Home Indústria de Defesa Saab entrega submarino Gotland atualizado para a Marinha Sueca

Saab entrega submarino Gotland atualizado para a Marinha Sueca

3702
34

O submarino HMS Gotland foi agora entregue novamente às Forças Armadas da Suécia após uma extensa atualização.

Os submarinos Gotland, construídos durante os anos 1990-1997, haviam passado por modificações mais simples. A atualização de meia-vida realizada nos dois submarinos Gotland adota uma abordagem holística e examina todo o submarino e suas instalações para garantir que eles atinjam a disponibilidade e o desempenho necessários para o restante de sua vida útil.

Os sistemas e equipamentos desatualizados e considerados difíceis de manter durante a vida útil restante foram atualizados ou substituídos. Em conexão com isso, também foi avaliada a necessidade de atualizar os recursos existentes do submarino para atender a novas ameaças. Além disso, a atualização de meia-vida também visa atender aos requisitos de segurança e ambiente de trabalho que foram alterados desde a construção dos submarinos.

Hans Egonsson, gerente de projetos da FMV, observa que é um trabalho abrangente de modificação realizado nos submarinos de 25 anos de idade no estaleiro da Saab Kockums em Karlskrona.

“Mais de 10.000 desenhos foram produzidos no projeto e quase 500.000 horas de produção foram realizadas, e mais de 10.000 novas soldas foram feitas. Em princípio, todo o sistema de gerenciamento foi substituído, incluindo todos os sistemas de sensores e armas. O programa realizou mais de 1.500 horas de treinamento e cerca de 360 ​​atividades de verificação dos sistemas técnicos, com mais de 1.000 horas de testes do sistema no mar.

Aumentado em dois metros

Os submarinos são cortados ao meio e estendidos em cerca de dois metros, inserindo um plugue no casco. O trabalho de modificação interna foi muito facilitado por poder trabalhar com livre acesso no e através do submarino.

Muitos sistemas de bordo foram substituídos por novas gerações, incluindo não apenas os sistemas de sensores, mas também sistemas que produzem ar comprimido, refrigeração e hidráulica e que fornecem energia a muitos outros sistemas a bordo. A transição para os sistemas de monitoramento digital e a interdependência dos sistemas tornam a integração dos sistemas extremamente importante.

Vários sistemas instalados nos submarinos Gotland são os mesmos que serão instalados nos dois novos submarinos A26 que a FMV entregará às Forças Armadas da Suécia. Os motores Stirling são um exemplo, mas também existem sonares passivos e ativos, sistemas de conexão e sistemas de suporte a gerenciamento e o periscópio de fibra óptica que substitui o antigo periscópio.

Do periscópio à câmera de vídeo

O mastro optronic é uma câmera de vídeo com uma ampliação poderosa, na qual os operadores podem ver a imagem da superfície diretamente nas telas e, posteriormente, revisar imagens estáticas e de vídeo em um console separado, após o recolhimento do mastro óptico.

Quando a tripulação deseja explorar a superfície, tanto por segurança quanto pelo uso tático do submarino, eles içam o mastro por um curto período de tempo e coletam as imagens. Então o material pode ser analisado posteriormente.

O motor Stirling, independente do ar, é usado em submarinos suecos há 30 anos. O princípio básico ainda é o mesmo, mas muita coisa aconteceu desde então nessa área: sistema de controle digital, novo gerador e recuperação do calor residual nos gases de escape para produzir água quente para o conforto a bordo são algumas das medidas tomadas.

Em conjunto com as modificações, também foram realizadas uma reforma e revisão geral.

FONTE: FMV

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Esteves
Esteves
1 mês atrás

Pois é.

Existe navio velho ou existe navio não mantido?

ALLAN
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Uma hora todo navio começa a envelhecer, pode demorar mais ou menos mas sempre a idade chega.

Esteves
Esteves
Reply to  ALLAN
1 mês atrás

Chega.

Mas operar um navio por 40 anos no melhor estado possível de atualizações é feito por quem detém, domina e opera os recheios.

Outras marinhas pintam o casco.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Tenho um amigo q era tenente mecânico do São Paulo… Ele fez parte da turma q foi na França buscar o SP. Ele cansou de me dizer… q o SP veio perfeito para o Brasil. Quem destruiu o SP foram as tripulações.
Acho difícil acreditar 100% nisso… Mas q é de encher a cabeça de dúvidas… é !

Kemen
Kemen
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Vc se refere ao casco e dependencias, motores, etc ou aos sistemas de combate e armas?

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

Obra prima da engenharia naval sueca

Lu Feliphe
1 mês atrás

Esse submarino teve fama ao afundar em um exercício um portas aviões Americano.
É considerado um dos mais modernos submarinos AIP do mundo, e um exemplo da Indústria bélica da Suécia.

Dalton
Dalton
Reply to  Lu Feliphe
1 mês atrás

Foi alugado com tripulação e tudo pela US Navy por dois anos, 2005 – 2007,
para exercícios, baseado em San Diego na California onde na época também estava baseado o USS Ronald Reagan “vítima” do submarino sueco.

Lu Feliphe
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Na época eles queriam testar as capacidades de submarinos diesel elétricos contra seus submarinos, onde ficaram surpreendidos com o seu desempenho, ele também afundou o ssn Houston e um ssn francês em exercícios.

Dalton
Dalton
Reply to  Lu Feliphe
1 mês atrás

O então USS Houston havia sido transferido de San Diego para Guam onde chegou em dezembro de 2004, portanto antes da chegada do submarino sueco.
.
Pode ter sido outro submarino da US Navy ou você confundiu outro feito
já que eventualmente saem notícias de submarinos de outras nações
“afundando” submarinos da US Navy

Lu Feliphe
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Verdade, acho que confundi os exercícios.

Esteves
Esteves
Reply to  Lu Feliphe
1 mês atrás

Dizem mas literaturas que os americanos queriam testar esses motores Stirling.

Patente sueca.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Dalton
Não entendo como alguém pode negativar um comentário desse.

Kemen
Kemen
Reply to  Lu Feliphe
1 mês atrás

Após esses exercicios, a figura de ruido desse submarino, já consta da base de dados da US Navy para futuras identificações. Submarinos que não tem passo variavel da(s) helice(s) não deveriam participar de exercicios com outros paises, é uma questão de segurança. “Venham, afundem meu porta aviões no exercicio, divirtam-se”…

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Uma bela atualização! Com essas atualizações ele vai ficar na ativa até quando? Mais 25 anos?

Dalton
Dalton
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Não necessariamente…ele fará 25 anos em abril do ano que vem, então arredondou-se para 25 anos, mas, a modernização foi iniciada quando o submarino contava com cerca de 20 anos, então, desconta-se o período que ficou indisponível e pode se ter outros 20 anos de vida.

Kemen
Kemen
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Cada um ficara na ativa até que cada um dos 2 Blekingue passe nos testes da Marinha sueca, então irão substituindo 2 dos Gotland.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
1 mês atrás

Na verdade as atualizações foram tão extensas que este sub é praticamente um A26 no casco de um Gotland.

Com isso, já vai treinando os tripulantes nos novos sistemas e aí mesmo tempo os novos sistemas vao sendo testados , de maneira que ja haja um amadurecimento quando os futuros A26 entrarem em serviço.

Muito bom e um belo submarino.

Kemen
Kemen
1 mês atrás

Esticando a vida dos velhinhos… é um submarino de pequeno porte 1.500/1.600 tn, o sistema AIP é antigo, tecnologicamente superado pelos “fuel cell”, comenta-se que é bem silencioso. Dos 3 submarinos disponiveis 2 foram modernizados, a modernização foi iniciada em 2014 e foi terminada, a previsão é opera-los além de 2025. Foram encomendados 2 submarinos novos de nova geração com umas 2.000 tn.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Pois, mas os novos submarinos, vêm substituir os 2 mais antigos submarinos Suecos, os da classe vastergotland, e não os gotland, que são mais novos.

Kemen
Kemen
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Vc tem toda a razão, pensei que não operasem mais esses 2 dos anos 85/86, mas constam como ativos na rede, é possivel que estejam meio que na reserva aguardando os 2 novos.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
1 mês atrás

E o velho Viking retorna mais forte!

Kemen
Kemen
Reply to  Heinz Guderian
1 mês atrás

A maioria dos vikings teve origem na atual Dinamarca, alguns clãs se situavam fisicamente na atual Suécia, mas eram de origem dinamarquesa. Eram povos que viviam de ataques, saques e escravidão dos povos não vikings, inclusive existiram lutas entre os seus proprios clãs, eram considerados bárbaros no mundo ocidental. O resto é puro filme e seriado romantico… e nada a haver com a cultura sueca ou dinamarquesa atual, que são exemplo de democracia, liberdade e liberalidade.

Zorann
Zorann
1 mês atrás

Eles estão nos dando uma aula sobre como manter um submarino moderno mesmo ele tendo 25 anos.

E nós estamos aqui nos desfazendo dos nossos IKL 209, com idade semelhante, por não termos dinheiro para mante-los. lembrando que nem trocar as baterias, nós trocamos ao fazer o PMG “meia boca” dos nossos.

Ter é bem diferente de operar e manter.

Esteves
Esteves
Reply to  Zorann
1 mês atrás

Fazendo contas…

Os contratos com os franceses foram de 9 bilhões de euros. Com os aditivos podem ter ido a 10 bilhões de euros por 50 helicópteros + 4 + 1 submarinos + Itaguaí + Iperó. 2 dos helis e 7 do PROSUB.

Tivessem ficado com as manutenções e as evoluções dos IKL como na época sonhavam…provavelmente teríamos uma outra Marinha?

Mantida e operativa?

Talvez.

Alex
Alex
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Mas! Nosso almirantado que adora dar uma de Marinha Grande, torrou Bilhões no sonho do Sub-Nuclear que no dia que sair do papel não vai passar de uma unidade. Nossa administração sempre foi horrível, uma Marinha que vive de migalhas que mau tem fragatas velhas, torra dinheiro em Porta Aviões e Sub Nuclear.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Alex
1 mês atrás

Alex,

Respeito sua opinião mas penso diferente. Qualquer dinheiro e tempo gastos no desenvolvimento autóctone de um sub nuclear é mais do que bem gasto. É uma arma extremamente estratégica e deixa um arrasto tecnológico imenso.

Parabéns a MB pela perseverança no projeto.

Esteves
Esteves
Reply to  Luiz Galvão
1 mês atrás

50 anos.

Esteves
Esteves
Reply to  Alex
1 mês atrás

Talvez…

Não tenha existido opção. O presidente na época fez o negócio com os franceses. A MB vinha arrastando o programa nuclear desde os anos 1980…comendo o próprio corpo.

Seguir com os IKL ou reiniciar do zero com os Scorpenes + programa nuclear + Itaguaí?

8 bilhões de euros.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Zorann
1 mês atrás

Planejamento, foco, análise de custo/benefício, diferente do que temos aqui. E fico pensando nos US$100 milhões gastos com os “Traders” para fazer COD em um porta aviões que não existe ou existirá.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  EduardoSP
1 mês atrás

Eduardo,

US$ 100 Milhões pelos traders me parece ser um número irreal. Não estou certo. Você pode citar a fonte dessa informação?

Marcos10
Marcos10
1 mês atrás

País sério é outra coisa.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

E a compra de oportunidade dos mineiros da Suécia? Não se fala mais nessa “oportunidade”? Acho que a compra de navio de apoio acabou com a grana do orçamento.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

OFF – Riachuelo realiza teste de desempenho da propulsão – https://youtu.be/nSnQOilTAH4