EUA desdobrará 5 porta-aviões no Pacífico Ocidental como demonstração de força à China

85
  • O aumento sem precedentes do poder naval na região é destinado como um sinal aos aliados e rivais de Washington, especialmente Pequim, disseram analistas.
  • Washington quer tranquilizar seus parceiros de que permanece comprometido com o Indo-Pacífico, apesar dos conflitos na Ucrânia e no Oriente Médio.

Os EUA provavelmente desdobrarão quase metade de seus porta-aviões no Pacífico Ocidental este ano, em um sinal de dissuasão contra a crescente atividade militar na região por parte da China e da Coreia do Norte, disseram analistas.

Três porta-aviões dos EUA já estão operando no Oceano Pacífico Ocidental, com mais dois a caminho. Sua chegada marcará a primeira vez que cinco dos 11 porta-aviões do contingente operaram na região.

O USS Abraham Lincoln – parte da Frota do Pacífico da Marinha dos EUA – foi visto saindo de seu porto de origem em San Diego, Califórnia, e navegava em direção ao Pacífico Ocidental em 5 de fevereiro, de acordo com o Fleet and Marine Tracker do Instituto Naval dos EUA.

Espera-se também que o USS George Washington seja desdobrado na região para substituir o USS Ronald Reagan, que será realocado de Yokosuka, Japão, para manutenção no estaleiro naval de Puget Sound em Washington.

O USS George Washington foi o primeiro porta-aviões nuclear a ser implantado no Japão, onde serviu de 2008 a 2015 antes de ser substituído pelo Ronald Reagan para o reabastecimento de meia-vida de seus dois reatores, bem como reparos, atualizações e modernização.

USS Abraham Lincoln (CVN 72)

Além do USS Ronald Reagan, o USS Carl Vinson e o USS Theodore Roosevelt estavam estacionados em Guam e Havaí, respectivamente, na segunda-feira e devem permanecer no Pacífico Ocidental até abril e julho.

No mês passado, os grupos de ataque Theodore Roosevelt e Carl Vinson participaram de um Multi-Large Deck Event com o Japão no Mar das Filipinas, que incluiu operações de comunicação marítima aprimoradas, operações de guerra aérea e operações de voo cruzado.

De acordo com a 7ª Frota da Marinha dos EUA, o exercício foi destinado “a fortalecer as operações marítimas integradas no mar e a prontidão para o combate”.

“Somos mais capazes quando trabalhamos juntos para enfrentar desafios compartilhados de segurança marítima”, disse o contra-almirante Christopher Alexander, comandante do Grupo de Ataque de Porta-Aviões Nove do USS Theodore Roosevelt.

“Ser capaz de conduzir operações complexas de forma consistente, como esta, demonstra a flexibilidade inerente da Marinha dos EUA para operar quando e onde escolhermos, dando ao nosso país e aliados opções flexíveis para dissuasão e defesa”, disse ele.

USS George Washington (CVN 73)

Também em janeiro, o USS Carl Vinson conduziu exercícios navais com a Coreia do Sul e o Japão no Mar da China Oriental, após o lançamento de um míssil balístico de médio alcance pela Coreia do Norte.

Os exercícios trilaterais consistiram em navegação conjunta, operações avançadas de comunicação marítima, treinamento de operações de interdição marítima, exercícios de combate aéreo, trocas de equipe e integração.

“Porta-aviões são um dos ativos mais visíveis em nosso militar. Implantar vários porta-aviões em uma região envia um sinal muito claro aos adversários”, disse Brian Hart, um colega do Projeto Poder da China no think tank baseado em Washington, o Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Dado a guerra na Ucrânia, o conflito no Oriente Médio e os ataques dos houthis no Mar Vermelho, o militar dos EUA quer sinalizar que pode lidar com essas situações enquanto permanece focado no teatro de prioridade, que é o Indo-Pacífico.”

Benjamin Barton, professor associado no campus da Malásia da Universidade de Nottingham, disse que a implantação foi destinada a sinalizar o foco de Washington no Indo-Pacífico, apesar dos conflitos na Europa e no Oriente Médio.

“Parece que há algumas razões em jogo: a primeira é claramente enviar um sinal forte aos aliados – de tranquilidade – e poderes rivais – de dissuasão – igualmente no Indo-Pacífico”, disse Barton.

“[É também] afirmar que, embora a política externa dos EUA esteja atualmente consumida por dois conflitos estratégicos ocorrendo fora da Ásia – a agressão russa na Ucrânia, a situação em Gaza – o Indo-Pacífico ainda está muito no centro de suas preocupações estratégicas.”

USS Ronald Reagan (CVN 76)

Barton acrescentou que “conter a China dentro da região continua sendo uma prioridade máxima, mesmo que tenha havido um aquecimento dos laços bilateralmente”.

Collin Koh, um pesquisador sênior na Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam, em Cingapura, ecoou a visão de Barton e observou que não houve abrandamento nas tensões sobre Taiwan, bem como no Mar da China Meridional e na península coreana.

“O aumento nas implantações de porta-aviões, bem como uma série intensa de engajamentos militares no teatro com aliados próximos, como o Japão, parece ter sido projetado tanto para tranquilizar aliados e parceiros regionais, quanto para dissuadir adversários como a China e a Coreia do Norte”, disse ele.

Embora não tenha havido atividade significativa do PLA no Estreito de Taiwan desde a eleição no mês passado do partido pró-independência Partido Democrático Progressista William Lai Ching-te como presidente, isso pode mudar nos próximos meses.

Há projeções de que Pequim poderia intensificar as atividades militares perto do dia da posse presidencial de Taiwan em maio.

USS Carl Vinson (CVN 70)

Pequim considera Taiwan como parte de seu território, a ser trazido sob controle do continente, se necessário. A maioria dos países, incluindo os EUA, não reconhece a ilha como um estado independente.

No entanto, Washington é contrário a qualquer tentativa de tomar Taiwan pela força e está comprometido em fornecer armas a Taipei.

“Os porta-aviões estão participando de exercícios para demonstrar a prontidão de combate dos EUA. Eles provavelmente estão convergindo na área em resposta à eleição em Taiwan”, disse Timothy Heath, um pesquisador sênior de defesa internacional no think tank baseado nos EUA, a Corporação Rand.

“A China provavelmente não arriscará qualquer ação coercitiva durante o Ano Novo Lunar, mas o PLA poderia se tornar mais ameaçador contra Taiwan após o Ano Novo Lunar e em torno do momento da posse do presidente de Taiwan”, disse ele.

No Mar da China Meridional, têm havido tensões contínuas entre Pequim e Manila sobre o disputado Recife de Scarborough, com um confronto entre as guardas costeiras dos dois países na segunda-feira.

USS Theodore Roosevelt (CVN 71)

As provocações da Coreia do Norte aos EUA e seus aliados também estão em alta. Na quarta-feira, o Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul relatou que a Coreia do Norte disparou vários mísseis de cruzeiro em direção ao Mar do Japão, também conhecido como Mar do Leste.

De acordo com Barton, os EUA estão claramente monitorando a situação no Estreito de Taiwan de perto, onde ele previu que as atividades militares do PLA continuariam durante o mandato de Lai.

Ele acrescentou que a importância estratégica do Mar da China Meridional e o ativismo e defensivismo crescentes da Coreia do Norte também representam preocupações na região.

A demonstração de força de Washington é “projetada para dissuadir múltiplas frentes de uma vez” e envia uma mensagem sobre “sua capacidade de preservar a paz e o status quo na região através da presença dissuasora de sua pura força militar sozinha”, disse Barton.

“Eu acho que Washington quer impressionar esse ponto sobre Pequim e para outros observando que pode multitarefas em vários pontos quentes estratégicos de uma vez. A mensagem é que sua capacidade de trabalhar em várias frentes deve ser vista como uma força e não como uma fraqueza a ser explorada.”

Os porta-aviões USS Ronald Reagan (CVN 76), USS Theodore Roosevelt (CVN 71) e USS Nimitz (CVN 68) e seus grupos de ataque se exercitam no Pacífico, em 2017

FONTE: South China Morning Post

Subscribe
Notify of
guest

85 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio

Esse palhaçada só pode vim mesmo dos arrogantes e prepotentes Americanos. Se a China quiser, destroem todas essas sucatas em questões segundos.

Heinz

Acorde, tome um copo de água e o remedinho, depois volte a sonhar.

Orivaldo

Rapaz, eseesees noticia te incomodou bastante heim kkk

Tutor

EDITADO:
2 – Mantenha o respeito: não ataque outros comentaristas.

Servidor

E se fossem os chineses, russos e até os iraniano, no lugar dos EUA, podia? Como se estes fossem os bons rapazes da história. É só ler um pouco de história e concluirá que de bons moços, ninguém tem nada!!!! E todos esses já mataram muiiiitoooos!!!!

Carlos Crispim

Prezado, o comu_nismo matou muiiiiiiiito mais…matam o próprio povo, estude.

AVISO DOS EDITORES: MANTENHAM A DISCUSSÃO NO TEMA DA MATÉRIA.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Carlos Crispim

ASHUASHUASHUASHUA…🤡🤡🤡🤡🤡🤡

Lord-M

Só estão fazendo sua especialidade: propaganda midiática.

Ainda mais em ano eleitoral; ao tempo que EUA-OTAN sofrem uma derrota cósmica na Ucrânia…

Bigliazzi

Sim… 3 dias viraram 2 anos… Que derrota.

Santamariense

Zzzzzzzzzzzzzzz…

bruno

E se os Estados Unidos quiserem pulverizam a china em minutos com suas armas atômicas.

Márcio Teodoro

_____
_____

COMENTÁRIO REPETIDO APAGADO. MANTENHA O BLOG LIMPO.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Alan Henriques de Araujo

Uma grande demonstração de força da U s navy e um recado direto aos ditadores da China e da Coreia do o norte

Carlos

De fato, grande demonstração. Uns querem ditar em seu respectivo pais e outros querem ditar no mundo.

Segue o jogo!

Mars

Caramba, os caras vão mandar 5 para o pacífico e ainda vão ter o Eisenhower no Oriente médio..Surreal!
Quero muito ver essa formação com os 5, deve ser um espectáculo!

Sulamericano

Não sei não. Mas penso que existe uma manobra tática da China por trás disso tudo.
Fazer os EUA desdobrarem uma força naval gigantesca, apoiar a Ucrânia na guerra contra a Rússia e apoiar Israel na guerra contra o Hamas deve ter um custo altíssimo pra tudo isso.
E talvez o objetivo seja esse mesmo, estressar as forças americanas ao máximo em vários fronts simultaneamente.

João

Concordo.

Atuam com outros “sujando as mãos” ou com ações não militares ou somente com mudança de atitudes, desgastando o poder americano.

Dalton

Você jamais verá isso Mars ! O texto é um tanto confuso, no fim das contas se continuará a ter 5 NAes na Frota do Pacífico – administrativamente falando há 7 com o “John Stennis” no momento na costa leste passando por modernização de meia vida.
.
Os 5 “ativos” serão “Nimitz”, “Carl Vinson”, “Theodore Roosevelt”, “Abraham Lincoln” e dentro de poucos meses o “George Washington” enquanto o “Ronald Reagan” retornará à costa oeste para um merecido e longo período de manutenção boa parte dele em um dique seco.

Mars

Pô Dalton cortou me barato. kkk
Mas eu já estava desconfiado que não era bem assim, seria algo muito custoso só para impressionar Pequim.

Dalton

Seria necessário voltar a ter 15 “Super Carriers” como se conseguiu em 1992
por um curto período de tempo antes dos cortes feitos com a dissolução da URSS mas mesmo sem a dissolução não teria sido fácil manter15 !
.
Com 15 NAes e a política de se ter 60% no Pacífico – além do que há de melhor
e mais atualizado – haveria 9 NAes na Frota do Pacífico e se já foi possível reunir 3 mesmo que por pouco tempo aí sim você veria 5 🙂

Neto

A questão é por quanto tempo manterão os 5 ativos no pacifico. Acho que vão lá os 5 para a posse dos políticos eleitos, depois 2 voltam pra casa.
.

RSmith

Não creio que vão colocar 5 CVN’s juntos… eles estarão no mesmo oceano mais não fisicamente navegando junto. Seria uma oportunidade para se destruir 5 com uma só ogiva nuclear… metade da frota praticamente…. não creio que a USN vai se arrisca assim…

Servidor

Acho que estão esquecendo daquele super torpedo russo.

Bigliazzi

Uma hiper arma putiniana… Mais uma… Como os nissei hiper sonicos que são abatidos…

L.D.K

Interessante, provavelmente algo a ser respeitado!
Mas que vai deixar um certo gordinho com o dedo nervoso, vai sim!

Macgaren

Qual deles Putin ou o o Norte Coreano?

Fernando

Putin tá gordinho??? kkk

Tutor

Pois é; e sabe o que ele vai fazer?
R: Correr até o final da coleira e latir, nada mais.

Burgos

Eu tô impressionado com a logística e nível de preparação da Marinha dos EUA para colocar 5 Porta Aviões no mesmo lugar !!!👀
Eles quando querem demonstram força, mas tem que ter cuidado com o Dragão e o Gordinho Coreano Recalcado e invejoso.
Na estatística de batalhas o EUA em seu histórico tem mais de 55 batalhas vencidas a China só tem 15.
Os números não mentem, vamos aguardar o desfecho dessas demonstração de força 💪

Gustavo

Seria possível avisar que o oriente médio fica na Ásia e que um kinzhal armado com uma nuk transformaria a “força” de superfície numa força submarina.

vilmar

só o preparo da Nuk, demoraria 3 meses, até lá uns 3 f35 resolveria

Macgaren

Vamos na Ucrania há meses essa superioridade de equiapementos e armas que acabam guerras.

Fernando

Foram usados Nukes na Ucrania??

Bigliazzi

3 dias viraram 2 anos… Como os Russos explicam isso?

André Sávio Craveiro Bueno

Sim, sua hipótese seria possível. Porém, é minimamente razoável imaginar que nessa situação haveria uma retaliação de tal forma que haveria um holocausto nuclear. Fim de jogo e todos mortos, mais cedo ou mais tarde.

Fabio

Nuk pra afundar navio, deos kkkk

Felipe

Pq não? Tem vários mísseis antinavio que podem levar ogiva nuclear…

Felipe

Pois é, e a China deve ter milhares de mísseis hiperosnicos já.. e bastam 5 (1 para cada Nae) para por todos a pique. A guerra mudou

RSmith

Estatística de Batalhas? os EUA só tem 55 vitorias? e a China tem 15? da onde você tirou isso?

BraZil

Bom dia. Como cidadão de um país que nem marinha de guerra tem (infelizmente), fico de boca aberta, impressionado e ciente de que com apenas três desses o nosso Brasil, cairia de joelhos, mas acho que essa demonstração de força não amedrontará em nada os Chineses, pois eles sabem melhor que nós que só serve para o Pavão americano esticar as penas…

Alex Barreto Cypriano

Três? Um só (e seu grupo de ataque) já dava conta de toda MB e FAB. Sobrava pua ianque até pro EB. Mas pra quê iriam os EUA gastar bons meios pra impor sua vontade contra quem já obedece de bom grado?

BraZil

Pô Alex. Não esculacha kkkk. Sou mais realista. Com um só, sobrariam bolsões de resistência em vários lugares. mas com três, um no litoral do Rio, Um no de Salvador e um no de São Paulo, fariam ruir “nossos planos de contingência” sem falar nos Subs e aeronaves de elint sigint da USAF. Mas exagerar é engraçado sei…

Alex Barreto Cypriano

Não é exagero, não, caro BraZil. Veja esta matéria do PN de uns anos atrás:
https://www.naval.com.br/blog/2020/12/11/simulacao-operacao-polvora-fab-e-mb-enfrentam-o-uss-nimitz/
De chorar.

BraZil

Oi. Alex. Lembro desta matéria. Mas continuo com minha opinião. temos que lembrar que o Brasil é um continente e achar que seria subjugado com somente um SC, sua ala e grupo de combate, não faz sentido para mim. mas nossos pontos fracos são mesmo de fazer chorar….abraços

RSmith

O senhor é muito gentil em dizer que com 3 CVN’s o Brasil cai de joelhos… na verdade basta umzin que da conta do recado tranquilo, tranquilo…

Marcos Silva

Na verdade basta um daqueles navios da Classe Wasp com meia-dúzia de F-35B

Alex Barreto Cypriano

Isso é um exagero…

Macgaren

O gigante despertou

Alex Barreto Cypriano

Bom, o Sal do WGOWS alerta, e a gente bem sabe por aqui, que o calcanhar de Aquiles da USNavy é a frota logística auxiliar, USNS ou civil, envelhecida, com falta de sobressalentes, sem tripulações e em número insuficiente. Suplementarmente há o gargalo para manutenções e construção. Aqui: https://youtu.be/X9gH6iAldOg?si=Z3JbGxeEr6t_roEC Já em Task&Purpose se sublinha, como igualmente bem sabemos por aqui, que China tem números mas perde em tonelagem e capacidades. Ao menos por hora. E que a USNavy tem planos ‘doidos’ pra vencer a China no mar, se necessário. Embora se esteja fazendo de tudo pra evitar conflito direto. Aqui:… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano

O que ficou do comentário me satisfaz. Bom trabalho editores.

Franz A. Neeracher

Somente um adendo:

O USS Abraham Lincoln CVN 72 realmente saiu de San Diego no dia 05, porém voltou nessa sexta-feira dia 16; foi somente um período de treinamento, algo muito comum.

Um pequeno erro do “South China Morning Post”, além de ser um tanto dramático.

Quando o USS George Washington chegar no Pacífico, o USS Theodore Roosevelt e o USS Carl Vinson muito provavelmente já estarão de volta aos EUA.

Camillo

Resolver os problemas de construção de novos navios não conseguem… Com o ritmo alucinante de construção naval da China impossível os chineses se sentirem ameaçados, com a maior marinha do mundo, com a terceira maior força aérea e com a maior força de mísseis do mundo, com as ilhas militarizadas do mar do Sul da China…, se esses porta-aviões se aproximarem em um conflito vão para o fundo…e a Coreia do Norte, além de ser uma potência nuclear, com o apoio russo e chinês tb não se sentirá intimidada. Agora deslocando boa parte da sua força, os EUA fazem um… Read more »

Gilson

Nada dura para sempre é assim que eu vejo as coisas, apesar de estarmos em tempos modernos e agora a inteligência artificial ( IA ), estar chegando, eu vejo essa tremenda força dos EEUU, em um dia se acabar como Roma, se acabou. Tudo tem seu tempo. Os dinossauros tiveram os deles, Hitler, teve o dele, os Ingleses, tiveram os deles, a Persia , os Vinkis. Enfim todos eles em suas épocas seus reinados acabaram. Hoje os americanos acham que são eles. Mas enfim, golias era imbatível e acreditava que jamais seria derrotado.

Marcos Silva

se preocupe com isso não. Eles sabem que estão perdendo terreno,mas já começam a pensar no que fazer pra retomar a ponta.

Paulo Sollo

Isto é exatamente como fazem várias espécies de animais em cujas disputas por liderança e território fazem demonstrações de força teatrais uns contra os outros, mas sempre tomando cuidado para não se excederem porque os danos sofridos podem ferí-los a ponto de deixá-los inválidos ou matá-los. A China já tem estoques suficientes de DF-21, também conhecido como Carrier Killer, para transformar todos estes grupos de ataque em recifes artificiais no fundo do mar. Basta um NAe ser destruido e o resto some as pressas. Porta aviões hoje só é efetivo contra adversários fracos e mesmo assim atuando a distância segura… Read more »

Rui Mendes

Se um desses fosse atacado e afundado, seria a vez dos Ohio dizer presente e a China sabe disso, portanto os porta-aviões vão fazer a sua demonstração de força e o máximo de resposta que terá, será um comunicado, dizendo que estão muito zangados e nem sequer é da China, mas do partido comunista Chinês e o lançamento de um míssil balístico Norte-Coreano, sem ogiva e para o mar. A Rússia nem sequer reagirá, pois sabe por experiência própria, que nada á para fazer, quando envolve potências nucleares credíveis, é observar e continuar a vida, para a próxima pode ser… Read more »

Heinz

DF-21 é tipo o míssel russo hipersônico Khinzal, o invencível,que não pode ser abatido, que traz o armagedon? Rs.

Felipe M.

“A China já tem estoques suficientes de DF-21, também conhecido como Carrier Killer, para transformar todos estes grupos de ataque em recifes artificiais no fundo do mar.”
Conhecido por quem?
Por você, sua turma e a propaganda chinesa, só se for.
Pq até hoje nunca chegaram bem perto de um porta aviões.
Do mesmo estúdio do “Gripen, matador de Sukhoi”.
Quantos Sukhois o Gripen abateu? Nenhum. Mas a propaganda está aí. Acredite quem quiser.

N ZAGO

Acho que o último recurso do império, antes de sua derrocada final; é descer 5 pelo
pacífico e 5 pelo Atlântico …

Dalton

Impossível de fazer dada a necessidade de manutenção. O NAe não deve ser visto como uma “bala de prata” e sim atuando com o restante do arsenal dos EUA e aliados como bombardeiros, tais como o futuro B-21, submarinos, mísseis de longo alcance baseados em unidades navais e terrestres e uma grande capacidade de reconhecimento e compartilhamento de dados.
.
Uma outra questão é que da mesma forma que os NAes podem parecer vulneráveis próximos à China, eventuais navios chineses que se afastarem para dentro do Pacífico ou Índico poderão também tornar-se vulneráveis.

Carlos

Que é uma força, ah, isso é, mas esses dois resolverem brigar… Não vai sobrar nem o blog para comentar…

Editores, faça backup…

Maurício.

Não precisa fazer backup de nada, esses dois não vão se enfrentar diretamente nem se a China decidir invadir Taiwan, Taiwan essa que os EUA nem consideram como país livre e soberano, nem os F-35 os EUA liberaram pra eles. Isso aí é só uma lenga lenga tipo a guerra fria, nada além disso.

Heinz

Olha, nunca duvide da insanidade humana

soldado imperial

Esta task force america é capaz de varrer dos ceus toda a PLAF. Com este tremendo poder militar eu não queria ser chines e piloto de caça ou bombardeiro….. Podem falar o que quiserem mas contra fato não há argumento! O nivel de treinamento de pilotos, os misseis, os sistema de awacs etc americanos estão muito na frete do que a China tem hoje. No futuro não sei como vai ser, porem hoje esta é realidade. Se os americanos hoje quiserem fazer um raid tipo o Dolittle hoje sobre a cidade proibida em Pequim hoje fazem de boa. Em vez… Read more »

Felipe

Kkk esse comentário de torcedor passa na moderação? Vi menos piores, mas a favor de China acima, que foram bloqueados..
Em tempo, China manda tudo isso pro fundo do mar com 5 mísseis hipersonicos apenas

Fernando "Nunão" De Martini

Você ao menos leu o comentário até o final antes de reclamar?

Olha… Você pode estar criticando o comentário de alguém que torce para o mesmo lado que você…

Mais uma prova de que esse nível de comentário de briga de torcida é garantia de passar vergonha.

Dá pra fazer melhor que isso, não dá não?

A gente torce pra você melhorar seus comentários, força aí!

Bispo

05 PA …kct …mais por quanto tempo os mesmos aguentariam um confronto intenso sem ter que reabastecer, munição, combustível para os caças , alimentos.

Cavalo que corre cavalo que come… para a China o primeiro movimento, creio, seria acabar ou dificultar ao máximo a cadeia de suprimentos aos PA.

Talvez 05 PA juntos sejam um erro crasso no atual estágio tecnológico de guerras , “a soberba precede a ruína” ..provérbio 16:18

Dalton

Isso não acontecerá, para se ter 5 NAes “juntos” a US Navy teria que ter pelo menos 15 e isso jamais voltará à acontecer. . O que o texto deveria informar de forma clara é que os EUA terão 5 NAes para uso no Pacífico, com as alas aéreas mais atualizadas, prioridade para o F-35C e Super Hornet Block III, mas, não todos navegando ao mesmo tempo ! . O USS Carl Vinson está retornando para casa depois de um desdobramento curto até porque ele saiu de um período de manutenção menos complexo o Abraham Lincoln ainda não está certificado… Read more »

Bispo

Esclarecedor 👍

soldado imperial

Cavalo que corre cavalo que come….
Imagine um embargo de comida feito pela US navy contra a China.
Quanto tempo o povo chinês iria aguentar ficar sem comida que chega pelos portos( soja, carnes, milho, trigo, etc)…… Primeiro iriam sacrificar seu enorme rebanho de porcos para comer, pois os porcos da china comem ração que não é chinesa.
A China está numa situação muito, mas muito mais complicada que a Alemanha imperial da primeira guerra mundial.
Fato!!!

Bispo

Mais fácil a China matar Tawain(ilha) de fome que o inverso …entraria comida via Rússia, fácil.

Mais , rs, tentar bloquear o transito de navios para China…que tem armas nucleares…suicídio.. sem contar que a marinha chinesa estará em casa…já os EUA.

soldado imperial

Ola, Este conceito que via Russia, está poderia abastecer a China é muito falho. Há mais de 100 anos atrás a Russia não conseguiu abastecer Port Athur em sua guerra com o Japão, o mesmo se daria hoje. 2-Fazer triangulação de paises, tipo vai pra pais A depois este revenderia pra país B funcionar mal e porcamente com países menores. Como abastecer um colosso do tamanho da China.Missão impossível. Os chineses de hoje não são os chineses de 50 anos (atrasados, ignorantes e sem acesso a qualquer comunicação) atrás que comiam grama( sem querer ofender o povo chines, apenas metáforas).… Read more »

BraZil

Bispo,seu arguto comentário me chamou atenção para um fato: 05 porta aviões juntos, contra uma outra enorme potência, só pode mesmo ser “mostrar bandeira”, pois em um combate real, só contra o Brasil eles poderiam enfileirar alvos gigantes assim, sem se preocupar. Contra Chineses ou Russos (em caso de guerra declarada), seria um erro CRASSO. Claro que se defenderiam, mas ficariam de uma só tacada, sem 05 SC e os caças sobreviventes no ar? se o combustível restante desse, desceriam em alguma pista próxima…

Maurício.

Nossa! Com um recado desses, o Xi Jimping nem vai dormir essa noite.

JPonte

É um poder militar colossal poder ter 05 ( dos seus 11 ) grandes porta aviões e suas escoltas se deslocando em meio ao vasto Pacífico para marcar presença e navegar ao largo do Mar da China …. vida longa a US Navy , que o caixa permita estes arroubos por um longo tempo … É muita força e muita determinação em usar se preciso for , isto distingue americanos dos demais e os adversários sabem disto . Agora se é bom ou mau , se vai funcionar ou não , se ajuda ou não ao próprio EUA eu não… Read more »

IvanF

Há previsão de instalação do AN/SLQ-32(V)7 (SEWIP Block 3), aquelas bochechinhas lindas que os DDGs vão ganhar, também nos Nimitz? Os Ford já possuem uma versão mais moderna que os Nimitz desses sistemas, mas ter o que há de melhor neles seria interessante também.

Sei que um carrier strike group tem todas as camadas de defesa antiaérea, mas sempre acho que esses PAs da USN mereciam ter mais defesas próprias… mas se não tem, deve ser porque não precisa, né? =)

Dalton

Precisar precisa Ivan, mas, haja dinheiro para tudo isso e é algo demorado já que também se aproveita um período de manutenção para instalar este e outros equipamentos. . Por enquanto a prioridade é para “Destroyers” afinal eles escoltam os navios maiores e muitas vezes são enviados para áreas potencialmente mais arriscadas adiante dos navios mais importantes e mais vulneráveis, o USS Pinckney foi o primeiro assim equipado e outros 3 já foram autorizados para receber tal melhoria. . Mas isso é apenas a “ponta do iceberg” aproximadamente 20 Arleigh Burkes IIA receberão o “SEWIP III” mas também uma versão… Read more »

Márcio Teodoro

Em um guerra total serão todos afundados, já que não existe defesa contra mísseis hipersônicos. Sabemos que a China já os tem.

Isaias Pereira silva

Estes paises que tem armas nuclear são todos covardes…quando entra em apuros com a Ucrânia, Rússia já diz que se estiver ameaçada já apela para tais armas covarde achou que liquidada a Ucrânia em estalar de dedos se ferrou, uns minúsculo drones Ucrâniano já afundou dois navios.

Fabio

Quem disse isso?

Last edited 1 mês atrás by Fabio
Fabio

Há claro, muito fácil, e quem afundou não sofrerá nenhum arranhão, diz a lenda

Bigliazzi

Fico apenas a imaginar a força de submarinos da US Navy… Devem ter uns 40 submarinos a patrulhar o Pacífico, nada que boie está a salvo deles.

adriano Madureira

Aah, como eu gostaria realmente muito, que os eua profundamente encontrassem oque eles tanto procuram…

Sorte deles que aos chineses sobra sensatez, mas algum dia quem sabe.



Paulo

A grande ameaça ao poderio militar norte americano não é a China, Rússia, Coreia do Norte ou Irã. A grande ameaça se chama dívida federal americana. Os EUA gastam muito mais do que arrecadam com impostos . Para tapar o rombo, óbvio é vender títulos da dívida para captar recursos. A contra partida é o serviço dela, os juros que devem ser pagos aos credores todo mês. O problema é que a dívida só cresce e o serviço dela idem. Hoje a dívida está em U$ 35 trilhões de dólares e cresce à taxa de mais de U$ 1 trilhão… Read more »