Home Marinha do Brasil EXCLUSIVO: MB pode vender dois submarinos IKL-209 à Marinha do Peru

EXCLUSIVO: MB pode vender dois submarinos IKL-209 à Marinha do Peru

37168
224
Submarino Tapajó – S33, IKL-209/1400

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Naval

O Comando da Marinha do Brasil (MB) examina vender dois submarinos de ataque IKL-209/1400 (classe “Tupi”) à Marinha de Guerra do Peru.

A informação foi dada pelo próprio Comandante da Força Naval Brasileira, almirante de esquadra Ilques Barbosa Júnior, a companheiros da reserva e a altas patentes da ativa, na manhã da sexta-feira retrasada (12.04), durante a cerimônia comemorativa do 129º aniversário do Corpo de Engenheiros da Marinha.

A solenidade teve lugar no cais ensolarado do Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ), junto ao navio porta-helicópteros Atlântico.

Compareceram, entre outros, o diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, almirante de esquadra Marcos Sampaio Olsen, o diretor Industrial da Força, vice-almirante (EN) Mario Ferreira Botelho, e o presidente da Nuclep (Nuclebrás Equipamentos Pesados S.A.), contra-almirante da reserva Carlos Henrique Silva Seixas – homenageado, na oportunidade, com o diploma “Honra ao Mérito da Engenharia da Marinha”, por sua dedicação ao programa PROSUB de construção dos submarinos classe Riachuelo (Scorpène modificado ou S-BR).

As sondagens dos chefes navais peruanos acerca dos submarinos brasileiros IKL vêm se renovando há mais de um ano, e entraram agora em uma fase mais intensa e detalhista – ainda que, até o momento, a MB não tenha recebido uma solicitação formal das embarcações assinada pela Marina de Guerra del Perú (MGP).

Em 2017 os submarinos brasileiros também despertaram o interesse da Armada Argentina (ARA), mas com o desaparecimento do submarino ARA San Juan – que naufragou em novembro daquele ano, matando 44 tripulantes – os almirantes da nação vizinha arquivaram seus planos de adquirir submarinos de segunda mão.

Em Brasília, além da abordagem feita pela Marinha do Peru, o Comando da Marinha também está informado do interesse que seus IKL despertam em uma Força Naval do Sudeste Asiático que ainda não dispõe de submarinos (e está interessada em constituir uma flotilha de até cinco dessas unidades).

Os chefes navais desse país da Ásia estariam planejando uma visita oficial ao Brasil no meio do ano.

Três submarinos classe “Tupi” navegando em formatura na superfície

Inegociável – Dos cinco navios classe “Tupi” IKL-209/1400 mantidos atualmente pelo Comando da Força de Submarinos na Base Almirante Castro e Silva (RJ), apenas o Tikuna – um 209 de projeto modificado pela Engenharia Naval Brasileira – parece ser inegociável.

Os que, na teoria, se encontram em situação mais favorável para serem exportados são o Timbira e o Tapajó, que aguardam a vez de serem submetidos a um Período de Manutenção Geral (PMG) nas instalações do AMRJ.

O Tamoio já se encontra em manutenção, mas o serviço deverá se estender até o primeiro semestre de 2021.

Todos os submarinos brasileiros são bem mais novos – e consideravelmente mais modernos – que os quatro IKL-209/1200 peruanos – classe “Angamos” –, os melhores submersíveis que a MGP possui.

Declarados operacionais entre 1980 e 1983, os “Angamos” vêm sendo submetidos a um ambicioso mas demorado programa de modernização, que conta com o apoio da empresa ThyssenKrupp Marine Systems (TKMS), fabricante alemã dos navios.

O trabalho inclui, entre outros serviços:

  • o corte do casco (à altura do cone de popa);
  • o reprojeto do compartimento de comando;
  • a modernização da propulsão;
  • overhaul do sistema elétrico (manutenção preventiva e corretiva) com a instalação, nos quatro navios, de 16 conversores estáticos de energia 20KVA/400 Hz e 60Hz;
  • a reforma do sistema de refrigeração; e
  • a atualização do controle de tiro.

A decisão de revitalizá-los foi tomada em 2015, e começou a ser implementada no início de 2017.

O serviço, nos quatro navios, deve durar quase sete anos, e a expectativa é de que, submetidos a essa modernização, cada um deles possa ter o seu horizonte de vida útil estendido por, no mínimo, 15 anos.

Os almirantes peruanos planejam incorporar submarinos de última geração, mas isso somente por volta do ano de 2035.

Submarino peruano BAP Chipana (SS 34), classe “Angamos” IKL-209/1200

Faturamento – O Comando da Marinha de Guerra do Peru quer os IKL brasileiros para substituir os seus dois antiquados IKL-209/1100, classe “Islay”, de 55,9 m de comprimento – 5,3 m menor que o brasileiro classe “Tupi” – e 1.285 toneladas de deslocamento (carregado em mergulho) – 155 toneladas mais leve que a classe “Tupi”.

Os Islay peruanos começaram a navegar na metade inicial da década de 1970, quase 15 anos antes de o submarino Tupi – o primeiro dos IKLs brasileiros – ser lançado ao mar pelo estaleiro alemão HDW. Eles foram reformados no período de 1983-1984, e por volta de 2022-2023 já devem estar descomissionados – o que explica a intensificação dos contatos dos almirantes peruanos com a Marinha do Brasil.

Aos convidados para a festa do Corpo de Engenheiros, o almirante Ilques pareceu bastante disposto a negociar os navios com seus colegas do Peru.

Os valores que poderiam ser pedidos pelos submarinos são mantidos em sigilo, mas um oficial da reserva que trabalha com reparos navais estimou para o Poder Naval que cada IKL-209 tem condições de ser repassado a uma outra marinha por 75-80 milhões de dólares.

Um dos temas em discussão nesse momento é o da possibilidade de os reparos e atualizações que esses navios necessitam serem realizados no AMRJ, o que, claro, aumentaria a rentabilidade do negócio.

Mas a possibilidade desse plano ter sucesso é incerta, porque a Marinha do Peru possui o seu próprio complexo de reparos navais – o SIMA Peru –, no porto de Callao, o mais importante do país.

Seja como for, a renda auferida na operação comercial deverá ser integralmente aplicada no atendimento aos próximos compromissos financeiros do PROSUB.

Submarino Tapajó – S33

224
Deixe um comentário

avatar
77 Comment threads
147 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
115 Comment authors
SampaioSandroJoao Moita JrALEXANDRERossa Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Maurício
Visitante
Maurício

De que servirá o offset oferecido no contrato de compra da MEKO ?

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

pergunta de 80 milhões de dólares

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Por 80 MiliTrumps é um achado pra Marinha do Peru (afinal, fazemos revisão por tempo de uso e não por milhas náuticas navegadas) …. E um prejú imenso pra MB … Quando que o 1o. SBR estará realmente operacional???

2030???? Com todas as especs funcionando? Sem dar pane, curtos-circuitos e etc???? Seguro pra fazer tudo que é esperado deles ….

Lembre-se que os SBR não são Scorpenes de prateleira e nem foram fabricados na matriz.

Luís Henrique
Visitante

Se o submarino precisa de remotorização ao custo de U$ 60 mi, como dito em outra matéira e ainda precisa modernizar os periscópios à um custo desconhecido, como diz outra matéria. Vende-lo por U$ 80 mi, representa uma economia de 80 + 60 + periscópio. Portanto superior a U$ 140 mi.
Os 2 submarinos e temos + U$ 280 mi. Já da para pagar mais de 50% de um SBR novo em folha.
Com a economia de dois PMG + a economia de operação, pessoal, etc. É bem provável que da para adquirir ao menos 1 SBR novo em folha.

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Raciocínio equivocadíssimo … quem disse que se colocarmos mais U$ 100 milhões em cada submarino iremos recuperar 100% do investimento? Conta ai Mister M essa mágica … Dos U$ 100 milhões, vai custo de peças e mão de obra, portanto SE tivermos um lucro será uma mísera porcentagem do investimento. O melhor é te-los os 5 mergulhando nas nossas águas territoriais. Na minha opinião vale investir na atualização e manutenção dos submarinos SIM. E se não servem mais que sejam doados a Escola de Engenharia Naval da MB. E que sejam desmontados e confrontados com os atuais Scorpenes. Sempre temos… Read more »

Renato
Visitante
Renato

A India com todo respeito, mas depois que deixou.o seu poderoso submarino nuclear afundar no cais, eu não posso levar a sério.
Grozelha toda e qualquer forças armadas escorregam no quiabo de vez em quando.
Com a nossa Marinha não iria ser diferente.
Quanto ao elefante branco chamado F-35 o preju gira em torno de $ 1.500.000.000,00 em dolares.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Nossa se cortarmos 30 mil homens da Marinha com um salário médio de 2000 reais mensais em um ano teríamos uns 150 milhões de dólares 💵 economizando em um ano, daria para comprar um submarino a cada 2 anos e ainda assim nossa marinha seria equivalente a do Japão e maior que a da Inglaterra em efetivos 🤡🤡🤡

Dodo
Visitante
Dodo

E aí vai operar os navios ? Dar manutenção aos mesmos ? Atuar na fiscalização de águas interiores e controle de portos ? Não adianta amigo, país grande tem efetivo grande mesmo, so ass pra mandar presença em todos os cantos do território

Munhoz
Visitante
Munhoz

Cria uma guarda costeira !

agora deixar de ter pelo menos uns 10 subs num pais desse tamanho para manter 80 mil militares, fala serio !

é palhaçada, é entreguismo puro !

Enes
Visitante
Enes

Se criar Guarda costeira, cria gastos com outro grande contingente, qual a lógica disso.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Dar manutenção ?

A maninha inglesa tem 33 mil homens !

Wellington
Visitante
Wellington

É o que eu falo Munhoz, reduziria o efetivo da MB para economizar e arrecadar mais dinheiros para a compra de belonaves, mais eles querem é colocar mais gente e manter pensão para filhas e gastos maiores com inativos. Se gasta mais com quadro de inativos e pensionistas do que adquirindo armas. Veja a Suécia tem efetivo menor, orçamento menor mais tem mais armas e melhores armas que o Brasil. Veja a Austrália quase do tamanho com 7,7 milhões de KM2 e o Brasil 8,5, km2 e mesmo assim tem orçamento menor, efetivo menor e mesmo assim tem belonaves melhores… Read more »

Rossa
Visitante
Rossa

Só pra te avisar, se vc é mal informado ou mal intencionado, a pensão pras filhas dos militares já não existe desde o ano 2000. Também eu achava uma aberração nos tempos atuais.

Wellington
Visitante
Wellington

Embora a pensão às filhas de militares mortos tenha sido extinta em 2000, estima-se que até 2060 mulheres — muitas delas casadas e em idade produtiva — continuem recebendo o benefício. A partir de dados fornecidos só no Exército, é possível estimar que a despesa anual continuará próxima a R$ 4 bilhões daqui quatro décadas. Para assegurar o regalia, o militar que já estava nas forças armadas na época da abolição do benefício tem, desde então, a opção de pagar uma contribuição previdenciária de 1,5% a mais. Isso é o suficiente para manter a pensão integral para as herdeiras. O… Read more »

Enes
Visitante
Enes

Conforme tu disseste, pagam para receber portanto não sai da verba para construções ou compras de navios e o uso de hospitais, paga-se mensalmente para poder usar. não é da verba do orçamento, não é no 0800.

Sampaio
Visitante
Sampaio

Enes, o maior orçamento é para pagar pensionistas e inativos, depois o grande efetivo da MB.
Vai comprar e manter as belonaves como ?

Além de construir, tem que fazer a manutenção, fora combustível e estocagem, entre outras coisas.
Além disso, se desconta do contra cheque do militar, mas o valor é pequeno, tendo em vista dos altos valores se fosse pagar em hospitais e clinicas particulares.

Enes
Visitante
Enes

Wellington,meu amigo, Lei que dava pensão para filhas, acabou em salvo erro, dezembro de 1999, pesquise a lei.

francisco
Visitante
francisco

Reveja seus cálculos: $ 1,00 é igual a R$ 3,94, portanto dois mil reais são R$ 507,61 (quinhentos e sete dolares e sessenta e um cents).
30.000 marinheiros x $ 507,61 = $ 15.228.300. Ou seja 15 milhões de dólares e não 150 milhões.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Eu fiz a conta por ano ! errei a conta da 200 milhões com 13º ferias etc

Sandro
Visitante
Sandro

O pessoal que ganha como vc falou 2000 Reais e quem realmente trabalha na MB. O problema e quem ganha mais de 20.000,00 para ficar tomando cafezinho e jogando conversa fora. Como sempre acontece no Brasil quando se fala em cortes, se corta os peão que trabalham em quanto a alta cúpula fica intocável.

marcus
Visitante
marcus

Coloquem mais 2 scorpènes para se juntarem aos 4 que serão produzidos.
Vão ficar livres de submarinos com 30 anos de uso.

Sandro
Visitante
Sandro

O Valor que a MB pensa em pedir é 70.milhões sem modernização. Oque a meu ver se for usado para levantar 140 milhões e investir em melhorias no Tikuna e no Tamoio (que passa por uma manutenção atualmente). Será um ótimo negôcio. Futuramente quem sabe uma segunda compra de mais 4 scorpenes.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Modernizar a Barroso

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Paulo. Excelente sugestão.

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Vender submarinos para comprar mais submarinos , modernizar a Barroso, melhor ficarmos com os tais submarinos . O Brasil deve ter uma frota submarina grande e , não será com oito , dez ou doze submarinos que estaríamos tranquilos , até porque com doze , somente teríamos oito , o Brasil deve procurar ter três dezenas deles no mínimo , porém sabemos que as coisas no Brasil funcionam de forma esquizofrênica , sabe-se da necessidade , porém vive-se na crença que Deus seja brasileiro !

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Eu não concordo, entre 6 e 8 submarinos já é suficiente desde que tenham bons níveis de manutenção e que sejam atualizados e modernizados em tempo útil. Não devem é levar 7 anos em Estaleiro como é referido.
Agora já a questão da venda de dois subamarinos para o Peru, até que concordo. è uma forma de se auto – financiarem, esta é preferivel ás compras em regime de Leasing. Agora o preço, fiquei com a ideia que é um pouco exagerado , quando eles já têm mais de 30 anos.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Com este pensamento 30 mil homens já é mais do que suficiente para operar 8 subs, 8 fragatas e umas 4 corvetas!

Porque tem 80 mil homens?

Só quem é cego que não vê o entreguismo e o cabidão de emprego !

E não me venham com história de manutenção porque nem é o pessoal da marinha que faz !

Enes
Visitante
Enes

Já ouviu falar em logística.

Dodo
Visitante
Dodo

Você que que a marinha tenha 30 submarinos, mais do que países como a China, e a marinha e que é esquizofrênica? Ok. .

Dodo
Visitante
Dodo

A Barroso só tem 11 anos, sua eletrônica já é moderna, se for pra atualizar, que atualize as classe Niterói mais modernas

Jorge Knoll
Visitante

Se não modernizar o Barroso, logo virá alvo para o 3º vôo teste do MASUP

maurojr
Visitante
maurojr

Desculpe o comentário NÃOOO rs

Tutu
Visitante

Já estou me sentindo um britânico, rsrsrs

Munhoz
Visitante
Munhoz

Marinha da Inglaterra conta com apenas 33 mil homens!

A Marinha do Brasil conta com 80 mil homens!

Somos bem mais poderosos 🤡🤡🤡🤡

Gabriel Ferraz
Visitante
Gabriel Ferraz

Só vale a pena se encomendar mais 2 scorpenes, caso contrário não

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Gabriel. Minha opinião é que após os quatro SBR, a MB irá focar os SBN. Tenho a impressão que estes SBR serão os últimos submarinos convencionais da MB. Uma frota de 3 ou 5 SBN terá muito mais capacidade dissuasória do que 9 ou 11 SBR.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Espero profundamente que esteja errado. Submarinos nucleares e convencionais se completam, são armas diferentes com diferentes vantagens e desvantagens. Não somos um país agressor que precisa da totalidade de seus submarinos disponíveis para incursões no outro lado do planeta. Os submarinos convencionais custam bem menos e são mais silenciosos. Uma frota mista é o ideal.

Gabriel Ferraz
Visitante
Gabriel Ferraz

Creio que todo mundo aqui é ver com otimismo a futura situação das nossas FA ,mais caro companheiro eu acho muito difícil termos uma frota somente de nucleares visto primeiramente o custo e segundo que mesmo que a autonomia dos nucleares sejam indiscutivelmente superior ,o número de meios operacionais será menor e já dizia uma velha frase quem tem 2 tem 1 e quem tem 1 não tem nenhum ,então Mesmo que a MB tenha 5 submarinos nucleares ,eu creio que esses 5 não ficarão no mar ,sempre haverá um parado por cortar custos e outro para manutenções preventivas e… Read more »

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

A realidade é que o Brasil conseguir terminar o SBN em andamento, e conseguir operar na plenitude essa única unidade, já será um milagre.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. A MB pretende ter ambos.

Luiz
Visitante
Luiz

5 SBN?! Tratando -se da realidade brasileira você sabe me dizer daqui a quantos anos, talvez décadas, ficarão prontos?

Jorge Knoll
Visitante

Não sei se verei 1 SBN entrar em serviço, pois faz mais de 30 anos que está prometido e resultado é o que se vê, quem sabe 2030. Antes não acredito, pois as coisas na MD andam a moda LESMA, tartaruga seria um elogio.

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Compre uma bela e confortável cadeira do papai , no Brasil , ´primeiro os interesses das **Corporações , depois outra vez as Corporações e depois mais uma vez , talvez lá pela décima vez , os interesses nacionais , sejam levados a sério !
** Corporações : os militares também fazem parte destas Corporações .

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

o Comando da Marinha também está informado do interesse que seus IKL despertam em uma Força Naval do Sudeste Asiático que ainda não dispõe de submarinos´´ Quem seriam? que cada IKL-209 tem condições de ser repassado a uma outra marinha por 75-80 milhões de dólares.´´ É um bom preço de venda para nós? Um dos OFF-SET das Tamandarés não era a modernização dos nossos subs? Esse tipo de coisa deve estar sendo feito a algum tempo, não é algo feito da noite para o dia. Então, mesmo quando os alemães ofereceram essa modernização, a MB já sabia que talvez venderia… Read more »

Valter Sales
Visitante
Valter Sales

Tailândia ou Filipinas

cesar silva
Visitante

filipinas a tailândia comprou submarinos da china o que deixa só as filipinas se submarinos na região

Brunow Basillio
Visitante

A alguns meses atrás a marinha das Filipinas sondou os russos sobre classe Kilo, mas não vida mais noticias sobre isso… Podem ser que agora queiram comprar algum usado, por ser mais barato..

Junior
Visitante
Junior

Tenho quase certeza que são as Filipinas

Vovozao
Visitante
Vovozao

21/04/19 – domingo, bnoite, com o dinheiro da venda destes 2 sub’s a MB poderia fazer a remotorizacao não de 2 sub’s e sim dos 3 restantes; 2 tupy’s e 1 Tijuana, ficaríamos no final dos anos 20 com 7 sub’s convencionais, e, se até lá sair teremos um sub nuclear também. Vamos ver o que acontece.

Wilson Marcos Santos
Visitante

Bom dia.
Salvo engano, o Tikuna já tem a motorização pretendida. Logo, no caso dele, deve ser apenas a manutenção do motor, e não a substituição, o upgrade esperado para apenas duas unidades Tupi.
Aliás, salvo engano, a previsão era de remotorização, com upgrade no padrão do Tikuna, para apenas duas unidades Classe Tupi. Os outros dois permaneceriam com a mesma motorização. Ao que parece, vão vender as duas unidades que não iriam sofrer upgrade.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Não temos condições orçamentárias a primeiro momento de lidar com 9 submarinos, logo, nada mais esperto que repassar os mais antigos. Principalmente se isso facilitar a aquisição de novos scorpene que são IMPERATIVOS caso não queiramos ter jogado dinheiro fora comprando a tal tecnologia.
Ps: 80 milhões? Num submarino antigo? Compramos o PHM por pouco mais e mais novo!

Jucleidiani Jucleideti
Visitante
Jucleidiani Jucleideti

Obs: Meu jovem, 80 milhões de dolares não é 80 milhões de libras esterlinas…

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Com certeza. Hoje 80 dólares dariam 103 libras. Acho que se encaixa no “pouco mais” ehm

Munhoz
Visitante
Munhoz

Simples de resolver, diminua em 20 mil homens o efeito da Marinha que sobra dinheiro para os subs, ainda assim teríamos 10 mil a mais que a Marinha do Japão 🇯🇵

sinto muito por minha sinceridade mas quando um país vim sondar nosso pré sal 🧂 vc manda a banda da marinha para enfrentar!

Não precisa de um estoque de 100 mísseis anti navio, não precisa de subs etc não tem dinheiro!

O que precisa é ter 80 mil militares !

Se uma frota inimiga vier manda eles irem nadando 🏊‍♂️ para enfrentar !

Palhaçada isso 👅👅🤡🤡

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Ótima oportunidade de fazer dinheiro, para ampliar o número de S-BR em operação. Além da mudança na cultura de usar aparelhos até o osso, para aproveitar o restante da vida útil dos meios e sim levantar recursos para o contínuo investimento em novos vetores. O chamado círculo virtuoso!

Bardini
Visitante
Bardini

Fazer dinheiro… Que baita piada.
.
Se for colocar na ponta do lápis, a venda desses submarinos vai se muito, abater o gasto com a compra do Atlântico e Bahia.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Se houver um plano claro para novos escorpenes, abro mão do offset!

Ricardo Santos
Visitante

Correto! De que servirá o offset da TKMS tão aclamado pela mídia? E ao plano tão ambicionado de dispor de até 9 subs? Isso nos deixa com menos 2 vetores de dissuasão de nossa arma submarina! Mas tá tranquilo!!!! Pra quê proteger uma riqueza que não é nossa? Com a palavra os comandantes da MB!

Manuel
Visitante
Manuel

Foi informado que o offset seria para a troca dos motores de 2 submarinos da classe Tupi e não para os 4.
Esta matéria não está em desacordo algum com o que havia sido informado.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

O Offset seria pata a modernização do Tikuna

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

na verdade corveta Barroso errei o nome

Wilson Marcos Santos
Visitante

Salvo engano o Tikuna já tem a motorização pretendida com o Upgrade. Portanto, a remotorização com Upgrade seria em duas unidades Classe Tupi para que estas ficassem com o mesmo padrão do Tikuna. Mais moderno aliás. Além do investimento, ocorre a padronização de meios e manutenção.

Almeida
Visitante
Almeida

Dar mais um contrato pra TKMS não é offset, pelo amordedeus! Parem de chamar isso de offset!

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Olha eu sou contra essa venda, o Almirante tem que se explicar dos motivos de vender uma arma tão poderosa (é unânime entre nós que os subs são armas muito temidas) para o Peru. a não ser que exista por parte da Marinha a compra de mais um subnuc certa.

Ronaldo
Visitante
Ronaldo

Boa Noite Carlos Campos,sou da mesma opinião,nossos mares necessitam de mais subs e não de vender o que temos que faz a proteção das nossas riquezas da nossa Amazônia Azul,na minha modesta opinião eu acho muito pouco subs que a nossa MB possuí deveria ter mais pela extensão dos nossos mares e ainda mais vender para o Peru,só pode estar de brincadeira esse Almirante ele vai ter que prestar esclarecimentos o porque dessa venda desses subs!!!

ALEX TIAGO
Visitante

Temos tão poucos meios de dissuasão até parece que estão sobrando é imprecionante estão se esforçando ao máximo para diminuir os meios operacionais.

J L
Visitante
J L

E mais, na falta de meios de superfície na quantidade necessária, os IKL, estão suprindo essa falta, e com um custo possivelmente menor do que se comprar ou fabricar um meio de superfície

J L
Visitante
J L

Também não concordo com essa venda, pois como diz à matéria, dois dos nossos IKL estão em PMG até 2022, sobram 3, os SBR ainda entraram em testes, o que deve leva pelo menos mais 1 ou 2 anos até entrar no serviço operativo, os demais SBR só DEUS sabe quando estarão operativos. Resumo da ópera temos 3 IKL e daqui a um tempo 1 SBR.

Wilson Marcos Santos
Visitante

Colegas, vamos nos lembrar de uma máxima que sempre é dita por aqui: Ter nem sempre é operar. Vide a Marinha Argentina com o San Juan que, mais moderno que nossos Tupi, por não ter condições seguras de operar, tornou-se um esquife submarino. Talvez seja mais compensador para a marinha, neste momento, investir na padronização de dois Submarinos Classe Tupi, colocando-os no mesmo padrão do Tikuna, e economizar o que seria gasto com a remotorização das quatro unidades. Economiza-se para ter condições de bem operar as três unidades restantes, enquanto se concentram investimentos nos novos SBR. Melhor investir adequadamente nas… Read more »

ALEX TIAGO
Visitante

Não concordo serem mais modernos podem ser maiores, mas modernos não nunca passaram por nenhum tipo de modernização e são mais antigos que nossos tupis.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Para mim, parece, em uma análise superficial, a melhor medida a ser adotada.
Não é lógico acreditar que a Marinha vai aumentar a sua frota de submarinos de “5” para “10”, ainda mais considerando que 1 “deverá” ser nuclear.
Nem vou entrar em detalhes de custo, necessidade de tripulação, etc…
Assim, se a Marinha conseguir passar dos atuais 5 submarinos convencionais para 7 convencionais e 1 nuclear, já seria algo para ser comemorado.

Diego
Visitante
Diego

Com China e EUA com mais de 60 submarinos cada um, considerando a imensidão da costa brasileira, nós com 8 é muito pouco.

Hélio
Visitante
Hélio

Quer comparar as necessidades dos chineses e americanos com a nossa? Os americanos tem 80, mas nenhum é convencional, eu adoraria ter 80 submarinos nucleares, mas mesmo que tivéssemos dinheiro, isso levaria mais de 50 anos.

Material Arquivo
Visitante
Material Arquivo

A Itália atualmente tem 8 submarinos e vai elevar esse número para 10…(mais 4 U212A estão em construção, serão 8 destes e 2 sauro).
A França tem vários, inclusive nuclear
O Reino Unido idem…Rússia e China vários…EUA dezenas…
O Brasil com esse litoral imenso deveria ter uma quantidade de submarinos igual os italianos, no mínimo uns 8 ou talvez, assim como eles, ter 10 submarinos.
O Brasil deveria ter uns 3 submarinos no nordeste, 3 no sudeste e 3 no sul (3 grandes bases navais bem distribuídas)
Nossa marinha de superfície já é terrível, os governos anteriores simplesmente SUCATEARAM, agora querem vender 2 submarinos?

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Material. O orçamento do MinDef é similar aos orçamentos da Austrália e Itália (cerca de US$ 20 bilhões por ano). Talvez sejam as duas marinhas que poderíamos usar como comparação. A Austrália tem 6 submarinos convencionais da mesma classe que deslocam cerca de 3,4 mil ton e entraram em serviço por volta do ano 2000. A Itália tem duas classes de submarinos convencionais que deslocam cerca de 1.8 mil ton. Os quatro mais antigos são da década de 80 e os quatro mais novos têm uma idade similar aos australianos. Nos últimos 20 anos, a MB operou uma frota… Read more »

ALEX TIAGO
Visitante

Bom dia camargoer só corrigindo o tupi tem 30 anos os outros 25 e 23 anos e 20 anos e o ticuna 14 anos em operação.

ALEX TIAGO
Visitante

TikunTikuna

Camargoer
Visitante
Camargoer

Obrigado Alex. Você tem razão quando usa a data de incorporação para calcular a idade dos SCT, incluindo o Tikuna. i

Dalton
Visitante
Dalton

Os 2 próximos “U212” substituirão 2 “Sauros” e os 2 remanescentes serão eventualmente substituídos por outros 2
“212” assim a marinha italiana pretende manter 8 submarinos e
não 10, ao menos conforme foi noticiado ano passado.

Enes
Visitante
Enes

Alem de tudo já citado, quem é que vai querer cursar submarinos sem um bom incentivo, ainda mais depois do sinistro do ARA San Juan, para tripular belonaves velhas e com dificuldades financeiras para manutenção. Sem tripulação, não tem como operar muitos submarinos.

Satirycon
Visitante
Satirycon

Quer dizer, não tem sequer grana para manutenir os vasos que aí estão, a ponto de vender alguns para manter outros (no velho esquema de vender o almoço pra comprar janta), e vão continuar com a falácia do SubNuc?
Até quando vão manter essa mentira de molusco?
Isso ultrapassa a barreira do ridículo.
Acidente Nuclear não é mero evento, é catástrofe.
Esse pessoal devia pedir baixa.

Diego K
Visitante
Diego K

Por isso mesmo, que país no mundo vai querer fazer uma catástrofe(atacar nosso sub nuclear) onde quer explorar petróleo? É um meio de dissuasão formidável.

Sergio Henrique Lima Nobre
Visitante

Diego, não vá na onda destes teóricos da conspiração, ninguém vai invadir o litoral do Rio pra explorar petróleo no fundo do mar…

Os EUA são os únicos que teriam força pra isso, mas colocar este petróleo no mercado diminuiria o lucro das Petrolíferas americanas, ou seja para os milionários americanos da indústria do petróleo querem diminuir e não aumentar a produção…

Esteves
Visitante
Esteves

Lata d’água na cabeça… O alemão venceu a licitação internacional da CCT com um Napip. Venceu porque os offsets ou as compensações na proposta alemã incluiriam a modernização ou ao menos as manutenções com substituição dos motores, dos submarinos brasileiros IKL que não estão operacionais. Todos? Por que o Peru ou qualquer outro país compraria submarinos não operacionais? Com motores sabe-se lá em que estado? Baterias vencidas? Trocar máquinas, substituir baterias, abrir casco? 1 ou 2 ou 3 anos reparando? Entendo alguém comprar carro antigo, muito bom, muito conservado, para ser restaurado e rodar por anos. Não entendo quem compra… Read more »

Bernardo Doria
Visitante
Bernardo Doria

Analisa por outra ótica? Quantos submarinos em bom estado existem no mundo? Porque carro antigo em bom estado em vejo vários, mas submarinos? Adiciona isso ao custo de 80 milhões de dólares, com mais modernizacoes para navegar por pelo menos mais 15 anos. Quanto estamos pagando por um scorpene novo? Mais de 3 bi por vaso (quase 1 bi dolares)? Se o programa está custando mais de 30 bi estou sendo bem otimista. Eles vao durar o que? 40 anos? Estão por cerca de 20% do preço de um novo (compra mais manutencao estimando em 100 milhões) estão levando um… Read more »

Gilbert
Visitante
Gilbert

Boa noite Srs. estou com o Gabriel, o ideal seria adicionar mais SBRs na mesma proporção em que são vendidos os IKLs, isso seria uma grande jogada da MB e feito logo após a venda dos IKLs a nova encomenda, inclusive pode por no pacote o Tikuna mas somente depois da entrada em serviço do 3º SBR, assim até 2030 teríamos 8 novos submarinos, mas seriam aceitáveis nesse primeiro momento a troca dos 5 IKLs por 3 SBRs. Lembrem que a MB tem que renovar a frota de submarinos e escoltas até o fim de 2030 pois após essa data… Read more »

Renato
Visitante
Renato

Sem esquecer da frota de caças Klingons que também chegarão até 2027…

Juarez
Visitante
Juarez

E os cruzadores da frota estelar. Haja Hellmann’s, a verdadeira msionese

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

dificilmente a MB vai conseguir encomendar 2 NAes novos´´
Dificilmente a MB terá grana pra encomendar 1 NaE novo.
Em nome de tudo o que é mais sagrado, esquece esse negócio de NaE pra MB nos próximos 40 anos…

Ricardo Santos
Visitante

Aqui, se dá 1 passo pra frente e 2 passos prá trás! Quando pensávamos que certas medidas austeras e discussões acerca de compensações comerciais nos daria uma vantagem lá na frente, somos surpreendidos pela declaração de que estão em negociações essas mesmas, que irão por água abaixo para termos dinheiro prá pagar compromissos futuros! Se o povo tivesse ido às ruas no passado prá exigir a AUDITORIA DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA não estaríamos passando pela escassez de recursos em TUDO por aqui! Saude, Educação, Segurança Pública e Infraestrutura estariam em outro patamar e talvez estaríamos num patamar como o Chile… Read more »

Frankmt
Visitante
Frankmt

O Chile também já está indo pro saco!

Marcos Paulo Trierweiler Trierweiler
Visitante
Marcos Paulo Trierweiler Trierweiler

Se há capacidade de modernizar os submarinos pq vendê-lo?

Camargoer
Visitante
Camargoer

A MB terá em poucos anos quatro submarinos novos que serão os mais modernos da América do Sul, muito superiores aos “Tupis” mesmo se forem modernizados.

ALEX TIAGO
Visitante

Mas os tupis teriam depois de a motorização e modernizados mais uns 15 a 20 anos de água são muito úteis e são ótimos meios e não estão ultrapassados e lembrem se temos poucos meios para negar o mar a um possível inimigo se estivéssemos com uma marinha forte mas não estamos fico imprecionados com a falta de verba para manutenção desses meios.

J L
Visitante
J L

Se tivermos com os IKL operacionais poderíamos estar fazendo desdobramentos para a região sul e para o nordeste para operarem em patrulha

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Alex. Teriam caso ocorra a modernização. Ou, talvez seja exatamente pela possibilidade dos submarinos ganharem uma sobrevida operacional que tenha despertado o interesse de outras marinhas.

ALEX TIAGO
Visitante

Camargoer eu fico imaginando em contas simples dois desses submarinos, 15 anos cada seria equivalente a uns 30 anos de operação de 1 submarino e sabemos que não teremos mais unidades e se tivéssemos custaria uns 600 a 700 mi de euros ou dólares. muito caro mas estou gostando de ver a diversidade de opiniões. Penso eu na troca dos motores e desativa Los com 45 anos sei que é muito tempo mas acredito que esse equipamento é de ponta até mesmo hoje na região perdem apenas para os escorpenes.

J L
Visitante
J L

Para esses submarinos novos, estarem todos operacionais, bota aí uns 6 à 8 anos. E enquanto isso, patrulha com que ? As escoltas e os SBR não estarão operativos , teremos dado baixa em metade das FCN e pode considerar aí também alguma classe amazonas em manutenção. Demos baixa em metade das CCI as demais não se tem notícias de quando retornam, ou se retornam.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro JL. Os próximos anos serão de transição. Cada um dos SBR entrará em operação com um intervalo de um a dois anos. Os Tupis serão descomissionados paulatinamente também, mais ou menos no mesmo calendário de comissionamento dos SBR.

Rogério Loureiro
Visitante
Rogério Loureiro

Podíamos negociar esses dois IKL como parte de pagamento para uma unidade de navio de desembarque doca (LPD – Landing Platform Dock) da classe “Makassar”.

O que pensam os amigos?

Enes
Visitante
Enes

Para que esse Makassar? quando temos navios que cumprem essa mesma função. Na verdade estamos muito defasados de Escoltas, melhor seria negociar mais Fragatas leves.

Enes
Visitante
Enes

Só que esse dinheiro não daria para nada disso.

Vladmir avellar
Visitante

Com a venda destes dois dá para construirmos o quinto Scorpéne ou um quinto Tamandaré, quem sabe?… Não é verdade?

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Vladmir. Um SBR novo custará cerca de US$ 500 milhões. A venda de dois “Tupis” significa manter uma frota de sete submarinos ao invés de nove, portanto menos custos de operação, menos tripulações, menos custo de treinamento, etc. A entrada em serviço dos SBR deixarão os “Tupis” subutilizados mas exigindo recursos para sua manutenção que poderiam ser empregados nos SBR. Acho que fui um dos primeiros a sugerir a venda de dois Tupis para a Argentina bem antes do acidente do San Juan. O foco da MB deve ser nos SBR e no SBN (e no Tikuna que é… Read more »

Sergio Henrique Lima Nobre
Visitante

Concordo, mas acho melhor vender os 5, encomendando ao menos mais dois Riachuelos…
Padronizamos tudo, facilita treinamento, atualização, manutenção….

J L
Visitante
J L

Se realmente acontecesse isso, a encomenda de mais um SBR, poderíamos até pensar, mas quem garante que esse dinheiro, não vai pro saco sem fundo das despesas.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Se o dinheiro da venda for usado na compra de mais submarinos classe “Riachuelo”, por que não? Seria ótimo para a marinha se livrar desses mais antigos e deixar toda a frota nesse modelo mais novo. Desde que é claro, seja construídos em quantidade suficiente.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Nao da pra comprar um submarino novo com isso

Oliveira
Visitante
Oliveira

E oque sera feito com o dinheiro da venda ?

Davi
Visitante
Davi

Pro bolso do Bonoro

Ricardo Santos
Visitante

E, como se não fosse bastante, 75% do nosso Pré-Sal está sendo entregue nas mãos de grupos estrangeiros! Legal! Irado! Maneiro! Massa! Mara! Parabéns a todos vocês, que tornaram esse triste espetáculo possível! Não adianta ficarmos olhando prá trás, comemorando datas e vitórias passadas em eventos somente para lembrarmos de como fomos mais capazes outrora! Precisamos de mobilização prá mudar todo esse estado de coisas prá não ficarmos na depedência de esmolas ou material usado, que já foram descomissionados ou saíram de linha em seus países e ainda necessitam de modernização para serem usados adequadamente aqui. Quanto a nós, contribuintes,… Read more »

Frankmt
Visitante
Frankmt

Já para as milícias não falta nada. Eles estão com apoio político, jurídico e por que não militar?

Wilson Marcos Santos
Visitante

Militar não. Pelo menos não do Brasil.
Apoio de traidores da nação que preferem enriquecer com o desvio de materiais militares ao invés de proteger o país.

J.Neto
Visitante
J.Neto

Verdade…já deixamos um porto em Cuba e uma refinaria na Bolívia….fora Pasadena que perdemos rios de dinheiro…tem que parar estas estrepolias…

Enes
Visitante
Enes

O povo só quer saber de futebol.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Bom mesmo foi as olimpiadas na cidade maravilhosa, copa do mundo, Pasadena, Metrô de Caracas, Porto em cuba, etc tem mais

Wilson Marcos Santos
Visitante

Engraçado, esta entrega começou com a Presidente Dilma, que entregou boa parte do Pré-Sal para o Chineses. Mas, só falam do outro. Do novo, que em pouco mais de 100 dias “Já entregou todo o país para os amís”. Por favor. Acorde vai. NÃO TEMOS DINHEIRO PARA COMPRAR TUDO NOVO !!!!! Entende isso ou não? Compram-se novos alguns meios, para que tenhamos certa autossuficiência, mas, a maioria dos materiais, que podem ser comprados de prateleira, e, sim, de segunda mão, para para mantermos nossa FFAA, nós o faremos. Como a maioria dos países do mundo o fazem. Ressalte-se, com os… Read more »

TJLopes
Visitante
TJLopes

Vamos vender sim, afinal temos submarinos sobrando e um litoral ínfimo. Boa ideia, parabéns aos envolvidos!

Frankmt
Visitante
Frankmt

Raul Seixas era um profeta. “Vamos alugar ou vender o Brasil”…lembram dessa canção? Na mosca!

teropode
Visitante

opsss digo cósmica kkkkll

TJLopes
Visitante
TJLopes

Os estrangeiros
Eu sei que eles vão gostar
Tem o Atlântico
Tem vista pro mar
A Amazônia
É o jardim do quintal
E o dólar dele
Paga o nosso mingau…

Renato de Mello Machado
Visitante
Renato de Mello Machado

Foi sim.Mas lembre -se que o governo militar, acabou em 1985 e desde então somos governados por civis,e a maioria socialistas de carteirinha.

Sergio Henrique Lima Nobre
Visitante

Não é vender, é trocar!
80 milhões cada um dos 5 subs mais os 30 previstos pra Reforma (3 vasos pois um já foi reformado e o Tikuna não iria ser modernizado tão cedo)podemos juntar do “dinheiro da marinha” uns 500 milhões, o Governo Federal negocia com a França e compra mais 2 Riachuelos, assim ficaríamos com uma frota moderníssima e com os custos de manutenção compatíveis com nosso orçamento.

Cavalli
Visitante
Cavalli

TJLopes

Ínfimo? Você está falando de Cuba ou Venezuela? Pois acho que não conhece geografia e muito menos matemática (localização e extensão). De resto, apenas fico triste em observar que a nossa Marinha, que acabar com ela mesma. A quem interessa nossas FFAA em deterioração? Fica a pergunta…

Cavalli
Visitante
Cavalli

…quer acabar com ela mesma…

Fernando Vieira
Visitante

Ironia, esse conceito esquecido…

JT8D
Visitante
JT8D

Usar ironia no Brasil é perda de tempo. Deviam usar o dinheiro da venda desses subs para um programa nacional de interpretação de texto

J L
Visitante
J L

É isso aí, nosso litoral é só uma praiazinha para tomar conta, com o que tem já tá difícil imaginem como vai ser daqui a 1 ou 2 com metade do que temos atualmente.

Frank Fonseca
Visitante

Creio que seria bem interessante a venda,estamos prestes a receber o primeiro scorpene,bem mais moderno que os IKL, seria uma forma de começar a padronizar a flotilha, na medida que os novos vão chegando os antigos são vendidos ou comissionados.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Olá Frank, Tenho a mesma opinião, além de achar que após os quatro SBR a MB deveria focar exclusivamente nos SBN.

Osvaldo serigy
Visitante
Osvaldo serigy

Bom com essa notícia triste! A explicação mais viável é a falta de dinheiro de manter todos os SUBS em operação ao mesmo tempo na frota da MB. Tantos o antigos como os novos que estão chegando gerarariam um gasto elevado que foge aos padrões da MB.

MF1
Visitante
MF1

Natural. 5 Escorpene, 3 U-209, e no futuro estes 3 virão a ser substituídos por 3 Escorpene novos. Precisamos de 3 submarinos nucleares, 1 é o mesmo que nada, e aumenta os 4 convencionais para 5. 3 nucleares, 5 convencionais, com desativação de todos U-209 no futuro.

Parabellum
Visitante
Parabellum

2 IKL navegando, 1 em PMG. 3 Scorpene navegando, apenas 1 parado em PMG. Seria esta uma configuração muito boa. Sem contar o SunNuc.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Decisão interessante. A Marinha já vai ter 7 excluindo os dois, o que é bem melhor do que os 5 que já temos. Aliás, o ideal seria vender todos os Tupi’s e mandar fazer mais scorpenesBR, mesmo que lentamente(se sair um a cada 5 anos ta excelente já), que seja em menor quantidade(trocar 4 tupis por 2 scorpenes ainda é jogo), pra padronizar, melhorar o nível da força e acima disso aí tudo: manter o know-how, porque de comprar tecnologia pra jogar fora eu já estou de saco mais do que cheio.

Esteves
Visitante
Esteves

Olha…o Roberto Lopes conta histórias. Contou que Itaguaí poderia ser repassada aos franceses. Porque é grande e será pouco utilizada. Subutilizada. Contou que a MB poderia vender os Scorpenes. Monta um e vende o terceiro. O programa com os franceses seria alongado enquanto procuramos interessados nada prováveis nem possíveis já que seríamos iniciantes e entrantes no mercado de construção naval militar. Se a Embraer não está conseguindo vender o KC390 imagino a MB tentando vender submarino. Se. Se os peruanos. Duvido que paguem à vista. Seria parcelado. Quem paga tranca à vista somos nós. Vide São Paulo. Se. Até essa… Read more »

Justiceiro Hroth-Beorht
Visitante
Justiceiro Hroth-Beorht

Com todo respeito e patriotismo, é um comércio entre medingos. Felizmente temos a quem vender nossas sucatas, pra comprar sucatas em melhor estado do Ingleses, Alemães, Italianos. A MB tem que ser melhor armada e ter tratamento diferenciado. A Rússia já tem submarino de 5a. geração. Como a oitava economia do planeta não consegue comprar naves semelhantes. Afinal, é a mais antiga Força, mereceria todo respeito do Governo Federal!

J L
Visitante
J L

Sou à favor de uma redução do contingente ativo. Teríamos o que seria necessário somente para as tripulações dos navios em operação e manter a força de Fuzileiros no tamanho que está. Temos gente de mais em terra fazendo serviços internos.

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Opa Opa Opa … muita calma nessa hora ai … Então vamos cair no canto da Sereia Peruana tocada na flauta de bambu???? Vamos se desfazer de 2 tubaínas alemãs de prateleira sem ter as novas coca-colas francesas feitas aqui no quintal de casa, alteradas das originais sem saber quando as mesmas vão estar operacionais??? É isso mesmo? Vamos trocar 2 fuscas originais com as reformas agendadas na barata pelos Chip Foose Alencar na Baviera antes de receber os dois Citroens-Renaults adulterados? E quando os Citroens-Renaults vão estar 100% – pelo menos o primeiro – operacional? Vão me dizer que… Read more »

J L
Visitante
J L

Perfeito o comentário do Grozelha, é exatamente isso aí.

Top Gun Sea
Visitante
Top Gun Sea

Levando se em conta a possibilidade de ampliação no número de Scorpenes made 100% brasileiro penso que com a venda dos dois IKLs poderia a MB modernizar os outros 3 incluindo o Tikuna. Aí sim valeria a pena.

india-mike
Visitante
india-mike

Senhores, recomendo calma com as notícias. Recentemente tivemos uma enxurrada de relatos sobre a ForS (nenhum confirmado até o momento), entre eles: venda dos S-BR ainda em construção; total inoperabilidade da ForS; modernização dos Tupi como parte da proposta da TKMS pras C(F)CT (e como um dos fatores preponderantes para sua vitória); venda dos Tupi. Compreendo que alguns dos senhores se sintam desconfortáveis com o conflito entre esses rumores, mas no momento não podemos considerá-los como fatos e muito menos como consequências uns dos outros. Não estou dizendo que os rumores estão necessariamente errados, mas lembrem que uma ideia “ventilada”… Read more »

Esteves
Visitante
Esteves

Isso seria o racional. Explica ao Esteves a história que a Thyssen venceu com as Meko porque encaixou offsets para os IKL.

Muita história. Pouco resultado.

A Defesa deveria trabalhar com plano de metas. Só explicam gastos e despesas. Até investimentos são tratados como.

Íamos vender os Scorpenes. Íamos permutar Itaguaí. Agora vamos vender os IKL.

Parece festa de São João. Rojão pra todo lado.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Compartilho o mesmo entendimento!

J L
Visitante
J L

A dúvida é, vai ter acréscimo de encomenda de S-BR ? Pode garantir isso ? Se sim mudo meu pensamento de imediato, mas não creio que isso acontecerá. Como comentado acima, talvez essa venda ainda seja financiada, ou seja não entra nada agora, é verdade que deixamos de gastar, mas também ficamos menos da metade do que tínhamos 10 anos atrás de meios navais. Lembrem-se que pagamos pela tecnologia dos IKL igualmente estamos pagando pelos S-BR

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro JL. Essa pergunta sobre um segundo lote de SBR tem várias respostas, dependendo para quem se pergunta. Minha opinião é que os quatro SBR serão os últimos submarinos convencionais da MB. Depois o foco serão apenas os SBN. Tem muita gente que pensa diferente. Por enquanto é cedo para saber.

Leonel Testa
Visitante
Leonel Testa

Assino embaixo penso da mesma forma

Sergio Henrique Lima Nobre
Visitante

Vende os 5 (S-30 a S-34)por 400 milhões + reformas em nossos estaleiros antes das entregas e encomenda mais Riachuelos.
Assim ficamos com uma única classe de submergíveis.
Aumentando em muito a qualidade de nosso equipamento e facilitando e barateando treinamento, atualização etc…
Padronização muito bem vinda!
A cada Riachuelo entregue enviamos um para o comprador!
O Tikuna é claro seria o último a ser entregue!

Bavarian Lion
Visitante

E assim ficará sem submarinos operacionais

Guizmo
Visitante
Guizmo

Seria o mesmo que a FAB vender seus F5 antes da chegada dos Gripens

Bavarian Lion
Visitante

A diferença é que o “gripen” que ta chegando (sbr, já que estão evitando chama-lo de scorpene, o que deve ser por causa da insubmersibilidade do submarino na malásia) é pior que o F-5 em questão (U-209).

Bardini
Visitante
Bardini

“o que deve ser por causa da insubmersibilidade do submarino na malásia”
.
Blablablablablabalabla….
.
Toma essa Aspirina aqui óh: https://www.youtube.com/watch?v=rSDffapY6zs

Roberto luiz
Visitante

É o cego comprando do aleijado

Delfim
Visitante
Delfim

Se for para vender cada Tupi para cada Scorpene que vier, é um baita negócio.
1 – Se diminui a dualidade logística;
2 – Não deixa de se aumentar o poder submarino pois um Scorpene faz mais que um Tupi.
O que não dá é vender os Tupis antes dos Scorpenes chegarem.
Com a reforma de previdência, enxugamento de pessoal e aumento da verba militar para 2%, pode-se ter até mais de 4 Scorpenes.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Acho que não está atentando para alguns fatores importantes:
Com 2% do PIB nos passaríamos a ter orçamento similar ao da França/Reino Unido(principalmente se o real valorizar de leve)
Não temos NENHUMA margem pra subir meio porcento do PIB em gasto
Jamais faremos reforma de verdade na previdência militar, nem muito menos enxugsremos gastos com pessoal.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

My God, hahahah
E tinha gente aqui no blog comentando da MB ter 10 sub e 1 nuc. hahahah
Parem gente, a MB, o EB, e a FAB não tem grana para esses excessos.
A MB deveria ter no máximo uma fragata e investir e investir em navios para patrulhamento estilo Guarda Costeira.
Temos que esquecer os velhos sonhos de grandeza, e focar no que realmente interessa, PATRULHAMENTO COSTEIRO.
Apenas isso!

Diego
Visitante
Diego

Ridículo. Temos ambições na Amazônia azul e além. Vamos dissuadir com guarda costeira?? Navios de superfície costeira não põe respeito e podem ser destruídos facilmente hoje com apenas 1 míssil. Se tu não sabe o leilão que será feito agora de mais de 100bi é da riqueza dos mares, guarda costeira não protege, uma marinha sim.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

KKK, pelo amor de Deus!
Vamos dissuadir quem???

Diego
Visitante
Diego

Países que sejam contraria a nossa proposta na ONU em aumentar a zona econômica exclusiva, ou que tenham posturas hostis à nossa soberania. Acha que o mundo vai ser pacífico para sempre? Existem vários monastérios para você frequentar. Tempos de paz são tempos de se armar pra guerra. Mesmo que a sociedade se evolua e combine de viver feliz para sempre, sempre haverá um louco por poder e domínio que levará guerras.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Nossa, a lista deve ser enorme então!!!

CB Vicente
Visitante
CB Vicente

Parece que eu ja tava adivinhando isso, a marinha não iria manter de jeito nenhum todos tupys operacionais,eu tava pensando que iriam desativar 2, mas agora que vão vender melhor ainda$$$ fica uma frota enxuta, e arruma dinheiro pra remotorizar os outros 2, muito bem pensado viu.caraca nois ta tão ruim assim não kkkk dando MBT pro Uruguai, vendendo submarinos pro peru kkkk supermini potência militar

Renan
Visitante
Renan

Injustificável Eu nunca venderia uma arma dessas a um país americano ou africano. Vamos usar o exemplo da Inglaterra. Vende ao Brasil pois esta localizado a milhares de km de distância. Nunca as armas vendidas ao Brasil teriam poder dissuasor a Inglaterra. Ou seja o Brasil não irá mover uma força tarefa para atacar a Inglaterra Devido a distância e a qualidade dos meios que possuímos. Mas um submarino a praticamente um vizinho americano ou africano, isso pode ser usado contra o Brasil, seja por espionagem, seja em um hipotético conflito. Venderia ao país asiático, assim teremos alguma certeza que… Read more »

_RR_
Visitante
_RR_

Amigos,

Supondo esta venda sair, o melhor a fazer é aplicar o recurso no desenvolvimento de itens que serão incorporados aos futuros vasos; ou, como o Wellington disse mais acima, iniciar um círculo virtuoso.

E um algo que está realmente precisando sair, no meu entender, é um torpedo pesado nacional, complementado por um tipo ASW a ser levado nas aeronaves dessa categoria. Se dois desses submarinos nos ajudarem a render isso, já vai ser o maior investimento em importância desse início de século depois das próprias ‘Tamandaré’.

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

A priori, não gostaria de vender nenhum deles. Mesmo quando todos os Tupis, Tikuna e SBR estiverem em operação, o numero de 09 deles ainda é muito pouco para nossas necessidades. O IKL-209 ainda dá muito caldo e continua em fabricação mundo afora nas mais variadas versões. Os nossos não tem tantas milhas navegadas e submersas….são bons cascos com bom tempo de sobrevida ainda. Por outro lado, é preciso saber se temos no lapso de tempo esperado, tripulações aptas a ocupar esta quantidade e orçamento para opera-los. Se a matematica nua e fria indicar que não haveria possibilidade, vender duas… Read more »

Renan
Visitante
Renan

Gente é o que a marinha mais tem.
Selecione os mais preguiçoso, os que não tem muita apetidão física e colocar para missões de 6 meses indo a China e voltando.
Ou teremos um marinheiro apto a nós defender, ou teremos um pedido de baixa ou deserção.
Logo iremos resolver o problema de super população na marinha. Muita gente para poucos vasos.

Enes
Visitante
Enes

Curso de submarinistas é para voluntários e não para preguiçosos.

TeoB
Visitante
TeoB

Bom dia, bem meu pensamento é que se vendermos para o Peru até não seria um mal negocio, casando uma pmg/modernização aqui no Brasil nos daria um folego visto que os meios estão na reta final da sua vida e pra deixá-los operacionais a contento consumiria recursos que podem ser melhor aproveitados no prosub. Mas essa historia de vender para um país asiático é um tiro no pé! a China não faz questão nenhuma de que os seus vizinhos se armem, a não ser os seus parceiros, mais isso com armas made China.. e o valor que ganharíamos no negocio… Read more »

Jucleidiani Jucleideti
Visitante
Jucleidiani Jucleideti

Não vale apena vender isso… Vai vender pra que? Esses submarinos estão bons ainda, e podem continuar com manutenção, e ajudar na força dos SBR… Fico sem entender essa marinha, que não passa de guarda costeira, faz 5 submarinos e desfaz de 5, faz 4 fragata e desfaz de 4 ou 5… Essas coisas mais antigas para um país como o nosso, ainda podem ajudar na defesa, fazendo operações conjuntas com as embarcações mais novas e poderosas, fazer numero e ajudar na dissuasão… Não faz nenhum sentido o Brasil vender um equipamento por alguns milhões de dolares para usar em… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Quando há mais de um ano ouvi pela primeira vez esse assunto aqui no Naval (venda de 2 IKL para a Argentina, salvo engano por 100 mi cada um), tive opinião contrária, tanto para não passar segredos estratégicos para um vizinho quanto para manter o sonho de chegarmos a uma frota submarina de respeito. Mas naquela época ainda imaginava que a Marinha tinha um planejamento estratégico verdadeiro, no qual, obviamente, a operatividade dos meios existentes estaria garantida. Hoje tenho convicção de que a Marinha não possui um efetivo e realista planejamento estratégico, possui apenas uma carta de intenções e a… Read more »

A-29
Visitante
A-29

A ideia não me parece ruim, já que eu acho difícil a MB ter dinheiro e pessoal formado suficiente para tocar uma frota de 9 subs na próxima década. A substituição de alguns Tupis por Riachuelos seria muito natural. De fato, a venda de dois Tupis concomitante à entrada em serviço dos Riachuelos manteria o tamanho da frota atual com crescimento para 7 unidades em fins da próxima década. Parece-me excelente negócio. O que não bate aqui é a notícia de que a MB estaria pensando em remotorizar justamente o Timbira e o Tapajó, que o próprio repórter noticiou aqui:… Read more »

Diego K
Visitante
Diego K

Pq a MB não faz um financiamento e coloca mais lenha na fogueira(pessoas e dinheiro) para construir vários SBR para serem vendidos e para serem usados. Os vendidos vão financiando os nossos. Fez o primeiro SBR, deu tudo certo? Sim. Pega o financiamento e vai construindo um monte, sai mais barato. Falta gente empreendedora na MB.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Diego. Operações de crédito do governo federal precisam ser aprovadas pelo Senado e são conduzidas pelo Ministério da Economia. A MB não tem autonomia financeira.

Esteves
Visitante
Esteves

Além. A MB não é estaleiro. Nem empresa. Os Scorpene estão sendo construídos sob licença. Não temos projeto próprio.

Poderia ser usado o modelo das montadoras. Estabelece uma linha de montagem aqui, paga royalties e licenças, vende e/ou exporta. Precisa de volume, escala, encomendas frequentes. Se Ford e GM estão fechando fábricas…

Poderia construir uma jointventure com algum estaleiro nacional. Qual? Qual deles tem capital disponível para isso? Quem financiaria? Quem encomendaria? Como seria competir com estaleiros europeus?

Poderia.

Enes
Visitante
Enes

O perigo é o dinheiro das vendas irem para o governo, ficar preso na burocracia e nunca chegar na MB para construções de navios.(SBR).

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Enes. Os recursos da MB vêm do Estado. As aquisições da MB foram feitas com recursos do Estado. O financiamento para a construção dos submarinos foi dado ao Estado. A MB não é uma organização independente.

Enes
Visitante
Enes

É esse o grande problema.

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Enes. Creio que essa é a “realidade”, não o “problema”. A missão de uma organização militar no Brasil seria defender a sociedade contra ameaças externas, o que justifica sua existência e o seu financiamento. Caso a MB ou outra organização militar se torne autocrática, ela rapidamente entrará em conflito com o Estado até a condição limite de autoproclamar que ela é o Estado, aniquilando qualquer contestação pela violência que lhe é inerente.

FERNANDO
Visitante
FERNANDO

Esqueçam, se vai ser feito uma leilão para prospecção do Pré-Sal, pra que MB, as empresas que ganharem que invistam em segurança.

Luís Henrique
Visitante

Essa matéria pode ter relação com uma outra que dizia que a MB queria remotorizar o Timbira e o Tapajó. O custo seria, segundo a matéria, de U$ 60 mi cada, para que os submarinos possam chegar a década de 30. Tem outra matéria que diz que a TKMS pode ajudar a revitalizar os submarinos como um possível offset pelo contrato das Fragatas Tamandare. Se a MB está com problemas nos submarinos Tupi com os motores e com os periscópios e a substituição dos motores custa U$ 60 mi + um valor desconhecido para modernizar o periscópio. E a MB… Read more »

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Para mim este montante obtido da venda deveria ser empregado na construção de uma nova frota de navios de contra-minagem , ou então em um moderno navio de resgate submarino para tender a força submarina da MB

Leandro
Visitante
Leandro

Na matéria aqui do Poder Naval sobre o relatório da Royal Navy sobre possíveis navios que seriam oferecidos ao Brasil, tem um trecho onde cita o interesse da MB e a intenção em reunir recursos financeiros para a aquisição de 2 Navios Koster de caça-minas da SAAB que foram oferecidos por U$230 milhões aproximadamente.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Vender estes classe Tupy? Será negócio, para quem? A MB não é comércio de navios usados. Vender submarinos alemães de bom projeto e com vida util aproveitável é péssima ideia. Que façamos Scorpenes de exportação. Esse foi um projeto que nasceu assim. Um barco para marinhas pobres e sem recursos para misseis de alto poder de fogo (nucleares). Ou para usar do mesmo eufemismo aplicado aos F-5: modelos de exportação.

Juarez
Visitante
Juarez

E por acaso tu tens a solução para um orçamento de custeio depalperado da MB que não conseguiu manter e operar adequadamente cinco pequenos e simples SUBs diesel elétricos, vai manter nove, sendo que o custo operacional dos Scorpene e muito maior?

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caro Juarez. Acho que você sintetizou o que tenho defendido há algum tempo. Eu não sei avaliar se o custo operacional dos quatro SBR será maior ou similar ao dos cinco “Tupis”, mas tenho certeza que operar 9 submarinos ao invés de 5 será muito mais caro. Portanto, a MB terá que escolher entre desmantelar os Tupis ou vende-los caso alguém tenha interesse de compra-los. Parece conta de padaria, mas faz sentido.