Por Jaime Karremann

A fragata dinamarquesa Iver Huitfeldt, que estava recentemente ativa no Mar Vermelho, sofreu sérios problemas técnicos enquanto o navio estava sob ataque. Problemas técnicos impediram o navio de lançar mísseis por um tempo, e também houve problemas com a munição do canhão. O site dinamarquês Olfi relata isso com base em uma mensagem vazada do comandante da fragata. De acordo com a reportagem, os problemas eram conhecidos há muito tempo e nada foi feito a respeito. O navio está atualmente navegando pelo Mar do Norte e está a caminho de casa mais cedo do que o esperado.

Em uma mensagem classificada como NATO Restricted datada de 13 de março, publicada pelo Olfi, o comandante da fragata dinamarquesa expressou alguma frustração. (Restricted é o nível mais baixo dos cinco níveis para documentos secretos) A Defesa Dinamarquesa ainda não confirmou o relato.

Alguns dias antes, em 9 de março, a Iver Huitfeldt sofreu um ataque por quatro drones. Naquela noite de sábado, por volta das 4:00 da manhã, a Iver Huitfeldt avistou um drone se aproximando do navio e de navios próximos. A fragata dinamarquesa derrubou o drone e, na hora que se seguiu, conseguiu destruir mais três drones.

O comandante do navio, Kommandørkaptajn Sune Lund, foi citado posteriormente pela Força de Defesa Dinamarquesa: “Sinto muito entusiasmo e alívio da minha tripulação por poderem agir profissionalmente contra uma ameaça séria como esta, e como comandante do navio, estou muito orgulhoso de seus esforços. Isso me dá confiança no futuro manuseio de tarefas aqui.”

Problemas no centro de operações de combate

Centro de Operações de Combate de uma fragata da classe Iver-Huitfeldt

Que a Iver Huitfeldt conseguiria repelir o ataque não era nada certo naquela noite. De acordo com a mensagem do comandante que o Olfi publicou, um problema entre o radar APAR holandês e o Sistema de Gerenciamento de Combate Dinamarquês C-FLEX (CMS) impediu o navio de lançar os mísseis ESSM. Os problemas teriam sido causados por um “problema de token”, mas a causa exata não era conhecida. Os problemas duraram meia hora.

As fragatas dinamarquesas possuem dois radares holandeses: o SMART-L para longas distâncias e o APAR para detectar alvos no horizonte, por exemplo, e para guiar o míssil (ESSM) até o alvo. As fragatas holandesas de Defesa Aérea e Comando, como a Zr.Ms. Tromp, que agora está navegando no Mar Vermelho, usam um APAR modernizado e o novo SMART-L MM/N. Os navios dinamarqueses têm um CMS dinamarquês no centro de operações. O C-FLEX é o software da Terma, que garante, entre outras coisas, que os radares e mísseis sejam ‘ligados’, as informações dos sensores sejam mostradas nas telas e as pessoas no centro possam empregar as armas por meio deste sistema. Guardion, um CMS da Defesa, é usado nos navios holandeses.

Resposta da Thales: Investigação dinamarquesa mostra que o problema não estava no APAR

A FMI, a organização dentro da Defesa Dinamarquesa que é responsável por equipamentos e compras, investigou os problemas. A FMI não quer responder a perguntas, escreve a emissora pública dinamarquesa DR.

A Thales enviou à DR uma curta declaração após a investigação da FMI: “A Thales foi informada que a investigação preliminar da FMI, baseada nos dados disponíveis dos sistemas da Iver Huitfeldt, sobre o evento durante uma situação de combate no Mar Vermelho, não indica um problema com o radar APAR.”

A Terma, escreve a DR, não quer responder. A Defesa Dinamarquesa ainda não respondeu às perguntas do Marineschips.nl.

Munição de 30 anos

Fragata classe Iver Huitfeld

Quando o canhão foi empregado, outros problemas vieram à luz. A Iver Huitfeldt tem dois canhões Oto Melara de 76mm no castelo de proa (o mesmo canhão dos fragatas M holandesas e navios de patrulha). Sem dúvida, para o horror da tripulação, metade dos projéteis explodiu logo após deixar o tubo. “Sem ter nenhum efeito sobre alvos inimigos,” afirma a mensagem.

“Todas os projéteis no equipamento de combate padrão têm mais de 30 anos, foram adaptadas com uma ‘espoleta de proximidade de 2005’ [dispositivo que deveria detonar o projétil perto do alvo], que parece ser inadequado para combate real”, escreveu o comandante.

O Oto Melara Compact tem uma taxa de fogo de 85 tiros por minuto e o Super Rapid tem uma taxa de fogo de 120 tiros por minuto. O navio tem dois canhões e a ameaça consistia em um drone de cada vez. Provavelmente é por isso que o navio conseguiu repelir o ataque, mesmo que metade dos projéteis não chegasse nem perto do alvo.

O comandante enfatizou que o navio precisa de muita munição para eliminar alvos e rapidamente ficará sem suprimentos de munição. Ele também relatou que isso “reduz severamente a eficácia de combate e também reduz a sobrevivência do navio.”

Sem solução

Surgiu um problema no centro de comando da fragata dinamarquesa, o que significava que os mísseis temporariamente não podiam ser lançados. Imagens distribuídas pela Marinha Dinamarquesa hoje mostram que os problemas não impediram que um ESSM fosse lançado. Portanto, um drone foi definitivamente abatido com ESSM, mas as causas dos problemas eram obscuras e não puderam ser resolvidas a bordo. A fragata, que partiu para o Mar Vermelho no final de janeiro e posteriormente se juntou à Operação Prosperity Guardian, entrou em contato com a organização de equipamentos dinamarquesa DALO após os problemas.

VÍDEO: Fragata Iver Huitfeldt engajando drones houthis

A DALO aconselhou a usar o APAR apenas para procurar e rastrear alvos e, portanto, não mais como direção de tiro. Ao contrário das fragatas LC holandesas, as fragatas dinamarquesas também têm radares de direção de tiro rotativos clássicos além do APAR, neste caso radares Ceros da Saab. O navio teve que usar esses radares Ceros, que na verdade foram instalados acima dos canhões, para defesa aérea. Isso significou uma enorme diminuição da capacidade, porque a fragata com APAR pode iluminar muitos mais alvos para os mísseis ao mesmo tempo.

O comandante acrescentou em sua mensagem: “Nossa clara compreensão é que o problema é conhecido há anos sem o necessário senso de urgência para resolver o problema. Esse senso de urgência é crítico para construir confiança tanto nas suítes de armas e sensores das fragatas quanto no sistema de gerenciamento de combate. Uma descrição dos vários problemas encontrados será enviada o mais rápido possível.”

Quanto aos problemas com projéteis, após os quais o Comandante Lund concluiu que elas se mostraram inadequadas para combate, ele escreveu: “Pendente de uma (melhor) explicação para esse ocorrido, devo enfatizar a natureza crítica e inaceitável de enviar uma fragata para um ambiente inimigo com munição consistindo desses tipos de projéteis instáveis.”

Outros navios

Não apenas as fragatas holandesas e dinamarquesas usam o APAR. Os navios alemães também têm esse radar. Todos eles fazem isso em sua própria configuração, o que é por isso que os problemas experimentados pela fragata dinamarquesa não dizem diretamente nada sobre os outros navios. Por exemplo, a Holanda não usa o C-FLEX como CMS e um CMS diferente foi instalado nas fragatas alemãs.

O primeiro problema em torno de lançamentos com um navio que também navega com a combinação holandesa APAR-SMART-L também parece diferente. A fragata alemã Hessen (classe Sachsen) avistou um drone desconhecido em 26 de fevereiro, e após consulta com aliados, decidiu-se lançar mísseis. Depois, descobriu-se que era um MQ-9 americano, mas o que é mais importante por enquanto é que os mísseis não atingiram o alvo. Uma declaração da Marinha Alemã, que foi retirada do ar, disse: “Os mísseis não puderam atingir o alvo. De acordo com a primeira estimativa, isso foi devido a um erro técnico a bordo da fragata. O erro foi rapidamente descoberto e pôde ser corrigido imediatamente. “Não há deficiências na cadeia do sistema de armas usado.”

Preocupações dinamarquesas

A fragata alemã ainda está na região e navega sob a bandeira da missão europeia Aspides. A Iver Huitfeldt está a caminho de casa. Isso foi mais cedo do que inicialmente relatado pelo Ministério da Defesa Dinamarquês. Uma mensagem em inglês datada de 30 de janeiro sobre a partida da fragata dizia: “A fragata operará no Mar Vermelho e no Golfo de Aden de início de fevereiro a meados de abril de 2024.”

Não se sabe por que a fragata voltou no final de março, mas os problemas técnicos podem ter algo a ver com isso. Afinal, com problemas envolvendo mísseis, radar e o canhão, o navio é vulnerável. Especialmente se o navio enfrentar um ataque combinado por drones e mísseis de cruzeiro.

Políticos dinamarqueses reagiram com choque e raiva ao Olfi sobre o desenrolar dos eventos. Antes da partida, quando já havia rumores sobre problemas técnicos, eles perguntaram se havia algum problema. Foi-lhes então dito que o navio estava bem e podia se defender bem.

O Ministro da Defesa Dinamarquês diz que não ouviu falar de nenhum problema e pediu mais informações.

FONTE: marineschepen.nl

Subscribe
Notify of
guest

61 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Paulo Sollo

Ou seja, este navio não passa de um alvo incapaz de se defender e de atacar. Como eu disse recentemente, a melhor arma da otan é o marketing. Basta pôr seus equipamentos em ação real e verdade vem a tona com inúmeras falhas gravíssimas e fracassos vergonhosos. E tem gente que viaja profundamente na maionese achando que os navios da otan poderão prevalecer sobre os mísseis russos. Pelo que vemos, há possibilidades reais de que cedo ou tarde algum navio da otan vá acabar recebendo uma paulada de um míssil Houthi. O navio dos eua escapou por 2 segundos… Esta… Read more »

Samuel Asafe

_____
_____

COMENTÁRIO APAGADO. DEBATA OS ARGUMENTOS SEM FAZER ATAQUES E PROVOCAÇÕES PESSOAIS.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Paulo

Eu vejo por outro lado, as falhas podem ser corrigidas,ainda bem que isso acontece em uma situação em que é possível resolver o problema.

Jagder

Mundo de nárnia: “alvo incapaz de se defender”
Mundo real: abateu 4 drones

Acho engraçado quando o pessoal de teclado dá pitacos em temas que desconhecem.
Chega a ser engraçado.

Sugestão: ir no 1DN (Praça Mauá, 65 – Centro) e solicitar uma autorização de visita, ficar uma semana a bordo de uma CV, mesmo que atracada.

Iver Huitfeldt é um sonho de consumo de muita gente.

Paulo Sollo

Estou satisfeito com todas as experiências de navegação que tive a bordo embarcações civis, principalmente as pequenas, como lanchas e veleiros, onde em alguns translados pude vivenciar imersivamente em alto mar a fúria implacável do Oceano. Certamente uma experiência incomparavelmente mais radical que dentro do conforto, proteção, estabilidade e segurança de um navio. Arrogância da sua parte pré julgar depreciativamente a quem sobre o qual não conhece nada a respeito. E sobre a matéria, “sofreu sérios problemas técnicos enquanto o navio estava sob ataque. Problemas técnicos impediram o navio de lançar mísseis por um tempo”. Ou seja, ficou vulnerável, incapaz… Read more »

Orivaldo

Igual a Guarda Costeira do Mar Nego ?

Leandro Costa

Velejou de que, Paulo?

Nemo

Bem, se velejou só pose ser de veleiro. Desculpem, não conheço nenhum dos dois, mas não pude resistir a piada (fraquinha) pronta.

Leandro Costa

É porque existem diversos tipos de veleiros, Nemo (e eu entendi a piada hehehe)

Só que para o cara falar um absurdo do tamanho do que ele falou, eu chuto que provavelmente ele nunca esteve à bordo de um veleiro, seja esportivo, de cruzeiro ou comercial, e nem muito menos à bordo de um navio seja civil, nem muito menos militar. O que ele falou não faz o menor sentido.

Santamariense

Acho que, pela besteira que ele falou, deve ter sido em um barquinho de papel…

Leandro Costa

Provável. Até as lanchas dos Comandos em Ação poderiam ter dado uma noção melhor.

Jagder#44

Já andei de caiaque também, e em outras embarcações que usam a RR tb3b. Teu texto teve cunho ideológico e, juntamente com tua resposta ao meu comentário, deixa claro que, no teu ponto de vista, a falta de conhecimento técnico/experiência profissional não é importante. Importante é o fato de que problemas técnicos corridos em um navio, em combate, desacreditam centenas de navios, das mais diversas classes, das marinhas ocidentais. Pergunta: tu acha mesmo que problemas técnicos não ocorrem a todo momento, em todas as marinhas do mundo? Incluindo a marinha mercante? Tem noção de quantos “BO´S” (para utilizar uma gíria… Read more »

Leandro Costa

E que ele use sempre colete. Afinal de contas, não iríamos querer que ele ganhasse um Darwin Award.

Santamariense

“ Estou satisfeito com todas as experiências de navegação que tive a bordo embarcações civis, principalmente as pequenas, como lanchas e veleiros, onde em alguns translados pude vivenciar imersivamente em alto mar a fúria implacável do Oceano. Certamente uma experiência incomparavelmente mais radical que dentro do conforto, proteção, estabilidade e segurança de um navio.” Cara, pelo amor de Deus…tua “experiência” se resume a lanchas e veleiros?? E quer dizer que isso te dá mais cacife para falar sobre o mar que alguém que vive grande parte de sua vida navegando?? Sério isso?? Pelo teu raciocínio, o Amyr Kink poderia, com… Read more »

Felipe

OTAN nunca perdeu a mania de dizer “problemas tecnicos” quando na verdade são atingidos, abatidos ou destruídos.

Jagder

Vai ver o Moskva também sofreu um problema técnico então.

Leandro Costa

Porque ninguém na Dinamarca vai perceber quando a fragata chegar com um rombo, marcas de incêndio e estilhaços ou mesmo não chegar. Ninguém vai sentir falta de parentes… claro.

______

COMENTÁRIO EDITADO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Bernardo

se eles são incapazes de se defender e atacar, como até agora eles se defenderam e atacaram sempre? apesar de relatos de problemas, principalmente de marinhas que não costumam fazer isso (como a dinamarquesa), até agora o placar continua muito a zero nessa operação no mar. só barcos civis foram atingidos. nenhum desses navios com “varios relatos de problemas” como se diz por ai foram afundados por mísseis, drones ou algo do tipo. ao contrário de outras marinhas que no momento não podem falar o mesmo, como a russa. esses são os navios capazes de se defender e atacar? quantos… Read more »

Marcelo

Gostei da parte “fracassos vergonhosos”

Como um ser humano com o mínimo de inteligência chama essa situação de “fracasso vergonhoso”??

É pra entrar em desespero de saber que existem essas inteligências sobrenaturais no país!!

Só falta um ______
________

COMENTÁRIO EDITADO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

bruno

E o equipamento Russo e Chines qual em ação real teve sucesso?

Carlos Crispim

Eu tb acho que as marinhas da europa não servem pra nada, não chegam aos pés da US Navy, agora imagina a MB? Já pensou a MB naquelas águas? Sem chance de voltarem, se eles não estão preparados, o Brasil é ZERO!

Last edited 3 meses atrás by Carlos Crispim
Heinz

Capaz mesmo é o cruzador Moskva, a nau capitânia da frota russa do mar negro.

EduardoSP

Sou fá dessas Huitfeld e das Absalon.
Acho o conceito da Absalon muito interessante para o Brasil, que tem uma marinha que não é propriamente de combate, dado no nível de ameaças que enfrentamos.

Boitatá

Não entendo muito essa ideia de ter uma Marinha que não seja para o combate.

EduardoSP

Considerando que o último combate real que tivemos foi há 80 anos, já dá para imaginar o nossa proficiência nessas atividades.

O dia a dia das nossas forças armadas é muito mais dedicado a atividades subsidiárias do que a treinamento para combate. Nem temos muitos recursos para gastar com munições, deslocamentos, etc.

Nesse cenário uma fragata que tenha condições de desempenhar outras atividades é interessante.

Bernardo

o conceito de modularidade na dinamarca é que vc podia usar o mesmo barco pra por ex. fazer um resgate e se precisasse, ele tb faria uma missão mais militar, ou uma missão humanitária (light) ou de apoio, ou um módulo pra colocar minas navais, só mudando os módulos. antes de 2022 eles tavam bem menos preocupados com a parte de guerra msm, já que as patrulhas da OTAN eram suficientes e eles podiam só dar apoio (em outras áreas até). provavelmente deve mudar um pouco a doutrina mas eu concordo com o colega, modularidade seria interessante pro brasil já… Read more »

Nativo

Concordo plenamente as hutfield seriam o ideal, no lugar das Tamandarés, pela capacidade de autonomia, o que um baixo número, como serão as Tamandarés, não ficaria tão feio.
bastaria adquirir OPVS mais em conta , para completar a patrulha nas nossas águas.
Além disso as hutfield poderiam servir muito bem as ações além do nosso mar, também com mais autonomia e poder como e de tradição da MB.

Snake

Juro por Deus que não entendo vcs, fica uma galera reclamando que a Tamandaré tá com pouco vls mais aí na mesma hora já tá defendendo uma navio só pra cumprir o básico, vcs me lembram aquelas mulheres que vais sair pra festa e não sabem que roupa vai vestir

Last edited 3 meses atrás by Snake
Nativo

Nobre .
As Tamandarés são poucos armadas, porém bem caras , então ao meu ver, é melhor ter poucas , como provavelmente serão e ter outros meios para a vigilância das nossas águas azuis.

Flavio Henrique

fora que o booster de um harpoon foi acionado a ponto deles terem que fecha o estrito báltico para navegação de navios…

737-800RJ

“De acordo com a reportagem, os problemas eram conhecidos há muito tempo e nada foi feito a respeito.”

Os responsáveis empurraram com a barriga e colocaram em risco as vidas de dezenas de tripulantes. Que sejam punidos!

FERNANDO

Bah, Tche, no mato sem cachorro e sem gato.
Ou, seja, ferrado.

Makarov

O ocidente passou vergonha contra os Houthis, essa é a realidade.

Ataques que não serviram para nada, os Houthis seguem em plena atividade, invadir o Iêmen não é uma opção, pois sabem que seria pedra dura, sabem que não podem com outra frente e no final, seria apenas mais um país pros EUA saírem correndo, como já é de praxe.

O ocidente perdeu!

Last edited 3 meses atrás by Makarov
Bernardo

Até agora “o ocidente” ataca os houthis em alvos militares sem terem sofrido um arranhão. o máximo que os houthis conseguem é atacar alvos civis (normal de terroristas). “plena atividade” pq é o tipo de coisas que vcs defendem aí, mas nada disso persiste no tempo. todas essas grandes mudanças são muito recentes. a rússia mudou de regime três vezes em mais ou menos 100 e poucos anos com dois grandes colapsos. A china é comunista desde os anos 50? o irã só teve a revolução desde 79. tem gente aqui nos comentários mais velha que isso. vcs são muito… Read more »

Eduardo Lima

Para Padrão de qualquer Força de Defesa, isto ñao deveria acontecer! Imagine o absurdo que está sendo relatado em estado de combate!

Maurício.

“De acordo com a reportagem, os problemas eram conhecidos há muito tempo e nada foi feito a respeito.”

Vish, até a Dinamarca fazendo pouco caso com problemas conhecidos.

Nemo

O principal chefe militar das forças armadas da Dinamrca foi demitido ontem em razão dessa situação.

Aéreo

Isto deve acontecer com relativa frequência em diversas forças armadas ao redor do mundo. A diferença é que em um pais como a Dinamarca estes eventos veem a tona e são discutidos pela sociedade.

Bueno

Vendo o video fico pensando no contraste, de um lado os militares do grupo Houthi do Iêmen , seu pais seu IDH, suas armas, seus salários sua motivações para a guerra em contraste com os militares da Dinamarca, suas armas seu IDH, seu pais suas motivações para a guerra etc.., Como é complexo a nossa raça, em um tempo que se fala tanto de paz , tem organizações multilaterais para paz etc, e existem guerras e tensões em todos os continentes… Os seres humanos tornam o mundo um lugar muito perigos para viver. Deve ser este o motivo de procurarem… Read more »

Last edited 3 meses atrás by Bueno
Emmanuel

Fragata alemã com problema.
Fragata britânica com problema.
Fragata dinamarquesa com problema.
Fragata americana com problema.

Rapaz…tem alguém fazendo um vodu poderoso aí…

Aéreo

Se tá ruim pra OTAN, imagina pra “classe média”

Emmanuel

kkkkkkkkkkkkk
eu ri agora.

Wellington R. Soares

Já tá até faltando suprimentos para tripulação classe média rsrrr…

Mercenário

quais foram os problemas em operação de “fragatas” americana e britânica?

Fernando

Fragatas eu nao sei…. Mas quando se fala de PA ingleses, a coisa fica bem estranha!

Nemo

A Dinamarca fechou uma passagem marítima importante porque um missel embarcado se ativou autonomamente rs e corre o risco de atingir outros navios. Como todos sabem há algo de podre no reino da Dinamarca.

BrunoFN

Es o navio q a MB esnobou .por pura falta de conhecimento ,estudo , ou seriedade como força efetiva pragmática ..sobrou foi arrogancia isso sim …,nada de critica ao projeto do navio em si ,… projeto q hj é base da Type 31 inglesa ,são navios com mais de 20 anos com problemas relativos a alguns sistemas , radares e sensores algo normal (algo q nem foi confirmado).. nem sei se esses navios passaram por alguma tipo de modernização .. o mesmo das ”Absalon” … talvez force o gov Dinamarquês a correr atrás de um novo navio , nova classe… Read more »

Jefferson B

Cabe a Dinamarca para de ajudar os imigrantes ilegais e passar a modernizar a sua marinha!

Marcelo

HAHAHAHAHAHA Enfrentaram uma situação que não podiam se defender e se defenderam!!!

Imagina a nossa marinha na mesma situação: todo mundo de estilingue tentando acertar os drones…

É pra rir da cara dos “especialistas” criticando os equipamentos da OTAN

Gabriel BR

O navio é bom! A Falha foi nos sistemas integrados , algo que certamente será corrigido pois os parlamentares dinamarqueses estão furiosos rsrsrsrsrrs

Vinicius Momesso

Drones são lentos e por isso é mais fácil de abater do que mísseis que voam muito mais rápido e ainda podem estar equipados com sistemas de contra-medidas para tentar enganar o alvo.

Gabriel BR

Sim , mas a plataforma não é ruim

Carlos Campos

Sorte deles é que estão enfrentando um inimigo fraco, se fosse a Marinha Chinesa por exemplo iam tomar um míssil bem no meio do casco, e me pergunto pq os militares mentiram sobre as condições do navio, o infeliz poderia ter matado vários militares, como ficariam as famílias dessas pessoas, parece que os oficiais acharam que iam dar voltas nos fiordes como sempre fazem

mago

EDITADO:
COMENTARISTA BLOQUEADO.

Miguel Carvalho

Mais uma vez se prova que a classe politica europeia não presta, e preocupa-se apenas em manter felizes os eleitores progressistas que pouco a pouco vão destruindo a identidade europeia. No topo da agenda politica, estão as alterações climáticas, defesa e integração de minorais, identidade de género e coisas destas. Deixando para segundo plano questões como a segurança nacional. Isto explica como certos países ousem violar a soberania de outros com total impunidade. Quanto ao incidente, aos anos que já se sabia deste problema com o software de gerenciamento de combate, nos exercícios navais da NATO, isto já tinha ficado… Read more »

Fernando

Quer dizer entao que, no seu entender, alterações climaticas, defesa de minorias e etc.. são besteira e perda de tempo?

Miguel Carvalho

Claro que sim. Quando se coloca estes temas acima da defesa nacional e da soberania.

Não concorda ?

Fernando Rodrigues Martins

Não, não concordo.

cipinha

Seria um navio desses capaz de sobreviver a um enxame de drones navais?
Muita gente criticou os navios russos, mas parece que todas as marinhas tem passado dificuldades com seus meios, uma coisa é um transporte de tropas ou apoio, outra são fragatas e corvetas que não estão conseguindo fazer o básico

Jose Carvalho

Alguém já comentou: “Algo fede no reino da Dinamarca” ?

Fabio

É sério que chamaram de alvo incapaz o navio que se defendeu 100%, derrubou quatro drones não sendo alvejado nenhuma vez? O cara lê e interpreta o contrário, kkkkk