Guarda Costeira

p47.jpg

Terminamos mais uma enquete do Poder Naval, com a pergunta: “O Brasil deveria criar uma Guarda Costeira, deixando a Marinha com as tarefas eminentemente de combate?”.
Até o fechamento deste post, foram 600 votos, sendo 75% deles a favor da criação de uma Guarda Costeira para o Brasil e 25% contra.
Na década de 1980, o então Ministro da Marinha Alte. Maximiano, propôs a criação da Guarda Costeira, pois tinha convicção de que o poder de polícia no setor marítimo, fluvial e lacustre vinha sendo exercido pela Marinha de forma precária.
A controvertida tentativa do Alte Maximiano não obteve êxito: seus sucessores e com eles a maioria esmagadora da Marinha, se opuseram ao projeto, que foi retirado do Congresso para “novos estudos” e, a partir daí, esquecido.
Sendo assim, a Marinha continua empregando seus minguados recursos, que poderiam ser usados na modernização de seus navios de guerra e aeronaves, na construção de mais navios-patrulha, que têm pouquíssimo valor militar.

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

37 Responses to “Guarda Costeira” Subscribe

  1. Ozawa 16 de setembro de 2008 at 14:04 #

    “VOX BLOG…, VOX DEI…” ainda assim, reitero comentário incidental a respeito, postado anteriormente:

    “Ozawa em 04 Set, 2008 às 17:05
    Quanto a enquete ao lado, tecnicamente, eu tenderia à uma G.C., e subordinada ao Ministério da Justiça e não à Defesa, uma espécie de Polícia Federal Naval. O problema é que certamente seria um órgão de vigoroso peso político, forte lobby junto aos congressistas, uma tendência das forças de segurança pública da União Federal, que demandaria (e receberia como seu congênere terrestre, na concepção sugerida, a PF), muitos recursos em material e pessoal, o que geraria um “melindre” com a força naval militar. Afirmo que o(s) salário(s) dessa eventual polícia federal naval, ao longo dos tempos, seriam o dobro das guarnições da MB. Por tais motivos (não técnicos) é que votaria (juntamente com os 25%…) “NÃO”. E assim ainda voto…

    P.S.(1) Sequer cogitei uma G.C. subordinada à Marinha ou ao MD, pois seria uma conta de soma zero.

    P.S (2) Ao que parece, o alto comando da MB compartilha do mesmo temor enunciado acima…

  2. Marcílio Dias 16 de setembro de 2008 at 14:11 #

    Se a Marinha gasta de 20 a 40 milhões de dólares para construir um navio-patrulha, deveria construir navios polivalentes, que também servissem para a guerra.
    Preparar navios-patrulha com sistemas prontos para receber mísseis antinavio em caso de guerra seria o mínimo, além de dotá-los de UAVs e MAGE.

  3. joao 16 de setembro de 2008 at 14:15 #

    Guarda costeira?? Considero um milagre que com o trocado e as migalhas que dao a MB,esta ainda exista. Ao passo que vao as coisas,ate a Guatemala vai deixar o Brasil pra traz. Guarda costeira e para pais serio na defesa,como por exemplo o Chile ou a Venezuela. No Brasil,como sempre,tudo nunca passa de sonhos e aspiracoes. Infelizmente hoje e no futuro o Brasil sera o pais do futuro. Olhem so o exemplo de 7 deSetembro. Tanto teatro,planos,discussoes,mas no final,como sempre,nada. Um pais deste ter guarda costeira? Ate a Jordania comprou F-16,mas claro,as sucatas de F-5 que substituiram acabaram aonde? Agora esta comecando a novela de”navio patrulha”. Se levaram 14 annos para uma corveta,talvez em 10 vai sair um destes. Com um canhao de 40 mm.

  4. konner 16 de setembro de 2008 at 15:32 #

    Concordo com o Sr. Ozawa.

  5. Walderson 16 de setembro de 2008 at 15:41 #

    Galera,
    não vi ninguém comentar que criando-se uma Guarda Costeira à parte um pouco da verba da Marinha será retirada pois ela não exercerá mais a função. Então, dará na mesma. Se fôssemos ter mais verbas compatíveis com a nova função a ser criada, eu concordaria, mas como sei que não será assim, sou contra. Se viesse mais verbas, penso que deveria ser feito como o amigo Marcílio Dias acima disse.
    Um abraço a todos.

  6. edislon 16 de setembro de 2008 at 16:26 #

    Minha cruzada continua.

    criar a guarda costeira subordinada a Marinha e efetivar de forma séria o papel de uma marinha de guerra.
    Um erro não justifica o outro.
    é preciso seriedade em termos operacionais e nos recursos necessários para estes.
    nãos e pode justificar o erro de não se ter o orçamento para uma marinha para não criação de uma guarda costeira de verdade e uma marinha de verdade.
    é preciso ter sim ambas forças sérias, aparelhadas e bem preparadas.
    dinheiro o nosso país tem, o que está faltando são heróis e não medalhas…

  7. Fábio Max 16 de setembro de 2008 at 16:28 #

    Uma guarda costeira.

    Estrutura Civil? Mais cargos em comissão e politicagem, superfaturamento para comprar lanchas sem qualquer possibilidade de aplicação militar de verdade, sem contar casos de arapongagem.

    Algo assim seria uma desculpa para abandonar a Marinha de uma vez por todas e ainda dar emprego para um bando de vadios, tratando de facilitar o contrabando ou, pior, o roubo de riquezas nacionais.

    Eu prefiro a Marinha do Brasil, com sua estrutura militar que mal ou bem garante o mínimo de honestidade e bom senso na aplicação dos parcos recursos.

  8. molleri 16 de setembro de 2008 at 16:55 #

    A MB foi contra, na época, porque a verba para a criação da GC seria retirada do mísero orçamento da Marinha, ou seja, não haveria recurso novo.

  9. Vassily Zaitsev 16 de setembro de 2008 at 20:06 #

    Sou a favor de uma Guarda Costeira, pois policiamento, controle de contrabando e poluição não são serviços para uma Marinha séria. Se criada fosse, seria controlada pslo Ministério da Justiça e não pela Defesa. Deveria ter orçamento próprio desde o prelúdio (início) . A MB cabe as tarefas puramente militares, ofensivas ou defensivas. Mas nem para isso ela tem verba, pois os navios vivem parado no porto, so saindo para os desfiles comemorativos, quando o estado do maquinário permite.

  10. João-Curitiba 16 de setembro de 2008 at 21:15 #

    Que tipo de equipamento a GC norte-americana possui?

  11. Bosco 16 de setembro de 2008 at 22:39 #

    Me desculpem os adoradores dos FACs (navios de ataque rápidos) super armados, mas este NaPa (Gurupi) é meu sonho de consumo para a futura Guarda Costeira Brasileira. Uns 30 “parecidos” com ela são super bem vindas.
    Aí é só termos uma dúzia de NaPaOc com um hangar para um helicóptero e estaremos bem servidos .
    Um abraço à todos.

  12. Nunão 16 de setembro de 2008 at 23:08 #

    Bosco, acho os Gururu muito bacanas, mas creio que os NaPa 500 não são nada mais do que uma revisão das necessidades de NaPa após a experiência de mais de década com essa classe.

    O dobro da deslocamento faz diferença na resistência estrutural, no conforto da tripulação etc.

    Bom, espero que faça…

  13. Marcelo Ostra 16 de setembro de 2008 at 23:29 #

    Uma coisa importante: Antes de e pensar em GC, seria importante uma legislação clara sobre que é o que e quem faz o que no mar

    Se reararem não ha nada na lei que ampare a MB neste sentido

    MO

  14. Bosco 16 de setembro de 2008 at 23:59 #

    Nunão,
    também acho que 500 no lugar de 200 faz diferença e grande, por isso disse “parecidos”. Se forem maiores, melhor ainda. Me referi especificamente ao armamento que acho bem razoável para a função (embora um Trinity seria preferível).
    Um abraço!

  15. Bosco 17 de setembro de 2008 at 0:16 #

    E se espremer bem dá pra deixar previsto a condição de colocar um radar de busca combinada (ou um 3D), um radar de direção de tiro para o canhão (se for o 3D não precisa), uns lançadores de chaffs/flares, um MAGE, umas calhas para minas, uns 4 SSMs, uma alça multiespectral, um sonar “de casco” modular montado de lado com já vi em algum lugar, um sonar rebocável, uns tubos de torpedos,… ufa! Chega! Mais um pouco e o navio afunda.
    Os Tomahawks e os Standard SM3 ficam para a próxima modernização…rsss.

  16. Smedley D. Buttler 17 de setembro de 2008 at 11:03 #

    E comida que é muito importante.

    Tripulação bem alimentada trabalha bem e feliz.

    É duro ver em todo o navio da MB o pessoal comendo todo dia a mesma coisa de sobremesa: Melancia L

    Fora que durante a semana se come “ada” quase todos os dias: feijoada, rabada, buchada….arghhh

  17. ivo rodrigues 24 de outubro de 2008 at 15:08 #

    Vamos criar logo nossa Guarda Costeira, para que a mesma fiscalize as embarcações e deixe a Marinha fazer outro papel em nosso glorioso Brasil.

    Boa sorte

  18. Dragão do Mar 8 de novembro de 2008 at 0:12 #

    Bom acredito, que a criação da Guarda Costeira Brasileira ira melhorar muito a situação da costa Brasíleira, teriamos uma mior proteção de nossa costa, contra traficantes, contrabandistas, alem de poder termo uma situação de proteção de nossas embarcações em nossa costa, bem com salvamento e etc.
    Os membros da Guarda Costeira Brasíleira poderia ser treinada nos centros de formação das Marinhas Mercantes e Grupamento de Fuzileiros Navais.
    Acredito se houver uma mobilização poderia se criada a Guarda Costeira Brasileira, que tambem poderá proteger os santuarios ecologicos Brasileiros tanto na costa como no alto mar.
    Revira e mexe as prefeituras estão criando por ai as guarda municipais, acredito que seja o momento para se criar uma mobilização nacional para criação da Guarda Costeira Brasileira.
    Bons ventos a todos! BRASIL!!!!!

  19. Fern 2 de dezembro de 2008 at 17:48 #

    Alo!
    Eu gostaria de saber se voces tem alguma foto da torre do farol que existe no Atol das Rocas.

    Eu faco cenarios para o Simulador de Voo da Microsoft e gostaria de colocar a torre, as ruinas da torre original e a casa do faroleiro. Infelizmente as duas fotos que achei na Net foram tiradas de muito longe e nao da pra ver nada direito.

    Se alguma foto estiver disponivel, sera muito apreciada.

    Obrigadissimo

    Fern

  20. Marcelo Ostra 7 de dezembro de 2008 at 10:47 #

    Patrick, amigo, vc gostaria de entrar para guarda costeira de que pais ?

    O Brasil (se foi essa sua opção) naõ tem guarda costeira

    MO

  21. Roberto 7 de janeiro de 2009 at 5:29 #

    Defendo a criação de uma Guarda Costeira competente, como as dos Estados Unidos e Canadá, onde eles saem para cumprir uma missão de repressão ou salvamento e resolvem o problema. Pertenci a Marinha Mercante no passado e pude constatar que no exterior elas funcionam a contento. Também já testemunhei muitos casos de ineficiencia da Marinha do Brasil exercendo esta função. Na realidade, o jovem é pouco informado da realidade da Marinha e quando do seu ingresso, ele pensa em viajar pelo mundo e quando vê a realidade, desfaz-se o sonho. Com uma Guarda Costeira, o jovem quando de seu ingresso, já fica sabedor de onde será realizada suas funções e quais serão elas. Ficarão a par de que sua vida será praticamente no mar, patrulhando e salvando. Por outro lado soube, através de parente que passou algum tempo embarcado em navio patrulha, baseado no 1º Distrito Naval, que os mesmos são de péssima construção, não possuindo inclusive nenhuma antepara estanque, o que faz crer que se fizer água na proa, alaga direto até à popa. Devemos sim ter uma Guarda Costeira, muito competente, onde vá para o mar de forma a resolver o problema de um náufrago ou na repressão a entrada de drogas e armas pelo mar e que esta organização seja uma quarta força armada, como são em outros países.

  22. Leando Silva Zilli 2 de março de 2009 at 16:01 #

    Boa tarde, gostaria de ser GUARDA COSTEIRA, SOU SALVA-VIDAS A 2anos, trabalho 4 anos na profissão, e quero conpartilhar minhas atividades com voces obrigado.

  23. ridson ceará 20 de abril de 2009 at 16:54 #

    meu sonho era poder salvar vidas e ajudar o mundo também

  24. Lourenco 5 de junho de 2009 at 12:51 #

    O unico país com GC é os USA!!!Duvida?
    Todas as outras são arremedos sem as possibilidades reais de atuação. Deve-se lembrar que a GC demanda mais meios aéreos do que de superfície, a exemplo dos USA. Assim não é mera transferencia de navios de pequeno porte e lanchas que irão criar a GC.
    O Reino Unido- exemplo naval- não dispõe de GC.
    Infelismente, a maioria que trata e opina sobre o assunto não tem dados para melhor avaliação.
    A exemplo, na queda do avião da Air France, nenhuma GC, à exceção dos USA estaria capacitada a operar a essa distancia da costa, com meios aéreos e outros de autonomia para permanencia na área.
    Podemos fazer como é comum em outros paises com GC, a exemplo da Argentina, Italia, etc:”Olha, pra mim não dá; chama a Marinha!”

  25. Dalton 5 de junho de 2009 at 13:29 #

    Lourenço,

    só complementando o que vc escreveu, a Guarda Costeira americana muitas vezes envia seus cutters maiores, aproximadamante do tamanho de uma fragata, em missoes a lugares distantes, como Kosovo , Georgia , Golfo Persico, etc , operando independentes ou em companhia de navios de guerra da marinha americana.

    Um destes cutters chegou a operar com misseis harpoon, mas que foram retirados devido a contençao de despesas, porém ficou provada a eficiencia do uso destes caso haja necessidade de embarca-los novamente.

    sds

  26. Marcelo Ostra 5 de junho de 2009 at 15:14 #

    Dalton, em verdade a classe inteira, inclusive Sea Sparrow

    Abs
    Mod MO

  27. Marcelo Ostra 5 de junho de 2009 at 15:35 #

    Não Lourenço

    Outros paises tem GC, soh que por desconhecimento e sei la talves ate pouco conhecimento naval da grande maioria e tbm de orgão divulgadores, outros paises tem um GC forte inclusive com capacidade oceanica

    A França. ela mesmo tem um navio que seria o sonho de consumo (para mim) como navio de patrulha maritima, salvamento e reboque, assim como a a propria Inglaterra tambem tem uma unidade deste tipo (AHTS)

    Em um exercicio de raciocinio rapido, paises que possuem GC´s respeitaveis e de capacidade oceanica Espanha, França, Holanda, India, Paquistão, Japão, Coreia do Sul, Ucrania, Ruussia

    Abs
    Mod MO

  28. Dalton 5 de junho de 2009 at 15:38 #

    Grande ostra…

    vc nao estaria confundindo o sea sparrow com o phalanx 20mm que equipam todos os cutters da classe hamilton?

    sei que vc sabe a diferença entre eles, mas na hora pode ter pensado em uma coisa e escrito outra.

    No mais, nunca li algo sobre sea sparrow instalado, mesmo que para teste, como aconteceu com o harpoon, mas também nao li tudo sobre …

    abraçao

  29. Marcelo Ostra 5 de junho de 2009 at 15:42 #

    Fala Dalton

    Meu, vc ta perdendo discussoes legais (as vezes, rss) no chat, aparece lá !

    Sim, tiveram sim, me da um tempinho pra procurar que te digo quem foi (foram), incruzivel os phalanx

    Abs
    Mod MO

  30. Marcelo Ostra 5 de junho de 2009 at 15:56 #

    Dalton

    Me desculpando

    Confirmando sua sempre correta info, nem os Hamilton, nem os Bears (os que tiveram o Harpoon/phalanx/otorapid em modernização FRAM) tiveram o Sparrow

    Mas continuo encafifado com uma imagem de um sparrow branco em um navio …. se bem que vc sabe neh, pos transplante, imunosupressores, urinando sentado + cerebro de ostra da nisto …

    Mod MO

  31. Dalton 5 de junho de 2009 at 16:08 #

    Grande Ostra,

    mesmo assim, vc continua sendo um arquivo ambulante de informaçoes, imagina vc uns anos atras!!

    Cheguei a pensar que vc estivesse confundindo com as velhas fragatas Knox, estas receberam o harpoon nos lançadores asroc e algumas foram equipadas com sea sparrow e outras com o phalanx 20mm
    navios interessantes estes…

    quanto ao chat, assim que der um tempinho, apareço lá sim…aliás nem deveria estar aqui agora, mas, é irresistivel nao dar uma olhada nas materias e nos comentarios.

    grande abraço

  32. joão gabriel 24 de julho de 2009 at 13:49 #

    eu asso que seria bom ter uma gurda costeira no brasil

  33. Dorival Jr 14 de outubro de 2009 at 18:45 #

    COmo Faço para me ingressar na Guarda COsteira e MEu SOnho e já tenho 18 anos e nao sei mais o que faço por favor me ajudem …..

  34. Vitor Netto 15 de outubro de 2009 at 1:00 #

    Caro,

    gostaria de saber como faço para entrar para a Guarda Costeira?

    Obrigado pela atenção e aguardo uma resposta breve e positiva.

    Atenciosamente,

    Vitor Netto.

  35. Maycon D. Ricardo (Es/ do Norte) GO 2 de fevereiro de 2010 at 12:34 #

    A GUARDA COSTERA E” UM ESEMPRO DE PESSOAS LEGAIS E”DIGINA DE TRABANHO

  36. Ana Paula M. Almeida 27 de julho de 2010 at 3:14 #

    Com certeza, deveríamos ter uma guarda costeira!
    Nosso país deveria se preocupar com todas as áreas, principalmente sabendo que nosso poder militar está quase falido.
    A ex. de alguns bons anos a trás, do qual todos eram tratados com mais dignidade e respeito.
    Muitos se preocupam em dividir verbas quando deveriam se precupar com a segurança nacional e o respeito que temos que ter por nossos militares, dando a eles locais, instrumentos de trabalho e salários dignos.
    E deveria se acabar com a corrupção, para que possamos ter um país mais limpo! E digno para o nosso povo.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Navios da MB atraem grande público no fim de semana em Santos-SP, mesmo com chuva

Visitamos os navios da MB que estavam no porto de Santos-SP no último domingo. Para surpresa nossa, mesmo com o […]

F. ‘Rademaker’ (F 49) e seus MM 40

Apresentando os novos Exocet MM 40 da Fragata ‘Rademaker’ (F 49), fotografados na escala em Santos/SP, no dia 30/08/2014. A […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

F ‘Rademaker’ (F 49) – suspendendo de Santos, 31.08.2014, 1h27

Imagens da F. ‘Rademaker’ (F 49),suspendendo de Santos no início da madrugada do dia 31/08/2014. Fica registrada a passagem do […]

Há 100 anos um ‘Peixe-Espada’, parente de ‘Foca’, era lançado na Suécia

O primeiro submersível construído na Suécia, o HMS Svärdfisken – que significa ‘Peixe-espada’ – tinha projeto de origem italiana semelhante […]

Submarino ‘Tapajó’ (S 33) – Visitação pública em Santos/SP

Imagens da  visitação pública no Submarino ‘Tapajó‘ (S  33) em suas escalas no Porto de Santos/SP, ocorrida no período da […]