Fragata Rademaker

Fragata Rademaker

A fragata Rademaker (F49) da Marinha do Brasil sofreu um incêndio a bordo em 17 de outubro, ao sul do Rio de Janeiro. De acordo com informações do AIS (Automatic Identification System), o navio saiu do Rio de Janeiro no dia 16 de outubro, navegou para oeste, mas no início da manhã do dia 17 de outubro ele voltou e às 12h30 UTC parecia estar voltando para a base.

Segundo informações divulgadas nas redes sociais, o navio estava realizando uma das fases do CIAsA – Comissão de Inspeção e Assessoria de Adestramento quando, às 2h30 da manhã, foi dado o alarme de incêndio da bordo. O combate às chamas durou até as 9h da manhã.

O fogo e alastrou por diversos compartimentos no convés 01 e 02, queimou camarotes de oficiais destacados e destruiu lobbys.

Sargentos e cabos disseram que nunca viram um incêndio dessa proporção em suas carreiras, com tantas horas de combate.

A fragata Rademaker também sofreu um incêndio em 2019, quando o navio estava atracado no Porto de Itajaí. Cerca de 20 pessoas se intoxicaram por inalação de fumaça e sete vítimas foram levadas ao hospital.

A Rademaker era originalmente conhecida como HMS Battleaxe (F89) quando estava a serviço da Royal Navy do Reino Unido. Ela é uma fragata do Tipo 22 (Type 22) ou Classe “Broadsword”.

A HMS Battleaxe foi lançada em 1977 e prestou serviço à Royal Navy até ser descomissionada em 1996. Posteriormente, foi adquirida pela Marinha do Brasil junto com outras três fragatas do mesmo tipo e incorporada em 1997.

Imagens do resultado do incêndio a bordo da fragata Rademaker

NOTA DA REDAÇÃO: A Rademaker é a última fragata Type 22 ainda em serviço na Marinha do Brasil e este incêndio deverá acelerar a baixa do navio.

Subscribe
Notify of
guest

133 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Welington S.

É surreal a situação da MB. Podem dar baixa, já. Esse museu aí, não volta mais, não!

Rafael Coimbra

E a MB esperando nem meia dúzia de Tamandaré… Precisamos aumentar essa encomenda e se livrar das nossas escoltas velhas… O custo/benefício não atende faz tempo…

Augusto José de Souza

Devem ter mais lotes e tirando a Rademaker as Niterói estão em excelentes condições e são bem armadas.

Edlustig

KKKKKKKKKKKKKKK

Roosevelt

Uma sucata a menos.

Wiillber Rodrigues

A “boa notícia” nisso tudo é que o pessoal de contenção de danos da MB é ligeira.

RSmith

“boa noticia” é que não houve vitimas fatais….

rfeng

Levou três horas pra debelar o fogo ligeira????

Wilson Look

Pelas imagens apresentadas, foi bem intenso.

Fogo em navios, é um risco grave, que pode tomar conta do navio em pouco tempo, dependendo da situação, a atuação da equipe em evitar que outras partes do navio fossem afetadas e permitir que sistemas críticos continuassem em operação o que permitiu que a Rademaker retornasse ao porto por seus meios, é para ser elogiado, eles evitaram cenários muito piores.

Marcelo Andrade

Você é brigadista para saber ou deduzir?

Helio

Foi um incêndio de grandes proporções!!!!

Edlustig

Com a sucata que temos, o pessoal da MB provavelmente seja o mas bem treinado do mundo. Para apagar incendios….

J.Neto

Só encostar, a situação das escoltas da MB é tenebrosa, tirando a Barroso, só sucata navegando, por mais que estejam construindo as Tamanduas, uma compra de prateleira de umas 2 escoltas na urgência seria necessário….

J.Neto

Realmente, boa noticia, sem vitimas graves, má noticia meios em não conformidade com requisitos legais de segurança devem ser desativados e e substituidos o mais breve possível…Boa sorte aos envolvidos.

J.Neto

Temos 02 J.Neto pelo visto…

Helio

Concordo plenamente. Ia comentar isso. Urge a aquisição de ao menos duas ou três “escoltas”, usadas ,em boas condições até às Tamandaré estarem operativas ,o que deve levar ,talvez ,devido as restrições orçamentárias, cerca de 10 anos ,no mínimo. Quem sabe Destroyer ou até mesmo Corvetas, com vida útil estimada em duas décadas .. Situação periclitante da MB,em termos de escolta ,patrulha e defesa ! 🇧🇷

Moriah

Com tão escassos meios…

Ricardo Rosa Firmino

Novo alvo para o MANSUP tentar acertar alguma coisa….

Gilson Elano

Mais uma, menos uma!

Alex Barreto Cypriano

Esse o fruto opimo do distanciamento dos EUA e aproximação com o Reino Unido (que nunca foi democracia…), na busca de autonomia em equipamentos: trocamos seis por meia dúzia, o equipamento de segunda mão ianque pelo equipamento de segunda mão inglês. O processo é sempre o mesmo, usado inclusive por drug dealers: de início, uma oferta tentadora, prazerosa, irrecusável; depois, as agruras da dependência (e ferro velho).

Glasquis7

Muitos países comprar material de segunda mão da Inglaterra e navegam com ele sem problemas.

Aqui o problema é outro. Manutenção pois, o Bahia, que é Frances, também tem sofrido enquanto que o irmão mais velho dele, continua a navegar sem problemas.

Underground

Idem para o Minas Gerais e São Paulo.

Dalton

Alex, os EUA não tinham muito a oferecer ao Brasil em matéria de navios de segunda mão em meados da década de 1990, exceto possivelmente algumas fragatas classe Oliver Perry “short hull” sendo que a maior parte foi adquirida pela Turquia. . Os últimos navios de combate dos EUA adquiridos pelo Brasil foram as 4 fragatas classe Garcia – aqui classificados como contratorpedeiros – adquiridas em 1989 ainda em bom estado com cerca de 21 anos de idade em média. . As 4 fragatas T-22 B1 que aqui chegaram, incluso a “Rademaker” em meados da década de 1990 vieram ainda… Read more »

L Grande

Eu me lembro que na década de 90 a 2000 a Marinha era a melhor força do Brasil que existia. A força aérea estava ultrapassado, o exército sempre está se preparando para lutar igual na primeira G mundial. Mas a Marinha naquele momento era o orgulho das forças armadas. Falavam a Marinha consegui fazer mais com menos. Um exemplo de gestão de recursos.E administração. Mas em 2009 ocorreu o desastre da Marinha que está até hoje. Foi descoberto o pré sal o governo federal autorizou a Marinha aumentar os seus efetivos de 50.000 homens para mais de 80.000. Mas isso… Read more »

Dalton

Acho que é só impressão, muito navio de segunda mão – inclusive meios distritais – foram colocados a venda pelos EUA e Reino Unido e isso permitiu manter no inventário cerca de 18 “escoltas” durante a década de 1990, mas, não se pode dizer que fossem navios no “estado da arte”, mesmo modernizando as “Niterois” a partir do fim da década até meados da década de 2000 e já em 2002 se deu início a diminuição de meios para 16 e em 2004 para 14 incluindo 4 corvetas novas, porém, de capacidade modesta. . Uma corveta ligeiramente maior a “Barroso”… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Dalton, Talvez a questão esteja no espírito “briga de torcida” e uma certa tendência de muitos comentaristas à “chapabranquice”, conforme os diversos governos de plantão, exaltando esta ou aquela força. Sem querer me estender para isso não virar uma bola de neve de comentários fora de tópico, mas na segunda metade dos anos 2000 os ânimos estavam acirrados por conta do programa F-X2 da FAB e as disputas de torcidas entre vários comentaristas. Como a MB havia assinado o Prosub com empresa francesa, os que torciam pelo francês Rafale no F-X2 (e também defendiam o governo da época) costumavam exaltar… Read more »

Dalton

Perfeito o que você escreveu Nunão, apesar de “triste”, porque mais uma vez ficamos a ver navios e aviões, consequência, no fim das contas de falta de crescimento sustentável do país.

José Luiz

Há muito tempo atrás deveria ter comprado umas OPH quando começaram a dar baixa. Podem dizer o que quiserem mas elas são navios valentes e talvez hoje ainda teria alguma por aqui.

Dalton

Tive esperança que a marinha fosse comprar um par de “OHP” com cerca de 30 anos de uso a partir de 2015 quando as últimas foram retiradas de serviço pela US Navy e que com uma revitalização feita nos EUA elas poderiam ter sido entregues por volta de 2017/2018 com pelo menos 12 anos de vida adicional. . No mínimo se teria antecipado para 2017 as baixas da “Niteroi” e da “Jaceguai” ambas finalmente retiradas só em 2019, cobririam a baixa da “Greenhalgh” em 2021 e se poderia mesmo ter dado baixa na própria “Rademaker” como se chegou a especular… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Tive esperança que a marinha fosse comprar um par de “OHP” com cerca de 30 anos de uso a partir de 2015

Eu tive essa “esperança” uns 10 anos antes, por volta de 2005, quando começaram as baixas dos CTs classe Pará / Garcia.

Já havia uma discussão nas revistas da época sobre a necessidade de pelo menos duas fragatas dotadas dê mísseis antiaéreos de defesa de área, com comparações entre os Type 42 que começavam a dar baixa na RN e as OHPs da USN.

Dalton

Mina “esperança” foi bem mais modesta, nada de se tentar reintegrar o lançador de mísseis SM-1 e sim compra-las como estavam desde a década anterior a serviço na US Navy, apenas revitalizando alguns sistemas e a propulsão.

Fernando "Nunão" De Martini

É que no início dos anos 2000 ainda estava começando a retirada dos lançadores de mísseis das OHPs da USN, por isso mesmo a discussão sobre incorporar um par delas, com a capacidade de defesa aérea ainda instalada.

Dalton

O problema Nunão, mesmo entendendo a discussão sobre se ter algum tipo de defesa de área em 2005 é que as 4 “Inhaúmas” e mesmo as 3 “Greenhalghs” ainda eram novas, a “Barroso” ainda encontrava-se em construção, o “ModFrag” ainda não havia sido terminado, além da necessidade de se revitalizar o “São Paulo” tornavam difícil/impossível isso.
.
Mesmo a minha esperança de compra de duas “OHP” envolveria a baixa imediata de meios que apenas consumiam recursos e pouco ou nada entregavam.

L Grande

Mestre Dalton, más o grande problema da Marinha, volto a falar , aconteceu em 2009. O governo federal autorizou a Marinha a ampliar os efetivos de 50.000 para 80.000 homens, mas para atender o PEAMB: que prévia a compra de: 2 porta aviões, 4 porta helicóptero mistral 30 escoltas 16 submarinos etc. A Marinha do Brasil estaria no top 5 mundial. Mas o aumento do efetivo deveria ser feito de acordo a chegada desses navios. Mas o comandante da Marinha da época falou ” vamos aumentar os efetivos de 50.000 para 80.000 homens e quando chegar os navios já teremos… Read more »

Fernando Vieira

Faço minhas as suas palavras. Eu até acho que já falei isso em algum momento aqui também (não quero reivindicar a ideia ela é apenas tão lógica que todo mundo com alguma capacidade mental é capaz de concebê-la). Foi impressionante aumentar o contingente antes mesmo de se contratar o navio. Uma esquadra desse tamanho você não compra pronta, tem que contratar a construção. Nem isso começou e os caras já tinham aumentado as vagas em tudo na Marinha. Agora sinto lhe desapontar mas mesmo que se reduza o contingente agora os efeitos benéficos disso só serão sentidos muito tempo depois… Read more »

Dalton

Veja “L” que você comentou inicialmente como a marinha era das 3 forças a melhor nas décadas de 1990 e 2000 citando que o exército continuava com a mentalidade da “I Guerra” mas, não me parece que a marinha fosse mais capaz que a marinha argentina em 1982 no combate a submarinos nucleares e o tão propalado míssil de defesa de área não existe até hoje, para citar apenas dois exemplos. . Quanto ao “PEAMB” que não passou de um “pedaço de papel” esse aumento de 30.000 se é que de fato esses números estão corretos nem seria suficiente para… Read more »

L Grande

Mestre Dalton, até 2009 a Marinha funcionava, navegava, cumpria suas missões com 50.000 homens. Não era a melhor Marinha do mundo, más atendia o mínimo necessário. Hoje com 80.000 homens aumentou os pagamentos de salários, aposentadoria e pensão que hoje representa 95% do orçamento. Não tem dinheiro para manutenção pmg, etcetera. E os navios e submarinos estão sendo comprados com dinheiro fora do orçamento. Quando sobra dinheiro do GF. Péssima administração atual. Muito triste.

Fernando "Nunão" De Martini

LG,

Não é bem assim.

Fora do orçamento da MB só a capitalização da Emgepron.

As parcelas dos pagamentos do financiamento do Prosub saem do orçamento da MB, assim como o desenvolvimento da propulsão do submarino nuclear.

L Grande

O Brasil está negociando “secretamente com a França a transferência de tecnologia para o submarinos nucleares”. E estranho secretamente sendo que eu um da roça já está sabendo. 25 bilhões de reais. Vamos aguardar.

Fernando "Nunão" De Martini

Isso, vamos aguardar matéria que vai sair sobre isso, daqui a pouco.

Dalton

O número de “80.000” segundo li aqui mesmo já caiu um pouco e a expectativa é que ainda caia um pouco mais, então gradativamente se deverá chegar a um efetivo melhor ajustado. . O que sei é que desde décadas atrás a despesa com pessoal era de cerca de 65% do orçamento o que provavelmente aumentou, mas, não para 95%. . Não estou “passando pano” afinal forças armadas são geridas por seres humanos que são falíveis, apenas discordei do seu comentário sobre a marinha ter sido a “melhor” das 3 forças até 2009. . Na minha opinião investimentos maiores em… Read more »

Fábio CDC

Se o Reino Unido não é democracia, a América Latina deve ser o inferno na Terra… E nos meus mais de 42 anos de vida, de gente que foi e voltou do Reino Unido, incluindo 1 primo meu, não ouvi sequer 1 queixa daquele lugar. Por que será?…

Jagderband#44

O Reino Unido não tem um parlamento?
Não é democrático?
Jesus.

IvanF

kkkkkkkk

O melhor foi o “drug dealers”! Além de me fazer pesquisar o que seria “opimo”, apesar do significado deduzível do contexto, não custava nada dá uma pesquisada.

Levaria um like pela criatividade do texto, só faltou fazer sentido.

Fabio Mayer

O Reino Unido não é democracia, mas: a) a monarquia de lá, custa menos que a presidência da república daqui; b) 3 partidos “tories, whigs e labour” se revesam no poder político há ao menos uns 250 anos; c) quando o país ajudou a vencer a II Guerra Mundial, substituiu o vitorioso Primeiro Ministro Winston Churchill pelo trabalhista Clement Atlle, cjo partido tinha nítido viés socialista (na economia) embora democrata…

Ivan herrera

Pelo menos ninguém se feriu, esse é mais um aviso, de baixa e afunde logo essa sucata antes que o pior aconteça, melhor os marinheiros seguros em terra aguardando algumas escoltas até 2035.

L Grande

Muito triste 😞

Heinz

Em breve teremos 4 navios para proteger nossa continental costa, parabéns aos envolvidos.

Claudio Moraes

Heinz e você acha que 4 navios serão suficientes pra proteger nossa costa continental? É pra acabar neh. Uma lástima a situação da marinha em termos de escoltas. Uma vergonha.

Fernando "Nunão" De Martini

Claudio, acho que o comentário do Heinz foi irônico.

Bueno

😉

Claudio Moraes

Peço desculpas. Mas realmente é de se lamentar a situação da MB.

Rafael Oliveira

Agora a Marinha irá contratar uma empresa especializada em recuperação de navios para fazer um estudo de viabilidade do conserto da embarcação.

Após gastar alguns milhões com esse estudo e manter a tripulação a vinculada ao navio encostada por alguns anos, vai decidir que deve dar baixa na fragata.

IvanF

Bota a tripulação pra arrumar isso aí! troca essa velharia toda por material de prateleira, avalia a estrutura se tá ok, dá uma mão de tinta… roda mais uns anos ainda!

Agora, se for pra gastar milhões só na avaliação… aí é ruim demais! kkkkkk

Last edited 9 meses atrás by IvanF
Macgaren

“Que fase!” passa nossas FAs.

Só uma noticia pós outra

F-5

Tivemos um militar colocado na reserva na presidência e o que ele fez?????

Leandro Costa

Posso estar enganado, mas eu não vi nem uma vírgula no post do colega acima que lembrasse política, seja lá de qual lado for.

Vinicius Ferreira Soares

Impressionante a decadência da Marinha do Brasil. Meios velhos, inseguros e com baixa disponibilidade mas mesmo assim mantém 80 mil homens e mais de 100 almirantes (mais do que navios no inventário).

Glasquis7

Deixo com vc a opinião de um forista que tem uma visão diferente de vc: “A Marinha do Brasil sozinha, supera todos os Países da América latina juntos, em termos de aquisições. Sem dúvidas, a maior e melhor Marinha da região!” “Todas essas aquisições são facilmente comprovadas numa busca no google. E com certeza tem mais. Acho que já devemos estar nos 15 bilhões de dólares gastos pela Marinha do Brasil nesse período citado acima. FATO!” Pode conferir na integra no seguinte link: https://www.naval.com.br/blog/2023/10/16/programa-fragatas-classe-tamandare-construcao-da-primeira-embarcacao-segue-em-ritmo-acelerado/ Não estou ofendendo nem menosprezando, apenas expondo fatos e opiniões AVISO DOS EDITORES: VOCÊ E ALEXANDRE… Read more »

Glasquis7

De forma alguma, não há provocação, apenas uma constatação de que números e dinheiro gasto, não são referenciais como para avaliar uma força.

Forças, que despreza até mentindo mas, que com equipamentos similares e com muito menos orçamento, fazem o seu direitinho e cumprem a sua missão.

Trazer alguém pra realidade ou mesmo demonstrar ela, não é uma provocação, é um direito.

AVISO DOS EDITORES: REPETIMOS QUE A BRIGA E PROVOCAÇÕES MÚTUAS ENTRE VOCÊS DOIS JÁ TEM HISTÓRICO DE ANOS E NÃO ACRESCENTA NADA AO DEBATE. JÁ CHEGA. RESOLVAM ISSO TROCANDO MENSAGENS PESSOAIS, SEM ABORRECER OS DEMAIS COMENTARISTAS.

Last edited 9 meses atrás by Glasquis7
Claudio Moraes

Você e a outra criatura que comenta aqui, parecem duas crianças birrentas falando quem tem o melhor brinquedo. Todo mundo sabe das penúrias do Brasil, e no setor militar não é diferente. Isso não quer dizer que outros, sejam exemplos ou melhores que nós, porque não são. E muito menos nós somos exemplos disso ou daquilo. Coisa que deveriamos ser pela dimensão continental e importância do pais na região e no mundo. Deixo já claro aos editores que acompanho desde a muitos anos a triologia, que não quero fomentar nenhuma discussão, é só um adendo observatório. AVISO DOS EDITORES: 6… Read more »

Glasquis7

” Você e a outra criatura que comenta aqui, parecem duas crianças birrentas falando quem tem o melhor brinquedo.”

E qual a diferença com vc?

AVISO DOS EDITORES:

6 – Mantenha-se o máximo possível no tema da matéria, para o assunto não se desviar para temas totalmente desconectados do foco da discussão

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

ESSA DISCUSSÃO FORA DE TÓPICO TERMINA AQUI. PRÓXIMOS COMENTÁRIOS QUE INSISTIREM NISSO SERÃO APAGADOS SEM MAIS AVISOS.

Renato Veiga

Será que não dá pra aproveitar algo das outras sucatas Greenhalgh???? A coisa anda feia na MB.

Wilson Look

Essas imagens acabaram me lembrando de umas imagens que vi do SS Normadie.
Ainda bem que as equipes da MB conseguiram controlar o fogo e a fragata pode retornar ao porto por seus próprios meios.

Alex Barreto Cypriano

Parece que o incêndio se originou na parte elétrica. Quando foi a última troca de cabeamento e atualização das instalações? Cabeamento elétrico é traiçoeiro: se acometido de pequenos curtos nas conexões, ou submetido a correntes acima do especificado (inclusive pelo próprio curto), tornam-se resistências dissipando calor, derretendo isolamentos e daí… mas é só um palpite educado.

Wilson Look

Pode ser.

Só uma observação minha, mesmo um cabeamento novo, pode causar um incêndio, como você disse, cabeamento elétrico é traiçoeiro.

Underground

O sistema de aquisições/serviços no Brasil é na base do menor preço, em tudo. Isso resulta em baixa qualidade de materiais e serviços no mercado doméstico, mesmo que se queira adquirir qualidade. Vide o navio São Paulo.

Glasquis7

Acho que não.

A Marinha compra o que aparece e se adequa às suas necessidades ou pelo menos que ela acha que se adequa.

Ao que parece, o problema está na falta de planejamento quanto ás suas necessidades de conservação da frota e de projetos futuro e isso também se apresenta em maior ou menor grau nas outras duas forças.

Wilson Look

Não é esse o problema, a marinha faz planejamentos mas mesmo os mais modestos, não recebem aprovação do governo, ou demoram tanto para serem aprovados que a situação material já está muito pior do que deveria. Um exemplo, a marinha passou toda a década de 1920 apresentando programas para substituir seus meios, principalmente os contratorpedeiros, somente em 1932 que um programa foi aprovado e com a guerra, isso resultou em 1945 a marinha tendo apenas 4 contratorpedeiros de 1ª linha(e um deles foi retirado em 46, pelo que me lembro). Apenas em governos que tiveram algum interesse em ter uma… Read more »

Glasquis7

Desculpe mas me parece que a sua argumentação não serve pra sustentar sua colocação. Problemas que ocorreram há mais de 50 /100 anos não me parece que sirvam pra exemplificar a atual situação da força.

O que me parece é que a MB fez uma opção (errada ao meu ver) pelo PROSUB que absorve uma enorme quantidade de recursos, abandonando em certa medida o restante da frota e principalmente, abandonando projetos muito custosos que já tinham sido absorvidos como0 os Tupi.

Assim fica difícil que um orçamento cubra de forma efetiva.

Wilson Look

Tinha um programa chamado de PROSUPER, que não foi para frente, que previa a aquisição de 5 fragatas de 6 mil toneladas, 1 navio de apoio logístico e 5 navios patrulha oceânicos de 1800 toneladas, chegou-se a anunciar que a proposta italiana era a vencedora, mas depois voltaram atrás, eu diria que o erro da marinha foi terem demorado em lançar um plano B a esse programa que já dava sinais de que seria abandonado pelo governo(que já vinha empurrando com a barriga a tomada de uma decisão, que nem ocorreu com o FX-2, só que nesse tomaram uma decisão… Read more »

Glasquis7

Não sei se foi através do PROSUPER que a MB contemplou isso mas, se mal não recordo, a MB queria entre 12 e 16 até 2.030 ou 2.040 mas foi sendo declinado gradualmente até ser praticamente abandonado.

Wilson Look

Esse números são do PEAMB, que visava umas 30 escoltas até por volta de 2040, o PROSUPER seria só o primeiro lote, basicamente.

Glasquis7

Bom, de qualquer forma, me parece que continuamos com o mesmo raciocínio, falta de planejamento. Se gasta demais com PROSUB e acaba exaurindo os recursos da MB que sacrifica a frota pra ter uma base com capacidade de construção de submarinos e mais 4 Submarinos convencionais que poderiam ter sido cobertos pela construção de mais U 209 que a MB já tinha expertise em construir.

Sei que seriam incompatíveis com a construção de um Sub Nuclear mas, acho que o esse projeto, que ainda não deu resultados, não justifica o sacrifício da frota.

Mas essa é apenas a minha visão.

Wilson Look

A questão é que em 2008, havia um interesse demonstrado pelo governo em colocar o Brasil em uma posição de maior destaque internacional e isso incluia modernizar as forças armadas, nisso se falava muito em aumentar o orçamento para 2% do PIB para o ministério da defesa, o que nunca ocorreu. Sobre a aquisição de submarinos, antes do PROSUB a marinha já debatia seus próximos passos após o Tikuna e eles passavam por construir um segundo Tikuna, ou um IKL 214(sem AIP), vale destacar que nem todas as seções dos IKL eram construidas aqui. Hoje temos o privilégio de poder… Read more »

Dalton

Quanto ao “São Paulo” desde o início, foi anunciado que tratava-se de uma compra “tampão” entre a baixa do “Minas Gerais” em 2001 – que mesmo que estivesse em situação material boa não oferecia condições para operar com total segurança os então recém adquiridos A-4s – e um NAe que seria construído no país provavelmente com auxilio francês com início da construção devendo ocorrer por volta de 2015. . Para não se perder a expertise na operação de NAe ainda mais com a marinha finalmente recebendo permissão para operar aeronaves de asa fixa não se podia perder um negócio como… Read more »

IvanF

Se vc faz uma licitação bem feita, ganhar quem tem o menor preço não é problema, só precisa atender o que está no contrato e documentação anexa. Agora, se vc não fizer a papelada direito… e, claro, tem que fiscalizar durante o contrato!

Mas em relação ao ocorrido, tem que ver se foi uma intervenção mal feita, falta de manutenção, material degradado, etc.

IvanF

A nota da MB indicou isso mesmo, o incêndio foi “no compartimento do Quadro Elétrico Secundário a Ré e da Central de Distribuição Elétrica (CDE) M2.”

Mal contato, isolamento degradado, curto circuito, circuitos sobrecarregados, falha de proteções elétricas, proteções mal dimensionadas… as possibilidades são muitas!

Mas fica o aviso: seja numa fragata ou em casa, cuidem de suas instalações elétricas! E contratem profissionais de confiança, mesmo que seja um pouco mais caro.

Alex Barreto Cypriano

Subscrevo seu aviso em total concordância, mestre IvanF.

Juarez

Exatamente, e acrescente que naquele compartimento, no vídeo se vê o que parece ser um grupo gerador diesel que além de corrente elétrica tem a presença de combustível, e aínda é possível observar um QTA totalmente consumido pelas chamas e inversores, ou seja o quadro do inferno para um incêndio.

Fernando XO

Prezado Juarez, os grupos motor-gerador ficam nas praças de máquinas auxiliares, um convés abaixo… abraço.

Wilson

Nossa marinha, como sempre, muito confiável. Sua realidade é bem conhecida e mantida com muito zelo por todo seu oficialato.

Kehav

Esses Navios do Segundo Esquadrão de Escolta estão sucateados, o único Navio seguro é a Corveta Barroso que hoje encontra-se no PMG interminável. Os Comandantes querem se promover colocando esses Navios no mar, o próximo acidente vai ser na Corveta Julio de Noronha, que vem suspendendo com vários problemas, precisamos de meios novos não podemos colocar em risco a vida de militares, um navio desse é mais de 200 militares a bordo, um acidente pode matar centenas, e o pior não vai ser para resgatar um inocente ou proteger o país, vai ser para satisfazer a carreira de autoridades que… Read more »

Nilson

Bem lembrado. com a carência de meios, basta um esquadrão de escolta, um dos dois pode ser desativado, reduzindo despesas desnecessárias.

Fernando XO

Prezado Kehav, permita-me passar a minha visão pessoal, a partir da experiência que vivi, servi como Imediato da F49 e como Comandante do Segundo Esquadrão de Escolta. A situação dos navios não é boa, mas sem o atendimento dos requisitos mínimos para suspender e aval de uma inspeção de segurança do CAAML, o navio não vai para o mar. Entendo sua preocupação com segurança do pessoal e sua frustração com a situação do material… existem problemas de fato, não douro a pilula, mas atesto o profissionalismo de Comandantes e Tripulações na lida diária, em especial com a segurança… nenhum de… Read more »

Kehav

Caro Fernando, concordo com tudo que você falou, mas vivemos tempos estranhos nas FA, fui da marinha mercante e conheço muitos militares alguns participam de inspeções operativas…e a visão que passavam antes do incêndio era que o navio estava muito perigoso e que uma hora ou outra alguma coisa ia acontecer, os próprios inspetores achavam que o navio estava muito perigoso, por isso estou falando q vivemos tempos estranhos não so na marinha como tbm nas outras forças…e isso não era comum.

Mas obrigado pelos esclarecimentos de alguém tão experiente

Rinaldo Nery

Fernando, quando tua turma será julgada?

Fernando XO

Terminou agora Coronel… fizemos 13 CAlte… cordial abraço.

Glasquis7

 Corveta Barroso que hoje encontra-se no PMG interminável.”

Desculpe perguntar mas faz quanto tempo que ela entrou em PMG?

Fernando "Nunão" De Martini

Em 2019 o navio entrou em PMI (período de manutenção intermediário) e foi docado para reparos nas obras vivas:

https://www.naval.com.br/blog/2019/04/04/amrj-realiza-docagem-simultanea-de-dois-navios-no-dique-almirante-jardim/#

Depois disso o navio foi ao Líbano e chegou a receber o prêmio de eficiência em 2021:

https://www.naval.com.br/blog/2021/03/09/ndm-bahia-fragata-uniao-e-corveta-barroso-ganham-o-premio-eficiencia/

Já a última docagem de que tenho notícia foi neste ano, no atual PMG (período de manutenção geral):

https://www.marinha.mil.br/amrj/amrj-realiza-manutencao-desdecoa-corveta-baroso

Não tenho informações de quando começou o PMG, mas chuto que foi em algum momento de 2021.

Fernando XO

Correto, Nunão.

Fernando "Nunão" De Martini

Valeu, xará! 😃

Glasquis7

Então, se foi assim, a afirmação de que “ que hoje encontra-se no PMG interminável” não se sustenta.

Kehav

Glasquis7 como vai?? PMG interminável porque ele começou em 2021 e ainda não tem previsão para terminar, os PMG dos nossos navios tem histórico de começar e nunca cumprir o cronograma, por isso o interminável…o PMG da Barroso ja deveria esta acabando

Glasquis7

Entendo a sua colocação mas, me parece que ainda é cedo como para o siderar “interminável”

Marcelo Andrade

kkkkk 90% dos comentarios aqui nao se sustentam

Ivan herrera

Em 2019 incêndio, agora em 2023 novamente, essa fragata tem poder de fogo.

Nativo

Acho um belo navio, mas assusta a facilidade e intensidade do incêndio relatado.

Burgos

Lamentável 😞
Servi na “Marca da Vida”.
Mas parece que não vai conseguir fechar o seu ciclo de vida na MB se não tiver algumas peças de reposição guardada.
Após o PMG, foi dado mais 15 anos de sobrevida para a F49, mas acho que não vai conseguir alcançar o seu objetivo.

Fernando XO

Compartilho de sua tristeza, prezado Burgos, como ex-Imediato da saudosa Marca da Vida.
FA.

Burgos

Saudações Comandante;
Estamos ficando sem “meios”.
Nada de pelo menos alguma aquisição “tampão” ?
O Vovozão deu uma ideia boa e barata de umas Corvetas Japonesas que já tão parada até, e que parecem pouca usadas.
O único inconveniente é que não tem convoo.
Mas acredito que não seja fator impeditivo em se adquirir meios com boas condições de uso e muito bem conservadas.

RSmith

Mais uma que vai da baixa…

Santamariense

Deem baixa de uma vez. Esse navio já não opera seu sistema de mísseis antiaéreos Seawolf há anos. Sistemas de detecção provavelmente estão inoperantes e operando parcialmente, mesmo antes do incêndio. Sua utilidade prática nos dias atuais é nula ou bem próxima disso. Então, dá baixa logo e evita acidente mais sério.

Juarez

Prezado conterrâneo, nos avisamos aqui neste espaço a mais de 10 anos que o tempo, a verdade e principalmente a realidade iriam se abater sobre a Gloriosa”. Só faltou nos pendurar em um pau de arara, mas o tempo mais vez se fez senhor de todas as verdades.
Aínda bem que o pessoal do controle de danos está na ponta dos cascos e a boa sorte do navio de estar próximo a costa.
Enquanto isto, o responsável por tuda está situação, o “Imperador” degusta um 18 anos da sacada de seu apartamento de frente ao Leblom.

Santamariense

Pois é, Juarez. Essa situação vem se desenhando há muito tempo. Naquela época, tivemos um surto de megalomania e ideia de crescimento totalmente desapegados de qualquer embasamento lógico, prático e financeiro que resultaram na degradação firme e constante de meios e capacidades que vemos hoje. “Ah, mas tem os submarinos e as fragatas novos”…alguns litros de água em um rio de problemas.

737-800RJ

Fiquei triste ao ver as imagens. Se quem combateu o incêndio ficou surpreso…
A contratação de um segundo lote de Tamandarés agora é mais urgente do que nunca!

Gabriel

Acredito na necessidade de pontuar algumas questões. Inicialmente é claro que ninguém fica feliz com esse tipo de notícia. Porém deve ser saudado o fato do fogo ter sido combatido com eficiência e nenhum vida ter sido perdida. Como bem colocado na nota, é provável que a baixa seja antecipada, devido ao custo-benefício para tornar a Redemaker operacional novamente. Também é necessária a compreensão que acidentes e incêndios podem acontecer, como já aconteceram em navios muito mais novos. Por fim, acredito que exista uma “janela de oportunidade”, nada melhor que um incidente desse tipo para convencer quem deve ser convencido… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Complementando seu comentário (e sem querer rebater com o “copo meio cheio” numa situação em que o copo está quase vazio por conta de uma notícia péssima…): Uma das consequências do fato é que dezenas de tripulantes acumularam horas de experiência real e muito importante de combate a incêndio. O desempenho deles precisa ser avaliado, transformado em novas lições e aprimoramentos no treinamento de todas as tripulações atuais e futuras. E, principalmente no caso de resultados positivos da avaliação do desempenho das equipes, eu distribuiria esses tripulantes em mais de um navio conforme a fragata der baixa, encarregados de disseminar… Read more »

Kornet

E pensar que a MB já foi o orgulho e fascínio do Brasil.
Lembro quando começei a frequentar aqui(que só tinha o poder naval) o entusiasmo dos comentários,hoje é um misto de tristeza e perplexidade com a situação da MB.
Que bons mares venham para a MB,pois a situação está ficando crítica.

Roosevelt

Aliás lembro de uma matéria aqui nesse site sobre a possibilidade de aquisição de dois Arleigh Burke Voight II. No que deu mesmo hein?

Franz A. Neeracher

Mais uma “lenda da internet”.

BraZil

Boa tarde a todos. Parabéns para a equipe de contenção, como bem lembrou o colega Wilber Ao menos o adestramento (material humano) temos e jamais deveremos perder, pois esse é mais difícil de adquirir que equipamento.

Burgos

Caro Brazil; Boa tarde; Após o expediente o exercício de CAV é tocado diariamente em todos meios flutuantes da MB aos militares de efetivo serviço. Até fica melhor o desenrolar do exercício pq tem pouca gente a bordo podendo realizar sucessivas simulações com a maior realidade, e desenvolver durante o adestramento ora realizado a bordo. Temos simuladores de incêndio real em Parada de Lucas na AV Brasil (CAAML), para colocar esses combatentes de cara com um incêndio real já para perderem o medo pq em viagem a técnica usada pela MB é suicida (pra cima do foco de incêndio), pois… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“Nunão !!!
Boa tarde;
Taí uma sugestão de matéria.”

Tudo eu… tudo eu… 🙂

Burgos

Pode ser Galante, Franz ou Poggio !!!
Melhorou ?! 👍😏
Forte abraço

BraZil

Bom dia a todos. Obrigado Burgos pelo detalhamento, Fez-me lembrar o sargento que morreu na EACF. A despeito de talvez poder ser responsabilizado pelo descuido, (transbordo do tanque), deu a própria vida para tentar combater o fogo. Uma lástima.

Augusto José de Souza

Quando à primeira Tamandaré entrar em testes certamente ela dará baixa,seria viável revender ela para os britânicos junto com a Greenhalk para ambos virarem museu por lá e a marinha ganha uma grana para mais investimentos na class Tamandaré.

Santamariense

Greenhalgh***

BraZil

Bom dai Augusto. Vender acho impossível. Por quanto vc acha que os Britas iriam comprar. Seria uma venda simbólica. 1000 doletas, se muito. Não chega nem pro papel higiênico.

Renan

Adeus type 22
Espero que ninguém tenha sofrido ferimentos ou perdido a vida

Augusto José de Souza

Seria uma boa revender ela e a Greenhalk para os britânicos para virarem museu e usar o dinheiro para investir em mais fragatas Tamandaré e outros meios navais. As Type-22 já cumpriram sua missão agora é investir nas MEKO A-100/200(classe Tamandaré) no lugar delas e das Niterói que já tem mais de 40 anos de anos de serviço na marinha.

Santamariense

Greenhalgh***

Marcelo Andrade

Que pena, isso ocorre nas melhores Marinhas, vide na US Navy que teve que jogar fora um Porta helicópteros que pegou fogo no porto. BRAVO ZULU ao brigadistas!!!

Augusto José de Souza

Certamente essa fragata dará baixa mais rápido depois desse episódio,a marinha agora precisa já pegar as fragatas Tamandaré adicionais previstas no atual contrato e depois adquirir o segundo lote para ter substitutas a altura das Niterói e das Greenhalk.

Santamariense

Greenhalgh***

TJLopes

Em breve o Brasil contará apenas com coquetéis molotvo feito com os whiskies 18 anos do almirantado pra defender sua costa.

Pelo menos teremos os coquetéis molotov mais caros do mundo.

Parabéns à Marinha do Brasil pela competência na gestão de seus recursos materiais e financeiros!

fewoz

Só consigo lembrar de quando vemos notícias de pessoas pobres que tiveram suas casas consumidas pelo incêndio… Uma pessoa já enfrenta dificuldades e, o pouco que ainda tem, é levado. Triste.

Salomon

O fato de ter retornado após o evento já é mostra do valor e bravura da equipe. Incêndio a bordo é o pior dos acontecimentos. Mas estranhei o seguinte: “o navio saiu (sic) do Rio de Janeiro no dia 16 de outubro, navegou para oeste..”
Deve estar faltando algo, não dá para suspender da BNRJ e tomar rumo oeste.

Alexandre

O desafio de se combater um incêndio em uma coberta de navio onde além do calor intenso, os gases venenosos causados por material tóxico e a ausência de oxigênio limpo faz o incêndio no mar uma tarefa muito difícil parabéns as equipes de CAV da fragata e infelizmente ela não deve retornar ao serviço ativo seria muito bom, já que o atual ministro da defesa, que parece bastante pró ativo no reaparelhamento da FFAA pudesse conseguir dobrar o número de fragatas da classe Tamandaré, com oito escoltas daria para compensar a saída das atuais tipo 1/1 contando com a Niterói… Read more »

Augusto José de Souza

No atual contrato existem duas fragatas adicionais sendo assim seis fragatas no primeiro lote e outros lotes devem ser negociados.

Last edited 9 meses atrás by Augusto José de Souza
J.Neto

Todas as marinhas que têm sub. nucleares, são potências navais, com várias e diversificadas escoltas, Porta aviões,Porta helicopteros etc….o Brasil quer ter um SubNucl, mas não escoltas, e quando tiver,se tiver , 4 tamanduas e Barroso,parece o cara que planeja comprar Ferrari,mas mora em barraco de lona, e não vai ter dinheiro para pagar o IPVA do carango…..seria melhor ter 8 sub convencionais, 8 fragatas e 6 corvetas….

Augusto José de Souza

No atual contrato das fragatas Tamandaré existem duas adicionais ficando assim 6 fragatas no primeiro lote e com a agilidade nas suas construções outros lotes podem vir em breve e o estaleiro dos submarinos pode ser ampliado onde a marinha está negociando o segundo lote e construir os novos navios patrulha de 500 toneladas em Itaguaí e exportar os submarinos Riachuelo para outros países com Marrocos já interessado.

Fabio Araujo

As imagens são fortes, mas o fato dela voltar ao porto por meios próprios apesar dos muitos danos não deixa de ser um ponto positivo nesse infeliz acidente.