A construção das 4 fragatas classe ‘Tamandaré’ está ficando mais cara, com praticamente um reajuste divulgado a cada ano desde a assinatura do contrato em março de 2020 . Já são 2 bilhões de reais a mais.

Fernando “Nunão” De Martini

O Poder Naval apurou, a partir dos extratos publicados no Diário Oficial da União (DOU) referentes ao programa da classe “Tamandaré”, que o valor total do contrato aumentou significativamente. O contrato passou de aproximadamente 9,1 bilhões de reais para 11,1 bilhões desde que foi assinado entre a Emgepron e a Sociedade de Propósito Específico (SPE) Águas Azuis em 4 de março de 2020.

São cerca de dois bilhões de reais adicionados ao valor do contrato até o momento, conforme as publicações no DOU, sendo que esses extratos não necessariamente são publicadas no diário logo após a assinatura – há um caso, como veremos, de vários meses entre a assinatura do reajuste e a sua divulgação no DOU. Analisamos a questão, a seguir, com mais detalhes.

Periodicamente, o Poder Naval acessa relatórios anuais de gestão da Marinha do Brasil (MB) que abordam os diversos programas em andamento. Sobre o da classe “Tamandaré”, especificamente, analisamos os relatórios de gestão anuais da Emgepron (Empresa Gerencial de Projetos Navais). Isso porque a Emgepron, empresa pública vinculada ao Ministério da Defesa por intermédio do Comando da Marinha do Brasil, é a responsável pelo programa desde que foi capitalizada em cerca de 10 bilhões e 250 milhões de reais entre 2018 e 2019.

Esse montante foi capitalizado para contratar e realizar os pagamentos tanto dos 4 navios da classe “Tamandaré” (quantia reservada de 9,5 bilhões de reais) quanto do navio polar Almirante Saldanha (quantia reservada de 750 milhões de reais) atualmente também em construção.

Essa pesquisa periódica rendeu matéria bastante detalhada sobre todo o processo de viabilização da classe Tamandaré, publicada pelo Poder Naval em 15 de julho de 2022. Clique no link abaixo para acessar.

Classe Tamandaré: contrato foi reajustado para mais de 11 bilhões de reais no ano passado

Porém, um termo aditivo ao contrato foi assinado quase no mesmo dia da publicação da matéria acima, informação não entrou na matéria. O motivo de não ter entrado é porque sua publicação no Diário Oficial da União (DOU) deu-se apenas no início do mês seguinte, em 2 de agosto de 2022. Mas antes tarde do que nunca: o aditivo foi  devidamente “captado” pelo nosso radar, em suas voltas periódicas para cobrir novidades desse programa. E a notícia é preocupante, pois o contrato para os 4 navios foi reajustado para 11 bilhões e 104 milhões de reais. Segue abaixo o texto integral do extrato do termo aditivo e a captura de tela da publicação no DOU:

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO
Publicado em: 02/08/2022 | Edição: 145 | Seção: 3 | Página: 35

Órgão: Ministério da Defesa/Comando da Marinha/Empresa Gerencial de Projetos Navais

EXTRATO DE TERMO ADITIVO Nº EGPN-27/2020-003/01

Número do Processo NUP: 61984.002697/2019-30; Contratante: Empresa Gerencial de Projetos Navais – EMGEPRON, CNPJ n.º 27.816.487/0001-31; Contratada: ÁGUAS AZUIS CONSTRUÇÃO NAVAL SPE LTDA.; CNPJ n.º 36.277.163/0001-63; Espécie: Primeiro Termo Aditivo ao Contrato nº EGPN-27/2020-003/00; Objeto: Modificação dos Apêndices: B (Cronograma do Contrato), C (Formação do Preço), F (Cronograma Físico e Financeiro e das Garantias) e AC (Estrutura Analítica do Programa) do Contrato Inicial; Valor do Contrato Atualizado: R$ 11.104.613.932,36; Prazo de Execução: 04/03/2020 à 03/01/2030; Data de Assinatura: 14/07/2022.

Este foi o primeiro termo aditivo do programa, mas não o primeiro reajuste. Em agosto de 2020 foi assinado um “apostilamento” (tipo de reajuste que prescinde de assinatura de termo aditivo por não haver alterações de cláusulas) em que o contrato original foi reajustado em quase 500 milhões de reais. Veja abaixo o extrato do apostilamento, que só foi publicado no DOU em janeiro do ano seguinte, ou seja, quase 5 meses após a assinatura desse reajuste:

Para comparação, o valor do contrato original assinado em 4 de março de 2020 foi de 9 bilhões e 98 milhões de reais, como se pode verificar na captura de tela, abaixo, da publicação original no DOU:

Em resumo, são praticamente 2 bilhões de reais de diferença entre o contrato original de 9,1 bilhões de reais, de 2020, e o valor atual de R$ 11,1 bilhões, conforme os reajustes divulgados no DOU em 2021 e 2022. Isso considerando não ter ocorrido assinatura de novo reajuste neste ano – ao menos não localizamos nova publicação a respeito no DOU, até o momento de publicação desta matéria. Como vimos, pode haver uma separação de meses entre a assinatura e a sua publicação no Diário Oficial da União.

Concepção artística da fragata classe Tamandaré

Fazendo as contas

Com isso, na chamada “conta de padaria” que muitos usam para comparar com o custo unitário de contratos pelo mundo afora (que é a divisão do valor total do contrato pelo número de navios, ainda que os contratos possam incluir outros itens como treinamento, transferência de tecnologia, logística inicial etc) o valor de cada uma das 4 fragatas cresceu consideravelmente, tanto em reais quanto em dólares, moeda em geral utilizada nessas comparações (embora boa parte do custo dos itens importados para a classe “Tamandaré” seja em euros). Passou de 2,27 bilhões de reais por navio em março de 2020, equivalentes a quase 430 milhões de dólares ao câmbio daquele dia (R$ 5,3 para US$ 1), para R$ 2,77 bilhões em 14 de julho de 2022, ou cerca de US$ 508 milhões ao câmbio daquela data (R$ 5,45 para US$ 1).

Ao câmbio mais recente (flutuando em cerca de R$5 para US$1, ainda que nos últimos dias tenha chegado próximo a 4,90 para 1) os 2,77 bilhões de reais por navio equivalem a aproximadamente 555 milhões de dólares nesta “conta de padaria”, e o contrato completo bate em cerca de 2,2 bilhões de dólares.

Em euros, as conversões são as seguintes para cada navio (ainda considerando a conta grosseira de dividir o valor total por 4): 450 milhões de euros quando da assinatura do contrato em março de 2020, 506 milhões de euros ao ser assinado o último reajuste em julho de 2022, e 518 milhões de euros cada navio ao câmbio do final de outubro deste ano.

O contrato completo de 11,1 bilhões de reais, hoje, equivale a cerca de 2,75 bilhões de euros. A conclusão é que os navios estão ficando caros, tanto em reais para o bolso do contribuinte, quanto em dólares e euros na comparação com outras classes de navios e contratos internacionais.

Modelo da fragata classe Tamandaré em foto de 2020

Copo (ou cofre) meio cheio ou meio vazio?

Se há algo de positivo em relação às publicações no DOU, tudo indica que o programa continua a cumprir os prazos. Ainda que o extrato de termo aditivo mais recente mencione alteração em anexo do contrato sobre o “Cronograma Físico e Financeiro”, nele o prazo final para execução continua o mesmo desde a assinatura original em 2020: dia 3 de janeiro de 2030.

Porém, preocupa o fato de que o valor da capitalização da Emgepron destinado ao contrato das fragatas foi de 9,5 bilhões de reais, ou seja, há uma diferença de 1,6 bilhão entre essa reserva original e o contrato reajustado para 11,1 bilhões (o total da capitalização foi de cerca de 10,25 bilhões de reais pois incluiu o navio-polar, como vimos).

A Emgepron, conforme noticiado mais de uma vez neste site, aplicou o valor capitalizado para não sofrer perdas com a inflação durante o período de pagamentos do contrato.  O valor disponível, porém, logicamente vai diminuindo conforme os pagamentos são feitos à SPE Águas Azuis.

Pode-se fazer um cálculo aproximado do quanto já foi pago e o quanto ainda restava pagar, menos até 31 de dezembro de 2022. E também é possível ter uma ideia, grosso modo, do rendimento anual das aplicações do montante da capitalização, a partir das informações dos relatórios de gestão da Emgepron publicados entre 2020 (ano de assinatura do contrato) e 2022 (ano das informações do último relatório).

Modelo da fragata classe Tamandaré 

Fazendo mais contas

Em 2020, o pagamento à SPE Águas Azuis foi relativamente pequeno. Em parte, acreditamos que isso se deu porque o contrato, assinado em 4 de março, entrou em execução apenas em 4 de setembro, “após terem sido cumpridas as condições de eficácia previstas”, segundo o relatório de 2021, restando poucs meses naque ano para a execução. Só então foi iniciado oficialmente o cronograma de atividades. O relatório de 2020 menciona a realização de apenas 95,7 milhões de reais para o programa das fragatas, em relação ao originariamente orçado de 1 bilhão e 526 milhões de reais, devido a “problemas enfrentados pelo Consórcio Águas Azuis em 2020, atrasando a etapa inicial do contrato e levando a EMGEPRON a executar menos que o previsto”.

Supomos que os problemas tenham ocorrido devido ao primeiro ano da Pandemia do Coronavírus, que afetou todas as cadeias de produção globais. Conforme o relatório, “a execução dos valores orçados foi postergada para o exercício de 2021”.

De fato, no ano de 2021 foi executado um total de 1 bilhão e 106 milhões de reais para o programa das fragatas classe Tamandaré. Já no ano de 2022, a Emgepron informou a execução de 2,25 bilhões de reais no programa.

Assim, segundo as informações dos relatórios de 2020 a 2022, a soma dos valores repassados à SPE Águas Azuis para a construção das 4 fragatas chegou a aproximadamente 3 bilhões e 451 milhões de reais em 31 de dezembro do ano passado. Como o contrato atualmente está em 11,1 bilhão de reais com os reajustes já mencionados, faltaria pagar cerca de 7,6 bilhões.

Porém, originariamente o valor destinado ao programa era de 9,5 bilhões, e na “conta de padaria” entre esse valor e o que já foi pago, restariam apenas uns 6 bilhões de reais em caixa ao final do ano passado.

Na verdade, restou consideravelmente mais do que isso disponível: a Emgepron relatou que em 31 de dezembro de 2022 tinha em caixa, para o programa das fragatas classe Tamandaré, um total de 6,96 bilhões de reais. Isso representa cerca de 900 milhões a mais do que haveria na conta simples em que se desconta os 3,45 bilhões pagos dos 9,5 bilhões reservados. A diferença é o rendimento do valor aplicado ao longo dos anos.

Isso fica mais claro ao olhar o quadro apresentado no relatório de 2022, no caso um quadro focado apenas no caixa do ano passado:

Percebe-se que, entre 31 de dezembro de 2021 e 31 de dezembro de 2022, o valor reservado para o programa das fragatas classe Tamandaré (PFCT) caiu de 8,6 bilhões para cerca de 6,9 bilhões, ou seja, 1,7 bilhão a menos. Porém, como vimos, no mesmo relatório a empresa informou ter repassado à SPE Águas Azuis 2,25 bilhões de reais. Assim, há uma diferença positiva de pouco mais de 500 milhões (2,25 bi – 1,7 bi) entre o que deixou o caixa e o que deveria estar lá. Essa diferença, ao que tudo indica, é o rendimento das aplicações financeiras, ao longo de 2022, do valor reservado ao programa.

Obviamente, a porcentagem dos ganhos pode variar ano a ano, mas esses cerca de 500 milhões de rendimentos em 1 ano servem de parâmetro.

Pode-se fazer uma conta semelhante sobre o ano de 2021: se teoricamente havia 9,4 bilhões ainda em caixa após os 95 milhões pagos em 2020, e ao longo de 2021 foram pagos 1,1 bi (conforme o relatório de 2021, como já vimos), deveria haver 8,3 bilhões em caixa em 31 de dezembro de 2021. Mas, conforme o quadro acima, havia 8,6 bi, ou 300 milhões a mais. Ou seja, mais um parâmetro para rendimento em 1 ano: cerca de 300 milhões. Na média dos dois anos, temos 400 milhões de reais de rendimento anual.

Como resultado das aplicações, um “rombo” que poderia ser de 1,6 bilhões entre o valor originariamente reservado de 9,5 bilhões e o valor reajustado do contrato, atualmente em 11,1 bilhões, é bem menor. Como vimos, em 31 de dezembro a Emgepron tinha em caixa para o programa da classe Tamandaré 6,9 bi, e uma projeção de pagamentos de 7,6 bi divididos entre os próximos anos (11,1 bilhões do contrato atual menos os 3,45 pagos). Nessa conta, o “rombo” é de cerca de 700 milhões de reais, ou menos de 50% do “rombo” se o montante não estivesse aplicado.

Potencialmente, essa diferença de 700 milhões será coberta pelo resultado das aplicações financeiras ao longo dos anos que ainda restam para os pagamentos. Ainda que o valor total aplicado caia, e junto com ele o rendimento anual (e nessa lógica o rendimento será menor do que os 500 milhões que aferimos em 2022, ou mesmo que os 300 milhões de 2021, pois há diversas variáveis envolvidas), consideramos plausível que as contas batam ao final do período. Mas em caso de novos reajustes dificilmente o rendimento das aplicações bastará para cobrir a diferença.

Ainda que não haja novos reajustes e que, hipoteticamente, os rendimentos do montante aplicado bastem para cobrir os pagamentos do contrato de 11,1 bilhões de reais, fica o gosto amargo de uma reflexão: caso os reajustes no contrato não tivessem chegado a cerca de 2 bilhões em relação aos 9,1 bi iniciais, esses rendimentos poderiam reverter em equipamentos adicionais para os navios, por exemplo.

TAMANDARÉ A-150.jpg
Opções de equipamentos para a fragata leve Meko A100, projeto do qual descende a fragata classe Tamandaré

Fazendo perguntas

As conclusões acima são nossas, baseadas no que temos de informações disponíveis nos relatórios de gestão e nas publicações do Diário Oficial da União. O ideal é que dúvidas como estas possam ser respondidas pela própria Emgepron, mesmo porque extratos do DOU carecem de detalhamentos.

Será que os rendimentos do valor capitalizado, ainda esperados para os próximos anos, realmente cobrirão o aumento em relação ao valor original? Ou será necessário aumentar a capitalização da Emgepron, ou mesmo outro tipo de operação para cobrir uma eventual diferença?

Por que foi necessário aumentar o valor do contrato, primeiro em cerca de 0,5 bilhão, depois em pouco mais de 1,5 bi, passando dos 9,1 bilhões contratados em março de 2020 para os 11,1 bilhões conforme o último reajuste de julho de 2022?

Foram questões de ordem técnica, como mudanças nos equipamentos, ou foram reajustes relacionados à inflação dos produtos de defesa em todo o mundo, que ocorreram devido à Pandemia e à Guerra na Ucrânia? Ou foram ajustes relacionados ao câmbio? Pode-se esperar novos reajustes?

Enviamos perguntas como estas acima à Emgepron

Após uma semana do envio das perguntas, ainda não obtivemos respostas, então decidimos publicar esta matéria sem elas. Quando a empresa nos enviar as respostas aos questionamentos enviados, publicaremos no Poder Naval para complementar os fatos aqui mostrados aos nossos leitores.

Fragata Tamandaré em construção – foto divulgada em outubro de 2023
Modelo da fragata classe Tamandaré na LAAD 2023
Subscribe
Notify of
guest

291 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Henrique A

Seria interessante saber se é possível mensurar o quão mais caras ou baratas seriam as FT feitas aqui se fossem feitas na Europa.

Camargoer.

Olá Henrique. Esta é um conta mais complexa. Primeiro, porque o governo está pagando em reais. Quem faz as aquisições em moeda estrangeira é são as empresas contratadas. Isso reduz o custo financeiro para o Tesouro. Outro ponto é que o objetivo é um índice de nacionalização de 40% para todo o programa. Isso significa que para o balanço de pagamentos, há menor desembolso de divisas, as quais ficam disponíveis para o financiamento de outros ítens da balança comercial, O Brasil tem uma complexa demandas de importações. Outro ponto é que precisa ser calculado é o peso de quanto da… Read more »

Sou patriota mas não sou cego

Afora as corretas ponderações do Camargoer, resta saber o porquê de todos os projetos de TOT da Marinha, como as aquisições de porta-aviões e aquisição e reforma de aviões obsoletos sempre resultam em altíssimos custos e baixa relação custo benefício. Por quê será?

Alexandre Canhetti

A conta e sim o que saiu do governo! Os empregos e os impostos seriam pagos anyway por outra empresa.

Beckham

Pra quem ver…os gastos foram e estão sendo enormes com a gestão operacional. Visto que o foram gastos enormes com a revitalização de um porto em SC, podendo ser feito revitalização do AMRJ. Mas optaram simplesmente ser lá por conta do AMRJ ser esquadra e o EMGEPRON ser vice. Por conta disso, um custo operacional de mais de 50milhoes/ano é incluso.

Vitor Botafogo

Pode ter certeza que seria 20-30% mais barato. Não tem logística de envio de material e não tem custo brasil no meio. O Aço no Brasil é mais caro também a não ser que seja importado da China. Essa proporção ainda é maior comparada com navios mercantes e voltados pra indústria de offshore. Todo mundo na industria sabe disso.

Camargoer.

Vitor. Eu não sei, Os sensores e sistema de armas seria os mesmos. Não faz sentido imaginar que o fabricante do radar venderia o equipamento mais barato para um país europeu que para o Brasil. Outro questão é lembrar que os salários dos funcionários de estaleiros europeus é maior que os salários no Brasil. Então, a fração que está sendo paga para os salários no Brasil seria maior em um estaleiro europeu. Também seria necessário considerar que o valor dos componentes e dispositivos fabricados no Brasil deveriam ser necessariamente mais caros que os similares europeus. Não faz sentido. A única… Read more »

RSmith

Sr. Botafogo.. tudo que alega pode ser verdade… porém as vantagem para o Brasil indicadas pelo Sr. Camargoer também são… colocado na balança acredito sempre será vantajoso para o Brasil construir aqui mesmo….

João

Isso tudo pq estamos falando de um navio mal armado. O número de mísseis antiaéreos e antinavios é abaixo do ideal para um combate de saturação. Isso sem falar na defesa de ponto. A MB sendo a MB!

FELIPE

8 misseis antinavio e 12 misseis antiaereos está dentro do padrão regional, ou há algum país por aqui perto que destoe disso ?

JOAO

E desde quando as ameaças ao Brasil são regionais? Quem na Europa repete vez e outra que a Amazônia tem que ser internacionalizada? Vamos lutar contra o Uruguai? A Argentina? Ou precisamos defender nossas rotas marítimas no atlântico?

adriano Madureira

As pessoas acham que há ameaças ao Brasil na américa do sul, quando a verdadeira ameaça está do outro lado do atlântico e bem acima do mar do caribe…

comment image

JOAO

Não há amizade entre as nações. Há apenas interesses em comum. Isso serve para TODOS. Inclusive para o bonzinho oriental.

jean fran

brasil nao e ameacada por nehuma nacao no mundo .

rui mendes

Mesmo, mas eles gostavam, ao que parece.

Ciclope

Não são 8 mísseis anti-navio, são 4.

Camargoer.

Caro. Os mísseis anti navio dependerão do tipo de lançador. As FCT serão entregues com dois lançadores duplos mas eles poderão ser trocados por lançadores maiores. Isso já está bem discutido aqui. Pelo que sabíamos, os navios terão espaço e capacidade de levar lançadores maiores.

Nativo

Nosso vizinhos não podem ser a medida para a nossa defesa.
Devemos fazer como o pequeno sry lanka ” nossa defesa deve estar apata a reponde as grandes potências “.

RSmith

concordo com vc nesse quesito João… porem temos que lembrar que esse armamento pode ser modificado! as Tamandare’s tem espaço para serem muito bem armadas… claro isso não se faz da noite para o dia mais o importante é que elas tem essa espaço para evoluir no armamento caso assim seja decidido…

jean fran

se sairem com esse armamento ja e tanto , vao ampliar nada , ainda vai demorar uma decada para ter 4 mini fragatas

Bardini

Importar os Escoltas, dentro de um montante de dinheiro que existia, significaria ter condições de negociação extremamente agressivas, em favor da MB. . Além dos custos, os prazos seriam menores… . E prazo menor, significa ter menores complicações financeiras no trato do dinheiro, bem como navios disponíveis em menor tempo, amenizando a situação de uma Esquadra que vem deixando de existir. . Nosso foco, deveria ter sido o de fazer aqui os navios simples e baratos, que são muito necessários e que tem elevada quantidade de conteúdo nacional, dada a pequena quantidade de sistemas e componentes importados, se comparados com… Read more »

Vitor Botafogo

Concordo! Aqui podemos fazer Navio Patrulha e Navio Patrulha Oceânico e até mesmo navio de abastecimento. Mas construir escoltas já é um desafio e um custo maior, principalmente sabendo que o orçamento esta sujeito a contingenciamento o tempo todo e a situação economica do Brasil esta deteriorando. A Estratégia da MB de tirar essa construção do Orçamento e capitalizar a Emgepron pode ter sido a jogada de mestre pra evitar isso, mas vamos ver até que ponto será possível.
Acredito que as escoltas de maior porte deveriam ser construídas la fora.

jean fran

nao esqueca que o brasil e um pais de super faturamento e super atrasos, seria melhor ir na fincantieri pagar e ter certeca de prazo e valores finais, brasil casa da ineficienca .

LeoRezende

Nunca concordei tanto com o senhor.

Juarez

Concordo, e acrescento:
Talvez um.dos maiores problemas gerador de custos foi inventarem uma Meko 100 com 3500 tons. Imagino a quantidade de modificações no projeto e o custo disto.
Como disse um colega, eu não me surpreendo com MB

Willber Rodrigues

Considerando-se qu, pra todos os efeitos, não temos indústria naval, pode apostar seu couro que ficaria MUITO mais caro ser feitos aqui…

Joao

Prezado

Os custos no Brasil são muito difíceis.
Tenho amigo dono de empresa que está no projeto Tamandaré.
É muito difícil…
Os preços aumentam muito do material.
O cronograma muda muito.
As próprias guerras alteram as disponibilidades do que se precisará para construí-las.

Difícil…

Marcos

Henrique, concordo com seu comentário; sem mais delongas, qual seria o preço destas embarcações caso encomendadas no exterior, simples assim. Os desdobramentos ficam por conta de análise posterior. Desde já agradeço por aqueles que puderem contribuir com está informação.

Antonio Cançado

Pra absolutamente nada!
O dinheiro jogado fora mais jogado fora que eu já vi…

Snake

Cara vc só fala bobagem, pelo amor de Deus

Camargoer.

Ola Nunão. Parabéns pelo trabalho. Muito bom mesmo.

Eventualmente, as perguntar poderiam ser levadas também para o comando da MB.

A comunicação social do programa FCT é bem mequetrefe. Ainda esperamos as fotos da construção das FCT.

Santamariense

Você só fala da Comunicação Social das FFAA como sendo mequetrefe, mas não fala nada da demora de meses para a IN/DOU publicar os aditivos do contrato.

Diego

Digno de nota aqui e o fato de ele nunca te responder, não pela falta de argumentos,mas sim a maneira afrontosa ao qual você sempre se coloca.
Sem mais…

Santamariense

Ora, por favor. Aqui não é um chá de comadres. As minhas posições são diretas e francas. E se ele não responde, não faz a menor diferença. Não escrevo para que me respondam, escrevo para colocar minhas posições e oposições. Se gostam, ou não, não interessa. Sem mais …

Diego

rui mendes

É assim mesmo, sem medo de deslikes, não responderem, dar nossa opinião, sem pensar se gostam ou não, desde que não haja falta de educação e mencinar mentiras, porque são o que queriamos que fosse verdade.

Alex Barreto Cypriano

É o caos legado pelo desgoverno Temer/Bolsonaro: LOA tem que ser aprovada sempre no ano anterior mas teve ano sob o coiso (verdade que sob pressão de pandemia, inclusive pra furar o teto de gastos várias vezes) que a LOA só foi aprovada muitos meses depois de iniciado o ano…

Felipe Morais

LOA de cada ano, entre 2010 a 2023: Lei nº 14.535 de 17/01/2023 Lei nº 14.303 de 21/01/2022 Lei nº 14.144 de 22/04/2021 Lei nº 13.978 de 17/01/2020 Lei nº 13.808 de 15/01/2019 Lei nº 13.587 de 02/01/2018 Lei nº 13.414 de 10/01/2017 Lei nº 13.255 de 14/01/2016 Lei nº 13.115 de 20/04/2015 Lei nº 12.952 de 20/01/2014 Lei n° 12.798, de 04/04/2013 Lei n° 12.595, de 19/01/2012 Lei nº 12.381, de 09/02/2011 Lei nº 12.214, de 26/01/2010 Atrasos na aprovação da LOA não são peculiaridade das gestões citadas. Um simples google evitaria esse comentário. Alias, como você sabe, a… Read more »

Rinaldo Nery

Viés ideológico. Quando ele postou “governo do coiso” ficou muito claro.

Alex Barreto Cypriano

Viés literário. Referi-me aa analogia de um personagem presente em Rainha Lira de Roberto Schwarz com Bolsonaro.

Moriah

Complicado… Já fica difícil pensar em mais 2…

Camargoer.

Caro. O problema é que tanto a MB quanto da FAB são subfinanciados em suas demandas de investimento e custeio. Não dá mais para sustentar o EB com 50% dos recursos e a FAB e a MB com 25% cada. A FAB e a MB precisam de 30~35% do orçamento cada.

Adriano RA

Qual foi a inflação, em dólares, no período? Não bate com o aumento relatado na matéria?

Camargoer.

A inflação em dolar entre 04 de março de 2020 e 10 de novembro de 2023 foi de 19,4%, 18,4% em euros e 25,8% em reais.

Miguel Felicio

Li “não me lembro onde” ontem (10/11) que a FAB, VAI AUMENTAR O NÚMERO DE OFICIAIS GENERAIS…….alguém pode confirmar se procede, para mim, mais um descalabro.

Camargoer.

É o tipo da notícia que eu nem tenho vontade de confirmar… Vão contra tudo o que a gente discute há anos.

Miguel Felicio

Citei aqui, apenas para tentar mostrar que se falta dinheiro, todos sabem para onde vai, pois meu dinheiro é ganho de forma suada para doar para esse fim……todas as três forças tem oficiais generais demais da conta,….ou não?!

Edu

A continuar assim é mais fácil pensar em menos 1 e ficar em 3 do que em mais 2…

Camargoer.

Caro. Pelo contrário. O fato dos recursos terem sido aplicados protegeu os recursos, garantindo a viabilidade financeira do programa. A pergunta que o Nunão fez, e aguardamos, é quando do reajuste foi decorrente da inflação no período, do reajuste dos preços dos fornecedores ou foi resultado de uma mudança na especificação dos sistemas do navio.

É preciso entender isso para poder avaliar a dinâmica dos preços do navio.

Adriano RA

Perfeito!

Santamariense

Fique claro que o contrato atual NÃO prevê aditivo para unidades adicionais. Se a MB quiser mais unidades dessas fragatas vai ter que negociar outro contrato.

Last edited 8 meses atrás by Santamariense
ChinEs

Esse custo aumentou porque ao inves de serem 4, no final seram 6 Fragatas, de 9 para 11 bilhões de Reais, aumentando mais 2 navios aos 4 inicialmente contratados.

Wellington R. Soares

Seria muito bom se fossem 6 mesmo, mas serão apenas quatro mesmo =(

FELIPE

Com certeza serão 6, basta o primeiro navio ser aprovado no mar

Santamariense

Para serem 6, a MB vai precisar negociar outro contrato. Esse atual não prevê aditivos.

Wilson

Fácil de resolver. É só mandar embora 10% dos oficiais que, em 20 anos de economia, ainda sobra dinheiro para mais um contrato (e ainda vai ter gente demais!). Obrigado pelas informações.

Last edited 8 meses atrás by Wilson
Vitor Botafogo

comentário ingênuo de quem não sabe muito do que esta falando infelizmente.

Enzo Magno Donato Vernille

Só eu que acho que essas soluções mirabolantes do tipo “manda embora oficiais/efetivo” parecem tão úteis como “Proibam jogos violentos porque aí vai diminuir o crime”?

Parece só um bode expiatório, uma solução fácil que foge do cerne do problema

Camargoer.

Mais ou menos. A gente sabe que as forças armadas tem um efetivo inchado, que pesa tando nos gastos dos ativos quanto nos inativos. O maior gasto do MinDef é com o pensões e aposentadorias. O MinDef é o ministério com mais pensões, superando o MEC que tem praticamente o mesmo número de servidores. Há um problema com a estrutura de gastos militares e principalmente com a estrutura previdenciária. Uma vez, fiz uma estimativa do efetivo da MB considerando todas as tripulações do inventaŕio da MB, uma divisão de fuzileiros, mantendo o sistema administrativo, de manutenção, saúde, ensino e pesquisa.… Read more »

Salomon

Terceiriza os dentistas e correlatos. Contrata só gente da atividade-fim. Já é um adianto.

Camargoer.

Ola Salomon. Eu não sei qual a quantidade de oficiais da área de saúde na MB. È uma boa pergunta. Provavelmente é pequeno. Uma coisa que é preciso ser repensada é a existência dos “Colégios MIlitares”. Eles foram criados em um período no qual o ensino público era praticamente inexistente. O EB possui 14 colégios para ensino fundamental e médio. Não faz sentido. O primeiro Colégio Militar foi fundado em 1889, por D.Pedro II (um pouco antes de ser derrubado pelos militares). Neste período, o ensino público era inexistente no Brasil. Não dá mais para sustentar um sistema militar perdulário… Read more »

FELIPE

Faz todo sentido, filhos de militares são prejudicados com as constantes mudanças de cidade dos pais, dentre outros fatores.

Fernando Vieira

Diversas empresas privadas fazem a mesma coisa com seus funcionários. Ganham um bom salário e colégio particular tem em toda cidade. O ensino público também alcança todo o país. Só escolher. O maior prejuízo, que seria o da mudança, é inevitável.

Gabriel

O que tem haver assunto Sistema Colégio Militar com custos da Classe Tamandaré? Mas já que o assunto é educação, é compreensível o ranço, afinal quem só conseguiu piorar a educação nos últimos 30 anos usando o pensamento do “Paulinho” não vai gostar mesmo de uma educação que não usa essa ideologia e que funciona. Conveniente também é omitir que mais de 95% dos alunos seguem carreira civil e não militar e quase 50% dos alunos não são filhos de militares. Nem vou comentar que quase 70% dos professores são civis. Nem vou me ater a analisar resultados em olimpíadas… Read more »

Camargoer.

Caro. É apenas um dos vários desvios de função das forças armadas brasileiras que as tornam perdulárias, anacrônicas, mal equipadas e mal treinadas. Não faz sentido o MInistério da Defesa manter escolas de ensino fundamental e ensino médio. Isso mostra que o problema de financiamento das forças armadas é muito mais que “falta de verbas”, mas é fundamentalmente um problema estrutural. O foco é “financiamento para aquisição e operação de meios de combate”, portanto o foco da matéria é “orçamento de defesa”. O orçamento do MinDef inclui gastos com inativos (maior conta), gastos com ativos, gastos de custeio, aquisição e… Read more »

LeoRezende

Faz sentido pq mostra como a coisa pública deve ser tratada e o resultado que acontece quando assim é feito.
Faz sentido pq funciona como um exemplo prático.Um bom exemplo.
Pode até não ser a atividade-fim do MinDef,mas talvez seja o seu melhor investimento.

Joao

Desvio de função?????
Qual missão q as FFAA não cumprem?
Vc é um desses que fala mal, sem saber o mínimo.
Vista a farda.

AVISO DOS EDITORES: MANTENHA O RESPEITO.
DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATAQUES PESSOAIS.

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Joao

Militares são movimentados o ano todo.
Chegam nas cidades quando não há mais possibilidade de matrícula no sistema de ensino local.
Os níveis educacionais pelo Brasil são extremamente diferentes, a padronização do ensino nos CM, permite que os filhos dos militares não percam ano.
Fala do que não conhece.
Diz q as forças são mal treinadas, mas desconhece nosso preparo.
Ignora que nossas tropas sempre se destacam em todos os intercâmbios e cursos com potências experientes em combate.
Ignora, que quando é subempregada fazendo o serviço das outras instituições, faz muito melhor.

Qual missão não foi cumprida?

Nativo

Curioso pra saber ondeo o “paulinho ” escreveu contra o hino, contra o respeito ao próximo, desobediência, apoio a baderna.
A ideologia do paulinho não funciona exatamente por querer muita humanidade da até nojo.

Santamariense

Qual o privilégio de um Colégio Militar??? Essas instituições não são direcionadas à ninguém. Qualquer um pode estudar em Colégio Militar. E sao escolas de excelente qualidade. Tem muito a ser revisto e modificado nas FFAA mas os CM são instituições de excelência. Me admira muito alguém que afirma ser professor escrever algo assim.

Rinaldo Nery

Você quer destruir o pouco de bom que resta do ensino _____ do Brasil?

EDITADO. MANTENHA O BLOG LIMPO.

Joao

Perdulário?
Onde?

Privilegiado?
Onde?
No Colégio Militar? Que da estudo aos filhos de militares q servem em guarnições onde não há ensino público? Que da um bom ensino aos filhos de militares q são movimentados pra longe de suas famílias, e uma escola pro filho é o mínimo, pra quem vai trabalhar mais do q o dobro de horas por semana do q um trabalhador normal?
Ou é privilégio, pq os alunos são bem melhores dos que os de fora?

Sua falácia é enojante

Vitor Botafogo

se passar esse gasto pro GF em vez do MinDef sabe o que vai acontecer? Nada. Vão repassar custeio de despesas operacionais e investimento minguado

Joao

Mais uma vez, sua estimativa está incorreta. Esquece que a MB também é guarda costeira, com um litoral enorme e densamente povoado. Da mesma foram, uma extensa rede fluvial, também densamente povoada e principal “estrada” em mais da metade do Brasil. Esquece também, que dado os rios do Brasil, também há enorme necessidade de meios fluviais e Gpt Op de FN. Além disso, pra isso tudo, a MB também é Autoridade Marítima. Isso, por si só, já difere a necessidade de pessoal. A cereja do bolo é a 2ª Esquadra criada pelo MD Nelson Jobim, q exigiu enorme contratação, e… Read more »

Camargoer.

Olá João. Eu já publiquei um comentário detalhando como fiz a estimativa, mostrando os números com detalhes. Já expliquei inúmeras vezes de modo mais simplificado como fiz a estimativa,

Você pode pesquisar e vai encontrar. Daí a gente pode debater.

OU vocẽ pode fazer a sua estimativa. Seria bom também.

Fica claro que vocẽ não leu aquele meu comentário, porque eu considerei todos os pontos que vocẽ menciona…. “b’ora pesquisar!”

Joao

Li sim.
Estava errado!!!

Pesquise e estude melhor e mais.

Rinaldo Nery

Tem q apresentar esse estudo na Escola de Guerra Naval, no curso de Política e Estratégia Marítima. Quem sabe convença alguém…

Joao

______

COMENTÁRIO APAGADO. MANTENHA O RESPEITO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATAQUES PESSOAIS.

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rinaldo Nery

Amigo, eu sou Cel Av R1 da FAB. O professor, embora muito interessado, às vezes, escreve muita bobagem por conta do viés de esquerda que ele tem. É professor universitário em São Carlos, e já ______________________
Aliás, se declarar-se de direita, não progride na universidade. Isso é sabido.

COMENTÁRIO EDITADO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATACAR AS PESSOAS.

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Vitor Botafogo

tem gente que é paga pra postar isso. E são muitos.

Gabriel Moreira

Falando em contas de padaria, quanto custa uma fragata moderna construída lá fora? Quanto pagamos a mais pela tal transferência de tecnologia? Não seria mais viável trocar produtos que fazemos aqui, como o KC390, em troca de navios feitos lá fora (com os coreanos, por exemplo)? Foi feito um gasto imenso apenas para se preparar a estrutura para se construir essas fragatas, sendo que serão no máximo 4!!!É a mesma coisa do Prosub…fizeram uma estrutura imensa, com túnel e tal, para se fazer 4 submarinos e ficar por isso mesmo…

Camargoer.

Olá Gabriel. A licitação das FCT foi feita por meio de preço total. No caso, isso inclui a construção dos 4 navios e da transferẽncia de tecnologia do Sistema de Gerenciamento de de Combate (CMS) e do Sistema de Gerenciamento Integrado da Plataforma (IPMS). Junto com o contrato de aquisição das fragatas, que inclui a ToT, existe um outro contrato relacionado ao Acordo de Compensação. No relatório da FAB há informação do valor dos contratos de compensação, mas não encontrei o valor do contrato de compensação no programa das FCT. No caso do Fx2, o contrato de compensação é maior… Read more »

Carlos Campos

Bom a Classe Mogami é de aproximadamente 400mi de doláres e é parecida com a Tamandaré

Vinicius Ferreira Soares

A classe Mogami é bem superior a Tamandaré. Elas são navios com alta taxa de automação e pouca tripulação, o conceito de CIC delas é revolucionário. Tbm possuem motores a diesel e a gás e sistemas de radares superiores. Fora que elas tem o MK41 VLS (podem levar o triplo dos mísseis da Tamandaré e os mísseis antiaereos das mogamis tbm são melhores.

Carlos Campos

ela é superior, sim, mas em questão a deslocamento é parecido, 400mi em uma Mogami pelo fato de ter mais casulos de lançamento de mísseis, é uma pechincha.

Zezão

Não tem nem como comparar com a Tamandaré, a classe Mogami é muito mais superior! A fragata japonesa é equipado com o radar multifuncional OPY-2, que operar na banda X, são 4 radares EASA de GaN, muito superior ao radar da Tamandaré. O navio também é equipado com o míssel anti-navio Type 17 com 400 km de alcance, além da capacidade de combate anti-submarino, também tem capacidade de minagem/contra-minagem, vem equipado com um sonar específico pra detecção de minas e está munido com drones subaquáticos pra desativá-los ( a compra deste navio possibilitaria que a marinha brasileira resolvesse também o… Read more »

Carlos Campos

OPY-2, que operar na banda X, são 4 radares EASA de GaN, não sabia que esses radares eram tão modernos assim, a USNAVY tá pagando peso de ouro no SPY6 e a Mogami custa só 400mi, quanto ao míssil Type 17 reconheço ele como um ótimo míssil, mas ele não entra no preço do navio, quanto a capacidade de Minagem e desminagem gostaria de um link seu, não sabia dessa capacidade também, quanto a defesa pelo SeaRAM eu não coloco ele tão superior assim ao que Tamandáre pode ter como defesa próxima, quanto ao Mk 45 mod 4, sim é… Read more »

Zezão

Carlos Campos, Além das capacidades antiaéreas, anti-superfície e ASW, a classe Mogami também foi projetada para realizar operações com drones subaquáticos não tripulado (UUV) e de superfície (USV), ambos os quais com funções de contramedida de mina (MCM). A fragata pode colocar minas a partir da popa e tem um sonar na proa do navio para procurar minas de fundo. O drone UUV (OZZ-5), mede 4 m de comprimento e 0,5 m de largura com um deslocamento de 950 kg, e é equipado com um SAS de baixa frequência fabricado pela NEC do Japão e um SAS de alta frequência… Read more »

Carlos Campos

como vc tem mais conhecimento sobre as armas japonesas, vc tem alguma noticia a quantas anda o radar do caça dele? no caso para o F3

Zezão

O Japão, Reino Unido e Itália se uniram pra desenvolver um novo caça de 6a geração, o projeto conjunto se chama GCAP, não existe mais o programa F3 Japonês e Tempest do Reino Unido. Quanto ao RADAR, o que se tem notícias é o projeto JAGUAR, que será o radar de próxima geração do caça GCAP. Atualmente, os projetos do novo radar do F3 e Tempest estão sendo desenvolvidos separadamente. O JAGUAR deve agregar o conhecimento do Japão e do Reino Unido na área de radares, dois protótipos de radares estão sendo desenvolvidos pra demonstração de tecnologia em ambos os… Read more »

Vitor Botafogo

Parabens pela Materia Nunão! Infelizmente tudo no Brasil começa com um orçamento e os custos vão aumentando devido a nossa fragilidade de moeda e inconstancia de orçamento. A Tendência é ficar mais caro e esperar que atrasos não ocorram com essa estrategia diferente de alocação dos recursos.

Santamariense

Isso era óbvio que iria ocorrer. E vão haver outros aumentos de custos, pode esperar. Não esqueça que estamos no Brasil. Nada de novo.

GBento

Uma pergunta de alguém absolutamente leigo:

A classe Tamandaré está em pé de igualdade, em termos de qualidade, poder se fogo, modernidade, à outras classes de navios da mesma categoria feitos em outras partes do mundo, como a Meko ou Fremm por exemplo?

Rodrigo

Boa tarde camarada
Se for as meko 200 ou maior, não esta!
Elas sao mais armadas e pesadas, a mesma coisas da freem que sao na ordem de 6 mil toneladas.
Sao bem armadas e equipadas.

Camargoer.

Olá GB. As FCT deslocarão cerca de 3,8 mil ton. Uma FREMM desloca cerca de 6 mil. São navios muito diferentes para uma comparação direta de poder de fogo. Por outro lado, as FCT são baseadas na Meko100, por isso possuem poder de fogo similar. Como as FCT tem um projeto novo, seus sistemas de armas e sensores são mais modernos que de qualquer navios com deslocamento entre 3,5~4,0 mil ton constrúídos há 20 anos que não receberam qualquer modernização. Muita gente critica as FCT em função do número de mísseis antinavio e mísses de lançamento vertical. Mas acho esta… Read more »

737-800RJ

A FREMM italiana, que é a versão mais pesada do projeto, está em outra categoria, pois desloca quase 7.000 toneladas. A Tamandaré é uma versão alongada da Meko A100 Light Corvette, que tem 98 metros de comprimento e 15 de boca, deslocando 3.000 toneladas. A Tamandaré deve ser comparada com embarcações do seu porte, que são fragatas leves, como as classes La Lafayette, Formidable, Icheon, Valour, Istanbul… Como muitos foristas que entendem do assunto já falaram aqui, em termos de projeto, radares e sensores não há o que criticar. Agora quando se compara com classes similares, elas parecem menos armadas,… Read more »

GBento

Obrigado a todos que me responderam, antes das respostas eu nem sabia que existiam Meko 100 e Meko 200. Só citei de lembrança mesmo. Vocês foram muito esclarecedores.

renato

Com relação ao rendimento das aplicações financeiras não é difícil estimar a taxa de rendimento, o mais difícil é estimar o saldo aplicado. As estatais e órgãos públicos, por lei, são obrigadas a manter seus recursos aplicados em fundos administrados pelo BB que rendem 99% da Selic. Em 2022 a selic acumulada rendeu 12,4%, já em 2023 o acumulado até o fim de outubro está em 11%, ou seja, rendendo perto de 1,1% ao mês. A questão é aplicar esta taxa ao saldo médio do caixa ao longo de 2023 (partindo do princípio de desembolsos lineares ao longo do ano,… Read more »

soutoF

Esse valor e para construçao de mais uma Tamandare?
existe verna para iniciar a construçao de um navio patrulha de 500 ton.
resta saber quando a MB vai abrir licitaçao para construçao dos navios
patrulha de 500 ton. um adendo o PAC defesagarante verba para construção
de 11 navios 500ton.,

Camargoer.

Caro, Os recursos para a 4 FCT e para o navio polar estão sob a administração da Emgepron. Os NaPa500 demandarão outro aporte ou outro modelo de financiamento.

As verbas para os NaPa500 estão previstos no planejamento do PAC. Eu não sei se serão recursos do Tesouro que serão incluídos no orçamento anual da MB ou se haverá uma nova capitalização da Emgepron.

Zenótico

Excelente levantamento. Não creio que a grande imprensa seja capaz, ou se interesse, em fazer coisa parecida. Seria bom que pelo menos pudessem repercutir esse trabalho.

Camargoer.

Olá Z. A grande imprensa tem todas as ferramentas para fazer este tipo de matéria… depende do Editor de cada veículo autorizar o jornalista fazer.

Esteves

Uma matéria feita com essa qualidade do PN publicada na mídia convencional chamada grande imprensa…jamais.

Aproveita…coisa boa é só aqui.

Alex Barreto Cypriano

Excelente matéria, Nunão. Olha, mas tem o seguinte, os retornos financeiros das aplicações voltam, em parte ao menos, pro acionista único, a União e não fica totalmente disponível pra EmGeProN reverter em proteção inflacionária ou gastos imprevistos do programa (não se trata de gastos em acidente ou recisão de trabalho, pois há, ou devia haver, seguro contratado na origem pra isso mesmo). Orçamento é tricky bastard sempre: o orçamentista que orçou com margem de erro (+/- 15%) continua no emprego mas o que acertou o valor final foi despedido, simplesmente porque errou (nenhum orçamento acerta o valor final). Mas isso… Read more »

Edu

Existe uma opção no TCU o Relato de irregularidades, uma unidade técnica do Tribunal se encarrega da análise.

Nilson

Parabéns, Nunão e Naval, pelo esforço de acompanhamento e divulgação periódica sobre o programa. É a sociedade atenta aos gastos públicos, medida que deveria se espalhar mais pelo país.

deadeye

Do jeito que o câmbio está doido desde 2020, esperado.

Luís Henrique

Parabéns Nunão pelo excelente trabalho. Eu acho um absurdo um aumento deste. A MB deveria se pronunciar, caso a MB indicasse que a quantidade de mísseis antiaéreos foi aumentada, ou que alguns sensores foram substituídos por outros superiores. O contrato do Gripen ocorreu a mesma coisa. A FAB deu uma desculpa esfarrapada que o caça havia sido melhorado ao longo do tempo e que teve um reajuste, no final ficamos sabendo que o nosso Gripen E virá com suíte EW inferior em relação ao caça sueco. Ou seja, tivemos um reajuste de U$ 900 mi no nosso contrato e o… Read more »

Rinaldo Nery

Ainda essa história do EW do Gripen? Isso já foi explicado em “n” matérias.

Luís Henrique

Desculpe Rinaldo, mas essa eu ainda não consegui engolir.
Escolhemos o caça mais barato da concorrência, uma encomenda pequena de apenas 36 unidades, engolimos um aumento de preço no valor do contrato de U$ 900 mi e no final recebemos a surpresa que a capacidade EW do nosso é inferior ao do Gripen E sueco.
Pode ter sido explicado em n matérias, mas não foi bem explicado.

Rinaldo Nery

Acho que só você quem não entendeu, ou não quis entender…

Bardini

O silêncio diz muito: é indefensável.

Alex Barreto Cypriano

Mestre Bardini, já acho que não é silêncio por constrangimento mas silêncio por desprezo…

Esteves

Deveriam interromper esse malfeito imediatamente e processar os Almirantes.

Quando foi que mostraram uma conta de 23 bilhões de reais por 4 navios alienígenas mal arrumados, mal armados, mal arranjados e superados?

Bardini

Quase R$ 23 bilhões de reais, contabilizando compra e um prazo operacional de 2025 até 2053, somando a garantia da manutenção operativa, combustível e lubrificantes. Nossa, que problemão.
.
Acorda. Comprar, manter e operar… Tudo tem custo. E a soma entre manter e operar é onde está o maior dos custos, em um meio que vai estar ativo por décadas.

Alex Barreto Cypriano

Mestre Bardini, não se tratam de custos de aquisição e operação convencional (manutenções, tripulações, combustíveis, viveres) mas a aquisição somada ao arrendamento dos botes pela EmGeProN aa MB (União- contribuinte). Se somar os custos O&S do life cycle pode chegar a 34 bilhões…

Esteves

23 é projeção de hoje. Saberemos em 2053 quanto gastamos.

Esteves

Custos de operação e manutenção são outros. Esses valores de 23 bilhões referem-se ao arrendamento.

Esteves

Isso é pessoal.

Esteves

— Esteves…você entrava na minha sala como um furacão…todo amassado, desarrumado, pedindo dinheiro. Eu te expulsava, você voltava. Hoje você mudou. Por que?

Esteves é estranho. Às vezes Esteves escreve mais rápido do que pensa. Esteves é um maldito.

Rinaldo Nery

Amigo, falar de si na terceira pessoa demonstra um narcisismo exacerbado. A psicologia explica! E é chato p cacete.

Esteves

A psicologia não oferece diagnóstico. Quem faz isso é a ciência.

Rinaldo Nery

Psicologia não é ciência? Essa é nova pra mim. Meu filho, que cursa o 3° ano na PUC-Campinas acha q sim. Os professores dele também.

Rinaldo Nery

Você pode ir no MPF, como cidadão, e denunciar. A ajuizar uma Ação Civil Pública.

Esteves

Vamos aguardar as explicações da Emgepron. Todos tem suas razões.

Rinaldo Nery

Se vierem, siga em frente. Não seja um “macho dos teclados”. Apresente as suas “provas”. Imagino que tem muitas…

Esteves

As dúvidas minhas são as mesmas dos editores. Talvez uma ou outra adicionais. Coronel Nery, está no texto. Não se trata de provas. Trata-se de entender a modalidade do negócio e compará-lo com outras formas (o relator menciona mas não aprofunda-se nisso) para concluirmos pela multiplicação. Interessa a quem deseja estudar, conhecer, aprender e criticar. Existem dúvidas. O relator aconselha contabilizar separadamente até que todos os detalhes sejam claros. Afinal…pagar pela capitalização e pagar pelo arrendamento é uma prática legal, justa e soberana ou foi uma forma de recapitalização da própria Emgepron e nesse caso o prejuízo ao orçamento da… Read more »

Last edited 8 meses atrás by Esteves
Rinaldo Nery

Qdo você fala em “denunciar o contrato” (você postou isso) tem que ter alguma prova. A justiça funciona assim. “Eu acho” não funciona.

Rinaldo Nery

E isso não quer dizer que eu concorde com o aumento ou com a administração naval nesse projeto.

Carlos Crispim

Levanta a mão quem não sabia disso? Sempre acontece, no final vamos ter pago o preço de 2 ou 3 fraguetas de prateleira, mas o importante é o ToT. 🤡

Mars

Esse levantamento me dá a certeza( espero estar errado) que vamos ficar só nas 4 fragatas, igual foi com as 4 corvetas da classe Inhaúma. E depois provavelmente a M.B. vai ao mercado atrás de embarcações de segunda mão para completar a esquadra.

Satyricon

Mars, Alguma dúvida disso?

Porque “2,77 bilhões de reais por navio, que equivalem a aproximadamente 555 milhões de dólares” não deixa margem para dúvidas.

SE as condições permitirem a MB pode até exercer a opção pelas 2 unidades adicionais (ênfase no SE maiúsculo), mas dificilmente passará disso. Não nesse valor.

A MB nunca teve caixa para tocar 2 projetos tão vultuosos em paralelo, FCT e ProSub.

Pode-se considerar como certo as compras de oportunidade pela MB, num futuro próximo.

É o que tem para hoje.

Mars

Cara, sabe o que mais louco? Próximo da assinatura do contrato a M.B. e o governo receberam uma oferta do governo Italiano para duas FREMM, que na conta de padaria na época rodava entorno de 1,70 bilhão de dólares, 850 milhões dólares por navio.
Posso estar enganado mas essas duas FREMM tem mais poder de fogo e capacidade que as 4 Tamandaré que estamos comprando por 555 milhões de dólares e que devem terminar custando ainda mais.

Luís Henrique

Sim, na época esses U$ 1,7 bi eram 1,5 bi de euros e R$ 6,37 bi.
Ou seja, R$ 3,185 bi cada navio.

O preço antigo das Tamandare em R$ 9,1 bi ou R$ 2,275 bi por navio da uma diferença considerável de 40% mais cara.
Com o primeiro ajuste para R$ 9,5 bi não muda muito.
R$ 2,375 bi cada a FREMM continua 34% mais cara.

Mas agora com este novo aumento para R$ 11,1 bi são R$ 2,775 bi cada navio, a FREMM seria somente 14% mais cara.

Ai fica difícil justificar esta escolha. Muito caro.

Luís Henrique

Sim, realmente não teve contrato e foi em 2019. Mas um tempo depois o Egito comprou as 2 FREMM e pelo que foi divulgado em diversas mídias, por um valor ainda menor de 1,2 bi de euros.

Esteves

Aquilo foi notícia. Somente.

Luís Henrique

Notícia que virou uma venda para o Egito por um valor ainda menor, 1,2 bi de euros segundo diversas fontes.

Manuel Flávio Vieira

Gostei da iniciativa do Naval. É assim que a imprensa especializada em Defesa atua nos EUA e Europa. Fiscalizam e questionam.

Willber Rodrigues

Antes de mais nada, meus parabens ela excelente matéria a todo da Trilogia.

Seria muito elucidativo tambem uma matéria comparando navios da mesma faixa de tonelagem das FCT’s, pra verificar se as mesmas estão “nos padrões” internacionais de preço, armamentos, sensores, etc, pra termos uma visão geral se não estamos pagando MUITO caro ( 2 bilhões por navio… ) por um navio que nem ao menos é o supra-sumo da tecnologia atual…

Sobre o silência do estaleiro, Emgeprom e MB, e um silêncio que diz, e diz muito…

Carlos Pietro

Boa noite, dinheiro jogado fora! Navio feio, muito mal armado,nada discreto e poucas unidades. Quando a última unidade for entregue, todas as outras já estarão precisando de atualizações.Tinha que ter sido comprado da China estas embarcações.

Wilton Santos

Pensões para filhas solteiras de militares Fiz a seguinte pergunta para a plataforma de Inteligência Artificial Bard do google, e vejam a resposta: Quanto o Brasil gasta por ano com pensões vitalícias para filhas solteiras de militares? “De acordo com o Tesouro Nacional, o Brasil gastou R$ 1,3 bilhão em 2022 com pensões vitalícias para filhas solteiras de militares. Esse valor representa um aumento de 5,2% em relação a 2021. O número de beneficiárias desse benefício é de cerca de 30 mil. A média da pensão é de R$ 4.300 por mês. O benefício foi instituído em 1960 e revogado… Read more »

Esteves

Parabéns. Ótima matéria. Esse contrato deveria ter sido denunciado. Porque o princípio da contratação prévia preço fixo e assim foi apresentado no Congresso…em dólares. Ponto para o Esteves que desde o início bateu-se quanto aos custos locais (mão-de-obra, chaparia, soldas, energia, intercâmbio, viagens, treinamento) e europeus em um mundo pós pandemia e em guerra, crescendo continuamente. No Brasil qualquer conta sobe 20%. Durante a matéria do PROSUB o aço subiu 3%. E essa conversinha do Bardini que chaparia estocam não encontra com a razoabilidade. Toda reposição em uma linha de produção tem seus custos ajustados pelo preço do dia e… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Mestre esteves, segundo relatório do TCU que partilhei acima, o PFCT custará ao orçamento da União mais de 23 bilhões de reais: o custo da aquisição e o leasing de 25 anos somados…

Alex Barreto Cypriano

Esteves, claro, com E maiúsculo que não consegui corrigir por edição. Desculpe.

Esteves

Alex,

23 bilhões é conta de hoje. Quando encerrarem pode meter 40 bilhões de reais. Ainda faltam quase 10 anos para incorporarem-se aos navios (Axé, Meu Pai).

Eu nunca duvidei do nosso poder de pagar.

Esteves

Tu tinha alguma dúvida que esse “modelo de negócio” tinha somente um único objetivo?

Tu tinha?

Esse lero-lero de emprego indireto, impostos, mão-de-obra amiga…conversinha.

Alex Barreto Cypriano

Tá tão difícil ter simpatia pela MB ultimamente… Sei lá, viu, Esteves? Tá difícil… Vou acender vela pra Mia Khalifa, a única verdadeira santa disponível no momento, em rogo de proteção aa MB.

Santamariense

Como assim leasing? A MB não vai ser a dona, de fato e de direito, dos navios?!?!?

Santamariense

Realmente, Nunão. Na matéria do link abaixo está descrita a maneira que se dará o processo. Confesso que não havia dado muita atenção a esse ponto.

https://www.naval.com.br/blog/2022/07/15/classe-tamandare-capitalizacoes-tots-e-compensacoes/

Alex Barreto Cypriano

Não, Santamariense: os navios serão patrimônio da EmGeProN que os cederá, mediante arrendamento mercantil/compensação de depreciação ao uso pela MB. O diabo é que o TCU já avisou em 2019 que a EmGeProN não pode fazer arrendamento e que o modelo de negócio é lesivo ao erário, mas foi tudo enterrado, vai Deus saber como e por quem?

Santamariense

Em resumo, a MB vai usar os navios, mas eles não serão dela.

Esteves

E o que a Emgepron fará com eles?

Santamariense

“Alugar” para a MB….baita negócio!

Alex Barreto Cypriano

Ah, mas isso eu sei: no fim de vida dos botes em 2050-2053, quando eles não servirem mais pra MB, a EmGeProN vai vender os botes à MB por 10% do valor de aquisição em 2025-2028, corrigidos, e a MB bota eles pra navegar mais uns 15-20 anos. Isso pra manter a tradição que a MB é corporação conservadora e de bons costumes…

Esteves

Não. Não será. A MB pagará 23 bilhões pelo uso dos navios. Não se trata de leasing. Leasing tem opção de compra no final do contrato. Arrendamento também não é porque os navios não serão da Emgepron. Cessão, empréstimos, comodato, também não. Financiamento não é porque a Emgepron não é banco. Quer saber o que será? Quer mesmo? Essa resposta vale 1 milhão. Ou 23 bilhões com seguro de 6 bilhões porque no leasing em caso de sinistro perda/roubo cessa a responsabilidade do tomador…que mesmo não sendo leasing fizeram por 6 bilhões porque agente financeiro não faltou e advinha de… Read more »

Esteves

É claro que somente haverá seguro com o navio pronto. “De toda forma, a contratação de seguro constitui medida de prudência, razão pela qual entendo que cabe aos gestores avaliar a obrigatoriedade, a viabilidade, o valor a ser despendido a título de prêmio com seguro das embarcações e a respectiva cobertura.” Esta lido. E copiado. “O MP/TCU, a seu turno, por um lado entende que a operação mais se assemelharia do arrendamento mercantil do que do comodato modal (peça 162, p. 10-15) . Pondera por outro lado que, a despeito de a avença em questão não corresponder com exatidão ao… Read more »

Esteves

Nossa…não escapa nada.

Santamariense

Esses 23 bilhões são previstos para um período de uso de 25 anos, correto? E depois disso? Será que alguém acredita que, passados 25 anos, elas serão substituídas por navios novos? Em apenas 25 anos, com o nosso histórico de usar navios até se desmancharem?

Esteves

Isso serão outros 500. Ou outros bilhões.

Alex Barreto Cypriano

Os navios serão patrimônio da EmGeProN, caro Esteves. A EmGeProN é empresa de serviços gerenciais, não manufatureiros/industriais, mas ela tem fábrica de munições (alguns calibres nem usamos…) e uns barquinhos mequetrefes no portfólio. É uma anomalia estatal militar que faz de tudo, se vira e dá um jeito, não tem lucro e sempre está atenta pra não perder o acesso irrestrito ao orçamento da União (daí o esforço legal em aprovar a dispensa de privatização da EnGeProN pra obter posteriores capitalizações ainda em 2023…). Tá tudo errado, não tem mais salvação.

Esteves

Calma, Alex,

Eles querem que fiquemos em teias de aranhas…desarrumados e desnutridos.

Essa matéria logo vai pra vala e o assunto morre.

Esteves

É um tipo de negócio. Um negócio de semelhanças. A recomendação do relator é que a MB faça uma contabilidade separada para essa operação.

Ponto.

Last edited 8 meses atrás by Esteves
Esteves

Bom dia, Nunão.

Espero que essa resposta do Esteves encontre você e todos os seus com elevada saúde. Porque esse país conspira contra.

40% é um número. Alguém chutou. Para saber qual o índice de nacionalização do contrato é necessário analisar o respectivo. O que vem acontecendo é que a turma do deixa que eu chuto vai levando.

Resgatando a imagem do corte da chapa. EPI alienígena, mesa alemã.

Ja volto. Tem que dar soro no gato.

Esteves

Eu nunca conheci ninguém mais teimoso que você.

Como é possível afirmar % de nacionalização em uma obra que não existe?

Não é possível.

Esteves

Tá bem. Tá bem. É meta. Mas não é índice.

Quando chegarem na meta, dobram a meta. Se.

Last edited 8 meses atrás by Esteves
Vitor Botafogo

40% é possivel de ser atingido sim. Aço, Mão de obra, parte elétrica (parcial) , acabamento interno (acomodações) etc, tubulação, pintura, sistema de TV, comunicação interna, entre outras coisas de pequeno valor agregado + sistema de lançamento Mansup.

Motor, sistema de propulsão, sensores, Armamento Anti aereo etc é tudo importado

Last edited 8 meses atrás by Vitor Botafogo
Alex Barreto Cypriano

Qual a penalidade por cada ponto percentual abaixo da meta? E contra quem será cobrada a punição?

Esteves

Teriam que celebrar um contrato para essa finalidade. Fizeram no navio de apoio antártico. O BNDES vai receber para auditar o % de nacionalização no navio antártico.

Fizeram nas Tamandarés?

Bardini

Caberia lembrar que a Cv Barroso teve índice médio de nacionalização superior a estes 40% estabelecidos.

Last edited 8 meses atrás by Bardini
Alex Barreto Cypriano

Como é isso, Bardini, de nível médio numa única unidade? Não deveriam haver várias unidades auditoradas pra estimar a porcentagem média de nacionalização no lote? No caso de uma única unidade não dá pra falar em média porque só existe uma amostra.

Esteves

Bardini tá inspirado hoje.

Alex Barreto Cypriano

Mas pensando um pouco, caro Esteves, mestre Bardini pode estar se referindo aa uma média de nacionalização medida em todos os órgãos do bote (os grupos 100 a 700 do SWBS: casco/estrutura, motorização/propulsão, elétrica, comando e vigilância, auxiliares, mobiliário, armamento). Mas fica sempre aquela dúvida: qual o desvio da média em cada órgão? É que 100% de nacionalização no mobiliário somado a 0% em comando e vigilância daria uma média de 50% mas seria muito menos desejável que o inverso, 0% mobiliário e 100% comando e vigilância…

Alessandro Machado

Ah esses aditivos de contrato …tem muito disso na administração publica seja de qualquer das três esferas de poder.

carlos alberto soares

Corvetas, ponto

Fabio Mayer

Se isto for puro e simples aumento de custos, arrisca não chegar à segunda fragata. Teremos uma nova Barroso: 14 anos para ser construída a custo de encouraçado!

Eu me animei quando soube que o governo havia capitalizado a EMGEPROM com todo o dinheiro necessário para construir 4 fragatas leves e um navio polar. Pensei que finalmente havam encontrado uma forma de cumprir prazos e conter custos. Ledo engano, novamente apareceram os adendos contratuais…