Home Apoio Logístico EXCLUSIVO: Ingleses sondam interesse da MB em um navio-tanque classe ‘Wave’

EXCLUSIVO: Ingleses sondam interesse da MB em um navio-tanque classe ‘Wave’

26841
156

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

A Marinha Real Britânica comunicou à Marinha do Brasil (MB) que se prepara para disponibilizar, no próximo ano, um dos seus dois navios-tanque da classe ” Wave” (RFA Wave Knight e RFA Wave Ruler) – unidades relativamente novas (apenas 15 anos de uso), de 196,5 m de comprimento, 31.500 toneladas de deslocamento carregado, e ampla capacidade de apoiar diferentes tipos de operações navais.

Foi o segundo aviso que os militares britânicos deram aos seus colegas brasileiros sobre o assunto – o que, em Brasília, vem sendo entendido como uma sondagem acerca do eventual interesse da MB nesse tipo de embarcação.

RFA Wave Ruler reabastecendo a fragata Type 23 HMS Iron Duke
RFA Wave Ruler reabastecendo a fragata Type 23 HMS Iron Duke
The ship’s primary tasking is Counter Drug Operations in conjunction with a wide variety of law-enforcement agencies, primarily the United States Coast Guard (USCG). The ship is also on standby to provide Disaster and Humanitarian Relief if necessary, and her presence in the area contributes to the wider security of the region.

De acordo com uma fonte do Poder Naval no Ministério da Defesa, esse é o procedimento normal dos ingleses: eles primeiro investigam se a Marinha da “nação amiga” mostra interesse na embarcação a ser desativada; em caso afirmativo, formalizam a oferta do navio.

A MB estuda a nova situação criada pelas mensagens recebidas do chamado MoD (Ministry of Defense), de Londres.

Os navios da classe Wave custaram pouco mais de 100 milhões de libras esterlinas (cerca de 499,4 milhões de Reais) cada um, mas o preço de transferência ainda não foi definido.

Atualmente, toda a capacidade da Força de Superfície da MB de prover apoio em alto mar, reside nos préstimos do navio-tanque Almirante Gastão Motta (G 23), um navio de 135 m de comprimento, 19 m de largura e 10.320 toneladas de deslocamento (carregado), operado por 121 tripulantes.

HMS Ark Royal e RFA Wave Knight, em 2010
HMS Ark Royal e RFA Wave Knight, em 2010

A Força tem, há vários anos, interesse em uma moderna unidade de Apoio Logístico, com deslocamento na faixa das 23.000/24.000 toneladas. A possível oferta inglesa, além de representar um sopro de Modernidade nas atividades do 1º Esquadrão de Apoio da Esquadra – hoje reduzido a somente um navio-tanque de alto mar (construído no início dos anos de 1990) –, garantiria uma revitalização das suas atividades.

Gaveta – No segundo semestre de 2014, a então Presidenta Dilma Roussef engavetou o Programa de Obtenção de Meios de Superfície (PROSUPER) elaborado pela MB, que previa a construção no país, com o apoio de um estaleiro estrangeiro, de um Navio de Apoio Logístico tripulado por 150 militares.

O projeto precisaria obter o Certificado de Segurança de Construção para Navios de Carga (Solas) e o Certificado Internacional de Prevenção da Poluição do Mar (Marpol), que inclui a adoção de casco duplo(comum nos navios petroleiros) para evitar vazamentos em caso de acidentes.

Segundo os mesmos planos, o navio desenvolveria 20 nós de velocidade máxima, e operaria por 30 dias sem necessidade de reabastecimento, percorrendo até 18.520 km (10.000 milhas náuticas).

A unidade teria hangar à ré, para receber um destacamento aéreo com helicóptero EC-725, e estaria apta a realizar o transporte de combustíveis (JP-5 para aeronaves e MAR-C para navios), água fresca, munições, alimentos frigorificados e instalações médicas (com capacidade para cirurgias de emergência), além, claro, de sobressalentes.

Logistic Support Ship (LSS) da Fincantieri
Logistic Support Ship (LSS) da Fincantieri

LSS – Atualmente, com a permissão da Marina Militare, a Força Naval brasileira acompanha (desde junho de 2016), o desenvolvimento do Programa LSS (Logistics Support Ship), que, a cargo do Grupo Fincantieri, constrói o novo navio de Apoio Logístico da Esquadra italiana – unidade de 181 m de comprimento, 24 m de boca máxima e 25.000 toneladas (aproximadamente) de deslocamento.

Essa unidade será capaz de suportar as necessidades de uma Força-Tarefa de combate, por meio do transporte de combustível dos tipos naval e aeronáutico, água potável, munições, óleo lubrificante e peças de reposição. Bem como lidar com as consequências de um desastre natural de grandes proporções, fornecendo apoio médico (hospital) classe Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) Role 2 Light Mobile.

RFA Wave Knight (A 389)

Armamento – Os petroleiros rápidos britânicos da classe Wave pertencem à Real Frota Auxiliar do Reino Unido.

Dotados de casco duplo – para diminuir o risco de contaminações no mar –, eles, além de proporcionar combustível às demais embarcações da Royal Navy destacadas para regiões marítimas distantes, cumprem missões anti-pirataria na perigosa zona do Chifre da África, e de combate ao tráfico de drogas no Mar do Caribe.

É isso que explica o armamento variado e poderoso para um navio logístico, que chegaram a receber duas estações de defesa aproximada anti-míssil/antiaérea CIWS Phalanx.

Desdobrados em missões de patrulha no Atlântico Norte, esses navios, em vez de embarcarem um helicóptero multiuso tipo Merlin, vêm operando ou um aparelho Lynx ou uma aeronave da Guarda Costeira dos Estados Unidos.

Os classe Wave carregam até 16.000 m3 de líquidos e 500 m3 de material sólido. Equipamentos de osmose reversa instalados a bordo garantem a produção de 100 m3 de água potável ao dia.

RFA Wave Knight com CIWS Phalanx instalado na proa
RFA Wave Knight com CIWS Phalanx instalado na proa
RFA Wave Knight e RFA Wave Ruler
RFA Wave Knight e RFA Wave Ruler
Subscribe
Notify of
guest
156 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Zorann
Zorann
2 anos atrás

Esta é a hora.
.
Pode alegar que o navio pode ajudar a levar combustível em caso de nova greve de caminhoneiros. É a hora exata de fechar o negócio….

Agnelo
Agnelo
Reply to  Zorann
2 anos atrás

Boa explicação!!
“Sr Presidente, já q haverá outra greve….. gostaria de ver com o senhor a possibilidade (é assim q todo subordinado vem pedir algo) de comprarmos esse excelente navio aqui! Detalhe, no governo passado, c@g@r@. pra essa necessidade!

Sds e desculpe pela brincadeira!

Zorann
Zorann
Reply to  Agnelo
2 anos atrás

Mas o pior que é assim. Cortaram verbas de todo lado, pra subsidiar o diesel, mas aumentaram a alocação de verbas para GLO. Exatamente porque as FAs tem socorrido o governo em toda crise. É desbloqueio de estradas, de portos…
.
De tudo que a MB precisa, esta compra aí, seria a menos questionada.
.
Compra agora, para receber o navio depois. O governo levaria vantagem politica nisto ai.

Fox-2
Fox-2
Reply to  Zorann
2 anos atrás

Mais um navio logístico seria ótimo para MB, pois aumentaria muito as suas capacidades .
Mas, por que sempre tem que ser sucata Inglesa ?
Poderia ser uma sucata Russa também !

Aerokicker
Aerokicker
Reply to  Fox-2
2 anos atrás

Porque as sucatas russas datam da URSS, a manutenção é um pandemônio e são, bem dizer, sucatas.

Se for para comprar sucatão mesmo então é melhor comprar o CV Kitty Hawk, que pelo menos dá para deixar exibindo junto ao São Paulo.

DM Filho
DM Filho
Reply to  Fox-2
2 anos atrás

Não chamaria um navio de 15 anos de sucata. Mas quanto a operar navios usados ocidentais, em vez de russos, seja por questão de proximidade política e também já estarmos acostumados a utilizar meios britânicos e americanos.

Se fosse pra comprar alguma “sucata” russa que fosse alguns SU-27, ou alguns misseis anti-navio excedentes.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Fox-2
2 anos atrás

Quando eu vejo esses comentários com o termo sucata eu sinto um calafrio na espinha…

Nilo Antonio Rodarte
Nilo Antonio Rodarte
Reply to  Fox-2
2 anos atrás

Meu carro tem mais de quinze anos e está longe de ser uma sucata! Que a MB não perca essa oportunidade.

MO
MO
Reply to  Zorann
2 anos atrás

falar sobre NT aqui é infelizmente perder seu tempo …. cheio dos “Sucatas” que nunca viu um navio na vida ….

cfsharm
cfsharm
Reply to  MO
2 anos atrás

Pois é MO – a jenialidade nunca acaba. Queria saber quantos anos tinha o Marajó quando deu baixa, só para “situacionar”.

Pablo
Pablo
2 anos atrás

Acho que é mais uma ótima oportunidade a MB, atualmente a situação é precária então…

Fellipe Barbieri
Fellipe Barbieri
Reply to  Pablo
2 anos atrás

o bom seria que as duas unidades viessem a médio prazo porque ao que tudo indica não haverá chances de comprar nada novo pelos próximos anos, também não descarto outros navios que darão baixa antecipada na Royal Navy . o maior desejo seria as tão cobiçadas Type 23, em breve 6 destes irão estar disponíveis e seriam a melhor coisa para a MB

Esteves
Esteves
2 anos atrás

Boa. Antecipado aqui no Poder Naval pelos comentaristas.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Vai vir com Artisan 3D? kkkkkkk

Brincadeiras à parte, seria uma ótima compra. Poderíamos usar a situação do desabastecimento de gasolaina para comprar esse navio tanque;

DANILO JOSE FRANCIS DA SILVA NUNES
DANILO JOSE FRANCIS DA SILVA NUNES
2 anos atrás

Qualquer coisa vai ser melhor que o Marajó, já devia ter sido substituído a tempos mas falta dinheiro, falta coragem, falta muita coisa na marinha por isso o estado de abandono da força.

Mk48
Mk48
Reply to  DANILO JOSE FRANCIS DA SILVA NUNES
2 anos atrás

Estado de abandono da Força ?

A MB não tem todo o dinheiro que precisa para tocar todos os seus projetos e resolver suas necessidades, mas mesmo assim está tocando projetos importantíssimos e aproveitando as compras de oportunidade, dentro do que seu orçamento permite.

Agora, daí você dizer que há um “estado de abandono da força” ou você é mal intencionado, ou você não está falando sério ou ainda, o que é mais provável, está falando de um assunto que não conhece !

Flávio Henrique
Flávio Henrique
2 anos atrás

Desde que a MB era sondada pela RN para a venda o HMS Ocean eu dizia que a MB seria ofertada para um dos Wave, espero que ela tenha “dindin” e aproveite.

Danilo José
Danilo José
2 anos atrás

A Marinha do Brasil precisa e muito de algo assim, navio logístico/reabastecimento, quanto antes chegar melhor !

Fábio CDC
Fábio CDC
2 anos atrás

Mais 1.
.
As coisas estão feias por lá…

Wellington Góes
Wellington Góes
2 anos atrás

Hora da xepa!!!

Agnelo
Agnelo
2 anos atrás

Como já foi comentado pelo CA em outra matéria, creio ser impossível termos reaparelhamento totalmente feito aqui ou comprado novo.
É uma boa oportunidade.

Eduardo von Tongel
Eduardo von Tongel
2 anos atrás

Ótima oportunidade! Mas o G23 está assim tão velho? Acho que nem é muito utilizado.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Eduardo von Tongel
2 anos atrás

Eduardo,
A aquisição de um navio de apoio logístico não é para substituir o NT Alte Gastão Motta (G23)e sim compensar a baixa do velho Marajó, que deixou a Marinha com apenas um navio-tanque.

Creio que o G23 tenha uns 10 a 15 anos de serviço pela frente.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Só complementando com um exemplo: há dois anos o Gastão Motta terminou um Período de Manutenção Geral de 3 anos de duração (o que considero longo demais), mas ainda havia o Marajó para aguentar as pontas:

http://www.naval.com.br/blog/2016/07/30/navio-tanque-almirante-gastao-motta-realiza-experiencia-de-maquinas/

Poucos meses depois, a já muito adiada baixa do Marajó foi informada:

http://www.naval.com.br/blog/2016/11/23/marinha-do-brasil-desativa-o-navio-tanque-marajo/

Se não for adquirido um navio pra compensar a baixa do Marajó, quando chegar a hora de parar o Gastão Motta de novo (mesmo que num período de reparos menos longo), a Marinha ficará sem nenhum navio do tipo.

Eduardo von Tongel
Eduardo von Tongel
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Obrigado Nunão.

Carpophorus
Carpophorus
2 anos atrás

Senhores, tal tipo de navio não poderia ser fabricado em nossos estaleiros com base em navios mercantes?

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Aqui dá pra comparar o tamanho do bicho com relação a uma Type 21
http://www.deagel.com/library1/medium/2012/m02012030100001.jpg
.
Eu acho o navio grande demais para a MB. Não vão ter dinheiro pra encher o tanque, rsrsrs…
.
Mas… É melhor ter esse do que não ter nenhum.
Pelo menos com esse navio, Bahia e Ocean passam a fazer sentido, pois se pode sustentar operações destes navios longe de casa.

Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Continuando a comparação: NT Marajó, que era o maior NT da Marinha e uma Fragata Classe Niterói:
comment image

Ádson
Ádson
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Tomara que se torne a vaca leiteira da Frota.

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

Interessante… O Brasil está comprando a marinha do Reino Unido kkkkk os ingleses são próximos da MB, parecem confiar bastante e apostar nessa aproximadamente que dura décadas.
Que lindo esse navio da Fincantieri…seria uma ótima opção também.

Baschera
Baschera
Reply to  Ivan BC
2 anos atrás

Rumo à Royal Brasilian Navy.

Sds.

Aerokicker
Aerokicker
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Só vai faltar as Type-23 e o Porta F-35, porque até em estarem quebradas as duas estão iguais.

Ádson
Ádson
Reply to  Aerokicker
2 anos atrás

E que venham também, e venham antecipadamente, as 5 Type 23 e que venham com Artisan e Sea Ceptor.

Bruno
Bruno
Reply to  Aerokicker
2 anos atrás

Quem sabe daqui a 20/30 anos não poderemos….

Gilbert
Gilbert
Reply to  Aerokicker
2 anos atrás

2018 HMS Ocean
2019 RFA Wave Ruler
2020 Type 23
2021 Type 23

Suposição

Não esta bom 1 navio por ano?

Mk48
Mk48
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Boa!!!!!! rsrsrsr

Otto Lima
2 anos atrás

Um NT Classe Wave seria muito bem vindo à MB, até porque possui maior capacidade de tancagem e um convoo para operações VERTREP, que o NT Alte. Gastão Motta não tem.

Robsonmkt
2 anos atrás

A MB está com muita sorte de conseguir estes meios relativamente novos que impedirão a sua obsolescência em bloco.
Com estas compras de oportunidade, a MB consegue modernizar parcialmente seus meios navais, diminuindo os custos do PROSUPER tornando mais exequível, futuramente, liberação de verba para investir nas fragatas.

JP
JP
2 anos atrás

Não sei se esse seria o gargalo da Marinha, melhor focar nos escoltas. Bem ou mal temos o G23, sem contar que o Bahia também faz TOM e não temos essa necessidade de reabastecimento, pois não realizamos comissões em regiões marítimas distantes como a Royal Navy.

Se a Marinha comprar, será uma boa aquisição, pela capacidade e vida útil ainda restante. Porém, deverá ser mais um navio “parado”. Sem recursos e até mesmo óleo combustível para fazer comissões. Talvez a compra seria justificável se dessem baixa em outro navio do apoio, como por exemplo o Mattoso Maia.

Nilson
Nilson
Reply to  JP
2 anos atrás

Se você analisar bem, o Mattoso Maia já está baixado de fato, só não está baixado de direito.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
2 anos atrás

Perfeito para a MB! Já faz um pagamento de caução se for necessário. Hora de agarra com unhas e dentes.

Foxtrot
Foxtrot
2 anos atrás

E lá vamos nos de novo kkkkkkk. os ingleses descobriram um bom lugar para jogar seu ferro velho rsrsr. Mas o mais interessante dessas imagens é ver o Atlântico operando com os Harrier,s! Acho que a MB deve buscar junto a ingleses e americanos unidades do Harrier AV8B ou semelhante para dotar a aviação naval em substituição aos A-4 que não vão a lugar algum. Moderniza as unidades adquiridas com tecnologia Glass cokpit etc.. Sabe-se que temos a opção Russa, Chinesa e ou Coreana. Mas na minha modesta opinião, acho que deveríamos comprar o projeto do Pampa-III e repassa-ló a… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Foxtrot
2 anos atrás

“Mas o mais interessante dessas imagens é ver o Atlântico operando com os Harrier,s!”
.
Cara, aquele ali era o HMS Ark Royal… Não viaja.

Dalton
Dalton
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Pois é…o mesmo “Ark Royal” que foi descomissionado em 2011, mesmo ano que todos
os “Harriers” britânicos foram vendidos como fontes de peças para os AV-8Bs dos
fuzileiros navais dos EUA, então não há mais “Harriers” no Reino Unido.
.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Dalton
2 anos atrás

Fim que teve o Ark Royal na Turquia.
. https://m.youtube.com/watch?v=X2Yh1oJ3M40

FighterBR
FighterBR
Reply to  Foxtrot
2 anos atrás

De novo isso…

Ricardo Da Silva
Ricardo Da Silva
2 anos atrás

Desculpem-me mas não seria melhor começarmos a “pensar” em construir esses meios aqui no Brasil ?

Angelo Chaves
Angelo Chaves
Reply to  Ricardo Da Silva
2 anos atrás

O ideal, mas não é o possível.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
2 anos atrás

Navio de suprimento rápido, com aquele convés de voo para helis é barco que tem condições de ser cruzador auxiliar. Com algum armamento, além do existente serve no nosso caso, de penúria extrema. Acho…Boa hora de comprar, a Rainha está catando moedas para pagar suas encomendas navais e sair da zona do Euro (Brexit). Botamos mais umas fragatas T23 e fechamos a conta.

João Bosco
João Bosco
2 anos atrás

Acho interessante e oportuna a mensagem da RN para a MB sobre a possível desativação deste navio , como diz a reportagem, relativamente novo…… Acho eu que não deveríamos perder essas compras de oportunidade por alguns motivos: 1 . Nem sempre teremos como ter verbas para programas de aquisição de meios navais, pois quando tem , são alvo de cortes orçamentários por menor que seja o problema econômico do país; 2 . Se estiverem em bom estado, e oferecidos por uma Marinha amiga, não seria uma má ideia em adquirir. 3. Essas compras de oportunidade são até interessantes – a… Read more »

A. Assemany
A. Assemany
2 anos atrás

Pronto. Já está no carrinho de compras da MB!
Onde pago?
E por favor, no cartão de credito em 10x s/juros igual nas Casas Bahia, vlzS!
Thanks, see you next time!

A. Assemany
A. Assemany
2 anos atrás

When HMS Bulwark is available, please advise!

Thanks,

Royal Brazilian Navy – Subsidiary! oO

Angelo Chaves
Angelo Chaves
Reply to  A. Assemany
2 anos atrás

Um dia houve uma Imperial Brazilian Navy!

fabio jeffer
fabio jeffer
2 anos atrás

Pelo andar da carruagem é só esperar mais um pouquinho que o Queen Elisabeth será ofertado ao Brasil.

Gilbert
Gilbert
Reply to  fabio jeffer
2 anos atrás

Pois olha, 15 ou 20 anos ainda não teremos começado a construir nosso Nae zero Km e se não pegarmos o Nae francês, virá na horinha certa ou melhor na hora prevista, porque a hora certa de termos um novo Nae era a 5 anos atras.

zanzan_pampa
zanzan_pampa
2 anos atrás

Aos poucos estamos virando Royal Navy de 2 décadas atrás. Excelente compra para a marinha. Dá orgulho um navio desses.

Nilson
Nilson
2 anos atrás

Necessidade existe (quem tem um não tem nenhum), não temos nenhum com a quilha batida, o navio atende e supera as especificações, o equipamento inglês usado tem sido bom para a MB, então, se não comprar, é só porque no hay plata. Ou porque algum iluminado vai dizer que vai arrumar dinheiro para construir um novo no país (de novo essa conversa??).

Rodrigo
Rodrigo
2 anos atrás

Aproveitar e pegar os 2 da classe seria pedir demais?.. os ingleses já tem as Tides novinhas. kkkk

Bardini
Bardini
2 anos atrás

Sobre o LSS italiano, ela está ganhando forma:
https://www.naviearmatori.net/albums/userpics/18890/1524327070.jpg

Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
2 anos atrás
Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Interessante é que os grandes navios da Marina Militare são construídos em duas partes e depois unidos. Com o LSS está sendo assim. Com o Cavour também foi assim:comment image
.
Talvez o novo LHD também seja feito dessa forma.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Alexandre Galante 1 de junho de 2018 at 14:33

É no carnê “a la Ducal”.

Ádson
Ádson
Reply to  Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Cê é velho hein. rsrs

Aerokicker
Aerokicker
2 anos atrás

Se estiver em um bom preço, tem mais é que comprar e manter para suprir a Marinha até a incorporação de um novo, o que deve acontecer somente após 2030.

Marujo
Marujo
2 anos atrás

Compra logo! E manda cobrar do Parente. Não, cobra de outro, porque o de cujos está demissionário

ADRIANO M.
ADRIANO M.
2 anos atrás

Foxtrot 1 de junho de 2018 at 14:24 “os ingleses descobriram um bom lugar para jogar seu ferro velho rsrsr. Mas o mais interessante dessas imagens é ver o Atlântico operando com os Harriers”. De novo essa história de ferro-velho/sucata Foxtrot?! Quem dera a Royal navy oferecesse todo navio de 15 anos que eles quiserem se desfazer,pena que grana para adquirir não temos… Não há sucata,Não há pegadinha inglesa e com certeza não há navio bichado como alguns gostam de dizer. Os ingleses estão trocando sua classe Wave de 196,5 m de comprimento, 31.500 toneladas de deslocamento, pelos modernos Tide,de… Read more »

Wagner
Wagner
2 anos atrás

Poxa, o Oceano, o Bahia e mais esse?!? Capacidade boa de operações de longo alcance.

Tomara que dê certo. Para as missões brasileiras da ONU vai ser ótimo.

Claro, o ideal é construirmos tudo aqui. Mas, o BR é um fracasso moral. Então, vamos comprar o que der. O

Gustavo
Gustavo
2 anos atrás

Que bom! precisamos! O melhor disso é que se o Ocean veio “barato”, esse aí por ser muito mais simples, deve vir em um preço bem acessível para nossa realidade.
Alguém chuta valor?

Lucas Lima
Lucas Lima
2 anos atrás

Porque a Inglaterra considera o Brasil “nação amiga” sendo que somos tão próximos dos Argentinos?
Vender á principal embarcação de guerra ao Brasil e oferecer boas oportunidades de compras militares á nossa Forças Armadas é meio confuso…

1° Ja quase entramos em guerra na questão Christie
2° Na guerra das Malvinas apoiamos á Argentina e vendemos armamento á eles
3° Brasil interceptou e apreendeu um bombardeiro britânico
4° Embarcações militares do Reino Unido é de entrar no Brasil

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Lucas Lima
2 anos atrás

1º Quase e nada é a mesma coisa. Resolvemos pendências de forma pacífica, como da Ilha de Trindade.
2º Se eles quisessem teríamos vendido para eles também. Eles que não quiseram uns Bandeirulhas.
3º Os caras vieram pousar aqui no Brasil. Interceptação “pró-forma”. O avião ficou uns dias e foi embora.
4º ??
5º Os britânicos usaram bases no RS para prestar apoio logístico às Falklands.
6º Na 2ª GM lutamos ao lado deles.

CRSOV
CRSOV
2 anos atrás

Avaliando o conteúdo do texto me parece uma excelente oportunidade a compra desse navio !!

Thom
Thom
2 anos atrás

Espero que seja um valor inferior ao “Ocean”, pois com esse governo que só quer cortar nas pastas, mas o tamanho do estado?!.

Ainda tem mais navios que RN vai descomissionar.
Parabéns Naval.
Melhor portal de defesa do Brasil e da América Latina.

Falta só um canal no youtube. (custada nada escrever) hahahahahahaha

BrunoFN
BrunoFN
2 anos atrás

Oportunidade ja anunciada pelo Luiz Monteiro se eu n me engano , MB tem q correr pra garantir esse NT e futuramente o seu navio irmão tb ,.. num chute esse ”Wave”’ deve nos custar algo em torno de 45 mi de libras ….A Royal Navy ainda n se pronunciou sobre q fim vai dar os 3 Classe River B1 ..o segundo navio da classe deve ir pra reserva agora .. com o terceiro ao fim do ano … bom aproveita

Nilson
Nilson
Reply to  BrunoFN
2 anos atrás

Concordo plenamente, ainda mais porque navio com menos de 20 anos de uso vai ser difícil daqui pra frente. Tem que aproveitar o que existe, depois vai ser osso.

DM Filho
DM Filho
2 anos atrás

Um pacote com 1 Wave e umas 4 Type 23 por um preço camarada não iriam mal não.

Nilson
Nilson
2 anos atrás

Segundo NGB e a matéria acima: – G27 Marajó – 15.111 ton carregado, 137 metros de comprimento (lançado em 1968, desativado em 1996) – G23 Gastão Mota – 10.320 ton carregado, 135 metros de comprimento (único navio tanque em atividade na MB, lançado em 1990) – Wave – 31.500 ton, 196,5 metros, 15 anos de uso. A comparação indica que o Gastão Mota é pequeno, o Wave é enorme, possivelmente abaixo e acima das necessidades, respectivamente. Marajó e Gastão foram construídos no Brasil. Pelas experiências que temos tido acompanhando o Naval, pode-se concluir que Marajó improved casco duplo etc projetado… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Nilson
2 anos atrás

Nilson,
O NT Marajó foi desativado em 2016, não em 1996.

Nilson
Nilson
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Sim, foi uma “voada” daquelas na hora de digitar. Dislexia ou aquele clique de querer ser mais jovem, voltar no tempo… 20 anos a menos não seria nada mal.

Zé
2 anos atrás

Salve a Marinha…digo, salve a Rainha!!
Adquira já!

Ozzy
Ozzy
2 anos atrás

Obrigado, eu vou querer sim. Pode embrulhar e entregar lá no Rio. E aproveita o carreto para mandar umas Type 23 também.

Mk48
Mk48
2 anos atrás

Excelente notícia !

Gostei tanto que se precisar fazer uma vaquinha para completar a grana eu estou dentro !

Juarez
Juarez
2 anos atrás

Duas perguntas:

Porque os Jacks estão dando baixa em dois tanqueiros com tão curto tempo operacional???
Sim, eu sei, mandaram fazer quatro novos na Coreia, mas porque tão rápido?
Um tanqueiro de 30.000 tons, a MB vai ter café no bule para manter e operar este navio?
Sempre lembrando que ter ou comprar não significa poder manter e operar….

_RR_
_RR_
Reply to  Juarez
2 anos atrás

Juarez, É nisso que estou pensando… Por que raios dar baixa em navios tão novos…? Não consigo imaginar que esses vasos, de uma hora para outra, simplesmente deixaram de atender aos requisitos da RN… E supondo que não hajam surpresas com o navio, só posso imaginar uma bela bateção de cabeça no MoD britânico… Supondo que o interesse seja mesmo genuíno e a MB esteja realmente pensando em adquirir um monstro desses, será que os chefes navais já preveem operar com menos escoltas e/ou não ter NAe pelas próximas décadas…? Imagino que só assim, sacrificando combatentes e o NAe, para… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  _RR_
2 anos atrás

“Não consigo imaginar que esses vasos, de uma hora para outra, simplesmente deixaram de atender aos requisitos da RN…” Se não atendem mais os requisitos, não sei. Mas que esses requisitos ficaram maiores devido ao crescimento da tonelagem dos navios que serão abastecidos, eu não tenho dúvida. Os novos navios-aeródromos britânicos precisarão de combustível para sua propulsão e para o grupo aéreo embarcado muito maior do que precisavam, individualmente, os da classe Invincible e o porta-helicópteros Ocean. Os destróieres Tipo 45 são individualmente, muito maiores que os antigos Tipo 42, e as fragatas Tipo 26 que entrarão em serviço nos… Read more »

Baschera
Baschera
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás
IngallsHub
IngallsHub
Reply to  Baschera
2 anos atrás

Folha de São Paulo… se fosse Sputnik teria mais credibilidade. kkk

Baschera
Baschera
Reply to  Baschera
2 anos atrás
Bardini
Bardini
Reply to  Juarez
2 anos atrás

Eles construíram 4 navios de 39.000t para poder dar suporte as operações dos 2 novos Porta Aviões convencionais.
.
Agora eles precisam colocar dinheiro em outro tipo de navio, os “Solid Support Ship”. Não vai ter mais espaço $$$ para os Wave na RN.

Mk48
Mk48
2 anos atrás

Uma pergunta : Esse navio, grande e alto como é, consegue passar por baixo do vão central da Ponte ????

MO
MO
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Tranquilo, e ele não é tão grande assim … totografamos ele aqui em SSZ

MO
MO
Reply to  MO
2 anos atrás

CARAI o Ruler … mundo pequeno né, lembra de nós “Fio” rsssss

nem pensa, COMPRA ….

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Sim…

(O vão livre da ponte é de 72m)

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  MO
2 anos atrás

Fala, MO!
Pois é, passa até embaixo da maquete da ponte imaginária entre Santos e Guarujá!

https://m.oglobo.globo.com/brasil/ponte-estaiada-vai-ligar-santos-guaruja-governo-de-sp-descarta-tunel-3152656

MO
MO
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

rsss e o nao custume com os mercantesm pois em termos de tamanho físico ele não tem bada demasis, mas em termos de Marinhs -´um POWTA vavio !!!!

Ah, algum daquela MANEHZADA” já soltou alguma “PEROLAS” naipe “sucata” ? kkkkkkkkkkkkk

Bardini
Bardini
2 anos atrás

As Type-23 estão virando uma ilusão…
Tudo indica que os equipamentos que estão sendo colocados nesses navios atualmente, vão ser reaproveitados nos novos navios que serão construídos.

Mk48
Mk48
2 anos atrás

Blz !

Augusto
Augusto
2 anos atrás

Fatalmente a Wave-Class vai se aposentar quando os Tide-Class entrarem em serviço. São meios novos, então, que venham os 2, o Knight e o Ruler. Um agora e outro quando estiver disponível. Seria um terço do PROSUPER resolvido. Ficariam faltando as fragatas e os patrulha. Hoje, tudo na Marinha é gargalo, tudo é prioridade. Seria uma grande aquisição.

Edson Parro
Edson Parro
2 anos atrás

Adoro o BREXIT!

Daqui uns vinte anos eles deveriam entrar novamente, só para sair depois.