Os atuais porta-aviões da Marinha Indiana, INS Vikramaditya e INS Vikrant

O Mundo Testemunha o Poder da Marinha Indiana

Opinião por Sanbeer Singh Ranhotra

Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais estão envolvidos no Mar Vermelho com a Operação Guardião da Prosperidade. Sua luta é contra os Houthis, que estão fazendo de tudo para perturbar o transporte internacional e atacar embarcações no mar. A preocupação do Ocidente com os Houthis deixou um vácuo evidente em outra área de importância crítica para o transporte internacional – o Golfo de Aden. Importante ressaltar que nenhuma outra grande potência mundial se apresentou para proteger o transporte internacional dos piratas. A ausência, ou melhor, o comportamento vegetativo da marinha chinesa, por exemplo, vem à mente. Apesar das implantações na região, a China parece demasiado cautelosa para mergulhar e desempenhar um papel na proteção do transporte internacional.

Felizmente, a Índia assumiu a tarefa e agora está garantindo que os piratas não presumam que as tensões no oeste da Ásia lhes dêem carta branca para atacar e sequestrar qualquer e todos os navios. Ao contrário das chamadas marinhas de águas azuis que afirmam poder operar em qualquer parte do mundo, a Marinha Indiana está perseguindo piratas a um ritmo vertiginoso a milhares de milhas de sua costa.

O exemplo mais recente da proatividade da Marinha Indiana é a libertação do navio mercante sequestrado MV Ruen, que estava sob cerco desde dezembro do ano passado e estava sendo usado para pirataria. O fato de um navio permanecer sequestrado por três meses sem que nenhum país se importasse em resgatá-lo é uma declaração pungente dos tempos em que vivemos. Em uma época em que o mundo parece mais dividido do que nunca, a Índia está se desdobrando para resgatar navios, independentemente do país a que pertençam. Isso também é uma declaração e fala muito sobre a emergência da Índia como um “Vishwamitra” – um amigo do mundo.

Para resgatar o navio, a Índia lançou a “Operação Sankalp”, como parte da qual uma missão de 40 horas foi realizada a 2.600 km da costa indiana. A Marinha Indiana implantou seu navio de guerra INS Kolkata, drones Sea Guardian de longa duração, aeronaves de vigilância P-8I e lançou de paraquedas os comandos de elite MARCOS de um avião C-17 da Força Aérea Indiana. A operação terminou com a Índia resgatando 17 tripulantes, incluindo sete da Bulgária. Na plataforma de mídia social X, o presidente da Bulgária, Rumen Radev, aplaudiu a corajosa ação da Índia e agradeceu ao primeiro-ministro Narendra Modi. Por sua vez, o PM Modi disse: “A Índia está comprometida em proteger a liberdade de navegação e combater a pirataria e o terrorismo na região do Oceano Índico.”

A declaração do primeiro-ministro resume bastante o que a Índia está tentando alcançar ao projetar sua força naval no Golfo de Áden e na região mais ampla do Oceano Índico (IOR). Enquanto as vítimas imediatas das operações ousadas da Índia são os piratas, a mensagem maior é destinada a entidades inteiramente diferentes. Isso inclui a China, o Paquistão e qualquer outro poder do oeste da Ásia que possa estar sob a ilusão de que a Marinha Indiana não tem a capacidade de operar no tempo e lugar de sua escolha.

A decisão dos piratas de capitalizar as tensões no Mar Vermelho forneceu à Índia uma oportunidade de desempenhar um papel mais assertivo em uma região que tradicionalmente nunca viu o tipo de implantação da Marinha Indiana que está sendo testemunhada atualmente. A marinha da Índia aumentou significativamente sua implantação de grandes navios de superfície e aeronaves para contrariar os piratas e proporcionar um alívio muito necessário tanto às marinhas americana quanto britânica. Nova Délhi aumentou suas implantações de superfície de dois navios para 12 no Golfo de Áden – o que parece ser a maior implantação naval da Marinha Indiana em uma região específica.

 

 

Portanto, não é surpresa que o mundo esteja reconhecendo e apreciando a contribuição da Índia na proteção da liberdade de navegação e no combate aos terroristas em alto mar. O Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, em uma ligação telefônica com o Raksha Mantri Rajnath Singh elogiou o papel desempenhado pela Marinha Indiana ao realizar várias operações antipirataria na região do Oceano Índico.

Entre as missões mais importantes que a Índia montou na região ultimamente, o resgate de um navio de pesca sequestrado Al Naeemi se destaca também. Isso, pelo simples motivo de que a Marinha Indiana resgatou 19 membros da tripulação paquistanesa do navio. O navio paquistanês foi sequestrado por cerca de 11 piratas somalis, 800 milhas da costa de Kochi. Importante notar aqui é o fato de que o Paquistão também tem uma marinha. No entanto, o que não tem é o apetite para empreender missões ousadas em alto mar. Seu “aliado de todas as estações”, a China também não levantou um dedo quando os paquistaneses foram mantidos cativos pelos piratas.

Curiosamente, o resgate do navio paquistanês e de seus tripulantes ocorreu dentro de 36 horas após a Marinha Indiana, com o INS Sumitra, resgatar outro navio de pesca, só que este pertencia ao Irã. Como resultado, 17 tripulantes foram resgatados. De forma semelhante, a Marinha Indiana também resgatou em janeiro um navio mercante, o MV Lila Norfolk, com 21 tripulantes a bordo, incluindo 15 indianos. O simples fato de países equipados com suas próprias marinhas não estarem se apresentando para a tarefa, enquanto a Índia está repetidamente combatendo os piratas, mostra que a Marinha Indiana se tornou uma vanguarda da região.

Onde nenhuma potência global é capaz de restaurar o estado de direito, a Índia está emergindo como um provedor de segurança.

Além da ótica moral de tais missões, a Índia parece estar enviando uma mensagem clara ao mundo, especialmente aos países hostis a ela. Para começar, esta é a Índia que tem a vontade política de ajudar na manutenção do direito marítimo internacional e preservar a liberdade de navegação. A Índia já não é um país que depende dos outros para garantir isso, pelo menos não na região mais ampla do Oceano Índico. Em segundo lugar, se a Índia não está tolerando ataques a navios e tripulantes de outros países, certamente não tolerará qualquer ação que prejudique diretamente seus interesses.

Mais importante, isso revela a mudança estratégica da Índia para além do Oceano Índico Oriental e do Mar de Andaman. Já a Índia está fazendo movimentos para transformar Lakshadweep em um forte estratégico militar que eventualmente atenderá às demandas do Oceano Índico Ocidental e ajudará a Índia a estabelecer um controle firme sobre rotas de abastecimento críticas, especialmente em torno do Canal de Nove Graus. Pelo menos 12 navios atravessam o Canal de Nove Graus a cada minuto. Como o Estreito de Malaca, o Canal é crucial para o transporte internacional. Com o tempo, pode-se esperar mais atividade naval indiana nesta parte do mundo.

Houve um aumento de quase cinco vezes no desdobramento naval indiano na Região do Oceano Índico Ocidental. Isso era muito necessário, dado as tentativas da China de exercer mais influência no IOR e sua campanha para minar a posição da Índia. Hoje, o mundo vê a marinha indiana, e não a chinesa, em ação. A implicação direta disso é que a Índia agora será vista como um país disposto a assumir riscos e colocar seus ativos militares e tropas em jogo se qualquer entidade tentar perturbar a paz em alto mar.

Os Estados Unidos, por sua vez, verão a mudança estratégica da Índia como um movimento bem-vindo. Por anos, Washington quis que a Índia desempenhasse um papel assertivo na região e se juntasse ao amplo clube do “mundo livre” para contrariar a China e outros elementos hostis ao direito internacional. Enquanto Nova Délhi foi cética por muito tempo, o comportamento agressivo explicitamente da China desde 2020 parece ter finalmente convencido os tomadores de decisão de que a Índia deve desafiar Pequim a cada passo.

Em conclusão, enquanto o Ocidente luta com desafios no Mar Vermelho, a postura proativa da Índia preenche um vazio crítico na proteção das rotas de transporte internacional contra a pirataria. A Índia não está apenas resgatando navios sequestrados, mas também está sublinhando sua emergência como um provedor de segurança muito mais amplo na região. Enquanto isso, as ações também destacam o fato de que a Índia permanece o único provedor líquido de segurança no IOR. As operações da Marinha Indiana demonstram a resolução da Índia em manter a lei marítima e garantir a liberdade de navegação independentemente. Além disso, sinalizam a guinada estratégica da Índia em afirmar influência além do Oceano Índico Oriental, notavelmente na Região do Oceano Índico Ocidental.

À medida que a Índia fortalece sua postura naval, envia um sinal claro a adversários e aliados de que está pronta para salvaguardar seus interesses e contribuir para a estabilidade global.


As opiniões expressas no texto acima são pessoais e exclusivamente do autor.

FONTE: News18, via MSN

Subscribe
Notify of
guest

71 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Orivaldo

Parabéns aos Indianos. Enquanto aos Chineses, estão muito ocupados atirando com seus canhões de água em navios Filipinos

Samuel Asafe

atirando com canhões, construindo mais navios militares que a Europa e Eua juntos e ainda mantendo navegando a marinha mais numerosa do mundo. Os chineses tem feito muita coisa ultimamente.

Last edited 1 mês atrás by Samuel Asafe
Miguel Carvalho

É verdade. É que na Europa e EUA, existe algo chamado democracia. As pessoas são livres e não vivem em uma ditadura.

Além disso já se aperceberam que vão ter que defender o que tem, razão pela qual os governos progressistas estão a ser substituídos por governos de direita conservadores.

A Rússia já mandou o recado para o mundo.

Samuel Asafe

E quem será que vence essa corrida?

Samuel Asafe

não acho que o povo esteja escolhendo candidatos nos extremos por conta da china; estão o fazendo pq o modelo de organização ocidental tem empurrado a população pra pobreza, e isso não tem a ver com equilíbrio fiscal, tem a ver com desigualdade.
Países menos desiguais tendem a ser mais ponderados nas suas escolhas políticas. Nesse ponto particularmente, a china não tem falhado.

Last edited 1 mês atrás by Samuel Asafe
Miguel Carvalho

Comentário retirado.

Last edited 1 mês atrás by Miguel Carvalho
Jorge Oliveira

Não culpem a democracia pela incompetência e excesso de financeirização do Ocidente

Orivaldo

E pq não usam esses navios para reforçar a segurança das rotas marítimas ? Ou pq estão dando suporte, ou por estarem ocupados atirando com seus canhões de água em navios Filipinos

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS

As ambições deles são maiores mas eles operam jogando diferente do xadrez, eles ocupam espaços vazios, se preparam bem antes de avançar, qualquer ação enérgica deles antes de estarem prontos, eles arriscam antecipar a sua forma de agir, para os amigos que ficariam s9 olhando e aprendendo.

bruno

Sim constroem e atiram canhões de água

CRISTIANO DE AQUINO CAMPOS

Temos que salientar que o oceano indico está para a Índia o que o mãe do Sul da China está para a China assim como o oceano pacífico.
O nome disso e área de influência direta, a nossa, se fossemos capazes era para ser o atlântico sul, más……

Horacio

Verdade o Atlântico Sul é o nosso quintal , mas não mandamos nele , já que navios e aeronaves de patrulha não parecem ser prioridade da MB.

Miguel Carvalho

Muito bem Índia.

Uma vez queca China ficou sem fazer nada e ver as coisas acontecer, a Índia mostra aos chineses e ao mundo, que pode ser uma alternativa à China no plano político, militar e económico.

Talvez a Índia tenha percebido que fazer parte do BRICS, só favorece a China e é necessária uma alternativa melhor.

No One

Valeu redação. É sobre isso . Existem inúmeros movimentos e acontecimentos que merecem ressalto, caso contrário o espaço se torna estéril e monotematico, pamphlet de propaganda da PLAN.

Bigliazzi

A India e um “ator” importante na Região, vem colocando os Chineses em seu devido lugar nas fronteiras terrestres e vem se desdobrando em tomar conta dos mares mais importantes para seus interesses. Muito importante essa demonstração de força. Fica a pergunta e duvida: A China continua a ser uma Marinha de enfeite ou se negou a agir pois os piratas são patrocinados por eles juntamente com o Irã??? Mais legal ainda os Indianos libertarem tripulantes Paquistaneses… A India é o maior bastião de defesa e pressão em cima da China. São paises com mais de 1.000.000.000 de pessoas e… Read more »

Pastor Valdemiro

EDITADO:
COMENTARISTA BLOQUEADO.

Underground

“o comportamento vegetativo da marinha chinesa”
O problema da China é que ela segue uma linha ideológica, além de ficar tentar impedir o livre tráfego de navios na região, segue na ideia fixa de tomar Taiwan.
Agora, se dizem o que dizem da Marinha chinesa, imagina o que não falariam da Marinah do Brasil

Fábio CDC

Sim, eles tomarão Taiwan ou morrerão tentando. Não é ideia fixa, é um objetivo que eles atingirão custe o que custar. E eu acredito firmemente que na hora “H”, os USA os abandonarão como fizeram no Vietnã e no Afeganistão. . Vai custar caro aos chineses, morrerão milhões de ambos os lados mas nos final das contas acredito firmemente que eles conseguirão. Tenho muita pena dos coitados dos taiwaneses e torço fervorosamente por eles como torci pelos ucranianos mas fazer o que… . Que Deus ajude esses povos. Os ucranianos estão conhecendo o inferno, já Taiwan ainda nem sentiu 1%… Read more »

Horacio

E tem o que falar da MB?

Dalton

A Índia tem hoje 16 submarinos convencionais e 2 nucleares, então ter 8 e dias atrás foi anunciado que 11 estavam no mar – em que pese alguns possam estar na fase de treinamento e todos no “quintal” dela o que favorece o emprego de tantos estando próximos de casa – é impressionante. . O que se diz é que até o fim da década apenas o último “Scorpene” de um lote de 6 será incorporado, mas vários outros antigos “Kilos” serão retirados de serviço então o número deverá ser reduzido para na próxima década se retornar ao patamar atual… Read more »

Nilo

Um papel que o MB deveria estar cumprindo no Atlântico Sul e tb nas costa do pacífico em auxílio as Marinhas da A. Do Sul, contudo ainda carcomidos por corporativismo e orçamentos de gestão sem visão geopolítica do Estado que lhes ateste os rumos, segue garboso e araisado na tradição e longe dos olhos da sociedade e do congresso. O novo comandante tem a frente desafios, tropeços levam a seguir novos caminhos.

Marcelo Andrade

viajou! o que a mb em a ver com o pacifico?

Nilo

Os interesses comerciais do Brasil com Ásia estão se alargando, hoje temos dois projetos de logística que irá remodela as relações futuras do Brasil com seus vizinhos, rotas bioceanicas, com altos investimentos que encurtam caminhos até os portos do Chile e outro do Peru.
O cidadão considera isso de menos, e que não merece o país de uma MArinha capaz de atuar e ter presença nos mares desses países amigos. É assim que prefiro viajar.

Last edited 1 mês atrás by Nilo
Esteves

Devemos alargar nossa visão.

Nilo

A MB deve agir, planejar com olho no futuro, sem participação da sociedade e do congresso é um trabalho árduo que fica a mercê do ventos de um governo eleito de quatro em quatro anos, o que termina porcamente justificando o corporativismo e a falta de comunicação objetiva clara e sem rodeios da instituição, fica um celeiro fértil para oportunistas (sabemos bem disso). A Instituição MB tem sempre que se reiniciar em seus projetos, sem mudanças de uma cultura arraigada, corremos sérios riscos de reproduzir daqui a 30 ou 40 anos os mesmos erros. Reiniciar, pagar novamente por ToT importado… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Nilo
Esteves

Eu…gostaria de reproduzir sábias palavras para expressar resumidamente meu pensamento sobre a falta de resultados da MB e quais seriam os reais motivos desse aprende, desaprende…aprende, desaprende…pior…qual a legítima contribuição que a MB tem dado à pátria.

Depois dos 50% das Tamandares…fico sem palavras.

Last edited 1 mês atrás by Esteves
Leonardo

Parabéns à Índia por se fazer importante, inclusive salvando vidas de inimigos declarados (Paquistaneses).

A China não está nem aí pro mundo e quando os defensores dessa nova ordem mundial perceberem isso já será tarde.

Se o mundo realmente mudar (da maneira que é propagandeado), em alguns anos sentiremos muita falta da liderança Americana.

Allan Lemos

Quem deveria estar exigindo uma cadeira no CS é a Índia, que a merece por sua relevância econômica e militar, não um pobre coitado como o Brasil.

Dalton

A Índia gostaria e com certeza sua grande contribuição para a ONU a faz uma candidata natural, mas a China vetará, então nem adianta insistir.

Vitor Botafogo

Certamente. O Brasil seria uma pedra no sapato com ideologias anti ocidente se estivesse no CS. Basta ver o caso da Ucrania, Israel e Venezuela, além das amizades com ditaduras.

Renato

Verdade, talvez até a Indonésia (pelo tamanho de sua população e sua Marinha) tenha mais legitimidade a esta vaga que o Brasil.

leonidas

Um salve para os guerreiros hindus!!!!!

Yuri

Quando eu falo que a Índia é a futura fábrica do mundo, o pessoal ri de mim. Veremos…

Esteves

Rarara…

Nilo

Esteves, os indianos combinaram com EUA?, com o Japão?, Europa? talvez com a China.

Last edited 1 mês atrás by Nilo
Esteves

Com Shiva.

Wagner

Um dia poderá ser, mais está muito distante, Índia segquer atingiu números da década de 90 dos chineses. A religião dentro da Índia ainda é uma grande muralha para o desenvolvimento humano e tecnologia. A Índia ainda não tem uma marca global, China tem três.

Yuri

Como se a religião fosse esse empecilho todo… se mesmo com o controle absurdo e a repressão da ditadura chinesa a China virou a fábrica do mundo, não vai ser a fé do povo indiano que vai impedir a Índia.

Leandro Costa

Yuri, a religião Hindu ainda tem o entrave adicional do sistema de castas. É uma barreira cultural muito forte ainda.

Yuri

Se não me engano, a Índia no geral não tem mais castas a um tempo. E mesmo que ainda tenha, as coisas estão mudando lá…

Esteves

Lentamente.

Nilo

Lentamente, matando, lentamente espancando, mulçumanos e agora proibindo escolas mulçumanas, estão fechando as escolas mulçumanas em todo país. E quando se fala de minoria religiosa na Índia é no mínimo uma centena de milhões de adeptos rsrsr

Santamariense

Mais ou menos o que a china fez com as religiões, principalmente o cristianismo.

Esteves

Tem uma série boa. O Problema dos 3 Corpos.

Há uma passagem na China, quando deveriam apontar um imenso rádio transmissor usando o Sol como booster.

– Apontar para o Sol, não. O Sol pertence a Mao.

Underground

A cultura das castas, por força de Lei, já caiu, existindo ainda resquícios em parte das áreas rurais.
De qualquer modo a Índia tem muito o que andar ainda.

Esteves

Não.

A Constituição rejeita a discriminação. O sistema de castas segue forte e estratificado.

Leandro Costa

Muito, infelizmente. Eu diria que quando superarem seus desafios sociais, a India será absolutamente incrível.

Esteves

Já é. Um país com milhões de divindades.

Se Esteves for para a Índia, dirá lá na Índia:

– Que país incrível!

Nativo

Na china, a ditadura soube se valer do capitalismo, para seu objetivo de poder e logo não colocou barreiras, pelo contrário,estimulou o consumo e a livre iniciativa, até o limite que o partido deixou.

Yuri

Exato. Por isso a religião não seria um problema pra Índia, é só o governo fazer os estímulos certos.

Nativo

Infelizmente na índia a religião é sim uma problema.
Por causa da crença de que cada indivíduo já tem seu lugar( casta ) pré definido.
Logo quem é servo não pode ser comerciante.

Yuri

Não é todo hindu que pensa dessa forma…

Esteves

Não existe livre iniciativa na China. Existe iniciativa aprovada pelo governo chinês.

Horacio

Muito parecido com o que havia na Alemanha Pré segunda guerra .

Makarov

A Índia nunca terá o baixo custo de produção da China. Teriam que mudar o regime radicalmente.

Last edited 1 mês atrás by Makarov
Esteves

Custo baixo é feito com volume.

Underground

O custo chinês já não é o mesmo de anos atrás. A mão de obra do trabalhador da indústria, por exemplo, já é maior que a do Brasil. Fabricar componentes industriais já é mais barato no México que na China.

Esteves

Difícil afirmar isso. Não existem estatísticas confiáveis sobre tal “custo”.

Carvalho2008

Existe indiretamente, renda per capta e PIB per Capta….São bem maiores que os Brasileiros….

E isto é natural….é um ciclo….chegaram lá….mas depois de chegar lá, a curva muda de inflexão…..não é eterna pois se aproxima dos padrões globais…se iguala é alinha….

Yuri

A Índia ultrapassou a China em população. O custo de produção na Índia tende a ser mais barato até que na China no futuro, visto que a população é jovem, ao contrário da china que já está envelhecendo. É só o governo facilitar mais( o que já está acontecendo ), que em 20 anos no máximo, a Índia atropela a China.

Esteves

Quantidade populacional somente não reflete, necessariamente, sobre o custo que recai sobre a mão de obra. Educação, cargas tributárias (a Índia é um país extremamente desorganizado em regimes fiscais e de arrecadação), aptidões e atividades dessa população, faixas etárias, organização sindical (a China admite somente o sindicato do estado), legislação sobre horas extras e outros direitos.

Não é fácil comparar dois países tão diferentes.

Yuri

Tudo isso pode ou já está sendo mudado aos poucos pelo governo. Meio que conforme a população cresce, isso vai se tornando uma necessidade.

Last edited 1 mês atrás by Yuri
Makarov

Tem o fator cultural também, o Chinês não se importa em trabalhar 11/12 por dia, ele quer ganhar dinheiro, desconheço como os Indianos, Mexicanos são.

Nemo

O maior problema da Índia e que sistema político da federação é absolutamente caótico. A divisão de poderes entre os entes estatais faz a Europa medieval parecer compreensível.

Andromeda1016

Admiro a autonomia e assertividade da geopolítica dos indianos em relação às demais potencias mundiais. O país tem muitos problemas como qualquer país, mas neste quesito é uma atitude que muitos países só conseguem sonhar.

Luiz Alberto

O autor mencionou no artigo o “Canal de Novembro Graus”. Nunca ouvi falar e gostaria de saber informações a respeito.

Esteves

Canal estreito.

Luiz Alberto

O editor de texto aqui me traiu: Canal de Nove Graus!

carlos mendes

E como eu sempre digo a Marinha da China e boa para atacar barco de suprimentos porque na hora que precisa esta sempre no porto. Na verdade o marinha da china e estilo SUPER TRUNFO.

Zé das carroças

Só espero que que a pirataria não chegue ao atlântico sul.

RSmith

Parabéns ao governo democrático da Índia e a sua esplendida Marinha!