segunda-feira, agosto 15, 2022

Saab Naval

Ataque a navio mercante mata tripulante em águas ucranianas

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Os temores continuam aumentando para os navios capturados nos combates na Ucrânia, com relatos adicionais de navios sendo atacados ou parados na região. Na manhã de quinta-feira, reportagens de Bangladesh indicam que um terceiro engenheiro foi morto por um ataque de artilharia ou mísseis perto de Mykolaiv.

O graneleiro Banglar Samriddhi, um graneleiro de quatro anos registrado em Bangladesh, estava no ancoradouro do Porto de Olvia, localizado na região de Mykolaiv, na costa norte do Mar Negro. A embarcação de 38.800 dwt disse que tinha uma tripulação de 29 pessoas com suprimentos para durar não mais que duas semanas. Após o início da guerra, a tripulação relatou que ficaram presos quando a Ucrânia fechou seus portos marítimos. Eles pediram ao governo de Bangladesh que tomasse as medidas necessárias para resgatá-los, e a Bangladesh Shipping Corporation disse que seu departamento de fretamento estava trabalhando para mover o navio para um local seguro.

A Autoridade de Portos Marítimos da Ucrânia está relatando que o navio foi atingido hoje cedo por um míssil russo atingindo a superestrutura do navio. As autoridades ucranianas informaram que dois rebocadores foram enviados para auxiliar a embarcação e que acreditavam que não havia feridos entre a tripulação.

No entanto, dois jornais de Bangladesh, The Business Standard e Financial Express, relatam que o terceiro engenheiro da embarcação foi morto durante o ataque. As reportagens disseram que a tripulação foi capaz de controlar o fogo depois que o navio foi atingido e que os outros membros da tripulação não se feriram.

Organizações internacionais têm tentado ajudar as tripulações dos navios, enquanto a Ucrânia e os membros da União Europeia pedem à Organização Marítima Internacional que tome medidas para ajudar os navios capturados nos portos ucranianos. A IMO ainda não respondeu às chamadas, mas no início do ataque russo, o secretário-geral da IMO, Kitack Lim, emitiu uma declaração que dizia em parte: “A situação de segurança na Ucrânia está impactando o comércio marítimo. A segurança do pessoal marítimo, incluindo os marítimos, é vital. Exorto todas as partes a tomarem medidas para garantir a proteção dos marítimos, embarcações e cargas. A IMO continuará a avaliar a situação de segurança em desenvolvimento.”

Os analistas de segurança Dryad Global estão relatando que três outros navios já haviam sido atacados por mísseis ou bombas russas na semana passada. Um dos incidentes teria incendiado um pequeno navio-tanque de produtos, mas não houve mortes confirmadas nos ataques anteriores. Um dos navios que foi atingido por um míssil, o graneleiro japonês Namura Queen deixou a área de Odessa após o ataque na sexta-feira passada e chegou em segurança ao leste da Turquia para reparos. O navio estava carregando milho perto de Odessa quando a guerra começou. Dryad também relata que três outros navios comerciais foram detidos pelos russos.

A caridade britânica Stella Maris é uma das organizações que procuram ajudar os marítimos. A instituição de caridade relata que seus capelães e visitantes de navios estão trabalhando para apoiar todos os marítimos durante a atual crise. Eles têm prestado apoio aos marítimos ucranianos e russos e aos marítimos cujos navios tiveram que navegar em áreas afetadas pelo conflito, incluindo a disponibilização de cartões telefônicos e SIMs de dados aos marítimos gratuitamente.

FONTE: Full Avante News

- Advertisement -

8 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest

8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauro Pacheco

Pelo seu tom, parece estar torcendo para os russos, tenha cuidado com esse comportamento.

DanielJr

É uma observação lógica, não uma torcida. Eu mesmo, apesar de lamentar as mortes e toda a situação, estou tentando acompanhar a evolução dos acontecimentos pelo viés do campo militar.

Fabio Jeffer

Israel ataca navios iranianos sempre que possível por estes poderem estar levando armas pro Hesbollah e ninguém fala nada

Jurandir Noronha

Tenha cuidado por que? Vai fazer alguma coisa?

Adriano Madureira

Pelo visto o Sr. Pacheco é tiete da aliança…

Carlos Gallani

Pera lá, eu como membro da marinha mercante tenho que perguntar, que logica debiloide é essa?
Um civil foi morto sem nenhuma prova de absolutamente nada de errado ou perigoso e vc esta tentando passar alguma justificativa, olha cara, estou fazendo força pra não ser banido nesta resposta!

Renato B.

Eu sempre considero a hipótese “erro” e no tiroteio simplesmente alguém acertou o que não devia.

Adriano Madureira

Normal navios mercantes se tornarem alvos militares, na segunda guerra afundavam como patos na lagoa após serem torpedeados…

Surpresa seria se não virassem alvos !

Quem está na chuva é para se molhar, se no passado recente aeronaves civis foram derrubadas, não seria diferente com outros meios de transporte como caminhões ou até mesmo trens de passageiro.

comment image

comment image

comment image

comment image

comment image

comment image

Last edited 5 meses atrás by Adriano Madureira
Publicidade
Parceiro

Últimas Notícias

Estônia e Finlândia integrarão sistemas de mísseis antinavio costeiros

A Finlândia e a Estônia integrarão sua defesa antinavio costeira, o que permitirá aos países fechar o Golfo da...
Parceiro

- Advertisement -