Home Ciência e Tecnologia Chegada do NApOc ‘Ary Rongel’ encerra 31ª OPERANTAR

Chegada do NApOc ‘Ary Rongel’ encerra 31ª OPERANTAR

350
1

A107-f47

vinheta-clipping-navalO Píer da Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha (DHN), em Niterói (RJ), recebeu, no dia 25 de abril, o último navio participante da 31ª Operação “Antártica” (OPERANTAR). O Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel” atuou no apoio logístico ao desmonte da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF) e à instalação dos Módulos Antárticos Emergenciais (MAE), durante os cinco meses que permaneceu no continente gelado.

“Essa foi uma operação diferente de todas as outras. Foi a que se sucedeu ao infortúnio do incêndio na EACF e, por isso, a mais complexa em termos logísticos. O esforço da Marinha foi muito grande para manter todas as pesquisas que estavam sendo feitas na Antártica”, expôs o Vice-Almirante Marcos Nunes de Miranda, diretor da DHN.

O “Gigante Vermelho”, como o recém-chegado navio é carinhosamente conhecido pela tripulação, também apoiou projetos científicos de 14 pesquisadores, em sua maioria realizados próximo ao local do desmonte, na Enseada Martel, e, ainda, na Ilha Deception. Dentre eles, estavam projetos de geofísica, com sondagem do fundo do oceano, acampamentos de análises de aves e algas, bem como um projeto dentro da própria área da Estação, onde foram realizadas manutenção de equipamentos que funcionarão neste inverno.

Além do “Ary Rongel”, a Marinha do Brasil enviou outros dois de seus navios: o Navio de Socorro Submarino “Felinto Perry”, também empregado, prioritariamente, no apoio aos trabalhos na área da EACF e o Navio Polar “Almirante Maximiano”, que abriga modernos equipamentos para o desenvolvimento de projetos científicos no ambiente antártico. Também participaram dessa edição o Navio de Apoio Logístico Ara San Blas, da Marinha Argentina; e o Navio Mercante Germânia, afretado para apoiar o desmonte e a instalação dos MAEs.

“Era metade do verão na antártica, no dia 12 de janeiro, aniversário de 31 anos do Programa Antártico Brasileiro, já tínhamos desmontado completamente a Estação. Foram apenas dois meses e meio de trabalho, o que possibilitou e facilitou a chegada e instalação dos MAEs. Logo estávamos com tudo pronto para instalar nossos 15 militares durante o inverno. A missão foi totalmente cumprida, é uma satisfação enorme”, explicou o Comandante do “Ary Rongel”, Capitão-de-Mar-e-Guerra Marcelo Luis Seabra Pinto.

Foram 120 dias de mar e mais de 17.300 milhas navegadas pelo “Gigante Vermelho” nessa operação. Com dois porões com capacidade de 1.254 m³ para o transporte de carga e dois laboratórios para apoio à pesquisa, o navio cumpriu sua missão.

“Trouxemos, por exemplo, materiais que não tinham mais uso e estavam em Punta Arenas, como os utilizados para o reabastecimento de óleo da Estação. Também transportamos a lancha para manutenção, para que seja reutilizada na nova Estação”, descreveu o Comandante Seabra.

“A Marinha reagiu de uma forma esplêndida ao sinistro e hoje, após apenas alguns meses, já possui praticamente outra estação montada com os módulos emergenciais. Foi um trabalho da Secretaria da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, Arsenal de Marinha, tripulação dos navios e pesquisadores. O esforço conjunto de todos culminou com a missão cumprida. A previsão desse ano é ser um ano de muito trabalho para a construção da nova estação. Após o reparo, o trabalho inicia de novo”, vibrou o Vice-Almirante Miranda.

FONTE: Nomar (Ttítulo original: ‘Chegada do Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel” ao Rio de Janeiro marca o fim da 31ª “OPERANTAR”’)

VEJA TAMBÉM: 

1
Deixe um comentário

avatar
1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
Carlos Peçanha Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Carlos Peçanha
Visitante
Carlos Peçanha

Essa é uma pérola: “A Marinha reagiu de uma forma esplêndida ao sinistro e hoje…” Deixaram a base anterior pegar fogo e sumir do mapar porque os militares estavam dando uma festinha e o comandante desligou o alarme anti-incêndio para não ser acionado pela máquina de fazer fumaça da festa. Ou seja, o povo brasileiro perdeu 100.000.000,00 de doletas, dinheiro do contribuinte, e agora vai pagar outra base, e os milicos “acham” que estão fazendo um bom trabalho. Quem vai pagar pela base incendiada? Quais punições já foram impostas? Quem vai para a cadeia? Realmente o povo tem mais é… Read more »