Home Estratégia Relembrando o PAEMB – Plano de Articulação e Equipamento da Marinha do...

Relembrando o PAEMB – Plano de Articulação e Equipamento da Marinha do Brasil

5492
177
Concepção feita pela DCNS (atual Naval Group) para o futuro navio-aeródromo brasileiro
Concepção feita pela DCNS (atual Naval Group) para o futuro navio-aeródromo brasileiro

O Poder Naval trouxe com exclusividade, em 2011, o planejamento para obtenção de meios navais e aeronavais da Marinha do Brasil para o período de 2011/2031

Com o desenvolvimento da Estratégia Nacional de Defesa (END), a Marinha do Brasil (MB) foi encarregada de informar ao Ministério da Defesa os meios necessários para cumprir de maneira satisfatória suas atribuições dentro da END.

Além de informar os meios necessários, a MB precisava informar como pretendia obter tais meios e qual seria a articulação com a indústria nacional. Surgiu assim o Plano de Articulação e Equipamento da Marinha do Brasil – PAEMB (antigo PEAMB).

Os números contidos no PAEMB são os desejavéis, contudo, números muito difíceis de serem alcançados nas próximas décadas.

Por esta razão, no final de 2010, a Marinha do Brasil estabeleceu um planejamento para obtenção de meios navais e aeronavais para o período de 2011/2031.

No planejamento previsto no PAEMB, a Marinha do Brasil implantará na Região Norte/Nordeste uma Segunda Esquadra, porém, no período compreendido entre 2011 e 2031 isso ainda não deve ocorrer.

Porta-aviões e Aviação Naval

NAe São Paulo e NAeL Minas Gerais
NAe São Paulo na chegada ao Brasil em 2001, recebido pelo NAeL Minas Gerais

Dos dois navios-aeródromo previstos no PAEMB, a MB deve iniciar a construção da primeira unidade em 2015, e sua incorporação ocorrerá em 2025, substituindo o NAe São Paulo.

Este navio terá deslocamento entre 50.000 e 60.000 toneladas. Terá aparelhos de parada para pouso e duas catapultas para decolagem de aeronaves. Uma segunda unidade poderá ser construída a partir de 2031.

A MB já contratou 8 unidades do C-1 Trader para missões de COD/AAR. Essas unidades deverão ser entregues a partir de 2012.

No momento, a MB está finalizando a aquisição de 4 S-2G Tracker que serão transformados em aeronaves AEW. Um segundo lote de 4 S-2G deverá ser contratado ainda nesta década.

Dois anos após a Força Aérea Brasileira (FAB) decidir qual será seu avião de caça/ataque, a MB irá contratar 24 unidades do mesmo modelo para operar no futuro NAe.

Um segundo e um terceiro lote de 4 helicópteros Sea Hawk devem ser contratados até 2031.

Dos 16 Super Cougar que serão entregues, 8 serão exclusivos para transporte e 8 serão usados em missões de ataque, armados com mísseis AM-39 Block 2.

Navios de propósitos múltiplos (NPM)

A classe "Mistral" francesa é forte candidata para os navios de propósitos múltiplos pretendidos pela Marinha do Brasil
A classe “Mistral” francesa é forte candidata para os navios de propósitos múltiplos pretendidos pela Marinha do Brasil

Dos 4 navios de propósitos múltiplos (NPM) previstos no PAEMB, Os dois primeiros começam a ser obtidos a partir de 2012.

A primeira unidade será incorporada em 2020 e a segunda em 2024. Esses meios terão deslocamento entre 20.000 e 25.000 toneladas.

Serão dotados de doca e substituirão todos os Navios Desembarque Doca (NDD) e Navios de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) em operação atualmente.

Escoltas

Fragatas FREMM italianas

Dos 30 navios-escolta previstos no PAEMB, os 5 primeiros, com 6.000 toneladas de deslocamento, devem ser contratadas até 2013.

A primeira unidade começará a ser construída um ano após a assinatura do contrato e demorará 6 anos para ser concluída.

Esse lote inicial terá capacidade antissubmarino, antissuperfície e antiaérea de ponto, serão designadas como escoltas de emprego geral (EG).

No segundo lote de 5 unidades, está previsto que 4 possuam capacidade de defesa de área, com mísseis de médio e longo alcance.

Os 10 primeiros escoltas devem ser incorporadas até 2031.

Navios-Patrulha

Dos 12 Navios-Patrulha Oceânicos (NPaOc) de 1.800 toneladas previstos no PAEMB, os 4 primeiros devem ser anunciados ainda em 2011 e sua construção deve ser iniciada em 2012.

A primeira unidade deve ser incorporada em 2015. As demais a cada dois anos. Um segundo lote, também de 4 navios deve ser contratado e incorporado antes de 2031.

Dos 46 navios de patrulha da Classe “Macaé” (500t) previstos no PAEMB, 2 já foram construídos, 4 estão em construção.

Um segundo lote de 6 unidades deve ser contratado até 2015.

Um terceiro lote, também de 6 unidades deverá ser contratado na década de 20. Totalizando, assim, 18 unidades até 2031.

Submarinos

Dos 15 submarinos de propulsão diesel-elétrica (S-BR) previstos no PAEMB, 4 já foram contratados. O primeiro já está em construção na França. Estes serão incorporados em 2017, 2018, 2020 e 2021.

Em 2021, o primeiro submarino da Classe “Tupi” será desincorporado.

Um segundo lote de 4 S-BR será contratado para ir substituindo os submarinos da classe “Tupi” e o “Tikuna”. Desse modo, pode-se concluir que a MB pretende, a partir de 2020, manter sempre 8 submarinos de proculsão diesel-elétrica em operação.

Dos 6 submarinos de propulsão nuclear (SN-BR) previstos no PAEMB, o primeiro SN-BR já foi contratado e deverá ser incorporado em 2025.

Dependendo da avaliação deste meio, a partir de 2030 novas unidades poderão ser contratadas, ou então, uma nova classe aperfeiçoada de submarinos de propulsão nuclear poderá ser desenvolvida.

Navios de Apoio Logístico

Dos 5 Navios de Apoio Logisticos (NApLog) previstos no PAEMB, o primeiro deve ser contratado até 2012, sendo incorporado em 2015.

Mais duas unidades devem ser contratadas até 2031.

Estes meios terão deslocamento de 22.000 toneladas e terão capacidade de fornecer no mar combustiveis, inclusive de aviação, lubrificantes, munições, água e generos alimentícios.


NOTA DO PODER NAVAL: Esses eram os principais programas que deveriam ser desenvolvidos pela MB no período de 2011/2031, mas a realização dos mesmos dependeria dos orçamentos disponibilizados pelos sucessivos governos. A crise político-econômica enfrentada pelo Brasil nos anos seguintes obrigou a Marinha a reduzir o ritmo de construção e de aquisição de meios.

SAIBA MAIS:

Subscribe
Notify of
guest
177 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo LD
Rodrigo LD
5 meses atrás

Como já cantava João Gordo, do Ratos de Porão: “Deu tudo errado, o Plano Furado…”. Abraço camaradas.

Paulo
Paulo
Reply to  Rodrigo LD
5 meses atrás

Noooosssaaaa!!! Que viagem da MB. Lamentável, não chegaram nem perto do planejado. Nem contrato assinado dos escoltas. Quando o foco deixar de ser os almirantes, quem sabe um dia.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
5 meses atrás

Enquanto à nós só nos resta chorar… Como diz o ditado: cada povo tem o governante que merece…

Fabio Mayer
Fabio Mayer
5 meses atrás

Curso prático de megalomania militar para desdentados…

Isaak
Isaak
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Não vejo nada fora do normal nesse planejamento, infelizmente nossa marinha foi prejudica pelos nossos políticos e Pela situação financeira do país, tirando isso, estaríamos em um outro patamar.

atirador 33
atirador 33
Reply to  Isaak
5 meses atrás

Tanto a nossa Marinha como as demais forças são corroídas com o pagamento de pensão aos oficiais de alto escalão que vão para a reserva e após, repassados para seus familiares. Podemos usar um exemplo que todos nós conhecemos para exemplificar o que estou dizendo. Uma Prefeitura Municipal por lei pode gastar até 60% em folha salarial de servidores ativos e inativos, depois obrigatoriamente 15% com Saúde e 25% com educação. Ai eu pergunto, sobra quanto para investimentos? Respondo, Nada! Consequência? Investimentos somente em ano de eleições, onde os prefeitos mendigam verbas para os deputados e partidos para maquiar o… Read more »

Émerson Gabriel
Émerson Gabriel
Reply to  Isaak
5 meses atrás

A maior culpa é dos políticos, ok. Mas a marinha também não ajuda com planejamento muito fora da realidade. Em gestão você não planeja tudo, você planeja e faz, depois planeja outra coisa e faz. É como obra pública fora do Brasil, Eles planejam , executam e depois começam quando o projeto anterior foi concluído.

Gabriel BR
Gabriel BR
5 meses atrás

Megalomania pura!!!!

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Gabriel BR
5 meses atrás

Para uma marinha de um país do tamanho do Brasil, eu não espero menos que isso. Problema é que em 2011 ngm imaginava que o dinheiro ia acabar

Wally
Wally
5 meses atrás

Até eu que defendo uma segunda esquadra acho os números muito exagerados. Dois PA para um país que não faz parte do Conselho de Segurança e nem da OTAN é exageradíssimo. 30 escoltas é ridículo também, talvez 20. Se nesta escolta tiverem muitas corvetas, não há a necessidade de DOZE navios de patrulha oceânica.

Tenho este documento salvo no computador. Só de aviões de caça queriam QUARENTA E OITO aeronaves.

Tutu
5 meses atrás

Teria sido lindo, mas não foi….

Space Jockey
Space Jockey
5 meses atrás

Que piada

Zorann
Zorann
5 meses atrás

Caramba! Como os caras viajaram…. Eu lembro dessa época…. O pior é que tinha gente que acreditava né…

De lá para cá já se mudou este planejamento completamente pelo menos umas 2 vezes em menos de 10 anos!!! Que eu me lembre…. e o pessoal continua acreditando né

Samuca cobre
Samuca cobre
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Pior que você tem toda razão… eu éra um dos que acreditavam…

Camargoer
Reply to  Samuca cobre
5 meses atrás

Caro Samuca, a última vez que eu comecei acreditando foi em 98 contra a França. Depois perdi a expectativa. Às vezes revejo um ou outro jogo de 82.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Daqueles que não trouxeram caneco ?

Camargoer
Reply to  Space Jockey
5 meses atrás

Olá Jóquei.A seleção de 82 não trouxe o caneco, mas os jogos foram ótimos. Até o jogo contra a Itália foi bom. Agora, 90, 98, 2006, 2010, 2014 e 2018 só tem jogo feio.

Émerson Gabriel
Émerson Gabriel
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Tem gente aqui que acha que a marinha não viajou. Querer uma marinha maior que a da Itália, ou da Alemanha e até maior que a do Reino Unido se não for viagem, não sei o que é. Qual marinha da Europa tem 30 escoltas? Qual marinha da Europa tem atualmente 2 Porta-aviões? Até a China com um gasto militar 5 a 10 vezes maior que o nosso planejam ter 5

Vovozao
Vovozao
5 meses atrás

13/01/2020 – segunda-feira, btarde, sonharam tanto, que hoje temos uma MARINHA em estado de coma profundo, quando será ou também é um sonho que iremos ver nossa marinha saindo desta “” coma “”, está difícil, principalmente por sonhar-mos além de nossas possibilidades.

Rafael
Rafael
5 meses atrás

O almirantado devia estar num estado de alucinação coletiva quando planejaram essa sandice.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Rafael
5 meses atrás

Eles estavam bem lúcidos. Em 2011 o Brasil chegou a ser a 5° economia, na frente até do UK. Foi o auge da gastança, bilhões sendo gastos em obras país a dentro, pt prometendo o mundo e o fundo… Tudo levava a crer que continuariamos em ascencao e dinheiro não faltaria. Mas deu no que deu.
O plano da MB pra época não muito mais do que um país do tamanho do Brasil necessita

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Jadson Cabral
5 meses atrás

Planejamento considerando somente cenários rosáceos não é planejamento, é sonho.
Acreditar que esse sonho se tornará realidade é autoengano.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Jadson Cabral
5 meses atrás

lúcidos de vinho e camarão pistola

Leonardo M.
Leonardo M.
5 meses atrás

Sério que a MB achava que iria construir dois porta aviões de 50.000 ton?

Tomcat4.0
Tomcat4.0
5 meses atrás

46 navios da classe Macaé, já pode chorar ????

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Tomcat4.0
5 meses atrás

É aquela mesma classe que se encerrou no 4º, que será entregue somente em 2023…

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Encerrou no 4º mas só tem 2 navegando, como diria o sr Omar; “Trágico !”

Fabio Mayer
Fabio Mayer
5 meses atrás

Se em 2010 tivessem projetado e encaminhado a construção de 4 escoltas, 6 NaPaOcs e 8 a 12 navios-patrulha de 500t, além do PROSUB que veio depois, a Marinha não estaria no estado deplorável de hoje em dia.

Tivessem projetado o básico, quem sabe os planos sairiam do papel e as coisas estivessem bem melhor hoje em dia.

Mas a verdade é que chama mais a atenção, dá mais IBOPE falar de porta-aviões, de aviões “carrier on board” do que de meios de patrulha…

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Aí depois disso tudo é só colocar a culpa no governo que não fez repasses de dindin$$ pra concretizar tuuuuuuudo isso aí encima .

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Tomcat4.0
5 meses atrás

Dinheiro no Brasil NUNCA HOUVE em governo algum. O orçamento militar sempre foi uma piada, mas ao mesmo tempo, sempre se soube exatamente a extensão dos cortes e dos contingenciamentos, que NUNCA foram assim tão de surpresa. O que falta no Brasil (não é só nas FFAA) é PLANEJAMENTO SÉRIO e parar de arrotar caviar comendo feijão…

Fernando Vieira
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Problema é que almirante arrota caviar porque comeu caviar. Comprado com o orçamento da defesa.

Émerson Gabriel
Émerson Gabriel
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

O orçamento militar é um dos 15 maiores do mundo, e isso não é uma piada. Vou lhe dizer o que é piada, piada é gastar 80% do orçamento com folha de pagamento. Como vão comprar equipamento com esse gasto? Para se ter uma ideia, 60% do efetivo é de conscritose boa parte deles cumpre 20 horas por semana ou 4 horas por dia, por falta de verba para o rancho. Para que ter um efetivo de 70 mil na marinha se nem dinheiro para comida tem? Marinha da itália: efetivo 40 mil, Alemanha : 36 mil, Reino Unido, 33… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Fabio,

O Prosub foi contratado antes de 2010.

Em 2010 o que a Marinha tentava aprovar no governo era o Prosuper, que não era muito diferente da lista que vc fez (eram 5 fragatas, 5 navios-patrulha oceânicos e 1 navio de apoio logístico). Mas o governo engavetou.

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Boa Tarde Fernando “Nunão ” De Martini,concordo contigo e se não fosse tanta roubalheira dos governos de esquerda o governo do PT que estes projetos poderiam ter saído do papel mas como meteram a mão e deixaram as nossas FFAA de escanteio pois os esquerdalhas teem medo de militares por isso não investiram na segurança do Pais e com a prisão do Bandido Maior pode-se ver o tamanho do rombo feito aos cofres públicos e ao Brasil,desviando dinheiro para fazer portos em Cuba,na África e metros na Venezuela foram trilhões de dólares desviados do Brasil por este governo sujo e… Read more »

Camargoer
Reply to  Ronaldo
5 meses atrás

Caro Ronaldo. O PIB do Brasil em 2018 foi da ordem de US$ 1,8 trilhão. Acho que em qualquer lugar do mundo, um desvio da ordem do PIB do país seria difícil de esconder. Ao fazer uma crítica baseado em um argumento falso ou errado, o resultado é o contrário do que você esperava. Você perde a credibilidade e aquele que você criticou refuta facilmente a acusação. Ninguém refuta elogio, mas uma crítica mal feita fortalece seu adversário.

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

É. Tá exagerado.

Às vezes a gente pensa que tá fortalecido e leva um rodo.

Eu apanho do lobo Alfa, apanho da alcateia mas, levanto vivo. Tipo imortal.

O país precisa mostrar que corrupção não compensa. Tá devendo.

Camargoer
Reply to  Esteves
5 meses atrás

Olá Esteves. Vários colegas se esforçam bastante para colocar informações corretas ou pelo menos fazer estimativas realistas. Isso sempre ajuda a compreendermos melhor os problemas e vantagens. “Erar é Umano”, mas “chutar” sabendo que está errado é desumano.

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Admiro isso.

Camargoer
Reply to  Esteves
5 meses atrás

Olá Esteves. De vez em quando algum colega faz uma ou outra estimativa, esquecendo uma ou outra coisa, até que alguém comente sugerindo outra coisa, outra fonte. Essa construção é bem intencionada, mesmo sendo aproximada. É uma abordagem válida. Ás vezes, o número final é tão absurdo que temos a certeza que o raciocínio estava errado. No comentário do colega Ronaldo é fácil perceber um erro na estimativa (sem que isso implique que as outras coisas que ele comentou estão certas ou erradas). Esse erro enfraquece os outros argumentos. Um modo de validar uma informação; “Se aquilo que eu sei… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Mestre,

É consequência do tormento da internet. Todos viramos críticos, analistas, escritores, narradores, faladores.

Admiro o mesmo.

O esforço dos comentaristas em buscar fontes confiáveis quando eles mesmos não são bastante profundos.

O cuidado nos comentários com as comparações que podem levar a interpretações. Existem as verdades, as mentiras e as estatísticas.

O exagero habita nosso mundo. Existem espécies de formigas com 4 sexos. Duas fêmeas, duas machos. Sexos distintos.

Eu só posso agradecer a paciência, a extrema educação e, abundantes gentilezas de todos aqui.

Obrigado.

Camargoer
Reply to  Esteves
5 meses atrás

Olá Esteves. Concordo que o pessoal do PN e muito legal. O saldo positivo no aprendizado e nas amizades parece ser geral. Eu preciso falar muito para acompanhar o nível de muitos colegas. Formigas com 4 sexos? Talvez eu prefira os golfinhos que não tem parceiros fixos mas estão sempre em grupo sorrindo.. vivendo a vida loca.

Luís Fernando Curvo
Luís Fernando Curvo
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

O problema é que a roubalheira foi pulverizada, é sim foi muito sentida, em 2005 o mensalão foi só a entrada, depois viriam BNDES, PETROBRAS, os Estádios da Copa, a Olim-piada, os desvios dos fundos de pensão, Correios, etc… . Sentimos na falta de infra estrutura, nas estradas e ruas esburacadas, na falta de dinheiro para as instituições de ensino fundamental e superior, na falta de dinheiro para pesquisas e projetos nacionais de ponta, é por fim na falta crônica de recursos para segurança e defesa do Brasil, sim sentimos e muito os anos de des-governo No Brasil.

Camargoer
Reply to  Luís Fernando Curvo
5 meses atrás

Luis. Faça a conta, mas se vê tiver alguma dificuldade sugiro consulte a página da Lava Jato feita pelo MPF. Eles tem todos esses números que você listou. Qualquer que seja a sua compreensão ideológica do mundo, suas preferências e certezas,tem que manter algum bom senso. O unico modo de justificar ou explicar algo que está errado seria usando mais argumentos errados, o que torna a situação pior.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Luís Fernando Curvo
5 meses atrás

Isto apenas no ambito federal…se voce for para o estadual e municipal…

Camargoer
Reply to  Carvalho2008
5 meses atrás

Caro Carvalho. Você quer dizer que os desvios dos recursos públicos foram maiores do que o valor do PIB do Brasil? Apenas para ter uma referência, o PIB caiu um cerca de 7% em 2015-2015, algo em torno de R$ 500 bilhões. Ao procurar noticias sobre qual seriam os valores relacionados à corrupção, encontrei valores de 1 a 2% do PIB por ano, em reais encontrei estimativas variando de R$ 48 bilhões até R$ 200 bilhões, dependendo da fonte (PF, MPF, MJ, FIESP, FGJ, etc), incluindo os desvios em todas os níveis de governo. Assumindo o valor mais alto (2%),… Read more »

Wilson
Wilson
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Sei que é meio fora do assunto mais seria possível alguém me informar aonde encontrar dados atuais referentes aos efetivos militares?

Camargoer
Reply to  Wilson
5 meses atrás

Olá Wilson. Acho que essa informação está disponível no portal da transparência do governo federal.

Wilson
Wilson
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Achei.

Camargoer
Reply to  Wilson
5 meses atrás

Joia.

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

O governo engavetou, mas esse PAEMB veio com alarde e promessas e no fim das coisas, só serviu como cortina de fumaça para nada ou pouco se fazer. O PROSUB eu comentei à parte, porque entendo que está em andamento no prazo, mas a verdade é que falaram em porta-aviões, dois “mistral”, dezenas de fragatas, dezenas de corvetas, um monte de navios-patrulha e tudo o que veio da sequência foram o Atlantico, o Bahia, 3 NaPaOcs, 4 navios patrulha e os 4 Mearin… com o número de escoltas sendo reduzido e com a provável venda dos submarinos classe Tupi.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Alarde?
Não me lembro de alarde não.
A divulgação dele não foi nem nada demais nem de menos.
O que gerava notícia era Prosub e depois o Prosuper. PAEMB quase só deu notícia na midia especializada, justamente porque é um assunto a se discutir, mas na mídia em geral apareceu bem pouco, e quando apareceu foi sem alarde. Quem sabe uma notícia de um minuto e meio no Jornal da Globo à uma e pouco da manhã, em dia de jogo.

Esteves
Esteves
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

Se teu chefe fala que o negócio vai crescer 10%, que existirão investimentos para financiar a expansão da produção + financiamento e juros baixos + clientes batendo na porta e pede um plano para atender a nova realidade, você chama ele de louco ou vai fazer o que te mandaram?

Zorann
Zorann
Reply to  Fabio Mayer
5 meses atrás

O Prosub foi o grande erro. Não porque a ideia de se ter uma Marinha voltada para a negação do mar, com submarinos nucleares, estivesse errada, mas sim porque, como sempre, nada vai até o fim, nada tem continuidade. O Prosub se transformou num escandaloso desperdício de dinheiro. Algo talvez nunca visto neste país nesta magnitude.

O ideal seria terem comprado 4 IKL 214 que era o plano original em 2006 e esquecer o delírio de submarino nuclear e base/estaleiro da Odebrecht.

Camargoer
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Caro Zorann, Considerando que você concorda com a necessidade dos submarinos para negar o mar, então o erro será interromper o programa? Qual seria a diferença de trocar IKL 214 por Scorpene? O custo individual é parecido. O erro foi contratar a Odebrecht ou o erro foi fazer a base? Se fosse outra empresa, como Camargo Correia ou OAS, seria melhor? Sua ideia seria substituir os 4 IKL 209 por novos IKL 214 e manter uma frota de 5 convencionais ou seria elevar a frota para 9 convencionais? A atual base teria suportaria 9 submarinos modernos? Ou seria necessário uma… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Camargoer,
Só me intrometendo na última pergunta ao Zorann:
A nova base é uma decorrência do foco principal ser o submarino nuclear. Não se pode operar e manter um submarino nuclear numa base em plena Baía de Guanabara.
Mas a base atual pode sim apoiar uma força de 8 ou 9 submarinos, mesmo porque parte dela sempre estaria no AMRJ em manutenção (como hoje, embora hoje seja boa parte, e não só parte). No máximo uma obra ou outra, modernização de alguma outra instalação, ampliação de simuladores, coisas do tipo.

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Olá Nunão. A necessidade de uma base nova para acomodar submarinos nucleares é bem claro, mas eu não tinha certeza se a atual base comportaria dobrar a frota de submarinos convencionais. Sei que no passado ela conseguia, mas os submarinos mudaram tanto que fiquei na dúvida.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Nos anos 70 para os 80 tivemos ate 10 submarinos na marinha. Eram os 7 classe gato se não estou errado e 3 novos oberon.

Camargoer
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Olá Cris. Você tem razão sobre o tamanho da frota. Fiquei com dúvida sobre o suporte da tecnologia embarcada. Acho difícil comparar os Riachuelos Oberon com os Riachuelos Scorpenes. Os gatos e guppys então….

Dalton
Dalton
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Não eram “gatos” e sim uma evolução deles, como os “Ballaos”, mas, todos foram modernizados dentro do programa “Guppy”, mas, isso, não é tão importante e sim que na verdade a marinha brasileira teve 10 submarinos
no inventário por apenas alguns poucos meses já que o
“Tonelero” chegou ao Rio de janeiro em fins de 1978 quando dois dos “Guppys” deram baixa e provavelmente nem estavam mais certificados.

Zorann
Zorann
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Você tem alguma dúvida de que o programa não terá continuidade? Se não tiver continuidade e tudo indica que não vai ter, o Prosub foi um grande erro. Se não vamos mais construir submarinos, não deveríamos ter feito um programa desta magnitude. Em 2022 todas estas instalações ficarão ociosas, sem nenhum submarino, ou qualquer coisa em construção. Ahhh mas e o submarino nuclear? Esse aí ninguém sabe de fato se e quando vai ficar pronto. Estamos falando de 2032 (cronograma atual que eu não acredito – porque os prazos vivem sendo postergados) e além. No mínimo daqui a 12 anos!!!!… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Zorann
5 meses atrás

“ Em 2022 todas estas instalações ficarão ociosas, sem nenhum submarino, ou qualquer coisa em construção. Ahhh mas e o submarino nuclear? Esse aí ninguém sabe de fato se e quando vai ficar pronto. Estamos falando de 2032 (cronograma atual que eu não acredito – porque os prazos vivem sendo postergados) e além. No mínimo daqui a 12 anos!!!! Toda esta estrutura ficará ociosa daqui 2 anos. Em 12/15 anos sem fabricar nada, muito da capacidade que adquirimos estará perdida. Oque é um grande desperdício de dinheiro.” Zorann, tem críticas muito válidas aí, mas essa parte do seu argumento não… Read more »

Zorann
Zorann
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Construiram-se 4 submarinos convencionais em mais ou menos 12 anos, contando neste período a construção das instalações, estaleiro e base. Num cronograma sem atrasos, pode-se afirmar que é razoável um prazo de construção de 2 anos para cada submarino.

E agora pretendem construir 1 em 12 anos. Que depende de outros desenvolvimentos para ser entregue neste prazo.

E não vai ter ociosidade? A intenção era de se construir novos submarinos convencionais, que não virão antes de 2032 ou além.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Zorann, eu até entendo que possa haver ociosidade a partir de 2022, mas você falou em 12 anos de ociosidade, o que não faz sentido algum. Outra coisa, não se constrói submarino convencional em 2 anos como prazo normal. O normal é quatro. Para um primeiro de série, pode ser mais. O SBR4 que será lançado daqui a dois anos segundo o cronograma, não começou a ser construído há dois anos. O submarino nuclear deslocará mais de três vezes o deslocamento do convencional. É também o primeiro de seu tipo, e mais complexo. É bem possível que leve 12 anos… Read more »

Camargoer
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Caro Zorann. Entendo que a pergunta “se eu tenho dúvidas” é retórica, mas a resposta sincera é “sim, tenho dúvidas”. A única coisa que tenho certeza é sobre o passado. Eu concordo que será um erro interromper o Prosub, mas acho difícil ter uma certeza que o programa será interrompido (acho mais provável que prossiga, talvez com outro cronograma). Eu acho 10 anos muito tempo para ter certeza de qualquer coisa. Muitos alunos estão sofrendo muito e sempre me perguntam qual minha opinião. Respondo ser impossível ter certeza se estará chovendo daqui um mês porque hoje choveu. Eu acho um… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

“Eu acho um equívoco qualquer certeza sobre como estará o país daqui 10 anos a partir dos dados
econômicos divulgados hoje.”

Uma pedra nos planos militares construídos sobre projeções do PIB.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

“ A única coisa que tenho certeza é sobre o passado.”

E eu, que virei historiador, nem isso.

Conforme os documentos históricos que encontro, as antigas certezas podem dar lugar a outras dúvidas pra eventualmente virar novas certezas bem diferentes das antigas.

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Olá Nunao. Eu pensei bastante se escreveria essa afirmação sobre o passado. Afinal, no Brasil até o passado e incerto. Imaginava que você ou o Luciano iriam refinar a discussão. Mas acho que a ideia geral que passado ficou, presente e ação, futuro próximo orçamento e futuro distante planejamento. O mesmo erro que a MB supostamente cometeu de achar que o futuro seria sempre tão bom quanto era o presente, está sendo cometido agora pelos criticos da MB por achar que o futuro será sempre tão ruim quanto o presente. Acho que agora consegui me expressar melhor.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Sim, entendo. Sei da carga de piada e de disputa política da afirmação de que no Brasil até o passado é incerto, e coisa e tal. Pode-se tentar reescrever o passado impondo a narrativa de um grupo, mudando interpretações, ignorando fatos e até mentindo (inventando fatos). Isso acontece o tempo todo na guerra político-ideológica das versões. Aqui mesmo. Há também o caso de grupos sociais que foram pouco retratados na História em geral, e que também podem começar a aparecer em estudos conforme o interesse de cada época. Aí é um outro olhar sobre os fatos e até a busca… Read more »

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Olá Nunao. Em química a coisa mais comum e resgatar uma observação antiga, reproduzi-la e descobrir novos fatos em funcao do avanco tecnológico da instrumentação. Em química, nunca se afirma 100%. Ninguém se arrisca a afirmar nada categoricamente.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Muito gosto em ver a aula de ciência histórica do Nunão. Tenho lido sobre Sumerianos (sabe as doideiras sobre Inanna-Ishtar encaixadas na narrativa feminista/transgênero?…) e os achados de Behistun são algo parecido à Roseta. É uma tremenda sorte encontrar tais chaves.

Zorann
Zorann
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Conhece aquela expressão “subiu no telhado”? Pois é o Prosub subiu no telhado! Já faz algum tempo que os sinais disto surgem a cada notícia.

Eu realmente não sei oque pode acontecer daqui a 12 anos. Espero que o Prosub alcance alguns de seus objetivos, porque muitos deles já estão claros que não serão alcançados.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Quais você acha que serão alcançados e quais nunca serão?

Camargoer
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Caro Z. Se subiu no telhado então não vai cumprir objetivo nenhum. Se cumprir um objetivo,então não subiu no telhado. Lógica aristotélica.

Zorann
Zorann
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Eu sou completamente contra a falta de planejamento sério e o desperdício de dinheiro público de uma força (Marinha) que tem um orçamento grande, mal gasto e por consequência disto, super apertado.

E mesmo assim, se dá ao luxo de desperdiçar a pouca verba disponível para investimento em programas que ela mesma escolhe e ela mesma abandona ao não dar continuidade.

Esteves
Esteves
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Não dá pra ter submarino e não ter base de submarino.

Só se…a negação do mar tivesse sido apresentada com outros meios.

Só se.

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
Reply to  Zorann
5 meses atrás

Prezado Zorann,

Na verdade o Programa de Reaparelhamento da Marinha da época citada por V.Sa. previa, dentre outros:

a) 1 + 1 Submarino IKL 214;
b) 8 navios escolta; e
c) 12 NPa.

Abraço

Zorann
Zorann
Reply to  Luiz Monteiro
5 meses atrás

Obrigado pela correção.

Luís Henrique
Luís Henrique
5 meses atrás

Para a grandeza do Brasil, um plano modesto.
Para a mediocridade dos governantes e políticos brasileiros um plano inatingível.

Bardini
Bardini
5 meses atrás

Brasileiro é preguiçoso pra pensar e tem memória curta. O mais fácil, é sentar o pau na MB, assim como eu também já fiz e volta e meia faço, pra honrar minhas raízes. . Eu caí muito no papinho de que esse planejamento era “megalomaníaco”. Mas depois de deixar a preguiça de lado e ler um bocado a respeito, percebi que o planejamento da MB era em partes, bastante razoável. Não dá pra colocar a mão no fogo por 100% do que tá no papel, mas no geral, não é ruim não. . Primeiro de tudo que a MB não… Read more »

Roberto Bozzo
Roberto Bozzo
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Concordo plenamente com você Bardini…. é muito fácil meter o pau na MB, chamar de megalomania, viagem na maionese, etc….mas esquecem que naquela época, o des-governo de plantão, mandou a MB projetar as quantidades e os meios necessários pro ” Brafil putenfia” e a força assim o fez…. Quando o governo viu o tamanho da conta final, “deu pra trás” e engavetou quase tudo, mas enquanto não houve a decisão final de não fazer nada, a MB foi inchando em pessoal…. Ela também tem sua parcela de culpa, mas esta não é exclusivamente dela.

Esteves
Esteves
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

É mais fácil ainda fatiar o plano e justificá-lo na base do se. A doutrina (palavra bonita) considera a disponibilidade financeira como premissa. PIB, pré-sal, Conselho de Segurança, independência, comparações com outros países, exportações…chegam para sustentar os programas. PND, END, PAEMB, PEAMB, Livro Branco…soma. Valoriza as “necessidades”. Mostrar que vai encomendar submarino em lotes, que vai montar navios às dezenas, que vai operar base naval do zero, que vai construir porta-aviões…quanto? Eu não somei. Deve passar de 100 bilhões de reais com financiamentos europeus para helicópteros, submarinos e escoltas. Aonde estava a linha de investimentos no orçamento, que no futuro… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Roberto Bozzo
5 meses atrás

Pela sua lógica e agindo com lógica e bom senso, o almirantado vendo que o governo deu para trás por causa dos custos, deveria ter priorizado a parte mais barata e básica do plano e não a parte mais cara e complexa. Sem falar em não inchar a esquadra.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Cristiano,

Qual a parte mais cara e complexa que foi priorizada depois do governo dar pra trás?

Vovozao
Vovozao
Reply to  Bardini
5 meses atrás

13/01/2020 – segunda-feira, btarde, Sr. Baldini, fico muito atento às suas postagens, porém, quando em qualquer plano/orcamento/estudos, sempre pensamos em um plano (B), no caso da nossa MARINHA, não houve alternativas, é isso, somente isso. Então como não conseguimos aprovação do plano, nossas autoridades cruzaram os braços, deixando a MB neste CTI que se encontra. Ao meu ver durante este período todos…..isto é todos….GF, MD, CN, CONGRESSO, tinham conhecimento do estado de nossas escoltas, submarinos, NDCC, navio apoio, cacas-minas, reabastecedores, etc, nada fizeram. Hoje estão desesperados pois temos operacional 4/5 escoltas, 1 submarino operacional, é restante não sabemos condições operacionais,… Read more »

Vovozao
Vovozao
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

…..algumas minas….

Camargoer
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

Isso… Umas minas e umas brejas.. daí sair doidão dando cavalo de pau..

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Vovozao
5 meses atrás

“…quando em qualquer plano/orcamento/estudos, sempre pensamos em um plano (B), no caso da nossa MARINHA, não houve alternativas, é isso, somente isso.”

O principal plano B se chama classe Tamandaré. Tanto que virou plano A.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Concordo com tudo que escreveste Sr. Bardini. Não tiro, nem ponho. Destaques:

“Quem determina a missão é a PND e END. Só depois disso, a MB apresentou o PAEMB. Basicamente pediram pra MB o que ela precisava pra cumprir a missão que deram pra ela e ela entregou a lista de compras. Simples assim”.

Esse é o ponto central do documento.

“o grande problema, é que esse planejamento é bom de mais para o Brasil. Essa é a realidade.
.
O Brasil hoje, tem EXATAMENTE tudo o que merece ter”.

Perfeito.

Esteves
Esteves
Reply to  GFC_RJ
5 meses atrás

Vou ver umas casas de 50 milhões. Moro em uma de 1 milhão. Ganho 20 mil. Mas tá perfeito fazer proposta pra casa de 50.

Perfeito.

Esteves
Esteves
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Descabido. Você elabora orçamento sustentado em 3 alicerces. . histórico . disponibilidade financeira atual . experiência Administrador público não sai fazendo plano sem apoio. Na história da MB quando aconteceu um “surto” dessa proporção? Aonde a MB enxergou buscar recursos já que…já que…é obrigação do ordenador, do dono da despesa, apontar a origem e/ou a fonte do dinheiro? Qual a experiência da MB em operar essa quantidade de meios? Não falo da competência. Capacidade e conjunto para montar, manter, exercitar, aprestar, treinar uma força dessa proporção ao mesmo tempo considerando que baixas seriam repostas e que a realidade já mostrava… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Esteves
5 meses atrás

Esteves, a MB assinou contratos para produzir esses meios? Entregou o plano para as indústrias iniciarem as construções e depois no meio do caminho, não pagou? Não. A MB entregou o plano Para o GF, a pedido do GF, com base em documentos oficiais como a END, e apresentou o time line, e os custos aproximados envolvidos. E, detalhe, era um plano até 2047. 30 Fragatas parece muito, mas em um período temporal tão grande, não daria nem 1 fragata por ano. Se o governo não aprovou o plano a culpa não é da MB. Muitos criticam que a MB… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Custou o desgaste. Custou as críticas. Custou o deboche. Acho, Que a MB deveria ter uma seção de inteligência elaborando cenários. Fácil depois que aconteceu buscar as causas e efeitos, trabalhos, teses, planos cartesianos, para meter o palpite. Os analistas. Aonde estão? Quem com inteligência mediana acreditou que o Brasil se tornaria OPEP, potência, Conselho de Segurança, rival da Russia, com o pré-sal + endividamento? As pessoas e as instituições se deixaram levar porque tiveram receio de firmar posição. Era politicamente e foi politicamente correto falar bem de comunista. Políticos brasileiros desde o JK com a piadinha do JC sobre… Read more »

bjj
bjj
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Bardini Quando você analisa os números como se fossem programas isolados, realmente parece algo possível, viável. 10 escoltas, ou 18 NPa 500t, ou 8 submarinos, ou 05 NApLog ao longo de 20 anos é algo que realmente não parece nada de mais. O problema é que não são programa isolados, mas sim tudo parte de um programa maior. Basicamente a MB queria 10 escoltas + 18 NPa 500t + 8 submarinos + 05 NApLog + pelos menos 1 NAe e grupo aéreo embarcado, além dos patrulhas oceânicos e NPMs ao longo de 20 anos, ou seja, no total mais de… Read more »

Luiz Monteiro
Luiz Monteiro
Reply to  Bardini
5 meses atrás

Prezado Bardini, Perfeito! O PEAMB trazia os números ideais para o cumprimento das missões constitucionais atribuídas à MB. Em nenhum momento houve a solicitação para obtenção de todos estes meios. O Programa de Reaparelhamento foi iniciado com os seguintes subprogramas: 1- PROSUB – Construção de novo estaleiro e base naval para submarinos, e construção de 4 submarinos com propulsão diesel-eletrica e 1 de propulsão nuclear; 2- PROSUPER – Obtenção por construção de 5 escolas, 5 NPaOc e 1 NApLog; 3- PRONANF – Obtenção por construção ou compras de oportunidade, de 2 Navios de Propósitos Múltiplos 4- PRONAE – Obtenção por… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Luiz Monteiro
5 meses atrás

Ok. PROSUB. 7 bilhões de euros PROSUPER. 5 escoltas, 2,5 bilhões de euros. 5 NpaOcs, 500 milhões de euros. 1 logística, 150 milhões de euros. = 3,150 bilhões de euros 2 Propósitos. 300 milhões de euros 1 porta-aviões. 2 bilhões de euros 27 patrulhas. 2 bilhões de reais 12,5 bilhões de euros + 2 bilhões de reais para contratar por construção, entregar e incorporar em 20 anos. 50 navios. Vamos deixar ao lado a capacitação e a capitalização dos estaleiros, a mão de obra, os financiamentos, os fornecedores, o aprendizado, os erros, os parceiros e contratados locais. Tudo dará certo.… Read more »

p m
p m
5 meses atrás

Considerando o tamanho do orçamento da Marinha – um dos maiores do planteta – sao aquisiçoes razoáveis no prazo proposto. Todavia nossa realidade é um efetivo obsceno de 90mil militares, aposentadorias e beneficios incompativeis com a realidade brasileira e corrupçao escancarada dentro das forças armadas (vide Prosub). Assim só dá pra ter 4 fravetas, 2-3 subs e uns navios de segunda mão mesmo.

A realidade do Brasil nao se reflete diferente nas Forças Armadas. E assim como o povo brasileiro tem a vida que merece pelo nada que faz para mudar, a MB também tem o que fez por merecer.

Esteves
Esteves
Reply to  p m
5 meses atrás

Não cabe. A MB investe 5% do orçamento. Aonde e de onde viriam recursos para executar um plano de investimentos com tamanha quantidade de meios?

4 + 1 submarinos + base = 7 bilhões de euros
4 escoltas = 2 bilhões de euros

São 10 bilhões de euros com as famosas postergações, interrupções, renegociações e situações. Pode chegar a 50 bilhões de reais com guerra no Golfo e petróleo.

O PROSUB não vejo como corrupção dentro da MB. Prefiro acreditar no PC…mas o Sarkozy era de direita e coisa e tal.

Wilson
Wilson
Reply to  p m
5 meses atrás

O efetivo da MB pelo portal da transparência é de 81.191.
Pelo que pesquisei a composição de efetivos totais e sua distribuição entre os cargos é feita mediante decreto presidencial, segue um exemplo: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/decreto/D9632.htm

Camargoer
Reply to  Wilson
5 meses atrás

Olá Wilson. Eu tenho dúvidas se esses são os efetivos máximos permitidos ou efetivos obrigatórios. Talvez algum colega oficial da ativa nos ajude com isso.

Esteves
Esteves
5 meses atrás

Os anos da meta. “Na Europa, vimos países com problemas de caixa, à beira de dar calotes na divida, e precisando recorrer ao FMI. Parecia a America Latina nos anos 80, 90 e começo de 2000. O risco de alguns países, como Irlanda, Grécia e Portugal, é maior do que o do Brasil, que nunca foi colocado como a bola da vez nessa crise. Os fundamentos da economia brasileira são muito bem vistos, como as reservas superando a dívida externa. Em 2002, as nossas reservas só pagavam um terço da dívida externa. Hoje o Brasil é muito atrativo e, por… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
5 meses atrás
Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
5 meses atrás

Exagerado demais, eu no comando desta joça trocava esses dois PAs por 4 submarinos nucleares de mísseis balísticos, armados com o Tupã-SL (nome de uma futura classe de mísseis balísticos e ogivas nucleares brasileiro) e suas respectivas ogivas, e mais 4 submarinos nucleares ou convencionais de ataque e patrulha. Para a escolta de superfície umas 6 fragatas de 6 mil tons e 4 destróieres de 10 mil de tons e está de bom tamanho, todos novos e no estado da arte. A aviação de caça naval ficaria baseada em terra mesmo, para proteger as esquadras, 2 dúzias de gripens já… Read more »

nadison paz
5 meses atrás

sem palavras ao ver essas informações! triste, lamentável ? sei la !

Gabriel BR
Gabriel BR
5 meses atrás

Que missão é essa que a MB precisaria cumprir para precisar empregar tudo isso?

Wilson
Wilson
Reply to  Gabriel BR
5 meses atrás

Não encontrei a versão mais recente mas pelo que li a missão da MB não teve alteração em relação a este.
segue a END abaixo:
https://www.defesa.gov.br/arquivos/2012/mes07/end.pdf

a partir da página 10.
continuarei procurando a versão mais recente.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Gabriel BR
5 meses atrás

Supondo que cada navio faça +/- 150 dias/ano no mar seria o suficiente para ter um NAe + 2 grupo de escolta + um ou dois NPM + 2 NS sempre disponíveis

A MB dimensionou de forma que cada esquadra possa ter um esquadrão de escolta ativo além de seu núcleo seja ele um NAe ou um NPM.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Gabriel BR
5 meses atrás

1) A Rússia com PIB parecido com o nosso tem 105 navios de combate e 62 Submarinos.
30 Fragatas e 21 Submarinos continuam parecendo muito para você?

2) Se ainda não se convenceu, veja que o PAEMB só seria concluído em 2047.
A previsão é que o Brasil será a 5a maior potência econômica nessa época com PIB Maior que Japão, Alemanha.
França e Inglaterra não daria nem para comparar, nosso PIB pode ficar muito próximo do PIB de Inglaterra e França juntos.

A Inglaterra com o PIB de hoje, possui 2 navios aeródromos e 19 navios de combate.

Esteves
Esteves
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Luís,

Esquece o PIB. 50% da população do Brasil não é atendida por rede de esgoto.

Pra contar com meios + modernização + prontidão, a MB precisa fazer gestão orçamentária.

E enforcar um ou outro ministro.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Esteves
5 meses atrás

O PIB nos diz muito. Porcentagem da população atendida por rede de esgoto são indicadores importantes para qualidade de vida. Um país desenvolvido possui vantagens, mas o poder militar está muito mais ligado ao volume total de dinheiro ou ao PIB total do que ao PIB per capita ou à índices de qualidade de vida. Singapura, Irlanda, Noruega e Suíça são países riquíssimos. Qualidade de vida de topo. Mas são surrados em poder militar por países de 3o mundo como Índia, Paquistão, Egito, Turquia, Rússia, China. Países, que assim como o Brasil, possuem vários problemas sociais, grande parte da população… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Sim. Mas tem faltado um olhar pragmático. Existe um comprometimento considerável nos orçamentos públicos, todos eles inchados por gente. Se essa gente não estivesse empregada nos serviços públicos…qual seria a taxa de desemprego? Posso contar com o crescimento vegetativo, as curvas e as tendências, o histórico. Faço análises das oportunidades, aonde elas estarão. Pontos fracos e as ameaças. Faço projeção. PIB projetado. Sento no PP e apresento um plano para montar 50 navios em 20 anos custando mais de 50 bilhões de reais. As ameaças se tornarão guerras. Os pontos fracos serão mitigados. Os pontos fortes serão alargados. As oportunidades… Read more »

Camargoer
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Caro Luiz PIB da o ttamanho absoluto da economia.. O PIB per capita ajuda a entender se o tamanho da economia seria ou não suficiente para prover bem estar para todo mundo. O IDH indica se a prioridade do gasto público deve priorizar saúde, educação e saneamento básico ou se pode priorizar defesa. O Gini indica se a elite tem se apropriado da riqueza ou se a riqueza tem sido distribuída para todos. Então tem que comparar tudo isso… Ainda, seria bom avaliar taxa de analfabetismo,, porcentagem de população com nível superior, taxa de desemprego e ociosidade da indústria. Tem… Read more »

Davi
Davi
5 meses atrás

A Marinha dificilmente vai desistir de operar porta-aviões. Já que eles não arredam o pé, qual projeto seria mais viável ao Brasil? Li sobre o PA2 francês, que o Naval Group estava doido para vender à MB. Tem também o navio indígena indiano que, apesar de ser STOBAR, poderia funcionar com um Gripen naval.

Mauro
Mauro
5 meses atrás

Preço das commodities na alturas, liquidez internacional poucas vezes vistas na história. Se o Brasil tivesse sabido usar aquele momento econômico de bonança mundial, que só ocorre a cada um século talvez, com certeza poderíamos ter atingido o planejado. Infelizmente deu no que deu, não havia um programa de governo, havia apenar um projeto de poder. Do ponto de vista econômico, fizeram tudo errado. Sem reformas, sem plano de investimento, dinheiro do BNDES literalmente jogado fora, muito dinheiro, na macro economia, basicamente era consumo pelo consumo. O consumo é a principal variável de satisfação popular, se o povo está consumindo,… Read more »

Nemo
Nemo
5 meses atrás

Não se esqueçam dos X-Wing para o futuro Star-Destroyer da classe Venator também.

E reequipar os fuzileiros navais com phasers.

ednardo curisco
ednardo curisco
5 meses atrás

“Dos 46 navios de patrulha da Classe “Macaé” (500t) previstos no PAEMB, 2 já foram construídos, 4 estão em construção.

Um segundo lote de 6 unidades deve ser contratado até 2015.

Um terceiro lote, também de 6 unidades deverá ser contratado na década de 20. Totalizando, assim, 18 unidades até 2031.”

O trechinho resume tudo.

Paulo José Ferreira de Lima
5 meses atrás

Alguém lembra da propaganda do pré-sal? Esse projeto da MB foi a mesma coisa, inclusive foi no mesmo governo. Os caras eram bom no marketing!!

Paulo José Ferreira de Lima
Reply to  Paulo José Ferreira de Lima
5 meses atrás

De marketing*

Camargoer
Reply to  Paulo José Ferreira de Lima
5 meses atrás

Olá Paulo. Qual era a propaganda que você gostaria que lembrássemos?

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Paulo José Ferreira de Lima
5 meses atrás

É sério, Paulo?

Sinceramente eu não lembro.

Do pré-sal eu sei que teve muita celebração, me lembro do Lula lambuzando a mão de óleo com a Dilma, celebrando batismo de navio do lado do Cabral. Sobre programas da Marinha, lembro da Dilma inaugurando fábrica em Itaguaí, teve imprensa e tal.

E teve propaganda governamental celebrando o pré-sal, e muita propaganda veiculada pela Petrobras.

Mas propaganda do PAEMB? Propaganda e celebração de um plano da Marinha para se reequipar? Isso eu juro que não me lembro de ter visto.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Paulo José Ferreira de Lima
5 meses atrás

Lembro sim. O Brasil seria a nova arabia saudita e coisa do tipo.

Camargoer
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
5 meses atrás

Caro Cristiano. No lugar da selva amazônica está surgindo um gigantesco deserto. O governo to a decisões em função de uma visão religiosa. Os filhos do rei assumi posições dentro do governo. A tradição patriarcal reprime as mulheres e o governo da opinião sobre o comportamento sexual das pessoas. A oposição e tratada como inimiga. Logo estarão cortando as cabeças dos jornalistas dentro das embaixadas. Parece que o Brasil vai se tornar uma nova Arábia Saudita.

Tiago Silva
Tiago Silva
5 meses atrás

Se sonha muito porém não se realiza nada ou quase nada!

Aislan
Aislan
5 meses atrás

Um iate clube…. isso que é a MB…..

Filipe Prestes
Filipe Prestes
5 meses atrás

Preferiria que a Marinha, no futuro, optasse por um LHD como a classe Trieste da Fincantieri. Quatro desses no lugar de um porta-aviões e já teríamos uma força de respeito e aí quem sabe a MB poderia pensar na tal Esquadra Norte.
https://www.fincantieri.com/en/products-and-services/naval-vessels/multirole-lhd/

Wagner
Wagner
5 meses atrás

Tá osso…já que mandou construir as novas corretas/fragatas….compra logo as murassame e as halifax pra aguentar o tranco..rsrsrs

Camargoer
Reply to  Wagner
5 meses atrás

Wagner. Se construir as Tamandaré não precisará de compras de oportunidade. Se comprar não usado não precisa fazer navios novos.

Wagner
Wagner
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Sim.. Mas me referi ao tempo..será que da ? Não ficaremos sem navios até a entrega das tamandare?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

Infelizmente a realidade é triste,o jeito é deixarmos de sonhar com alguns navios zero quilometro com bancos no plástico e vermos os semi-novos ou usados…

Ver os classe Wave,ver quem sabe os classe Landsort ou Lafayettes da vida, e comprar no boleto das casas Bahia a perder de vista.
comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

comment image

Esteves
Esteves
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

Casas Bahia faliu. Os franceses compraram e não conseguem passar adiante.

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
5 meses atrás

Povo do livro, da bíblia a END. Fim.

Camargoer
Reply to  Alex Barreto Cypriano
5 meses atrás

Olá Alex. Por favor inclua o pessoal do Face, do Tweeter e do vídeo-aula no YouTube. Parece que o pessoal do livro ainda e aquele que acerta mais.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Camargoer,
Acho que foi só uma piada com o Livro Branco. Acho.

https://www.defesa.gov.br/estado-e-defesa/livro-branco-de-defesa-nacional

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Olá Nunao. Verdade. Obrigado pela observação. Eu já estava pensando que o pessoal do livro eram os ratos de biblioteca.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

O mundo mudou.

Ratos de biblioteca viraram chefes de cozinha.
comment image

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Maldito “master chefe”. Aguardo ansiosamente um reality de um casal pelado tendo que ficar um final de semana confinados em uma biblioteca. O que farão? Ficarão na mesma seção ? Irão l juntos? Irão ler um para o outro? Muitas emoções.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Já tem uma boa trilha sonora pra adaptar:

🎶 Que cê foi fazê atrais da estante Maria Chiquinha…🎵

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Aqui de boas apreciando o bom humor em associação livre. Refrescante. 🙂

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

O desafio do líder e fazer uma resenha das obras completas de Paulo Coelho. Quem riscar ou rasgar uma página será eliminado.

Hélio
Hélio
5 meses atrás

Megalomania nada, o futuro que nos foi prometido na época comportaria isso e muito mais. Tudo começou a dar errado quando tiraram o dinheiro do petróleo da marinha.

Augusto L
Augusto L
5 meses atrás

Projeção megalomaníaca e totalmente fora do contexto geopolítico, baseada num conceito geopolítico antigo do final do sec XIX e início do XX antes da 1GM abastecida pelo nacionalismo anti-ocidental da turminha que governou por 13 anos.

Provavelmente nem os almirantes acreditavam em 100% nisso mais não queriam criar conflitos com o governo e achavam que poderiam tirar alguma coisa desses planos, porem isso não isenta a culpa da MB, tinha q ter batido de frente logo assim que as projeções de crescimento brasileiras caíram em 2011.

Antunes Neto
Antunes Neto
5 meses atrás

12 Amazonas e 46 Macaés – metade disso é o que deveríamos ter…por baixo. Uma pena.

Ficar feliz com os 4 SBR.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
5 meses atrás

Plano bem ambicioso, do tamanho que o Brasil merece. Em 2011 o Brasil era a 5° maior potência. Todos, inclusive a MB, achavam que iríamos continuar em ascenção. Mas moiô
Quanto custaria tudo isso por baixo? 100, 150bi?

Ozawa
Ozawa
5 meses atrás

Diante do colapso operacional da Força Naval não socorrem malabarismos retóricos ou clichês patrióticos para justificar o injustificável.

A Marinha do Brasil é reflexo de seus comandos e seus desmandos, e precedendo ao discurso de contingenciamento seu maior e recorrente problema foi e ainda é de gerenciamento.

Up The Irons
Up The Irons
5 meses atrás

A Marinha precisa encarar a realidade e esquecer, pelo menos até a próxima década, a ideia de uma segunda esquadra, dezenas de caças e porta-aviões. Se ela se concentrar em dotar os distritos navais com qualidade, com mais patrulhas oceânicos e desenvolver o Npa500BR numa versão mais simples, pra fazer presença mesmo, já seria um ótimo começo! Aliados a isso, encomendar mais unidades de Scorpène BR, Tamandarés e navios-varredores e assim já voltaríamos a ter uma marinha de verdade! Precisamos do básico neste momento. Quando irão entender? Este governo é simpático às causas militares e a economia está voltando a… Read more »

Camargoer
Reply to  Up The Irons
5 meses atrás

Caro Colega. A MB está fazendo exatamente isso. Estão finalizando os 4 Scorpenes e se preparando para usar a infraestrutura do ProSub para iniciar o SN10. A MB tem duas Macaes que serão finalizadas nos próximos 2 ou 3 anos. A MB está negociando o contrato de 4 novas fraguetas. Por fim, acho que a MB irá aproveitar algumas de suas fragatas antigas para atuarem como meios de patrulha. Isso ao longo dos próximos 10 ou 15 anos. Eu estou com alguma dificuldade de entender sua crítica ao que a MB está fazendo.

Baschera
Baschera
5 meses atrás

Calma…..o almirantado vai concertar o erro de impressão…
Onde está o primeiro “zero” leia-se “um”.
Exemplo: 2013 …>>> fica 2113…
E assim por diante.

Sds.

ACACIO DE OLIVEIRA
5 meses atrás

Se possível fazer um atualizado o que se concretizou, o que pode se postergar ou cancelado.

Abs

Luiz Floriano Alves
Reply to  ACACIO DE OLIVEIRA
5 meses atrás

Negar o uso do mar com meia duzia de submarinos é uma impossibilidade tática. Doenitz não conseguiu isso, mesmo dispondo de centenas de submarinos colocados no Atlântico Norte. Isso que eram navios no estado da arte e tripulados por pessoal altamente qualificado e motivados. Mas, do outro lado estavam potencias navais mais poderosas. Os ingleses conseguiram afundar o Belgrano, porque era um navio obsoleto, mal protegido, e com uma escolta reduzida e sem tradição de combate.

Camargoer
Reply to  Luiz Floriano Alves
5 meses atrás

Cro Luiz. Acho bem difícil você comparar a frota de submarinos da IIi Guerra com os atuais, tanto em termos de sensores quanto de armas. Muitos colegas aqui mencionam como os melhores equipamentos da década de 70 estão defasados e muitos obsoletos 50 anos depois. Você vai encontrar muitos estudos inclusive de oficiais da MB avaliando o pacto de submarinos nucleares de ataque como meio de negar o mar ao inimigo. Acho que a sua a sua afirmação convicta está defasada.

Dalton
Dalton
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Sem falar Camargo que Donitz nunca teve “centenas de submarinos” no mar ao mesmo tempo e o tipo “VII” considerado obsoleto no início de 1944 e continuou sendo produzido até o fim da guerra, longe de ser “estado da arte”.
.
Em um livro que tenho sobre o último ano da marinha alemã, lembro que no início de 1944 havia no inventário mais de 400 submarinos, mas menos da metade estavam operacionais e uns 30% desses estavam sendo reparados ou recebendo melhorias no armamento AA, restando algumas dezenas no mar, espalhados entre o Atlântico, Mediterrâneo e
mesmo Ártico.

Camargoer
Reply to  Dalton
5 meses atrás

Olá Dalton. Sou fascinado pelas bases de manutenção dos submarinos construídas na II Guerra. Talvez um modo de comparar os submarinos alemães da segunda guerra com o que seria um submarino hoje, seria assistir em sequência “das boat” “outubro vermelho” e aquele francês no Netflix “uivo do lobo” ou coisa assim. Também tem aquele filme do submarino cor de rosa da marinha dia EUA no Pacífico.

Dalton
Dalton
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Boa comédia a do “submarino rosa” com Tony Curtiss que
serviu na US Navy durante a II Guerra estando o navio onde ele servia presente na Baía de Tóquio para a cerimônia de rendição em setembro de 1945.
.
A invasão da França e subsequente uso das bases francesas deu à arma submarina alemã um maior poder de projeção ao menos nos 3 primeiros anos de guerra e apesar do tipo “XXI”
ser extremamente avançado, chegou tarde demais.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

“Também tem aquele filme do submarino cor de rosa da marinha dia EUA no Pacífico.”

O melhor de todos os mencionados!

Com todo o respeito aos demais diretores, especialmente ao incrível trabalho do Wolfgang Petersen em criar o clima insuportável no interior do submarino em Das Boot, mas Blake Edwards mandou como (quase) sempre muito bem na direção de Operation Peticoat, conhecido em português como “Anáguas a Bordo”. E Tony Curtiss mandou tão bem que rouba a cena quase todo o tempo. Cary Grant elegantemente se portou bem como escada. Filme para rever 50 vezes.

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

Coisa de gente velha, mas acho o máximo aquele sutiãs da década de 50 na forma de cones.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Melhor ainda era a dona do sutiã.

Camargoer
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
5 meses atrás

De fato “o pecado mora ao lado”.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  ACACIO DE OLIVEIRA
5 meses atrás

Acacio, é só dar uma olhada nas matérias dos últimos dias e você terá noção disso. Essa foi publicada justamente para complementar as anteriores, que falam do andamento de programas no ano passado, com o contexto histórico dos planos de 10 anos atrás.

Gustavo
Gustavo
5 meses atrás

Esses números seriam um sonho mesmo… mas eu acho que bastavam apenas 1 NAe de 40 mil toneladas, 8 fragatas, 10 Corvetas, 8 Subs (2 deles nucleares), e 12 NPAoc. Ainda assim seria um sonho, mas bem mais próximo a realidade DAQUELE momento. Hoje em dia, está difícil acreditar que virão mais corvetas…

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
5 meses atrás

Sonhar não custa nada
O meu sonho é tão real
Mergulhei nessa magia
Era tudo que eu queria
Para ese carnaval
Deixe a sua mente vagar
Não custa nada sonhar
Viajar nos braços do infinito
Onde tudo é mais bonito
Nesse mundo de ilusão
Transformar o sonho em realidade
E sonhar com a mocidade
E sonhar com o pé no chão

farragut
5 meses atrás

comentário da época em que ainda se chamava peamb, transformado em post pela editoria do blog
https://www.naval.com.br/blog/2009/08/04/comentario-em-destaque-o-presente-e-o-futuro-da-marinha/

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
5 meses atrás

Pensei que eu sonhava alto, mas eles estão dois passos a frente kkkkkkkkk

Ari Santos
Ari Santos
5 meses atrás

Parece que esse “plano” foi elaborado por um guri de 6 anos brincando de barquinho na banheira de casa

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
5 meses atrás

Como se diz, falta de planejamento de longo prazo. Apenas mais um planejamento para se juntar com tantos outros já feitos. Mas se eu, (RESSALTO, OPINIÃO PESSOAL), fosse comandante da MB, tentaria salvá-lo, mas baseado em uma total mudança de prioridades. 1º – eu tornaria prioridade máxima atual a CLASSE MACAE ou ao projeto NPa500BR (conforme apresentado pelo Contra-Almirante (EN) LIBERAL Enio Zanelatto em 2017), não em 46 unidades, mas em pelo menos 28 quem sabe (essa quantidade pois faria as transferências dos GRAJAU para a força fluvial, aposentando os PIRATINI e os BRACUI). 2º – em segundo grau de… Read more »

ednardo curisco
ednardo curisco
5 meses atrás

sempre foi devaneio.

nm marinhas como a inglesa ou francesa têm tantos navios.

E esta esquadra seria maior que praticamente todas as armadas do Atlâtico Sul somadas.

E ´sim um problema quando se planeja tão mal.

Jorge
Jorge
5 meses atrás

PT,PMDB e PSDB governando e a culpa é do projeto, do almirantado, para uma Marinha do tamanho do Brasil.
Votam tudo errado e depois põem a culpa no Almirante.
Antes de pôr a culpa no Almirante, votem direito.

Esteves
Esteves
5 meses atrás

Segmentos da sociedade se manifestando sobre assuntos que sequer teriam acessos. Pessoas que não habitam as águas procurando razoabilidade nas publicações e nos comentários. Aficionados, especialistas, especializados, marinheiros e mestres, direcionando as perguntas aos sentidos das tecnicidades históricas. Para serem respondidas consistentemente. Marinheiros com visão de futuro de 40 anos. Se isso tudo está gerando negócios e dinheiro no bolso dos editores, não sei. Sei que o PN dá uma contribuição gigante ao entendimento das coisas e de como as coisas acontecem no país. Eu me divirto. Plano se faz vendo. Planejamento que conheço é feito com SWOT, BCG, Pontos… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Esteves
5 meses atrás

“Como se o tempo faltasse.”

Definitivamente ele não sobra!

Mattos
Mattos
5 meses atrás

As FFAA tem todo o direito de palnejarem o que quiserem. Mas que tava no topo não tin ha o menor interesse de ver as coisas irem pra frente nas FFAA.