sábado, fevereiro 27, 2021

Saab Naval

Pré-sal exige estrutura de portos que o país não tem

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Guilherme Poggiohttp://www.naval.com.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Portos e Terminais Marítimos do Brasil - 3

Francisco Góes e Marta Nogueira

vinheta-clipping-navalOs portos do país serão insuficientes para atender os fornecedores das companhias de petróleo com o crescimento da produção no pré-sal. Só o campo de Libra, o primeiro a ser leiloado, na segunda-feira, no regime de partilha de produção, deverá requerer entre 12 e 15 plataformas de produção. Cada uma é atendida por quatro barcos de apoio marítimo que transportam insumos e mantimentos. Assim, Libra deverá demandar mais 48 embarcações que vão se juntar à frota de apoio marítimo hoje em operação, formada por 453 barcos.

Estima-se, com base em números da Petrobras, que até o fim da década essa frota possa chegar a 750 embarcações. Mais barcos exigem mais portos. Há um número considerável de projetos para construir terminais portuários privativos especializados em serviços para a indústria de petróleo e gás. Esses projetos se estendem de Vitória, no Espírito Santo, até Angra dos Reis, no sul fluminense. E incluem empresas como Bram Offshore, LLX, BR Offshore, DTA e Technip. Boa parte deles está focado em atender as demandas futuras do pré-sal nas bacias de Campos e de Santos.

“Hoje já há falta de portos. A maior demanda por navios ‘offshore’ vai exigir mais terminais”, disse Cezar Baião, presidente da Wilson, Sons. A empresa tem projeto de expansão de terminal no Rio, na Baía de Guanabara, no qual prevê investir R$ 100 milhões para expandir berço de atracação de navios de apoio marítimo. O terminal pertencia à Briclog, empresa adquirida pela Brasco, subsidiária da Wilson, Sons.

Outros executivos da indústria concordam com a opinião de que a capacidade portuária atual não será suficiente para atender o crescimento do pré-sal e falam da necessidade de novos investimentos. Marcus Berto, presidente da LLX Logística, disse que o porto do Açu, controlado pela empresa, está preparado para operar como base de apoio marítimo. “Podemos ajudar a desengargalar outros portos”, disse Berto. A LLX, antes controlada por Eike Batista, passou às mãos do grupo americano EIG. A francesa Technip planeja ampliar o cais de acostagem e a retroárea no Porto de Angra dos Reis também para atender a indústria de óleo e gás.

FONTE: Valor Econômico, via Sinopse da MB

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Relembre a entrevista com um comandante de submarino da Marinha do Brasil

Há cerca de 20 anos o Poder Naval Online entrevistou, por meio do colaborador Bruno Fagundes, um comandante de...
- Advertisement -
- Advertisement -