Jatos AF-1 operando no NAe São Paulo, em 2002

O Comandante da Marinha do Brasil, Almirante de Esquadra Marcos Sampaio Olsen, disse no final da apresentação no canal Personalidades em Foco no YouTube (em 1h49min), ao falar sobre a necessidade de aumento do orçamento, que o Presidente Lula o “provocou” a respeito de um porta-aviões.

O Almirante Olsen disse que respondeu ao Presidente: “Se o senhor me der hoje um porta-aviões, eu não tenho como operar esse porta-aviões. Não tenho recursos no custeio para combustível, para manutenção. Eu preciso necessariamente, a despeito de outras fontes que visam a obtenção dos meios, preciso da capacidade de manter esses meios”.

O Presidente Lula deve guardar lembranças da visita que fez com sua comitiva ao Navio-Aeródromo São Paulo (A12) em 4 de agosto de 2004, onde assistiu a pousos e decolagens dos jatos AF-1 Skyhawk, ao largo Espírito Santo. O NAe São Paulo, ex-PA Foch da Marinha Francesa, foi adquirido em 2001, no governo de Fernando Henrique Cardoso, para substituir o antigo NAeL Minas Gerais (A11), adquirido da Inglaterra em 1956 e incorporado em 1960, após extensa modernização na Holanda.

Presidente Lula e Dona Marisa no NAe São Paulo, em 2004
NAe São Paulo e NAeL Minas Gerais
NAe São Paulo e NAeL Minas Gerais navegando juntos em 2001

Contudo, em 2005, um ano depois da visita do Presidente Lula, o NAe São Paulo sofreu um acidente com o rompimento de uma tubulação de vapor e depois não voltou a operar normalmente, por outros problemas técnicos e contingenciamento de recursos. Após longo estudo para modernização, decidiu-se pela desativação do navio em 2018, devido ao seu alto custo e incertezas técnicas.

O casco do ex-NAe São Paulo foi adquirido pelo estaleiro turco Sok para ser desmantelado, mas em 9 de setembro de 2022, quando estava chegando àquele país, teve que dar meia-volta e retornar ao Brasil. A Turquia não autorizou a atracação do navio devido à presença de amianto a bordo.

O casco do navio acabou sendo afundado pela Marinha do Brasil em 3 de fevereiro de 2023, a 350 Km da costa em local com profundidade aproximada de 5 mil metros.

Substituto

NAM Atlântico

Para preencher a lacuna deixada pelo NAe São Paulo, a Marinha adquiriu em 2018, o porta-helicópteros britânico HMS Ocean, que no Brasil foi rebatizado inicialmente como Porta-Helicópteros Multipropósito Atlântico (A140) e mais tarde, como Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM).

Embora o NAM Atlântico seja útil, ele não tem capacidade para operar os jatos AF-1 Skyhawk da Aviação Naval, que passaram a operar somente de terra.

A Marinha em breve terá de decidir sobre o futuro do 1° Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (VF-1), se novos aviões serão comprados para substituir os AF-1 Skyhawk ou se o esquadrão será desativado. Mas só fará sentido adquirir novos aviões, se um novo navio-aeródromo estiver no horizonte.

Jato AF-1 sobrevoa o NAM Atlãntico

A Estratégia Nacional de Defesa (END) lançada em 2008 no Governo Lula 2, previa a construção de navios-aeródromo e de propósitos múltiplos. Ela também dizia que “a Marinha trabalhará com a indústria nacional de material de defesa para desenvolver um avião versátil, de defesa e ataque, que maximize o potencial aéreo defensivo e ofensivo da Força Naval.”

Na edição de 2020 da END, a parte do desenvolvimento do avião naval foi suprimida, mas mantida a dos navios-aeródromo.

De qualquer forma, é preciso lembrar que um navio-aeródromo novo custará bilhões de dólares e seu grupo aéreo embarcado também. E a força de superfície da Esquadra, que está desaparecendo, precisa ser renovada com meios e números adequados para prover a proteção ao navio-aeródromo.

VÍDEO: NAe São Paulo em 2002

Subscribe
Notify of
guest

433 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
PY3To - Rudi

SAMU 192….chama logo!

JOAO

Bizarro! A MB tá decadente msm.

Horacio

Pelo menos tivemos uma demonstração de bom senso pelo Almirante, falta tudo na MB ,Porta Aviões sem aviões, sem escolta , sem navio de suprimentos? Bizarro mesmo .

Rick

Falta até combustível no país do petróleo!!!!! Que que isso?!

Diego Tarses Cardoso

Não refinamos, então é o mesmo que não ter nada.

Elias

E o que é o COMPERJ? e a refinaria comprada nos hestadios unidios anos atrás pelo miesmo governo… phovo que não tem memória .. esqueceu?

Argos

Na verdade, são aviões sem porta aviões.

deadeye

Como resolver: desativar o esquadrão

Augusto José de Souza

Já é um bom começo,um almirante com pé na realidade tende a conseguir recursos para a modernização da MB com os projetos em andamento podendo avançar ainda mais,outros almirantes já teriam se alegrado todo como foi com o porta aviões São Paulo.

Francisco Calicchio

____

COMENTÁRIO REPETIDO APAGADO. MANTENHA O BLOG LIMPO.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

João Moita Jr

Só não falta lagosta, mordomias, champagne e cerimônias. Lembro que quando o capenga NAe São Paulo ainda pelo menos flutuava, quase todas as semanas via aqui fotos do convés cheio de pessoas em alguma festa de cerimônia, com oficiais de alta patente barrigudos sorrindo de orelha a orelha em evidência. Infelizmente a MB confirma aquela famosa declaração de De Gaulle ou do jornalista que o entrevistou;
“O Brasil não é um país sério.”

Abs

Last edited 1 mês atrás by João Moita Jr
Rafa

“No Brasil, até o passado é incerto”

Rinaldo Nery

Nem um nem outro: foi o embaixador francês.

JNWatanabe

E também não foi o embaixador frances….
Edgar, le Brésil n’ont è pas un pays sérieux” 
https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Brasil_n%C3%A3o_%C3%A9_um_pa%C3%ADs_s%C3%A9rio

Ozawa

Eu prefiro um presidente que debata com seu Comandante da Marinha sobre sua ideia de um “porta-aviões”, ainda que, no mérito, tal pretensão seja geopolítica, financeira e tecnicamente descabida, como já expus longamente há algum tempo [1], pois é assunto totalmente pertinente à atribuição constitucional de ambos, do que um presidente que debata com seu Comandante da Marinha sobre sublevar a ordem democrática, pois é assunto totalmente impertinente à atribuição constitucional de ambos, e crime. Por fim, um comandante discordou corretamente da proposta presidencial, e vida democrática que segue, já o outro concordou criminosamente da proposta presidencial, e espero que… Read more »

Walney

Um burocrata militante que pelo visto não sabe nada sobre Honra e moral! Comentário desprovido da realidade dos fatos ou tendenciosos por narrativas falaciosas. Triste

Gerson Carvalho

ficaremos apenas com uma guarda costeira.

Wilson

Gosto do seu otimismo!

Francisco Calicchio

_____

COMENTÁRIO REPETIDO APAGADO. MANTENHA O BLOG LIMPO.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

leonidas

Isso só é uma amostra grátis do absoluto desconhecimento sobre as reais condições de nossas forças desarmadas e do assunto em si mesmo. Dinheiro para isso nós temos, o que não temos é politica de estado e uma oficialidade realmente comprometida com a eficiência de nossas forças. Nossos oficiais são como os demais membros da elite do poder público, só pensam neles e nas suas picuinhas. Exemplo claro disso é que somente em governos civis (entreguistas heim!) é que o Exercito obteve finalmente sua aviação bem como a Marinha. Para não citar o fato mesmo o Brasil não sendo governados… Read more »

Lucas da Silva Evangelista.

Em parte eu concordo. Entretanto, podemos dizer que o Brasil precisa nestes momentos que passamos é de pessoas de carater no governo e de uma sociedade do mesmo nivel afim de colocar tais pessoas lá. Mas, cade essa sociedade? Se ela existisse de fato é provável que não estaríamos vivendo tal catástrofe.

Marco

Concordo plenamente

Francisco Calicchio

Leia meu comentários: lembranças aos teu bravos comandados de outros tempos…

Sergio

Aviação no exército apenas de asas rotativas.

Com a compra dos sherpas quase indo pro forno a gritaria infantil e bizarra da FAB foi tamanha que o ex presidente – um militar do exército!!! – foi – Mal – aconselhado a desistir do negócio.

É um escárnio.

Rinaldo Nery

Esqueceu dos F-5…

bruno

Tudo é possível se houver vontade política. Se houver vontade politica, por que não podemos pensar grande, como a grandeza de nosso país.

Rafa

Deve estar querendo um porta aviões para atacar Israel. Só pode.

Rafael Coimbra

O mais preocupante é que é capaz de aparecer do nada um porta aviões aqui, comprado sabe lá como, precisando de manutenção etc… e nós nem escolta temos p pensar em ter um NAe…

Vitor Botafogo

La vem mais devaneio… é impressionante como o Discurso destoa da realidade. Varios programas atrasados por anos , devido ao propio incompetente e agora se fala de Porta Aviões.
É Iludir pra protelar e “ganhar” capital político.

AVISO DOS EDITORES A TODOS: CONTRIBUAM PARA NÃO DESVIAR O ASSUNTO PARA A DISPUTA POLÍTICA ENTRE APOIADORES DO PRESIDENTE ATUAL E DO PRESIDENTE ANTERIOR.
LEIAM AS REGRAS DO BLOG:

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rodolfo

Carrier group escoltado pelo Alvaro Alberto e operando F35… no ano de 2100.

Carlos Crispim

Correção: Ano 3000.

Fernando

___

COMENTÁRIO APAGADO. LEIAM OS AVISOS ANTERIORES DOS EDITORES

Julio reis

___

COMENTÁRIO APAGADO. LEIAM OS AVISOS ANTERIORES DOS EDITORES

Julio reis

___

COMENTÁRIO APAGADO. LEIAM OS AVISOS ANTERIORES DOS EDITORES

Argos

Esse aviso deveria ser colocado no comentário anterior, do Leonidas.

Macgaren

Caramba brasil chegou a ter 2 PAs ao mesmo tempo? Mesmo que um sendo desativado.

Ai sim fomos surpreendidos.

Leandro Costa

Sim, tivemos. Por mais ou menos um dia.

BK117

E nesse dia, caro Leandro, o Minas navegou mais que o São Paulo navegaria em muitos anos rsrsrsrs

Augusto José de Souza

Minas Gerais deveria ter virado museu,esse sim cumpriu sua missão na MB diferente do São Paulo que tinh uma galera que insistia em preservar ela,sendo que só trouxe problemas e ainda tirou a vida de marinheiros,imagino que para os familiares das vítimas daquele incêndio,tem que o tempo todo olhar aquele casco no AMRJ deve ter sido um pesadelo.

Afonso Bebiano

Eu relativizo essa afirmação de que o Minas cumpriu a missão.
Navegou, mas tinha baixíssimo valor militar.
Se houvesse a necessidade de entrarcem combate, viraria Moskva.
Ou repetiria o vexame do Veintecinco de Mayo.

Leandro Costa

Discordo. Como plataforma ASW o Minas Gerais servia, e serviu muito bem. Não muito diferente dos CVS da USN. Na época, operaríamos junto à FT’s multinacionais e nos exercícios ASW tínhamos boas participações.

Carlos Crispim

Ele falou em guerra de verdade, não exercícios e desfiles, o Minas Gerais não servia pra combate, como a maioria das nossas belonaves, é fato.

Leandro Costa

Na década de 1980? Não lembro se foi na UNITAS de 1984 ou algo assim, detectamos submarino nuclear soviético enviado para ficar de olho no exercício. Talvez o Galante saiba melhor disso. Mas sim, para ASW, guerra de verdade, o Mingão estava fazendo o trabalho, mesmo que estivesse precisando de substituto.

Ediberto

Verdade, pois o Nael Minas Gerais, havia sido preparado, gastou-se muito para que sua Catapulta pudesse lançar os a aviões Caças, o problema é que o Nael já pronto para operar e lançar os Caças, foi desativado para incorporar o problemático São Paulo, que pouco fez jus ao gasto que deu!

Fernando "Nunão" De Martini

Como diria Leônidas, um pouco mais…

O São Paulo chegou ao Brasil em 17 de fevereiro de 2001, com o Minas Gerais zarpando no dia anterior, capitaneando um GT para que em seguida navegassem lado a lado na chegada.

A mostra de desarmamento do Minas foi em 9 de outubro daquele ano. Então, tecnicamente, ainda que isso não faça diferença alguma, por 8 meses tivemos dois navios-aeródromos.

Leandro Costa

Eu estava na Fortaleza de Santa Cruz na chegada do São Paulo. Cerimônia bonita e foi interessante ver o Mingão passando ao lado do SP. A diferença de tamanho foi algo bem comentado. Tecnicamente foram oito meses, mas na prática foram algumas horas hehehehe

Luiz Fonseca

E o então presidente ganhou um apartamento em Paris.

Fernando "Nunão" De Martini

Luiz (mas o recado serve pra todos) Os quatro editores do site estão tendo cada vez mais trabalho com moderação de comentários (que não é nossa atividade-fim) por causa dessa mania, por parte de cada vez mais comentaristas, de desviar todo debate para a disputa política entre apoiadores deste ou daquele presidente ou ex-presidente. Daqui a pouco aparece outro pra contrapor, elogiando FHC e atacando Lula, depois outro elogiando Lula e atacando o Temer, ou o Bolsonaro, outro atacando a Dilma e por aí vai. Ou melhor, por aí não vai, porque a discussão não vai pra lugar nenhum. Então… Read more »

Horacio

Perfeito ! E a verdade que nunca tivemos um estadista que pensasse no Brasil a longo prazo e como a potência que deveria ser, País de um futuro que nunca chega , Eu imaginava que um Strike grup da US Navy seria suficiente para acabar com as defesas Brasileiras, pelo visto nem precisa tanto .

NEMOrevoltado

Dom Pedro Segundo!

Sensato

Concordo que comparações de fato configuram disputa política e não agregam aos temas ou aos debates. Contudo, quando se trata de Defesa e se menciona o governo atual faz ou deixa de fazer, é comentário atinente ao tema do Blog.

carvalho2008

Nunão, acrescenta ai os comentarios infantis que ate o privilegio de ineditismo ja perderam do tipo:

  • enquanto isto, na MB….
  • Na banania….
  • das lagostas e viuvas e filhas solteiras…

Pelo amor de Deus….dá vontade de cortar e deletar estes comentarios depressivos sentimentalistas frustados…isto aqui não é divã de psicologo….ou comenta algo de acrescimo informativo e de estudos, ou guarda para o chopp de bebedeira ou psicologo….

Jadir

Os moderadores têm que bloquear certas cabeças de bagre. Certas acusações só criam discórdia e disseminam o ódio.

Fernando "Nunão" De Martini

Jadir,

A lista de comentaristas bloqueados já está na casa de centenas. É um formigueiro.

Infelizmente há comentários que escapam da moderação. Mas vocês não fazem ideia da quantidade de lixo que são poupados de ver diariamente.

Carlos Crispim

acontece em todos os blogs.

Jadir

Tens como provar essa acusação?

Fernando "Nunão" De Martini

Você realmente deseja seguir por essa linha de discussão mesmo após a minha solicitação e os diversos avisos feitos pelos demais editores do site? Tem certeza?

Moriah

Como eu disse em outro comentário, tivemos isso por tão pouco tempo.

George Calmão

zarpando não……………………..suspendendo.

carvalho2008

Sim, tivemos 2 Porta Aviões por uns 8 meses, mas operacionalmente somente 1….ou a tripulação e equipagens ficaria em um ou outro…. atenção especial a informação que o Minas Gerais tinha acabado de sair de uma modernização e reforma, prevista para durar mais uns 10 anos operacionalmente, mas a oportunidade do Foch foi tentadora demais, era uma navio bem maior e capaz de operar aviões mais sofisticados….os A-4 apesar de possiveis de operação no Minas gerais, possuiam algum tipo de restrição e riscos que embora com bom valor militar mesmo assim, a transferencia da operação no foch abriria novas oportunidades.… Read more »

Santamariense

A troca do Minas Gerais pelo São Paulo foi uma burrada sem tamanho. Trocaram o certo pelo duvidoso. O Minas Gerais, que tinha passado por modernização pouco antes e teria boa vida útil ainda. Operava os A-4 (lembre que a Argentina operava o Veintecinco de Mayo, irmão do Minas Gerais, com A-4 e Super Etendard). Já o São Paulo, que foi comprado por apenas 12 milhões de dólares, precisava passar por significativas intervenções em vários de seus sistemas, principalmente no sistema de vapor, caldeiras e catapultas ( e isso foi avisado pelo franceses). Mas, a MB, encantada pelo canto da… Read more »

Carvalho2008

Neste ponto, sim, o amigo Santamarinense está correto. Pois para doutrina, controle de área marítima, porta helicópteros, o Mingao dava para o gasto e muito bem….mas foi o que foi….e só para encher o saco….o Mingao era especificação e simplicidade mercante….Tal como todos os navios aeródromos feitos as pressas para salvar do aperto….

Leandro Costa

Santamariense, o que me contaram na época, era de que o Mingão, sozinho, abocanhava coisa de 40% do orçamento disponível para operações, enquanto que o A-12 abocanharia em torno de 21%, liberando mais recursos para operações. Mas realmente, e vou levar pedradas com essa minha opinião, com tudo que foi feito no Minas Gerais, que tinha uma capacidade super limitada devido à tamanho e grupo propulsor (eu jogava baseball com um cara que foi marinheiro de máquinas no Mingão. As histórias eram de deixar qualquer um boquiaberto, e isso em fins de carreira do navio). A percepção de todo mundo… Read more »

Santamariense

Concordo com praticamente tudo, caro Leandro. Mas, na época eu já achei a compra do São Paulo um passo maior do que a perna. Nuncaxacreditei em END, PEAMB e outras ficções. E comprar um porta-avioes por 12 milhões de dólares já devia ter deixado todo o almirantado de olhos bem abertos. Algo assim não pode estar em condições de operar.

Leandro Costa

Eu tinha um pouco de ‘entrada’ na época. Eu fazia um curso de expansão em programação na PUC-RJ e um dos meus professores, que me dava carona de volta para Niterói de vez em quando, era CMG da MB ainda na ativa, dando aula por esporte. Antes de ser divulgado eu já sabia que o A-12 havia sido adquirido, que seu comandante já havia sido selecionado, e a tripulação já escolhida e sendo preparada para envio à França. Também me contou que a MB havia feito um estudo detalhado do navio, sabendo exatamente o que precisariam consertar, modernizar, etc. Pouco… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Inclusive na época em que o MD era daquele senhor cujo nome esqueci, mas tinha um sotaque e tanto, que tinha planos ultra grandiosos para as FFAA.”

Acho que você está falando do Mangabeira Unger. Mas ele não era MD, era ministro de Assuntos Estratégicos.

Leandro Costa

Isso! Isso! Mangabeira Unger. Rapaz… que sotaque… Não lembro se a primeira palestra dele em que estive foi no CADN de 2007 na EN, mas deixou uma baita impressão.

Mas coisa de 90+% das idéias dele eram absolutamente impossíveis de implementar apenas sob a autoridade de um ministério.

Wilson

“Bananeira” Unger, exemplo do atraso, da servidão voluntária aos EUA, do neocolonialismo e da limitação intelectual que marcou uma geração. Formaram uma tecnocracia tão poderosa quanto obtusa e deslumbrada (com honrosas exceções como Roberto Campos e Delfin Neto)

Fernando "Nunão" De Martini

Wilson, Vamos tentar manter o debate em alto nível, por favor. Você pode criticar as ideias do sujeito, mas sem partir pro lado pessoal à toa, chamando de “bananeira” (o que também tem conotação de república de bananeiras). Eu mesmo via de maneira bastante crítica, na época, muitas das ideias do então ministro, e vejo ainda hoje. Mas acusar o cara (no contexto da época em que o Leandro está debatendo) de “servidão voluntária aos EUA” é totalmente inverso em relação ao que ocorria. O Plano Nacional de Defesa e o Livro Branco de Defesa (os quais critiquei na época,… Read more »

Afonso Bebiano

Eram dois PAs que, somados, não davam meio.

Carvalho2008

Ok, mas é uma opinião que vale 1/6….tá no lucro….

Afonso Bebiano

Se cada um começar a precificar a opinião do outro, não chegaremos a bom termo.

carvalho2008

Minhas desculpas mestre Afonso! não ira acontecer novamente

Afonso Bebiano

Mestre Carvalho, nada há a ser desculpado.
É normal que haja divergências entre nossas opiniões.
Aproveito para manifestar meu apreço e consideração pelo que você acrescenta às discussões, em suas postagens.
Um abraço!

Justiceiro Hroth-Beorht

Ambos, por anos, parados nos estaleiros. Um deles vendido e como não pode sair do Brasil, foi afundado nas costas de Pernambuco! Histórias de terror!

Henrique

“O Almirante Olsen disse que respondeu ao Presidente: “Se o senhor me der hoje um porta-aviões, eu não tenho como operar esse porta-aviões. Não tenho recursos no custeio para combustível, para manutenção.””

Entenda pq não ter recursos na MB é realmente bom, não ironicamente kkkk 
ao menos enterra essa fantasia de PA

“Eu preciso necessariamente, a despeito de outras fontes que visam a obtenção dos meios, preciso da capacidade de manter esses meios”.

essa é a parte que todo mundo já sabe e o governo não entrega, todo mundo sabe pq.

Last edited 1 mês atrás by Henrique
George Calmão

o Almirante deveria ter dito que poderia sim ter o PA, e que faria o possível para ele operar…………. ou estou errado?

Henrique

ai ela teria um corte de orçamento no mes seguinte kkkk

a estratégia é falar que sempre ta ruim pra ter mais dinheiro, pq é assim que funciona no publico. problema que ela ta falando a verdade e não escutam

Rogerio

As inúmeras OMs que criam para dar vaga para almirantes mostram a ponta do iceberg do desperdício. Dinheiro jogado no ralo e querem mais grana, pura incompetência.

Ricardo Machado

Não sei agora, mas essa PRAGA parece se alastrar em todo o mundo:
Alguns anos atrás, um Relatório do Comitê das Forças Armadas do Congresso dos EUA contou que na U.S.N. existia 1 Almirante para cada 2 navios (E nos sabemos que muitos são de APÓIO…)
A busca de “SINECURAS” Estatais e ATAVICO no Serviço Público em qualquer Ramo de Atividade do Estado…

Santamariense

Se ele falasse isso, seria, no mínimo, irresponsável.

renato

Está errado. O possível da MB hoje é não conseguir possui e operar sequer navios escolta ou patrulha. Quaisquer recursos adicionais que a MB venha a obter devem ser destinados a fazer ela voltar a ser uma Marinha digna do nome, que tenha e opere adequadamente escoltas e patrulhas. Somente depois disso muito bem consolidado é que poderia se voltar a pensar em porta aviões. Ou seja, em uma visão otimista, no mínimo daqui a 20 – 30 anos.

Ricardo Machado

Coluna de Comentários da Mirian ______
Entenda porque ficar SEM Navio-Aérodromo e BOM para o Brasil.

EDITADO. MANTENHA O RESPEITO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Marcelo

Porta aviões……pra que isso?????

Santamariense

Pergunta para o atual ocupante do planalto. Ele que falou em porta-aviões. O comandante da MB disse, em outras palavras, “não, muito obrigado!”.

Augusto José de Souza

Pela primeira vez eu vejo vim comandante sensato que olha a realidade,os outros almirantes já teriam pulado de alegria com essa oferta,espero que ele consiga recursos para ampliar os projetos em andamento,uma marinha com meios navais para vigiar a costa brasileira é o suficiente,porta aviões é coisa de superpotências que torram dinheiro como se fosse brincadeira.

George Calmão

projeção de poder sobre eventuais inimigos tentando invadir nossas águas, e um PA é intimidador. Isso nos garantiria muita proteção. Pq vc acha que outros países operam PA?

Sensato

NAe sem grupo tarefa para escoltar adequadamente e sem aeronaves para operar não intimida ninguém!

Augusto José de Souza

E no contexto atual das tecnologias navais,se não tiver destróiers,submarinos e radares protegendo ele,os drones navais e mísseis de Cruzeiro fazem a festa nesses gigantes.

carvalho2008

Pergunte aos Chineses…..

Porta Aviões para que? Eles não tem bases a 20 mil km de casa, não navegam no Atlantico, nem no Mediterraneo, pouco no Indico, apenas no pacifico e no cercado doo Sul da China…nem precisam deles para Taiwan ( so para inviabilizar comentario desnecessario) pois a ilha fica a 180 km….ate planador chega….

Para que Porta Aviões não é mesmo…um guru disse que é arma de projeção???? vixe…alguem fala de 10% da utilidade que vira mantra de 100%….

Para que um Porta aviões adianta para a China….vão navegar aonde e fazer o que?

Last edited 1 mês atrás by carvalho2008
Santamariense

Caro Carvalho, você não está comparando a china com o Brasil, não é?

Carvalho2008

Sim! Estou sim….e objetivamente a pergunta….onde está o tal propalado poder de projeção dos Nae….e embute a pergunta…dos Chineses? Oras, até o momento, alguém deseja cometer a gafe de afirmar que não são majoritariamente para seu anel externo de defesa? É nisto que foco é reafirmo….Nae não é produto de projeção específica….ele é instrumento de controle aeronaval onde se encontre, quer seja no ataque ou na defesa….o resto é mantra anos 70….

Santamariense

Você não entendeu minha pergunta. Os chineses lançam um navio a cada semana, praticamente. Tem uma capacidade construtiva gigantesca, grana aos montes, mão de obra sobrando, interesse político em investir em defesa, política expansionista, basta ver seus investimentos na África…coisas que o Brasil não tem (nenhuma delas). Não há meio de comparação entre Brasil e china. Porta-aviões no Brasil só depois que todas as outras coisas básicas que a MB precisa estiverem atendidas.

Carvalho2008

Ok, mas não estou ou fiz comparação neste aspecto

BK117

Cruz credo! Nem dá ideia pra Marinha, senão daqui a pouco embarcamos em algum projeto de NAe enquanto assistimos a frota de superfície definhar… Porta-aviões são os navios mais impressionantes da atualidade (valeu por isso, Top Gun), e é normal esse desejo por um, mas é inviável. Sinceramente, eu não vejo necessidade de porta aviões na MB, mesmo se tivéssemos uma esquadra de respeito. Prefiro mais escoltas e, no máximo, um navio de assalto anfíbio com capacidade de operar alguns F-35. No Rio já temos Santa Cruz. Se eu fosse a MB, eu já transferiria o VF-1 pra Natal e… Read more »

Satyricon

Discordo.

Por mim, encerra-se as atividades do VF-1
Vende tudo e passa a régua.
Se sobrar algum troco, comprem-se drones, mais úteis e efetivos

carvalho2008

O amigo está ciente que um A-4M que foi modernizado, tem valor de combate similar ou supeior a um M-346 top de linha?

É como sugerir jogar M-346 fora…é isto mesmo?

Fernando "Nunão" De Martini

Pois é. Mas para treinar e manter a proficiência dos pilotos não precisava tanto. Os equipamentos e sensores instalados nos A-4 da MB permitem muito mais do que isso. Desde que integrassem um míssil antinavio à aeronave (e obviamente exercitassem seu emprego, incluindo disparos contra navios-alvo), essa meia dúzia de jatos tecnicamente ofereceria mais poder de dissuasão (contra marinhas sem grandes navios-aeródromos, é claro) do que fragatas modernizadas praticamente da mesma idade em serviço. Não estou falando, é claro, das demais atividades realizadas por fragatas. E se somarmos as capacidades combinadas de ambos os meios (fragatas e jatos com mísseis… Read more »

Carvalho2008

Isto mesmo!!! Mestre Nunao!!! O problema não é o avião….e a falta da compra do míssil…e somente isto….

Fernando "Nunão" De Martini

Na verdade, é pior ainda: falta empregar na aeronave os mísseis que já existem!

Claro que a compra de mais mísseis seria importante, mas o fato é que Harpoon e Exocet de emprego ar-mar já estão aqui…

carvalho2008

As vezes, mestre Nunão, ach que é e foi pura picuinha ou esta esquisitisse da MB de não revelar nada e não falar nada….como se fosse o supra sumo…de repente, talvez ate esteja integrado….pois o programa já está integrado no 2032….ela aquela mesquinhez de não falar se fizeram com o perdão da palavra…a porcaria do download….pois é quase isto que estamos falando do Elta 2032….ja foi feito isto as pencas….

Last edited 1 mês atrás by carvalho2008
Fernando "Nunão" De Martini

O problema com essa hipótese é que, no mínimo, seria necessário realizar exercícios com navios-alvo e, mesmo sem lançamentos, simular esse tipo de ataque (sea skimming) com frequência na doutrina do esquadrão.

Esse conjunto de atividades não passaria batido. Ainda mais numa marinha que pouco tempo atrás teve que reduzir atividade aérea e até testes com o Mansup por falta de verba para combustíveis, como foi noticiado com exclusividade aqui e depois confirmado indiretamente pela própria MB.

carvalho2008

o speacat jaguar com o elta 2032 e o Harpoon
comment image

Fernando "Nunão" De Martini

Carvalho, só pra deixar claro: não estou falando do problema com a hipótese em termos técnicos, e sim quanto à hipótese dessa capacidade, com os AF-1B e C da MB, ser mantida em segredo.

BK117

Caros Nunão e Carvalho, de fato. A modernização dos A-4 lhes deu uma capacidade considerável. Só não entendo a subutilização que a Marinha dá (ou pelo menos aparenta dar) para eles. A gente basicamente só tem visto eles recentemente em exercício de transito sob ameaça aérea ou ataque vetorado por navio. Pra isso nem precisava de uma modernização tão extensa. Por isso sugiro a transferência para Natal. Além de interceptação de jatos com irregularidades ou em emergência, poderiam atuar no esclarecimento marítimo com seu radar, como já fizeram antes com sucesso, sabendo que aquela região tem um trânsito considerável de… Read more »

Renato B.

As vezes eu acho que a aviação de patrulha devia se tornar a aviação da MB e acabou. Algo nos moldes da antiga AV/MF soviética.

Aviões com muita autonomia, capacidade de esclarecimento e alguma capacidade antissubmarino para apoiar os navios. Eventualmente mísseis antinavio de longo alcance.

Fernando "Nunão" De Martini

Também acho que a Aviação de Patrulha deveria ficar com a MB.

Moriah

A FAB já tem atribuições demais.

Fernando "Nunão" De Martini

A Marinha também.

Mas acho que operacionalmente seria melhor os esquadrões de Patrulha Naval ficarem para a MB.

Horacio

Mas de acordo com o tecto havia um programa governamental para a construção de NAE imagina o Ralo de verbas que isso seria ?

renato

Pelo amor de deus esse esquadrão já deveria ter sido encerrado a anos. Somente seis aeronaves, operacionais deve ser menos ainda. Sem preparo para uso de armas modernas… O que se gasta com a manutenção do esquadrão como um todo é dinheiro jogado no lixo. Muitos vem com o papo de “manter doutrina”, primeiro uma doutrina que sequer sabe operar misseis anti-navio em um esquadrão naval beira ao ridículo. Manter até quando? na hipótese remota de quando tivermos um porta aviões? daqui a trinta anos? Todos os pilotos atualmente operacionais se aposentam muito antes disso. Encerra esse esquadrão e requalifica… Read more »

ANTONIO CANDIDO DE SOUZA

Um país que renega a defesa do seu território, e não possui meios de dissuasão perante inimigos externos, destinando mais dinheiro a mordomias, jamais terá uma esquadra poderosa ou força aérea ou exército. Somos anões diplomáticos e militar.

Horacio

Acho que só tivemos uma Marinha de verdade no Brasil Imperial.

Bruno Vinícius

A Marinha estava para o Brasil Imperial como o Exército está para a República. À época, a marinha ficava com a maior parte do orçamento, hoje é o EB. Uma divisão de recursos que eu vejo como um erro, dado que a FAB e a MB são tão ou mais importantes que o EB para a defesa da nação e de suas riquezas.

ANTONIO CANDIDO DE SOUZA

L3mbrando que durante o 2º Império tivemos a terceira marinha mais poderosa do mundo; hoje é uma força pífia incapaz de defender a nossa costa.

Não Antonio.

A Marinha Imperial chegou a figurar muito bem regionalmente e até mesmo em comparação com a Marinha dos EUA entre 1850 e 1880, mas não chegou nem perto de ficar entre as 3 maiores do mundo.

Muito longe disso.

Infelizmente você foi mal informado a esse respeito.

Allan Lemos

Essa é uma fake news que vem dos primórdios da internet brasileira.

Fernando "Nunão" De Martini

Sim, conheço bem.

Essa historinha visita os comentários, periodicamente, desde que o Poder Naval mudou para o formato blog, em 2008.

Mas já assombrava textos desde os tempos em que os fóruns eram listas de e-mails, na segunda metade da década de 1990.

Antes disso, frequentou debates em jornais, telegramas, telégrafos e provavelmente trocas de mensagens por pombos-correio.

Rafael Oliveira

A bem da verdade, essa “fake news” foi publicada junto com outras dezenas num compilado feito no Forte para engrandecer o Império do Brasil.
Até hoje tem gente que acredita que é tudo verdade.

Fernando "Nunão" De Martini

No Forte, aqui da Trilogia? Não me lembro(sério), tem o link?

Rafael Oliveira

Desculpa a demora, Nunão.

https://www.forte.jor.br/2019/01/05/o-brasil-no-imperio/

Também teve uma outra matéria anterior com a mesma informação que eu não encontrei numa pesquisa rápida.

Fernando "Nunão" De Martini

Obrigado, Rafael. Todo site pode ter um dia ruim, com certeza foi um desses dias no caso do ForTe. Não sabia dessa matéria.

Esse compilado tem uma ou duas informações próximas da verdade, e várias erradas. Não deveria ter sido reproduzida no site, na minha opinião.

Mas posso também afirmar que certamente não é a origem da quantidade de desinformações sobre o Império, que vem de décadas e décadas. Só uma gota d’água no oceano.

Conversamos agora na edição do blog e tiramos do ar esse erro de anos atrás.

Rafael Oliveira

Nunão, realmente deve ter sido um dia ruim e com certeza não foram vocês que começaram com essa informação falsa.

E que ótimo que tiraram a matéria do site. Uma bela lição de autocrítica.

Fernando Vieira

Na minha humilde opinião a matéria poderia ter ficado no ar com nota da redação contextualizando a matéria e corrigindo o conteúdo da original.

Mas só minha opinião, o importante, e que foi feito, é não propagar desinformação.

Marcelo Baptista

Oi Nunão, sugestão, não tirar a noticia do blog, apenas (com certeza não é “apenas”) corrigir as informações equivocadas.
Quem for buscar o assunto, encontraria as fake news e as devidas reparações.

Fernando "Nunão" De Martini

Marcelo,
Não vale a pena.

EduardoSP

E muito propagada pelos “monarquistas”, que fantasiam sobre a superioridade do império sobre a República.

Horacio

Ouvi dizer que era uma Marinha Poderosa ,não como as Potências Europeias da Época, mas li em algum lugar e vi um doc no YouTube que a classificavam como a Quinta ou sexta maior.

Fernando "Nunão" De Martini

Também não chegava a tanto, Horácio.

Nativo

Numerosa sim . Poderosa é viagem.

Marcos

Um monte de barcaças improvisadas.
Entenda, o Brasil sempre relativizou a Defesa.

Fernando "Nunão" De Martini

Não.
O Antonio exagerou (muito), mas a Marinha Imperial não era composta de barcaças improvisadas.

Ambos precisam urgentemente estudar o assunto para não comentarem besteira.

Tem um monte de matérias aqui sobre a Marinha Imperial. Aproveitem. Usem o campo busca do blog e aproveitem o fim de semana para ler.

George Calmão

amigo, vc quase acertaria se tivesse estudado um pouquinho mais, rrsrsrsrsrsr

Willber Rodrigues

“O Almirante Olsen disse que respondeu ao Presidente: “Se o senhor me der hoje um porta-aviões, eu não tenho como operar esse porta-aviões. Não tenho recursos no custeio para combustível, para manutenção. Eu preciso necessariamente, a despeito de outras fontes que visam a obtenção dos meios, preciso da capacidade de manter esses meios”.”

O fato do atual alm. finalmente ter tido a lucidez de pensar nisso me deixa aliviado…

Marco Silva

_____

COMENTÁRIO APAGADO. NÃO USE O ESPAÇO DE COMENTÁRIOS PARA PROSELITISMO POLÍTICO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Charle

Porta-Aviões que leva ao aumento de recursos destinados à (m)arinha, que leva ao aumento de efetivo, que leva, mais cedo ou mais tarde, ao aumento de soldos, que leva à mais aposentadorias e pensões integrais, que leva à criação de comissões destinadas à escolha da belonave, que leva à mais “filhas solteiras” recebendo benefícios até os 100 anos de idade, que leva à mais…

É só ordenar o que leva ao quê e completar.

Max

Os houthis estão negando acesso naval apenas com drones.
PA são para projetar força internacional. Submarinos já são boas formas de aterrorizar o mar inimigo.

George Calmão

4 unidades são poucos………………..mesmo se vc incluir 1 unidade nuclear.

Sensato

Entendi o raciocínio mas faltou uma comparação que faz toda a diferença e é o fato de que eles atuam sobre um estreito e nós milhões de quilômetros quadrados do Atlântico Sul

carvalho2008

Errado mestre Max…..os Houthis conseguem esta proeza e com drones porque o Mar vermelho é um “Beco”….os navios tem de passar na calçada de casa…..e para tal, drones conseguem ser bem aplicados…já o Brasil, não tem becos, exceto foz do Amazonas….isto quer dizer que inimigos podem vir nos acertar de longe e minar drones e baterias costeiras nossas até limparem a area antes da invasão hipotetica…
comment image

carvalho2008

comment image

Last edited 1 mês atrás by carvalho2008
George Calmão

e vc acha que economizando tudo isso ainda teremos bastante recursos para ter munição o bastante para encarar uma guerra?

Vitor Botafogo

esta todo mundo cansado dessa fake news. Pare de vir aqui e repetir isso por favor.

Nativo

Muita ideia de jerico do presidente e principalmente do almirante, que tem o dever de mostrar a real situação de falta de meios, mais úteis para a Marinha.

Fernando "Nunão" De Martini

Acho que você precisa ler a matéria de novo, especialmente a resposta do almirante.

Rodrigo Corrêa Martins

Tá ruim de interpretação, hein filho…

Nativo

A resposta do almirante foi que lhe faltam recursos para manter os meios, e Não que tais meios sejam, indevidos no momento.
Vou precisar desenhar ou já entenderam?

Santamariense

Ah, que falta faz uma boa interpretação de texto …

Marcos

Mais 2 Riachuelos e mais Tamandarés.

Moriah

6 x 8 de preferência

carvalho2008

Como chegamos no fundo do poço…é isto ai….priorizar os meios mais baratos de de maior efetividade no momento…SUbs pequenas fragatas e NapaOc

Renato de Mello Machado

Mais submarinos é melhor.

George Calmão

como os submarinos vão patrulhar sem canhões? Tente responder a essa pergunta………………e já adianto que não é economicamente viável afundar unidades inimigas de pequeno porte com torpedos……………

carvalho2008

Creio que o amigo tenha apenas ilustrado sob a otica de meio puramente militar de defesa, na qual SSK´s ainda são os meios mais baratos e efetivos com potencial de sucesso…isto logico , considerando-se que a força esta desequilibrada e precisa começar de algum lado….o qual seria este, complementando-se os demais gradativamente….não é diferente do que a MB esta pensando no momento….SSks e pequenas fragatas…

Renato de Mello Machado

Submarinos o resto da esquadra menos porta aviões.

Rogerio Loureiro Dhierio

A parte que realmente interessa no texto refere-se ao fato de um PA e seu grupo embarcado valer bilhões.

Daí o interesse real do Nine.

Grana.

Quer uma parcelinha desse montante.

AVISO DOS EDITORES: NÃO USE O ESPAÇO DE COMENTÁRIOS PARA PROSELITISMO POLÍTICO.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Akhinos

Lamento informar aos caros foristas aqui do blog que os devaneios vão aumentar. Os tais 2% do PIB para a defesa parecem que serão aprovados até o ano que vem. Um colega egresso da mesma faculdade que eu, e que hoje está na equipe econõmica do Haddad, disse que existe um grande esforço do governo em agradar os militares, depois das situações recentes que não vem ao caso comentar. O que eu achei engraçado é que eu perguntei se teria algum mecãnismo de enforcement nesse aumento de orçamento, para que as coisas não acabassem nos famosos 89% em gastos correntes,… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Akhinos
Gabriel

No texto da PEC que destina 2% do PIB para as forças armadas, tem uma exigência em relação aos gastos:

Art. 166

I – Pelo menos 35% (trinta e cinco por cento) das despesas
discricionárias do Ministério da Defesa deverão referir-se ao
planejamento e à execução de projetos estratégicos para a Defesa Nacional.

Bruno Vinícius

“das despesas
discricionárias do Ministério da Defesa”

A palavra chave aqui é “discricionárias”. As despesas discricionárias são as que sobram após o pagamento de salários/soldos e benefícios previdenciários.

EduardoSP

Faz todo sentido uma esquadra por lá! Precisamos proteger nossas vias fluviais!
O problema é que não tem ninguém querendo trocar o RJ pelo AC.
Mas podemos deixar a esquadra lá e o comando em Ipanema.

Felipe Morais

Sim. E o navio capitânia será uma canoa, com um 38 amarrado na proa.
Na segunda esquadra, teremos a poderosa Macaé como capitânia.
E na primeira esquadra, a Corveta Barroso, Pau pra toda obra.

Samuel Asafe

O comandante da marinha fez uma live essa semana falando que haverá um gatilho na proposta da PEC que condiciona o mínimo de 35% do orçamento pra investimentos, dos 2%.

Vitor Botafogo

Da forma como você coloca, parece ate que os militares vão aumentar seu próprio salario e viver bem como o Judiciário que aprova o seu próprio aumento. Você esta enganado, a proposta não é esse e o Ministerio da Defesa não tem essa prerrogativa.
Sou a favor do aumento dos 2% e que o Min da Defesa tenha liberdade para alocar nos projetos que achar mais importante para as 3 forças como instituição de estado.

Luís Henrique

Eu sempre defendi a insistência da MB em possuir um navio aeródromo e caças embarcados, dentro do conceito de possuir capacidade de controle de área marítima, manter doutrina, etc.

Mas depois de longos anos mudei de ideia.

Acho que só devemos pensar em navio aeródromo depois que a MB tiver, no mínimo uns 20 navios de combate novos e uns 20 submarinos novos.
Ou seja, caso aprovem o aumento de orçamento de 2% do PIB e realizem uma grande modernização dos meios nos próximos 10 ou 15 anos, ai após este período podemos pensar em 1 ou 2 navios aeródromos.

Felipe Morais

Acho que as palavras “navio aeródromo” e “Porta Aviões” deveriam ser proibidas no Brasil.
Com o destino do A12, um Prosub que implodiu o orçamento da MB e uma força de superfície que caminha para a extinção, deveria ser proibida qualquer menção à PA ou NAE no Brasil.

George Calmão

claro que não…………… de onde vc tirou essa conclusão?

EDITADO:
2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas.

Santamariense

Por que? Você acredita, de forma realista, olhando para a MB atual, que teria lugar para um porta-aviões?? Com qual dinheiro seria comprado e, mais importante, operado e mantido? E ainda, com qual grupo aéreo? Os 6 AF-1M, dos quais só 5 operam? Quer reativar o programa dos Trader? Meu caro, a MB precisa de escoltas, submarinos, navios de apoio logístico, de minagem e varredura, de patrulhas de 500 e 1800 toneladas, etc, todos em quantidade que permitam um mínimo de operacionalidade e credibilidade enquanto Marinha de verdade! Porta-aviões? Só quando tudo isso estiver atendido.

Felipe Morais

Sim. É um completo equívoco.
O Prosub já está completamente quitado, com todos os submarinos na ativa, incluindo o Alvaro Alberto.
A Marinha está esbanjando navios de superfície, com todas as tamandarés já ativas, assim como as do segundo lote, sem falar das fragatas do ProSuper, todas adquiridas e em operação.
Aliás, o Sisgaaz tbm já está totalmente implementado, assim como todos os NAPAOCs em operação, sem mencionar as dezenas de Macaés.
Claro…eu estou equivocado.
Certo está o ______________________________

EDITADO:
2 – Mantenha o respeito: não provoque e não ataque outros comentaristas.

Allan Lemos

O problema, Luís, não é nem a falta de dinheiro, mas de vontade política. Como se a desenvolve? Mediante a presença de uma ameaça externa. Veja a China construindo sua marinha a um rítmo frenético, isso só acontece por causa da ameaça dos EUA. A Polônia investiu muito nas forças armadas recentemente, por quê? Por causa da ameaça da Rússia. Para que um país procure ter forças armadas fortes, é preciso ou de uma ameaça externa e/ou de uma política expancionista. Tirando esses dois fatores, não há circunstância concebível que leve um país a investir na defesa. Nesse ponto demos… Read more »

Rodolfo

Nao é verdade, falta dinheiro. O orçamento federal já esta comprometido >90% com gastos obrigatórios incluindo previdência. O resto tem que priorizar obras de infraestrutura pro pais crescer. Sobra muito pouco pra aquisição de material belico. Falta pragmatismo na Marinha.

Allan Lemos

Isso é discutido aqui dia sim outro também. O MD tem um dos maiores orçamentos da União, ele é mais ou menos igual ao de Israel e da Austrália. Se tem coisa que não falta é dinheiro.

Se não sobra para gastar com compras de materiais é porque a MB insiste em não diminuir significativamente o pessoal e/ou cortar os benefícios.

Cortem 50% do pessoal que em 15-20 anos começará a abrir espaço no orçamento para comprar navios.

carvalho2008

o orçamento Federal tambem conta com resultado de estatais….pode não parecer, mas dá uma diferença danada….em algum momento,,,,renderam por exemplo US$ 120 bi ao ano….e quando se conta as moedas…isto é absurdo….tem de administrar bem….

Argos

Priorizar obras de infraestrutura superfaturadas, que não terminam nunca? Se a verba fosse empregada de forma eficiente e houvesse fiscalização, o Brasil não teria um rio transformado em fossa a céu aberto.

AVISO DOS EDITORES: CONTRIBUA PARA NÃO DESVIAR A DISCUSSÃO PARA A INTERMINÁVEL DISPUTA POLÍTICO-IDEOLÓGICA QUE ASSOLA TODOS OS SITES DE DEFESA BRASILEIROS.

LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Luís Henrique

Quando o governo pediu um plano para a MB e esta apresentou o PEAMB, se não me engano, a MB pediu 21 Submarinos (15 convencionais e 6 nucleares) e 30 navios de combate de superfície, além de 2 Navios Aeródromos. Então, não acho que precisamos dar o azar, de surgir uma ameaça séria ou de um Presidente que deseje expandir o nosso território. Apenas precisamos que os políticos valorizem o tema e a importância de forças armadas fortes para a dissuasão. O nosso “tamanho” econômico e populacional, nos garantem potencial para estarmos no topo entre as forças armadas mais poderosas… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Luís Henrique
George Calmão

amigo,a MB nunca vai operar 20 submarinos, escreva isso em algum caderno seu………….. tente entender os motivos para isso………………..

Luís Henrique

O PEAMB pedia 15 convencionais e 6 nucleares, total de 21 submarinos.
Estes planos podem voltar caso o projeto de lei que está no congresso seja aprovado e o Brasil passe a destinar 2% do PIB para a defesa.

Agenor da Silva

Podíamos ter uma Guarda Costeira para proteção e controle da zona contígua às areas portuárias …

George Calmão

a GC iria detonar o orçamento da MB………….e mesmo porque, se vc pensar bem, as “2” são uma só…………….para que dividir? A MB já faz este serviço, vc que não observou direito.

Allan Lemos

A MB quer ser guarda costeira e marinha de guerra ao mesmo tempo e não consegue fazer bem nenhuma das duas funções. Ela não tem condições nenhuma de ser uma guarda costeira, esta precisa de meios e pessoal próprio. Logicamente não tem como colocar navios para patrulharem as águas atrás de pesqueiros ilegais quando precisam ser usados em treinamento ou outras missões de apoio pertinentes a uma marinha de guerra. Se tivéssemos uma esquadra com dezenas de navio, talves essa questão pudesse ser discutida, mas no nosso caso o cobertor fica curto. O Brasil precisa de uma Guarda Costeira que… Read more »

Allan Lemos

A Marinha em breve terá de decidir sobre o futuro do 1° Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque (VF-1) Ainda irão decidir? Deus do céu, o que há para decidir? Poucos aviões obsoletos que não têm nem um PA de onde operar. A quanto tempo esse esquadrão está ativo consumindo recursos? Quando eu digo que os militares não podem ter tanta autonomia assim para controlar o orçamento me criticam. Ou eles não entendem nada de guerra para saber que esse “esquadrão” seria uma nulidade completa em qualquer conflito moderno ou então não se importam em desperdiçar o dinheiro do… Read more »

George Calmão

calma Allan, este esquadrão vai deixar de existir por sí só, não precisa apagar ele do quadro de unidades da MB, aos poucos as aeronaves vão se degradando, os gastos aumentam, e eles implodem. Um das funções desse esquadrão é manter a propriedade de aviões de asa fixa na MB, isso que não deve ser perdido, impedindo que retornem as proibições desse tipo de aeronaves para a Marinha, e passando tudo para a FAB. Hoje os skyhawks são aviões de treinamento e de demonstração, não tem qq poder de combate.

Santamariense

Não tem qualquer poder de combate porque a MB não quer armá-los corretamente. A modernização os dotou de um ótimo radar multímodo, sistemas capazes de contramedidas e autodefesa e capacidade de operar mísseis WVR modernos e até BVR, além de mísseis anti navio. Mas, essas armas não estão disponíveis no arsenal da aeronave. A MB possui o AM-39 Exocet que poderia ser integrado à aeronave e a FAB possui o Harpoon, que acredito que já é integrado ao Skyhawk.

Vitor Botafogo

Mas armar esses caças exige um periodo de integração que vai drenar muito mais dinheiro que não cabe no orçamento hoje.

cerberosph

Navio britânico incendiado, outro adernando e nada no Naval…

Fernando "Nunão" De Martini

Procure e vai encontrar matéria a respeito. Sobre novos ataques, é só aguardar.

George Calmão

por que atribuir responsabilidade aqui no PN?

cerberosph

O PN é um site especializado em guerra naval e está ocorrendo um evento que pode impactar a guerra naval como a muito não se vai e o PN dormindo. Um navio encalha num banco de areia qualquer e é notícia aqui, um navio é atacado por mísseis, está adernando com sérios riscos de afundar, tripulação abandonou o navio, outro pega fogo e nada aqui.

Fernando "Nunão" De Martini

Dormindo? Tem dezenas e dezenas de matérias já publicadas sobre os acontecimentos no Mar Vermelho nos últimos meses, a última delas há cinco dias. Onde está “dormindo”? Olhe apenas essa amostra do que já foi publicado e debatido sobre o tema: https://www.naval.com.br/blog/?s=Houthis Já lhe escrevi que logo que possível haverá matéria atualizando sobre os acontecimentos no Mar Vermelho dos últimos dias. Você já comenta aqui desde 2010, já deveria ter noção da quantidade de matérias e assuntos tratados pelo site para não fazer comparações do tipo “um navio encalhado é notícia e uma guerra não”. Tem notícias sobre o andamento… Read more »

Adiposo do Bitcoin

Tem que acabar com essas loucuras de imitar países muito mais ricos e dedicar os recursos pra nossa realidade, o Irã não conseguiria fazer a OTAN passar vergonha seguindo a cartilha que a OTAN segue.

Paulo Sollo

O que fizeram da mb… Está em frangalhos por puro descaso, vícios perniciosos e incompetência. Não tem mais o suficiente para finalizar a primeira meko 100 alongada. Não sabem se conseguirão bancar os custos de operação dos 4 Riachuelo. Continuam enterrando bilhões no subnuc a perder de vista. Não tem recursos para míseros patrulheiros de 500 ton. Se a mb fosse encomendar um NAe novo com seu grupo aéreo, todos os recursos que está investindo nos atuais projetos seriam insuficientes. Haveria o tradicional sobrepreço de bilhões, o atraso de 10 anos ou mais, dentre outras. Nem um LHD com 6… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Paulo Sollo
Rodolfo

Só a FAB salva. Das forças, a mais pragmática.

Allan Lemos

A FAB cancelou o MAR-1(que seria uma grande carta na manga agora com essa questão da Venezuela) e o A-Darter, depois de já ter investido bastante no míssil. Também desativou o esquadrão que ficava no norte.

Não a vejo como a mais pragmáticas, toma decisões para lá de questionáveis.

Santamariense

Tanto o MAR-1 como o A-Darter sofreram vários óbices técnicos e tecnológicos. Tem uma matéria de ontem no PÁ falando sobre o A-Darter, onde consta que ele já enfrenta obsolescência em alguns sistemas.

Emmanuel

Não basta o submarino nuclear, eles também querem o porta aviões.
Brasileiro não tem um minuto de paz na vida dele.

Paulo

___
_____ Nossa defesa é uma peneira. Drones seriam muito mais eficientes sem por vidas em risco! _________
______

COMENTÁRIO EDITADO. AVISO DOS EDITORES: NÃO USEM O ESPAÇO DE COMENTÁRIOS PARA PROSELITISMO POLÍTICO. JÁ FIZEMOS OUTRAS ADVERTÊNCIAS.

NÃO INSISTAM OU OS COMENTÁRIOS SERÃO APAGADOS NA ÍNTEGRA.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Sergio

Brasil, por favor, invista em mísseis ar, terra e mar. Fabricação caseira.

Adriano

Não precisamos de Naes, nem de uma força de FN como a que possuímos. Mas precisamos duplicar nossa força de submarinos, ainda não temos mísseis de longo alcance para proteger nossa costa de um bloqueio naval. É só ver o os Houthis, sem marinha e com tão pouco tempo feito na costa do mar vermelho. Infelizmente a MB continua com seus devaneios e nenhuma política séria de proteção da Amazônia azul.

Rodolfo

Hoje o maior risco sao pesqueiros estrangeiros principalmente chineses que nao respeitam a ZEE. Misseis de longo alcance são inuteis para esse tipo de missão.
Antes de se preocupar com bloqueios, precisa-se olhar quais os problemas mais urgentes e lidar com esses.

Roberto Strazzabosco

Maracutaia à vista. Das grsndes!…

Abner

Porta aviões para que mesmo ?
Não tem navios de superfície para realizar a defesa disso. Sinceramente é loucura isso.

Não conseguimos terminar 4 FT, imagina um NAe.

E mais que isso, o Brasil vai fazer bloqueio naval em que país, não projetamos poder, não temos guerra para que isso ?

ADR

Por ser um cidadão civil é até cabuloso para mim fazer comentários se tratando de forças armadas sem medo de ser repreendido por alguém que tomou partido político nestes últimos anos, mas enfim, todos temos orgulho da nossas forças armadas. Muito louvável ver um presidente destinar recursos da união para fortalecer e modernizar nossa defesa. Quando se fala em construirmos nossos próprios “brinquedos” nos enche de orgulho. Exemplo disso, os submarinos que estão sendo construídos nos estaleiros de SC, os caças que foram adquiridos e que vão ser montados em território nacional, isso foi uma negociação espetacular , agora falando… Read more »

GUPPY

Prezado ADR,

Os submarinos estão sendo construídos em Itaguaí-RJ.

ADR

Exatamente. Desculpa pelo colocação equivocada. São fragata que estão sendo construídas nós estaleiro de Itajaí.

adriano Madureira

“Eu preciso necessariamente, a despeito de outras fontes que visam a obtenção dos meios, preciso da capacidade de manter esses meios”. Acho que uma solução para a MB seria o recebimento de parte dos royalties da exploração do petróleo e gás, assim como de minérios. Apesar que li( PL 299/2007)que 17,5% dos royalties já vão para o Comando da Marinha, do Ministério da Defesa,10% para o Ministério da Ciência e Tecnologia; 2,5% para o Ministério de Minas e Energia; e 2% para o Ministério da Justiça( Não sei o porquê…) Deveríamos ter algo como a Lei do Cobre chilena para… Read more »

Mattos