Home Marinha do Brasil NPaOcs das classes Amazonas e River não suportariam ‘danos de combate’

NPaOcs das classes Amazonas e River não suportariam ‘danos de combate’

9010
144
NPaOc Apa P121

Por Luiz Monteiro

Vejo que muitos comentaristas acham que os NPaOcs (Navios-Patrulha Oceânicos) ou OPVs (Offshore Patrol Vessels) das Classes “Amazonas” e “River” podem ser transformados em navios de combate, bastando para isso equipá-los com um canhão de 76 mm, lançadores de torpedos e mísseis.

Na verdade, os navios de ambas as classes não são construídos para combater. Eles não foram dimensionados para suportar danos de combate.

Caso recebam um ataque direto de canhão de médio calibre, míssil ou mesmo de uma lancha terrorista repleta de explosivos, será pouco provável que estes navios se mantenham flutuando, pois não possuem estanqueidade adequada ou estações realmente preparadas para combate a incêndios.

Além disso, o casco não possui reforços estruturais para suportar o impacto de munições de médio calibre, mísseis ou a incursão terrorista de uma embarcação pequena e rápida atopetada de bombas.

Entendo que não é viável transformar os NPaOc das classe Amazonas e River em navios de combate incrementando-se seu armamento. Estes navios servem para a missão a qual foram projetados: patrulha marítima.

Para realizar tarefas de policiamento, abordagem a navios mercantes ou a grandes pesqueiros internacionais, canhões de 30 ou 40 mm ou metralhadoras de 20 mm cumprirão bem a missão.

Até concordo que poderia ser instalado um canhão de 76 mm, para intimidação e eventual utilização em defesa das tripulações da Marinha do Brasil (MB) contra navios que passaram a vir para o Atlântico Sul com seus tripulantes armados com fuzis 7,62 – relatos argentinos dão conta de que a tripulação de pesqueiros chineses estão atirando contra os navios da Prefectura Naval (Guarda Costeira argentina).

NPaOc Apa, classe Amazonas

Porém, eu pararia por aí; nada de mísseis ou torpedos.

Navio de combate deve ser projetado para essa missão e não adaptado a ela.

Na guerra naval, esse tipo de adaptação poderia colocar em risco a vida do pessoal dos nossos navios de patrulha.

A Royal Navy fez diferente quando projetou seus NPaOcs Tipo River 2, desde a sua fase de concepção do projeto, como navios de combate.

Diversas melhorias em relação aos nossos Amazonas foram introduzidas. Assim, os navios River 2 estão aptos a suportar de forma bem melhor os danos de combate.

Por estas razões, entendo que os NPaOc da Classe Amazonas ou navios da classe River que eventualmente possam ser adquiridos em compras de oportunidade devem ser utilizados pela MB exclusivamente em missões de patrulha naval.

OPV classe River Batch II

Nota do Editor: Luiz Monteiro (o nosso LM) é veterano colaborador do Poder Naval.

144
Deixe um comentário

avatar
140 Comment threads
4 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
54 Comment authors
DaltonHelio EduardoClovisMauricio VeigaControl Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Patrulha costeira, contra pesqueiros, barcos clandestinos, salvamento, e etc. Logicamente não são para guerras em si.

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

Totalmente de acordo!

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Acho que deveria ser criada uma policia federal marítima e ser dado a eles estes navios classe Amazonas e outros de porte variados para patrulhamento da nossa costa e deixando a Marinha livre desta responsabilidade de ir atrás de navios pesqueiros e ilícitos como combate a drogas e demais delitos, e marinha com a função mais dedicada a defesa. Teria que ser algo maior e mais estruturado que NEPOM com maiores recursos para proteção da costa.

Alex Barreto Cypriano
Visitante
Alex Barreto Cypriano

Mas eu botaria neles um helicóptero com hellfires ou drones firescouts. Se a embarcação a abordar for de um dos encrenqueiros habitualmente mais violentos, botava no ar o heli + 8 hellfires. Mas patrulha é patrulha, embora o mar seja ‘terra sem lei’. Pensando bem, que se façam patrulhas com design adequado a combate de baixa intensidade.

RAFAEL DAMASCENO
Visitante
RAFAEL DAMASCENO

É algum outro navio suportaria um míssil?

Bardini
Visitante
Bardini

“É algum outro navio suportaria um míssil?” Como um Navio de Guerra deveria se portar em combate: https://www.youtube.com/watch?v=qzn5L-82GdE Thach absorbed an enormous amount of punishment, starting with a Harpoon missile launched by a South Korean submarine, the ROKS Lee Eokgi. Next, the Australian frigate HMAS Ballarat launched another Harpoon, and an Australian SH-60S helicopter shot it with a Hellfire missile. U.S. maritime patrol aircraft then hit it with Harpoon and Maverick missiles. But Thach wasn’t done. The cruiser USS Princeton hit it with yet another Harpoon missile, and an American SH-60S Navy chopper hit it with more Hellfires. US Navy… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Ótimo esclarecimento, prezado LM. Obrigado.

jjneto
Visitante
jjneto

entao esses navios sao comparaveis a guardas municipais armados com cacetetes.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Na minha cabeça de minhoca, o navio deveria possuir uma capacidade de fogo maior, justamente pelo fato de não soportar muitas avarias. “””Caso recebam um ataque direto de canhão de MÉDIO CALIBRE, míssil ou mesmo de uma lancha terrorista repleta de explosivos, será pouco provável que estes navios se mantenham flutuando, pois não possuem estanqueidade adequada ou estações realmente preparadas para combate a incêndios.””” Não suportar um barco cheio de explosivos e misseis é aceitável, mas não aguentar tiros de canhão MÉDIO? Atéonde eu sei o navio custou 110 milhões de reais, não seria melhor gastar 150 milhões e deixar… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Trusted Member

“RAFAEL DAMASCENO 11 de Fevereiro de 2018 at 14:33
É algum outro navio suportaria um míssil?”

Dependendo do navio, das partes atingidas e do controle de danos, suportaria até dois:

http://www.naval.com.br/blog/2009/05/17/22-anos-do-ataque-a-fragata-stark/

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Trusted Member

“jjneto 11 de Fevereiro de 2018 at 14:47
entao esses navios sao comparaveis a guardas municipais armados com cacetetes.”

Não, seriam guardas armados com pistolas.

Daglian
Visitante
Daglian

Concordo complemente, mas a infeliz realidade é que daqui a alguns dias aparecerá algum comentário novamente insistindo em colocar lançadores de torpedos nos NPaOc classe Amazonas. É uma batalha perdida.

Hélio
Visitante
Hélio

WashingtoWashington Menezes 11 de Fevereiro de 2018 at 14:01
A capitania dos portos não é isso?

Marcos
Visitante
Marcos

O reverso pode ser feito? Um navio de combate pode ser adaptado para um NPaOcs?

Marcos
Visitante
Marcos

Que diferenças há entre Amazonas, River e River Batch II?

Marcos
Visitante
Marcos

A Amazonas seria uma versão aumentada da Batch I?

Adler Medrado
Visitante

Esses chineses estão ficando cada vez mais folgados.
Já ocorreu alguma vez algo como o que foi relatado no artigo, contra navios brasileiros?
O que os argentinos fizeram nesse caso relatado?

Marcos
Visitante
Marcos

Os argentinos mandaram o navio chinês para o fundo do oceano.

Marcos
Visitante
Camilo
Visitante
Camilo

Mais existe navíos com blindagem contra torpedos ou mísseis?.Hoje em dia os navíos são qüasi 100% electronicos se ultilizão um PEM o navío fica na deriva e é blanco fácil,não.

Marcos
Visitante
Marcos

Camilo:
Em combate sempre poderá haver danos. As Classe Meko possuem duas ilhas de comando.

BMIKE
Visitante
BMIKE

Ivan BC “daria para o Brasil comprar 12 navios desse por 1,5 bilhão de reais”…

Meu caro, concordo com vc. Com algumas mudanças esternas tipo, canhão 76mm e um convõo para um heli leve ou drone comcopter daria uma bela proteção para águas jurisdicionais… Penso ainda que melhor 12 amazonas com as modificações elencadas que 4 tamanduas… pensando na costa do Brasil inteiro e não só do RJ, que parece que o Almirantado estima mais.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado BMike,

Os NPaOc da Classe Amazonas possuem convoo. Nele pousam helicópteros do porte do Lynx, que diversas vezes operou nos NPaOc. A maior deficiência é a ausência de um hangar.

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Adler,

Como bem comentou o Marcos, os argentinos mandaram o pesqueiro para o fundo do oceano.

Em nossas águas é cada vez mais comum a presença de grandes pesqueiros chineses, algumas vezes com tripulação muito agressiva.

Abraços

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Marcos,

A MB pretende que pelo menos duas FCN, que não serão revitalizadas, assumam missões de PatNav.

Abraços

Walfrido Strobel
Visitante

Marcos, um navio de combate pode ter armamento retirado e virar um navio de patrulha oceanico, como esta fragata italiana que a Marinha do Peru depois de muitos anos de uso passou a Guarda Costeira.
. https://en.m.wikipedia.org/wiki/BAP_Carvajal_(FM-51)

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezados Rafael e Camilo,

Como muito bem respondeu o Nunao, se o navio possui boa estanquiedade, postos de combate à incêndio, sua tripulação estiver bem adestrada É, dependendo de onde ele for alvejado, pode resistir aos danos de batalha.

Abraços

Marujo
Visitante
Marujo

Há negociação para compra dos River?

Marujo
Visitante
Marujo

River B 1 quiz dizer.

David
Visitante
David

Luiz Monteiro,

Agradeço os esclarecimentos. Textos como estes fazem falta, pois são coisas que nós leigos não sabemos. Por isso defendemos aremar melhor os navios e colocar na linha de frente. Eu era um dos que defendia isso.

Gostei muito do texto. O que mais me chamou a atenção e ninguém parece ter percebido foi o trecho: “entendo que os NPaOc da Classe Amazonas ou navios da classe River que eventualmente possam ser adquiridos em compras de oportunidade devem ser utilizados pela MB”

A Marinha vai comprar os River?

Abraços

Flávio
Visitante
Flávio

Boa tarde,
Após a operação missilex 2016, onde o casco de uma corveta da classe Inhauma foi alvejado e afundado por um míssil Penguim e um Exocet, qual foi a avaliação feita à respeito da capacidade desses navios suportar danos ?
Só assistindo o vídeo dá pra supor que não afundaria pelo impacto do Penguim. Afundou após o impacto do Exocet.
Espero que a marinha tenha aproveitado o exercício para colher informações, se é que é possível, sobre a capacidade de absorver danos e tentar aproveitar em projetos futuros.
sds

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Luiz Monteiro 11 de Fevereiro de 2018 at 16:17 Só o que faltava esses caras aqui! SC é o maior polo pesqueiro do Brasil…mandem o Amazonas para essa região. ……………………… BMIKE 11 de Fevereiro de 2018 at 16:06 Eu também acho…esse navio é muito interessante, vamos dizer que cada navio com canhão 76mm, sistemas de contramedidas, reforço estrutural, sistemas melhores de defesa etc…elevem o preço para 210 milhões. Nesse caso 12 navios custaria 2,5 bilhões de reais (nada fora da realidade, o Brasil tem uma arrecadação enorme, orçamento federal acima de 1 TRILHÃO), teríamos um frota de navios de patrulha… Read more »

Ádson
Visitante
Ádson

Não adianta, pode-se falar (escrever), mostrar, explicar, desenhar que ainda vão continuar querendo NPaOc mais “bombados”. Eu até defendo um casco com características militares, não pela resistência mas devido a possibilidade de criar escala para a Tamandaré, mas isto não é relevante. O que precisamos é na verdade dos 27 NPas, com o Maracanã já são três, e de uma dúzia de NPaOc com hangar. Esses 12 armados com um canhão de 30 ou 40mm, 2 armas de 20mm e 2 .50. Um heli orgânico preparado para SAR e com capacidade de transporte de dez ou doze fuzileiros para abordagem,… Read more »

Parabellum
Visitante
Parabellum

Para proteger nossos polos pesqueiros: Uma FCN na versão NaPOc (nova designação P-140; P-141; etc.) ainda com os lançadores de torpedos à bordo. Isso é intimidatório.

Bardini
Visitante
Bardini

. Nossa ZEE é imensa e ainda pleiteamos um aumento considerável na sua extensão. . A quantidade de meios que temos hoje para Patrulha é e sempre foi ridícula. Mesmo sendo esta uma função básica do Estado. . Só a demanda por meios de baixa complexidade, como Navios de Patrulha, seja Fluvial ou Oceânico, pode manter um Estaleiro do ramo da Defesa em pleno funcionamento por décadas e décadas a fio. Sendo que este também poderia vir no futuro a se dedicar em absorver a demanda por navios mais complexos. . No antigo PEAMB constavam: 46 NPa de 500t 12… Read more »

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Ádson 11 de Fevereiro de 2018 at 16:46
“”Não adianta, pode-se falar (escrever), mostrar, explicar, desenhar que ainda vão continuar querendo NPaOc mais “bombados”.””
kkkkk se eu for presidente vou pegar dinheiro do Ministério da Cultura e bombar esses navios de patrulha, você vai ver como vão ficar bons!
…………..
Alexandre Galante 11 de Fevereiro de 2018 at 16:54
Primeira baixa venezuela em mar brasileiro!

Jodreski
Visitante
Jodreski

O que penso para estes Navios de Patrulha é que nos falta tecnologia embarcada, tecnologia esta que seria um multiplicador de forças, sugestão seria um drone de asas rotativas embarcado. A capacidade de vigilância dos drones já foi mais do que testada e aprovada. Um NPaOc com um drone repleto de sensores poderia patrulhar uma área muito maior e de forma muito mais efetiva e de forma mais barata do que um helis convencional. A nossa costa é enorme, a quantidade de navios que possuímos para vigiá-la é bem reduzida, porém com o uso de tecnologia podemos melhorar um pouco… Read more »

Jodreski
Visitante
Jodreski

Galante já que vc tocou no tema, o que foi feito do navio de patrulha oceânico Warao?

Marcos
Visitante
Marcos

Bardini: Concordo com você. A demanda de meios para a MB seria tão alta que daria manter a produção dos estaleiros por anos. Mas isso depende de dinheiro, e para isso dependemos de ampla mudança de mentalidade. Há uma estimativa de Tribunais de Conta que o Estado brasileiro paga 40% a mais do que o preço do mercado, não por conta de desvios, mas por conta de burocracia. Vi um artigo hoje de um cidadão brasileiro que comprou um imóvel na Flórida: a coisa foi tão simples, mas tão simples, que ele achou que alguma coisa estava errada. Sem contar,… Read more »

Gil
Visitante
Gil

Então porque não vemos barcos e pesqueiros ilegais capturados?
Porque não vemos eles abordando barcos sospeitos no nosso litoral?
Ou temos carencia de vigilancia com radares na nossa ZEE?
Falta recursos pra combustiveis?

Que me expliquem porque nada funciona como deve nesse pais?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Trusted Member

“Gil em 11/02/2018 às 17:58 Então porque não vemos barcos e pesqueiros ilegais capturados?” Não vemos porque isso é pouco divulgado, mas acontecem com frequência tiros de advertência e abordagens a pesqueiros e outras embarcações suapeitas ou cometendo delitos (e também ocorre o outro lado da história, quando pesqueiros brasileiros são apreendidos em países vizinhos). Eventualmente se divulga e eventualmente se publica aqui também, é só procurar. Outro assunto: mais acima, perguntaram sobre fragatas etc serem transformadas em navios-patrulha oceânicos. Sim, isso ocorre, e já ocorreu na própria MB com uma classe de oito navios. No início da década de… Read more »

Luiz Alves
Visitante
Luiz Alves

Emergências acontecem. Durarante a WWII tivermos que utiliza e os Caça Pau e Caça Ferro. Muitos construídos no Brasil. Ninguém perguntou se eles aguentariam danos de combate. Guerraom e’ guerra.

ADRIANO M.
Visitante
ADRIANO M.

Eu acho que os Amazonas deveriam ser mais bem equipados mesmo que sejam apenas nascidos para patrulha marítima.
Os russos usam navios da classe “Molnya” ( desenvolvimento da classe “Tarantul”) como patrulha marítima,são denominadas de corveta(mesmo tendo apenas 56 metros…) e carregam mísseis antinavio supersônicos 3M80 Moskit (SS-N-22 ‘Sunburn’).

Bardini
Visitante
Bardini

Tava demorando até alguém vir com um navio Russo…

Adler Medrado
Visitante

Obrigado pelas respostas, Marcos e Luiz.
Abraços.

David
Visitante
David

Este é o único site de defesa que faz matéria própria. Os demais são só press release de conteúdo estrangeiros ou da imprensa de massa.

Parabéns aos editores

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Trusted Member

David, agradecemos o elogio, mas lembro que há outros sites com matérias próprias. Não muitos, mas há.

José Luiz
Visitante
José Luiz

Permita discordar em parte: Sou um defensor de que OPV’s possuam um melhor armamento do que existe hoje em dia, pois lembro que eles são navios militares antes de serem navios policiais e que em marinhas menores como a nossa ou em outras do continente eles tem a tendência de assumir missões acima do que foram projetados, mesmo em tempo de paz. Não defendo transformar um OPV em uma corveta, pois isso perde todo o propósito de aproveitar o baixo custo de construção e de operação deste tipo de navio. Corvetas e OPV’s são coisas diferentes. O que advogo é… Read more »

David
Visitante
David

Os chineses precisam allimentar mais de 1,5 ;bilhões de pessoas. Países do sudeste asiático e a Índia acusam a China de apoiar esses pesqueiro.

Inclusive usam navios espiões no meio de pesqueiros. Não duvido que a futura base naval na Namíbia seja usada para dar apoio a estes pesqueuros no Atlântico Sul

Será que corremos o risco de uma nova guerra das lagostãs?

Bardini
Visitante
Bardini

Não precisa pensar muito em projeto estrangeiro para buscar exemplo a respeito do assunto. Temos um excelente:
Classe Inhaúma.
O projeto base era de um OPV.
Inventaram de transformar esse OPV em “Navio de Guerra” e acabou virando um meio termo burro chamado Corveta.
.
Resultado: Não é ideal nem pra Patrulha, muito menos para Guerra.
.
Navio Patrulha tem de ser Navio Patrulha. O principal armamento, são as suas embarcações de abordagem.
Navio de Guerra, tem de ser feito para Guerra.

David
Visitante
David

O governo chinês ameaçaram os argentinos quando estes afundaram o pesqueiro deles.