sábado, agosto 13, 2022

Saab Naval

80 anos do ataque a Pearl Harbor – 7 de dezembro de 1941

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O ataque a Pearl Harbor foi um ataque militar surpresa do Serviço Aéreo da Marinha Imperial Japonesa contra os Estados Unidos contra a base naval de Pearl Harbor em Honolulu, Território do Havaí, pouco antes das 8h, no domingo, 7 de dezembro de 1941.

Os Estados Unidos eram um país neutro na época; o ataque levou à sua entrada formal na Segunda Guerra Mundial no dia seguinte. A liderança militar japonesa se referiu ao ataque como Operação Havaí e Operação AI e como Operação Z durante seu planejamento.

O Japão pretendia que o ataque fosse uma ação preventiva para evitar que a Frota do Pacífico dos Estados Unidos interferisse em suas ações militares planejadas no sudeste da Ásia contra territórios ultramarinos do Reino Unido, Holanda e Estados Unidos. Ao longo de sete horas, houve ataques japoneses coordenados às Filipinas, Guam e Ilha Wake, controlados pelos EUA, e ao Império Britânico na Malásia, Singapura e Hong Kong.

O ataque começou às 7h48, horário do Havaí (18h18 GMT). A base foi atacada por 353 aeronaves imperiais japonesas (incluindo caças, bombardeiros de nível e mergulho e torpedeiros) em duas ondas, lançadas de seis porta-aviões. Dos oito navios de guerra da Marinha dos EUA presentes, todos foram danificados, com quatro naufragados.

Todos, exceto o USS Arizona, foram reflutuados posteriormente, e seis foram devolvidos ao serviço e lutaram na guerra. Os japoneses também afundaram ou danificaram três cruzadores, três contratorpedeiros, um navio de treinamento antiaéreo e um navio-mineiro. Um total de 188 aeronaves americanas foram destruídas; 2.403 americanos foram mortos e 1.178 outros ficaram feridos.

Importantes instalações de base, como a estação de energia, doca seca, estaleiro, manutenção e instalações de armazenamento de combustível e torpedo, bem como os cais de submarinos e edifício da sede (também casa da seção de inteligência) não foram atacados. As perdas japonesas foram leves: 29 aeronaves e cinco submarinos anões perdidos e 64 militares mortos. Kazuo Sakamaki, o oficial comandante de um dos submarinos, foi capturado.

O Japão anunciou declarações de guerra aos Estados Unidos e ao Império Britânico no final daquele dia (8 de dezembro em Tóquio), mas as declarações não foram entregues até o dia seguinte. O governo britânico declarou guerra ao Japão imediatamente após saber que seu território também havia sido atacado, enquanto no dia seguinte (8 de dezembro) o Congresso dos Estados Unidos declarou guerra ao Japão.

Em 11 de dezembro, embora não tivessem nenhuma obrigação formal de fazê-lo sob o Pacto Tripartite com o Japão, a Alemanha e a Itália declararam guerra aos EUA, que responderam com uma declaração de guerra contra a Alemanha e a Itália. Houve inúmeros precedentes históricos para a ação militar não anunciada do Japão, mas a falta de qualquer aviso formal, especialmente enquanto as negociações de paz ainda estavam aparentemente em andamento, levou o presidente Franklin D. Roosevelt a proclamar 7 de dezembro de 1941, “uma data que viverá em infâmia”.

Como o ataque aconteceu sem uma declaração de guerra e sem aviso explícito, o ataque a Pearl Harbor foi posteriormente considerado um crime de guerra nos Julgamentos de Tóquio.

Aviões japoneses prestes a decolar para o ataque a Pearl Harbor
Aviões japoneses se preparando para atacar Pearl Harbor

Memorial do USS Arizona

FONTE: Wikipedia / FOTOS: Biblioteca do Congresso dos EUA e Arquivos

- Advertisement -

79 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
79 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
LucianoSR71

Uma história pouco conhecida é de como os ingleses, que criaram os primeiros Porta-Aviões operacionais ajudaram na construção do poder Aeronaval nipônico, seja por meios oficiais fornecendo materiais como aeronaves e motores ( muitas aeronaves japoneses tiveram seus motores baseados em modelos ingleses, o Nakajima Sakae do Zero, em sua origem é uma mistura de motor inglês e americano ), por consultorias e treinamentos por oficiais ingleses e o que poucas pessoas sabem: por espionagem. Desde meados da década de 1920 o MI5 já sabia que um oficial muito influente no início da Aviação Naval, que se tornaria o Lord… Read more »

Esteves

Houveram vários comentários aqui sobre esse TOT dos ingleses para os japoneses desde os anos 1920. Especialmente com submarinos.

Por que isso aconteceu?

Dalton

Por conta do estreito laço entre a Royal Navy e a Marinha Imperial do Japão. As coisas eventualmente mudaram, mas, isso não era óbvio na década de 1920.

Esteves

Isso nasceu assim? Pura simpatia ou como mostram no filme O Último Samurai foi consequência da ocidentalização do Japão ocorrida nos anos 1860/70 quando as potências expansionistas da época (franceses, ingleses, americanos) aproveitaram para vender o que tinham sem imaginar que o item vendido poderia ser usado contra?

Ou simples casos de subornos?

Dalton

Esteves o “Ultimo Samurai” é um belíssimo filme mas um “lixo histórico” que
a própria indústria cinematográfica usou para criticar o governo e as forças armadas e não foi a primeira vez que isso aconteceu.
.
Os EUA “abriram” o Japão para o mundo, mas, o exército nipônico foi treinado por europeus e a marinha japonesa pela Royal Navy que inicialmente vendeu navios, mas, os japoneses aprenderam rápido e passaram a construir os seus próprios e em alguns casos superaram seus mestres.

Esteves

Filmes são filmes.

E o Tom Cruise tá ótimo.

Esteves

O Império do Sol de 1987 recebeu críticas de todos os lados. Governos, críticas, especialistas, patrocinadores, agentes, distribuidoras.

Spilberg fez as pazes com todos quando produziu A Lista de Schindler em 1993.

As vezes…o produtor tenta passar não fatos históricos…mas uma mensagem…como essa que você afirma sobre a fusão dos aprendizados militares Ocidente/Oriente e como os Samurais e suas espadas de madeira foram obrigados a se renderam à pólvora e aos novos tempos.

Esteves

renderem.

Rodrigo Maçolla

Império do Sol, Bem lembrado !! muito bom esse filme, mais esquecido na historia , talvez por esse motivo “recebeu críticas de todos os lados. Governos, críticas, especialistas, patrocinadores, agentes, distribuidoras”

Reinaldo Deprera
Carlos Campos

foi espetacular mesmo, os cara faziam barco de madeira a pouco tempo, não demorou muito meteram uma porrada na Rússia, que sagrou o Japão como a primeira potência não ocidental. depois fizeram uma guerra em vários locais com os EUA.

Rafael M. F.

Foi o Reino Unido que modernizou a esquadra japonesa nos anos 1890, pensando em usar a mesma como um contrapeso ao crescente poderio da frota russa do Pacífico.

De fato deu certo, vide os resultados espetaculares em Tsushima – derrota da qual a esquadra russa nunca se recuperou e virtualmente deu fim a qualquer pretensão russa no Extremo Oriente.

Mas, em gepolítica, o aliado de hoje é o inimigo de amanhã. E em pouco mais de 30 anos, o Japão alinhou sua alça de mira contra os britânicos pelo domínio do Extremo Oriente.

LucianoSR71

É bom lembrar que na 1ªGM o Japão foi aliado dos ingleses e depois ganharam possessões alemãs no Oriente. Há outro fator mais incrível nessa ajuda: a verdade é muitos ingleses acreditavam que os japoneses seriam incapazes de utilizarem seus armamentos em toda sua capacidade, então poderiam ganhar um dinheiro que era muito necessário depois da Guerra sem correr riscos, ou seja subestimaram e lamentariam muito por isso, basta ver a queda de Cingapura. Também há um elemento de geopolítica o Japão poderia ajudar a conter um expansionismo da URSS na região. E mestre Dalton, as coisas também mudaram por… Read more »

Esteves

Revolução de 1917. Usaram o Japão para tentar deter a futura expansão comunista.

É um filme. Somente um filme. Mas no Último Samurai há esse deboche ocidental sobre as incapacidade militares japonesas.

Esteves

Usaram o Japão para tentar deter a futura expansão socialista.

Jacinto

Porque o Japão participou da 1ª Guerra Mundial (1914-1918) como aliado do Reino Unido, tendo ajudado a proteger as linhas de suprimentos britânicas que ligavam o Reino Unido à Índia, Austrália e Nova Zelândia. Em 1920, portanto, o Reino Unido e o Japão eram aliados.

Alfa BR

E se iniciaria a maior campanha naval da história.

Dalton

Os EUA definitivamente subestimaram o Japão. Dos 6 NAes, 2 foram apressadamente incorporados, sem conhecimento americano e suas tripulações aéreas não estavam devidamente treinadas e atacaram apenas alvos secundários. . Subestimaram a quantidade e a qualidade dos aviões e mesmo a perícia das tripulações aéreas e parecia impossível que o pequeno Japão se atrevesse à atacar uma nação que era 10 ou 20 vezes mais forte dependendo da fonte. . Além do mais reinava um certo “relaxo” e excesso de burocracia, por conta do que se acreditava ser uma invulnerabilidade e mesmo que exercícios simulados já tivessem sido feitos no… Read more »

Diogo de Araujo

O Japão que subestimou ao extremo os EUA, o yamamoto foi o maior imbecil da história da humanidade achando que destruira a marinha americana quando na verdade só acabou com o quintal e ainda por cima deu a brecha que o alto escalão americano esperava para liberar toda fúria do exército, matando centenas de milhares de civis que nada tinham a ver com o negócio. Como que vc vai pra guerra sem ter certez do tamanho do inimigo?

Esteves

Anos 1930.

Dalton

Yamamoto era contrário a guerra, mas, o exército é que dava as cartas e ele foi obrigado
à arquitetar o plano que tinha como intenção destruir os NAes da US Navy o que daria tempo para o Japão entrincheirar-se e negociar com os EUA não vencer.
.
Para azar dele os NAes não estavam na baía e Nagumo atacou apenas uma vez, duas ondas de aviões deixando valiosos alvos para trás como o texto menciona, mesmo tendo sido aconselhado por vários oficiais à atacar mais vezes.

LucianoSR71

Exato, o Yamamoto garantia que se o ataque fosse bem sucedido o Japão estaria em vantagem por uns 6 meses e este tempo seria p/ encontrarem uma solução negociada, pois ele que vivera um período nos EUA sabia da capacidade gigantesca que tinham os americanos, que reagiriam e o Japão não teria como vencer essa competição industrial.

Matheus S

O Yamamoto teria preferido que o ataque continuasse. Foi Nagumo, o comandante da força-tarefa, que ordenou que o Kido Butai se retirasse sem atacar as docas e as instalações de armazenamento de combustível e apoio. Yamamoto expressou desapontamento ao saber da decisão, mas não optou por revogar a decisão de Nagumo. A cultura de comando japonesa não incentiva os oficiais de alto escalão a se expressarem sem rodeios uns com os outros; revogar ordens diretamente do oficial no local seria considerado o equivalente a uma reprimenda e uma expressão de desconfiança. Nagumo era um almirante altamente respeitado, e seria uma séria perda de… Read more »

Professor

Nagumo já tinha obtido excelentes resultados e portanto, já teria “cumprido a sua missão”. Ele sabia que outro ataque provavelmente traria bem mais perdas à suas forças aéreas, pois não mais haveria a surpresa e ele não sabia quantos caças os americanos ainda tinham. Outro fato é que a fumaça dos incêndios encobria as instalações e isto faria com que os resultados fossem bem piores (era no olho, sem enxergar iam errar muito, apenas baseando-se em mapas) – ele também poderia achar que um porta aviões americano poderia estar em condições de atacar sua frota. Bem, resolveu ser conservador… Mesmo… Read more »

Sequim

O maior responsável por esta infâmia foi o General Tojo, o verdadeiro chefe de governo do Japão Imperial e imperialista. Quanto ao entusiasmo ocidental com a possibilidade do Japão ser um freio à expansão da URSS , tal entusiasmo aumentou muito após a guerra contra a Rússia , vencida pelos japoneses em 1905.

Professor

Os japoneses tiveram um pequeno conflito com os russos na Mongólia ainda nos anos 30 e deram azar de enfrentar Jukov. Levaram uma surra…descobriram que seus blindados eram muito inferiores aos dos russos e resolveram desistir de qualquer expansão no Norte. Infelizmente para os alemães os japoneses nem tentaram manter uma força razoável na fronteira e a espionagem confirmou que eles não iam ajudar os alemães – Stalin pegou as muitas tropas liberadas e transferiu para o front de Moscou e Baku….tropas bem preparadas, acostumadas ao inverno…Elas salvaram a URSS. Se a Alemanha e o Japão trabalhassem em conjunto, como… Read more »

Helio Eduardo

Prezado, você não poderia estar mais equivocado!

Yamamoto era contra a guerra porque sabia que não poderia ser vencida. E sabia disso porque conhecia muito bem seu adversário.

Mas, muito além de ser bem preparado, era obediente ao Imperador. Assim, concebeu o plano para dar ao Japão os 6 meses que as lideranças ao redor de Tojo, o verdadeiro arquiteto da guerra, diziam ser necessário para adquirir uma posição de vantagem que permitisse a Tóquio negociar com Washington.

José Carlos David

Yamamoto não queria a guerra pois sabia do poder americano. Apenas cumpriu o seu papel de militar. Ele foi adido naval em Washington e tinha plena noção da capacidade industrial e militar dos Estados Unidos.

Matheus S

Exato. Qualquer um que tenha visto os campos de petróleo do Texas e as fabricas de Detroit vai saber que o Japão não pode coincidir industrialmente com EUA em recursos, valendo essa situação também para a Alemanha.

Rafael M. F.

Quanto a detecção pelo radar, os acadêmicos se digladiam se teria influído no ataque…

Já li textos afirmando que não, pois a quantidade de aeronaves armadas e abastecidas era pequena, e não haveria tempo hábil para deixar a totalidade da força de caça pronta. Até porque o ataque foi em um domingo, com a maioria dos pilotos e equipes de terra estando de folga.

Provavelmente o número de aeronaves japonesas abatidas seria maior, ou um ou outro navio seria salvo, mas sem influenciar significativamente no resultado final.

Dalton

Sim não havia muito o que se fazer, mas, um aviso mesmo que de última hora poderia ter salvo preciosas vidas.

pedroctba

Na realidade, a sorte dos EUA no primeiro ano de guerra contra o Japão foi algo que deveria ser estudada! Se houvesse o terceiro ataque a Pear Harbor naquele dia, certamente o Enterprise seria visto e ate mesmo atacado. Na batalha do Mar de Coral, o Yorktown por muito pouco nao foi atingido por um torpedo, o que certamente teria o impedido de lutar em Midway, sem falar que a bomba que avariou um dos porta avioes japoneses, caiu justamente em um local mais fragil do mesmo impedindo de participar da luta, o que mudaria muito o cenario da mesma.… Read more »

Leandro Costa

Pedro, essa sorte foi estudada. Eu recomendo MUITO o livro “Shattered Sword” de Jonathan Parshall e Anthony Tully que explicam como e por que tudo isso ocorreu. Um exemplo interessante é que os conveses dos porta-aviões japoneses não estavam repletos de aeronaves sendo municiadas e abastecidas, por exemplo. Porque simplesmente os japoneses não faziam isso nos conveses como os americanos, mas nos hangares. Existem diferenças muito grandes em como os japoneses faziam as operações em seus porta-aviões e que fazem com que a História de Coral Sea e Midway fiquem mais fáceis de compreender.

Dalton

Também recomendo o livro Pedro caso seu inglês seja como o meu que dá para o gasto quando se trata de leitura. Apesar do dólar alto, o livro em si não é tão caro, menos de 30 dólares por mais de 600 páginas incluindo notas que enriquecem ainda mais e extensa bibliografia. . Muito do que o livro trata já era de conhecimento no Japão, mas, poucos autores antes haviam ido a fundo na tradução de fontes japonesas. . O livro definitivamente muda nossa forma de ver a batalha de Midway e dá até vontade de jogar fora quase tudo… Read more »

Leandro Costa

Tenho o livro do Fuchida, tanto em português como em inglês e literalmente não joguei fora por razões sentimentais hehehehe

Matheus S

O Enterprise CV-6: Em 28 de novembro de 1941, o almirante Kimmel enviou a Enterprise e seu TF-8, que consistia nos cruzadores pesados ​​Northampton (CA-26), Chester (CA-27) e Salt Lake City ( CA-24) e nove contratorpedeiros sob o vice-almirante William F. Halsey, Jr., para transportar 12 Grumman F4F-3 Wildcats do Marine Fighting Squadron (VMF) 211 para a Ilha Wake. Após a conclusão da missão em 4 de dezembro, o TF-8 definiu o curso para retornar a Pearl Harbor. Em 7 de dezembro de 1941, encontrou o TF-8 a cerca de 215 milhas a oeste de Oahu. Mesmo se houvesse a terceira onda… Read more »

Matheus S

Parte 2: Em 7 de dezembro, quando Pearl Harbor foi atacado, o USS Enterprise, CV-6, estava a cerca de 320 quilômetros a oeste de Pearl Harbor(215 milhas a oeste de Oahu). Seu primeiro aviso de que a guerra havia começado veio de um de seus próprios pilotos, o alferes Manuel Gonzales, do Scouting Six, voando para a Ford Island Naval Air Station naquela manhã de domingo. Ele foi ouvido no rádio dizendo: “Por favor, não atire! Não atire! Este é um avião americano.” Momentos depois, ele foi ouvido novamente ordenando a seu tripulante Leonard J. Kozelek que saísse. Nenhum homem foi ouvido novamente.… Read more »

José Carlos David

Tudo leva a crer que os americanos aceitaram o ataque para entrar no guerra, conforme acerto entre Rosevelt e Churchill. Foi mera coincidência os porta-aviões não estarem no porto, mas somente velhos encouraçados?

Leandro Costa

Nada leva à crer que os americanos ‘aceitaram’ o ataque para entrarem na guerra, conforme um não acerto entre Roosevelt e Churchill. Não foi mera coincidência, mas foi fortuito de os porta-aviões não estarem no porto no momento do ataque. Não houve uma ordem Presidencial ordenando que os porta-aviões não estivessem lá. Estavam cumprindo outras missões no momento, apesar de que o Enterprise estava retornando e já próximo da área.

Wilson Look

Vale lembrar que nessa época os encoraçados ainda eram vistos como os principais navios de uma frota e os porta aviões como navios de apoio a frota.

Muito mais factivel crer que o que houve foi uma falha na planificação japonesa, assim como uma falha dos serviços de inteligencia nipones sobre a localização dos porta aviões americanos.

Matheus S

Exatamente. Muitas militares americanos, mesmo na baixa cadeia de comando, pensaram que tinham superado totalmente os japoneses, que, em essência, sua capacidade de ferir ferir era insignificante e que se alguma vez entrassem na luta, seria muito rápido em termos de batalha naval. Essas atitudes tiveram que ser eliminadas, seja por atrito (o que aconteceu) ou por reconhecimento no posto de bandeira e garantindo que as pessoas que pensavam dessa forma fossem afastadas. Demorou (mesmo com a vistoria em Midway) um bom ano para fazer isso a ponto de você ter um quadro de oficiais de combate subindo e descendo a cadeia da… Read more »

Esteves

Dalton comentou que a frota do Pacífico Estava envelhecida. Histórias sobre os americanos terem preferido proteger a frota do Atlântico não faltam.

Afinal, o ataque poderia ter sido defendido com maiores recursos?

Dalton

Todas as frotas estavam “envelhecidas” por conta de Tratados que inibiram a construção de encouraçados por muitos anos. . O “Yamato” que oficialmente foi comissionado poucos dias após o ataque era o único “novo” entre os 11 japoneses enquanto os americanos tinham apenas 2 novos e menores que ele de um total de 17. . A Frota do Pacífico continuou maior que a do Atlântico mesmo com a transferência de várias unidades para o Atlântico muitos meses antes do ataque, afinal a guerra corria solta no Atlântico e um destroyer americano já havia sido afundado por um submarino alemão, por… Read more »

sergio

E por isso que apesar de impressionantes, o numero de embarcações produzidas pela china hoje não me espenta, nunca subestime o poder industrial dos EUA, principalmente um EUA motivado , quando o ataque japonês ocorreu, os americanos tinhão apenas 4 porta aviões, quando a guerra terminou, entre porta aviões, e porta aviões de escolta os EUA tinhão mais de 90.

Dalton

As coisas mudaram Sergio. Os estaleiros simplesmente não estão mais lá. Até meados da década de 1960 por exemplo ainda havia 4 estaleiros certificados para construir Naes passando então a existir apenas um. . E os EUA não tinham apenas 4 “porta-aviões” , 3 estavam no Pacífico Lexington Saratoga e Enterprise, enquanto no Atlântico estavam o Ranger o Wasp Yorktown e o recém comissionado Hornet, juntamente com 1 NAe de escolta porém já se havia começado a fornecer NAes de Escolta para os britânicos. . O importante é que estavam em construção/contratados 11 da classe Essex enquanto o Japão tinha… Read more »

sergio

Dalton boa tarde, quanto aos números de porta aviões eu me referia aos porta aviões no pacifico, mais de qualquer forma obrigado pelo esclarecimento, a mente já não e mais a mesma rsrsrs. Quanto a capacidade industrial militar deles, novamente, eles tem apenas um estaleiro com capacidade de construir porta aviões, certo, mais se não estou enganado esse estaleiro esta construindo 2 ao mesmo tempo, mais quem garante que caso seja necessário esses 2 não podem virar 4, ou 6 ? entende o meu ponto, a capacidade industrial militar dormente dos EUA, na minha opinião ainda não encontrou par na… Read more »

Dalton

Sem problemas…mas, veja Sergio, que não se pode construir dois ao mesmo tempo. O que acontece é quando um está em adiantado estado de construção se começa outro, com um espaço de alguns anos entre o comissionamento de um e de outro, diferente por exemplo de 1961 quando se comissionou 3 deles. . É inegável o enorme trabalho que acontece agora em Newport News com a construção do “John Kennedy” já lançado o início da reunião dos módulos em dique seco do “Enterprise” a modernização de meia vida do USS John Stennis” em outro dique seco, o término da modernização… Read more »

Esteves

Sim. Mas por detrás desse poder um parque industrial com mais de 300 mil fábricas muitas delas empregando mulheres e jovens recém saídos da depressão dos anos 1920/30. Fábricas como a Chrysler pronta a fornecer aos russos.

Havia avidez pelo trabalho. Necessidades.

Hoje isso está na China. Incluindo a GM.

Rafael M. F.

Curiosidades: 1 – Já em 1904 – mais precisamente, na noite de 8 para 9 de fevereiro – os japoneses fizeram um ataque-surpresa semelhante quando uma força de oito contratorpedeiros atacou com torpedos a esquadra russa do Pacífico que estava ancorada em Port Arthur, danificando seriamente duas das principais unidades da esquadra russa, os encouraçados Tsesarevich and Retvizan; 2 – Em 1932 foi simulado em um jogo de guerra naval um ataque com 150 aeronaves contra Pearl Harbour de maneira muito semelhante ao executado pela IJN em 1941, com resultados semelhantes. Porém foi arquivado; 3 – O ataque ao porto… Read more »

Last edited 8 meses atrás by Rafael M. F.
WSilva

Neste dia há 80 anos atrás o Japão abria caminho para sua humilhação histórica, perda de sua soberania, honra e dignidade simplesmente por um ataque de aviãozinhos.

Falta de visão e sabedoria, patético.

Esteves

Honra e dignidade não se perde. Mesmo nas derrotas.

WSilva

Não se perde quando há resistência, até isso o Japão perdeu, perdeu a vontade de resistir.

Esteves

Perdeu depois da rendição do Imperador. E depois de terem beijado o chão.

Honra e glória nunca desaparecerão.

Dalton

Sabe-se lá o que poderia ter ocorrido se o Imperador não tivesse colocado um fim à resistência. Um ex-comandante de “destroyer” japonês então sem navio para comandar, escreveu em seu livro que ele estava treinando rapazes que se disfarçariam de mulheres para atacar os invasores fora mulheres e adolescentes que seriam coagidos à lutar também.
.
Descobriu-se muito combustível estocado para aviões suicidas e haveria muitas outras formas de morrer pelo Imperador, como nadadores com explosivos nas costas e coisas assim.

Esteves

Pois é. Teriam arrastado a guerra.

Sequim

Teriam tomado mais umas 3 ou 4 bombas atômicas. Os japoneses só se renderam frente ao espanto e ao terror causados pelos ataques de Hiroshima e Nagasaki. Até o Oppenhaimer, cientista chefe do Projeto Manhattan, ficou abismado com o poder das armas nucleares.

Dalton

Só em 1946 haveria mais bombas atômicas e o plano de invasão
estava marcado para inicio em novembro de 1945.
.
Depois dos 2 bombardeios atômicos houve outros bombardeios convencionais, mas, os japoneses não tinham como saber quantas bombas atômicas haviam e isso aliado à declaração de guerra feita pelos soviéticos conforme o combinado, 3 meses após a derrota da Alemanha levou o Japão a rendição incondicional.

Alex Barreto Cypriano

A campanha de bombardeio aéreo contra o Japão obliterou parcelas significativas de 66 cidades, média e grandes, culminando em 100 mil mortos em Tóquio. Os EUA já conheciam as cidades japonesas e sabiam exatamente que parcelas delas eram mais inflamáveis. LeMay assumiu que se não vencessem a guerra, seriam julgados como criminosos pelo ataque indiscriminado e proposital contra civis, semelhante a genocídio. Poucos dias depois de Nagasaki, completada a vitória na Europa, a URSS declarara guerra ao Japão, que vinha sofrendo estoicamente a campanha de extermínio e terror dos B-29, e este preferiu, após um cálculo rápido, se entregar aos… Read more »

Dalton

É preciso salientar Alex que o Japão havia distribuído suas fábricas de armamento, a maior parte delas, não ao redor das cidades, mas, dentro delas e era imperativo destruí-las o que acarretou esse grande número de mortos civis, embora, por outro lado, esses mesmos civis
fossem recrutados para trabalhar nelas e/ou constituir o exército
interno que eventualmente se oporia à invasão.

Alex Barreto Cypriano

Sim, mestre Dalton, mas a chegada de LeMay significou a assunção do area bombing em vez do precision bombing, justamente porque LeMay houvera ficado bem impressionado pela estratégia da RAF contra cidades alemãs, embora os ingleses já bombardeassem populações civis em colônia havia muito tempo (o chamado colonial bombing no oriente médio). Indústria é alvo, por certo, e mesmo pequenas oficinas capazes de fazer munição poderiam ser alvo, mas o area bombing tinha objetivos muito maiores: produzir desabrigados, desviar trabalho humano pro enterro de mortos, limpeza de escombros, tratamento de feridos, produzir terror e abalar qualquer desejo de resistir. A… Read more »

WSilva

Já desapareceram pois não há resistência.

Esteves

Honra = Coragem.

Gloria = Imortalidade.

Eternos. Universais.

WSilva

Sem soberania.

Wilson Look

Se não tivessem se rendido, não sei ainda haveria como existir um país Japão hoje.

WSilva

Não tinha o que fazer, o Japão tinha que se render. Meu comentário é em relação ao Japão atual(últimos 40 anos), se tornou um vassalo, país sem soberania.

É possível resgatar a honra e dignidade, mas não há vontade de resistir.

Allan Lemos

Depende de como essa derrota acontece. Os franceses perderam a honra e a dignidade com aquela vergonhosa rendição aos alemães.

Emmanuel

Há 80 anos a maior potência asiática atacou um país com tecnologia e meios aéreos, navais e terrestres inferiores.
Que rapidamente conquistou territórios demonstrando ser um inimigo invencível.
Menos de cinco anos depois estava arrasada e assinando um acordo humilhante de rendição.
Essa é a diferença da indústria pujante que necessita da importação de matéria prima daquela que a tem no quintal de casa.
Bobo é quem acredita na vitória esmagadora da primeira.

Dalton

Os EUA não eram tecnologicamente e militarmente inferiores aos japoneses. Havia certas coisas que os americanos eram superiores como por exemplo radares, bombardeiros médios e pesados, tanques e veículos blindados e muito do que havia estava comprometido no Atlântico.. . Os japoneses desde cedo perceberam que não seria um “passeio” pois logo após o ataque a Pearl Harbor tentaram invadir a Ilha Wake quando 2 “destroyers” foram afundados e dada a resistência imposta pela pequena guarnição de fuzileiros navais, dois dos NAes que haviam atacado Pearl Harbor e estavam a caminho de casa foram chamados para ajudar e assim a… Read more »

WSilva

Que bobagem!

O Japão bebeu da mesma fonte que os EUA, Império britânico. Sem este, os EUA ainda seriam um lugar hostil para se viver e o Japão um estado tributário da China. rs

Jacinto

Um dos navios que escaparam do ataque foi o ARA General Belgrano, que depois foi afundado pelos britânicos na Guerra das Malvinas.

Dalton

Vale mencionar também que outro navio similar a ele o “St Louis” que também estava em Pearl Harbor, tornou-se o “Tamandaré” na marinha brasileira em 1951.

Thor

Lucky Lou!

Alex Barreto Cypriano

Meu destaque vai pro USS West Virginia. Afundado, reflutuado, reparado e modernizado, teve uma distinta atuação em combate e em NSFS. Calma, não vou recontar o filme…

Rodrigo Maçolla

Sobre esse ataque digo uma coisa, “foi mesmo um crime de Guerra” Crime esse que os japoneses pagaram muito, caro, caro mesmo, e não digo só com duas bombas atómicas, mais com a total ocidentalização de sua cultura e perda de suas tradições, quem perde a guerra se rende ao inimigo e o Inimigo impõe sua cultura sobre os vencidos.

Alex Barreto Cypriano

O Japão já estava muito ocidentalizado bem antes da derrota na IIGM. O que não quer dizer que tenham abandonado sua cultura: a mente oriental não tem problema em adotar idéias estrangeiras mais eficazes enquanto esconde no peito seus mais queridos ideais (alguns deles incompreensíveis ou mesmo repugnantes pra nós ocidentais). Nos anos oitenta do XX, se dizia que o ocidente estaria se orientalizando demais e esse temor chegou aos livros e filmes. Só puxar pela memória que tá tudo lá.

Last edited 8 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Esteves

De fato. O Japão mantém suas tradições e culturas.

Willber Rodrigues

Atacar Pearl Harbour foi igual a Operação Barbarossa: parecia uma boa idéia no começo, parecia que seria possível ganhar, mas depois se revelou um erro gigantesco

Reinaldo Deprera

Havia um sentimento de admiração e ao mesmo tempo ódio do japonês para com os ocidentais no final do século XIX e início do século XX. O choque cultura sofrido pelo Japão naquele período não tem precedentes na história . Era um país feudal, onde a maior parte da população vivia como o indígina das Américas, enquanto uma pequena parte da população viva de forma isolada da população local, em seus feudos. Aos poucos essa elite começou a tomar contato com o ocidente por causa dos ingleses que precisavam de portos próximos da China. Aquela elite, percebendo que a distância… Read more »

Luiz Trindade

O mundo acreditava fielmente que não haveria outra guerra mundial que levasse tantas pessoas à morte. Ae veio o fantasma do comunismo e a extrema direita se aproveitou para criar regimes criminosos que mostrariam sua verdadeira face durante a guerra.
Agora depois do susto os EUA mostraram sua força para vencer a guerra que por pouco não foi vencido pelo regime nazista se tivesse como construir a arma atômica.

Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Marinha Chinesa incorpora o ‘Lishui’, 25º destróier Type 052D

A Marinha do Exército de Libertação Popular (PLA Navy) incorporou ontem seu 25º destróier Type 052D. O Lishui (indicativo visual...
Parceiro

- Advertisement -