domingo, maio 16, 2021

Saab Naval

Marinha do Brasil recebe 5º caça-bombardeiro AF-1 modernizado pela Embraer

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

No dia 6 de setembro, com a entrega da aeronave modernizada AF-1B N-1013 ao Setor Operativo, foi concluída mais uma fase do contrato de modernização dos AF-1B/C.

A aeronave poderá ser empregada em operações de inteligência ao acompanhar alvos de superfície, uma vez que a N-1013 também apresentou evolução no quesito furtividade, por receber pintura que reduz a identificação visual. Destacam-se algumas funcionalidades do radar EL/M 2032, como os modos de operação: ar-ar, ar-mar, ar-solo e navegação, cuja principal tarefa é detectar e rastrear alvos aéreos e de superfície, além de fornecer a distância ar-solo para o subsistema de pontaria de armas. No modo TWS (Tracking While Scan) podem ser localizados e rastreados automaticamente 64 alvos de superfície ou terrestres simultaneamente e no modo SAR (Synthetic Aperture Radar) é possível fazer o mapeamento terrestre em missões de reconhecimento.

Essas capacidades, aliadas as existentes nos radares 997 Artisan do Porta-Helicópteros Multipropósito “Atlântico”, permitirão o cumprimento de missões de interceptação e ataque, na defesa aérea da Força Naval, com maior eficiência.

O aumento da prontidão, da disponibilidade de aeronaves com sistemas modernos e da segurança dos voos resultam do sucesso do contínuo trabalho em parceria desempenhado pela Marinha do Brasil e a Embraer.

Novo cockpit do AF-1
Novo cockpit do AF-1

Novo radar EL/M 2032 dos AF-1
Novo radar EL/M 2032 dos AF-1

FONTE: Marinha do Brasil / FOTOS: Samuel Barros Pysklyvicz

NOTA DO EDITOR: As fotos do post foram feitas na ALA 2, em Anápolis – GO. São as primeiras imagens do avião feitas após a entrega. O AF-1B participou do desfile aéreo no Dia da Independência.

- Advertisement -

235 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
235 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

Bom…se é isso o que tem pra hoje, então que pelo menos o “isso” seja um meio modernizado…
Além do mais, um A4 modernizado, pra América Latina, ainda tem muito valor.
A Argentina deve ver uns A4 modernizado como esse e ficar de água na boca.

leonidas

Ou seja nao tem valor nenhum… rs
Obs: desculpe a acidez mais AL não serve de parâmetro pra nada quando o assunto é equipamento militar de ponta…

Space Jockey

exato leonidas.

Willber Rodrigues

O que me deixa p*to não é a modernização do vetor em sí, e sim terem modernizado só meia dúzia de caças ( e 1 deles ter se acidentado e nunca mais achado ) e não terem nenhum missil anti-navio ou ar-ar, coisa que até os argentinos tinham a 30 anos atrás.

Guizmo

Exatamente. Trocentos alvos identificados pra que? O mínimo era a MB ter integrado um ASM…..absurdo….

p m

o uso de um missel antinavio seria a única justificativa para manter essa unidade funcionando. Lamentável.

MMerlin

Eu acredito que a MB tinha um sonho. E este sonho era a projeção de poder com o São Paulo, armado com A4 e navegado pelo Atlântico Sul, sozinho ou, quem sabe, com uma ou duas escoltas. A integração ou compra de armamentos viria depois.
Com os problemas inesperados do SP, este sonho teve que ser arquivado temporariamente.
O que vemos sendo entregue agora é o mínimo para que o contrato não fosse cancelado.

Rafael Coimbra

Mas o Brasil esta a onde? Europa? nosso parâmetro tem que ser sim a AL… não temos meios nem necessidade de se comparar a outra região senão a nossa!

Mauricio R.

Angola do outro lado do Atlântico, o oceano não o navio, opera Su-30K ex-Índia, reformados para o padrão SM.
E os caras lá não são exatamente burrinhos, a experiência de combate deles é bem mais recente que a nossa.
Uma galinha carijó até pode ser valente, somente até perceber a sombra do gavião.
A ave de rapina, não o projeto de protótipo de drone.

Space Jockey

Cara, são mais de 5.000Km de Angola até aqui, acho que somente um bombardeiro estratégico cobriria isso, algo que eles não possuem. Quanto a experiencia de guerra eles tem muito mais que nós na arena aérea, nos combates com a AS.

MARCELO LUCAS DE MESQUITA

Não escolhemos com quem lutamos!!!!.Até em relação AL não estamos bem.

Mauro Cambuquira

Quando as surpresas acontecem, muitas vezes não sabemos quem nos ofereceu. Fique atento.

Ricardo Milanez

Leônidas, você mora aonde? Para que ter o custo de armamento de ponta, se o seu vizinho ainda usa o estilingue?

Se nós vivêssemos sob ameaça constante que nem Israel, até eu entendo mas felizmente não é o caso.

Salim

Ricardo, gastamos igual ou mais em dólares que Israel, e triste.

MMerlin

Na verdade, nosso orçamento é 80% maior.
Seu contingente é um 1/3 do nosso.
Isto mostrar que Israel possui um conjunto humano mais presente que nossas FA’s levando em consideração o tamanho do seu território.
E isto mostra também que são mais eficientes na gestão administrativa e orçamentária.

leonidas

Entendo, quer dizer então que potencias estrangeiras como França, Inglaterra, China, Russia e Estados Unidos estão tão longe, mas tão longe que não poderiam alcançar nosso mar territorial e nem nossas fronteiras, por certamente se encontram a milhões de anos luz de nós né?
Sinceramente ter que ler um raciocínio desse é osso…

Leandro Costa

Vou te falar que o estilingue dos nossos vizinhos acerta mais longe que o nosso.

Alfredo RCS

Ricardo, o que deve ser nossa bussola no que diz respeito aos armamentos das FFAA não é poder de nossos vizinhos, mas sim o tamanho de nossas riquezas.

Cristiano de Aquino Campos

Verdade, sinto pena dos países da região. Espera, o Brasil fica na america do sulz certo?

Cristiano de Aquino Campos

Leonidas, ai cabe a pergunta, com qual país e mais provavel o Brasil ter problemas militares, um paía que faz fronteira com a gente ou um do outro lado no oceano ou do mundo?

leonidas

Me nego a responder esse tipo de pergunta… kkkk

Space Jockey

de longe

Jonas Silberstein

“Um povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”. (Edmund Burke). https://www.naval.com.br/blog/2016/01/28/a-guerra-da-lagosta-e-suas-licoes/ http://www.ibdmar.org/2018/11/guerra-do-atum-pesqueiro-brasileiro-e-atacado-por-navio-chines/ https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2018/11/23/navio-pesqueiro-potiguar-e-atacado-por-embarcacao-chinesa-e-a-guerra-do-atum-diz-sindicato-da-pesca-do-rn.ghtml Se você por ventura for um alienado, não vejo problema! Eu lhe respeito e até aprecio o show, me diverte ler essas bobagens aqui… O problema é alguns outros lerem, acreditarem e até concordarem. Pior, alguém com a responsabilidade de pensar a defesa e defender o nosso território pensar igual. Já aconteceu antes, desde 1500 acontece, dou como certo acontecer novamente. O Brasil é o País com a maior riqueza natural do mundo. Não é de hoje que países vizinhos e distantes atravessam… Read more »

Top Gun Sea

Estamos aguardando agora o primeiro pouso de reconhecimento dos A4 modernizados no PA SP e o primeiro pouso noturno no aeródromo também Sao Paulo. Só falta chegar os KC-2 Turbo Trader modernizados para completar. kkkk. Vai ser interessante e hilário essa ociosa ala aérea, tão ociosa que já tem A4 marítimo modernizado em Goiás🤦‍♂️. A MB é uma comédia.

leonidas

Verdade! Passamos tipo + de 10 anos para comprar um número miserável de aparelhos e ainda não modernizamos “todos” eles, quem ouve ou lê o termo TODOS pensa que são pelo menos uns 35 caças e 12 Tracker…rs Mas depois que tudo isso estiver pronto, teremos em 2020 uma ala aérea s/ porta avioes, s/ a menor capacidade de uso em combate pois não a quantidade existente mal permite um esquadrão só para manter doutrina, e a cereja do bolo é que a US Navy tinha esquadrões desse naype a coisa de 50 e poucos anos atras. Nosso futuro é… Read more »

sergio ribamar ferreira

Concordo com o Sr.leonidas “túnel do Tempo”kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Joao Moita Jr

Ah, é? Tenho muita preocupação pelo pobre piloto naval que será submetido aos riscos de voar em uma máquina tão velha. Essa buginganga deveria estar em um museu, e representa mais risco ao piloto doque a um eventual inimigo.

Dalton

Por essa mesma moeda João, pobres pilotos que voam o B-52 H.

leonidas

O pessoal que voa no B 52 H esta inserido em outro contexto colega. Pertencem a uma força que dispões de caças em números suficiente para garantir sua escolta e mesmo assim ele jamais seria usado em um espaço aéreo negado por sistemas avançados. Nesta hipótese ele seria uma plataforma para lançamento de misseis a uma distancia segura e devidamente escoltado. Já os nossos A 4 (todos os 6, ou cinco?rs) não teria amparo de nenhuma escolta e também não poderia se defender de caças de alta performance como atacar de forma eficiente um espaço aéreo devidamente negado, então a… Read more »

Dalton

Leonidas, o João referiu-se apenas ao fato do A-4 ser “velho” e o
B-52H é ainda mais “velho” que os A-4s que foram adquiridos do
Kuwait, portanto pela lógica dele ambas as aeronaves não mais deveriam estar voando.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr

Exatamente o que quiz dizer, Leônidas. Só que você se expressa muito melhor. Eu entendo que a MB precisa de alguns aparelhos para pelo menos manter alguma doutrina, mas sendo assim será que não teria sido melhor adquirir 3, ou 4 F-18 ou F-16 novos em folha e quentinhos da fábrica , ao invés de toda essa novela sem fim para “modernizar” um punhado de velhos A-4??? Será que realmente não havia possibilidade financeira de fazer essa compra muitíssimo mais inteligente???
Nunca vou entender o Brasil.

Abs

Dalton

João… . no fim da década de 1990 um único “Super Hornet” valia o equivalente aos 23 A-4s, 18 em condições de voo, que foram adquiridos, portanto, adquirir 4 “Super Hornets” significaria algo em torno de 300 milhões de dólares ! . Não faria sentido adquirir apenas 4 aeronaves de alto desempenho como um “Super Hornet” , caras de manter, que exigiriam uma logística e treinamento igualmente caros, e apresentando baixa disponibilidade . A ideia por trás de 23 A-4s, era ter alguns sendo utilizados, outros sendo modernizados, outros servindo como fontes de peças e um que seria e foi… Read more »

Gustavo

Fato, o problema é que o pessoal não sabe a luta que foi para a MB voltar a operar asas fixa, principalmente caças… se perder a doutrina, talvez eles não voltem a operar caças tão cedo. Então é melhor sim, ter um meio modernizado, que tem sua BOA utilidade pro nosso cenário sul-americano do que não ter nada e não voltar a ter em um longo prazo. Ainda que sem uma perspectiva de ter um NAe novamente.
O único ponto negativo foram o baixo número de aeronaves destinadas a modernização, deveriam ser ao menos 13.

Rodrigo

Termos porta aviões é delírio para nosso país…vamos focar em ter meios de superfície decente para nossa situação não precisamos projetar poder . Precisamos somente de capacidade de dissuasão.

Leandro Costa

Pequena correção ‘TWS (Track WHILE Scan)’ E como diabos vão fazer interceptação para a frota com ajuda do Artisan se não tem mais de onde decolarem se a esquadra estiver além do alcance dos Skyhawks baseados em terra? Eu não me importo de a MB ter modernizado os Skyhawk. Me importo com a MB tentando estilingar um monte de balela para o público à respeito do uso, agora ainda mais limitado, desses aviões. Que digam que vão manter doutrina, que vão poder manter proficiência de vôo até que uma aeronave mais moderna os substitua. Mas executar missões de interceptação, ataque… Read more »

Bardini

É a maldita mania de contar vantagem com o civil pintado de cinza, vulgo PHM Atlântida… Atlântida pq vem de uma realidade paralela, onde ele é grande porcaria e até ASW é capaz de fazer! E o ARTISAN 3D é mágico… Tornou a terra plana e proporcionou a capacidade de abrir portais, e é por meio destes portais que surgem os Skyhawk.
.
Sempre com essa palhaçada de Artisan isso, Artisan aquilo. Pobre que comprou um resto de rico e fica contando vantagem pq o carro tem vidro elétrico nas 4 portas. É de dar ânsia…

Leandro Costa

Pô, lembro-me da Marinha Alemã operando Tornados armados com Kormoran para ataques de interdição ao Báltico ou mesmo Mar do Norte. Se a Marinha quer aviões, sem problema. Ninguém disse que não pode ter. Podem muito bem operar Gripens E/F à partir de São Pedro D’Aldeia ou desdobrados por bases da FAB ao longo da costa. Sem problema. Por mim podem usar seus próprios meios de transporte e patrulha também, operando da costa. Tá ótimo também.

De onde vão achar orçamento para isso aí é outro papo.

Mas seria pedir demais que não insultassem a inteligência do público, pelo menos?

Juarez

Leandro, boa noite.

A continuidade deste contrato mesa pátria assinado pelo imperador de seus miquinhos amestrados e a cara do “Brasil Puthenfia”, e só não foi cancelado por duas razões:

1 Contrato Leonino aonde a multa e igual ou superior ao valor do contrato .
2. Se cancelassem o contrato cairia no colo do TCU e da CGU e provavelmente teríamos alguns homens de branco no xilindro hoje.
Para o teu saber, o imperador pagou 95% do contrato antes de receber as aeronaves .
Ganha um churrasco que advinhar o porquê.

Leandro Costa

Fala Juarez, boa tarde.

E vamos viver a mesma coisa com a chegada dos Traders…

E nem quero tentar adivinhar o por que. Acabei de almoçar. Pega mal hehehehe

Matheus

Toma um chá amigo, tá bravinho?

Bardini

Se tu gosta de ser enrolado com papo furado, o problema é seu…

Leandro Costa

Prefiro café.

Nessas e outras que aquela frase ‘Ignorância é uma bênção’ se faz bastante presente.

Adriano Luchiari

Perfeito, sem NAe não tem como projetá-los. E como não teremos outro NAe antes de pelo menos 30 anos, ter um esquadrão só para manter doutrina me parece despropositado…

Leandro Costa

Eu concordo Adriano. Mas teria sido bem mais palatável do que embalarem essa balela e a jogarem para cima de nós, né? Pelo menos poderíamos imaginar que estariam mantendo doutrinas de ataque naval para que, quem sabe, um punhado de Gripens fosse adquirido pela MB com esse propósito. Alguém precisa avisar à esse pessoal que não é vergonha nenhuma não ter Navio Aeródromo, e que a própria MB tinha uma aviação bastante ativa na época em que nem se sonhava que Navios-Aeródromo serviam para qualquer coisa que não fosse reconhecimento para a esquadra. Acho inclusive que essa fixação começou na… Read more »

Peter nine nine

Se nada mudar, nem dentro de 30 anos Adriano…

Fernando Turatti

Quando alguém questionar a ineficiência do setor público, mandem pra pessoa essa notícia, talvez junto com os nossos maravilhosos Turbo Traders… Aí depois enviem a notícia da desativação do NAe.
Isso aqui a gente deveria incendiar e salgar pra nunca mais crescer nem mato.

Thiago Aiani

Não é a ” ineficiência do público ” , é a ineficiência do sistema Brasil ” , porque se procurar por aí vai achar ótimos exemplos de política e administração pública e até admiráveis parcerias entre setor público e privado . Esse ai é o custo do jeitinho brasileiro…infelizmente.

Rodrigo

Setor público e eficiência não podem estar junto na mesma sentença

Leandro Costa

Olha, hoje eu fiz uma ligação para uma instituição pública para tirar uma dúvida. Uma simples dúvida. Estava preparado para minha ligação ser transferida de um lugar para o outro, ou que simplesmente não tivessem qualquer informação à dar que já não estivesse em algum portal altamente complicado de se navegar e me surpreendi de não apenas ser bem atendido, como se prontificaram à responder meus questionamentos em maiores detalhes e me ajudarem via email, etc. Fiquei bastante surpreso. Já trabalhei em estatal como terceirizado. Tem muita coisa mesmo que é repugnante, geralmente nos altos escalões, e tem muito funcionário… Read more »

Peter nine nine

Você quer privatizar serviços públicos….?

alexandre

Compra logo 30 SH 18 pra defesa naval duas bases , uma no RJ e outra em Natal..

Bardini

zzzzzzzzzzzzz….

Souto.

o avião AF-1 N 1001 ja concluiu os reparos na embraer?

André Bueno

Melhor, então, comprar uma determinada quantidade de Gripen E/F e dedicar-se a ataque naval.

Ricardo Azevedo

Gripen preparado para ataque naval ( Radar e mísseis ) , baseados na costa com capacidade de reabastecimento é a melhor defesa que o Brasil pode ter. Um Porta Aviões e lindo mas seria alvo prioritário para os Submarinos inimigos. Caro e ineficaz. Dispersos por pequenos bases na costa , incluindo estradas seriam muito mais eficazes.

Space Jockey

Isso a FAB pode fazer, por que diabos dá-los a MB ??!!

Leandro Costa

Space, talvez por uma questão de otimização. Enquanto que a MB foca em ataque naval, a FAB foca no resto todo. Claro que treinamento conjunto é sempre válido para fazer número em caso de necessidade. Mas ataque naval não é exatamente uma coisa simples de se cumprir.

Na minha opinião pessoal, tanto FAB quanto MB deveriam ter seus estoques recheados de mísseis anti-navio, mas a minha opinião não é o que vale hehehehe

india-mike

Porque a FAB já comunicou à MB que não vai mais fazer essas missões.

Se algum dia a MB conseguir operar 8 Gripens E, idênticos aos da FAB, com manutenção e treinamento compartilhado entre as forças e com a única adição de um míssil anti-navio já estaria fantástico. Qualquer coisa além disso me parece completamente impossível nos próximos 20 anos pelo menos.

Adriano Luchiari

Eu creio que os Gripen da FAB deveriam ser responsáveis por interceptação e ataque em todo o espaço aéreo nacional, inclusive sobre nosso mar territorial e ZEE. À MB caberia a aviação de patrulha e ASW.

Nilson

A FAB é totalmente inapetente em ataque ar-mar. Só quer saber de superioridade aérea. Tanto que não comprou mísseis anti-navio para os Gripen, e nem vai fazê-lo. Ou seja, melhor a Marinha ter um esquadrão anti-navio, senão nunca o teremos.

Mauricio R.

Os P-3 tem uns poucos mísseis anti-navio.

Wilson

Depende muito da situação.
Se a operação for dentro das águas brasileiras concordo com você, mas se for em alto mar um Porta Aviões seria melhor pois daria um tempo de resposta menor e maior tempo na área de ação para as aeronaves.

Leandro Costa

Porta-aviões inclusive dariam uma série de vantagens em relação à isso, MAS… a realidade nua e crua é que não temos como operar porta-aviões. Não temos nem como defender um porta-helicópteros. Não temos força de superfície que funcione em combate. Não temos nem ao menos uma quantidade crível de submarinos que esteja pronta para se fazer ao mar em caso de emergência neste momento. Então, para a nossa situação atual, um porta-aviões é como se fosse a Enterprise NCC-1701-E nas intenções de aquisição de uma sociedade na era do bronze. Não apenas não dá. Mas não dá meeeeeeesmo. Nem em… Read more »

Daniel Silva

KKKK
Bem por aí.
E ainda cita justo a 1701-E (classe Sovereign), nem a modesta “1701 da classe Constitution pré modernização?

Márcio

Precisamos de novos caças,novos sub marinos,portas aviões,tanques novos,missil de cruzeiro,bateria ante missio aéreo,enfim precisamos de reforma Marinha,fab,exercito,e arma e dar instruções de uso ao povo de bem Brasileiro,vergonha não é ser Brasileiro vergonha é ter a soberania do País sucateada.

Leandro Costa

Isso não tem nada a ver com soberania. Isso é MANUTENÇÃO da soberania. Soberania se exerce de diversas formas, e a parte militar é apenas uma delas, coisa que os sucessivos governos federais teimam em tornar difícil. E te digo que os militares brasileiros sabem muito bem disso.

Leandro Costa

É para aumentar o contraste, mesmo achando que a Constitution (Refit) e a classe Excelsior são as mais belas à viajarem pela Galáxia hehehehe

Carvalho2008

Não, não, não.

Absolutamente não!!!!

A mais linda e a classe Galaxy!!!

Uma perfeita naja interestelar!!!

Leandro Costa

Carvalho, a Galaxy também é linda (e sinceramente gosto ainda mais da classe Nebula. Lembra quando ela faz aquele zoom na camera ao final de Generations? Uhhh lá lá! Que tetéia! Hehehehe)

Mas ainda acho que a Galaxy não chega ao nível de uma Constitution Refit 😛

sergio ribamar ferreira

Sr. Leandro Costa. apoiado Era do bronze foi o máximo.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Rir muito para não chorar de vergonha.

Adriano Madureira

Acho mais vantajoso investir em radares OTH na nossa costa para nossa defesa…

Space Jockey

zzzzzzzzzz..

leonidas

Beleza depois de milhares de anos para modernizar um número RIDÍCULO de aeronaves, a Marinha já pode colocar eles para decolar do Santos Dumont…

Space Jockey

Credo, me dá tristeza isso, vende isso pra Argentina duma vez e usa o dinheiro na manutenção das escoltas ou subs, joga uma pá de cal definitiva nessa idéia, já passou da hora de criar juízo.

Eduardo

Exatamente, se é pra lançar de terra que se lancem os Gripens.

Elton

o A4 modernizado para fazer apenas ataque naval com sistemas otimizados para lançamento de misseis antinavio ate dava de aceitar mas esse papo de defesa aerea e missoes de escolta fica parecendo oficial falando na cara de pau para civil que uma .50 no tripe manuseada nas pressas e capaz de abater caças.

Eduardo

Quantos AF´s serão modernizados afinal?

Pergunto só para saber se ainda vão torrar mais do dinheiro do contribuinte…

Ricardo Barbosa

Se precisar um vetor de ataque hoje, é o meio mais moderno que temos no Brasil. O Radar é melhor que o dos F-5 e AMX modernizados.

Salim

E isto mesmo, precisa só testar se ficou a contento a modernização. Infelizmente náo tem armamento designado. No acidente que vitimou piloto e avião,estavam treinando passagem baixa para ataque naval com bombas comuns. Seculo 21 e isso ai.

Eduardo

Com bomba comum, na prática, não serve pra nada. A não ser torrar dinheiro.

Souto.

Serão 7 A-4 modernizados sendo que um caiu ,então restarão 6 modernizados no final.

leonidas

Nossa será que tem piloto para tudo isso de aeronaves? aviões d+++ sô…

Eduardo

Muito obrigado.

Seguindo o ditado “uma andorinha não faz verão” eis que:
Em tempos de paz só torram dinheiro. Em guerra 7 aviões ou 6, a depender da disponibilidade, mal armados, é suicídio. Talvez nem decolem.

Ricardo Bigliazzi

A torcida é para entreguem o que deles é esperado e deixe a tropa treinada para as principais missões.

Segue o jogo.

Gabriel

Fato é que para a realidade da América Latina o AF-1M é adequado. Uma pena que não foram contatados 12 modernizados.

Igualmente para o A-1M, mais do que adequado para a realidade da América Latina. Uma pena que não serão 24 modernizados.

O mesmo vale para o F-5M. Uma pena que os “jordanianos” não foram todos modernizados.

Até ser possível “saltos maiores”, como com a chegada do Gripen E, é o que se tem.

Mas me divirto com os lamentos “aim porque não são SH, aim queria SU-24, aim só lança bomba burra”…kkkkk

Torama

Acho que vc se refere ao SU-34 Fullback, não?
Su-24 Fencer dos anos 70 não muda muita coisa no nosso cenário…

FERNANDO

Putz, a MB, vai usar estes até o bagaço.

Sincero Brasileiro da Silva

Esse vovozão ai vai chegar ao 100 anos… Triste Brasil onde nossa Forças Armadas não são levadas a sério por nossos governantes e por parte da população! Aqui novela, futebol e carnaval é mais importante!!!

Renan

Descordou de você meu amigo. O governo vem fazendo sua parte o valor de defesa vem crescendo ano a ano. Saímos de 60 bilhões a dez anos e tamos em 102 bilhões ano passado. A população faz sua parte de pagar o imposto para permitir este gasto que é superior a 178 países do planeta. Portanto dos 3 atores deste problema 2 cumprem seu papel. A população paga e o governo transfere o dinheiro. Mas o terceiro ator os militares responsável pelo gasto consciente dos recursos. A estes sim não levam a sério se apropriando de 90% dos recursos para… Read more »

Taso

A idéia é boa, mas não é um estadista que vai resolver, por que para reduzir o número de políticos tem um problema… os políticos que decidem, os benefícios tem o mesmo problema, os políticos decidem os seus, o judiciário os deles, os militares em parte também, funcionários públicos, cada esfera o seu.

A questão é que não tem um único salvador da pátria, tem que haver um consenso geral dos 3 poderes, todos juntos no mesmo ideal… ou seja, JAMAIS, aí é cada um com seu interesse.

Complicado…

Vitor

O que me surpreende é que não há certificação de armamento inteligente.
Entendo que o Simulador e o sistema da Aeronave permita treinamento e simulação do lançamento dos mesmos porem, o quão independetes somos nós para em caso de necessidade ?

Se compramos o RBS-15 como Arma naval pro Gripen, eventualmente poderíamos Adaptar ao AF-1 ? Ou o Harpoon dos P-3? Ou Exocet Mar – Mar?

Leandro Costa

Acho que o Harpoon funciona, mas não tenho certeza. Seria bom dar uma verificada nisso. Estaria num momento de bom de ter esse tipo de coisa integrada, mas poderia simplesmente ser custoso demais para valer à pena.

Bruno Magalhaes

Leandro,

Se não me engano Harpoon só poderia ser disparado do centerline do A-4. Não sei se efetivamente fora certificado para uso em combate e não creio que os nossos tenham sido também.
Att,

Leandro Costa

Obrigado, Bruno

Vitor

Alias, fica uma duvida. Foi comprado o RBS-15 como Arma para o gripen E/F?

Nilson

Não.

Foxtrot

òtima notícia, ficou top, a pintura, os displays e computadores de bordo etc. Acho que a MB já deveria ir estudando um substituto para os A4, uma boa opção seria o Tejas naval que recentemente realizou com sucesso o pouso com ganchos em um aeródromo. Aquisição e montagem local por empresa ou conglomerado de empresas nacionais de umas 24 unidades seria ótimo, até ter verbas para comprar um CDF (Caça de Defesa de Frota) “puro sangue”. E o principal, até ter verbas ( e principalmente planejamento financeiro e de longo prazo) para ter NAes para essas aeronaves operarem embarcadas. Parabéns… Read more »

Bardini

Tejas naval na MB… chega ser bizonho.

Foxtrot

Vindo de você, é de se esperar esse comentário.
Se não for Europeu ocidental ou norte americano tudo será bisonho para você.
Está fazendo jus ao carimbo em seu passaporte e fila do Green card caro Bardine.

Leandro Costa

Foxtrot, o caso com o Tejas é o fato de que os próprios indianos tem o nariz torcido com a aeronave, as inúmeras controvérsias em relação ao seu desenvolvimento e uma das últimas notícias que li, e acho que foi aqui no PN mesmo, diz que o Tejas Naval não produz a potência que fora prevista para ele. Pelo menos não ainda. Então até o momento, o que se desenha para o Tejas é um atoleiro na qual apenas os indianos não podem sair, mas que ninguém mais precisa entrar, pelo menos não até a aeronave demonstrar ser confiável e… Read more »

Willber Rodrigues

Já eu, ficaria feliz se a MB fizesse com competência o básico, o arroz com feijão ( navios patrulhas de 500 toneladas e navios de patrulha oceânicos em boa quantidade ), que tivesse uma força de submarinos decente e que simplesmente esquecesse essa palhaçada de NaE e caças embarcados pelos próximos 30 anos.

sergio ribamar ferreira

Concordo com o Sr. Willber. Muitos comentaristas já se posicionaram a respeito. Porém a mega, super MB deve ter outros planos… Fico pensando nos praças e oficiais que se dedicam por anos e que com o passar do tempo se frustram com a precariedade e desmantelamento da Força. E fico pasmo de ver uma parte do almirantado tão incompetente.

Carvalho2008

Mestre Foxtrot,

O Tejas apesar de pequeno, provável não tenha preço e manutenção barata.

Ele antes de ser um produto comercial, foi um projeto de desenvolvimentos e tecnologia nacional, buscavam no início 100% de nacionalização e assim, custo e preço não são o seu forte. O próprio Gripen é visto lá como um risco de aquisição que pode enterrar os blocos posteriores do Tejas. Melhor o Gripen mesmo ou ainda depois deste, uns SH de segunda mão.

Foxtrot

Olhando por essa ótica concordo com o senhor mestre Carvalho2008.
Essa é a diferença entre alguém que tem conhecimento e argumentos para demonstrar sua opinião de alguém que não sabe nada e vive falando asneiras sem embasamento técnico algum, como certo comentarista que não convém mencionar.
Cordial abraço!

Nilson

A meu ver, o melhor caminho seria a MB, daqui uns 10 anos, substituir os 6 A-4 por 6 Gripen NG. Manter um mini esquadrão especializado em ataque naval e apoio aos fuzileiros. Manteria a comunalidade com a FAB, seria um novo pedido de Gripen, criaria uma efetiva capacidade de ataque anti-navio. Sem pensar em aviação embarcada, se a compra de 6 Gripen é um sonho distante, imagine um porta-aviões…

Corcel

Pra que o Gripen naval saia do papel precisaria de muito investimento,talvez se a Suécia,Brasil e Índia investissem nessa ideia…
Mas o Brasil demorou 10 anos pra comprar trinta e poucos caças então a não ser que os planetas e estrelas se alinhem vai ser essas tranqueiras voando por muitos anos.

india-mike

Caro Corcel, o que eu e outros colegas defendem é que a MB adquira um pequeno lote de Gripen E, idênticos ao da FAB e os opere de terra.

Não é o ideal, mas se um dia a MB conseguir essa façanha já será para se comemorar e muito.

Financiar o desenvolvimento de uma versão naval do Gripen e obter um porta aviões Catobar para operá-lo (ou na verdade qualquer outro arranjo que inclua um NAe no meio) me parece realmente fora de qualquer possibilidade.

Carvalho2008

Mas o proposta do Mestre Nilson não é o Sea Gripen. É o Gripen NG padrão da Fábrica mesmo. Para operar do continente ele não precisa ser nasalizado. O Sea Gripen hoje em dia, só sai se a Índia fizer este opção para seus Nae. É uma opção razoável para eles pois o bichano poderia operar em qualquer modelo que eles possuem, quer seja nos Stobar ou catobar

Eduardo

Para apoio aos fuzileiros em terra o Super Tucano dá conta do recado. Tá em casa a solução…

Antunes Neto

Concordo com o Eduardo e com o Carvalho. Se tem o A4, mantém na ativa até onde der. Treina toque e arremetida quando puder com a marinha americana e francesa, manda um ou outro piloto de treinamento com essas marinhas. . Em um primeiro momento futuro a Marinha poderia assumir de 6 a 10 A29 da FAB (ou talvez um lote novo e específico). . Em um segundo momento num esperado terceiro lote de F-39 da FAB, deslocaria ou acrescentaria 8 pra MB. Aqui de uma tacada só a marinha ficaria responsável pela defesa aérea de suas bases no rio… Read more »

rocha

Bem pessoal se é o que temos….. , creio que esses aviões teriam um pêso melhor se ficassem lotados em fernando de noronha.junto com um pelotão de fuzileiros, uma bateria astro e um sistema antiaereo. Sei que fernando é uma zona ecológica.mas não deixa de ser um portão de entrada da nossa amazonia azul. Quem sabe os subs IKl poderiam patrulhar as aguas do norte e nordeste, em vez de trocar por qualquer coisa. È procurar usar o que se tem de maneira prática.

Fernando

Super tucano tunado

FERNANDO

hahahah
Super Tucano perto disso ai, e caviar!!

Jhon

Muito bonita a pintura! A4M tem um valor muito importante para a MB

Flanker

O painel que aparece na segunda foto, hoje está em algum ponto do fundo do Atlântico, na costa do RJ, pois é o painel do N-1011, acidentado com perda total e morte do piloto há alguns anos.

Colombelli

Ja que estão ai pelo menos armem com alguma coisa. Eu sou a favor de MB ter asa fixa a jato epecialuzada em ataque antinavio e operada de solo. Alguns misseis AA ia bem pra ajudarem na cobertura aerea e não é um fim de mundo comprar e respondendo a uma indagação feita: sim ele podetia disparar o harpoon e o gabriel.
Com revo da uma boa pernada e pra AL ainda vale alguma coisa.

Flanker

Concordo, Colombelli! Muitos, inclusive eu, podemos questionar a modernização desse vetor e dos KC-2 Trader. Porém, eles estão aí, logo, devem ser usados da melhor maneira possível. Se a ideia é manter doutrina, que sejam adquiridas umas duas dúzias de Python 5, que forneceriam uma capacidade ar-ar de autodefesa, uma dúzia de Derby, para uma capacidade BVR e umas duas dúzias de AGM-65 Maverick, que forneceriam capacidade de ataque , inclusive antinavio. O míssil norte-americano possui, segundo a Wikipedia, valor em torno de 200 mil dólares por unidade. Complementaria o armamento com foguetes Skyfire, da Avibrás e bombas burras, mesmo.… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

Flanker,
Para parte do armamento que você mencionou, basta (conforme a disponibilidade) utilizar mísseis do estoque da FAB, pois desde 2014 há um acordo desta com a MB para permuta de itens bélicos – espero que ainda esteja valendo. É uma via de mão dupla: enquanto os jatos da Marinha podem empregar mísseis do estoque da FAB, por exemplo, os P-3AM da FAB podem empregar torpedos antissubmarino da MB.

Quanto ao Maverick, considero uma boa ideia.

Fernando "Nunão" De Martini
Flanker

Exato, Nunão. Tinha esquecido disso. Melhor ainda. O custo seria ainda menor. Torna-se mais factível….basta que haja um pouco de boa vontade das partes e um pouquinho de malabarismo orçamentário, que isso pode ser concretizado.
Com a entrada em serviço dos Gripen na FAB, provavelmente sobrem alguns Derby e Python 4 que poderão ser repassados para propriedade da MB.

Bosco

Salvo engano o único Maverick em fabricação hoje é a versão “E2”, guiada por laser semi-ativo. O Maverick antinavio versão “F” (guiado por imagem térmica) foi descontinuado. O Maverick “E2” pode ser usado contra alvos em movimento (navios) mas exige que a aeronave leve um pod designador e se mantenha no circuito até o impacto e o alcance do laser contra navios não passa de uns 15 km. Ajuda, mas não seria ideal. Ao meu ver o ideal seria uma arma OTH “fire and forguet”, como por exemplo o Penguin (já usado pela marinha). Um AF-1 com um penguin na… Read more »

Bosco

E já que estamos viajando na maionese missilística, outra boa opção seria integrar o míssil Marte 2A (40 km) ou Marte ERP (100 km) . São mísseis guiados por radar ativo e com o mesmo peso de um Penguin.

Bosco

O míssil Maverick é um mito no mundo militar mas tinha uma característica não muito louvável e que nunca foi corrigida que era a necessidade de trancar no alvo ainda no trilho, o chamado modo LOBL (trancamento antes do lançamento) . Isso reduzia seu alcance prático para o alcance de resolução de seu seeker (que não passava de 12 km) portanto, seu alcance cinético máximo teórica de 40 km jamais foi atingido. Houve algumas tentativas de resolver o “problema” com a adoção de unidades inerciais avançadas, introdução de GPS, data link e algorítimos adequados para aquisição autônoma de alvos de… Read more »

Mauro

Vocês sabem que nenhum míssil foi integrado nessa modernização. E não haverá um “upgrade” da modernização.

Guizmo

Concordo com o Colombelli. O que me deixa p….com essa notícia é a não integração de mísseis anti-navio. Não me incomoda ser o A-4, vetor antigo etc, mas a falta de visão estratégica que é sempre respaldada na velha ladainha de falta de recursos. Para passar 35 anos desenvolvendo sub nuclear tem, para manter 80 mil militares tem.

Alfa BR

Alguma coisa do tipo já seria válido.
comment image

Flanker

Sim! Tornaria os AF-1M úteis. Na foto vemos 2 Sidewinder AIM-9L e 2 AGM-65 Maverick. A aeronave é um A-4 da New Zealand Air Force. Essas aeronaves foram retiradas de serviço logo após serem modernizadas, pois a Nova Zelândia decidiu manter em sua Força Aérea apenas aeronaves de transporte e patrulha marítima, desativando suas aeronaves de caça.

Bardini

Isso é o que venho falando… Compra Maverick que é sucesso. Multiemprego. Vai bater estrutura, blindado, barco em um rio ou no mar, navio e etc…
.
Os Kahu eram excelentes e ainda estão dando um baita calda pela Draken. Mas aqui… “é sucata”.

Adriano Madureira

Asa fixa como a marinha russa Colombelli 🤔🇷🇺❓
O su-34 é um caça usado somente pela força aérea ou pela marinha russa❓

Pavan

Aí eu pergunto… Se é pra manter a doutrina somente, pois não temos a mínima idéia de quando teremos um porta aviões novamente,por que não tentou adquirir alguns F-18 e manteve a doutrina com eles ?? Aí modernizaram 6A4 sem nenhuma condição de responder a um ataque pois não tem mísseis integrados… Sinceramente eu não entendo o porquê temos que sempre estar nivelados por baixo !!

Bardini

Pq se for Super Hornet novo, com o que foi gasto nessa modernização, tu não compra sequer um caça americano.
.
Pq se for Hornet usado, vai estar mais quebrado que arroz de terceira e TAMBÉM demandaria modernização

Peter nine nine

Pavan, é pura estupidez, não é falta de recursos, é falta de visão, é falta de realismo, de visão própria, falta de inovação dentro do círculo militar, querem imitar os outros (americanos e franceses) a toda a hora e acabam a parecer tropa, em certos aspectos, do tempo do Vietname e, até nisso, sem sucesso.

Furagelo.

Falta o Porta-Aviões.

Entusiasta Militar

Enfim, acho ótima essa noticia, um caça muito bom para o cenário sul-americano onde vivemos (e espero que nunca combateremos) mas acho que a MB poderia ter feito um pouco mais para dota-los de misseis Ar-Ar e Ar-solo.

E bater o pezinho e/ou Xingar a marinha. eo almirantado nao resolve

Sonhar em comprar nos próximos 10 anos o Gripen ou Sea-Gripen ou um caça Russo como alguns disseram na realidade econômica atual é so isso mesmo, um sonho.

Celsoskl

Nossas forças armadas são o maior parque de diversões do mundo. Pra eles. Deviam privatizar a marinha pro Beto Carrero. Pelo menos seriam as crianças que brincaram com armas de brinquedo….

Corcel

Agora só falta embarca-los no atlântico e decolar na vertical pra alegria de alguns “entusiastas” aí.

Luiz Floriano Alves

No Viet Nam os Skyhawks utilizaram bombas inteligentes do tipo Bullpup. Porém não integrar ASM e AAM é inaceitável para um avião de “ataque” Naval. E não se diga que são os melhores na AL., a Argentina conta com os Super Etandart que são vetores navais por excelência (ainda).

Amadeu Neto

Os canhões de 20 mm, foram removidos ou apenas estão cobertos por essa proteção preta abaixo das entradas de ar?

Flanker

O canhão se mantém.

jucleidiane jucleidetti

Isso é ótimo, sim, mas, ainda não entendo por que a marinha ainda não estudou a possibilidade de usar também o A-29 no mar, e futuramente em um porta aviões leve sem catapultas… Coloca um porta aviões leve com uns 50 A-29 e mais uns 50 gripens em bases na costa e pronto… Na minha opinião o Brasil não precisa de porta aviões com catapulta, o custo de operação e manutenção é alto, e se a missão é só defesa, os A-29 poderiam fazer o papel de ataque a navios mais eficiente ao de um porta helicópteros, pois leva mais… Read more »

Dalton

Seria necessário primeiro desenvolver uma versão naval do “A-29” e alguém teria que pagar pelo projeto e a aeronave resultante seria mais reforçada, pesada e cara. . Se teria então uma aeronave semelhante ao “Skyraider” utilizada pela US Navy na década de 1950 a bordo de seus NAes, uma aeronave que tornou-se anacrônica já na década seguinte. . E o “Skyraider” necessitava de catapulta, que aliás não é apenas importante para ajudar na decolagem, mas permitir que uma aeronave decole com capacidade máxima de combustível e armas e também de uma distância mais curta pois o espaço no convés de… Read more »

Leandro Costa

Acho que a MB poderia sim utilizar Super Tucanos. Acho até que deveria usar Super Tucanos.

Em terra. Para treinamento e apoio de fogo ao CFN.

Mas não devem ter orçamento para isso. E se tem, que utilizem esse orçamento para a aquisição de mais navios patrulha. Tem que priorizar em algum momento.

Space Jockey

Apoio de fogo pra quêm camarada ?!? Me diga por favor: onde diabos o CFN vai desembarcar em caso de guerra ?!?? Me trace um cenário por favor. Se o Brasil é um país estritamente defensivo.

Leandro Costa

Space, se projeta poder para onde quiser, até mesmo dentro do próprio território em caso de necessidade. Temos um CFN por algum motivo, né? Mas mesmo em operações de ajuda humanitária existe a necessidade de segurança operacional porque o Mundo não é um mar de flores. Se existe a necessidade de helicópteros armados providenciando proteção (overwatch) sobre a força de fuzileiros da esquadra, então existe necessidade de aeronave de ataque/CAS. Existe algum esquadrão da FAB especializado, ou que pelo menos treine CAS para o EB ou CFN? Acho que no máximo temos interdição com os A-1 e A-29 e CAS… Read more »

Space Jockey

Uma força tarefa de uma coalizão invadindo nosso litoral, depois de adquirida a superioridade aérea sobre o mesmo – esse é o único cenário de ameaça REAL, vamos sair de qual base naval e desembarcar como e onde se não temos cobertura aérea ??!! No caso do desembarque ocorrer como voar os STs com os céus patrulhados por caças inimigos ??

Leandro Costa

Err… esse é seu cenário de ameaça REAL? Uma FT inimiga desembarcando no Brasil?

E assim… qual seria o objetivo dessa FT naval? De qual país ou países?

Space Jockey

Esse é o mais real possível. Se não for pelo mar somente sobra um de nossos vizinhos pelo oeste na fronteira seca, e nenhum deles tem condições de sustentar uma guerra contra nós, então é sim pelo mar uma invasão. E tem mais: uma invasão por uma coalizão muito provavelmente ocidental, pois Rússia e China dificilmente fariam isso pelo simples fato daqui ser zona de influencia dos EUA, fora o fato de estarmos no mesmo continente. O objetivo seria o mesmo de todos os invasores ao longo dos milênios. Mas responda você também, qual o cenário de ameaça que vc… Read more »

Leandro Costa

Falou, falou, falou e não respondeu nada. Qual o objetivo de todos os invasores ao longo dos milênios? Faça o favor de elucidar-nos todos. Aproveite e diga-nos como uma FT combinada estrangeira e ocidental desembarcaria e tomaria esse objetivo, seja lá qual for. Aproveita aí e me chuta mais ou menos o custo que uma empreitada dessas deve custar.

Space Jockey

Objetivo – tomar isso aqui tudo e dividir depois entre os integrantes se valendo de crises ambientais climáticas e humanitárias atuando como polícia ambiental, isso somente vai estar maduro daqui a umas décadas. Mas se vc não acredita porque defende FAs ? Se acredita em algum ainda não respondeu quais são os cenários de ameaça futuros que possam ensejar o uso das FAs ? A história foi cruel com quem não se preparou.

Leandro Costa

Tomou seu chá de cogumelo, com certeza hehehehehe Tomar ‘isso aqui tudo’ LOL! Pô, sério, eu estava falando sério e não algo que é virtualmente impossível de se fazer. Nem nós brasileiros conseguimos tomar isso aqui tudo ainda e dividir entre nós mesmos de maneira que esse país funcione. Você noção de quanto custa alguma coisa assim? Ok, mesmo se custos não fossem o problema (e acredite, são), você tem algum tipo de noção, ou pelo menos já parou para pensar por mais ou menos meio segundo acerca de quanta gente, entre militares e civis seriam necessários para ‘invadir isso… Read more »

Space Jockey

Hahaha, mais um que acha que eles repetiriam um novo Vietnam.

Leandro Costa

Se está falando de si mesmo, eu concordo. Já que no cenário louco que você expôs não há um objetivo político claro em horizonte previsível 😛 Se está se referindo à mim, você de quebra está se referindo à boa parte das FFAA do Brasil, já que esse cenário que expus foi bastante estudado, inclusive em jogos de guerra por escolas de comando e estado maior exatamente por ser um cenário verossímil. 😉 Mas achei que seu comentário seria mais ou menos isso que comentou mesmo. Algo sem pé nem cabeça de alguém que simplesmente não sabe do que está… Read more »

Marcos Cooper

se existe o CFN,se faz necessário apoio aéreo.

carvalho2008

Mestre Jucleidiane, O ST ainda tem muitas caracteristicas realmente não exploradas e eu tinha esperanças de realmente os EUA compra-los massivamente e espremer o bichano. Mas veja que o ST apesar de pequeno corre uma boa pista e não é um avião de decolagem curta, soma-se a isto trem de pouso, readequar que o avião embarcado deve ser capaz de rotineiramente aguentar quedas de 5 a 6 G´s (aquela porrada que ele dá no conves quando pousa);;;;noves fora, seria outro avião novo para ser embarcado e daí, mais valeria então uma vez que se gaste, fazer algo mais encorpado…. Mas… Read more »

DOUGLAS TARGINO

Muito importante a Marinha manter pelo menos seis aeronave atualizada e o resto deixar na reserva. Os pilotos precisam voar em algo até chegar alguma coisa mais atualizada.

Mauro

Teremos duas gerações de pilotos que “manterão a doutrina” e se aposentarão antes de produzir qualquer contribuição operacional para nossa defesa.

Sincero Brasileiro da Silva

Avião bom para colocar no museu! Já deu! Compre F-18 para a Marinha! Dinheiro tem, é só utilizar a verba de gabinete dos deputados e senadores! Tenho certeza que patriotas do jeito que eles são não irão fazer objeção!

Renan

Os militares irão receber 4,7 bilhões de aumento pode usar está verba também.

Thiago Aiani

Eu sinceramente não sou tão benevolente e compreensivo como muitos colegas quando alegam ser adequado e ” bom para nosso cenario” ou “para a realidade sulamericana”. Não lidamos apenas com essa realidade, o Brasil tem a lidar com interesses de potências bem maiores que já estão por aqui. O sujeito que quer ser um atleta profissional não vai ficar competindo e comparando-se com o garoto asmático e dizer que é bom para sua realidade. Não, não é . Estamos quase no 2020 em um mundo globalizado onde acontecimentos na Ásia ou Oriente Médio muitas vezes tem mais repercussão na nossa… Read more »

Dalton

Thiago…
.
mesmo aqueles “benevolentes e compreensivos” aqui, gostariam que as forças armadas fossem muito mais capazes, mas, a realidade do país não se coaduna
com grandes investimentos na área militar e receio que contra “potências bem maiores” isso exigiria um investimento ainda muito maior, provavelmente,
no campo de mísseis de longo alcance e ogivas atômicas, algo como, terminar a casa antes de cuidar dela.
abs

Thiago Aiani

Dalton entendo que ( apesar de ser MUITO favorável ao desenvolvimento de um arsenal nuclear nacional ) que perdemos o bonde e não o vejo como prioridade, ágora devemos esperar a oportunidade, uma escalada de tensão, uma ameaça que justifique perante os cidadãos/sociedade/ classe política enfrentar e suportar a retaliação internacional. Fazer agora iria criar uma escalada de tensão não só com os vizinhos mas também com as ditas potências. E infelizmente não somo preparados para lidar com esse tipo de cenário. Nenhum país / estado seria louco de usar o próprio arsenal abrindo assim a caixa de pandora. Creio… Read more »

Dalton

Thiago, talvez seja ignorância e/ou ingenuidade minha, mas, acredito sim que falte recursos para a defesa, quando boa parte da população nem mesmo tem saneamento básico e para uma verdadeira dissuasão, ao menos para quem prevê que o Brasil será alvo de cobiça por parte do resto do mundo. só armas atômicas mesmo. . Exemplos como a Turquia apenas confirmam que o grau de percepção de ameaça é importante para se alavancar a indústria de defesa, basta ver onde a Turquia está inserida geopoliticamente e embora investir em defesa resulte ganhos em outras áreas não é fácil competir com quem… Read more »

Thiago Aiani

Dalton, a ausência de saneamento básico não a vejo como falta de recursos ( posso está errado) mas como descaso, falta de interesse e corrupção . Faço um pequeno e pontual exemplo no caso da aviação : são Paulo é cidade que no mundo possui a maior frotá de helicópteros tanto que possui um controle de tráfego aéreo exclusivo para helicópteros. UM mercado com potencial excelente que uma liderança atenta e preparada deveria ter usado a favor do desenvolvimento do país. Só isso por si justificaria um investimento em um projeto dual militar e civil como foi o bandeirante. Mas… Read more »