sábado, abril 17, 2021

Saab Naval

Grupo de ataque do porta-aviões USS Ronald Reagan no Mar da China Meridional

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O grupo de ataque do porta-aviões USS Ronald Reagan foi detectado no Mar da China Meridional com o navio de assalto anfíbio USS America localizado nas proximidades, em 15 de agosto, informou o SCS Probing Initiative (SCSPI) no Twitter.

Segundo o SCSPI, os militares dos EUA aumentaram significativamente a vigilância aérea em 14 de agosto. Além de um avião RC-135S e de um EP-3E detectados pela manhã de ontem, havia pelo menos um P-3C e um P-8A nas extremidades norte e sul do Estreito de Taiwan.

O USS Ronald Reagan sinalizou se mover para as águas a leste de Taiwan, quando dois aviões de carga embarcados C-2A Greyhound foram avistados naquela área, em 11 de agosto.

As informações são obtidas por OSINT (Open Source Intelligence), com dados coletados de fontes disponíveis publicamente, como satélites comerciais e softwares como o Flightradar que fornecem a localização de aeronaves pelo sistema ADS-B.

Movimentação dos aviões C-2A Greyhound do USS Ronald Reagan

RC-135 sobre Kadena

EP-3E sobre Taiwan

P-8A sobre o Mar da China

P-3C sobre o Mar da China

- Advertisement -

30 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo

Mas sempre tem porta aviões americanos nessa região, normalmente ficam no Japão, mas visitam a Coreia do Sul e Taiwan!

Dalton

Ambos baseados no Japão, o “Reagan” em Yokosuka e o “America “em Sasebo,
o primeiro saiu para sua primeira patrulha anual em junho enquanto o segundo está iniciando sua segunda e última patrulha anual.
.
Navios de guerra dos EUA nunca “visitam” Taiwan e outros locais frequentemente visitados pelos 2 navios baseados no Japão incluem Singapura e Austrália.

Fabio Araujo

Realmente Taiwan só entra na rota das visitas quando a situação esquenta um pouco, se a situação esta calma não passam por lá para não provocar a China.

Dalton

Fábio, “visitar” significa aportar quando então a tripulação recebe uma licença para deixar o navio e é o que ocorre na Coreia do Sul que você citou.
.
No caso de Taiwan, navios de guerra americanos simplesmente
não fazem isso, mas, ” passar por perto” pelo Estreito de Luzon é extremamente comum.

Rafael Coimbra

Agora, terça-feira 22:18 uma aeronave (ISR) Amerciana decolou de Naha, próximo a Okinawa no Japão e está indo em direção a Tawian. Eles estão vigiando bem de perto a região.

horatio nelson

isso é o q vemos…imagina a quantidade de submarinos operando na região…deve ser um numero razoavel fazendo patrulhamento

Dalton

Com menos de 30 submarinos “táticos”, “SSNs/SSGNs” baseados no Pacífico outros 2 estão passando por revitalização na costa leste, será muito se houver mais do que meia dúzia ativamente em patrulha, provavelmente apenas um relativamente próximo ao “Reagan”. . Todos os demais estão em treinamento, manutenção, transito. Em caso de necessidade é possível aumentar o número encurtando treinamento, adiando manutenções, chamando de volta um que recentemente retornou e mantendo por mais tempo no mar aqueles que já estão engajados. . Basicamente para cada unidade certificada se tem um em treinamento e outro em manutenção, mas, realisticamente, ainda mais quando se… Read more »

ted

Provocação. Em algum ano isso vai acabar em guerra.

Dalton

Provocação mesmo seria aportar em Taiwan. Transitar ao sul das Filipinas em águas internacionais não é provocação e desde a década de 1970 os EUA mantém um NAe baseado no Japão.
.
Não seria uma “ilha artificial” considerada uma provocação também ?

Lucas

Não é provocação pela ótica Americana. É evidente que é absolutamente hostil para a China ter uma potência navegando com porta-aviões em sua zona de influência.
Será mesmo que os americanos não considerariam uma provocação se porta-aviões chineses navegassem em aguas internacionais na America Central? E mais, se aportassem em Cuba, Venezuela?

Matheus S

Em Maio desse ano, a USN tinha despachado para o Pacífico ocidental submarinos que estavam atracados em San Diego(Naval Base Point Loma) e Havaí, e essa força acrescentou com os 4 SSNs baseados em Guam – totalizando 7 ou mais submarinos. A Força Submarina da Frota do Pacífico relatou que isso se tratava de “operações de resposta de contingência”, na qual visava combater o expansionismo exibido da China. Parece-me que aquilo que eu relatei de terem três submarinos permanentemente patrulhando no Pacífico e mais três no Atlântico parece ser um número razoável, isso é em tempos normais sem tensões, operações de… Read more »

Dalton

Matheus…3 para o Pacífico é pouco, normalmente um dos 4 baseados em Guam sempre está em patrulha,as vezes 2, mas, de maneira geral e errônea considera-se todos os 4 já que o grau de disponibilidade é maior até porque costumam fazer patrulhas mais curtas e em maior número. . E Pearl Harbor e San Diego podem contribuir com 2 cada uma também, então 5 ou 6 em patrulha mais o SSGN que esteja de plantão, hoje o USS Ohio é um número mais razoável e as vezes ss pode contar com um dos 3 “Seawolf” no Pacífico também. . https://www.wral.com/uss-north-carolina-departs-pearl-harbor-hi-for-deployment/19031903/… Read more »

Matheus S

Acredito que a linguagem usada possa causar confusão. Quando eu digo que três submarinos estão em patrulha, eu digo, permanentemente, ou seja, em alto-mar patrulhando, ao contrário de implantado, em que ao mesmo tempo pode estar em patrulha quanto na base para reposições e/ou manutenções graduais. Para ficar um pouco mais claro, quando um SSBN está em patrulha, quando o mesmo atraca em um dos portos para manutenções e/ou reposições, demora dias ou mesmo semanas até que esteja totalmente disponível para continuar o patrulhamento. Eu já vi histórias de que um SSBN permanece atracado nos portos por um período superior… Read more »

Dalton

Sim Matheus, compreendi, mas, mesmo assim conforme minhas observações pela mania de acompanhar ou tentar acompanhar a movimentação da US Navy, 3 em patrulha no Pacífico é pouco. . Já pude constatar através de informações semelhantes àquelas do link que passei de submarinos deixando a base, fazendo visita a um porto por uns poucos dias, interagindo com NAes, etc, em um dado período de tempo e a conta que “sempre” chego é de cerca de meia dúzia, basicamente 20% dos cerca de 30 submarinos “táticos” da Frota do Pacífico. . O número de submarinos baseados no Atlântico é menor e… Read more »

Matheus S

Eu realmente não acompanho as notícias de implementação dos submarinos, apenas vejo de modo geral a notícia que agrega essa informação dos submarinos em patrulha como o caso de Maio de 2020, onde disseram ter 7 submarinos ou mais implementados. Bom, considerando seu comentário, a Frota do Pacífico sempre teve essa disponibilidade de submarinos em patrulha à qualquer momento? Eu até consigo visualizar essa disponibilidade(até mesmo uma disponibilidade maior) em toda a década de 2000, mas as notícias da frota submarina na década de 2010 não foram nada “elegantes”, o que se vê hoje é a frota submarina recuperando sua… Read more »

Dalton

A Frota do Pacífico nos últimos anos passou a ser maior que a do Atlântico, na base de 60% para 40% e o que há de melhor primeiro vai para o Pacífico também como em breve se verá o USS Carl Vinson começar a preparar-se para sua próxima missão com o primeiro esquadrão de F-35C e um destacamento de CMV-22B.

Matheus S

A Frota do Pacífico ser maior e mais moderna do que a do Atlântico já era bem previsível, haja visto o inevitável expansionismo chinês. A questão é abordar o esforço logístico para se manter os submarinos em alto nível de prontidão, o que acarretaria necessariamente em diminuir os recursos para a compra de novos equipamentos. Embora eu acredite que a Frota do Pacífico tenha recebido mais atenção do que a do Atlântico, pela crescente ameaça chinesa. As notícias dos anos anteriores não eram nada favoráveis quanto a isso, mas certamente de uns dois anos atrás em diante houve progresso no… Read more »

Matheus S

“No mais concordo e a força de submarinos irá diminuir sensivelmente nos próximos anos e isso já estava previsto vinte anos atrás quando se passou a encomendar apenas um submarino ao invés de dois e embora isso tenha sido corrigido, foi tarde demais, pois um número maior de Los Angeles será retirado e um número menor de Virginias adicionado. . Dias atrás finalmente dois submarinos que estavam sendo inativados saíram do inventário e pela primeira vez se tem um total de “apenas” 50 SSNs que irá cair ainda mais.” Pois é. O contraste de quem já viu o auge da… Read more »

Dalton

O único consolo é que os russos também estão tendo dificuldades com vários submarinos sendo modernizados ou aguardando na fila e atrasos nos cronogramas de entregas e um número maior de antigos que está sendo e/ou será retirado contra um número menor de novos adquiridos.
.
Isso permite a US Navy dar uma maior atenção ao Pacífico e espera-se que a força de submarinos após a redução que sofrerá nessa década possa voltar ao patamar atual e segundo se quer até mesmo ultrapassar 60 unidades.

Matheus S

Embora a Rússia também tenha seus problemas semelhantes à USN, o nível de atividade submarina russa aumentou, mas isso é um assunto discutível. A taxa de patrulha dos russos não é de modo contínuo como os americanos, todas as patrulhas russas ocorrem ao mesmo tempo, eles colocam todos os subs no mar para fazerem o patrulhamento ao mesmo tempo, isso é totalmente diferente da postura operacional dos americanos e provavelmente dos chineses também. Mais consolo para os americanos. Ao que parece, a China ainda não enviou os seus Type 094 para patrulha, provavelmente não se sentem seguros para realizar o… Read more »

horatio nelson

agora temos q ver a porcentagem de submarinos operacionais q a china manterá(é uma vantagem q eles tem sobre o ocidente pois trabalham 7 dias por semana quase 20 horas por dia)…a us navy creio q não considera mais a russia uma ameaça a curto prazo…a curto prazo agora é a china

Dalton

Ainda assim se tem 40% da US Navy “baseada” no Atlântico principalmente por causa dos russos e inclusive a importância do Ártico vem aumentando tanto que depois de cerca de quase 30 anos enviou-se novamente para lá um NAe o USS Harry Truman da Frota do Atlântico, em 2018. . Também eventualmente submarinos baseados no Pacífico tem sido enviados ao Atlântico Norte via Estreito de Bering e participando de exercícios no Ártico também. . Resta saber se os chineses a medida que incorporarem grandes e mais sofisticados navios e submarinos e eventualmente alcançando a meta continuarão mantendo esse ritmo de… Read more »

Matheus S

Provavelmente um submarino a cada 4 anos e meio sai em patrulha, considerando seus números. Mas pode ser que essas patrulhas sejam feitas por uma pequena parte dos submarinos do PLAN. Uma coisa que não pode ser negada, os chineses sabem fazer incríveis paradas navais.

48063263531_f9bc7d22f9_o.jpg
Matheus S

Parte 2:

49809838346_e4eb3eda0a_k.jpg
Matheus S

Parte 3:

48808942571_9493f8140a_o.jpg
Matheus S

Parte 4:

49310034618_dff0419a4a_k.jpg
DOUGLAS TARGINO

Bom, quem será o primeiro a dar o tiro? kkk

Andromeda 1016

Foi com fanfarra que a China havia anunciado o míssil hipersonico DF17 como caçador de porta-aviões norte americano dizendo que isso afugentaria os porta-aviões do mar da China, mas os gringos pelo jeito não se assustaram. Dizem que foi provado que o DF17 não consegue atingir a velocidade e a distância que diz atingir pois seu motor não está à altura. Para cumprir o que promete deveria funcionar por pelo menos 7 minutos mas pelo jeito funciona pouco mais de 1 minuto apenas. A tecnologia scramjet ainda está em fase de desenvolvimento na China logo por enquanto os porta-aviões gringos… Read more »

Salim

Toneladas de aço e bombas, diplomacia convincente.

JuggerBR

Que diferença em relação à WWII, lá as forças tarefas saíam pra caçar sem ter noção de onde estava os inimigos, dependiam de hidroaviões de reconhecimento e rádios, tecnologias bastante falhas e que resultavam em missões frustradas e encontros inesperados, gerando combates assimétricos. Hoje em dia até civis tem acesso à localização dos navios e aviões, imagina quanta informação a inteligência militar não possui do inimigo.

- Publicidade -

Reportagens especiais

Visitamos o destróier USS Laffey – última parte

Nesta terceira parte dos posts da nossa visita ao destróier museu USS Laffey da classe Allen M. Sumner em...
- Publicidade -
- Advertisement -