Anúncio de militares americanos no domingo (5) sobre operações da frota de submarinos é considerado raro; administração Biden tenta evitar conflito mais amplo em meio à guerra entre Israel e Hamas

Num raro anúncio, os militares dos EUA disseram que um submarino de mísseis guiados chegou ao Oriente Médio, uma mensagem de dissuasão claramente dirigida aos adversários regionais, enquanto a administração de Joe Biden tenta evitar um conflito mais amplo em meio à guerra entre Israel e Hamas.

O Comando Central dos EUA disse no domingo (5) que um submarino da classe Ohio estava entrando em sua área de responsabilidade. A imagem postada no anúncio parecia mostrar o submarino no Canal de Suez, a nordeste do Cairo.

A postagem não mencionou o nome do submarino, mas a Marinha dos EUA tem quatro submarinos de mísseis guiados da classe Ohio, ou SSGNs, que são antigos submarinos de mísseis balísticos convertidos para disparar mísseis de cruzeiro Tomahawk em vez de mísseis balísticos com ponta nuclear.

Cada SSGN pode transportar 154 mísseis de cruzeiro Tomahawk, 50% mais do que o pacote dos destroieres de mísseis guiados dos EUA e quase quatro vezes o que os mais novos submarinos de ataque da Marinha dos EUA estão armados.

Cada Tomahawk pode transportar mais de 450 kg de ogivas altamente explosivas.

“Os SSGNs podem fornecer muito poder de fogo muito rapidamente”, disse Carl Schuster, ex-diretor de operações do Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos EUA, à CNN, em 2021.

Submarino nuclear USS Florida lançando míssil de cruzeiro Tomahawk
Submarino nuclear USS Florida lançando míssil de cruzeiro Tomahawk

“Cento e cinquenta e quatro Tomahawks entregam com precisão muito poder. Nenhum oponente dos EUA pode ignorar a ameaça.”

A magnitude desse poder de fogo foi demonstrada em março de 2011, quando o submarino de mísseis guiados USS Florida disparou quase 100 Tomahawks contra alvos na Líbia durante a Operação Odyssey Dawn. O ataque marcou a primeira vez que os SSGNs foram usados ​​em combate.

Os militares raramente anunciam os movimentos ou operações da sua frota de submarinos de mísseis balísticos e guiados. Em vez disso, as embarcações movidas a energia nuclear operam em sigilo quase total.

O anúncio é uma mensagem clara de dissuasão dirigida ao Irã e aos seus representantes na região. O submarino se junta a uma série de outros meios da Marinha dos EUA já na área, incluindo dois grupos de ataque de porta-aviões e um grupo anfíbio pronto.

Em abril, a Marinha anunciou que o USS Florida, um dos dois SSGNs situados na Costa Leste, estava operando no Oriente Médio.

Em junho, a Marinha divulgou a visita à Coreia do Sul de um dos seus dois SSGN na Costa Oeste, o USS Michigan, como uma demonstração do compromisso dos EUA com os seus aliados do Indo-Pacífico.

O anúncio de um submarino com mísseis guiados na região ocorre no momento em que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, realiza uma série de reuniões com parceiros dos EUA no Oriente Médio. Numa viagem rápida, Blinken visitou a Turquia, o Iraque, Israel, a Cisjordânia, a Jordânia e Chipre.

No domingo, o secretário da Defesa, Lloyd Austin, conversou com o seu homólogo israelense, o ministro da Defesa, Yoav Gallant.

Além de enfatizar a necessidade de proteger os civis e fornecer assistência humanitária a Gaza, Austin disse que os EUA estavam empenhados em dissuadir “qualquer ator estatal ou não-estatal que procure escalar este conflito”, uma referência clara ao Irã e ao Hezbollah, o grupo grupo armado apoiado pelos iranianos.

FONTE: CNN Brasil

UPDATE: O submarino em questão é o USS Florida SSGN 728.

Subscribe
Notify of
guest

17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Allan Lemos

Os americanos estão doidos para escalar o conflito. É bem provável que o Biden esteja tentando usar a oportunidade para adquirir ganhos eleitorais e desviar a atenção do povo de seu governo desastroso e impopular. Arrastar o país para uma guerra para unir a população é receita antiga e ajudar Israel é um assunto incontroverso para os republicanos.

Burgos

Pois é !!!
Um lança míssil de teste o outro também começa a movimentar e posicionar seus meios mais radicais da face da terra e a escalada dessa Guerra fria vai subindo.
Preocupante essa situação👀

Dalton

Pelo contrário, EUA e Israel não ganham nada com o escalamento do conflito. Biden quer ser visto como alguém procurando alternativas para um cessar fogo, ajuda humanitária e
que dissuadiu o Irã de entrar no conflito.

gordo

Biden já entrou pelo cano eleitoral faz tempo, desde a invasão da Ucrânia pela Rússia. A direita dos EUA não vai votar nele mesmo com ou sem ajuda a Israel, e a dita esquerda depois dessas 4 semanas de horrores em Gaza não parece dar sinais que vai se mobilizar por Ele. Pela postura que os EUA estão tendo desde o início do conflito não me parece que estão tentado uma saída humanitária, pelo menos não aos olhos palestinos. Dado o contexto histórico, desde 1979, os EUA (establishment) torcem para ter um motivo qualificado para atacar o Irã. Israel até… Read more »

Dalton

Que Biden não é tudo aquilo já se sabia, ele precisa descansar, mas é uma situação muito diferente da junta argentina de 1982, esta sim queria permanecer no poder e teve a ótima ideia de invadir às Falklands, mas era uma ditadura. . Biden não irá a guerra sozinho o Congresso nem o povo são favoráveis a não ser que o Irã ataque daí tantos meios mobilizados pelos EUA para dissuadir o Irã. . E embora os navios na área possam oferecer ajuda, NAes por exemplo já forneceram ajuda diversas vezes no passado diante de desastres naturais, como terremotos, tsunamis,… Read more »

Bosco

Não jogue pérolas… É inútil!

Alex Barreto Cypriano

Só comento pra lembrar que um Burke comumente não carrega apenas Tomahawk LACMs, mas um mix com vários outros mísseis ASM/AAM/BDM como SM-2, SM-3, SM-6, ESSM. Dessa maneira, um SSGN totalmente dedicado à ataque em terra pode equivaler não apenas a 1,5 vezes o pacote missílico de um Burke (~8 dúzias de células VLS, com um mix de mísseis) mas 3 ou mais vezes… até acho SSGN meio desnecessário se houverem 3 ou mais Burkes por lá. Mais interessante seria contar com algum navio arsenal não tripulado comandado de um Burke ou Ticonderoga. Mas pra tocar um terror, nada como… Read more »

Dalton

Verdade Alex, e um “SSN” também não é armado com 36 “Tomahawks”, 12 lançados verticalmente e outros 24 lançados por tubos de torpedos e sim 24 torpedos. . Com o futuro USS Arizona (SSN 803) se terá 40 “Tomahawks” lançados verticalmente ou 12 “Tomahawks” dos 2 silos dianteiros e 12 grandes mísseis hipersônicos dos 4 silos atrás da vela além de 24/25 torpedos. . Provavelmente 154 mísseis não são embarcados, alguns dos silos podem transportar equipamento extra para as tropas a bordo, até 66 integrantes das “forças especiais” ou simplesmente estarem vazios especula-se que 120 seja mais próximo do real… Read more »

Bosco

Dalton,
Pode até ser que não tenha 154 Tomahawks mas não creio que seja necessário mais que dois grandes “tubos” para levar o que as forças especiais precisem.

Dalton

Por isso escrevi “extra” Bosco, pois segundo li muitos anos atrás e de duas fontes diferentes é que outros “tubos” seriam utilizados inclusive para equipamentos não existentes duas décadas atrás. . Dos 24 “tubos” originais, 22 foram convertidos para lançar 7 mísseis cada ou seja 154, mas, se outros 4 “tubos” são utilizados para equipamento extra, se tem 18 x 7 = 126 e uma das fontes discorreu que esse número poderia ser ainda menor pela alta demanda por “Tomahawks” – 2 “SSGNs” normalmente estão em missão, no momento o USS Florida da Frota do Atlântico e o USS Michigan… Read more »

Aéreo

É possível que os EUA e Israel estejam interessados que o Irã dê motivos que justifiquem um ataque a aquele pais, realizando a tão desejada destruição da infraestrutura nuclear do Irã. Aparentemente Teerã entendeu que ainda não é a hora de peitar de frente os EUA e deu o recado esta semana de que o Hamas esta sozinho nesta luta contra Israel, preservando suas forças paramilitares no norte do Líbano e na Síria. Se o Irã for aniquilado em suas principais forças que são o programa nuclear e o controle de grupos paramilitares no oriente médio, sua capacidade geopolítica se… Read more »

Rodolfo

Existem os Neocons dentro do governo que realmente querem uma desculpa para uma guerra, mas nesse momento é a última coisa que o governo americano quer. Esse conflito tirou os olhos do conflito da Ucrânia e já se fala na mídia que o Dep de Estado já admite ter que discutir um acordo entre Ucranianos e Russos para acabar com o conflito. Essa guerra no oriente médio seria uma dor de cabeça pro governo Biden que já corre o risco de perder em Nov de 2024 pro Trump, o que aumentaria se uma guerra no Oriente Médio levasse a um… Read more »

Jagder#44

Os aiatolás estão quietinhos…

Abner

Uma dúvida somente 4 foram convertidos para lançar mísseis de cruzeiro sabem o motivo ?

Era muito caro ou o já tinha um projeto para uma nova classe fazer isso?

Dalton

Houve um acordo com a Rússia sobre a quantidade de SSBNs e sobre o número de mísseis balísticos transportados, dos 24 silos originais, 4 foram definitivamente selados limitando o número para 20 mísseis com ogivas nucleares embora se especule que normalmente apenas 16 sejam embarcados e a futura classe em construção terá “apenas” 16 silos, sem no entanto haver diminuição do tamanho do submarino. . Para não “jogar fora” 4 cascos ainda em bom estado e julgando-se que seria o ideal ter 14 como “SSBNs”, para compensar 2 que normalmente estariam passando por modernização de meia vida, os 4 mais… Read more »

Last edited 8 meses atrás by daltonl
Abner

Entendi valeu pela resposta.

Sabe informar quantos submarinos os estados unidos tem ?

Dalton

O total é de 67 dos quais:
.
14 estratégicos “SSBNs” classe “Ohio” .
.
53 táticos sendo:
.
04 “SSGN” convertidos a partir de “SSBNs” classe Ohio;
.
49 “SSNs” (22 Virginias, 03 Seawolf, 24 Los Angeles)