Home Aviação Naval Porta-aviões USS Gerald R. Ford (CVN 78) tem sistemas de combate postos...

Porta-aviões USS Gerald R. Ford (CVN 78) tem sistemas de combate postos à prova

6160
47
Jatos Hawker Hunter da Airborne Tactical Advantage Company ajudaram a testas os sistemas de combate do Ford

OCEANO ATLÂNTICO – O USS Gerald R. Ford (CVN 78) da Marinha dos EUA concluiu recentemente os testes de sistemas vitais de combate em andamento no Oceano Atlântico.

Esses testes, realizados durante a fase de testes e provas pós-entrega do Ford (PDT&T), são projetados para enfatizar as capacidades do sistema de combate do navio e demonstrar a bem-sucedida integração de novas tecnologias, que a tripulação emprega para defender o porta-aviões.

Cmdr. Ron McCallister, oficial de sistemas de combate do Ford, observou que o teste era um esforço colaborativo entre o Naval Sea Systems Command, juntamente com a maior comunidade técnica e a força do navio.

“Os testes exercitam o conjunto de sistemas de combate como uma unidade completa e garantem a máxima disponibilidade para atender aos requisitos das missões de combate e autodefesa”, disse McCallister. “No final, o conjunto de sistemas de combate alcança o máximo de prontidão e os marinheiros desenvolvem mais competência operacional e técnica.”

A primeira certificação de sistemas de combate integrados do Ford testou o Air Traffic Control Radar Beacon (ATCRB) e a identificação de amigo ou inimigo (IFF). Os testes, realizados durante vários dias, avaliaram a capacidade do ATCRB de rastrear contatos aéreos e de superfície e identificar aeronaves amigas e inimigas usando um sistema de identificação avançado. O IFF é usado não apenas para identificação positiva, segura e de amigos, mas também para controlar aeronaves.

“Usamos um sistema de interrogador para desafiar os transponders de aeronaves para identificação”, disse Juannietagrace Okeli, especialista em operações de segunda classe, de Moss Point, Mississippi. “O interrogador, a capacidade de engajamento cooperativo e os Sistemas de Autodefesa de Navios (SSDS) trabalham juntos para nos fornecer a identificação de combate”.

O Ford também concluiu recentemente o teste de desenvolvimento marítimo (SBDT) de sistemas vitais de combate. Este foi o primeiro teste completo do sistema de combate integrado contra adversários táticos. Os testes foram conduzidos com os aviões a jato Kfir e Hawker Hunter da Airborne Tactical Advantage Company. A tripulação do navio acompanhou as aeronaves usando o Dual Band Radar (DBR) do Ford.

“O SBDT é um trampolim para o Combat Systems Ship Qualification Trial do Ford (CSSQT) e testes operacionais subsequentes da Marinha”, disse o comandante William Buell, oficial do centro de direção de combate do Ford. “Nossas operações do SBDT foram executadas sem problemas, o que é um bom indicador de sucesso futuro no CSSQT.”

Como parte do SBDT, os marinheiros do departamento de sistemas de combate do Ford realizaram um carregamento de munições simuladas para operadores no Centro de Direção de Combate (CDC) do navio para simular o engajamento das aeronaves.

“Foi encorajador ver os resultados de nosso trabalho coletivo valer a pena e provar a capacidade de combate da classe”, disse Sam Lantinga, Fire Controlman de 2ª classe, de Grand Rapids, Michigan. “Sem esses sistemas de autodefesa, o Gerald R. Ford não seria capaz de fornecer efeitos letais aos adversários de nossa nação”.

O Gerald R. Ford é o primeiro da nova classe de porta-aviões e o primeiro novo porta-aviões projetado em mais de 40 anos. O Ford está no mar realizando qualificações para pilotos navais no Oceano Atlântico.

Caça F-21 Kfir passa pelo Ford

FONTE: US Navy

47
Deixe um comentário

avatar
9 Comment threads
38 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
ObservadorCosme EustáquioRaphaelFrancisco BastosTutu Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Que maquina…

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Que babão, você…os próprios americanos estão duvidando do conceito desses porta-aviões, ante a ameaça terríveis dos mísseis russos e chineses. Caso seja afundado, imagina só que um elefante branco desses tem que destruir de 80 a 100 aviões inimigos + bilhões de equipamentos inimigos + eliminar mais de 5000 combatentes só para ter “empatado” o jogo.

Francisco Bastos
Visitante
Francisco Bastos

Quanta merd… saiu destes dedos. Difícil é chegar pelo menos no ‘caso seja’. E olha que sou neutro nessa briga de torcidas aqui.

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Tem matéria recente aqui no poder naval demonstrando que os americanos vão construir menos porta-aviões dessa classe do que inicialmente planejaram. Então, quando eu falo tenho base. E quanto a você ser neutro, significa que é um direitista-olavista que usa shampoo neutro? ou neutro significa que não é nem macho nem fêmea?

Observador
Visitante
Observador

Olha amiguinho, há uma gigantesca diferença entre o que você que seja e a realidade. Se esses misseis ultrafodásticos realmente fossem o bicho, acho que EUA saberiam muito mais sobre eles que meros leitores de foruns de internet, né? e já teriam tomado atitudes. Mas, eles ainda estão construindo novas navios desses, o que significa que a realidade pode ser um pouquinho diferente que tu pensa.

filipe
Visitante
filipe

A principal inovação dessa classe é o EMALS, do resto é quase um Nimitz melhorado.

Dalton
Visitante
Dalton

São tantas “inovações” que não dá para dizer que trata-se apenas de um “Nimitz melhorado”, além das “EMAL” há outras como… – um novo maquinário para retenção de aeronaves que pousam significando menos estresse à estrutura das mesmas principalmente das não tripuladas; – dois reatores nucleares de um tipo completamente novo, gerando mais energia para futuras armas por exemplo e exigindo menos pessoal; . – elevadores que transportam armas das entranhas do navio diretamente para o convés mais rapidamente evitando áreas improvisadas como refeitórios; . – a “ilha” deslocada mais para trás propiciando mais espaço e agilidade nas operações aéreas;… Read more »

Silas
Visitante
Silas

já esse não conhece nada de navios… rs

Gus Talking
Visitante
Gus Talking

Sem falar no radar, agora inteiramente de varredura eletrônica, não tem mais aquele quadradão do SPS-48, o Ford é outro PA. Fico pensando nos ingleses com 2 ilhas monstruosas, enquanto o Ford maior e mais poderoso com apenas uma, enxuta, bonita e esguia. Pra mim os ingleses perderam a mão totalmente.

Teropode
Visitante

Dizem que as ilhas terão comandos separados, aereo e naval , ja o Ford com o triplo da capacidade possui só uma diminuta ilha , séria o nivel da automação que f3z a diferença.

Dalton
Visitante
Dalton

O “Queen” tem duas salas de máquinas muito distantes uma da outra até para garantir uma sobrevivência maior no caso do navio ser atingido e cada sala de máquinas “tem” uma chaminé de grandes proporções. . Ao contrário do “Invincible” que tinha uma superestrutura corrida, decidiu-se ter duas separadas, a primeira focada na navegação e a segunda em operações aéreas, cada uma uma englobando uma chaminé e entre elas colocar um grande elevador de aeronaves. . O “Ford” não apenas não tem chaminés como a doutrina americana reza que a “ilha” tem que ser pequena para não atrapalhar a grande… Read more »

Cosme Eustáquio
Visitante
Cosme Eustáquio

Mas ainda assim as principais inovações de fato são as catapultas e o sistema de parada, pois o reator por mais que seja mais potente, não apresenta nenhuma inovação na área de reatores nucleares. Quanto a reposicionamento da ilha da belonave é uma volta ao passado, e a redução no numero de elevadores é o retorno ao modelo que se mostrou mais eficiente, as vezes menos é mais. as demais “evoluções” nada mais são que parte do processo de evolução que afeta a todos nós, então não apresentam nada de novo como você afirma

Dalton
Visitante
Dalton

Veja que usei a palavra inovações entre aspas por conta do outro comentarista ter usado, seja inovações ou diferenças a realidade é que trata-se de um projeto novo enquanto o “Nimitz” foi projetado mais de 50 anos atrás ! . Fiquei curioso quanto ao reposicionamento da “ilha” ser uma “volta ao passado” , você pode citar algum NAe do passado com essa configuração? . Quanto ao número de elevadores, desde o primeiro “Super Carrier”de 1955 padronizou-se 4 elevadores para aeronaves, então o “Gerald Ford” é o primeiro “Super” a ter 3 mais capazes e foi justamente o abandono do elevador… Read more »

Silas
Visitante
Silas

esse conhece de navios…

Dalton
Visitante
Dalton

Eu tento Silas, mas, é mais uma obsessão por navios do que grande conhecimento.

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Acabamos de descobrir que o filipe não sabe nada de porcaria nenhuma!

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Os caras usam aeronaves para treino que são melhores do que muitos ativos de forças aéreas por ai…

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Já eram pilotos experientes e nessas empresas eles voam mais que muitos pilotos na ativa nas Forças Aéreas.

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Incrível mesmo são aeronaves de 70 anos atrás estarem voando.

ALEX TIAGO
Visitante

Tu95 e derivações e B52 e derivados realmente são máquinas incríveis lindas e maravilhosas que aceitam modernizados. Não digo 70 anos mas quase 60 anos

Top Gun Sea
Visitante
Top Gun Sea

Para um projeto de porta aviões caríssimo de desenvolver e de operar como a classe Ford é melhor ter erros de projetos na rede de esgoto e nas privadas do que no sistema de combate.

Matheus Santiago
Visitante
Matheus Santiago

Mas o projeto ainda tem carência em resolver problemas no sistema de combate. Um relatório enfatizou que o sistema de guerra eletrônica a bordo e o radar multifuncional falhou em manter as detecções e rastreamentos, o que afeta a capacidade de engajamento cooperativo, pois reduz a capacidade geral de autodefesa do navio.

Esses testes informados da matéria devem ser os testes que ajudarão a descobrir problemas com esses sistemas.

Rodrigo Maçolla
Visitante
Rodrigo Maçolla

Pois é ouvi dizer que vão chamar os “Mario bros” pra resolver o problema, ou então vão ter que mudar a dieta dos tripulantes e pilotos….

Augusto L
Visitante
Augusto L

Mas o radar SPY-6 não esta pronto so entrara em operação em 2023, alem que é um sistema de combate que sera compartilhado com outras classes de navios

Matheus Santiago
Visitante
Matheus Santiago

O radar multifuncional é o SPY-3.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Da classe ford sera o SPY-6

Matheus Santiago
Visitante
Matheus Santiago

Tu sabe a diferença entre um “MFR” de um radar AESA?
Eu queria muito saber isso.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Hawker Hunter = Sexy!

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Tenho que concordar com o relator kkkkkkkkk

Teropode
Visitante

Tenho que concordar com o relator 2 . Ingleses sabiam fazer aviões, criavam soluções interessantes .O vulcan é o mais belo exemplo.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Difícil eu conseguir escolher um preferido entre as máquinas inglesas. Mas certamente o Vulcan está entre eles.

Dr.Pimpolho
Visitante
Dr.Pimpolho

Off topic, algumas imagens do incidente entre o Resolute e o GC-23 Naiguata:

https://twitter.com/ConflictsW/status/1246520629760843780

Carlos Gallani
Visitante
Carlos Gallani

Belo off topic, corrobora com minha opinião de que o resoluta agiu para preservar a própria integridade!

José de Arimateia
Visitante
José de Arimateia

Alguem sabe me dizer se a catapulta eletromagnetica dessa bagaça já está em funcionamento?

Dalton
Visitante
Dalton

Sim, tanto que o USS Gerald Ford tem realizado qualificações de pilotos
da Ala Aérea 8 designada para o USS George H W Bush que encontra-se em manutenção e também dos Esquadrões de Treinamento/Reposição.

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

São lindos, os EUA deveriam construir mais 20 desses.

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Obrigaria a Rússia a gastar 20 mísseis tipo khinzal para afundá-los. Terrível para a Rússia.

Tutu
Visitante

Odeio essa briga de torcida, mas….

Caso os americanos um dia venham a ter um míssil semelhante, quantos eles precisariam usar para afundar a vasta frota russa de navios aeródromos?

Cada um com seus problemas….

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Eles não precisam invadir ninguém, mas podem atingir qualquer país do mundo com seu mísseis balísticos intercontinentais, seus submarinos – nucleares ou a diesel – e seus TU-160. Fazem o mesmo que os americanos a um custo bem menor.

“Odeio essa briga de torcida, mas….” – sei que odeia, principalmente quando vc está de um lado delas e está perdendo.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Hmmm… Chechênia, Geórgia, Ucrânia, Tajiquistão, Daguestão… e isso para não mencionar mais e mais levantes que ocorreram e de vez em quando ainda pipocam nas fronteiras mais esquecidas da Rússia e que são esmagadas pelo exército vermelho e às vezes com muito custo. Mas enfim… mas não precisam invadir ninguém…

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Às vezes com muito custo? em que mundo vc vive? só um pouco no Afeganistão, mas o desempenho do exército vermelho lá foi muito superior ao desempenho dos EUA, isso dito pelo próprio Taliban e pelos fatos. Chechênia não é um país, é dentro da própria Rússia, portanto eles não invadiram ninguém; Geórgia que atacou os russos primeiros, isso foi reconhecido pela própria OTAN; Ucrânia, o Ocidente deu um golpe de estado ilegal lá, o objetivo era absorver a Ucrânica à OTAN e tomar, por meios políticos, a base naval russa de Sevastopol (loucura total!!!); Tajiquistão? Daguestão? só existem ataques… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Exato, “cada um com seus problemas”. Os EUA estão distantes geograficamente de seus aliados e potenciais adversários então precisam ir até eles e contar com aeronaves de caça/ataque, reconhecimento, etc, é importante. . Já a Rússia estende-se da Europa até à Ásia, do Ártico até o Mar Mediterrâneo, os “problemas” estão próximos então a necessidade de uma marinha de “águas azuis” é menor, tanto que a espinha dorsal da marinha russa é formada por pequenos combatentes de superfície. . Um NAe não é pensado apenas para combater a Rússia e há também outras utilidade para um NAe menos visíveis como… Read more »

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

O kuznetsov, embora seja inferior ao Nimitz em projeção de poder (mas não em táticas defensivas perto do seu território), faz o mesmo que um Nimitz contra países de terceiro mundo. Por exemplo, para dissuadir o Brasil, o Kuznetsov daria conta com sobras. A Rússia não precisa de porta-aviões, na minha opinião e na opinião de vários analistas militares russos. Num embate entre as marinhas dos EUA e da Rússia, eu apostaria muito mais na tática formiga da Rússia (ataque de vários navios pequenos) do que na tática elefante branco dos EUA. Perdas em batalha ocorrem, por melhor que seja… Read more »

Raphael
Visitante

Esqueçam a Rússia, isso é coisa de coroa, essa agora está ajudando os EUA direto com materiais hospitalares, o foco agora é a China 🇨🇳

100nick-Elã
Visitante
100nick-Elã

Numa guerra contra os EUA, a China pode contar com a Rússia – e seus 7000 mísseis balísticos intercontinentais nucleares (maior arsenal do mundo, superior ao dos EUA), seus SU-57, SU-35, SU-34, SU-25, Mig31, Mig35, tanque T-14 Armata, TU-160, mísseis Khinzal, mísseis skander, kalibr, Satan2, Status-6, Cruzador Nuclear Pedro o Grande, tanques T90, sistema Glonass, etc etc etc.

China e Rússia, Rússia e China – unidas por longo tempo.

Dalton
Visitante
Dalton

A Rússia não tem 7000 mísseis intercontinentais, você está confundindo com ogivas sendo que apenas uma fração delas está implantada em mísseis, o restante na reserva e o mesmo ocorre com os EUA, portanto a diferença entre ambos não é significativa e cá entre nós, não é hora ou nunca é de se pensar em guerra nuclear. . Só como exemplo, por conta de acordos os EUA reduziram o número de SLBMs Trident de 24 para 20 a bordo de seus SSBNs classe “Ohio” e mais reduções serão feitas pois já há armas mais que suficientes para destruir o mundo.… Read more »

Dalton
Visitante
Dalton

Talvez quando o “Kuznetsov” retornar modernizado ele seja de alguma valia, mesmo contra o Brasil, pelas suas palavras, pois em 2016, ao ser enviado à Síria, 2 aeronaves foram perdidas no espaço de 3 semanas devido à falhas do equipamento de retenção e depois disso o restante das poucas aeronaves a bordo operaram a partir de terra. . A sua tática “formiga” só funciona se uma marinha adversária tiver que aproximar-se demais e não há tantos “navios pequenos” assim. É preciso descontar os que não estão certificados para combate devido à idade e falta de cuidados, os que estão em… Read more »