Home Marinhas de Guerra Os ‘olhos’ dos submarinos classe Tridente da Marinha Portuguesa

Os ‘olhos’ dos submarinos classe Tridente da Marinha Portuguesa

5877
18
Mastros do submarino Tridente à mostra, enquanto ele navega em cota periscópica

Por Paulo C. Santos Garcia

Depois da Segunda Guerra Mundial, o desenvolvimento dos submarinos centrou-se no aumento das suas capacidades em permanecer em imersão profunda, quer para aumentar a autonomia para o seguimento de outros submarinos, quer para aumentar a sua discrição numa determinada área de operação, agindo como navio de ataque por excelência.

Nos dias de hoje, onde um conflito aberto se tornou mais improvável, a evolução tecnológica das capacidades de coleta de informações acima da linha de água é fundamental para qualquer moderno submarino.

Atualmente, as missões dos submarinos são executadas maioritariamente à chamada “cota periscópica”, onde é possível içar os mastros acima da superfície, recolhendo assim as mais diversas informações, sempre de uma forma discreta e sem perturbar o meio ambiente.

No caso dos submarinos da classe Tridente (classe U-209PN ou U-214), os sensores disponíveis para este tipo de vigilância e coleta de informação, centram-se no tradicional periscópio, no sistema optrônico e, para a vigilância do espectro eletromagnético, nos sistemas de detecção dos radares e das comunicações.

Centro de Informações de Combate ao lado de dois periscópios em um submarino classe U212A da Marinha Alemã 
Periscópio do submarino Tridente classe U-209PN

Periscópio

O periscópio que equipa estes submarinos, além de permitirem uma visibilidade direta para o exterior, pouco mais têm em comum com os tradicionais periscópios que equipavam os submarinos de umas décadas atrás. Dotados de diversos equipamentos, é considerado um sistema em si mesmo, estando ligado à rede central do designado “sistema de combate”, o que permite o compartilhamento de todos os dados que recolhe com outros sistemas.

Periscópio SERO400

Assim, neste moderno periscópio temos disponível uma máquina fotográfica, uma câmera intensificadora de luz (Low Light Level TV ou LLL TV) e uma câmera de TV que garante o compartilhamento da imagem do exterior com outros sistemas. A sua operação pode ser feita remotamente de diversos locais ou da forma mais habitual: diretamente na Ocular box. Esta última, permite que o operador tenha uma percepção espacial do que está vendo, uma vez que pode girar para observar o que pretende.

Sendo o principal meio de vigilância quando o submarino está à cota periscópica, e também mais vulnerável, é exigido um elevado treino a quem o opera, quer seja para conseguir manter uma noção espacial do que observa em poucos segundos, quer para evitar a detecção quando mantém o periscópio içado.

Navio de superfície sendo visualizado pelo periscópio

Para facilitar a sua operação, este periscópio está equipado com uma série de funcionalidades que permitem fazer face às diferentes condições de utilização. Uma das que mais facilita a sua operação é a estabilização em azimute (i. é, em direção) e elevação, que garante uma visualização estabilizada e portanto independente do estado do mar e do balanço, por vezes extremo, do submarino. Existe também um conjunto de filtros que melhoram a visibilidade quando as condições de luz são mais extremas, facilitando a observação nos setores onde o sol brilha com maior intensidade.

Outra funcionalidade importante é a obtida pelo Optical Range Finder que, de forma passiva e recorrendo apenas à informação da altura do objeto observado (normalmente um outro navio), permite calcular rapidamente a sua distância. A vantagem desta medição de distância ser efetuada de forma passiva, é que mantém a discrição do submarino, dificultando assim a sua detecção.

Cumpre também fazer referência à informação que é disponibilizada ao operador do periscópio na ocular. A disponibilização destas informações no campo de visão, permite que o operador não tenha que interromper a vigilância desviando os olhos para saber um conjunto de dados. A informação apresentada inclui o azimute e a marcação para onde está olhando, a ampliação selecionada, o filtro introduzido e mais alguns dados adicionais.

Por fim, resta referir que com a qualidade de construção de toda a parte óptica, garantida pela vasta experiência de uma empresa como a Zeiss, este periscópio dispõe de três ampliações ópticas de 1,5x, 6x e 12x o que permite um alcance visual extraordinário.

Optrônico

O optrônico é o sistema por excelência para a coleta de informação do espectro do infravermelho, electromagnético e, naturalmente, do visível. Para esta panóplia de capacidades, dispõe de uma câmera de alta definição (1080p), uma câmera de infravermelho e uma antena para a detecção das transmissões de radares, sejam elas de outros navios ou de sistemas de vigilância costeira.

Operado apenas remotamente, uma vez que é um mastro não penetrante, i. é, que não atravessa o casco resistente, é utilizado um joystick para controle das diversas funcionalidades.

O sistema de controle deste sistema apresenta um conjunto de modos de operação que permitem uma enorme flexibilidade e uma redução da sua exposição ao exterior, contribuindo para a indispensável discrição essencial de um submarino. Nestes modos de operação, consegue-se programar, com o mastro ainda arriado, a rotação (setorial ou os 360 graus), a elevação, a velocidade de rotação, qual das câmaras a utilizar (HD ou IR) e até a opção de gravar a imagem numa memória FIFO para, depois do mastro se encontrar novamente arriado, poder ser feita a sua reprodução em diversas velocidades.

Esta funcionalidade permite adotar uma rotação mais rápida, para reduzir a exposição do mastro e evitar a detecção. Como exemplo, o mastro pode ser içado, rodar uma volta completa, gravar em alta definição ou IR e arriar quando terminar, permitindo ver o que se encontra no alcance visual. Outra possibilidade é a de içar para um objetivo concreto arriando logo de seguida, expondo o mastro por breves segundos, mas permitindo observar posteriormente a imagem gravada.

Sempre que se pretende, as imagens captadas podem ser comparadas com outras existentes na base de dados do sistema, facilitando a identificação de um determinado navio ou objetos de interesse. Basta imaginar a dificuldade de observação de um navio a grande distância onde apenas se consegue identificar uma pequena silhueta sendo essencial a identificação dos mais sutis pormenores.

Realça-se ainda a importância da capacidade IR que, numa situação de total escuridão e mantendo a invisibilidade do submarino, permite ter uma imagem que apresenta as diferentes temperaturas. No caso de um navio de superfície, seja de guerra ou apenas uma pequena lancha, consegue-se distinguir importantes características ou tão somente manter o seu seguimento.

Guerra eletrônica

Esta designação de Guerra Eletrônica é atribuída à “disciplina” que lida com a detecção, transmissão (para jamming ou outras técnicas) e tratamento dos dados recolhidos pelos sistemas de detecção das emissões eletromagnéticas oriundas quer dos radares, quer dos sistemas de comunicação de outros navios.

Para quem anda no mar nos tradicionais navios de superfície, a utilização do radar é tão usual como andar com os faróis do carro ligados à noite. Todos os navios, em condições normais, têm pelo menos um radar ligado, mesmo os navios de guerra em situações de rotina. Há muitas situações em que são definidas políticas mais restritivas para a utilização destes equipamentos mas não deixa de ser um equipamento muito utilizado. Como tal, um submarino pode aproveitar esta situação para, com uma simples antena acima da linha de água, detectar a presença de um determinado navio muito antes de se encontrar dentro do alcance de detecção dos sensores desse navio.

Submarino Tridente classe U-209PN ou Type 214

No caso dos submarinos da classe Tridente, existem três antenas disponíveis: uma no mastro do periscópio, outra no mastro optrônico e a terceira no mastro dedicado à coleta de dados no espectro eletromagnético.

Considerando os avanços tecnológicos destes sistemas, tanto no que respeita à sua sensibilidade como na capacidade de processamento, é possível identificar o tipo de radar, fazendo a correspondência com o tipo de navios que o utiliza (se é um navio mercante, de pesca ou de guerra e, dentro destes qual a sua classe), assim como qual o navio é em concreto.

Todos estes sistemas de detecção, vigilância e coleta de dados, permitem ao submarino classe Tridente, à semelhança de outros, ter uma vantagem enorme, não só por conseguirem recolher informação sem perturbar o meio onde operam sem condicionar a ação dos diversos atores, como também pela capacidade de detecção antes de serem localizados.

Os mastros dos dois submarinos classe Tridente aparecem na superfície enquanto navegam em paralelo

FONTE: Pplware.com

 

SAIBA MAIS:

18
Deixe um comentário

avatar
10 Comment threads
8 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
Heli QueirozAlexandre GalanteNilo Antonio RodarteDaltonRoberto Santana Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ronaldo de souza gonçalves
Visitante
Ronaldo de souza gonçalves

Já deviam ter pensado em algo que se ergue=se a centenas de metros submerso através de um cabo com pequena boia,com camaras,mas já fizeram progressos desde da 2*guerra mas ainda é pouco.o submarino agora e que está dando combate efetivo aõ aviões através de misseis incorporado aõ torpedo.

Bosco
Visitante
Bosco

Ronaldo,
Isso não seria difícil de desenvolver. Não o fizeram ainda porque lançar é fácil mas levaria tempo para recuperar. Ou então teria que ser descartável.
Mas vale salientar que isso não é considerado útil porque o submarino não vai a cota periscópica à toa. Ele só o faz para confirmar um contato de sonar e não para buscar “algo” no horizonte.
Ou seja, o periscópio não tem função de vigilância, daí não precisa ter mais alcance que o horizonte. Vale salientar que o horizonte visual do periscópio não passa de uns 8 km.

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Me recordo de ter visto a alguns anos atrás uma matéria falando sobre o possível uso de mísseis MICA (através do lançamento de uma cápsula-torpedo) e Mistral (por meio de um mastro na vela do submarino) por submarinos para neutralizar aeronaves de patrulha e helicópteros, acho que acabou não progredindo… enfim, seria um aditivo e tanto.

Walfrido Strobel
Visitante

Existem mísseis AA lançados pelo tubo do torpedo quando submerso, mas o problema é que entregam a posição do submarino, é preferível deixar o inimigo na dúvida.
Existem também mísseis lançados quando está na superfície e for flagrado.
Aqui está um bom artigo sobre isso: http://www.thedrive.com/the-war-zone/6894/have-submarine-launched-anti-aircraft-missiles-finally-come-of-age

Alex Nogueira
Visitante
Alex Nogueira

Obrigado pelo link Strobel, muito interessante!

Esteves
Visitante
Esteves

Pois é. Subs e patrulhas. O resto é alvo. Incluindo as Tamandares.

filipe
Visitante
filipe

Essa é a época da Inteligência Artificial, dos drones submarinos, na prática você terá o submarino apenas como plataforma de lançamento de torpedo ou misseis e centro de comando e controlo, os drones submarinos poderão detectar alvos a milhares de metros do submarino, a Russia até lançou um drone submarino que de forma autonoma e independente atacará os Estados Unidos em caso de guerra nuclear entre essas potências, o mundo na era digital será dominado por esses veiculos e sensores.

Walfrido Strobel
Visitante

Felipe, uma curiosidade sobre automação, que não tem nada a ver com navios e submarinos:
Vários países ja estão testando ônibus sem motorista, fica estranho pensar em andar em um.
China: https://m.youtube.com/watch?v=Ci4ekhVSbEI
.
Japão: https://m.youtube.com/watch?t=20s&v=KyloAhuilHM
.
Alemanha: https://m.youtube.com/watch?v=fQmOpxEvpvI

Mk48
Visitante
Mk48

Excelente matéria!.

Parabéns aos editores pela qualidade das matérias.

Muito bom mesmo.

Apenas a título de informação, A US Navy adota , na Classe Virgínia, a nova tecologia de periscópios de câmera digital não penetrantes, chamados Mastros Fotônicos.

Mk48
Visitante
Mk48

Tecnologia.

Maldito teclado de celular .

Dalton
Visitante
Dalton

Só complementando “48”, embora tardiamente, que outra grande vantagem do “mastro fotônico” é que não há mais obrigatoriedade da sala de controle ficar localizada no convés logo abaixo da “vela”, sendo mudada na classe “Virgínia” para um convés mais abaixo
que no casco de pressão sendo cilíndrico, significa, poder aproveitar o máximo de espaço
possível.

Mk48
Visitante
Mk48

Ótima informação Dalton.

Abs .

Sequim
Visitante
Sequim

Gostaria de elogiar a qualidade do texto Português impecável e estilo elegante e muito prazeroso de se ler.

Sequim
Visitante
Sequim

Faltou um ponto. Reescrevendo : (…) a qualidade do texto. Português impecável (…)

Roberto Santana
Visitante
Roberto Santana

Essa foto do Centro de Informações de Combate do submarino classe U212A está muito boa. Ela tem um bom espaço.

Nilo Antonio Rodarte
Visitante
Nilo Antonio Rodarte

É claro que muda de modelo para modelo, mas, normalmente, quando o sub está operando em cota periscópica, ele está a que profundidade?

Alexandre Galante
Visitante

Nilo, a profundidade é em torno de 15/20 metros.

Heli Queiroz
Visitante
Heli Queiroz

Alguem sabe se os Scorpene que a MB vai incorporar usaram esses mastros optronico ou o optico?