Home Indústria Petrolífera Petrobras reduz serviços de apoio marítimo

Petrobras reduz serviços de apoio marítimo

2149
4

CBO Chiara in Marlim field 7.1.13 @ j.plug (22)_small

ClippingNEWS-PAA indústria de apoio marítimo, prestadora de serviços às petroleiras, vive momento de incerteza. Há hoje cerca de 30 barcos offshore de bandeira brasileira parados, os quais foram financiados em cerca de US$ 1 bilhão pelo Fundo da Marinha Mercante (FMM), principal fonte de financiamento do setor, estima a Associação Brasileira das Empresas de Apoio Marítimo (Abeam). Com parte da frota parada, há risco de empresas terem de renegociar condições de financiamento com os agentes financeiros do FMM (BNDES, Caixa e BB). A frota brasileira parada equivale a 8% dos cerca de 370 barcos offshore, entre brasileiros e estrangeiros, em operação no país, disse a Abeam.

“Temos situação em que os barcos ficam no limbo, sem serem utilizados”, disse Ronaldo Lima, presidente da Abeam. A entidade cobra “previsibilidade” de demanda pela Petrobras, a principal cliente. Segundo a Abeam, houve cancelamento de contratos de afretamento de barcos estrangeiros este ano. Outro problema, segundo a entidade, é a indefinição de novas contratações, pela estatal, envolvendo barcos brasileiros e estrangeiros.

A situação é resultado da queda no preço do petróleo, que reduziu a demanda das petroleiras por equipamentos e afetou a indústria de serviços. A dificuldade afeta a indústria offshore no mundo (ver a reportagem DNB prevê equilíbrio entre oferta e demanda em 2018). No Brasil, há o agravante de a Petrobras enfrentar as denúncias da Lava-Jato, que, na visão do setor privado, tem retardado a tomada de decisões.

A Abeam mandou carta à Petrobras pedindo que a empresa informe qual será a demanda para o segmento de apoio marítimo no Brasil nos dois próximos anos (2016 e 2017) de forma que as empresas do setor possam se programar. “A demora da Petrobras em definir um horizonte de demanda vem sufocando as empresas”, disse Lima. A Abeam representa mais de 90% das empresas de navegação que operam no apoio marítimo no Brasil. Uma amostra feita com 27 das 42 empresas ligadas à entidade indica que, desde janeiro, houve 670 demissões de marítimos no país, entre oficiais e guarnição.

Além dos 30 barcos brasileiros parados, há outros 40 estrangeiros que encerraram os contratos com Petrobras este ano, segundo a Abeam. No total, portanto, são 70 barcos, 19% da frota total em operação no Brasil, que não estão sendo utilizados, nas contas da Abeam. Os barcos estrangeiros vêm para o Brasil por tempo determinado e depois vão embora.

Em nota, a Petrobras rebateu as informações da Abeam: “A Petrobras não está cancelando contratos e tem mantido regular a contratação de embarcações brasileiras. A companhia vem mantendo comunicação com o mercado e com a Antaq [Agência Nacional de Transportes Aquaviários].” Entre as atribuições da Antaq, está regular a atividade de apoio marítimo.

A redução na demanda mostra uma situação diferente da prevista até pouco tempo atrás. A expectativa para o setor era contar com uma frota de 780 barcos até 2020. Hoje há dúvidas sobre o futuro de muitas embarcações. Lima disse que a última licitação para construir navios de apoio no Brasil dentro do Programa de Renovação da Frota de Apoio Marítimo (Prorefam) foi em novembro do ano passado. Mas este ano não houve contratações de novas embarcações pela Petrobras, seja de bandeira brasileira ou estrangeira, afirmou.

Barcos construídos dentro do Prorefam não tiveram seus contratos de afretamento renovados, disse a Abeam. As empresas contavam com a continuidade dos contratos para amortizar investimentos feitos com recursos do FMM. Há outro problema. Segundo Lima, os navios de bandeira estrangeira operam no Brasil com contratos com tempo de duração médio de quatro anos. Mas a cada 12 meses é feita uma consulta ao mercado para ver se há embarcação brasileira disponível para substituir o navio estrangeiro. Embora surjam barcos brasileiros para fazer essa substituição, eles não têm sido contratados, disse a Abeam.

Barcos offshore estrangeiros, por sua vez, vêm tendo seus contratos encerrados de forma antecipada, segundo a Abeam, pela não emissão de um documento: o certificado de autorização de afretamento (CAA) emitido pela Antaq, mas cuja responsabilidade de obtenção é, contratualmente, da Petrobras, afirmou a Abeam.

FONTE: Valor Econômico/Francisco Góes | Do Rio

Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
KarlBonfim
KarlBonfim
4 anos atrás

Infelizmente isso ja era esperado, acho ate que demorou, isso so reforca as minhas conviccoes de que a PETROBRAS para o bem do Brasil deveria ser privatizada, concorrer no mercado e vender combustivel a “precos honestos”, para o povo brasileiro poder ter chance de trabalhar e progredir e viver em paz!!!

Celso
Celso
4 anos atrás

Karl, pedra cantada qdo comecaram c o ufanismo mentiroso do pre sal….esta historia ainda nem comecou a ficar preta…….estao camuflando tudo o q eh possivel…a petrobras esta afundada em dividas e por qualquer criterio contabil e fiscal q se olhe esta empresa hoje em dia, ela esta quebrada tecnicamente falando……ja corre na justica americana um processo cujo valor estimado em indenizacoes ultrapassa os 80 bilhoes de dolares…..este papo q aqui o ronbo ficou soh em 60 bilhoes de reais eh furado e substimado…o problema nem comecou ainda, so estamos vendo a fumaca…o naufragio ja esta comecando…prepare sua carteira pqe nos… Read more »

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

A PETROROUBO está falida e ponto. No meu seguimento e estou nele a mais de 35 anos ….. ninguém vende se não for PAG antecipado ou com fiança bancária. Faliu, dentro de uns meses o que vai acontecer, o TN vai ter que aportar + de 150 Bi e quem é o TN ? Nós …… haja CPMF !

Celso
Celso
4 anos atrás

Carlos…….nao compro e nunca comprei uma acao desta empresa, alias de nenhuma outra q contenha um BRAS em nome……e isso a mais de 45 anos….rsrsrsrrs…mas infelizmente de uma forma ou de outra esta grana vai sair do bolso de milhoes de brasileiros pra maquiar a merla toda…isso nao vai ter fim enquanto perseverar este ufanismo de pobres e ignorantes. acompanhados de verdadeiros saqueadores do tesouro nacional. PS., meu pai faleceu esperando receber dividas de inumeros governos e estatais …DNER, EB, Est do maramnhao q nao paga ninguem….etc….morreu pobre. Sds