Home Indústria de Defesa Os planos de modernização da Armada Argentina

Os planos de modernização da Armada Argentina

6929
188
OPV ARA Bouchard

O Ministério da Defesa da Argentina informou o Congresso quais serão os planos de reequipamento da Armada Argentina, assim como para a Força Aérea Argentina.

Enquanto aguarda a construção dos demais OPVs pelo Naval Group, a Armada Argentina planeja incorporar um Navio de Desembarque Doca (LPD).

A Força também quer incorporar dois navios de transporte para incrementar a capacidade de apoio logístico.

1) Grupo de Patrulha Marítima

Significa: Embarcações de Patrulha Marítima (OPV)

Denominação: Incorporação de Patrulhas Oceânicas (OPV). OPV #2 #3 e #4

2) Força Naval Fluvial

Meio: incorporar uma embarcação polivalente

Nome: Melhoria e expansão das capacidades anfíbias, de ajuda humanitária e de apoio logístico para atividades na Antártida por meio da incorporação de um Navio Multifuncional do tipo LPD.

P-3C da US Navy

3) Grupo de exploração de superfície/submarino L/A

Meio: incorporação da aeronave P-3C ORION.

Nome: aprimoramento da capacidade de vigilância e exploração marítima-aérea com a incorporação de aeronaves P-3C ORION.

4) Bases logísticas

Meios: melhorar as bases e pontos de apoio logístico ao nível de arsenais e oficinas.

Denominação: Secagem e reparo da boca da barragem da carenagem no.2.

Recuperação da operação da doca n.º 1 da ARPB, através da sua reparação integral para a conservação da Subcapacidade de Apoio Logístico Fixo.

5) Transporte Naval / Fluvial de Apoio

Meio: incorporação de embarcação de transporte marítimo.

Título: “melhoria da capacidade de apoio logístico marítimo através da aquisição de duas embarcações de transporte”.

FONTE: Ministério da Defesa da Argentina

Subscribe
Notify of
guest
188 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jef2019
Jef2019
1 mês atrás

Estranho não haver nenhuma menção à submarinos, principalmente após perda recente do submarino argentino…com isso creio que a proposta brasileira de repassar alguns tupy aos hermanos subiu no telhado…

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Jef2019
1 mês atrás

Espero que tenha mesmo,não é bom ajudar um vizinho a se armar.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Tanto a Argentina quanto o Brasil demandam uma aviação de patrulha marítima. Os dois países poderiam desenvolver uma versão empregando uma plataforma da Embraer. A Argentina trocaria a aquisição e modernização de velhos P3C pelo desenvolvimento de um avião novo. Talvez esse acordo garantiria a demanda por pelo menos 12 aeronaves (seria ótimo traze o Chile para esse programa e elevar esse número para algo entre 15 e 20 aeronaves. O Brasil continuará fazendo fronteira com a Argentina. Isso é um fato. A ideia que a ampliação do comércio é um modo de evitar conflitos. A Europa tinha… Read more »

Ted
Ted
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Lembra do projeto conjunto CBA 123

Camargoer
Camargoer
Reply to  Ted
1 mês atrás

Olá Ted. Lembro do primeiro presidente da Embraer após a privatização dizendo, em um entrevista, que quando ele se reuniu com a engenharia de empresa e perguntou qual a missão da empresa, os engenheiros disseram que era fazer o melhor avião possível, quando ele disse que não. Que a missão da empresa era atender a necessidade do cliente. Ele até comentou que o problema do CBA123 era que não atendia a nenhum cliente. O Emb170/175/190/195 já existe. Há anos debatemos emprega-lo como patrulha naval. Seria um projeto de baixo risco (assim como foi o R99/E99).

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Bem…levando ao pé da letra.

KC390

. Fizeram o melhor avião?
. Aonde está o pedido do contrato de 28 que a ex presidente assinou?
. O que impede a venda do avião?
. O que está acontecendo com a Embraer?

paulop
paulop
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Olá Camargo. Concordo com essa perspectiva: caberia a MB, por meio de sua aviação naval, operar a patrulha marítiva. Quatro esquadrões espalhados pela consta, em uma aeronave baseada no EMB190 com apoio da SAAB, faria uma grande diferença na segurança da Amazônia Azul. A possibilidade de um projeto conjunto com a Argentina, Chile e, por que não, Peru, Equador e outros, seria vantajoso não somente para o Brasil/Embraer, mas também para criar um projeto que atenda as necessidades sul-americanas… Pórem… sugiro que leia a nova versão do LBDN e veja os projetos que a MB estipula como prioritários (já adianto… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  paulop
1 mês atrás

Olá Paulo. Pois é. A MB tem ignorado o problema da patrulha naval, mas em algum momento isso se tornará um problema. Talvez o novo modelo de avião para patrulha naval possa se tornar um programa do MInDef. A FAB já afirmou que não irá adqurir aviões para substituir o P3M. Será preciso pensar um sistema coordenado que usará drones, imagens de satelite, processamento de informação por inteligência artificial, aviões de patrulha equipados com mísseis anti-navio e barcos de patrulha oceânica. Será um programa tão caro quanto a construção das quatro FCT.

J R
J R
Reply to  paulop
1 mês atrás

Creio que nosso futuro patrulha naval será baseado no turboélice que a Embraer vai desenvolver…

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Caro Camargoer,você está ignorando a arrogância que sempre esteve impregnada no povo argentino em relação aos seus vizinhos,principalmente o Brasil.Nas boas épocas os argentinos jamais tiveram a ideia de integração regional como base das suas relações externas justamente por possuirem um sentimento de superioridade em relação a identidade latino americana. Se o Brasil quiser ajudar seus vizinhos,deve fazer isso visando unica e exclusivamente o interesse brasileiro,e não a integração nacional,pois países não têm amigos,têm apenas interesses. O Brasil não deve desenvolver nenhum projeto estratégico com a Argentina porque eles não são confiáveis em relação ao relacionamento com o Brasil e… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Olá Alan. Existem vários modos de analisar e interpretar a história e a relação entre países. Eu prefiro a análise materialista, desconsiderando suposições psicológicas ou emocionais. É muito difícil saber o que pensa ou o que sente uma pessoa ou uma população. Por outro lado, fatos e dados estatísticos são mais fáceis de serem checados ou calculados. Dizer que um povo é arrogante, ou egoísta, ou achar tentar relacionar fatos da infância de um líder ou estadista com suas decisões á frente de um governo são incertas e quase sempre apenas especulativas. Res non verba (a vaca não fala).

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,mas a minha afirmação não é sem fundamento.É fato conhecido que os argentinos sempre desprezaram a identidade sulamericana e preferiam se considerar os “europeus” da América do Sul,pelo menos durante as épocas de boas.Esse modo de ver as coisas também é importante para se saber com quem você está lidando.Por exemplo,é sabido que os americanos são patriotas,que os alemães são extremamente organizados e que os japonêses são muito disciplinados.São características básicas inerentes a esses povos.

José de Souza
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

“É fato conhecido” é dose, hein? Nesse seu raciocínio índios são indolentes, africanos dóceis, e por aí vai. Parece que as pessoas continuam com pensamento dos anos 1950. Esse seu argumento é coisa de quem nunca trabalhou com nossos vizinho, é só o que você viu no futebol…

A integração de recursos é o único canal para paz e prosperidade no cone sul, integrar missões e equipamentos com argentinos e uruguaios no Atlântico sul é a garantia de racionalização de recursos e cadeia econômica. O resto é bravata barata.

Last edited 1 mês atrás by José de Souza
Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  José de Souza
1 mês atrás

Integração de recursos?Meu caro, já ouviu falar que na frase”Si vis pacem,para bellum?”O que garante a paz é a força.Seja mais forte que o vizinho e ele não se atreverá a tentar algo contra você.Esse papo de “integrar missões e equipamentos com argentinos e uruguaios” é garantia apenas de dependência. Sabe por que os EUA se tornaram essa nação de poder colossal?Porque investiram em uma economia baseada no consumo interno e na produção local de equipamentos e tecnologias. Acha que se alguém invadir a Amazônia,argentinos e uruguaios irão subir a América correndo para nos dar auxílio?No final das contas uma… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Allan Lemos
rui mendes
rui mendes
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Acham-se de direita, chamam quem não diz amén com eles de esquerdistas, e depois não fazem a minima ideia do que é uma politica de direita, já que defendem uma politica virada para o consumo interno.

fewoz
fewoz
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Allan, sua visão é de uma Argentina muito distante, que ficou pra trás há muito tempo. O país piorou muito e com isso, obviamente, a moral de seu povo. O brasileiro médio também é extremamente arrogante (Coisa que já imaginava, mas que confirmei depois de me mudar para Portugal). Lembra da velha coisa do “sabe com quem você está falando?” ou mesmo a vanglorização sem sentido por ser o quinto maior país do mundo.

PS: minha mulher é argentina, então tenho uma certa noção do país, que ultrapassa a rivalidade artificial criada pelo futebol.

Abraço.

Renato
Renato
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Grande comentário Camargoer.
Segundo a história as guerras se dão muito mais por ordem econômica ou política.
Via de regra os países em declínio econômico procuram a guerra como solução e normalmente quebram a cara.
Vide a Argentina com os ingleses (Malvinas) e a Alemanha de Hitler e ficam pior do que já estavam.

Thiago A.
Thiago A.
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Prezado Camargoer eu sinceramente não compreendo a sua convicção de que ser uma democracia é motivo suficiente para solucionar conflitos. A democracia é desejável mas não é garantia de nada. É um sistema falho e suscetível a crises e desigualdades profundas. Só pode se dar ao luxo de ser ou perseguir uma democracia completa e plena países periféricos ou parte da esfera de influência alheia. Nem sequer temos uma longa ou extensa base histórica para corroborar essa convicção. A mais velha democracia atual é à estadunidense, com pouco mais de 2 séculos, ou seja uma das nações mais guerreiras e… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Thiago A.
1 mês atrás

Caro Thiago. Olhando de outro modo, as guerras nos últimos 200 anos envolveram países militaristas, ditaduras fascistas, regimes anti-democráticos, monarquias absolutistas. O número é tão extenso que podemos adotar como certa que as guerras exigem a presença de países não-democráticos. Restaria duas possibilidades. Ou a guerra é inevitável ou a democracia (que é o contrário de uma ditadura) seria a resposta para evitar uma guerra (lembrando que não há exemplo de duas democracias em guerra, mas vários exemplos de uma democracia em guerra com uma ditadura, ou duas ditaduras em guerra). A melhor definição de democracia seria que é um… Read more »

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

“Destrua seus inimigos fazendo deles seus amigos”.
Abraham Lincoln

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

“Nunca interrompa seu inimigo quando ele estiver cometendo um erro.”

Napoleão Bonaparte

Tomcat4,2
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Excelentes frases Allan e Karl ditas por grandes personalidades de suas respectivas épocas.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

“Não confie em quem não tem inimigos” (essa é minha)

José de Souza
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

“O inimigo do meu inimigo é… pô, sei lá, deixa os caras se entenderem, me inclui fora dessa!”

Luis Marcello
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Esta “história” de integração é papo de Bolivarianista , relativizam tudo e nunca prevalece o sentido patriótico por que “eles” não são e nem reconhecem isso ! Se os argies quiserem participar de algum negócio em conjunto que então compareçam com o DINHEIRO e pergunte se estamos interessados , caso contrãrio chega de mimimi de nos deixem em paz! Vamos seguir com os nossos projetos …. além de reconhecer que este atual Desgoverno da Argentina nada tem em comum com o nosso sistema Liberal ! Eles hoje representam a República Socialista Bolivariana do FSP da Argentina e nada mais do… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Luis Marcello
1 mês atrás

O atual sistema é liberal, o governo nem por isso..

Camargoer
Camargoer
Reply to  Luis Marcello
1 mês atrás

(de novo esse comentário? Vou repetir o que escrevi lá embaixo). Caro Luis. Seu discurso é desprovido de bom-senso. Uma das primeiras coisas que a gente aprende sobre a relação entre países é que a paz e o livre comércio são necessários (tem outras coisas) para o crescimento econômico e do bem estar. Além disso, cabe ao país mais rico e forte liderar esse processo por razões práticas (o que é muito diferente de razões hegemônicas ou imperialismo). Na América do Sul, o Brasil tem o maior território, o maior PIB e a maior população. Junto com a Argentina, representar… Read more »

Jef2019
Jef2019
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Olá amigo…fique tranquilo que a maior ameaça não vem do Sul…aliás os hermanos estão muito defasados no quesito defesa…e a guerra fria que existia entre brasil e argentina permanece somente no futebol…melhor assim

fewoz
fewoz
Reply to  Jef2019
1 mês atrás

Jef2019, muita gente ainda tem essa mentalidade, o que me parece bizarro, já que não existe a mínima possibilidade de qualquer ameaça, visto que os dois países possuem uma forte cooperação comercial e dependem um do outro. Alguns gostam de criar inimigos onde não existe (os inimigos são internos, na verdade, como o problema do saneamento básico, por exemplo), além de ignorarem totalmente que muitos na Argentina admiram, e muito, o nosso país… E como bem pontuado, sempre estarão muito atrás do Brasil no quesito defesa. Recomendo a todos aqui o ótimo livro “Os Argentinos” do jornalista argentino-brasileiro Ariel Palacios… Read more »

Last edited 1 mês atrás by fewoz
Enes
Enes
Reply to  fewoz
1 mês atrás

Se é da Globo, eu não confio e não leio.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  fewoz
1 mês atrás

Os argentinos admiram o Brasil?Realmente,percebe-se quando eles nos chamam de “macaquitos”.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Você está equivocado ao generalizar um comportamento desprezível e racista de algumas pessoas, sejam argentinas ou de qualquer outra nacionalidade. Afirmar que os argentinos desprezam os brasileiros é tão xenofóbico quanto dizer que os argentinos são arrogantes (ou qualquer outra generalização).

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,o racismo dos argentinos em relação aos brasileiros sempre foi notório.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Discordo. Racismo é um sentimento individual. Algumas pessoas são racistas independente de sua nacionalidade. Outra são humanistas independente da nacionalidade. Alguns argentinos e também alguns brasileiros, franceses, japoneses, etc, são racistas. Outros são humanistas. O mesmo para a corrupção. Pessoas são corruptas. Um país não pode ser definido pelos racistas e corruptos que têm uma determinada nacionalidade.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,é óbvio que racistas infelizmente existem em todos os países.Mas uma sociedade,como um todo,pode sim ser racista.Hitler era racista,mas as ideias dele só se espalharam porque a sociedade alemã da época era racista.A sociedade americana no século 20 era extremamente racista e isso se perpetuou por algum tempo mesmo após o fim da segregação institucionalizada. Quanto aos corruptos,é fato que quase todos os brasileiros são.Só que ao contrário do que a maioria das pessoas acham,corrupção não se resume a apenas roubar dinheiro da Petrobrás.Furar a fila de um banco é um ato de corrupção.Estacionar em uma vaga para deficientes sem… Read more »

fewoz
fewoz
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer, como sempre suas análises são geniais. É cada vez mais difícil encontrar alguém com a capacidade de discutir um assunto de forma racional, sempre usando argumentos e deixando a emoção e ilógica de lado.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Pense antes de comentares meu amigo ,a Argentina é nossa irmã , vizinha e amiga , vou parar aqui para não soltar um palavrão !

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  jose luiz esposito
1 mês atrás

Kkkkk esse seu pensamento é típico daqueles caras que chegam em casa,encontram o vizinho sem camisa no sofá conversando com sua esposa e pensa “ah,esse cara aqui é meu amigão.”

fewoz
fewoz
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Seu argumento não faz sentido algum. Obviamente que entre países há apenas interesses (o que é completamente normal), mas colocar sentimentos pessoais em análises faz com que o debate caia de nível e perca completamente o sentido, a ponto de se igualar a uma discussão por futebol (o que influencia bastante muitos por aqui quando falamos de Argentina)…

Agnelo
Agnelo
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

hahahahahahahahahahahah
boa

Glasquis7
Reply to  Jef2019
1 mês atrás

Mas era o Peru que queria os Tupi.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Glasquis7
1 mês atrás

Olá Glasquis. Pelo que o Nunão explicou um dia, havia um entendimento entre o Brasil e a Argentina para a transferência de 2 submarinos Tupi da MB para a ARA quanto aconteceu o acidente com o submarino argentino. Essa negociação não foi retomada. Recentemente, houve uma noticia que o Peru e outro país (europeu ou asiático… não lembro mais) teria mostrado interesse pelos Tupi da MB. Creio que no atual contexto de Covid, será muito difícil a venda destes submarinos.

Jef2019
Jef2019
Reply to  Glasquis7
1 mês atrás

Olá amigo….houve a oferta tambem aos argentinos durante o governo macri

glasquis 7
Reply to  Jef2019
1 mês atrás

Gente, material sensível de guerra, como são os Subs, não se vendem pra países fronteiriços a menos que sejam muito inferiores, coisa que não se aplica a Argentina. Isso é uma premissa.

Camargoer
Camargoer
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Olá Glasquis. O contexto de uma possível venda de dois submarinos Tupi do Brasil para a Argentina, a sua premissa não se aplica. Aliás, não se aplica nem para a venda de submarinos novos da classe Scorpene. Considerando a extensão do Atlântico Sul, é de interesse do Brasil que a Argentina tenha alguma capacidade submarina. Mesmo considerando a hipótese de um conflito Brasil x Argentina, há um balanço favorável ao Brasil em função dos submarinos nucleares. Supondo que a Argentina execute uma ação agressiva contra o Brasil (eu descarto a hipótese do Brasil iniciar um conflito com a Argentina), a… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

uai…nunca ouvia o verbete …a voz do povo é a voz de Deus..??!!! rzrzrzrz….

Camargoer
Camargoer
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Olá Carvalho. Ouvir vozes, todos ouvimos. O problema é quando passamos a obedece-las.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Jef2019
1 mês atrás

Caro Jef. Segundo o sociólogo Alberto Almeida, o mandato de 4 anos com direito á uma reeleição seria equivalente a um mandato de 8 anos com um “recall” no meio. Se o governo for bom, completa o mandato. Se o governo for ruim, ele é interrompido no meio. É um bom sistema. O desastre do governo Macri (e Temer no Brasil) pode ser avaliado pelo sua incapacidade de ser reeleito. Eu também fiquei mais decepcionado do que surpreso com a decisão da Argentina de priorizar outros meios ao invés de submarinos. A Argentina tem uma base industrial complexa, uma enorme… Read more »

Ted
Ted
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Expansão capitalista! Fala sério. Depois de 1982, ninguém confia neles.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Ted
1 mês atrás

Caro Ted. Até antes da crise da Covid, a Argentina é o terceiro destino das exportações brasileiras e o Brasil era o primeiro destino das exportações argentinas. Os dois países tem um câmara de compensação que permite a venda/compra em moeda local, sem a necessidade de dólares. Portanto, é certo que existe muita gente que confia no comércio Brasil-Argentina e ganha dinheiro com isso (eu sempre acho divertido que seja necessário uma pessoa de esquerda para notar isso).

Renato B.
Renato B.
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Money Talks, Bullshit Walks

Jef2019
Jef2019
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Ola camargoer. Realmente é estranho. Considero o submarino uma excelente ferramenta de dissuasão, onde poucas unidades são capazes de parar uma grande força de ataque naval devido a enorme dificuldade para localização e seu grande poder se fogo. Impõe uma grande insegurança a força atacante. Penso que a argentina não deveria abrir mao desse meio , mesmo que de 2 mão. Enfim…outra coisa importante é reposição de A4 pelos hermanos…seria uma oportunidade para repassarmos os nossos e buscarmos verores mais modernos? Acho ai uma boa chance porque o Brasil é um dos poucos que mantem ainda A4 operacionais, se não… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Reeleição é um erro. Oito anos é muito tempo, mais do que o suficiente para viciar e seviciar toda a maquina administrativa, política e judiciaria. Oito anos já é temerario e quando toda a maquina ja esta corrompida por todo este tempo, ainda tem o risco da perpetuidade por meio partidario com testas de ferro. Ao menos Nos sul americanos, vimos todos que possuem reeleição, minarem e municiar suas instituições politicas e juridicas para alterarem as leis de tal forma, em que o limite de reeleição deixa de existir. É o que ocorreu na Bolívia e Venezuela. O Brasil corre… Read more »

Kemen
Kemen
1 mês atrás

Recuperação minima e deve levar anos para se implementar, entretanto novas fragatas, corvetas e submarinos que é o braço forte de uma Marinha, nada! Para tornar as Forças Armadas uma lenda longinqua do passado é fácil, recuperar o tempo perdido é muito mais dificil.

Dan7440
Dan7440
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Os hermanos não estão em condição de comprar hardware. Ademais, ainda que comprassem, e os custos de manutenção e operação? É doidera gastar dinheiro com arma quando se está a beira do colapso financeiro.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Dan7440
1 mês atrás

Olá Dan. Concordo com você que a Argentina passa por um momento econômico difícil que inviabiliza a aquisição de material militar importado. Os custos de operação talvez não seja problema. Material moderno tem uma manutenção mais adequada que material antigo. Talvez a operação de um equipamento novo seja igual ou até mais barato que um equipamento mais antigo. O problema é a aquisição de armamento importado. A aquisição doméstica pode ser um meio de ativar algum setor industrial.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Caro Kemen. A Argentina está certa em concluir a aquisição das OPV. Foram contratados a construção de outras 3 OPV novas. São excelentes barcos. A aviação de patrulha também é importante. Comentei logo acima que seria sensacional o Brasil e a Argentina se juntarem para desenvolver uma versão baseada no Emb195, por exemplo, o que garantiria entre 10 a 15 aeronaves. Navios de combate como fragatas ou submarinos novos são muito caros. Talvez a Argentina precise concluir o programa de OPV antes de contratar a construção de navios maiores. Compras de oportunidade dependem da disponibilidade de venda por outras marinhas.

Jef2019
Jef2019
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Concordo…a situação la esta bem complicada

Dan7440
Dan7440
1 mês atrás

Projetos tímidos, compatíveis com o momento socioeconômico que vive a república platina.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Dan7440
1 mês atrás

Olá Dan. Concordo. Precaução e caldo de galinha.

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Felizmente a Argentina está em uma situação bem pior que a nossa. E com esses planos pouco ambiciosos a situação deles não mudará tão cedo. Nós ao menos temos a perspectiva de estar operando novas corvetas,um submarino nuclear e mísseis antinavio nacionais nas próximas décadas.

Glasquis7
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Felizmente???

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Glasquis7
1 mês atrás

Você gostaria de ver a Argentina bem armada para fazer bullying com o Brasil?

Ted
Ted
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Sempre fizeram bullying com os brasileiros. Lembra da cirurgia no rosto do ex goleiro Leão depois de receber um soco em Buenos Aires

Camargoer
Camargoer
Reply to  Ted
1 mês atrás

Olá Ted. Comparações futebolísticas são pobres para comparar países. Seria preciso lembrar da fogueteira do Maracanã, do goleiro Rojas (que depois veio ser trinador de goleiros no Brasil) e principalmente do 7 x 1. Se fosse depender de futebol, teria sido um erro escolher as Meko para a MB.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Ted
1 mês atrás

Tu não viu nada ainda de bullying argentino com os brasileiros. Como você citou a questão do futebol, cito aqui a questão dos jogos online. Cara, é cada uma que você fica assim… wtf… e detalhe, você recebe todos os tipos de bullying gratuito, sem você ter feito nada e não é somente os argentinos que fazem isso, os demais países da AL também.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Crianças fazem bullyng nas escolas. O comércio entre os dois países é amplo e diversificado. A Argentina é o principal destino das exportações brasileiras de bens duráveis e máquinas. O Brasil é o principal destino das exportações argentinas.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Caro Camargo,

Me ajuda nisso, por favor. É sério que nossa Política Externa está sendo discutida no nível de rivalidade futebolística e de jogos de vídeo game???
A gente merece o Itamaraty atual mesmo!

Abraços.

Camargoer
Camargoer
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Olá GFC. Às vezes sou repetitivo. Às vezes sou repetitivo. Coisas complexas demandam tempo e dedicação para serem compreendidas. Acho importante continuar explicando. Acho importante continuar explicando.

fewoz
fewoz
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer, sua paciência e sua capacidade para analisar os fatos de forma racional e lógica (como o grande Spock) é admirável.

PS: o nível dos comentários aqui já foi melhor.

fewoz
fewoz
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

GFC, nada novo no front. E depois ainda não gostam quando nos chamam de “República das Bananas”.

glasquis 7
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Argentina como um pais vizinho pobre ou fraco, enfraquece a região. Eis a importância da presença de um vizinho forte. No caso do Brasil, a ausência de um contraponto à altura, faz com que as FA se acomodem, entre outras coisas. Veja o caso de Israel. Sempre consciente das suas ameaças, suas FA são fortes. Nenhum país consegue ser próspero no meio da pobreza. Pro Brasil ser forte ao nível mundial, precisa ser o líder de uma região forte. Vê se algum país africano é considerado potência mundial. Países como Argentina, Chile, Colômbia e Brasil, devem, obrigatoriamente, torna-se fortes em… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Não existe essa de “enfraquecer a região”,não estamos na Europa onde todos têm um inimigo em comum.O Reino Unido precisa de uma Alemanha forte,a Alemanha precisa de uma França forte,a França precisa de uma Itália forte,a Itália precisa de um Suécia forte.Tudo isso para que tenham alguma chance de contrabalançar o poder da Rússia.Esse tipo de ameaça não existe por aqui.Uma Argentina forte só serviria para que a nossa posição hegemônica na América do Sul fosae ameaçada.Claro que o Brasil teria condições de ser ainda mais forte do que eles por causa de seu tamanho.Porém,na prática isso não aconteceria devido… Read more »

glasquis 7
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

 nossa posição hegemônica na América do Sul fosae ameaçada” ???

Uma Argentina forte, teria melhores condições economias e isso por si só, já seria uma grande ajuda pra região.

O acordo UE / MERCOSUL está fazendo água. Sabe por que?

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Uma Argentina forte militarmente poderia ameaçar a posição de liderança do Brasil.O acordo com a UE está indo para o ralo devido a pressão que o setor de agricultura dos países europeus fazem em seus governos,que acabam se posicionando contra o acordo usando a desculpa de que “o Brasil não cuida da Amazônia”,como se fossem eles que tivessem o direito de nos dizer o que devemos ou não fazer com a Amazônia.Se dependesse de mim,esse acordo não é assinado,não quero ninguém dando palpite no que fazemos ou deixamos de fazer com a Amazônia.Mas enfim,pare de pensar “na região” porque você… Read more »

fewoz
fewoz
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Primeiro ponto: a Argentina nunca será maior que o Brasil (já foi no início do séc. XX). Segundo ponto: A pressão sobre a questão do desmatamento é legítima (só há um planeta e a Amazônia é importantíssima) e diferente do que muitos no Brasil pensam, não se limita apenas a atitudes de governos, mas também passa por boicotes de cidadãos contra a carne brasileira, por exemplo. Obviamente que os agricultures, sobretudo os franceses, não estão feliz com isso e aproveitam para surfar na onda. Terceiro ponto: meter a cabeça no buraco e olhar apenas para a situação do Brasil é… Read more »

Last edited 1 mês atrás by fewoz
Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  fewoz
1 mês atrás

A pressão sobre a Amazônia é legítima? Meu camarada,qual moral você acha que os países europeus,que destruíram suas próprias florestas,tem para ditar o que o Brasil deve ou não deve fazer com a sua?Você tem noção de que a legislação ambiental brasileira é muito mais rígida do que a de qualquer país europeu e que a maior parte do nosso território é reserva ambiental? Se você acha que os europeus se preocupam com o meio ambiente,então você está sendo ingênuo.Os governos da UE estão sendo pressionados por agricultores locais,que não querem ter que lidar com a concorrência de produtos brasileiros.… Read more »

fewoz
fewoz
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Qual o sentido de comparar o momento atual com séculos passados, onde não existia consciência ambiental? Não tem nada a ver com moral, mas com um mínimo de importância com o único planeta onde o ser humano pode habitar. Não entendeu o que eu disse, mas vou repetir: todos sabemos que os franceses não querem competição, mas a pressão contra a política brasileira na Amazônia também já começa a partir de cidadãos praticando o boicote contra a carne brasileira. O Brasil acabou de perder milhões da Noruega e Alemanha para o Fundo Amazônia. Ter legislação rígida não significa absolutamente nada… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  fewoz
1 mês atrás

O sentido é o da justiça. Se alguns países tiveram o direito de usar toda a capacidade produtiva de seus territórios no passado da forma que bem entendessem,então o mesmo direito deve ser dado aos demais. Os únicos que têm o direito de falar qualquer coisa sobre a Amazônia são os próprios brasileiros,e não governos estrangeiros que querem transformar o Brasil em bode expiatório. Sobre o Brasil perder milhões da Noruega e da Alemanha,eu achei ótimo.O Fundo Amazônia em si é uma ideia absurda.Imagine que eu chego até você e digo vou pagar a sua conta de luz.Com o passar… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  fewoz
1 mês atrás

A sua análise é extremamente superficial. O meu argumento é que a hegemonia do Brasil na região seja preservada. Não podemos admitir que nenhuma outra nação da região seja mais poderosa do que nós em todos os aspectos,principalmente o militar.

Tudo bem se a Argentina for forte,contanto que o Brasil seja mais forte. O importante é que não haja uma paridade de poder militar.

Glasquis7
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

O meu argumento é que a hegemonia do Brasil na região seja preservada.”

Hegemonia em que? Tamanho, economia, população, riqueza, território, FA’s?

Ricardo
Ricardo
Reply to  fewoz
24 dias atrás

se ela estiver forte militarmente, significa que estará forte economicamente”

Simplificação grosseira.

fewoz
fewoz
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Nenhum destes citados terá capacidade ou vontade para ser um player a nível global. Mesmo a nível regional, atualmente o Brasil está muito longe de ter uma postura de líder. Não há nenhum estadista no país.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Glasquis7
1 mês atrás

Olá Glasquis. Discordo da visão na qual uma Argentina (Chile, Venezuela, Paraguai..) fraca é bom para o Brasil. A estabilidade da região só será possível com um amplo processo de crescimento econômico, redução das desigualdades e diminuição da concentração de renda. Nem acho que minha visão estratégica seja assim revolucionária.

Ted
Ted
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Chile, Paraguai, Uruguai forte é bom. Argies ! Não

glasquis 7
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Justamente. Só se é importante, quando se está inserido numa região forte.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Amém!

Camargoer
Camargoer
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Olá GFC. Contando eu, você e o Glasquis, já somos três.

fewoz
fewoz
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Quatro. Mas camargoer, eles devem achar que a questão da desigualdade é “comunismo”…

Em tempo: uma vez li uma entrevista com a Angela Merkel no El País e pude perceber que ela está anos-luz à frente de muitos líderes do nosso continente. Ela discorre incrivelmente sobre a questão e entende que um continente forte é bom para todos.

Camargoer
Camargoer
Reply to  fewoz
1 mês atrás

Olá Fewoz. Se um país industrializado com alto IDH e baixo Gini for considerando comunista, quero minha carteirinha do Partidão. Há uma frase do Keynes sobre a ação do Estado em períodos de recessão que diz claramente que são as compras públicas que cumprem o papel de retomada da atividade econômica, não a posse dos meios de produção. Aliás, a grande pergunta que temos que fazer é como a China encontrou um modelo (que é parecido ao modelo que o Brasil tinha antes de ser assolado pelo capitalismo financeiro) no qual o Estado fornece os serviços essenciais e coordenada as… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

O problema é que todos estes países são fracos em seus objetivos e conquistas sociais ao tempo que as políticas internas desapareceram. Os países quase não possuem mais independencia politica eleitoral e sofrem interferencia direta uns dos outros ( paises)

Interferencia Russa nos EUA, maletas Venezuelanas de dinheiro na Argentina e Brasil, Milicias transnacionais ( Hesbolla/PCC), Avião de Filhos de presidentes Africanos com mais de US$ 70 milhões na mala em época de campanha eleitoral…

A partidarização deixou de ser nacional e tornou-se internacional…

glasquis 7
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

O problema é que todos estes países são fracos em seus objetivos e conquistas sociais “

E vão continuar sendo enquanto alimentarmos esta forma de pensar.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Felizmente? O crescimento canadense e mexicano auxilia a economia americana. A Europa tem uma economia forte e consistente uma vez que agem em uníssono. O comércio bilateral entre Japão e Coréia de Sul está atrelado a inúmeros segmentos, e mesmos com os inúmeros conflitos de interesse, é um fator fortíssimos na sustentabilidade econômica de ambos os países.
A situação atual das FA argentinas é puro reflexo da estado de sua economia. Quando a economia do país piora ainda mais, o reflexo também é sentido por aqui.

J R
J R
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Concordo, nossa rivalidade deixou de ser militar para se anedótica e assim tem que ser, uma Argentina bem financeiramente e com uma população com renda é ótimo para o Brasil, assim como um Brasil forte também e bom para eles.

Camargoer
Camargoer
Reply to  J R
1 mês atrás

Olá JR (lembrei da musiquinha da abertura de Dallas…. o Esteves deve lembrar). Concordo com você. A estabilidade regional depende de países com economias fortes e com redução da desigualdade social.

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sem dúvida.

Dallas…lembro da Victoria Principal.

Max
Max
Reply to  J R
1 mês atrás

Certamente!! O Brasil exporta uranio enriquecido para Argentina e o Invap vai construir o RMB da Nuclep. Esse tipo de intercambio de alta tecnologia que mostra parceria e não desconfiança.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Max
1 mês atrás

Olá Max. No setor nuclear, o Brasil e a Argentina criaram durante os governos Alfonsin e Sarney uma agência bilateral ABACC que fiscaliza as atividades nucleares nos dois países. Sua importância foi enorme para a reaproximação dos dois países e para o fim da corrida armamentista nuclear na região. Acho que é uma agência que merece o Nobel da Paz.

Max
Max
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Olá Camargo. Então, a isso me refiro. Me parece que há um pouco de fantasia na hipótese de conflito com Argentina que tanto se projeta nos comentários sobre os hermanos. Acho que nem passa na cabeça deles. Diante disso, para eles não se justifica o investimento em material militar como fragatas, subs, caças. Me parece que apontam mais a uma força ao estilo da Alemanha. Algo tipo uma polícia pesada.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Se você multiplicar México e Canadá por 30,ainda assim não terão metade do poderio industrial-militar estadunidense. A Europa precisa agir em conjunto pois todos ali têm um inimigo em comum.O mesmo se aplica ao Japão e a Coreia,é interessante para ambos que o outro esteja bem preparado militarmente. Por outro lado,a situação de Brasil e Argentina é diferente,eles não possuem nenhum inimigo em comum,mas têm um histórico de rivalidades e desconfiança mútua.O Brasil não investe em suas forças armadas da forma devida e a nossa situação só é relativamente confortável porque os vizinhos são mais fracos do que nós.Se isso… Read more »

Sagaz
Sagaz
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Na minha opinião basta uma Venezuela no continente para servir de exemplo para onde leva controle de mercado, estado gigantesco, ideologia, opressão, etc .. Tomara que os argentinos consigam algum dia implantar as reformas que deveriam ter feito no século 20 e esquecer as ideologias e populismos fracassados (o Brasil aos trancos e barrancos está fazendo isso).

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Você está equivocado. O Brasil e a Argentina já foram aliados na Guerra do Paraguai. Durante a Guerra das Malvinas, o Brasil alugou P95 e AT26 para a Argentina (tanto que o embaixador brasileiro em Londres foi chamado para dar explicações. Já contei essa história). O Brasil era (até antes da Covid) o principal destino das exportações argentinas e a Argentina o principal destino das exportações de bens de capital e bens duráveis brasileiros. Os dois países tem uma câmara de compensação para comércio em moeda local. Os dois países mantém uma agência para certificação de material nuclear… Read more »

Ricardo
Ricardo
Reply to  Camargoer
24 dias atrás

Camargo, você se apega à aliança pontual contra o Paraguay e esquece que o Brasil e a Argentina tiveram conflitos bélicos, invasões, uma guerra-fria nuclear e assim por diante.
90% da história conjunta dos dois países é de conflito. Fingir que isso não existe é criar um mundinho de fantasias e me parece, com todo o respeito, que vc está defendendo uma atitude meio poliana aqui.
Acho que o Allan exagera em algumas observações, mas no geral, ele não está nada errado

glasquis 7
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Se vc comparar os IDH desses países com os da América do Sul, vai entender o por que EEUU é forte.

O acordo MERCOSUL UE está fazendo água por que os dois países fortes do bloco não conseguem, em conjunto, estabelecer garantias.

Isso é o resultado da situação da Argentina principalmente. Antes celeiro do mundo, hoje, nem sombra.

Camargoer
Camargoer
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Olá MMerlin. Concordo com você. Esta discussão sempre aparece e eu coloco os dados do comércio entre Brasil e Argentina para mostra a importância de ter uma Argentina forte para a estabilidade do Brasil. O único ponto a ser lembrado foi que a Europa tinha um intenso comercio antes da eclosão da Grande Guerra.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. INFELIZMENTE a situação econômica da Argentina é ruim (talvez seja melhor ou pior que a brasileira, não sei dizer). Eles são o principal destino das exportações brasileiras de máquinas, carros e autopeças. Quando a Argentina cresce, o Brasil cresce junto. Eu concordo que a situação da marinha brasileira é melhor do que a da marinha argentina. A MB tem garantida a entrada em serviço de 4 submarinos novos e a perspectiva de construir 4 fragatas novas. Como já comentei, a Argentina tem uma base industrial, tem um setor agropecuário produtivo e um grande mercado consumidor. Em algum momento… Read more »

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Não estou defendendo a interrupção do comércio entre os dois países.O que eu defendo basicamente é que o Brasil deve sempre estar acima da Argentina(ou de qualquer outro país sulamericano) em termos econômicos,industriais e militares. Se nós não podemos contar com a nossa competência,então que contemos com a incompetência deles.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Eu também defendo a ampliação do comércio entre os países do cone sul. Sou intransigente defensor do Mercosul. A estabilidade regional demanda que o Brasil e os os demais países tenham economias fortes, crescimento econômico e redução da desigualdade social. A diferença de tamanho entre o Brasil e os demais países é suficientemente grande para dar ao Brasil um destaque mas isso não pode se tornar uma política de hegemonia ou imperialista. O pior modelo seria aquele que existe entre o Mexico e os EUA.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,não defendo o imperialismo,mas defendo uma política de hegemonia porque temos muito mais a perder do que os demais.Militarmente temos que ficar um passo a frente de qualquer outro país na América do Sul porque é o nosso quintal estratégico.Devemos ter boas relações com todos,desde que tenhamos a vantagem do uso da força caso seja necessário,é assim que as grandes nações fazem.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Ora, todos os países almejam ser mais fortes economicamente, possuir uma parque industrial mais produtivo e avançados, bem como Forças Armadas mais preparadas e equipadas em sua região.
Mas isto tem que ser por mérito. Competência no relacionamento comercial com diversos países.
Não estar por acima apenas porque o país vizinho está falido. Isto é se nivelar por baixo.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Sim,deveriamos ser fortes devido a nossa própria competência,mas já que isso não é possível o que resta é torcer pela incompetência dos vizinhos sulamericanos para que a nossa posição não seja ameaçada.

rui mendes
rui mendes
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Ora nem mais.
Basta pensar um pouco.

JuggerBR
JuggerBR
1 mês atrás

Parecem estar melhor na Marinha do que na Aeronáutica, onde mal tem turbo hélices pra voar. A-4 caindo aos pedaços… E pensar que já foram uma força e um país de respeito…

Camargoer
Camargoer
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Olá Jugger. Creio que o problema é o custo dos equipamentos. Um esquadrão de caças novos seria algo em torno de US$ 1 bilhão, praticamente o mesmo que custaria dois submarinos. Os três OPV que serão construidos no exterior custarão cerca de US$ 400 milhões (a compra das OPV foi acertada, mas foi um erro optar por construi-las no exterior, já que poderiam ser construídas localmente), Os navios de transporte previstos também serão mais baratos que a compra de dois ou três caças novos. O que me surpreendeu foi a intenção de adquirir P3C caso a Argentina opte por moderniza-los.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Mas por outro lado, esse argumento de custos não explica a penúria da Marinha Brasileira, mal tem navios flutuando, enquanto a FAB tem situação bem melhor, com F-5, A-1 e A-29 em operação constante. Fora KC-390, C-130, demais cargueiros e helicópteros…

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer, já eu não vejo muito sentido nesses OPVs. Para Patrulha oceânico existem opções mais baratas e simples que são, para a função, igualmente eficientes.
60 a 68 milhões de euros é o máximo que se deve dar para esse tipo de vector, isto a presumir que a armada do referido país queira eventualmente reformar a sua capacidade quanto a meios combatentes de superfície e subsuperficie, altura é que muito bem fará ter uma restante força nas outras áreas pouca dispensiosa.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter nine nine
1 mês atrás

Olá P99. Temos diferentes modos de ver a compra das 4 OPV. Um seria pelo navio em si. É um excelente barco. Outro seria uma análise comparativa com outros meios (por exemplo as “Amazonas” da MB). Foi uma escolha cara. Outro modo seria optar pela construção dos barcos em um estaleiro argentino ou no exterior. Eu sempre defendo a construção de meios militares nos estaleiros nacionais. Outro ponto é a disponibilidade imediata da LAdroid, praticamente uma compra de oportunidade. Isso foi bom. Outro ponto seria escolher uma OPV de “nível superior” para compensar a obsolescência dos navios de combate. Por… Read more »

Peter Nine Nine
Peter Nine Nine
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

“É um excelente barco” Potencialmente excessivo para a função, mas fraco para mais que essa função. Contra-procedente. “Outro seria uma análise comparativa com outros meios” Que foi o que em essência fiz, não só com o Amazonas como também os Viana do Castelo e outros patrulhas, alguns mais simples, outros mais “completos”.   “Foi uma escolha cara” Sem dúvida. “Outro modo seria optar pela construção dos barcos em um estaleiro argentino ou no exterior.” Plenamente de acordo, qualquer estaleiro que construa cascos civis, consegue em teoria projectar e construir patrulhas oceânicos. O que se quer é em essência comum a… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter Nine Nine
1 mês atrás

Olá P99. O fracasso do estaleiro EISA em concluir as duas “Macaé” está relacionado com sua falência e nada tem a ver com o projeto do navio ou com alguma ineficiência da MB (a MB tem vários problemas, mas nenhuma delas relacionada com a falência do EISA). Tanto que outro estaleiro, o INACE, venceu uma licitação para a construção das primeiras Macaé e as entregou dentro do estabelecido no contrato, que estão operacionais na MB há alguns anos. È preciso entender o que aconteceu com o EISA para evitar que ocorra novamente, mas alguns colegas ainda insistem em fazer retórica… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Note que esse não foi o ponto mais relevante, a falência dos estaleiros, quando optei por dar o exemplo do Brasil. Ainda assim, porque foi esse o que recebeu a sua atenção, acrescento que você deu a resposta ao problema. Barcos da mesma classe tinham sido construídos por outro estaleiro, estaleiro esse capacitado economica e tecnicamente, pelo que repassar a construção para um entidade previsivelmente incapaz de a completar é no mínimo de uma ingestão digna de comprometer os objectivos operacionais da entidade militar a que se destinam os meios. Na minha opinião gravíssimo. Por exemplo, uma coisa seria não… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter nine nine
1 mês atrás

Olá P99. O EISA ganhou a licitação, sua documentação estava correta e o financiamento aprovado. Os problemas do estaleiro não tiveram relação com as Macaé. A paralisação das Macaé no EISA foi uma consequência, não causa da falência. A MB interrompeu os pagamentos logo que o estaleiro ficou inviável, mas havia um problema legal em relação à recuperação judicial que obrigou a MB a entrar na justiça para liberar os cascos inacabados. A lei obriga que as dívidas trabalhistas sejam quitadas primeiro. Após conseguir a liberação dos cascos, eles foram transladados de Niteroi para o AMRJ (relativamente perto, ainda assim… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sim, em momento algum disse que os macae causaram a falência dos estaleiros, assim como aqui os VdC não causar a falência dos ENVC. Ter as contas em dia… Bem, na minha opinião até podiam ter as contas em dia mediante os requesitos impostos, mas facto é que quando lhes entregaram a eles a construção presumiram, erradamente, que o estaleiro era sustentável. Sendo assim, erro da gestão encarregada da licitação. Como eu disse, havia opções. Sim, é possível que hoje esteja pessoal disponível que antes não estava no AMRJ. Mas ainda assim, se estes são tecnicamente capazes de fazer as… Read more »

Peter Nine Nine
Peter Nine Nine
Reply to  Peter nine nine
1 mês atrás

ups, estou-me a aperceber de uns quantos erros de digitação, peço desde já desculpa, por este e outros comentários.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter Nine Nine
1 mês atrás

Olá P99. Sem problema. As vezes sinto falta da ferramenta de editar o texto que havia antes. As negativa irá acho bobagem, mas o editor para arrumar os errinhos faz falta.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter nine nine
1 mês atrás

Caro P99. No caso brasileiro, existe uma indústria de máquinas e equipamentos instalada que pode fornecer grande parte do material necessário para a construção de navios. Existem estaleiros com capacidade ociosa. Existe mão de obra experiente. Há um banco de fomento. Além disso, os pagamentos podem ser feitos em moeda nacional. Neste contexto, a aquisição de material nacional ou nacionalizado faz sentido, mesmo com níveis de conteúdo nacional entre 35% e 45%%. São recursos muito elevados que precisam beneficiar a atividade econômica. Para outros países talvez faça sentido a simples importação. Para o Brasil não faz. O AMRJ não precisa… Read more »

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sim camargoer, não discordamos nesse sentido. Talvez não esteja a ver o ponto que estou a tentar deixar. Como disse, fazer em casa é bom…. Mas.

Gabriel
Gabriel
1 mês atrás

Muito semelhante ao meu comentário no “poder aéreo”.

Desculpem a sinceridade.

Quando comparo como era a Armada Argentina em 1982, com os planos de modernização de 2020, fico realmente feliz.

Primeiro porque, mesmo se o plano de modernização for plenamente efetivado, a Armada Argentina não será nem perto “do tamanho” que já foi em 1982.

Segundo porque “os hermanos” continuarão com uma Marinha muito inferior a nossa, pelos próximos 30 anos.

Terceiro porque “os hermanos” jamais serão “amigos” e/ou “parceiros” do Brasil, e com uma Marinha “desse tamanho” pelo menos continuarão “quietos” e “sem maiores ambições”, como hoje.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Gabriel
1 mês atrás

O animal está ferido, está faminto, está acuado. Todavia não tem mais presas, não tem mais forças, e logo não terá mais nada se continuar assim… Terá ainda mais parasitas e suas chagas irão empestiar o ambiente. Ao norte já há um pequeno animal assim, mas esse ao sul é umas 5x maior… Que a Argentina ao menos consiga lamber as próprias feridas e se sustentar

Ricardo
Ricardo
Reply to  Gabriel
24 dias atrás

O problema é que alguns acham que qualquer análise RACIONAL da situação argentina , que leva em consideração o histórico de hostilidade daquele país, é uma disputa meramente futebolística, preconceito, bla bla bla. Não se trata disso, e sim de analisar a realidade dos fatos.

Tomcat4,2
1 mês atrás

Sinceramente, com a venezuelização da Argentina a passos largos a China vai nadar de braçada por ali e ainda pode(tomara que não) acabar conseguindo implantar uma base por ali pois teem dinheiro e insumos(equipamentos militares de tudo que é tipo)pra oferecer e a Argentina precisa de ambos em quantidade.

Last edited 1 mês atrás by Tomcat4,2
Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Acho que a Argentina vai entrar numa espiral comunista sem fim, fizeram a besteira de eleger a esquerda novamente.

Nós aqui temos que aprender com o erro deles e não repetir em nossas urnas, pois antes mesmo das eleições já temos gente fazendo de tudo para destruir o Brasil por dentro.

No mais, a Argentina está fadada a ser uma colônia chinesa.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

Caro Diego. Acho que você está bastante equivocado sobre o que é comunismo. Kirchner foi presidente da Argentina por 8 anos sem que tenha ocorrido qualquer revolução comunista lá. Parece muito as acusações de Obama ser comunista, agora Kamala Harris se comunista, que o Gen Marshall era comunista, que Jango era comunista, Bernie Sanders ser comunista, que Putin é comunista. que Lula é comunista.

Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

O tipo de implantação do comunismo mudou, hoje não é mais feito descaradamente com um golpe militar, mas sim com a destruição da capacidade de uma sociedade sobreviver sem a ajuda do Estado.

Haja vista o que foi implantado na Venezuela, o mesmo está ocorrendo na Argentina, tendo o mesmo modus operandi de outros países assumidamente comunistas, mas sem deixar claro o sistema de governo.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

Caro Diego. De fato, há uma discussão recente sobre o fim do modelo de democracia e que os golpes de estado clássicos teriam se tornado inviáveis em função da pressão da comunidade internacional, principalmente para a instalação de regimes não-democráticos de direita. Ao invés da ruptura, haveria uma transmutação das instituições legislativas e judiciárias. Contudo, o regime venezuelano nada tem de comunista, muito menos o argentino.

Sequim
Sequim
Reply to  Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

O que acontece na Venezuela é que ela está sendo asfixiada por dentro, com o governo Maduro, que se realmente fosse um governo preocupado com a população venezuelana, aceitaria a alternância de poder de forma democrática, e asfixiada por fora, com o bloqueio de suas reservas externas por bancos estrangeiros e submetida a um bloqueio naval informal. Sempre que falam que “os comunistas ” (esquerda) acabam com os países os quais governam, convém lembrar em que situação as ditaduras, ambas de direita, de Brasil e Argentina deixaram esses países.

Last edited 1 mês atrás by Sequim
J R
J R
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Não sei, o povo Argentino ainda é muito orgulhoso, e não costuma ficar engolindo sapo, mesmo com toda essa presença economica, a China não conseguiu emplacar nada por lá, a última grande compra deles veio da França e estão negociando aviões com a CS…

Camargoer
Camargoer
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Caro Tom. O processo polítco-econômico na Argentina é completamente diferente do que está acontecendo na Venezuela, a começar pela realização de eleições com a participação do governo e da oposição e do reconhecimento de ambos dos resultados. O processo político da Argentina está ocorrendo dentro da normalidade democrática.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Um dos problemas por lá é a fraqueza das instituições. O judiciário argentino é muito mais fraco que o Brasileiro. Isso afeta direitos básicos, como direito à propriedade e a própria segurança jurídica. O que abre espaço para o populismo (eles até hoje sofrem com a furada que foi a dolarização), experimentos arriscados e instabilidade: a falta de respeito ao direito a propriedade acarreta canetadas populistas sem que não existam freios e contrapesos para segurar. Não tem jeito, certas coisas demoram muitos anos para se consertar. A erosão das instituições é algo que aconteceu na Venezuela (na minha opinião uma… Read more »

Matheus Mascarenhas
Matheus Mascarenhas
1 mês atrás

Eu vejo que muitas pessoas ainda temem uma nova corrida armamentista na América do Sul entre Brasil e Argentina. Eu não acredito, e já li vários artigos sobre, que uma nova corrida armamentista sul-americana seja impossível em décadas por vir. O Brasil e a Argentina, apesar da pecuinha entre os presidentes, tem boas amizades comerciais e até militares (temos alguns projetos militares onde os argentinos tiveram uma participação). Não vejo muita ambição nesse plano de modernização da armada, mas eles não tem como movimentar muito dinheiro para isso, afinal até hoje los hermanos tem um trauma das ditaduras militares que… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Matheus Mascarenhas
Sagaz
Sagaz
Reply to  Matheus Mascarenhas
1 mês atrás

Imagina se a coisa desanda de vez e vem outra ditadura por lá…

Matheus Mascarenhas
Matheus Mascarenhas
Reply to  Sagaz
1 mês atrás

Cara, muitos dizem que um novo regime militar é tão improvável de acontecer na Argentina quanto no Brasil. Pra um regime militar dar certo na América Latina as principais coisa é ter apoio externo e uma liderança militar unida. O que deu certo no século xx foi a desculpa da ameça comunista, que hoje já não existe (como comunista entenda soviética) e o apoio que a população tinha contra os comunistas, não sei lhe dizer o quão apoiado a ditadura militar argentina estava em relação a população. Hoje os argentinos viram o que um governo militar pode fazer, eles tiveram… Read more »

Mateus
Mateus
1 mês atrás

A grave situação das Forças Armadas da Argentina (Jorge Garcia Mante l La Nacion) “A falta de meios impede que as Forças Armadas do país retenham efetivos, realizem a formação necessária e modernizem os equipamentos, o que compromete a sua missão e provoca trágicos acidentes O Exército Argentino precisa de 207 dias de treinamento, sendo 115 para atingir um estágio aceitável e 67 dias para um nível mínimo. No ano passado, foi em média 16 dias (8% do necessário). Em relação à Marinha, o que foi necessário em 2015 foram 1.680 dias de navegação; o que foi inicialmente concedido pelo… Read more »

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
1 mês atrás

Falando em P3, não seria interessante o Brasil comprar mais alguns? Ou ele tem outro projeto em mente?

Tutu
Reply to  Daniel Ricardo Alves
1 mês atrás

No passado se falou muito sobre um projeto baseado no E-190 (Tem até matéria no PA falando sobre isso), porém não se sabe que fim levou.

Tutu
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Pelo menos o projeto é bem bonito.

p-1901.jpg
Tomcat4,2
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Ainda faço votos por este projeto, pensa nesta máquina levando 4 ManSup (dois em cada asa) mais torpedos internamente ou em pontos na fuselagem .

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Sou a favor de Embraer E-190 para patrulha marítima,apesar que um embraer lineage 1000 também seria uma boa aeronave,fica atrás do GlobalEye em autonomia…

comment image
comment image
comment image
comment image
comment image

comment image

Alang
Alang
1 mês atrás

Ninguém mandou a Argentina tentar anexar as ilhas dos britânicos, agora ela terá que viver o resto da história defasada militarmente pois a Inglaterra fará de tudo pra atrapalhar qualquer negociação armamentista.

Last edited 1 mês atrás by Alang
Camargoer
Camargoer
Reply to  Alang
1 mês atrás

Caro Alang. Todos concordamos que o governo militar argentino cometeu um erro histórico ao iniciar a Guerra das Malvinas. Creio que todos os generais argentinos já morreram. Até Thatcher morreu. Creio que apenas a rainha Elisabeth II continua viva.

João Carlos
João Carlos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Todos não… veja os proprios argentinos… eles nao acham que as Malvinas/Falklands sejam britanicas… insistem que sao argentinas. Eles não aprendem nem com os proprios erros.

Camargoer
Camargoer
Reply to  João Carlos
1 mês atrás

Caro João. Uma coisa é discutir a soberania das ilhas, outra coisa foi a decisão de invadir as ilhas. A invasão foi um erro. Questionar a soberania das ilhas é um tema de debate.

Alang
Alang
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sim, as ilhas estão mais perto da Argentina do que da Inglaterra, mas aí os argentinos resolveram usar a “diplomacia dos canhões” com uma histórica potência marítima, se (***). Perderam a razão.

Marcelo Cardoso Mendonça
Marcelo Cardoso Mendonça
Reply to  Alang
1 mês atrás

Alang, boa tarde, o Alasca está mais perto da Rússia do que dos EUA e ele é americano ou russo? A discussão de quem pertence as Falklands / Malvinas dá várias teses de doutorado para ambos os argumentos.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Marcelo Cardoso Mendonça
1 mês atrás

Caro Marcelo. O Alasca pertencia á Rússia Czarista. Os EUA compraram o Alasca. Agora pertence aos EUA.

glasquis 7
Reply to  Marcelo Cardoso Mendonça
1 mês atrás

EEUU comprou o Alasca da Russia.

Ted
Ted
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Na época os militares argentinos estudaram a possibilidade do confronto ser com o Brasil. E se tivesse acontecido, levaríamos uma surra.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Ted
1 mês atrás

não levariamos não….e poderia ser ainda pior para eles…e os efeitos dos paises vizinhos mais ainda….

Marcelo Cardoso Mendonça
Marcelo Cardoso Mendonça
Reply to  Ted
1 mês atrás

A briga da Argentina nessa época era com o Chile

glasquis 7
Reply to  Marcelo Cardoso Mendonça
1 mês atrás

Sim mas, nessa época, uma divisão blindada foi alocada no norte da Argentina caso o Brasil toma-se alguma atitude frente a uma eventual invasão Argentina ao território Chileno.

Camargoer
Camargoer
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Ola Glasquis. O que sei é que o Brasil se colocou neutro durante a guerra das Malvinas desde que a Inglaterra não desembarcasse tropas no continente. Há uma história do presidente argentino Galtieri que queria falar com o presidente brasileiro Figueiredo por telefone. O presidente brasileiro, temendo que fosse algum pedido de ajuda (já existia a perspectiva era da derrota argentina quando o presidente argentino pediu essa conversa por telefone) tentou evitar a conversa, mas o presidente argentino insistiu, levando Figueiredo a concordar com a conversa. Diz o relato (não lembro se foi o Delfim Neto que contou esta história… Read more »

glasquis 7
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

O que sei é que o Brasil se colocou neutro durante a guerra das Malvinas desde que a Inglaterra não desembarcasse tropas no continente.”

Estamos falando da Operação Soberania, invasão Argentina ao território Chile em 1978. As Falklands são de 82, 4 anos depois.

Camargoer
Camargoer
Reply to  glasquis 7
1 mês atrás

Olá Glasquis. Perfeito. Desculpe a confusão. Eu precisaria buscar algum documento diplomático ou depoimento para saber a posição do Brasil neste incidente. Vou pesquisa. Obrigado pelo alerta e pela correção.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

quando se fica velho e a testosterona vai embora….todo velho vira bonzinho…

Alang
Alang
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Ela não é desse mundo.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Alang
1 mês atrás

Olá Alang. Pode ser. Creio que tem uma foto dela no painel da sala de controle do MIB, ao lado do Stalone e do Michael Jackson.

Alang
Alang
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

👽👽✌✌

Camargoer
Camargoer
Reply to  Alang
1 mês atrás

A verdade está lá fora (foi junto com o lixo)

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

O maior problema é se vão conseguir grana para tudo isso, o planejamento é enorme e envolve as três forças é muita grana para qualquer país e ainda mais para um país quebrado. Mas eles precisam para ontem e espero que consigam fazer uma boa parte disso!

Ted
Ted
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Na segunda guerra o alinhamento com Hitler era carnal e os planos em caso de vitória alemã, seria de a Argentina comandar a América do Sul. Imagina com toda aquela arrogância como seria.

carlos mendes
1 mês atrás

Alguém poderia me informar se a Argentina já comprou algum material militar do BRASIL?

Camargoer
Camargoer
Reply to  carlos mendes
1 mês atrás

Olá Carlos. A Argentina opera AT27 Tucanos e já AT26 Xavantes e P95 Bandeirulhas (alugados)..

fewoz
fewoz
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Não esquecer do projeto conjunto Gaucho (que não deu em nada) e dos Agrale Marruá.

Camargoer
Camargoer
Reply to  fewoz
1 mês atrás

Olá Fewoz. Legal saber que a Agrale forneceu meios de transporte para os argentinos.

fewoz
fewoz
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

E mais um projeto conjunto é o satélite SABIA-Mar, mas não sei como está seu andamento.

Jagdverband#44
Jagdverband#44
1 mês atrás

Bom para caçar pesqueiro chinês.

pgusmao
pgusmao
1 mês atrás

A Argentina é o retrato total da falta de planejamento e sucateamento das Forças Armadas, desde a Guerra das Malvinas não aprenderam a lição, entraram numa luta com profissionais e não tinham capacidade logística e técnica para enfrentar o Reino Unido, a situação deles é quase sem volta, pois não há como reequipar todas as forças militares sem um investimento altíssimo, sendo que eles não tem a menor capacidade financeira para tal, uma vez que estão completamente quebrados.

Esteves
Esteves
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

Seria mais difícil fazer acordos e negócios com um vizinho rico e próspero.

Quebrados…sem muito a oferecer…pode dar negócio como está dando no setor automobilístico.

Sentar com gente maior e melhor que você…não é bom.

Acordo de tarifas com a Europa. Exemplo de como as coisas podem se arrastar por décadas.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Caro Esteves. Creio que há um problema no seu raciocínio. Se é melhor fazer negócios com países mais fracos, isso significa que não seria adequado fazer acordos com a UE, EUA ou China, contudo a China e os EUA são os maiores destinos das exportações brasileiras, sendo a Argentina o terceiro.

Esteves
Esteves
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Melhor o Esteves não disse. Temos acordos de açúcar com os americanos extremamente favoráveis e taxados contra nós. Grandes barreiras impedem vender o etanol brasileiro nos EUA. Os produtos de milho obrigam o governo americano a comprar metanol mais caro. O Esteves disse que é mais fácil…vamos trocar o fácil por confortável. Há quantos anos estamos tentando…tentando…tentando um acordo tarifário com os europeus? Com argentinos, sem argentinos, com latinos ou sem…o acordo não acontece. A China é compradora. Quem paga determina quanto paga. Não temos acordos com os chineses. Podemos aumentar preços? Historinha… A empresa não queria mais vender para… Read more »

Esteves
Esteves
1 mês atrás

Planos de modernização.

Navios e aviões patrulha. Como nos anos 1980.

Pergunta feita pela PN em 2008 que poderia ser feita também aos argentinos.

”quando é que abandonaremos os antigos paradigmas totalmente ineficazes para enfrentar as ameaças do século XXI e partiremos para o uso racional da tecnologia atualmente disponível?”

Em breve chegaremos ao século XXII. Racionalidades, eficiências, resultados. Ou…

Theo Gatos
Theo Gatos
1 mês atrás

“A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória” e eles estão aprendendo na pele esse provérbio bíblico com sua situação atual já que plantaram desequilíbrio econômico e uma infundada guerra no passado… . Espero que mantenham o mínimo de capacidade operacional, não nos interessa tanto ver uma Argentina cambaleante e alvo fácil para as grandes nações, em especial para a China. Claro que acho que devemos ser melhores equipados e preparados do que eles, mas nivelando por cima, pois nivelando por baixo na torcida para que eles não se fortaleçam como alguns torceram, não é o que vai nos garantir… Read more »

Bardini
Bardini
1 mês atrás

Os navios patrulha que eles compraram me dão inveja, muita inveja. É um baita de um projeto…
Mas fica nisso. De resto, parece um planejamento realista para os próximos anos, se conseguirem pagar, claro.

rafaehl
rafaehl
1 mês atrás

É TRISTE ver comentarios aqui sobre como é bom a Argentina se Ferrar e m relação ao Brasil. só mostra que esses tem a mesma mentalidade dos nossos militares que usando dessas desculpas deram o golpe militar e ainda pensam assim atpe hoje, Deveriamos avaliar a situação deles, porque um dia pode ser que entremos nessa também. Desapontaram a toda poderosa Inglaterra e seus aliados europeus e estadunidenses, e agora estão condenados a não ter forças armadas e opinião própria. Se um dia fizermos o mesmo por causa da amazonia e seu precioso estoque de Agua doce, seguiremos pelo mesmo… Read more »

J R
J R
1 mês atrás

Pelo menos pararam com a loucura de construir um submarino nuclear…

Fabio
Fabio
1 mês atrás

Covid lá a 1000 por hora, economia falida e estão pensando nisso?

Luis Marcello
1 mês atrás

Esta “história” de integração é papo de Bolivarianista , relativizam tudo e nunca prevalece o sentido patriótico por que “eles” não são e nem reconhecem isso ! Se os argentinos ou quem quer que seja quiserem participar de algum negócio em conjunto com o Brasil em termos de estratégia de defesa que então compareçam com o DINHEIRO e perguntem se estamos interessados , caso contrário chega de mimimi e este papo furado de entreguistas lambe botas de comuno/socialistas de plantão ( aqui está cheio disso) e nos deixem em paz, alias eles nem disfarçam mais .. Vamos seguir com os… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Luis Marcello
1 mês atrás

Caro Luis. Seu discurso é desprovido de bom-senso. Uma das primeiras coisas que a gente aprende sobre a relação entre países é que a paz e o livre comércio são necessários (tem outras coisas) para o crescimento econômico e do bem estar. Além disso, cabe ao país mais rico e forte liderar esse processo por razões práticas (o que é muito diferente de razões hegemônicas ou imperialismo). Na América do Sul, o Brasil tem o maior território, o maior PIB e a maior população. Junto com a Argentina, representar praticamente 2/3 da América do Sul. PORTANTO, o processo de integração… Read more »

Leonardo
Leonardo
25 dias atrás

Brasil pensar seus interesses acima.Argentina quesser virá só !