PLA Navy vigia a ROC Navy

Por Gabriel Dominguez

À medida que a China aumenta a aposta perto de Taiwan com exercícios militares concebidos para cercar a ilha autogovernada, Pequim pode não ter uma invasão em mente, mas sim outra abordagem: um bloqueio.

Os exercícios cada vez mais frequentes do Exército de Libertação Popular (PLA) em torno de Taiwan, especialmente os seus destacamentos de longo alcance no Pacífico, indicam que Pequim está aperfeiçoando uma estratégia para isolar a ilha do mundo exterior e manter afastados os potenciais parceiros militares de Taipé.

“A China provavelmente tem capacidade para conduzir um bloqueio aéreo e naval de acordo com o que sabemos das suas capacidades militares, estrutura de força e exercícios militares que os vimos realizar no ano passado”, disse Kristen Gunness, especialista em segurança e política sênior, pesquisador da Rand Corp., com sede nos EUA.

KJ-500 e J-11

Alguns sistemas de defesa aérea costeira chineses já podem alcançar o Estreito de Taiwan, enquanto as aeronaves de alerta e controle antecipado KJ-500 da Força Aérea do PLA (a versão chinesa do AWACS dos EUA) e o Type 052C/D da Marinha do PLA (a versão chinesa do destróier Aegis ) têm a capacidade de estabelecer uma zona de exclusão aérea perto da costa leste de Taiwan para impedir a entrada de outras aeronaves, disse Masashi Murano, bolsista do Japão no think tank do Instituto Hudson, com sede nos EUA.

Mas mesmo com as crescentes capacidades militares da China, alguns responsáveis em Washington argumentam que um bloqueio acabaria por fracassar, uma vez que daria a uma coligação liderada pelos EUA tempo para reunir forças suficientes para contrariar tal movimento.

Outros, como Ely Ratner, o principal funcionário do Pentágono para a Ásia, dizem que Taiwan ainda teria “opções por conta própria e com a comunidade internacional para garantir o fornecimento de recursos industriais, matérias-primas, energia e outros itens críticos” no caso de um bloqueio.

Especialistas em defesa, porém, dizem que a questão é mais complexa.

Embora dar tempo aos EUA e a outros países para responder seja certamente a principal desvantagem de um bloqueio na perspectiva da China, Pequim ainda tem a vantagem da proximidade, dando-lhe uma série de opções para tentar impedir a chegada de fornecimentos, mesmo durante um conflito prolongado.

Mais precisamente, os especialistas argumentam que, embora as forças lideradas por Taiwan e pelos EUA possam acabar por derrotar a Marinha do PLA e os seus esforços para impedir o transporte marítimo ao largo da costa leste de Taiwan, ainda poderão ter dificuldades para reabastecer a ilha.

“Sim, os EUA e os seus aliados poderiam afundar a marinha da China, mas isso não leva carga para Taiwan”, disse Loonie Henley, antigo analista sénior de inteligência de defesa dos EUA sobre a China e atualmente membro sênior do Instituto de Investigação de Política Externa.

Isto porque outros ramos do PLA, incluindo as Forças Aéreas e de Foguetes, ainda poderiam atacar qualquer aeronave ou navio que tentasse chegar à ilha e sujeitar todos os portos e pistas de aterragem possíveis a repetidos bombardeamentos.

“O PLA poderia selar os portos da costa oeste de Taiwan indefinidamente, ao mesmo tempo que tornaria extremamente difícil para os parceiros de Taipei enviar material suficiente através dos portos da costa leste para manter a ilha viva”, disse Henley.

É provável que o cerco chinês a Taiwan seja diferente dos bloqueios do passado por uma série de razões, incluindo o contexto geopolítico, os avanços na tecnologia militar e especialmente a proximidade geográfica de Taiwan com o continente.

Uma diferença fundamental, disse Tom Shugart, ex-comandante de submarino da Marinha dos EUA que agora trabalha no think tank Centro para uma Nova Segurança Americana, é que Taiwan só é reconhecido como nação soberana por um punhado de países, a maioria pequenos estados. Como resultado, Pequim provavelmente alegará que um bloqueio – que a China provavelmente chamaria de quarentena, uma vez que um bloqueio é um ato de guerra contra um país soberano – é uma ação interna não sujeita ao direito internacional.

A forma exata como um bloqueio a Taiwan poderia se desenrolar e quais os meios que seriam utilizados para o aplicar dependeria, em última análise, dos objetivos políticos e estratégicos de Pequim.

“Um bloqueio pode assumir muitas formas e impor diferentes níveis de dificuldades a Taiwan, uma vez que pode ser adaptado à provocação percebida”, disse James Schoff, diretor sênior da Iniciativa da Aliança NEXT EUA-Japão na Sasakawa Peace Foundation USA.

Porta-aviões chinês Liaoning e seus caças J-15

Embora alguns tipos de bloqueio possam não desencadear uma grande mobilização de apoio aliado a Taiwan, outros podem durar tanto tempo que seria difícil para os EUA e outros sustentarem qualquer resposta.

Uma possibilidade seria a China conduzir um “bloqueio suave ou limitado” que lhe permitiria controlar o espaço aéreo e marítimo em torno de Taiwan, utilizando forças que já em grande parte destacou para a área, incluindo forças paramilitares.

Na tentativa de coagir Taipei a mudar o seu comportamento para formas mais palatáveis para Pequim, este tipo de bloqueio poderia ser levado a cabo pela Guarda Costeira da China sob o pretexto de exercícios militares repetidos ou prolongados ou de atividades de aplicação da lei que exijam o encerramento temporário de certas rotas comerciais.

O objetivo seria criar incerteza na área, o que levaria os navios comerciais a evitar Taiwan ou aumentaria os custos dos seguros, tornando financeiramente pouco atrativo o risco de enviar navios para lá.

“Tal bloqueio não isolaria completamente Taiwan, mas permitiria à China controlar amplamente o que entra ou sai da ilha”, disse Gunness.

Ao não implementar um bloqueio total, o fardo da escalada – na opinião da China – recairia sobre Taipei ou Washington, acrescentou.

Os chineses também poderiam lançar um bloqueio como prelúdio a uma invasão, num esforço para obter superioridade parcial nas arenas aérea, marítima e de informação para facilitar operações de desembarque subsequentes.

Ao contrário da primeira opção, este tipo de bloqueio envolveria provavelmente o uso da força, uma vez que os preparativos para a invasão chinesa seriam provavelmente notados com meses de antecedência.

Uma terceira linha de ação possível seria renunciar à invasão e impor o bloqueio mais rígido possível para isolar Taiwan até que esta se submeta ou entre em colapso, num teste à resiliência e coragem dos quase 24 milhões de residentes da ilha.

Navios da PLA Navy em exercício

Esta estratégia prolongada – concebida para obrigar à unificação – seria a mais arriscada para a China, pois daria aos amigos de Taiwan tempo para encontrarem formas de derrotar um bloqueio.

No caso de uma invasão fracassada ou de uma derrota naval importante, a China também poderia recorrer a um bloqueio como opção de recurso, uma vez que Taiwan ainda necessitaria de um grande número de abastecimentos.

“Isso significa que as forças dos EUA devem enviar navios de carga para os portos da costa oeste regularmente, face à extensa minagem e fogo hostil, perto da China e sob condições de superioridade aérea chinesa”, disse Henley, observando que Pequim poderia recorrer ao uso de mísseis de longo alcance, aviões de combate e também barcos patrulha com mísseis e torpedos para evitar o reabastecimento da ilha.

Henley acredita que, a menos que os EUA e as forças aliadas fossem capazes de desmantelar o sistema integrado de defesa aérea do PLA, a China poderia sustentar tal bloqueio durante meses, senão anos, sem esgotar o seu inventário de armas ar-ar ou terra-ar.

Penetrar um bloqueio prolongado – escoltando navios de abastecimento – e manter Taiwan vivo “exigiria um sério investimento dos EUA em sistemas e conceitos operacionais” que Washington atualmente não possui, disse ele.

Dependendo de a China querer evitar um conflito maior, poderá haver espaço para negociar a circulação de bens específicos para fins humanitários. Alternativamente, os EUA poderiam tentar impor um contra-bloqueio à China, bloqueando o seu acesso aos mercados internacionais, particularmente o seu acesso aos combustíveis importados, perturbando o seu comércio externo e desferindo um duro golpe na sua economia.

Outra opção seria estabelecer um corredor humanitário aéreo e marítimo ao largo da costa leste de Taiwan – embora esta seja a área onde os combates iriam provavelmente eclodir caso a diplomacia falhasse.

Os especialistas, no entanto, acreditam que se Pequim decidir envolver-se num conflito por causa de Taiwan, é porque aceitou conscientemente que poderá ter de pagar um preço elevado.

FONTE: The Japan Times

Subscribe
Notify of
guest

21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alison

Os especialistas, no entanto, acreditam que se Pequim decidir envolver-se num conflito por causa de Taiwan, é porque aceitou conscientemente que poderá ter de pagar um preço elevado.”

A parte mais lúcida do texto todo

WSilva

O que temos aqui é um ocidental replicando narrativa anti-China num jornal japonês onde o objetivo principal é demonizar a China fabricando tensão e paranoia sobre uma invasão quando na verdade nada disso corresponde a realidade, fora isso esse texto é inútil, mais do mesmo. Em todos documentos oficiais da China e também da mídia oficial chinesa a China declara que: 1 – Taiwan será reunificado cedo ou mais tarde e a primeira opção é e sempre será através de meios pacificos 2 – Uso de força militar só acontecerá se Taiwan cruzar linhas vermelhas muito bem estabelecidas. Qualquer coisa… Read more »

Antonio Cançado

A China não precisa que ninguém seja “anti-China” ou que a demonize, ela mesma já se encarrega disso por conta própria…Ela própria vive fabricando tensão e paranóia sobre uma invasão que jamais ocorrerá, pelo simples fato de que ela mesma sabe que não tem bala na agulha pra pô-la em prática, a China vive de blefar o mundo, de ameaças que sabe que não tem como cumprir, a China não passa de um tigre de papel.

Last edited 9 meses atrás by Antonio Cançado
WSilva

Meu comentário acima traz a versão oficial da China sobre a questão de Taiwan enquanto seu comentário traz apenas uma opinião pessoal sobre o tema provavelmente baseada em narrativas mentirosas e/ou distorcidas do Ocidente sobre o modus operandi chinês.

A maioria dessa turma aqui no Ocidente não tem conhecimento real sobre China, tem conhecimento apenas da versão americana sobre China, é tipo conhecer a história do Corinthians através do Palmeiras ou vice versa.

bruno

A versão oficial da china diz que ela controla a informação e comunicação a sua população? A versão oficial da china diz o que sobre democracia ?

Nei

“Ambos os ex-presidentes Lee Teng-hui e Chen Shui-bian mantinham a opinião de que é um país soberano e independente, separado da China continental e de que não há necessidade de uma declaração formal de independência”.

Ou seja, se for pegar a força, terá que causar um grande destruição, ficando igual as terras Ucranianas.
Um acha que é soberano e outro não acha!
Deixa eles quietos lá.

Burgos

Difícil !!!
Proibir o livre comércio e o tráfego aéreo e marítimo eles vão arrumar um problema sério, isso sim.
Isso tem um nome, mas não vou falar para não gerar polêmica aqui.

jean fran

pode falar , afinal quem anexa teritorios de paises soberanos se chamam russia e china nao eua

Bruno Vinícius

É uma estratégia arriscada. Se o governo americano decidir enviar navios mercantes escoltados e a China atacá-los, pode acabar tornando a opinião pública nos EUA à favor de uma intervenção militar em favor de Taiwan.

Uma invasão, na minha opinião, teria chances maiores de manter os americanos fora do conflito por considerações políticas. Em contrapartida, militarmente, é um desafio muito maior.

Last edited 9 meses atrás by Bruno Vinícius
jean fran

ai os imperialistas chines , nungem fala nada , se fosse os eua estariam todos reclamando aqui

BVR

Sendo um bloqueio, cria-se um problema militar; sendo uma quarentena cria-se um problema humanitário. Mas em ambos os casos a China entra em xeque.

A questão pode ser (de acordo com o entendimento chinês) onde é que o(s) benefício(s) sustenta(m) cada uma das possibilidades em relação ao(s) prejuízo(s).

Last edited 9 meses atrás by BVR
Jonathan Pôrto

Dragão Chinês mansinho!! Infla os músculos mas só fica nas bravatas!!

Zorann

Se criarem de fato um bloqueio (quarentena) terão de estar dispostos a afundar e derrubar qualquer navio ou aeronave que ouse tentar furar o bloqueio. Isto incluí navios e aeronaves americanas.

Portanto, se a China chegar a fazer este bloqueio, significa que tomou a decisão de ir até as últimas consequências. Isto não é brincadeira.

Lembrem do bloqueio naval americano a Cuba. Os americanos estavam dispostos a ir até as últimas consequências.

Antonio Cançado

Mais um blefe de um estado agressivo porém covarde, que rosna mas não morde. A China jamais será o que se pensa que ela é…

Antonio Cançado

Sério que alguém acredita mesmo que a China vai invadir Taiwan?
Sério que alguém realmente tem medo da China?

Leonardo

A realidade é que Taiwan não vale o custo a se pagar pela retomada.Mesmo eu achando que eles estão no direito de reivindicar, pois querendo ou não a ilha pertencia à China. Não vou entrar no mérito dos motivos que levaram a separação da ilha, mas sim, ela pertencia à China. A China sabe que não tem força pra enfrentar os EUA de frente e ela tem mais inimigos do que amigos. O único aliado que teoricamente teria força pra ajudar, está atolado na Ucrânia e os inimigos são muitos e poderosos. A nós cabe a torcida para que não… Read more »

Fernando Vieira

Filtrando a galera militante aqui, chegamos ao seu comentário que é bem racional. Quem mora em Taiwan certamente não quer se ver sob o governo do Partidão Chinês. Mas essa ilha já pertenceu a China, e assim chegamos a esse ponto hoje. Eu acredito que a China traçou como objetivo ser a superpotência dominante do mundo nas próximas décadas e para fazer isso precisar ser dominante militarmente e também economicamente. O que estamos vendo é a China trabalhando para isso. Ela quer substituir os EUA nesse posto. E a essa altura os chineses devem saber que a pior maneira de… Read more »

Last edited 9 meses atrás by Fernando Vieira
Jorge Oliveira

Ou seja, se a China invadir tá de boa… o Ocidente que tá levando porrada da indústria russa vai de boa enfrentar a capacidade industrial chinesa… o Japão teria que ficar quieto para para não virar torrada radioativa.

Tutu

Só fico pensando como estariam sendo escoltados nossos navios cheios de exportações brasileiras nesse contexto, já que a MB claramente não tem essa capacidade, mesmo que somente no Atlético Sul, caso contrário teríamos problemas de colapso social bem mais relevantes aqui do que se preocupar com o desfecho de Taiwan.

Tio Velho Comuna

Em qualquer cenário, uma invasão chinesa a Taiwan seria péssimo para todos os envolvidos e criaria o caos financeiro internacional que faria a invasão da Ucrânia parecer um passeio no jardim da infância. A única possibilidade de um quadro desses ocorrer é se Taiwan declarar sua autonomia de forma plena, aí a China vai ter que atuar, se a China atuar, os EUA e seus aliados vão ter que comprar a briga. O segredo da coisa é manter o status quo: Taiwan não declara sua autonomia e independência total da China, que de fato já tem e a China continua… Read more »

RPiletti

tentar impor um contra-bloqueio à China, bloqueando o seu acesso aos mercados internacionais, particularmente o seu acesso aos combustíveis importados”

Combinariam isto com os russos?