Home História O afundamento do cruzador General Belgrano: a incrível história de coragem por...

O afundamento do cruzador General Belgrano: a incrível história de coragem por trás de uma foto

9273
61
2 de maio de 1982, 16h40. Dois homens permanecem no navio que afunda irremediavelmente. O capitão Hector Bonzo e o suboficial Ramón Barrionuevo

35 anos atrás, dois torpedos do submarino nuclear britânico HMS Conqueror feriram fatalmente o grande navio. E levaram 323 vidas. Esta é a história heróica dos dois últimos membros da tripulação que deixaram o navio, minutos antes de afundar para sempre em um mar revolto

Por Gaby Cociffi

Dois homens na proa do navio afundando. Eles seguram na balaustrada em cima de um mar tempestuoso. Eles são os últimos restantes do gigante ferido de morte.

Abandono o navio ou não?, pergunta o comandante capitão Héctor Bonzo.

Uma voz o surpreende atrás dele, pois pensava que estava sozinho no navio. Ele não reconhece o estranho contido na névoa. O homem grita:

‘Se não pular, eu também não vou! Eu vou ficar com você, Capitão!

São 16h35 de 2 de maio de 1982. Trinta e quatro minutos mais cedo, a partir das profundezas do mar do sul, o operador do submarino britânico HMS Conqueror lançou a pergunta que iria selar o destino do cruzador General Belgrano. — Devemos afundá-lo?

A resposta é dada em segundos a 12.489 quilômetros entre o Reino Unido e as Ilhas Falkland. O Capitão Richard Hask, da Força Tarefa, é aquele que transmite a ordem implacável de Margaret Thatcher, a primeira-ministra britânica.

— Disparem e afundem.

Às 16h01 o primeiro torpedo MK8 atravessa a proa do navio, que navega a 30 milhas da zona de exclusão imposta pelos britânicos. Perfura os quatro conveses verticalmente. A água entra em todos os compartimentos. Apenas alguns segundos depois, o segundo torpedo acerta a popa.

O cruzador está inclinado para bombordo, o fogo surge das suas entranhas. Há gritos. E depois um silêncio ensurdecedor que dói. A partir da ponte, e com um megafone, o capitão Bonzo — 23 minutos após o primeiro impacto, dá a ordem: “Abandonem o navio”. Setecentos e setenta homens alcançam as balsas. Trezentos e vinte e três encontram o seu destino final no oceano.

Às 16h01 o submarino britânico HMS Conqueror disparou o primeiro de dois torpedos MK8 que acertaram a proa e a popa do Belgrano. A imagem surpreendente foi tomada pelo primeiro tenente Martín Sgut, que estava em uma das balsas

“Como ainda não foi para uma das balsas!? O que você está fazendo aqui se não há mais ninguém!?” Bonzo repreende a figura irreconhecível, coberta da cabeça aos pés com uma capa de chuva e uma balaclava cinza, que se recusa a deixar o navio. O homem que grita “Não há tempo, capitão! Você deve abandonar o navio!” está determinado a impedir que o comandante atenda à lei marinheira de ir para o fundo com o seu navio.

“Ali, de frente para o mar, para mim era mais difícil viver do que morrer”, confessou anos mais tarde o comandante do Belgrano.

“Eu vi o capitão com essa atitude de afundar com o navio, e não permitiria”, explica calmamente da província de Catamarca, 35 anos depois da tragédia, o suboficial Ramón Barrionuevo (70), como se não tivesse conhecimento do seu ato de heroísmo. “Eu sou aquela figura que você vê na imagem, lá no convés. Fui inflar o colete do Capitão”, diz ele humildemente.

— E se o capitão não pulasse, você estava disposto a ir para o fundo com o navio?

— Não sei. Nós iríamos ter uma longa discussão. Eu não deixaria meu comandante sozinho no Belgrano. Porque o que estávamos vivendo lá era o pior inferno.

Com emoção, Ramón Barrionuevo — nascido em Piedra Blanca em 17 de Fevereiro de 1947, filho de Gerardo, pedreiro, e Antonia Sánchez, costureira, recorda o momento em que ele viu o mar engolir o gigante de 185,5 metros. Nomeia um por um seus companheiros mortos. Lembra do Capitão Bonzo, que morreu em 2009. E se desculpa quando surgem lágrimas incontroláveis.

Vamos ouví-lo.

A única foto do suboficial Ramón Barrionuevo junto do capitão Héctor Bonzo

“A mim cabia dar o serviço das 4 às 8h e de 16h às 20h. Eu guarnecia o compartimento de controle de cobertura de artilharia 03 no topo do navio, logo à frente do comando. Em 2 de maio, saí do meu camarote às 3h45 para dar tempo de receber informações do meu colega Juan Carlos Córdoba, e assumir o posto às 16h. Juan me passou os dados das armas carregadas, as pessoas que estavam prontas e a posição do navio. Cumprimentei-o como em qualquer dia. E ele foi para o nosso camarote na popa para descansar. Ali foi onde o segundo torpedo acertou. Eu não o vi mais.”

“Às 16h01 veio o primeiro torpedo. O barulho era tremendo. O navio balançou. Eu estava sentado num banco e caí. Era como se o navio tivesse afundado debaixo dos meus pés. Eu já tinha 35 anos de idade e 14 de serviço, era especialista em armas, eu sabia que tínhamos sido torpedeados.”

“Um vigia que estava com binóculos viu o rastro na água e conseguiu gritar… ‘Torpedo!’ Abri a porta da sala de controle e o segundo impacto atingiu a popa, mas eu não pude senti-lo, talvez por causa do nervoso ou por causa da fumaça da primeira explosão, que cobriu o meu convés”.

“Eu ouvi os gritos das pessoas que estavam se queimando. Desci do terceiro convés, e eu estava carregando comigo toda a tripulação que estava no caminho. Podia ver o medo dos jovens, tentando manter a ordem. Foi um inferno“.

“As pessoas começaram a pular direto para as balsas porque o navio começou a inclinar cada vez mais. O vento era muito forte e as balsas batiam contra o costado do navio. Alguns foram levados em direção à proa, onde as chapas abertas afiadas as partiam ao meio. Eu vi a corrente da âncora arrastando para o fundo do oceano uma balsa com toda a tripulação dela. Ninguém pode ser salvo“.

“No convés vi o comandante Bonzo com uma faca de cozinha tentando cortar uma corda para liberar uma balsa. Se ela caísse, poderia arrastá-lo e ele não teria força para suportar o peso. Perguntei. .. ‘O que está fazendo comandante?’. Ele sabia o perigo, mas queria colocar o máximo de balsas no mar.”

“Bonzo ordenou-me a deixar o navio e eu me recusei, em seguida, olhou para mim e disse … ‘Ajude-me a ver se há mais alguém, se tem alguém ferido’, com o convés do navio quase tocando o mar, entravam toneladas de água…”.

“Eu não quero nunca mais ver na minha vida o que eu vi naquela tarde no Belgrano. Houve um marinheiro com o corpo completamente queimado, gravata e punhos da camisa estavam colados à pele, carbonizada. A pele escamosa, carne viva. Nos pediu para jogá-lo na água. Se ele caísse no mar, com o corpo queimado não teria sido capaz de sobreviver. O descemos cuidadosamente com uma corda feita com as roupas de cama que foram deixadas no convés pelos marinheiros que estavam em sua hora de descanso quando começou a tragédia”.

Às 16h50, o cruzador está inclinado a 60 graus. O Belgrano levou menos de uma hora para afundar. Sem sonares para detectar submarinos, navegava na companhia dos destróieres Bouchard e Piedrabuena que tinham o equipamento

“De repente, um rapaz veio chorando … ‘Me ajude, me ajude’, tapava o rosto com as mãos. Separamos suas mãos e a pele descascando grudou às palmas e começou a sangrar muito. Eu lhe dei um lenço para estancar o sangue. Saímos para uma balsa. E eu não o vi mais. Meses depois, em julho de 1982, eu fui para o hospital Azul, na província de Buenos Aires. E vi que alguém estava me chamando. ‘Suboficial Barrionuevo! eu tenho algo para dar lhe devolver’. “Eu não o reconheci até que ele me trouxe o lenço. Você não sabe a emoção que senti! ele estava vivo!”.

“Com o capitão Bonzo percorremos o convés para ter certeza de que ninguém tinha sido deixado para trás. Eram 16h38 e o navio estava muito inclinado. As pessoas das balsas gritavam para saltarmos na água, porque o navio afundava.

“Fomos até a proa ali eu notei o capitão em dúvida. ‘Se você não pular, eu vou ficar também’, lhe disse. Ele olhou para mim. O Belgrano se inclinava cada vez mais. Me mandou: “Pule e eu lhe sigo”.

“Antes de saltarmos, inflei o colete salva-vidas dele. Nós amarramos lençóis como um cinto para podermos deslizar para baixo. Tiramos os sapatos para nadar melhor, e guardamos as meias nas calças. Eu saltei do topo do navio, que no momento estava a cerca de 4 metros do mar, porque o vento nos impedia de descer do lado onde o convés quase tocava a água.

“O navio fez um movimento, re-emergiu da água e finalmente afundou verticalmente. Em baixo dágua as caldeiras explodiram e criaram um redemoinho gigante de água “, lembra Barrionuevo

“Eu pulei na água e não senti frio, era tão grave a situação que estávamos vivendo, que havia bloqueado os meus sentimentos. Eu comecei a nadar para longe do navio, porque se ele afundasse ele iria me arrastar. Não vi mais o Bonzo, eu o perdi no oceano“.

“As ondas eram enormes. Eu vi as balsas subir e descer, tremendo como cascas de nozes. De repente, veio em minha direção uma a toda velocidade empurrada pelo vento. Nadei e eu agarrei como pude. O impacto me tirou um dedo do lugar: foi a primeira vez que senti dor. Quando cheguei na balsa, comecei a tremer, era como se mil agulhas fossem pregadas no meu corpo. Eu estava congelando”.

“Olhei para fora e vi o naufrágio do navio. Foi triste ver como tal massa foi engolida pelo mar. O navio fez um movimento, re-emergiu da água e finalmente afundou verticalmente. No mar as caldeiras explodiram e fizeram um vórtice gigante de água. A última coisa que vi foi o guardabote, uma vara de 6 metros que veio à tona e flutuava no oceano. O povo gritou … ‘Viva o cruzador, viva o Belgrano, viva la Patria!’. Eu não sei de onde nós tivemos forças.”

“As balsas foram amarradas umas nas outras, para formar uma grande mancha no mar para que uma aeronave de salvamento pudesse nos encontrar. Mas as ondas eram tão altas que nós tivemos que cortar as cordas, porque as balsas pareciam que iriam se rasgar. E ficamos sós, à deriva”.

O resgate das balsas. Elas ficaram mais de 48 horas à deriva num mar agitado, com ventos de 120 km por hora

“As balsas eram para 20 pessoas, algumas tinham mais gente, outras menos. Estavam bem equipadas: sachet de água, rações alimentares (muito calóricas para ter uma porção por dia), cigarros, uma pequena Bíblia, kit de curativos, pomada, calmante, equipamentos de sinalização SOS”.

“Na minha balsa tinham 20. Havia pessoas com mãos queimadas, joelhos quebrados e outro que tinha sido operado do apêndice há três dias e não aguentava mais de dor. Eu tentei dar-lhe incentivo e calma. Um tenente começou a ler parágrafos da Bíblia. A palavra de Deus trouxe a paz em meio à tempestade.”

“Passamos mais de 48 horas à deriva. Pensei que não nunca seríamos encontrados. Eu sabia que a união dos dois oceanos puxa para o sudeste e em algum momento o mar nos arrastaria e nós iríamos morrer. Olhei para os meus companheiros e eu pensei, ‘estamos todos mortos’, mas não disse nada a ninguém. Eu lembrei dos meus quatro filhos pequenos e pedi a Deus para cuidar deles e eu orava à Virgem del Valle: …‘Mãe, eu só peço para não sofrer’“.

“Quando você está à deriva, tem que comer e beber o mínimo possível até não conseguir mais, porque não sabe quanto tempo você estará bem. E não sabíamos mesmo se estavam nos procurando. Quando fomos resgatados, tínhamos acabado de comer 20 porções e tínhamos bebido um sachê de água”.

“Durante o dia, conversávamos sobre suas namoradas, sua família, sua idade. Até mesmo os fazia rir. Tinha que mantê-los acordados, com o espírito alerta. Um rapaz entrou em colapso nervoso. E eu tive que dizer: ‘Se você não se acalmar, vamos jogá-lo na água, porque o pânico é contagioso e se você continuar assim estamos todos mortos.’

De 2017: durante uma cerimônia realizada no departamento de Valle Viejo, Ramon Barrionuevo junto com seus companheiros veteranos de guerra (ao centro, com óculos escuros e medalhas)

“Quando você está na balsa você não dorme … A escuridão do mar é absoluta e tremenda e o que existe é o nada. Quando amanhecia, continuávamos com a incerteza. ‘Somos uma só balsa no mar … ela não pode ser vista por ninguém … e o inimigo está lá fora’.”

“De repente, quando já não esperávamos nada, em 4 de maio ouvimos o ruído do motor de um avião. Era um A-4Q da Armada! Nós não sabíamos se tinham nos visto … Foi um tempo quase eternal — até que começamos a ver, no meio da tempestade, as luzes de um navio apontando para o céu e depois para o mar, sacudido pelas ondas enormes. ‘Estão nos procurando!’, gritei. E o ânimo mudou.”

“Esquecemos o frio, a sede, a fome e começamos a organizar o resgate. Em meio ao mar mais revolto que eu já vi, apareceu o Gurruchaga“.

“Nós fomos resgatados. O barco estava lotado porque eles tinham resgatado outras balsas do Belgrano. Tiraram nossas roupas geladas e duras de sal e nos deram um caldo quente. Éramos tantos que acabaram os alimentos. O cozinheiro fez um pouco de pão com farinha e água. Nos acomodamos no convés como pudemos, e nos envolveram com cobertores.”

Ramon Barrionuevo e sua esposa Miriam Moya

“Quando entramos no Canal de Beagle, o Gurruchaga parecia uma coqueteleira. No meio das pessoas, apareceu um cabo gritando meu nome …. ‘Barrionuevo, está aqui o Barrionuevo?’ Me identifiquei. Eram 6h da manhã. ‘O capitão Bonzo está no barco e está lhe procurando, quer falar com você’, me disse. Eu não sabia que ele tinha sobrevivido, e ele não sabia se eu estava vivo … mas estava procurando.”

“De repente, a porta se abriu e apareceu o capitão. Ele andou até onde eu estava firme, esperando por ele. Ele esqueceu a hierarquia, a saudação formal. Nos demos um abraço eterno. Todo mundo começou a aplaudir. ‘Já vamos falar sobre isso que aconteceu’, me disse. E choramos abraçados. Antes de sair, ele sussurrou para mim: ‘Obrigado, obrigado.’“.

“Nos encontramos muitas vezes ao longo destes 35 anos. Mas nós nunca mais voltamos a falar sobre aquela noite dramática em que nós éramos os últimos homens agarrados ao navio afundando para sempre nas profundezas do mar austral”.

FONTE: www.infobae.com

61
Deixe um comentário

avatar
55 Comment threads
6 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
23 Comment authors
AdrianoRafael M. F.PanglossUBootGuizmo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Edson
Visitante
Edson

Heróis.

Maico
Visitante
Maico

O horror está presente mesmo numa guerra de escala reduzida. Esses marinheiros são verdadeiros heróis!

Aldo Ghisolfi
Visitante

São heróis e vítimas…

Tenho muito orgulho destes argentinos!

Glasquis 7
Visitante

Poucos, muito poucos desses 323 marinheiros afundaram e morreram nesse navio. A enorme maioria pereceu nos botes salva-vidas devido ao frio mas principalmente, devido ao pouco (se não, nenhum) treinamento que eles tinham. As instruções de uso desses botes pediam pra permanecer neles, com tudo fechado e vedado, além de ficarem descalços pra evitar danos à frágil embarcação. O Piloto Pardo, que prestou socorro voluntário, encontrou 7 botes, todos com a sua tripulação morta por congelamento. Nenhum dos marinheiros tinha seguido as instruções de operação dos botes salva-vidas. Já no segundo dia, navios argentinos impediram à equipe de socorro do… Read more »

Glauco Callia
Visitante
Glauco Callia

Engraçado como a história se repete quando não há doutrina. Meu tio avô era um dos sobreviventes do Zara na batalha de cabo Matapa , ele descreve uma situação muito parecida. Eles não tinham treinamento em sobrevivência , no caso da Regia Marina era dito que era desnecessário pois os navios nunca afundariam.ainda que no caso do Belgrano eles tinham rações . Na segunda guerra até onde eu me lembro apenas Alemães e Ingleses investiam mais nisso , nos americanos poucos eram os navios onde haviam rações completas nas balsas.

Abs

Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Caramba…. desceu um suor másculo dos meus olhos agora…. 🙁 São verdadeiros herois!! Foram lutar uma guerra ridícula, fruto de uma manobra política equivocada de uma junta ditatorial. Não questionaram, apenas cumpriram. Herois, simplesmente!!

Boa noite a todos

Luiz Fernando Pereira
Visitante
Luiz Fernando Pereira

Temos que estar preparados para a guerra, suando e sangrando, mas desgraçados são aqueles que sentam em suas poltronas confortáveis atrás de um computador ou em baixo de um cobertor torcendo para que uma guerra sangrenta aconteça, afinal, não são eles que sacrificarão as suas vidas.

Glasquis 7
Visitante

Tamandaré: “Foram lutar uma guerra ridícula… Não questionaram, apenas cumpriram. Herois, simplesmente!!” Lamento informar que nunca foram heróis. Eles foram gado de abate e nada mais. Massa de manobra do inconsequente Galtieri que jamais pensou na contrapartida que Margaret Teacher poderia dar. Sacrificou conscritos, jovens que faziam o serviço militar e que foram abandonados no sul à sua sorte. Os militares, salvo aqueles que desenvolveram ataques especializados como a aviação, ficaram em terra esperando os acontecimentos. Tanto es assim que os maiores heróis condecorados dessa guerra por parte da Argentina são dois CC62, Oscar Poltronieri e Félix Aguirre, este último,… Read more »

Paulo
Visitante
Paulo

Que é isso companheiro? Não é porque vc ¨acha¨ que os esses argentinos não foram heróis que eles deixarão de ser. Não é porque o próprio Exército, governo, etc deles os deixaram na mão e as causas para metê-los nesta guerra por seus comandantes não sejam nobres que os esforços e bravura destes soldados (conscritos ou não) não podem ser reconhecidos. É cada uma, e olha que dou razão para os ingleses.

Dalton
Visitante
Dalton

Glauco… . já li muita coisa sobre a marinha italiana na II Guerra…tenho inclusive vários modelos na escala 1/1250 de navios italianos como o belo “Zara” do seu avô e nunca li nada a respeito que aos tripulantes era dito que navios italianos não afundariam. . Os navios italianos eram relativamente frágeis…o próprio “Zara” foi uma tentativa de remediar essa situação e os italianos sabiam muito bem disso, além do mais havia uma grande quantidade de botes e balsas salva vidas a bordo e com medo da própria Força Aérea Italiana os navios receberam listras brancas e vermelhas nos castelos… Read more »

GLAUCO CALLIA
Visitante
GLAUCO CALLIA

Dalton Bom dia . Há um bom documentário da RAI lançado recentemente sobre a batalha em que foram colhidos depoimentos dos sobreviventes ainda vivos , tripulantes da casa de máquinas , um oficial de convés , meu tio-avô era oficial artilheiro de uma das torres principais .B se não me engano . Este é um tema recorrente na tripulação do Zara , isso sem falar no treinamento de CAV insuficiente , o que também é tema recorrente. Quanto a ração dos navios americanos , li algum tempo atrás na revista naval um estudo sobre tempo de sobrevivência no mar citando… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Para mim, é incabível chamar de heróis os militares argentinos que sobreviveram ou morreram no afundamento do General Belgrano simplesmente por integrarem a tripulação. Herói é aquele que enfrenta um desafio enorme e o supera, ou, ao menos, consegue salvar vidas mesmo tendo que perder a sua.
Talvez tenha existido algum herói que salvou outros tripulantes no mar gelado, tendo se arriscado para tal, mas com certeza não é o caso da maioria dos tripulantes.

Glasquis 7
Visitante

Paulo,
Herói é aquele que realiza uma façanha durante o combate. Citei os nomes dos maiores heróis argentinos nessa guerra. O fato dos conscritos estarem no navio e morrerem inutilmente ao afundar com o mesmo ou nas balsas por congelamento não faz deles heróis, apenas vítimas e nada mais.
Concordo com Rafael Oliveira

Dalton
Visitante
Dalton

Oi Glauco… . de fato nossos antepassados… também sou neto de italianos, estavam despreparados para a guerra…a Itália queria ser vista como potência de primeira, quando não passava de terceira e olhe lá ! . Quanto aos navios americanos e seus equipamentos de sobrevivência , me veio à mente os USSs Juneau e Indianapolis, e como em muitos outros casos os sobreviventes não ficaram muito tempo na água, nada como muitas semanas ou mesmo meses, assim, entendo que abarrotar botes salva vidas no caso desses sobreviverem aos impactos de artilharia não teria muito uso prático e quanto às balsas de… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Galante…
.
você foi tripulante da “Niterói” …supondo que o Brasil se visse em guerra, acredito que você
não teria a opção de concordar ou não em embarcar fosse em um navio moderno ou não… 🙂

Dalton
Visitante
Dalton

Glauco…
.
Assisti o “Homens de coragem”, na tv, mas, não gostei e apesar de simpatizar com o Peebles como pessoa e ator , como diretor ao menos nesse filme não me convenceu.
.
Um livro interessante sobre as atrocidades cometidas por japoneses contra marinheiros mercantes durante a II Guerra é “Blood and Bushido”, mas, da forma como os militares eram
doutrinados na época, não surpreende tanta selvageria.
.
Fiquei curioso…qual a relação sua com oficiais médicos da US Navy ??? E grato pelas informações muito interessantes .
.
abs

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Galante, Como o Dalton apontou, não é tão simples assim desertar. Fora a parte que boa parte da tripulação sequer deveria entender o básico sobre a qualidade do navio em comparação com o poder bélico britânico para considerar sua missão perigosa. Enfim, para ser herói não basta ter coragem (se é que todos lá tinham) é preciso fazer algo muito difícil (os pilotos de A-4 que bombardearam navios, por exemplo) ou se arriscar em nome de valores superiores (salvar alguém de uma situação perigosa também para o salvador). A menos que se adote a banalização do termo herói, como é… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Alexandre Galante
“essa é a grande diferença entre o civil e o militar” …
Salvo engano meu, numa guerra, quando você é convocado, seja civil ou militar, tem que ir e pronto. Se não vai pra corte marcial.
Em alguns países é mais drástico ainda. Na Russia, durante a defesa de Estalingrado e Leningrado, os civis eram obrigados a ir pro frente, às vezes desarmados correndo contra os nazistas. Se se negassem poderiam ser executados sumariamente pelos seus oficiais.

Dalton
Visitante
Dalton

Galante…
.
me parece que os tripulantes do “Belgrano” ao menos a grande maioria eram profissionais que
escolheram servir na marinha e já tripulavam o cruzador antes da guerra iniciar ao contrário de
inúmeros jovens conscritos no Exército.
.
A tripulação do “Belgrano” cumpriu seu dever, e devem se orgulhar , não obstante os erros
cometidos pelo governo deles, mas, cumprir o dever não os torna automaticamente em heróis.
.
abs

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Galante, se todos são heróis, a palavra perde significado de distinção. Ok, pode chamar, mas deixará de significar algo excepcional. Tem militar e policial que nunca se arriscou minimamente e se forem considerados heróis, quem realmente realizar um feito heroico, ao ser chamado de herói, não retratará o que ele fez de forma adequada. Vão ter que inventar uma nova palavra para essa pessoa. Seria algo como dizer que todos que cursam uma faculdade são gênios. Os heróis da Marvel correspondem ao conceito de herói, mas são fictícios (assim como Hércules) e, portanto, não devem ser idolatrados como se reais… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Brecht escreveu…”Infeliz a nação que precisa de heróis”e concordo plenamente com ele. Se a tripulação do “Belgrano” foi toda constituída de “heróis” como seriam chamados aqueles dentro da tripulação que se sobressaíram mais do que outros ? Será que dentro da tripulação não houveram também os chamados “medrosos”ou “covardes” ? . Eles cumpriram o dever como combatentes, mas, nem todo combatente é merecedor das maiores honrarias de seus respectivos países, em que pese Audie Murphy na sua modéstia declarar que os verdadeiros heróis morreram em combate ou mesmo que em uma guerra não há heróis e sim sobreviventes. . Que… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Alexandre Galante, desde seu ponto de vista da a entender que todo aquele que morre numa guerra é um herói. Pra mim, quem morre em guerra é um mártir. Herói é, como mencionei antes, Oscar Poltronier. Quem estando em grande perigo de morte, decidiu ficar sozinho com uma MG3 cobrindo a retirada dos seus companheiros que o deixaram pensando que ele morreria em pouco tempo mas que Heroicamente, além de salvar sozinho o seu pelotão, reuniu-se com eles dois dias depois, quando até os oficiais o consideravam morto. A guerra em si não é um ato heroico nem morrer nela… Read more »

GLAUCO CALLIA
Visitante
GLAUCO CALLIA

Dalton Blood and Bushido . Vou procurar muito obrigado. Roberto Belo vídeo! Há uma discussão entre heroísmo é tal. Mas tente sobreviver num bote , tente lutar contra o oceano , tente manter sua tripulação unida no frio , no sal , pensando em todos seus amigos que morreram , acredito que numa situação como está sobreviver e um ato de heroísmo , porque se separarmos por esta lógica , Ernest Shakelton foi apenas um cara bacana , e não foi este o caso , o mar e cruel , e uma batalha pra vida ?”, daí nasce o heroísmo… Read more »

GLAUCO CALLIA
Visitante
GLAUCO CALLIA

Dalton

Na épocas que eu era médico de bordo do NAH Oswaldo Cruz , dois oficiAis médicos americanos foram enviados para intercâmbio , foi nesta época que pude aprender um pouco da doutrina deles e conhecer o equipamento de combate

Abs

Altair Marques
Visitante
Altair Marques

Dalton, uma dúvida.

No texto, Margaret Thatcher diz para disparar e afundar. Foi apenas uma forma de falar ou existe o controle do dano que um torpedo pode causar? Seria possível torpedear e apenas inutilizar um navio?

Norberto Pollak
Visitante
Norberto Pollak

E porque a Marinha Inglesa não ajudou no salvamento como muitas vezes é praxe, deveriam ter salvo os naufragos. E porque afundar uma lata velha como aquela que nem estava indo na direção das Falklands/Malvinas ?

August
Visitante
August

Concordo com a definição do Dalton e do Rafael sobre o que é heroísmo mas discordo em não aceitar que eles foram heróis, nem todos do navio foram mais esses que o relato mostra concerteza foram !

Dalton
Visitante
Dalton

Glauco…
.
antes que você respondesse “caiu a ficha”…você escreveu um livro sobre sua experiência a
bordo do “Osvaldo Cruz “…acabei esquecendo, quero ver se adquiro o livro nem que seja pela
“Amazon”.
.
grande abraço !

Dalton
Visitante
Dalton

Norberto… . um submarino não é o meio mais indicado para resgatar centenas de pessoas ainda mais com mau tempo e durante um conflito…essa missão deveria ser dos 2 “destructors” argentinos que o escoltavam e perderam o “Belgrano” de vista. . A ‘lata velha” ainda tinha potencial em 1982 e poderia de uma hora para outra mudar o curso, o próprio comandante do “Belgrano” admitiu que à ação britânica foi acertada. Na verdade a maioria das marinhas do mundo em 1982 eram constituídas por “latas velhas”, a espinha dorsal da marinha brasileira era formada por 10 contratorpedeiros ex US Navy… Read more »

Adriano
Visitante
Adriano

Gostei da tua resposta

GLAUCO CALLIA
Visitante
GLAUCO CALLIA

Dalton

Bom dia!

Recomendo! Praticamente todos os sites de venda de livros no Brasil estão com o livro .Quando ver ler quero saber sua opiniao !

Abraco

Dalton
Visitante
Dalton

Altair… . torpedos modernos explodem debaixo da quilha do navio, assim um único torpedo pode fazer um grande estrago…o SSN britânico utilizou torpedos antigos, modelo da II Guerra, não guiados e não havia como saber exatamente em que parte do casco eles iriam atingir nem se todos os torpedos lançados encontrariam o alvo, portanto 3 foram disparados o que é normal. . O primeiro torpedo atingiu a área mais ” fina ” do navio, a proa, fora do cinturão blindado e por si só já teria inutilizado o navio, apesar de não ser suficiente para afunda-lo, porém a necessidade de… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

Galante
Concordo com vc.
É simples dizer q o rapaz vai obrigado e não pode desertar.
Foram heróis, não por estar em um afundamento, mas por, querendo ou não, embarcaram em uma belonave da segunda guerra contra uma armada de primeiro mundo e não enlouqueceram, mas controlaram seus medos e temores e fizeram seu serviço a bordo do navio.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Bom dia senhores
Muito se fala de conscritos. Mas o Exército Israelense, para citar um exemplo extremo, é formado por conscritos e civis mobilizáveis, que retornam a situação militar, quando isso ocorre.
O problema não é o conscrito, mas como ele é preparado, equipado, liderado (principalmente) e empregado.
É minha opinião depois de conhecer muitos exércitos que encontram-se nas duas situações.
Sds

Léo Barreiro
Visitante
Léo Barreiro

Pessoal Fico imaginando se eles não tivessem encontrado o Spartan, mas o HMS Invencible​ a história hoje poderia ser outra, ou seja, era uma arma antiga, mas temível!! Um alvo de imenso valor! Outra lição que tiro desse episódio é que sempre devemos ter mais de uma opção sobre o armamento a ser utilizado, será que eles não tentaram usar um torpedo moderno para a época? Mas vendo que não era confiável e que devido ao valor do alvo preferiu utilizar um já conhecido e testado? Se os argentinos tbm tivessem mais de uma opção de torpedo não só os… Read more »

Mahan
Visitante
Mahan

Emocionante! Verdadeiros heróis! Maggie implacável, como tinha que ser!

Guilherme Poggio
Editor
Noble Member

Eles tiveram é muita sorte do inglês não ter afundado o porta-aviões ’25 de Mayo’.
.
O HMS Spendid estava na cola do 25 de Mayo, mas perdeu o contato com o porta-aviões antes de receber a ordem para atacar. Mais informações nos links abaixo
.
http://www.naval.com.br/blog/2016/10/08/o-porta-avioes-argentino-ara-25-de-mayo/
.
http://www.naval.com.br/blog/2016/10/07/submarinos-na-guerra-das-malvinas/

Glasquis 7
Visitante

Definição do Dicionário Herói é uma figura arquetípica, personagem modelo, que reúne, em si, os atributos necessários para superar, de forma excepcional, um determinado problema de dimensão épica… o heroísmo caracteriza-se principalmente por ser um ato moral… É importante lembrar que eles não pediram pra estar lá, não tiveram opção, foram convocados e nenhum deles se sacrificou. Foram sacrificados pelos seus comandantes que, sentados nos seus escritórios não mediram esforços nem sacrifícios (dos outros e não deles próprios) pra levar adiante esta burrada que eles querem passar como ato de defensa da pátria. “Los pibes” não se apresentaram voluntariamente nem… Read more »

Léo Barreiro
Visitante
Léo Barreiro

Pelos links do Poggio postou nem que a Argentina quisesse teria vencido!! Dúvido que antes da guerra teriam dinheiro para arrumar o porta-aviões! Uma dúvida agora que me surgiu… Se, se por ventura as escoltas do Belgrano tivessem localizado o HMS Spartan e conseguido alveja-lo com as cargas de profundidade (por mais que as fantásticas publicações do Naval sobre o Nautilus mostrar que seja quase que impossível – apenas fazendo um paralelo) poderia haver um vazamento nuclear? Se houvesse quem seria o responsável? A Argentina ou a Inglaterra? De quem seria a responsabilidade de limpar a área? Existe alguma coisa… Read more »

Agnelo
Visitante
Agnelo

Prezados Dois dos últimos ganhadores da Medalha de Honra nos EUA receberam essa honraria, a maior daquelas FFAA, pq, em meio ao caos q é a guerra, conseguiram conduzir seus homens utilizando a Técnica de Ação Imediata em uma contra-emboscada. Ou seja, fizeram com que a doutrina fosse empregada, qual seja, quem está na zona de matar assalta e quem está fora dela flanqueia os emboscadores. Se as distâncias são grandes, realiza-se a famosa marcha do papagaio indo em direção do inimigo com a cadência máxima de fogos. Foram heróis, pq conseguiram fazer o previsto, contra a necessidade humana de… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Agnelo… . os marinheiros não poderiam ter sabotado o próprio navio trabalhando de forma relapsa como você escreveu…não existe nem nunca existirá essa opção, a menos que sejam amotinados. . O “Belgrano” achava-se à salvo por estar fora do perímetro estabelecido pelos britânicos, foi afundado por razões já debatidas ao longo de décadas, a tripulação abandonou o navio dentro da mais possível ordem , esperou pelo resgate, e o submarino britânico seguiu seu caminho sem ser contestado, apenas isso. . Quanto à “superioridade ” britânica mesmo que fosse o caso de causar “paúra” nos argentinos ela ainda não havia se… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Léo… . a US Navy já perdeu 2 submarinos de propulsão nuclear em acidentes, o “Tresher” e o “Scorpion e os russos também tiveram suas perdas e nada de grave conteceu porque existem medidas preventivas. . “Limpar a área” poderia ser extremamente complicado no caso de submarinos naufragarem em águas profundas, porém em águas relativamente rasas como no caso do submarino russo”Kursk” não houve grandes dificuldades. . Pior foi o que os russos andaram fazendo …simplesmente jogaram reatores no “Ártico” ao invés de dar a eles tratamento semelhante feito nos EUA…a comunidade internacional condenou isso e mesmo ajudou financeiramente os… Read more »

Léo Barreiro
Visitante
Léo Barreiro

Mestre Dalton
Muito obrigado!!

Agora só fico imaginando como será que iremos fazer com o reator do nosso submarino nuclear e com os “dejetos” nucleares…

Glasquis 7
Visitante

Roberto Santana “Afundar o ’25 de Mayo’ creio que seria algo como uma tragédia grega, do ápice ao fundo do mar num piscar de olhos. Seria dramático demais para o país, o impacto psicológico seria muito superior ao acontecimento do ‘General Belgrano’, uma desmoralização insuportável para a nação.” Depende de como ocorreriam os fatos, Algumas nações se viram encorajadas depois de derrotas em batalhas frente a inimigos superiores. Aqui mesmo na América Latina existem histórias em que uma nação se sente fortalecida y se alça em armas contra seu inimigo depois de derrotas em batalhas ou combates, mesmo sendo inferiores… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Se o “Invincible” ou o “Hermes” fosse afundado ou muito danificado os EUA estavam prontos para oferecer o então USS Iwo Jima que seria tripulado por ex marujos da US Navy…ou sabe-se lá o que mais. . Claro que o afundamento do “25 de Mayo” teria sido um golpe, mas, não teria feito diferença, pois após o afundamento do “Belgrano” o resto da marinha argentina ficou confinada à base e os 8 A-4Qs que estavam embarcados levaram a luta a partir do continente. . Conforme o “Instituto Aeronaval” os 8 A-4Qs estariam distribuídos da seguinte forma: – 2 de prontidão… Read more »

UBoot
Visitante
UBoot

Amigos, boa noite!

Pode ser algum exercício de imaginação mas… alguém tem alguma noção de como a Argentina poderia ter vencido ou ao menos levado a um impasse?

O Dalton lembrou de um possível (e imenso) auxílio norte-americano. Os chilenos também não ajudaram muito o lado argentino…

Quer dizer, havia alguma chance, mesmo que remota para os hermanos? Em caso positivo, quais seriam as opções?

Um abraço a todos!

Adriano
Visitante
Adriano

Os chilenos, que na época estavam em guerra fria com os argentinos na disputa pelo Canal de Beagle (acho ate que houve ate incidentes envolvendo militares dos dois países nesse desentendimento), foram presenteados pelo britânicos com vários jatos militares modernos por terem cedidos as bases aéreas deles para que os aviões militares ingleses pudessem usá-las, o que facilitou bastante as missões da Força Aérea Real britânica.

Guizmo
Visitante
Guizmo

Para mim, a definição de herói, que foi postada do dicionário, se enquadra perfeitamente nas funções dos tripulantes de navios de guerra, especialmente durante conflitos. Independente da obrigação inerente ao cargo, é requerida boa dose de coragem para escolher esta carreira, manter-se nela e, ao eclodir uma guerra contra uma Inglaterra, não fugir e cumprir o dever. Na minha modesta opinião, não seria necessário um tripulante sair correndo, salvar 32 companheiros, cortar as cordas com uma faca na boca ou apagar sozinho um incêndio. Isso é Hollywood. Na vida real, estes homens foram HERÓIS sim, mesmo aquele que, eventualmente, tenha… Read more »