? Porque posso ser preso e processado! Aparece imbecil, fazendo me…da! Sim, mas como já vimos em varias reportagens, o tonto é pego e processado. O problema não está nas urnas eletrônicas! O problema esta no cidadão, no que ele crê ou precisa do politico da ocasião. Se acredita em milagres, salvadores da patria! Se tem a paciência de ler um… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Carvalho, já fui mesário em várias eleições antes do advento da urna eletrônica.

Trabalho e responsabilidades eram quase insanos, com muitas brechas pra desonestos, especialmente em seções lotadas. Nas seções de apuração, muito pior. Não se compara ao trabalho e procedimentos atuais, nem à segurança.

Camargoer

Olá Nunão. Por enquanto escapei de ser mesário.. talvez um dia eu seja voluntário. Por outro lado já oi fiscal de partido. Nunca vi problemas. Acho interessante como com as sucessivas eleições no mesmo endereço, todo mundo meio que já sabe o que fazer. Perdido mesmo apenas que vai votar pela primeira vez.

Fernando "Nunão" De Martini

Camargoer, Fui mesário pela primeira vez justamente na primeira eleição em que votei, a de 1989. Meu primeiro nome começa com F mas por algum motivo fui trabalhar numa seção que nem era a minha pra votar, da galera com inicial letra M. M de Maria. Tinha centenas e centenas de Marias que votavam na seção, nome que não era dos mais populares nas duas décadas anteriores (Patrícias e Cristinas eram preferidos). E o que isso significava? Que 90% das pessoas votantes na seção era de senhoras donas de casa já com 40, 50, 60 anos à época, interessadas em… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Marcelo Baptista

kkkkkkkk

Moriah

Aquela imagem dela “surfando” no mar encapelado do Atlântico Sul é emblemática, assim como a imagem dos A4 argentinos em meio aos tiros… Um navio com tanta história não deveria ser desmantelado.

Glasquis 7

Nestas horas a gente se pergunta: Por donde andarão os ‘DESLUMBRADOS”???

Brilham pela sua ausência.

Maurício.

Estrela, medalha e espadinha não faltam…
A MB tá cada dia definhando mais.

Mk48

Não.
.
O que na verdade está definhando é o nível dos “comentários” no blog.
.
As “Estrelas, medalhas e espadinhas ” são tradições navais, que existem há muito tempo e continuarão a existir, muito além do tempo que você vai estar nesse mundo.
.
Amigo, quer lacrar ? Fazer piadinha para ganhar likes ? Ok. Mas precisa se esforçar mais.

Esteves

20 anos de Marinha+10 anos de PN.

Resumidos em um festival de grosseria.

Maurício.

Mk48, calma, olha o chilique.

Dalton

Como consta no “NGB” a “Greenhalgh” foi o primeiro combatente de superfície da marinha brasileira a ser totalmente integrado a um Grupo Anfíbio Expedicionário da US Navy em 2008, participando do último exercício do USS Iwo Jima LHD 7 antes do mesmo partir para missão em uma época que habitualmente um Grupo Anfíbio era acompanhado por combatentes de superfície e um submarino todos integrados e não como se passou a ser a partir de 2010 te quando os “anfíbios” passaram a navegar sem escolta interagindo com quaisquer unidades que já estivessem no Teatro de Operações.

Mk48

Ok. Mas,…….e ??????

Dalton

Não é algo que se vê, viu ou se verá com frequência, participar de um “COMPTUEX” que é o que se tem de mais próximo de uma situação de combate e bastante exaustivo.

Mk48

Não é bem assim como voce fala, mas , deixa quieto.

Dalton

Onde estou errado “48”? Participar de um “COMPTUEX” nos EUA é uma oportunidade rara de se estar totalmente integrado com o que há de melhor em guerra naval e a “Greenhalgh” ainda participou de um exercício “pré COMPTUEX”com o USS Theodore Roosevelt CVN 71, tudo na mesma comissão !

Flanker

Então, como é? Qual foi a operação ou exercício mais complexo que esse que o Dalton citou, em que a Greenhalgh tomou parte?

Esteves

Vichi. 6 horas procurando…procurando…procurando.

Foxtrot

Menos mais uma rsrs.
Nem vou mais falar da ótima oportunidade que temos para estudar casco, sensores de EW e Armas porque sei que isso nunca acontecerá no Bananasil.
Em qualquer outra nação esse navio ainda teria muito a oferecer em se falando de aprendizados técnicos.
Agora o Brasil se torna o único país que detém realmente uma marinha “invisível”.

Pedro Bó

Vale lembrar que as Type 22, Batch 1 foram uma compra de oportunidade diante da impossibilidade da MB prosseguir com os planos de construir as demais Inhaúmas previstas.

Dalton

Acho que não Pedro. As “T-22” vieram para ocupar o espaço deixado pela baixa dos últimos contratorpedeiros na década de 1990. Em meados dessa década ainda eram boas as chances de se continuar construindo corvetas, após a “Barroso” que teve sua construção iniciada para valer ainda antes da chegada da “Greenhalgh”.

Pedro Bó

Dalton, se a minha memória não me trai, foi em uma edição da Tecnologia & Defesa que trouxe essa informação. De que a MB planejava 12 Inhaúmas, terminou com 4 e foi buscar nas Type 22 uma solução intermediária.

Mas é aquele negócio, nem sempre o que sai na mídia, mesmo a especializada, também pode trazer informações desencontradas.

Zarapa91

T&D n°19… de 1984! Camarada, somos antigos!

Pedro Bó

A edição a que me refiro foi de 2001 ou 2002. Em 1984 a MB nem pensava em adquirir as Greenhalgh.

Fernando "Nunão" De Martini

Pedro e Dalton, ambos estão certos.

As corvetas classe Inhaúma foram planejadas para substituir cerca de uma dúzia de contratorpedeiros classe Fletcher, Sumner e Gearing modernizados que serviam à MB em meados da década de 80, oferecendo capacidades mais modernas em guerra de superfície e antissubmarino.

Como o programa das corvetas foi atrasando e a possibilidade de adquirir a quantidade planejada a tempo de compensar as baixas dos contratorpedeiros foi ficando nebulosa, a MB adquiriu navios usados, 4 da classe americana Garcia no fim dos anos 80 e 4 da classe britânica Broadsword em meados da década seguinte.

Mk48

Exatamente.
.
Otimo comentário Pedro.

Fers

Me tirem uma dúvida

Os lançadores de misseis antinavio da Greenhalgh eram apontados em direção a proa?

Screenshot_20210812-123130~2.png
Dalton

Na verdade havia uma leve inclinação dos lançadores para os bordos.

Mk48