domingo, junho 26, 2022

Saab Naval

Em 1992, destróier turco foi atingido por mísseis Sea Sparrow lançados pelo porta-aviões USS Saratoga

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O TCG Muavenet (DM-357) (anteriormente USS Gwin na Marinha dos EUA, transferido em 1971) era um destróier da Marinha Turca que foi atingido por dois mísseis antiaéreos Sea Sparrow disparados do porta-aviões USS Saratoga durante um exercício da OTAN em Saros Bay, Turquia em 1992, resultando em morte e ferimentos entre sua tripulação.

O incidente Sea Sparrow

Durante o outono de 1992, os Estados Unidos, a Turquia e vários outros membros da OTAN participaram do “Exercise Display Determination 1992”, um exercício naval de forças combinadas sob o comando geral do Almirante Jeremy Michael Boorda da Marinha dos Estados Unidos.

As forças das nações participantes foram atribuídas a qualquer uma das duas equipes multinacionais. O vice-almirante T. Joseph Lopez da Marinha dos Estados Unidos liderou as “Forças Marrons”, que incluíam o porta-aviões USS Saratoga. As “Forças Verdes” opostas, incluindo TCG Muavenet, estavam sob o controle direto do Almirante Kroon da Holanda.

Durante a fase “tática aprimorada” dos exercícios de treinamento, as Forças Marrons deveriam tentar um desembarque anfíbio na Baía de Saros, no Mar Egeu, contra a resistência oferecida pelas Forças Verdes. O Almirante Boorda ordenou que as unidades constituídas por cada força procurassem ativamente e “destruíssem” umas às outras.

Ambos os comandantes da força-tarefa tinham plena autoridade para enfrentar o inimigo simulado quando e onde considerassem apropriado e para usar todos os meios de guerra à sua disposição para obter a vitória.

USS Saratoga (CV-60) no Mar Adriático em 29 de julho de 1992

Durante uma sessão de planejamento de exercícios em 1 de outubro de 1992, o comandante do grupo de batalha, contra-almirante Philip Dur, ordenou que um ataque simulado às forças de oposição próximas usasse mísseis Standard e mísseis Harpoon.

Os mísseis Sea Sparrow a bordo do USS Saratoga, um sistema defensivo antiaéreo, não fazia parte da doutrina existente para combater alvos de superfície e não haviam sido usados ​​antes, seja em exercícios ou em operações de combate real contra alvos de superfície.

A ordem para exercitar mísseis Sea Sparrow simulados foi emitida pelo pessoal de operações do porta-aviões com a concordância do Almirante, que presumiu que esses combates simulados seriam para fornecer treinamento aos observadores do USS Saratoga. Os mísseis do Saratoga não eram necessários para enfrentar as forças da oposição.

O estado-maior do comandante do grupo de batalha presumiu que o sistema de mísseis Sea Sparrow seria “simulado” (o que significa que as estações de mísseis não seriam tripuladas). Pouco antes da meia-noite de 2 de outubro de 1992, quando o exercício estava programado para começar, o contra-almirante Dur ordenou que o USS Thomas S. Gate (CG-51) simulasse o engajamento do Muavenet e outros navios “hostis” com seus mísseis.

Marinheiros carregando míssil Sea Sparrow no lançador

Sem avisar com antecedência sobre o exercício, os oficiais no Saratoga acordaram a equipe de praças de mísseis Sea Sparrow e os instruíram a conduzir o ataque simulado.

De acordo com a Marinha dos Estados Unidos, certos membros da equipe de tiro de mísseis não foram informados de que o exercício era um exercício de simulação, em vez de um evento de tiro real.

À medida que o exercício progredia, o operador do sistema de mísseis usou linguagem para indicar que estava se preparando para disparar um míssil real, mas devido à ausência de terminologia padrão, os supervisores não avaliaram a importância dos termos usados ​​e das solicitações feitas.

Especificamente, o operador do sistema de aquisição de alvo emitiu o comando “armar e sintonizar”, terminologia que os operadores do console entendiam que exigia o armamento dos mísseis em preparação para o disparo real.

Lançamento de míssil Sea Sparrow

Os oficiais que supervisionavam o exercício não perceberam que “armar e sintonizar” significava um disparo real e ignoraram dois pedidos separados do operador do sistema de mísseis para esclarecer se a ordem de lançamento era um exercício.

Como resultado, pouco depois da meia-noite de 2 de outubro, o Saratoga disparou dois mísseis Sea Sparrow contra o TCG Muavenet. O primeiro míssil atingiu o passadiço, destruindo-o e ao centro de informações de combate (CIC).

O segundo míssil atingiu o compartimento de ré, mas não detonou. A explosão e os incêndios resultantes mataram cinco oficiais do navio e feriram 22 subalternos. Navios da Marinha dos EUA próximos responderam em ajuda ao navio turco, que agora estava sem liderança. Equipes de bombeiros e resgate embarcaram no navio e apagaram os incêndios no passadiço e no compartimento de popa, evitando explosões secundárias.

Os marinheiros que realmente dispararam os mísseis não foram punidos, mas o comandante do navio, Capitão James M. Drager, quatro oficiais e três praças receberam punição extrajudicial de almirante, uma ação que efetivamente encerrou suas carreiras na Marinha dos EUA.

O USS Capodanno foi doado à Turquia pela Marinha dos Estados Unidos como parte da restituição pelo acidente, e o navio foi renomeado para TCG Muavenet (F-250).

Ação judicial

Em 29 de setembro de 1994, alguns dos marinheiros da Marinha Turca servindo a bordo do Muavenet iniciaram uma ação judicial contra o governo dos Estados Unidos. A ação envolveu duas reivindicações por homicídio culposo e 299 reivindicações por danos pessoais. Em 20 de fevereiro de 1997, o Tribunal de Apelações dos EUA confirmou uma decisão de um tribunal inferior contra eles. A conclusão deles foi que:

Este caso apresenta uma questão política injustificável porque exigiria que um tribunal se interpusesse na tomada de decisões militares e na política externa, áreas em que a Constituição se comprometeu a coordenar os ramos do governo.

FONTE: Wikipedia

- Advertisement -

31 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Fernando

Por essas e outras (e alguns bons foristas daqui) que considero esse o melhor site de defesa da internet em português. Parabéns

carcara_br

Nossa um belo estrago fez um míssil relativamente pequeno.
Outro ponto relevante que na teoria o míssil não deveria se capar de ataques navio-navio, mas foi…

Peter nine nine

Carcará, você interpretou mal e não o culpo, a forma como o texto está colocado também não é a melhor O que diz é que o míssil não estava incluído na doutrina de uso contra alvos navais, não que o míssil não deveria ser capaz de guerra de superfície. O Sea Sparrow é um míssil defensivo, potencialmente ofensivo, para uso contra alvos aéreos e de superfície…. Sempre o foi, mostrando se apto e, por vezes até sendo a melhor opção de uso, quando o embate se faz a curta e media distância, onde o lançamento de harpoons não seja viável… Read more »

carcara_br

P-99, estava cogitando a possibilidade do míssil ter indo em direção a uma fonte de emissão eletromagnética, todo caso se confirma então que os sensores passivos/ativos são perfeitamente capazes de adquirir alvos no mar.

carcara_br

ido*

Peter nine nine

https://youtu.be/mcvzkmyidKA
A complementação de que falo….
Neste vídeo vemos disparo de Sparrow, complementado com fogo de canhões e metralhadoras.

https://youtu.be/fjJualXofzE
Neste vídeo vemos o lançamento de diversos sparrows pela Marinha portuguesa contra alvos navais, assim como drones a simular aeronaves e mísseis.

Posso continuar…
Mas na verdade nem vale a pena, o próprio caso relatado nesta matéria comprova o que digo, neste sucedido que envolveu o navio turco.
Só quiz deixar claro ao carcará que o Sparrow é também sup-sup e não apenas sup- ar.
Deixo os links para os negativistas.

carcara_br

P-99,
Já havia ficado bem claro, mas que bom que você reforçou. Enriqueceu bastante a explicação.
Aprofundando um pouco mais, neste tipo de situação (sup-sup) os sensores do mísseis são usados pra guiamento, ou é o navio que utilizando os seus atualiza a posição do alvo via datalink?

Last edited 7 meses atrás by carcara_br
Peter nine nine

O navio só ilumina, o míssil recebe o “eco”… Significando que o Sparrow é passivo por si, semi activo como sistema de armas. Pode também receber alterações de trajectória não necessitando de ir directo ao alvo ( ganhar altitude e só na fase final descer contra o alvo por exemplo, ou atingir o alvo de uma determinada direção ou até simplesmente para atrapalhar eventuais defesas do alvo). Se o alvo deixar de ser iluminado o míssil vai contra a última posição que recebeu… O Sparrow precisa de receber o reflexo radar do alvo, no entanto não é o Sparrow que… Read more »

carcara_br

Imagina, foi interessante agregar conhecimento é sempre bom!

Last edited 7 meses atrás by carcara_br
Peter nine nine

https://youtu.be/UqlDRCte2tk

Era para colocar este link também, onde editaram melhor, colocando imagens dos impactos mais nítidas e claras. Este exercício foi de 2008, onde só se realizou tiro contra alvo naval, no caso um velho patrulha cacine.

Peter nine nine

Ah e vê se também uma fragata classe Niterói… Penso que foi a última vez que a Marinha de Portugal e Brasil se exercitaram juntas, pelo menos com meios relevantes dos dois lados.

Teropode

Falhas na organização , simplesmente alguns cuidados não são observados , vimos isto no abate de um caça Russo por outro caça Russo , vimos isto durante a gravação de uma série nós EUA , onde uma munição real foi utilizada no set , acabou matando a Diretora …..

Alex Barreto Cypriano

Baldwin tá lascado. Mas não se justifica sob nenhuma hipótese a presença de munição real no set de filmagem. O resto é empurra-empurra da consequência do acúmulo de irresponsabilidades dos produtores marretas aos funcionários submissos.

Alex Barreto Cypriano

Meio Off-Topic. Por coincidência estive comparando os interiores do USS Wasp (LHD-1) e do USS Saratoga (CV-60), pra tornar claro como um porta-aviões é bem diferente de um navio de assalto anfíbio. Embora existam poucas informações sobre o arranjo interno do Wasp, obtive um vislumbre da situação que partilho com vocês.

WaspSaratoga.png
Miguel Carvalho

Nos exercícios usam munição real e com a carga explosiva?

Só podia dar nisso.

Agnelo

Era uma grande frota, no Mediterrâneo em uma época ainda intranquila. Por isso, munição real tinha de ser conduzida.
A falha foi na organização e nas diretrizes para o exercício, além da fiscalização.

Marcelo

A nau turca tentou se defender? Como?
Seria interessante a leitura

Alexandre Galante

Não tinha como se defender.

Carvalho2008

As últimas versões sidewinder tambem possuem esta capacidade…

Bardini

O Sparrow é “parente” do Aspide. Os argentinos mexeram na parte de telemetria dos seus Aspide, quando modernizaram e agora os usam contra alvos de superfície, além de sua aplicação primaria, como defesa aérea claro…

Last edited 7 meses atrás by Bardini
Valentin

Os argentinos são bons gambiarreiros veja a jeringonça que fizeram para afundar o Glanmorgan com um misil exocet desde terra. https://youtu.be/vGSmD-7oL1c

Caio

Será que também foi “armas nas mãos de macacos” como um idiota escreveu certa vez, nesta trilogia e outros do mesmo nível concordaram.

Bruno Vinícius

Pelo menos o comandante mostrou (de maneira inegável) que estava certo na ideia de utilizar mísseis Sparrow na função anti-navio kkkkkkkk

Last edited 7 meses atrás by Bruno Vinícius
Fernando Vieira

Esse Sea Sparrow tem algum grau de parentesco com o AIM-7 Sparrow que equipava diversos caças americanos como míssil de médio alcance?

Alexandre Galante

Sim, também é pai dos Aspide usados nas nossas fragatas.

Leandro Costa

Fernando, tanto Itália (com o Aspide) quando Reino Unido (Skyflash) fizeram modificações em cima do Sparrow e os produziram localmente. As modificações são basicamente imperceptíveis externamente. Então normalmente quando se vê uma foto de um F-104S na década de 1980, o míssil nele é provavelmente um Aspide, e o mesmo vale para os Phantom britânicos com o Skyflash.

Antonio Palhares

Resumindo.
Na maior e mais cara marinha de guerra de do planeta. Os caras não sabiam o que estavam fazendo.
Nem os oficiais que os comandavam.

moyses silva filho

Esse USS Capodanno chegou aqui no Rio. Lembro de ter feito uma visita numa das inúmeras edições da Unitas por aqui.
Vi o nome e lembrei.

Pedro

Esse navio tem uma semelhança com os nossos Bicos Finos, precisamente o Ex-D-34 Mato Grosso.

Last edited 7 meses atrás by Pedro
Dalton

Embora a foto não permita uma boa visualização da “ilha”, uma curiosidade é que nos últimos anos do USS Saratoga, ela teve sua parte inferior pintada de preto, uma referência ao Saratoga anterior que durante anos teve uma listra vertical pintada na enorme chaminé
para distingui-lo do “Lexington” perdido durante a batalha do Mar de Coral em maio de
1942 enquanto o “Saratoga” sobreviveu a guerra, bastante modificado e que foi usado
como alvo em um bombardeio atômico em 1946, eventualmente transformando-se em
uma atração para mergulhadores.

João Moita Jr

O ataque ao USS Liberty foi muito pior…

Last edited 7 meses atrás by João Moita Jr
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

MODELISMO: Ateliê de Maquetes de André Gomes

O Ateliê de Maquetes de André Gomes produz modelos navios de guerra e mercantes sob encomenda. (Contato: 21-96598-8318 e...
- Advertisement -