Mudança no Pacífico: EUA construirão um ‘muro de mísseis’ contra a China

38

General dos EUA confirma plano de implantar mísseis de alcance longo e intermediário no Pacífico em 2024

Os EUA estão mais perto de implantar mísseis terrestres de longo alcance para dissuadir uma potencial invasão chinesa de Taiwan, um movimento provocativo que poderá desencadear uma corrida armamentista desestabilizadora de mísseis convencionais no Pacífico.

O General Charles Flynn, Comandante das Forças do Exército dos EUA no Pacífico, declarou no Fórum Internacional de Segurança de Halifax, na Nova Escócia, que os EUA implantarão novos mísseis de alcance intermediário, incluindo Tomahawks e SM-6s, para a região do Pacífico em 2024, informou o Defense One.

A implantação foi possível graças à retirada dos EUA do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF) em 2019, devido ao alegado incumprimento da Rússia.

A reportagem da Defense One diz que o míssil de ataque de precisão (PrSM) do Exército dos EUA, que pode atingir alvos a mais de 500 quilômetros de distância, também pode ser implantado na região.

No seu discurso, Flynn enfatizou o rápido avanço das capacidades militares da China, que, segundo ele, estava pondo em perigo a estabilidade regional e global.

Embora o general tenha evitado especulações sobre uma invasão chinesa de Taiwan, destacou vários fatores que se acredita estarem influenciando as decisões estratégicas do líder chinês Xi Jinping.

Estes incluem o impacto das sanções econômicas, os esforços para enfraquecer as alianças dos EUA na região, a avaliação da preparação dos militares da China para uma potencial invasão e a eficácia das operações de informação e influência da China.

O Defense One observa que a implantação de novos mísseis pelo Exército dos EUA significa uma mudança estratégica no Pacífico, refletindo preocupações crescentes sobre a expansão militar da China e o comportamento assertivo na região.

Indica também uma estratégia geopolítica mais ampla para manter a estabilidade e dissuadir potenciais conflitos na região Indo-Pacífico.

Uma rede nocional de baterias de mísseis de longo alcance baseadas em terra nas cadeias de ilhas para conter a China (CSBA)

Em julho de 2023, o Asia Times informou que o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA (USMC) havia revelado seu lançador de mísseis de longo alcance, um veículo de lançamento 4×4 baseado no veículo Unidade Terrestre Operada Remotamente para Fogos Expedicionários (ROGUE-Fires) para o míssil de cruzeiro Tomahawk baseado em terra.

O lançador de longo alcance pode resolver uma lacuna de mobilidade associada aos OpFires e Typhon rebocados por caminhão, que não cabem em um avião de carga C-130.

Em dezembro de 2022, o Asia Times informou sobre a aquisição pelo Exército dos EUA do primeiro lançador de mísseis terrestre Typhon, que foi projetado para preencher uma lacuna entre o PrSM do Exército dos EUA e a Arma Hipersônica de Longo Alcance (LRHW), disparando SM-6 padrão. ou mísseis Tomahawk entre 500 e 1.800 quilômetros.

Além disso, o Asia Times informou em julho de 2022 que o USMC está adquirindo mísseis Tomahawk baseados em terra como parte de seu programa Long-Range Fires, que visa fornecer sistemas integrados de armas antinavio e de ataque terrestre baseados em terra.

A aquisição faz parte da doutrina de operações dispersas do USMC, que emprega pequenos destacamentos terrestres e marítimos dispersos para ameaçar a concentração das forças adversárias.

No entanto, o Asia Times observou anteriormente que os aliados dos EUA, como a Tailândia, as Filipinas, a Coreia do Sul, a Austrália e o Japão, podem estar relutantes em participar na estratégia de “muro de mísseis” da América.

Bateria Typhon do US Army para mísseis Tomahawk e SM-6

As elites políticas da Tailândia estão tentando estabelecer laços mais fortes com a China e são notoriamente relutantes em irritar Pequim estrategicamente.

As Filipinas são vulneráveis a um bloqueio naval chinês que corta o reabastecimento e o reforço dos EUA a partir de Guam e têm capacidades mínimas de defesa aérea e antimísseis.

A Coreia do Sul é suscetível à pressão chinesa, pois precisa dos mercados e da influência da China na mesa de negociações com a Coreia do Norte.

A distância da Austrália da China e a relutância em envolver-se num conflito EUA-China sobre Taiwan podem impedi-la de ser uma opção de base para mísseis terrestres dos EUA.

Isto faz do Japão o parceiro mais viável para acolher mísseis terrestres dos EUA, uma vez que não possui as vulnerabilidades e fraquezas de outros parceiros dos EUA, para além de uma relutância de longa data em acolher sistemas de armas ofensivas como parte da sua política pacifista pós-Segunda Guerra Mundial.

Mas essa política está mudando à medida que o Japão constrói lentamente um arsenal de mísseis de longo alcance para capacidades de contra-ataque, a fim de dissuadir a China e a Coreia do Norte.

Apesar dos esforços acelerados para estabelecer tais capacidades, o Japão enfrenta desafios significativos, tais como capacidades limitadas de designação de alvos de longo alcance, elevados custos de produção, tecnologia obsoleta e um fraco histórico de armazenamento de munições.

O Japão pode, assim, procurar colmatar estas lacunas de capacidade com mísseis terrestres fornecidos pelos EUA, ao mesmo tempo que acelera o seu arsenal nacional.

Ao mesmo tempo, a China está construirdo o seu arsenal de mísseis convencionais para contrariar a suposta contenção dos EUA. O China Power observa que desde 2000 o Exército de Libertação Popular (PLA) transformou as suas forças de mísseis de sistemas de curto alcance e modestamente precisos para o conjunto mais extenso e diversificado do mundo de mísseis balísticos e de cruzeiro lançados no solo.

Mísseis balísticos DF-26
Míssil balístico DF-21 matador de porta-aviões

O China Power afirma que este arsenal inclui mísseis balísticos de alcance intermediário (IRBMs), como o Dong Feng-26 (DF-26), com alcance de até 4.000 quilômetros, capazes de atingir bases militares cruciais dos EUA em Guam e navios no mar, mísseis balísticos de alto alcance médio (MRBMs), como o DF-21D, conhecido como “matador de porta-aviões”, com alcance de 1.550 quilômetros.

O relatório do China Power observa que a estratégia da China mudou no sentido da utilização destes mísseis para dissuasão e combate, com foco em ataques de precisão e capacidades anti-acesso/negação de área (A2/AD) ao longo da sua periferia marítima.

Menciona que estas implantações incluem mísseis antinavio para evitar intervenções militares dos EUA e mísseis convencionais para atingir instalações inimigas importantes.

FONTE: Asia Times

Subscribe
Notify of
guest

38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bosco

Os mísseis de ataque de longo alcance que serão implantados pelos EUA. * Alguns ainda em desenvolvimento. – Lançados de terra: 1- GMLRS-ER: 150 km (supersônico) 2- NSM: 185 km (subsônico) 3- ATACMS: 300 km (supersônico) 4- PrSM; 500 a 600 km (hipersônico) 5- SM-6: 400 a 500 km contra alvos na superfície (supersônico) 6- Tomahawk Block IV e V: 1600 a 1800 km (subsônico) 7- SM-6 Block IB: 1000 km (hipersônico) 8- LRHW Dark Eagle: 3000 a 4000 km (hipersônico) – Lançados do ar: 1- HARM: 150 km (supersônico) 2- AARGM: 150 km (supersônico) 3- Harpoon: 250 km (subsônico)… Read more »

Diego

Pelo visto a China está colaborando bem na produção de alvos

Guizmo

EUA ja foi melhor pra criar nomes……eu nao consigo decorar isso

Alex Barreto Cypriano

Mas o extinto INF (intermediate-range nuclear forces) não impunha nenhum impedimento à implantação de mísseis de ataque convencional de alcance intermediário na região…

Bosco

Alex,
Impunha aos EUA e à Rússia não desenvolverem ou implementarem mísseis com mais de 500 km e menos de 5500 km lançados de terra, em qualquer lugar do planeta.
Podiam implantá-los em navios, submarinos e aviões, mas não de terra.
Os outros países e que bobearam . Não estavam presos a nenhum tratado e ficaram vendo a China desenvolver toda uma família de mísseis de longo alcance e ficaram impassíveis.

Alex Barreto Cypriano

Verdade, mestre Bosco. O INF treaty proibia a EUA e URSS (depois Federação Russa) qualquer sistema de entrega de armas (nucleares ou convencionais) com 500 a 5.500 km de alcance lançado ou baseado em terra. Mas o tratado só servia pros EUA-URSS, que disputavam hegemonia e um equilíbrio de terror sobre a península européia. O que o resto do mundo (entenda-se Israel, Índia, Paquistão, China) tinha com isso? A brecha foi explorada por uma outra nação nuclear, bem embaixo do nariz americano acometido de anosmia por otimismo. É que alcance intermediário, mesmo nuclear, naquelas paragens não incomoda europeu.

Bosco

O único país da esfera ocidental que não ficou inerte foi Israel com o Jericho .

Maurício.

“No seu discurso, Flynn enfatizou o rápido avanço das capacidades militares da China, que, segundo ele, estava pondo em perigo a estabilidade regional e global.”

Quanta hipocrisia, quem vê esse General Flynn falando, até parece que os EUA são uns santos…rsrsrs. Aliás, em quantas guerras e intervenções os EUA se meteram desde a segunda guerra mundial e em quantas a China se meteu? Quantas bases e quantas tropas os EUA tem espalhadas pelo mundo e quantas a China tem? Quantos países os EUA invadiram para tomar as refinarias e quantos a China invadiu? 🤔

Bosco

Maurício, Você parece um ______ _________ Analise os fato a partir de uma perspectiva atual. Deixe de lado o passado. O passado da China nos 3000 mil anos de sua história é muito mais condenável à luz da ética atual que o passado dos EUA nos últimos 247 anos. Os EUA só parece pior porque você foi condicionado a acreditar nisso. O problema real, que se apresenta agora, deve ser analisado à luz da geopolítica atual e não à luz dessa tal dívida história do Ocidente/EUA com o resto do mundo. COMENTÁRIO EDITADO. MANTENHA O RESPEITO PARA SER RESPEITADO. DEBATA… Read more »

Marcelo

Os EUA só parece pior porque você ____
_______
_______
_______
Uma coisa é enriquecer o debate com boas idéias, outra coisa é ficar convencendo as pessoas que os americanos são ótimas pessoas ai já é demais !!!

COMENTÁRIO EDITADO. MANTENHA O RESPEITO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM ATACAR AS PESSOAS.

PRIMEIRO AVISO.

LEIA E RESPEITE AS REGRAS DO BLOG OU SERÁ BANIDO:

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Bosco

Não cheguei a ver os elogios à minha pessoa mas o que sobrou não enche uma tampinha de garrafa. Comentário tosco.
Eu não conheço nenhum americano para saber se são ótimos ou não mesmo porque lá há mais de 300 milhões deles e deve ter americano de todo jeito.
O que estava tentando “convencer” é que país é tudo igual, tanto os mais novos quantos os mais velhos e se alguém acha que uns são moralmente superiores a outros é porque ou é ignorante ou desonesto.

Maurício.

Calma, Bosco, em matérias onde envolve a China, tu fica meio desconfortável, é nítido isso. Eu só constatei um fato, a hipocrisia do tal general, o país dele está nesse exato momento ocupando terras e refinarias que não são suas. Esse general falando da China é como o sujo falando do mal lavado, simples assim.

Bosco

Maurício,
É porque a sua incansável análise crítico-dialética toda vez que se faz referência aos EUA é um pouco aborrecida.
Você é um incansável ativista do bem e do amor mas vc há de convir que tem hora que os participantes só querem falar de armas e guerras e que se dane se o mundo é um lugar injustozinho.
Mas eu te entendo!

Maurício.

“Mas eu te entendo!” Bosco, eu sei que você me entende, quando eu ainda nem comentava aqui na trilogia, e alguém malhava os EUA e suas invasões, tu já dizia que o mundo não era um lugar justo, e que deveria seguir a “lei do galinheiro”, ou, “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, claro, no intuito de passar um pano para os americanos. Ou seja, somos incansáveis nos nossos pontos de vista e ideologias. Quanto a eu ser um “incansável ativista do bem e do amor”, tu está enganado, só quero que cada país possa resolver seus próprios problemas,… Read more »

Paulo

Maurício!!!e tu acha que sem a intervenção dos EUA teria mais “liberdade e democracia” neste mundo?ou teria mais NAZISMO,COMUNISMO e outros irmos mais?diga aí!!!

Rafael Aires

EUA podem fazer no “quintal dos outros” o que eles não deixam fazer no “seu quintal”.

No One

*Tibete umas 2 vezes , a anexação e em seguida pra esmagar uma revolta. *Xinjiang, atual e continua a repressão. *Vietnã, pelo menos três vezes. *India, 2 vezes e as escaramuças são frequentes. *Taiwan, pelo menos 3 crisis que não foram adiante porque a diplomacia do Big Stick americana sempre colocou a RPC no seu devido lugar. *Coréia * URSS *A ocupação militar das ZEE de vários países limítrofes . Só uma pequena lista … Provavelmente a lista é maior, considerando apenas desde a segunda guerra mundial, tudo isso porque não tiveram recursos e competência para construir uma política mais… Read more »

Jagd

Maurício, lembro de algumas:

Guerra da Coreia
Guerra do vietnam
Rusgas contra o vietnam
Rusgas contra a Índia
Rusgas contra a Rússia
Apoio a Angola
Possível apoio à invasão Rússa da Ucrânia

Dalton

Também lembro que a Coreia do Sul foi invadida pela Coreia do Norte patrocinada por China e URSS o que obrigou os EUA a reagir e a Coreia do Sul tornou-se um país próspero mas que continua sendo chantageado pelo norte. . No Vietnã não foi diferente, novamente China a princípio, mas, principalmente URSS patrocinaram o Vietnã do Norte que eventualmente invadiu o sul, mas, dizem que isso ajudou a enfraquecer a URSS que viveria seu próprio “Vietnã” no Afeganistão. . Quanto a “rusgas” desde 2018 o Vietnã permite que uma vez por ano um NAe da US Navy visite… Read more »

Rafael Aires

EUA só tem mais de 800 bases so redor do mundo. Pouco. Alem disso, a ocupação do Japão e da Alemanha ainda continua, há quase 80 anos.

No One

Ainda bem, a RPC agradece, pois sem os americanos seriam uma imensa colônia japonesa.

Dalton

Pergunta para alemães e japoneses se eles querem que os EUA se retirem, talvez a população de Okinawa, queira, mas, eles não representam o Japão. . Não existe “ocupação” e sim foi conveniente para ambos os lados diante de uma série de novas ameaças que surgiram pós 1945 que militares americanos permanecessem inclusive já na década de 1960 Japão tornou-se a segunda maior economia do mundo e à Alemanha Ocidental a terceira. . A Itália até 1943 fazia parte do “eixo” e um de seus submarinos barbarizou em cima de um navio mercante brasileiro o “Almirante Lira”, então a presença… Read more »

Maurício.

“Pergunta para alemães e japoneses se eles querem que os EUA se retirem, talvez a população de Okinawa, queira, mas, eles não representam o Japão.” No caso de Okinawa, não existe o talvez, lá, a maioria é contra as tropas americanas, e isso é um fato, já teve pesquisas a esse respeito. Teria que ter uma pesquisa para ver a aprovação ou não no Japão inteiro. Até isso acontecer, não dá para saber o que pensa a grande parte da população. No caso da Alemanha, sim, acho que a maioria da população é a favor das tropas americanas, embora eu… Read more »

Gustavo

Ocupação da Síria. Não esquece que os americanos tem base Elma Síria sem a permissão do estado sírio.

Alecs

“A implantação foi possível graças à retirada dos EUA do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF) em 2019, devido ao alegado incumprimento da Rússia.” A China não deve estar nada satisfeita com Mr. Putinho, o maior vendedor de armas dos USA. Como vendedor de armas das empresas norte americanas ele é espetacular! Já como enxadrista geopolítico só faz cagada!

Nonato

Quem defende o comitê russo e chinês não gosta dos EUA. Os Estados Unidos impediram a Alemanha e a União soviética de dominarem o mundo. Se o mundo hoje tem democracia, é devido aos Estados Unidos. A China já deveria ter sido contida antes Antes que seja tarde demais. A China é um perigo para o mundo. Quem fala mal dos Estados unidos, se aproveita de viver numa democracia capitalista ocidental para defender ditaduras comunistas. Morar nesses países não querem. Do alto de seus iphones, defendem o comunismo. Deveriam ser mandados para esses países já que apoiam tanto… Nem o… Read more »

Alecs

Perfeito!

adriano Madureira

Acho que está na hora dos Chinas fazerem uns misseis antinavio com alguns kilotons,isso se já não tiverem…



JHF

Os States estão preocupados em quem pode projetar poder defensivo em outro continente. Por isso colocam armamento em outros países para que estes levem o ferro enquanto combatem a China. Miseis para defender a democracia americana, na terra dos outros, é refresco.

Jefferson B

Os americanos e europeus deixaram os chineses bilionários e agora ficam chorando pelos cantos.
Idiotas!

Last edited 7 meses atrás by Jefferson B
Rafael Aires

Pertinho da fronteira dos EUA.

Sergio Machado

EUA sempre levando a paz para o mundo…
Eita país safado.

Akivrx

Mas quanto mais armas for empregada no To menor a chance que alguém tentar alterar o status quo, as tensões podem aumentar, mas as chances de alguém pagar para ver diminuem muito.

Bosco

O que você sugere para que a China seja dissuadida de suas intenções?
Talvez encher um petroleiro com pétalas de rosas e lançá-las no Mar da China ao som de “Imagine” de John Lennon?

Nodge

Se os EUA interceptar qualquer coisa Chinesa, será uma declaração de guerra.
Coréia do Sul e Japão, são reféns da Coreia do Norte, Rússia não vai deixar a China na mão, pouco se tem a fazer nessa região, e no fim das contas, os EUA vai deixar Taiwan não mão, como fez no Vietnã e com seus colaboradores no Iraque e Afeganistão.
EuA não tem condições de manter um conflito, já gastou muito no Afeganistão, Ucrânia e Israel.

rjsampaio

Acredito que os USA representem o modelo de vida ocidental, tirando alguns lideres toscos de republiquetas latinas, 90% do planeta almeja a liberdade de opinião, de escolha, liberdade economica. Isto é o estilo de vida americano, que mesmo não sendo o meu pais nativo, eu defenderia em uma guerra. Você defenderia quem? A Russia, A China, O Irã? O Hesbolah? O Hamas? Parem pra ver o que comentam. Pergunta a um chinês se ele gostaria de sair de lá. Pergunta a um venezuelano, a um norte-coreano. USA, Israel, Inglaterra, Australia e Polônia são prósperos e livres. E os Cubanos? Os… Read more »

Gustavo

Prefiro Brasil sem parceiros, Iraque,líbia, nunca se recuperaram da amizade americana, prefiro o Brasil buscando suas próprias política públicas não expiradas em ninguém em si buscando solução local, atravéz de busca do auto conhecimento como um país de pessoas fortes ,não de submissão Americana como se fosse uma put@

Last edited 6 meses atrás by Gustavo
Yuri

“Iraque, líbia, nunca se recuperaram da amizade americana” que amizade?