Home Sistemas de Armas ‘Chang Bogo’, submarino Type 209 da Coreia do Sul

‘Chang Bogo’, submarino Type 209 da Coreia do Sul

416
14

Nas fotos, submarinos da classe alemã Type 209/1200 da Marinha Sul-Coreana (ROK Navy). A Coreia do Sul opera 9 submarinos deste tipo e vai operar mais 9 da classe Type 214.

Esses submarinos são semelhantes aos da classe “Tupi” brasileira (Type 209/1400).

SAIBA MAIS:

BATE-PAPO ONLINE: Converse com outros leitores sobre este e outros temas navais no ‘Xat’ do Poder Naval, clicando aqui.

Subscribe
Notify of
guest
14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo
Marcelo
9 anos atrás

não sabia que a Coreia do Sul operava o Lynx, dada a quase totalidade de dependência de material americano. No caso dos subs, só não compram americano, porque não fabricam subs convencionais, já fazem décadas.

Biel
Biel
9 anos atrás

9 type 209 + 9 type 214 = força de 18 submarinos convencionais
A ROK NAVY é uma marinha com poder dissuasivo bem respeitável .
Meu sonho é ver a MB operar escoltas e navios multi-missão sul-coreanos( navios pesadamente armados) .

KDX II+ KDX III+ Dokdo( porta helicópteros multi missão )

poorman
9 anos atrás

Algo que não entendo até hoje o porque da MB/AMRJ não construiu mais subs da classe Tikuna (IKL209/1500 modif. BR) pelo menos mais uns 3. (4 classe Tupi, 4 classe Tikuna). Lógico que uma força mínima para tamanho da nossa costa, depois disto partiria para os novos S-BR.

Alguém saberia a sequencia nomes dos “tikunas” S-35, S-36 e S-37 ?

Mikhail Aleksandrovitch Bakunin
9 anos atrás

poorman, por pobreza mesmo, faltou o “cascaio” $$$

Eduardo
9 anos atrás

Com esse brilho, é facil para o inimigo localiza-lo, a não ser que essa pintura é pq ele ainda esta em testes…

General
General
9 anos atrás

Mikhail

Não falta dinheiro,falta vontade

massa
massa
9 anos atrás

Não é vontade nem dinheiro, a verdade crua é que o dindim vai pro bolso de políticos, sindicalistas, empreiteiros, etc…

GUPPY
GUPPY
9 anos atrás

Será se não teve outros inconvenientes como, por algum tipo de dificuldade por parte dos alemães na logística, por exemplo?

Abraços

Julio
Julio
9 anos atrás

Acredito que o General e o massa estão corretos. Falta de vontade politica, contingenciamentos e desvio de verbas destinados as FAs. Mas, acho que a marinha aprendeu a lidar com nossos governantes. A marinha fez certo aceitar que a Odebrech participasse da construção do novo estaleiro, base e construção dos submarinos. A Força Aerea também deveria ter chamado a Odebrech para participar do FX-2. já estaria tudo definido. Se estou enganado me desculpem, mas, alguem viu algum politico criticar o projeto da construção dos submarinos? Houve contingenciamento das verbas? INFELIZMENTE no Brasil é só colocar uma empreiteira que tenha ligações… Read more »

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

“…não sabia que a Coreia do Sul operava o Lynx,…”

KT-1; T-50; K-1/K-1A1; K-2 Black Panther; KDX-I/II/III; torpedos pesado e asw; seu próprio míssil de cruzeiro; etc; etc;…

Tá pensando que é Brasil…

celsors
celsors
9 anos atrás

Julio,

teu comentario esta bem de acordo com a realidade. Ninguem neste pais pode contra estes verdadeiros lobbys (nem mesmo o Judiciario, pqe hemmmm ). Estas empreiteiras sao a maior fonte de pagamento de propinas que se conhece nesta Republica de B….., alem de Bancos, gdes multis e nacionais tbm…..putz…..desse jeito so sobra mesmo o povao maioria honesta e q so faz pagar mais impostos e ver tudo correr para o esgoto.

Ditado : vc tem a força do poder ou o poder da força ????

SDS

Fabo
9 anos atrás

Mauricio R, o que você tem contra o Brasil ? Em todos os seus comentários você encontra um jeito de atacar o Brasil e suas forças armas…Isso já ta ficando chato.

Mauricio R.
Mauricio R.
9 anos atrás

“Isso já ta ficando chato.”

Vc deveria ter prestado mais atenção, ao contexto da minha opinião.
Somente relacionei alguns sistemas de armas “made in ROK”, nada mais.

LM
LM
9 anos atrás

Prezado Poorman,

Na verdade o Tikuna é um 209/1400 mod e não “1500”.

Existia no planejamento a construção de mais uma unidade que seria designado por “Tapuia”.