USV Mariner

A Marinha dos EUA concluiu com sucesso seu primeiro deslocamento de quatro navios não tripulados que operaram por cinco meses no Pacífico. Durante esse tempo, as embarcações, Sea Hunter, Sea Hawk, Mariner e Ranger, navegaram mais de 46.000 milhas náuticas e demonstraram a capacidade de operar autonomamente por até 50 dias seguidos. Esses testes tiveram como objetivo avaliar a integração desses navios nas operações da frota tripulada, um esforço liderado pelo Comandante Jeremiah Daley.

Os navios não tripulados, que não têm acomodações para tripulantes exceto por uma pequena ponte de controle, passaram a maioria do tempo em modo autônomo, sendo controlados remotamente de uma central de operações na Califórnia ou por navios da Marinha dos EUA na região. O deslocamento serviu para testar conceitos de operação e sustentação, aproximando-os da prontidão para uso efetivo.

Um dos sucessos da missão foi o aprimoramento do comando e controle dos navios não tripulados, considerado um dos aspectos mais maduros do programa. Daley e sua equipe testaram várias formas de controle, tanto de terra quanto do mar, incluindo o controle de múltiplos navios de um único console.

No entanto, a integração dos USVs e suas cargas úteis com a rede mais ampla de sensores e atiradores ainda precisa de melhorias. Especificamente, há uma necessidade de melhor integrar os dados coletados pelos USVs com as redes de fogo conjunto, para que possam ser melhor utilizados pela Marinha e pelas forças conjuntas.

Ainda há trabalho a ser feito antes que os navios não tripulados se tornem uma presença regular nas operações da frota, mas o entusiasmo e feedback positivo da frota durante o deslocamento foram claros. As forças anfíbias e de presença estão interessadas nas capacidades que esses navios podem oferecer, particularmente na disseminação pelo Pacífico e na contribuição para um quadro comum do campo de batalha.

USV Ranger

FONTE: Defense News

Subscribe
Notify of
guest

16 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
ChinEs

A China esta ferrada, AI pura e dura, falta a parte submarina, quem sabe NAEs como drones…

Nonato

Pegaram navios existentes e colocaram o controle remoto?
Ou foram fabricados para isso?
São navios de guerra?
Ou mercantes?
Que tipo de navio são?
Minha proposta é ter alguma tripulação caso o link seja cortado.
Ficariam uns 4 marinheiros para assumir o controle em caso de necessidade.
Inclusive com armas para defender o navio de ataques de tropas.

rodrigo

Pensando do ponto de vista técnico, via IA. ou seja barcos comuns ainda. Esses navios devem ter sido enviados com rotas pré estabelecidas para coletar dados, com esses dados irão treinar rede neurais e usar q-learning (aprendizagem por reforço), para começar a desenvolver navios autonomos que tomem decisão, mesmo que link seja cortado, se a ideia é ser autonomo não precisa desse perfil nem marinheiro, mas isso seria o projeto final. sobre defesa é mais facil desenvolver algoritmo para isso do que para como navegar, falando do ponto de variaveis no oceano, mar, clima, umidade, tempestade, combustivel, riscos que não… Read more »

Nonato

Vi agora.
São novos, especificos e pequenos (nem tanto. Esses aí 2 000 toneladas)
https://m.youtube.com/watch?v=k4PcVNDGKoI&pp=ygULdXN2IG1hcmluZXI%3D

Last edited 4 meses atrás by Nonato
Nonato
Carlos

Vários foram os navios sem homens a bordo que participaram nos exercícios REPMUS tal como a lancha da classe Bolina da Policia Marítima que iria ser abatida https://www.transportes-xxi.net/fotografia/foto/783 mas que foi transformado num navio autónomo tanto mais que se pode ver sem vidros transparentes, https://www.youtube.com/watch?v=L7c5SLF3sv0&ab_channel=PortugalDefense (timeline 0;20), e que já fez uma viagem entre Lisboa e o Porto usando também aplicação anti colisão desenvolvida pela marinha. A marinha portuguesa também está a experimentar um drone naval que pode ser visto neste vídeo https://www.youtube.com/watch?v=feZid_KsPIQ&t=95s&ab_channel=PortugalDefense. Os navios da USNAVY só são noticia porque foram quatro em simultâneo mas nada de novo existe,… Read more »

Dalton

Tudo bem, parabéns a Portugal, mas, não se trata aqui apenas de “quatro em simultâneo” e sim a milhagem percorrida em 5 meses de desdobramento e a interação com outros navios da US Navy.
.

Carlos

Apenas quis dizer que a tecnologia já existe e a única coisa de novo é a escala, quatro navios em simultâneo, cinco meses de duração e milhares de milhas percorridas.

Dalton

A “única coisa de novo” ?
.
Desculpe se entendi como se estivesse “desdenhando” porque 4 navios não tripulados de tamanho relativamente grande, navegando pelo Pacífico com todas as dificuldades envolvidas nem de perto deveria ser comparado com o exemplo que você deu.
.
A tecnologia para fazer isso, Portugal ainda não tem !

Carlos

Navegar num oceano do ponto A ao ponto B com aplicação anti colisão, contornando rochas e outros acidentes terrestres, sem nenhum problema e claro não viste nada do que postei mas eu repito https://www.youtube.com/watch?v=6BnL5E3OMY8&ab_channel=AcademiadeMarinha, neste vídeo poderás ver alguns dos brinquedos e poderás também ouvir o almirante a falar da lancha da polícia marítima (timeline 29:25) e também podes ver este vídeo https://www.youtube.com/watch?v=feZid_KsPIQ&ab_channel=PortugalDefense onde pode ver um drone de superfície e isto já foi à mais de 6 meses mas onde podes ouvir que pode estar no mar mais de 6 meses dependendo apenas da limpeza do casco. O que… Read more »

Dalton

Obrigado pelos vídeos, muito interessantes, mas, quando escrevi que Portugal não tem a “tecnologia” significa não ter para navegar pelo Pacífico, visitando Austrália e Japão, juntamente com todo o apoio necessário da forma como os 4 navios da US Navy fizeram, nesse sentido, eles foram pioneiros e agregaram muito ao que se pretende de tais sistemas no futuro. . Evidente que Portugal não tem os recursos mas também não está envolvido em uma competição contra uma potência como a China então trata-se de coisa diferente e não me parece que bastaria apenas dinheiro para construir 4 navios, com todo respeito,… Read more »

Carlos

Os EUA desenvolveram tecnologias que hoje as utilizamos tais como os protocolos TCP/IP que levaram ao desenvolvimento da internet, mas que ninguém se lembra que foram desenvolvidos pelas forças armadas dos EUA, e o GPS foi outra tecnologia, atualmente o desenvolvimento de armas a lazer e a conquista do espaço além de outras que não sejam do conhecimento público são tecnologias ainda desconhecidas por muitos. Mas não é o caso desta notícia porque a tecnologia existe e baseia-se em radares de navegação, mapas digitalizados e software anticolisão e outro mais que se queira para a missão a desempenhar. Deixo-te com… Read more »

Dalton

Carlos um dos 4 o “Mariner” foi equipado com um sistema virtualizado AEGIS que permite que ele controle outro USV, os 2 menores Sea Hawk e Sea Hunter já participaram de um RIMPAC e em breve estará em serviço o “Vanguard” o primeiro construído desde a quilha pensado para operações autônomas que se juntará aos demais em San Diego como parte da Divisão de USVs. . A US Navy é uma marinha global, com foco no Pacífico, então não dá para comparar ou simplesmente acreditar que o que separa a US Navy da marinha portuguesa é que a primeira tem… Read more »

Carlos

Eu não comparo a grandeza da USNAVY com a Marinha Portuguesa em nenhum momento o fiz. Todo o mundo sabe que os EUA gastam mais em defesa do que a China, a Rússia e a UE juntas. O sistema AEGIS é um sistema de combate que provavelmente será um desperdício aplicar num navio como os mencionados. Portugal só tem o que pode ter. Deixo-te por fim um vídeo com a cerimónia de inicio do exercício do Dynamic Messenger (em Portugal) onde poderás ouvir o discurso do Almirante português e de dois almirantes da USNAVY https://www.youtube.com/watch?v=sgD6WTbY9jg&ab_channel=MarinhaPortuguesa. Os meus comentários sobre este… Read more »

Carvalho2008

Um destes, foi anunciado a pouco a venda….deve estar depenado….mas se foi a venda, alguma desmobilização ou cancelamento do programa foi realizado.

Dalton

Não um destes e sim outro o “Nomad” .