sexta-feira, agosto 12, 2022

Saab Naval

Naval Group bate a quilha do primeiro navio de contramedidas de minas do programa rMCM belga-holandês

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Em 30 de novembro de 2021, o Naval Group bateu a quilha para o primeiro dos doze navios de contramedidas para minas do programa rMCM belga-holandês, com destino à Bélgica. A cerimônia de batimento da quilha ocorreu em Concarneau, na presença do Chefe da Defesa da Bélgica, Almirante Michel Hofman, e do Chefe da Defesa da Holanda, General Onno Eichelsheim.

Este programa foi atribuído em 2019 à Belgium Naval & Robotics, o consórcio formado pelo Naval Group e o Grupo ECA, na sequência de uma competição internacional. Prevê o fornecimento à Marinha Belga e à Marinha Real Holandesa de doze navios de contramedidas contra minas e cerca de uma centena de drones integrados em uma caixa de ferramentas que equipará os navios.

A Kership, joint venture entre o Naval Group e a Piriou, é responsável pela produção dos doze navios que são montados em Concarneau. Eles serão armados à tona pela Piriou. O Naval Group, como arquiteto geral e contratado principal, é responsável pelo projeto dos navios, pela integração geral e pelos testes e comissionamento do sistema de missão (sistema de combate e sistema de contramedidas de minas). O Grupo ECA, como co-contratado, é responsável pelo sistema de drones não tripulados. Os edrones serão produzidos no workshop do Grupo ECA (Ostend, Bélgica). A manutenção dos navios será efetuada na Bélgica em estreita colaboração entre a Marinha Belga e o Naval Group da Bélgica, com a assistência do seu parceiro Flanders Ship Repair.

A primeira entrega está prevista para o final de 2024 em Zeebrugge, na Bélgica. As entregas serão escalonadas até 2030.

Pierre Eric Pommellet, CEO do Naval Group disse: “Estamos muito felizes por estar aqui em Concarneau para dar o próximo passo no programa com o batimento da quilha do primeiro navio de contramedida de minas. Este programa é o resultado da cooperação europeia entre a Bélgica e a Holanda, da qual o Naval Group se orgulha de participar. É também o resultado de uma sólida parceria industrial e de um compromisso com a competitividade entre o Naval Grupo e o Grupo ECA. Nossas equipes continuarão seu trabalho árduo para entregar esses navios de última geração, especializados em guerra contra minas e perfeitamente adaptados ao uso operacional almejado pelas marinhas belga e holandesa.”

Dominique Giannoni, CEO do Grupo ECA, disse: “O Grupo ECA tem o prazer de estar presente nesta cerimônia ao lado de seu parceiro Naval Group. Todas as equipes do Grupo ECA estão mobilizadas para o sucesso deste programa altamente inovador: visa um nível sem precedentes de automatização das operações de guerra de minas, com a implementação coordenada de drones subaquáticos, de superfície e aéreos. Em estreita colaboração com as equipes do Naval Group, estamos desenvolvendo um sistema integrado e otimizado para atender aos requisitos de nossos clientes belgas e holandeses.”

“No contexto da guerra contra minas, a ideia de aumentar a distância entre a ameaça e as tripulações não é nova”, anunciou o almirante Hofman, chefe da defesa belga. “No estudo de Operações Marítimas da OTAN de 2015, as principais deficiências dos sistemas de bordo eram operação lenta, discriminação deficiente de minas, incapacidade de detectar minas enterradas e à deriva, autodefesa e capacidade das plataformas de se projetarem facilmente em todo o mundo. Já estava claro que o as plataformas convencionais existentes não conseguiam atender a todos esses desafios. Portanto, estávamos procurando um parceiro confiável para realizar essa pequena revolução na guerra contra minas”.

CPF BAM Claude Bultot, chefe do programa disse: “A Marinha Belga e Real da Holanda podem se orgulhar deste programa inovador e (r)evolutivo de substituição de contramedidas de minas. A ambição deste programa é se tornar a referência mundial neste campo.”

O seu homólogo holandês, o Capitão (E) Sander van Luik, acrescentou: “Este projeto é um bom exemplo para tornar a defesa europeia mais eficiente. Ao traçar um conjunto comum de requisitos como ponto de partida, a Bélgica e a Holanda são capazes de colocar rapidamente no mar um conceito inovador. Concordar com os princípios primeiro evita pechinchar sobre cada detalhe do design. Isso também nos permite ser mais flexíveis e adaptáveis. Assim, nossa equipe binacional tem sido capaz de trabalhar de forma mais eficaz, contando com a experiência combinada de ambas as nações, trabalhando com a Belgium Naval & Robotics em direção a uma nova capacidade que pode atender aos desafios operacionais das próximas décadas.”

Esses navios especializados em combate às minas são os primeiros a ter a capacidade de embarcar, lançar ou voar uma combinação de drones de superfície (eles próprios navios de 12 metros e 20 toneladas), drones subaquáticos e drones aéreos. Os navios de contramedidas de minas usarão um sistema totalmente robótico para detecção, classificação e neutralização de minas. Podem resistir a explosões subaquáticas e têm baixíssimas assinaturas acústicas, elétricas e magnéticas, de acordo com as missões a realizar.

Esses navios de contramedida para minas têm as seguintes características:
• Comprimento: 82,6m
• Largura: 17m
• Deslocamento: 2.800t
• Velocidade máxima: 15,3 nós
• Alcance: > 3.500 milhas náuticas
• Tripulação: 63 pessoas
• Capacidades de drones: Sistema UMISOFT do Grupo ECA, 2 veículos de superfície não tripulados (Inspetor 125 do Grupo ECA), 3 veículos subaquáticos autônomos (A-18 equipado com sonar UMISAS 120 do Grupo ECA), 2 sonares rebocados (T-18 equipado com UMISAS 240 do Grupo ECA sonar), 2 sistemas de sistemas de identificação e destruição de minas (MIDS) (Seascan e K-Ster C do Grupo ECA), 2 embarcações aéreas não tripuladas (V200 do UMS Skeldar), 1 draga de influência do Grupo ECA integrando 5 módulos magnéticos CTM e 1 módulo acústico PATRIA.
• Capacidade de embarque: 2 barcos infláveis SOLAS de casco rígido de 7m.
• Movimentação: 2 pórticos laterais com berço flutuante para drones de superfície e barcos de comando, uma grua traseira de 15t e uma ponte rolante de 3t.

DIVULGAÇÃO: Naval Group

- Advertisement -

4 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Esteves

“capacidade de embarcar, lançar ou voar uma combinação de drones de superfície (eles próprios navios de 12 metros e 20 toneladas), drones subaquáticos e drones aéreos. Os navios de contramedidas de minas usarão um sistema totalmente robótico para detecção, classificação e neutralização de minas. Podem resistir a explosões subaquáticas e têm baixíssimas assinaturas acústicas, elétricas e magnéticas, de acordo com as missões a realizar.” Também poderiam, os drones, detectar submarinos? Até qual profundidade? Outro exemplo de modularidade? Outro exemplo que à partir de um projeto único é possível derivar para AHTS e patrulhas oceânicos ainda que utilizando-se materiais compósitos para… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Caro Esteves, como você sabe, existem minas que são detonadas pela presença de magnetismo de um casco de aço, daí usar materiais não magnéticos no casco, como madeira, fibra de vidro ou outra e alumínio. Metais nobres como ouro, prata e bronze não são magnéticos; mas não são pra cascos. Na foto, parece que usam aço, mesmo, mas deve ter algum dispositivo pra desmagnetizar o casco, sei lá…

Nemo

Li em Janes que os 12 navios programados são parte de um contrato de U$ 2,4 B (U$ 200 M por navio). Incluiria um toolbox de veiculos autônomos para equipar os navios.
Não está muito barato paravum barco destes?

https://www.google.com/amp/s/www.janes.com/amp/naval-group-lays-keel-for-first-new-belgian-mcm-vessel/ZnlJK3dHVU9mZ28xajRJVkc5dVI5VFp1cVMwPQ2

EricWolff

Se comparar com o preço q os suecos ofereceram, com os 2 primeiros de segunda mão, sim, entrega muito mais esses, por quase o mesmo preço…

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Representante da Argentina vem ao Brasil pedir apoio na luta pela soberania das Ilhas Malvinas

O secretário para Malvinas, Antártica e Atlântico Sul do governo da Argentina, Guillermo Carmona, virá ao Brasil na próxima...
Parceiro

- Advertisement -