Home Indústria de Defesa Futuro submarino Angostura – S43 recebe tubo de torpedo

Futuro submarino Angostura – S43 recebe tubo de torpedo

6466
181

O quarto submarino do Prosub, o Angostura – S43, segue avançando em seu estágio construtivo na Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas – UFEM.

Dessa vez, o time de produção realizou o embarque do primeiro tubo de lançamento de torpedos no interior do submarino, que será equipado com 6 tubos no total, com capacidade de lançar torpedos e mergulhadores, com destaque para dois deles, que irão lançar também mísseis e minas.

Parabéns ao timaço de Produção UFEM, por mais esse sucesso.

O Brasil está construindo atualmente quatro submarinos S-BR dentro do Programa Prosub
Visão em corte do S-BR Scorpène (clique na imagem para ampliar)

O PROSUB

O PROSUB prevê a construção de quatro submarinos S-BR de propulsão convencional (diesel-elétrica) e um de propulsão nuclear SN-BR, o primeiro do tipo a ser fabricado no Brasil.

O primeiro submarino do programa foi lançado ao mar em 14 de dezembro de 2018 e foi batizado de Riachuelo (S40), encontrando-se atualmente em provas de mar.

Os próximos submarinos lançados serão o Humaitá (S41), Tonelero (S42) e Angostura (S43).

O último submarino a ficar pronto será o SN-BR Álvaro Alberto, nome em homenagem ao Almirante Brasileiro que foi o pioneiro no uso da tecnologia nuclear no País.

FONTE: Itaguaí Construções Navais (ICN)

Subscribe
Notify of
guest
181 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos Andrey
Marcos Andrey
1 mês atrás

A coisa esta tão bem, que da até arrepios!!!

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Marcos Andrey
1 mês atrás

Bom dia, realmente chega a dar arrepios. Mas se os opositores de investimento militar assumirem o poder, o arrepio não será de honra e emoção, mas de raiva…. Espero estar enganado (estes opositores, não me refiro ao pt do lula não)

Pedro
Pedro
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Enquanto os investimentos for em material para guarnecer nosso imenso território e não apenas em soldos, aposentadores e alíquotas distintas do INSS, acho válido.

Atirador 33
Atirador 33
Reply to  Pedro
1 mês atrás

Esse é sempre o problema, a mordida do pessoal “folha ativos e inativos” abocanha mais de 70% do total do orçamento, esses 30% para menos restantes, tem custeio e sobra muito pouco para investimentos.
Não sou e nunca fui contra recursos para custeio e investimentos, nem para pessoal, mais esses percentuais passaram do tolerável a tempos.

Abs

Camargoer
Camargoer
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Olá Saldanha. Exatamente, quem seriam estes opositores de investimento militar? Como você disse apropriadamente, os governos trabalhistas que assumiram em 2003 fizeram enormes investimentos militares privilegiando a fabricação nacional ou nacionalizada. Os obstáculos que as forças armadas brasileiras encontram para o investimento foram colocados por elas, principalmente pelo EB. Dos quase 400 mil militares, 2/3 estão são do EB. Os jovens que prestam serviço obrigatório representam cerca de 1% das despesas militares. Portanto, a maior parte dos recursos do MinDef tem sido com despesas com o pessoal de carreira, ativo e inativo, do EB. Este é o principal problema. Acho… Read more »

Silas
Silas
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

“governos trabalhistas”… kkkk…. ta de zueira…

Pedro
Pedro
Reply to  Silas
1 mês atrás

E forma o quê? Comunistas? Tá nessa, ainda? Setembro de 2020?

Camargoer
Camargoer
Reply to  Silas
1 mês atrás

Caro Silas. Gostaria muito de entender no que o Partido dos Trabalhadores destoaria de um partido trabalhista? Com certeza não é um partido nem liberal nem conservador.

Dr. Mundico
Dr. Mundico
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Talvez pelo simples e inequívoco fato de ter gerado em pouco mais de 10 anos 12 milhões de….desempregados!

Camargoer
Camargoer
Reply to  Dr. Mundico
1 mês atrás

Caro Dr.Mundico. Talvez seja necessário você contextualiza de qual período você estaria se referindo, porque entre 2007~2013 o Brasil praticamente atingiu o pleno emprego.

Teropode
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Pleno emprego 2007 a 2013 ? Kkkkkk, e em 2014 a conta chegou , pleno emprego maquiado , de mentirinha , tanto é que em 2015 a sujeira toda apareceu .

Camargoer
Camargoer
Reply to  Teropode
1 mês atrás

Caro Terapode. Segundo um comitê da FGV (CODACE) que avalia ciclos econômicos, após um ciclo de recessivo de 2 trimestres em 2003, a atividade econômica passou por um ciclo de expansão de 21 trimestres, que foi interrompido pela crise do subprime, que provocou uma recessão no Brasil de 2 trimestres. Seguiu-se um novo ciclo de expansão de 20 trimestres que se esgotou em 2014, quando começou um ciclo de recessão que durou 11 trimestres. Contudo, ao contrário do que geralmente acontece nestes ciclos, o período 2014~2016 mostrou um perfil diferente do típico “V”. Ao invés de voltar aos níveis pré-recessão,… Read more »

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer; mas há um pequeno detalhe, sobre a crise de 14 até 16, que foi a “vasta aparição” de escândalos e corrupção alastrada com dinheiro público, que atrapalharam um pouquinho o tempo desenvolvimentista – “só dos compadres” – entre 7 e 13 e redundaram num enorme “restos a pagar”, que nos assombra até hoje. Coisa que a FGV, aparentemente, de forma estranha e “um pouco matreira”, esqueceu de mencionar, segundo seu relato,
E mais 2008, foi só uma marolinha, lembra?

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

O pleno emprego do dinheiro público em maracutaias bem conhecidas e outras nem tanto.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Luiz Antonio
1 mês atrás

Caro Luiz. Os dados de pleno emprego podem ser encontrados na série histórica publicado pelo IBGE (a propósito, hoje o IBGE publicou a queda de -9,7% no PIB do segundo trimestre). Recomendo também você consultar a página do MPF sobre a operação LavaJato (aliás, hoje o procurador Dallagnol pediu o seu desligamento) sobre os valores envolvidos. Recomendo também um relatório da FIESP sobre o impacto da LavaJato sobre queda da atividade econômica em 2015. Podemos debater ideias (debate ideológico), propostas (debate partidário), ações de governo (debate político), mas é preciso ser feito sobre bases factuais. Senão vira conversa-fiada de cunhado… Read more »

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer;
na maioria das vezes, os dados são encontrados, assim como você sempre apresenta. Entretanto, é público e notório que, aqueles dados referentes a malfeitos, corrupção, desvios e congêneres, que causam uma desgraceira ampla, total e irrestrita; além de darem enorme trabalho e consumirem um tempo danado para serem encontrados, compilados e tornados públicos, são muito relevantes no contexto e muitas vezes esquecidos, principalmente e conversas de “cunhados”. Eles, normalmente, não aprecem em relatórios de fiespez, nem de efegevês e nem de ibegeés. Muito lentamente só os veremos se o lavajatismo perdurar mais alguns anos.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Edson Parro
1 mês atrás

Caro Edson. Os números oficiais apresentados pelo IBGE, nos estudos do Ipea, nos relatórios da confederações e federações das industrias, relatórios do Banco Central, nos estudos de instituições de ensino e pesquisa como a FGV podem ser incompletos ou até estarem errados, mas para contesta-los é preciso apontar quais são os erros. Até o MPF mantém dados públicos sobre a LavaJato para consulta. Os números da corrupção e da criminalidade que são desconhecidos ou que não aparecem em nenhum relatório ou estudo não podem ser usados como argumento porque SÃO DESCONHECIDOS. Por isso qualquer decisão ou planejamento é feito sobre… Read more »

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Ora Camargoer?
O mesmo que um partido social nacionalista destoaria de um partido socialista, Que também não são nem liberal nem conservadores e descobrimos que também não são progressistas.
Parece-me que trabalhismo, em vez de partido deveria ser uma atitude.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Edson Parro
1 mês atrás

Olá Edson. O Partido Trabalhista inglês foi fundado em 1900 para representar os interesse da população de assalariados, que haviam conquistado o direito ao voto há pouco mais de 16 anos. O voto na Inglaterra era restrito aos homens proprietários de terras e aos com uma determinada renda anual declarada, o que restringia a politica essencialmente aos partidos Conservador (representante dos proprietários de terras) e Liberal (representando o interesse dos industriais). A origem do Partido Trabalhista foram os sindicatos e organizações dos trabalhadores que ao conquistarem o direito ao voto, não tinham espaço político para candidaturas dentro dos partidos existentes.… Read more »

Elcimar
Elcimar
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

perde seu tempo discutindo com ele,não notou o lado dele ainda. a farinha do saco dele tem nome e endereço.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer. Não pretendo alongar a discussão uma vez que não é tema do artigo, mas se o Partido dos Trabalhadores realmente se preocupasse com os trabalhadores teriam agido com medidas para o futuro, ou seja, ensinando a pescar em ves de dar o peixe. Explico melhor. Quando Luiz Inácio entrou no segundo mandato, o processo de robotização nas montadores e indústrias estava bem maduro e a Alemanha já dava início as avaliações referente a modelos mais amplos referente a automatização, não só de montagens, mas construção e processos, que mais tarde viria a ser conhecida como Indústria 4.0. Quando este… Read more »

Caravaggio
Caravaggio
Reply to  Silas
1 mês atrás

Silas, qual seria sua definição para os governos petistas? (se tem alguma qualificação em conhecimentos gerais pra dá-la).

Por favor, sem essa estupidez de bolsominion de whatsapp de “governos socialistas”, vc teria sido enforcado há anos se o fossem.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Foquem na matéria pelo amor de Deus.

Esse tema soldos, aposentadoria etc já deu… Nem eu, nem você ou outro aqui tem controle sobre esse assunto.

Porra gente! Foco na matéria

Camargoer
Camargoer
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

Caro C.M. O debate sobre os gastos com pessoal estará sempre presente enquanto for um obstáculo para as forças armadas terem um orçamento eficiente. Acho que o debate sobre soldo, tamanho do efetivo (principalmente no EB) e nos valores das aposentadorias diferentes dos valores do INSS (os servidores civis são obrigados agora a aposentar nos mesmos limites do INSS) continua importante porque continua sendo um problema.

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Caro C amargoer, lembrando que com desvalorização real de35% teremos sérios problemas para reequipar FAAS..no caso corvetas uma sumiu se não colocar dinheiro, assim como 12 dos 36 g ripens. Governo terá que se desdobrar para cobrir este rombo da desvalorização cambial recorde. No caso dos subs o impacto será grande. Se não ocorrer aumento substancial verba Federal terá que reavaliar todos estes projetos.

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

E também não deve ser esquecido que 1/3 dos funcionários públicos são do MEC e a educação está como está!

Camargoer
Camargoer
Reply to  Edson Parro
1 mês atrás

Caro Edson. Os docentes do MEC estão nas universidades federais e nos institutos federais. O ensino médio/fundamental é de responsabilidade estadual e infantil é municipal. Os dados mostram que as universidades públicas (incluindo as estaduais) são muito melhores que as particulares, e muitas deles tem cursos de graduação e pós-graduação em nível internacional. Os problemas mais graves da qualidade de ensino estão no nível fundamental e principalmente no nível médio, que hoje é o grande gargalo da educação.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Gostaria de acrescentar que ato de ir para INSS seria mais simples cm um teto de 12 mil para todos, sem exceção.. Uma proposta simples. O teto máximo do servidor é de de 33 mil. mais ou menos. Ao aposentar-se o servidor iria automaticamente para o INSS recebendo 12mil no máximo sem todos s benefícios incluídos. Na ativa o servidor que faça sua poupança pública, privada, que seja…. Na aposentadoria. Passar a ganhar teto sugerido e ir para o INSS. Um exemplo: Entro ganhando 15 mil chegou ao teto dentro de cada categoria ou até ultrapasso. Levando-se em conta declaração… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  sergio ribamar ferreira
1 mês atrás

Caro Ribamar. O teto de remuneração do funcionário público federal é o salário dos ministros do STF. Os “supersalários” estão no judiciário e no MPF. Por exemplo, o MEC tem uma folha de pagamento de R$ 28,3 bilhões e 352 servidores, o que dá um salário médio de R$ 6,1 mil reais. Quanto á aposentadoria, desde 2012 os funcionários federais de executivo tem aposentadoria limitada ao teto do INSS (quem quer receber mais tem que aderir a um fundo de pensão e contribuir para isso). Os militares por outro lado, não tem esse limite.

Roberto Francesco
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

governo trabalhista, mais isso e uma piada…?????

nonato
nonato
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Você tem detalhes quanto ao número no exército?
Quantos são do serviço militar obrigatório, como estão distribuídos os demais…

Camargoer
Camargoer
Reply to  nonato
1 mês atrás

Olá Nonato. Os dados gerais sobre o números de servidores civis e militares no Ministério da Defesa e em cada comando estão disponíveis no Portal da Transparência. O número de soldados cumprindo o serviço militar obrigatório está na página do MInDef. O número de servidores no DECEA também está na página da FAB. Nunca encontrei um documento que resumisse todas as informações. È preciso buscar os números de cada órgão separadamente. Dá trabalho.

Renato
Renato
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,
Me desculpe que por ora não lembro a fonte da informação, mas foi divulgado mas mídias (inclusive internacionais) que o Brasil é um dos países que mais gastam na folha de pagamentos com pessoal nas FAs interferindo subsequentemente em investimentos em aquisição de equipamentos, materiais e pesquisa tecnológicas de aprimoramento de armamentos.
Acho que é por essas e outras que muitos ficam com o pé atrás com os milicos.

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Qto aos opositores da FAs, as vezes parece que é o que as FAs querem. Pelos comentários autoritários que alguns deles que estão ou estavam no governo fizeram … Sem esquecer os discursos anti-democráticos que o presidente teve a infeliz idéia de fazer e colocando os militares no meio da história. Tomara que os próximos governos tratem as forças armadas do jeito que merecem, com recursos suficientes não só para se manter mas para evoluírem …

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Foquem na matéria pelo amor de Deus.

Esse tema soldos, aposentadoria etc já deu… Nem eu, nem você ou outro aqui tem controle sobre esse assunto.

Porra gente! Foco na matéria!

filipe
filipe
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

O Lula para muitos foi o pai dos principais programas militares actuai PROSUB + Gripen NG /Rafale + KC390 + HX-BR + SGDC + Guarani + Astros2020, O Bolso apenas quer aumentar os salário dos militares (aumenta para 2% do PIB) mas com alguma pressão para manter esses programas, os governos passam , mas os programas miliares tem que ficar , imagina se nos EUA eles deixassem ter ter os seus progrmas militares por causa de republicanos e democratas, não teriamos o SSBN Ohio + SSN Virginias + CVN Nimitz + MBT M1 Abrams + F-22/F-35 + AH-64 Apache ,… Read more »

Tom
Tom
Reply to  filipe
1 mês atrás

Filipe, como assim “não teríamos”??? Nós não temos, quem tem são eles.

filipe
filipe
Reply to  Tom
1 mês atrás

Vc tem razão Tom, é tudo dos Gringos, o Brasil têm é que deixar de politizar a defesa e a economia, tal como faz o EUA e a China, defesa e economia é assunto de estado, é um projecto de estado, não de governo, o Brasil têm tudo para ser uma grande potência mundial, mas tem que ser mais coeso, mais unido , o que vemos é que o povo esta quase sempre dividido, projectos como o PROSUB deveriam unir a gente.

rui mendes
rui mendes
Reply to  filipe
1 mês atrás

Enquanto não perceberes, que com grande desigualdade social, jamais poderás unir uma sociedade, pois os mais pobres, preferem ter melhores salários, do que meios militares potentes e caros, e isso só se consegue investindo em educação, e aí sim, com melhor formação, terás empregos melhores remunerados, mais dinheiro arrecadado pelo estado, e união para equipar o país, com melhores meios para as forças armadas, fazer ao contrário, é como fazem países com ditaduras.

fewoz
fewoz
Reply to  rui mendes
1 mês atrás

Exatamente, Rui. O problema da desigualdade é muito debatido, mas na prática, pouco faz-se para resolvê-lo.

Caravaggio
Caravaggio
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Aguardando o Saldanha dar nome aos bois.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Quais opositores então caro Saldanha?
Pois hoje temos no poder quem disse que iria elevar a capacidade bélica nacional, se cercou de oficiais e hoje mais do que nunca vejo uma desmobilização da industria militar nacional, des-nacio alização da mesmo, entrega da soberania, míngua dos recursos para investimentos etc.
A única coisa que aumentou na defesa foi os salários do oficialato .

fewoz
fewoz
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Exato, caro Foxtrot. E repetiram exatamente a mesma fórmula venezuelana, que tanto criticavam (dar um “afago” para ter sempre o apoio irrestrito dos militares).

No Brasil, há muitas pessoas falando num falso nacionalismo, mas na verdade só se preocupam com seus bolsos, inclusive os militares.

Salim
Salim
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás
  • Infelizmente concordo com VC, o pessoal que entrou só pensa aparelhar sistema pra duplicar salario e no próprio bolso. Exemplo e ministério saúde que passou de protagonista para coadjuvante pela falta qualidade técnica dos militares colocados lá. Este ano foi vendido estaleiro nacional para o provável fabricante estrangeiro e Saab comprou empresa nacional que seria responsável por absorver manutenção eletrônica gripen. Continuamos pagando tot pra filial de matriz estrangeira, helibras, Iveco, corvetas etc…..
Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

Esses opositores eu vejo como o pessoal do psdb e do pmdb.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

E vamos avançando, como é bom ver as coisas andando! Não vejo a hora de começarmos a ter notícias semelhantes das Tamandaré!

Teropode
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Eu gosto disso , principalmente quando a matéria deixa bem claro os motivos na escolha da parceria com os franceses .

Claudio Moreno
Claudio Moreno
1 mês atrás

Bom dia Senhores camaradas do Naval e da Trilogia!

Fico muito feliz em saber que o programa está caminhando. Apesar dos percalços que houve e das críticas de alguns que não entenderam e ainda não entendem o propósito do projeto, estamos caminhando a passos firmes para uma melhor proteção de nosso mar.

Quem sabe antes de eu morrer, possa ver nossa frota de superficie também recuperada, pelo menos a um grau mediano.

CM

Fábio de Souza
Fábio de Souza
1 mês atrás

Esse Tipo de Matéria, nos causa Muito Orgulho !!!

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

A coisa tá andando bem !

Osvaldo serigy
Osvaldo serigy
1 mês atrás

Excelentíssima Notícia! Avante e muito sucesso ao Prosub!!

Ricardo
Ricardo
1 mês atrás

Já dá pra ver encomenda de mais 2. Dai não perder a mão de obra

Camargoer
Camargoer
Reply to  Ricardo
1 mês atrás

Caro Ricardo. Após o S43, será a vez do SN10. O que tem sido bastante debatido aqui no PN seria qual submarino virá depois do SN10. Temos dois grupos otimistas, um que prefere Riachuelos adicionais (até com AIP) e o outro que prefere a construção de submarinos nucleares adicionais. O grupo dos pessimistas acha que não será nem um nem outro.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer,para que a MB possa dominar completamente a construção de submarinos nucleares,não basta a construção de apenas uma unidade dos mesmos,é preciso a construção de vários para que o know-how não seja desperdiçado,até porque a tecnologia evolui e os novos modelos têm de se adaptar aos novos desafios do campo de batalha.Sendo assim,apôs a conclusão do SN Álvaro Alberto,defendo que a MB construa uma segunda unidade,mais capaz e aprimorada,usando todas as lições tiradas da construção da primeira unidade. E em termos práticos,acredito que se aplique aos submarinos nucleares o mesmo que se aplica aos porta-aviões,quem tem dois,tem um,quem tem um,não… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Olá Allan. Eu concordo com você sobre a necessidade de dar continuidade ao programa de submarinos nucleares. Por isso eu defendo que após o SN10, a MB já inicie a construção do SN11, depois do SN12 … e assim sucessivamente, mas focando exclusivamente nos submarinos nucleares. A MB teria toda condição de manter o projeto pois toda a infraestrutura e conhecimento estará disponível.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Acho que não é uma questão da MB ter condição,é uma questão dos oficiais e/ou dos atores políticos desejarem a continuação do projeto,depois do SN10,aqueles estarão com seus fetiches realizados,e estes não dão a mínima para os projetos estratégicos das forças armadas.Isso é o que me deixa preocupado.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Não creio Mestre Camargoer,

O SNbr em sendo o primeiro em propulsão, casco e PMG que é crítico para a sua categoria, deveria ter bem maturado um relatório de analise e melhorias após dois anos de operação
e assim, o proximo subnuke fazer extenso uso de melhorias observadas no primeiro modelo. No mais rapido que seja, seria uma janela de 2 anos.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Ola Carvalho. Você tem razão sobre a importância deste processo de revisão. Contudo, as mudanças não podem ser muito grandes exatamente para a aproveitar o projeto básico do SN10. Talvez essa maturação só seja obtida para o SN12.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

eh que parece que havera uma lacuna de tempo entre o S43 Angostura e o SN10 Alvaro Alberto, talvez devido a atrasos no desenvolvimento da propulsao nuclear, Labgene, etc., entao ha um risco da estrutura toda de fabricacao dos submarinos em si ficar ociosa e perder mao de obra qualificada. Por isso talvez mais 1 ou 2 Scorpenes convencionais mantenha a linha funcionando a espera da montagem do 1o nuclear.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Olá Marcelo. Talvez esta janela na qual as oficinas de Itaguaí estarão subutilizadas possa ser usada para concluir o PMG dos Tupi. È preciso lembrar que o SN10 deslocará 6 mil ton, portanto ele será três vezes maior que um Riachuelo, o que demandará muito mais trabalho, portanto sua construção será levará mais tempo.

Frederico Boumann
Reply to  Ricardo
1 mês atrás

Faço parte do primeiro grupo, mais um lote de quatro Riachuelos (dois para venda a uma marinha amiga). Como o primeiro corte de aço em referência ao SSN não se dará em três anos ou mais, a equipe de trabalhadores precisam continuar trabalhando; Sem falar que, como as coisas estão indo tão bem, se corre o risco de um hiato temporal (isso acontecendo no Brasil…) até o inicio da construção do SSN.
Logo, fecha um lote de mais quatro Riachuelos, e põe à venda dois deles!!

Funcionário dos Correios
Funcionário dos Correios
1 mês atrás

Excelente noticia, o negocio está bem avançado, que continue assim.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
1 mês atrás

Bom dia a todos, eu sempre fui um dos críticos deste programa, mas devo admitir que ele ganhou fôlego e está avançando adequadamente. Só tenho alguma ressalva quanto ao SNB, essa de ordem financeira: talvez fosse mais interessante postergar o inicio de sua construção, até a incorporação das novas fragatas, e construir um quinto submarino da classe Riachuelo.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Adriano Luchiari
1 mês atrás

O que você propõe prejudicaria muito todo o planejamento do programa. O projeto já está sendo finalizado e o modelo do Álvaro Alberto em tamanho real está na fase final de construção no Labgene,onde os sistemas do submarino serão testados. Todo o know-how adquirido durante o desenvolvimento dos 4 primeiros Scorpénes será aplicado na construção do submarino nuclear. Não dá para deixar tudo na ociosidade,até porque vários contratos já foram assinados. As novas fragatas só ficarão prontas em mais ou menos 10 anos,isso se não houver atrasos,esperar todo esse tempo para começar a construção do submarino atrasaria ou programa em… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Olá Allan. Perfeito. Tenho a mesma opinião. As diversas fases do programa estão coordenadas, que incluem como você disse a construção dos “Riachuelos”, do Labgne, do SN10 e das instalações radiológicas na BSIM, além do fato dos engenheiros e técnicos que estão sendo qualificados agora para a construção do SN10. O ProSub é a prioridade. Em relação ao envelhecimento da frota de superfície, algo que tem preocupado vários colegas, a solução só virá com a incorporação das FCT. A repotencialização de algumas Niteroi vai servir para cobrir o gap operacional. Em outra postagem, comentei que antes eu era favorável á… Read more »

Vovozao
Vovozao
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

01.09.2020 – terça-feira, btarde, nobre Camargoer, segundo informações a poucos dias o diretor de compras da MB, vice almirante José Augusto, a MB, esta a caça de escoltas em boas condições para suprir esta deficiencia no grupo de fragatas. Eu, lendo, sempre encontro informações que a marinha americana, tem perspectiva de descomissionar 4 LCS, inclusive um com menos de 10 anos, nao sei se haveria interesse, e, ate um tempo atras sabiamos do interesse da MB, nas 4 Brandemburgo, porém, sempre dizem que a Alemanha não disponibilizará antes de 2034; porém, como sempre sao tratativas de governo, vamos aguardar.

Dalton
Dalton
Reply to  Vovozao
1 mês atrás

A US Navy costuma informar com antecedência o destino de navios a serem descomissionados. No caso dos 4 “LCSs” eles irão para a reserva e dificilmente serão reativados, aguardando o destino final: desmantelamento ou alvo em exercícios. . Diferente do que ocorreu com várias fragatas da classe “Perry” descomissionadas que foram destinadas à venda pois sabia-se que poderiam ter valor para marinhas estrangeiras. . A razão para o precoce descomissionamento dos 4 primeiros “LCSs” é que eles estão abaixo do padrão dos subsequentes e investir centenas de milhões de dólares para atualiza-los não compensa. . O “LCS” foi projetado para… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Olá Dalton. Eu temo que as LCS dos EUA também não atenderiam às necessidades da MB. Quando penso no cronograma de fabricação da FCT, tenho a impressão que elas ocuparão o lugar deixado pelas Greenhalgh e as primeiras Niterói descomissionadas. Será necessário um outro grupo de navios de combate (novos ou de segunda-mão) para substituir as Niterói e Inhauma remanescentes. Talvez alguma marinha disponibilize 3~5 navios de combate usados, só não sei qual seria.

Dalton
Dalton
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

O “problema” Camargo é que tudo indica que a marinha brasileira perderá 4 de seus combatentes
de superfície anos antes das 4 “Tamandarés” serem incorporadas.
.
O ideal seria que já estivessem sendo construídas para ocupar gradualmente o lugar dos que seriam retirados e também não arrisco um palpite de qual marinha disponibilizaria 4 navios em bom estado.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Olá Dalton. Você tem razão. O contrato prevê a entrada das quatro primeiras FCT entre 2025 e 2028 (podemos até ter uma expectativa de que sejam entregues até 2030). Um segundo lote seria portanto esperado para 2030~2034 sendo otimista. Talvez 2032~2035 considerando alguns atrasos. Portanto, é razoável esperar que a MB tenha entre 4~6 FCT novas no início da década de 2030. O problema será o período da década de 2020. Como é absolutamente incerto que sejam oferecidos barcos de segunda-mão para a MB, passei a considerar a importância de concluir o PMG dos Tupi, algo que depende apenas da… Read more »

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Difícil acontecer o PMG dos Tupis, mais ainda manter uma frota com mais de cinco submarinos em curto/médio prazos. A MB não dispõe de submarinistas para guarnecer mais do que isso.

Last edited 1 mês atrás by Adriano Luchiari
Camargoer
Camargoer
Reply to  Adriano Luchiari
1 mês atrás

Caro Adriano. Se a MB não tem submarinistas para operar os Tupi que ela já conhece, não teria para guarnecer um segundo lote de Riachuelos. Qualquer argumento em favor de construir novos Riachuelos justificariam primeiro concluir o PMG dos Tupi. O contrário também, todo argumento contra o PMG dos Tupi servem contra a construção de novos Riachuelos.

Yuri Dogkove
Yuri Dogkove
1 mês atrás

O SNB será armado com o Míssil de cruzeiro brasileiro?

Camargoer
Camargoer
Reply to  Yuri Dogkove
1 mês atrás

Olá Yuri. Pelo que sabemos, o SN10 terá as mesmas armas dos Riachuelos, mísseis Exocet SM39 e torpedos F21.

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
1 mês atrás

Que venham mais um ou dois lotes!

Camargoer
Camargoer
Reply to  Daniel Ricardo Alves
1 mês atrás

Caro Daniel. DIscordo. Espero que após o SN10 a MB contrate o SN11, SN12… de tal modo que os quatro Riachuelos (S40~S43) sejam os últimos submarinos convencionais da MB.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Submarino convencional sempre é bem vindo. A depender da missão, não é necessário o caro SSN.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Eduardo
1 mês atrás

Caro Eduardo. Um SSN faz tudo o que um submarino convencional faz. Um convencional não consegue fazer tudo o que um nuclear faz. Considerando todo o investimento feito para se obter o SN10, a construção de submarinos nucleares adicionais é apenas uma fração do que terá sido gasto para construir o SN10. Deste modo, é razoável pensar que o futuro da MB seja em direção de uma pequena frota de apenas SSN (isso a partir de 2050, mais ou menos, quando os Riachuelos terão cumprido o seu ciclo de vida).

sergio ribamar ferreira
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Boa noite. Acredito que para se construir um 2º SSN deverá gerar mais dinheiro e tempo até para construção. Não que não possa ser realizado(levar-se-á tempo), porém mais alguns SSBr. convencionais já solucionaria a defasagem Ainda não esqueço de pensar em fazer contrato para quatro corvetas.( e não fraguetas). Uma nova licitação . Aratu seria um estaleiro. e também de (navios -patrulhas) OPV L’adroit. Barcos de varredura e minagem. e não esquecer da patrulha aeronaval. Na área fluvial, Há uma gama de possibilidades. O que falta é dinheiro e vergonha na cara. Contribuintes(nós0 pagando para não ter proteção alguma. Grande… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Desculpe, comparar missão da MB com usnavy e forçar barra. Teatro atlântico sul e muito menor que atuação global usnavy. Temos que parar de ver outros e criar nossa solução, patrulhar dignamente atlântico sul e nossas aguas territoriais e ter forca suficiente para desencorajar qualquer aventura em nossas terras e mares.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Salim
1 mês atrás

Olá Salim. Eu nunca comparei a MB com a USN. Acho que não faz sentido. Podemos comparar a MB com a marinha da Austrália, com a do Chile, talvez com a África do Sul. De um modo menos direto seria possível comparar a MB com as marinhas de Portugal, Espanha e México, mas sempre com muito cuidado porque os países são muito diferentes.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Olá, Camargo! A operação de um SNBR não seria exponencialmente mais cara? A MB teria cacife pra tanto? Eu apostaria pelo meio termo, uns dois ou três nucleares no máximo e mais Riachuelos com AIP.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Filipe Prestes
1 mês atrás

Caro Filipe. O SN10 irá deslocar cerca 6 mil ton, contra apenas 2 mil ton de um Riachuelo. Considerando os valores por tonelagem de vários submarinos (converncionais, nucleares e nucleares para lançamento de mísseis balísticos) a média não muda muito. Eu estimo que o SN10 custará entre US$ 1 bilhão e US$ 1,2 bilhão (algo em torno de 2~2,3 vezes o custo de um Riachuelo). Portanto é fato que unitariamente, o valor de um SBR é maior que o valor de um SBR. Um Riachuelo é operado por 35 tripulantes, enquanto que o SBN demandará cerca de 100 tripulantes. O… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

A carga bélica do Ssn sera igual a do sbr , só será a vantagem deslocamento para cenário tocaia. Ataque e evasão praticamente o mesmo. Tempo operação arisco ser igual ou ate menor visto que alimentos e fadiga operação ( 100 tripulantes contra 35). Só se turbinar tripulação como os nazi faziam.

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Eu achava que todos os tubos teriam os 533mm padrão,mas por que apenas dois servirão para lançar mísseis e minas? Serão maiores?

Daniel Vilela
Daniel Vilela
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

A eletrônica e sensores presentes nos dois tubos específicos provavelmente serão diferentes!

Peter Nine Nine
Peter Nine Nine
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Não sei… mas tal informação é comum a outros tipos… por exemplo x tubos, x deles aptos ao lançamento de mísseis….

Camargoer
Camargoer
Reply to  Peter Nine Nine
1 mês atrás

Olá Allan. Coisas interessantes que aprendi hoje. O SM39 pesa 655 kg e mede 4,69 m de comprimento (533 mm de diâmetro dentro do invólucro). Já o torpedo F21 pesa 1,55 ton e tem um comprimento de 6 metros. Portanto o torpedo é mais pesado e mais longo que o Exocet.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Olá Allan. Para mim também é novidade. Fiquei com a dúvida se os tubos terão tamanhos diferentes ou se terão dispositivos de disparo mais sofisticados.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Ola Allan. Encontrei na página da MBDA que o envólucro do Exocet SM39 tem o diâmetro padrão de 21 in (533 mm). Portanto, a especificidade está no comprimento do tubo ou no sistema de disparo. Outra dúvida seria se estes dois tubos serviriam também para lançar o torpedo F21. Portanto temos duas configuração possíveis. 6 tubos para lançamento de torpedos, dos quais 2 podem lançar SM39 e mergulhadores, ou 4 tubos para torpedos e 2 tubos para mísseis e mergulhadores.

rommelqe
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Entendo que são vários os aspectos que fazem com que os tubos de lançamento possuam diferenças, as quais não são necessariamente relacionadas a diâmetro nominal (533mm) e comprimento do tubo. No caso dos Exocet lançados de submarinos, de fato os mesmos são involucrados em cápsulas estanques que são, no lançamento, impulsionadas para a água por meio de ar comprimido. Quando o conjunto atinge a superfície esse invólucro (“casca”) é descartado e o motor do missil entra em ignição; sua trajetória não é filo guiada e obedece uma forma classica de direcionamento sendo nesta fase similar a um lançado da superfície… Read more »

rui mendes
rui mendes
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Não dou a mínima importância, a negativarem-me um comentário, nem que seja 200 deslizes vs 0 likes, mas como é possível, negativarem os comentários do colega anterior (Camargoer), se ele não opinou nada, praticamente fez um pergunta.

FABIANO BARBOSA
1 mês atrás

O lançamento do Humaitá, está mantido para esse mês?

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
1 mês atrás

lkjkj

Last edited 1 mês atrás by Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
1 mês atrás

Seria muito bom se além da opção de editar, fosse possível excluir as mensagens que postamos. Digitei no lugar errado uma msg. e tive de digitar qquer coisa para gravar no espaço onde estava a msg. que eu transferi para onde eu queria, resposta a um comentário de outra pessoa.

JClaudio
JClaudio
1 mês atrás

Uma pena que nesse blog que acompanho a tantos anos, não se pode elogiar governos petistas ou criticar o atual. Quem em sã consciência ou sem fanatismos baseados na dicotomia infantil de esquerda versus direita, pode negar que TODOS os grandes projetos das forças armadas foram alavancados nos governos petistas? Nem vou me alongar no comentário porque o censor do blog não pública, o que é uma pena, pois, só pública o que ele concorda, o que não enriquece o debate, já que como dizia Nelson Rodrigues, toda unanimidade é burra. Ao invés de censurar poderia mostrar que estou errado.

Camargoer
Camargoer
Reply to  JClaudio
1 mês atrás

Caro JC. Os editores são bastante abertos para comentários a favor ou contra o atual governo e governos anteriores. Algumas vezes, alguns colegas extrapolaram nos comentários, chegando até a ofensas pessoais. Geralmente, os comentários “barra-pesada” mencionavam polítocos ou grupos. Com o tempo, o filtro do blog passou a bloquear a publicação automática destes comentários. Isso aconteceu comigo e com todos os colegas, mas todos meus comentários foram liberados em poucas horas ou no dia seguinte. Creio que existe apenas um cuidado em relação aos exageros, mas não há censura ás ideias e opiniões, desde que colocadas de forma educada e… Read more »

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  JClaudio
1 mês atrás

JClaudio (bonito nome por sinal 🙂 ),

Foco no tema do post!

CM

Gabriel
Gabriel
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

Quem em sâ consciência, tentando parecer isento ou disfarçar fanatismos, iria fugir do tema do post? será que se baseou na dicotomia infantil de esquerda x direita?

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  JClaudio
1 mês atrás

JClaudio;
escrevo aqui, na Trilogia, já tem mais de treze anos e nunca sofri nenhum tipo de censura.
Logo, do meu ponto de vista, você está total e absolutamente “errado” (como você mesmo disse).

MISSÃO DA TRILOGIA FORÇAS DE DEFESA
Desenvolver uma Mentalidade de Defesa no Brasil
A Estratégia Nacional de Defesa apresenta dentre suas metas o desenvolvimento de uma mentalidade de defesa na sociedade.
Nesse sentido, os blogs da “trilogia” Forças de Defesa (http://www.fordefesa.com.br) têm como objetivo tornar os assuntos de defesa parte da agenda nacional, a ponto de influenciar positivamente as políticas governamentais no futuro.

Last edited 1 mês atrás by EParro
Salim
Salim
Reply to  Edson Parro
1 mês atrás

Edson, concordo com VC em grau e gênero. Este espaço democrático através dos comentários de varias matizes servem sobremaneira para solidificar e ampliar a importancia de nossa defesa. Aproveito para congratular os responsáveis por este espaço pelo desejo dos mesmos em auxiliar nossos brasileiros a entender nossas dificuldades em defesa e através do debate aberto a todos criar uma mentalidade de influenciadores na melhoria da defesa Brasileira.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

O negocio anda tão bem, que para ficar melhor ainda, uma compra de mais duas unidades.

Teropode
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 mês atrás

Calma , seguir o planejamento é prudente , vamos de SBN após o Angustura , uma modernização razoável nós três “tupis restantes ” dará tempo para absorver o aprendizado com o subnucle , depois se decide oque fazer , acredito que 3 nucles e 10 convencionais já estão de bom tamanho .

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Sem levar em conta armamentos e sensores, há alguma parte estrutural do SBR que seja importada ? Ex. Tubos de torpedo.

Salim
Salim
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

O AÇO e importado da mittal/arcelor. Se náo falha memoria na época do tupi o aço era nacional, porem náo tenho certeza, se alguem souber pode confirmar ou não.

Caravaggio
Caravaggio
1 mês atrás

A melhor coisa que Temer fez e Bozo está fazendo é não atrapalharem o q foi começado lá atrás. Só isso já está ótimo.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Caravaggio
1 mês atrás

Foco no tema! Cara…vaggio!

CM

Caravaggio
Caravaggio
Reply to  Claudio Moreno
1 mês atrás

Estou no tema.

Maximus
1 mês atrás

Na minha humilde opinião, o nosso Brasil deveria continuar a construir mais submarinos da classe Riachuelo, bem como pensar em distribui-los ao longo do nosso imenso litoral em posições estratégicas defensivas, não somente apenas no RJ, pois, ele talvez seja o nosso único meio de dissuasão de respeito. Pensar em desenvolver isso e aquilo, acho louvável, porém, os players mundiais estão se armando muito bem, se preparando para um grande conflito que se avizinha na geopolítica nesta década. Infelizmente, estes conflitos armados não vão esperar o nosso Brasil se desenvolver e ter os meios necessários para prover a nossa defesa… Read more »

Farroupilha
Farroupilha
1 mês atrás

Meus parabéns a esse novo avanço do PROSUB! – Mas aproveito para: Infelizmente nunca adentramos assuntos de doutrina de combates. O próprio pessoal da Marinha raramente se manifesta, e sobre qualquer assunto. Dito isto, vamos a um questionamento técnico (doutrina) de um pobre curioso de assuntos de defesa: – O míssil Exocet SM39 que é lançado de submarinos possui o pífio alcance (para moderna guerra missilística do século XXI) de ±50km (site da fabricante MBDA)… OK! O torpedo F21, última geração de torpedos franceses (site da fabricante DCNS “The F21 will equipe the entire French SSBN and SSN fleet, as… Read more »

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Farroupilha
1 mês atrás

Por favor, não me venham com a justificativa, que para nosso teatro de guerra os exocets são suficientes.
E também não venham com a catastrófica fala de que não temos inimigos, que vivemos numa zona de paz. (a “zona” do Brasil é o mundo)

Tutu
Reply to  Farroupilha
1 mês atrás

Exite uma live no canal base militar, em que um oficial da reserva da MB explica o motivo do armamento do SNBR ser somente um mix de torpedos e exocets, segundo ele o comando da MB optou por fazer um submarino mais simples, justamente para reduzir o risco do projeto, pq aparentemente um SNBR com vls teria muito coisa para dar errado.
E ele (o alto comando) temiam não ter outra chance caso o SNBR desse errado.

Matheus S
Matheus S
Reply to  Farroupilha
1 mês atrás

Faremos umas considerações sobre o seu comentário. Inicialmente irei pegar o comentário do Rommelqe que disse logo acima brilhantemente acerca do funcionamento do míssil: “No caso dos Exocet lançados de submarinos, de fato os mesmos são involucrados em cápsulas estanques que são, no lançamento, impulsionadas para a água por meio de ar comprimido. Quando o conjunto atinge a superfície esse invólucro (“casca”) é descartado e o motor do missil entra em ignição; sua trajetória não é filo guiada e obedece uma forma classica de direcionamento sendo nesta fase similar a um lançado da superfície ou do ar… The missile is… Read more »

rommelqe
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Prezado Matheus: obrigado pela referencia. Gostaria de acrescentar, alem das suas observações, com as quais concordo, que o torpedo F21 possui uma carga explosiva muito superior ao Exocet. Assim o seu emprego deve ser orientado preferencialmente para grandes navios inimigos (Fragatas, porta aviões, etc) menos ágeis do que lanchas torpedeiras e corvetas, por exemplo, que seriam alvos mais visados pelo Exocet ou equivalente (Mansup entre outros). Ressalto também que um F21 é bem mais caro e que por ser manobravel a partir do submarino pode ser redirecionado caso conveniente. Logicamente os dois podem ser lançados para um mesmo inimigo, e,… Read more »

Matheus S
Matheus S
Reply to  rommelqe
1 mês atrás

Obrigado pelo complemento. Se eu não me engano, eu acho que já teve sim um exercício simulado com o míssil onde o emprego do míssil foi contra corvetas, o míssil foi lançado a 55 metros de profundidade e conseguiu “afundar” a corveta. Abs

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

As características técnicas do SM39 citadas pelo rommelqe, lá em cima, são necessárias para sua utilização, nada de novo nisso, ele falou certo nada a corrigir. Agora quanto a sua fala: “O que acrescentaria nesse comentário dele respondendo ao seu é que, o VSM sai da água a alguma distância do submarino, mantendo assim a posição do lançamento do submarino oculta,” – Ora, é óbvio que o míssil sai a alguma distância do submarino, afinal o submarino está imerso. A questão é que esta distância de saída do míssil d’agua para a do submarino mais ao fundo é de algumas dezenas de… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Farroupilha
1 mês atrás

O ataque submarino solitário e bem tecnico e náo admite falha, geralmente seu alvo sera barco desgarrado grupo tarefa, desarticulando circulo defesa e desviando meio para neutralizar sub, que raramente sairá em velocidade alta, normal velocidade baixa e submersão para zonas termais de maior possibilidade fuga, as vezes ate pousa fundo. O meio submarino obriga forca tarefa a um desgaste frenético e defensivo quando se tem risco submarino área. Ai se VC tem uma forca combinada de ataque a possibilidade de neutralizar forca ataque inimiga e muito maior. um PA restringe muito os helicópteros de busca submarina e com presença… Read more »

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Salim
1 mês atrás

Salim,

O que vc descreveu se aplica a subs convencionais. Um sub nuclear escolhe o seu alvo , ataca onde e quando quiser.

Salim
Salim
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Caro FC, o Ssn atua como submarino convencional, ele só tem maior autonomia e velocidade, a tática e a mesma chegar sorrateiramente, mandar bala e sumir sorrateiramente. Os sbns ( balísticos ) sim, porem são basicamente ataque superfície com mísseis balísticos tipo tomahawk ou nucleares. O nosso náo terá ate momento esta capacidade. Terá vantagem autonomia e velocidade, porem a tática ataque meios superfície e a mesma.

Matheus S
Matheus S
Reply to  Farroupilha
1 mês atrás

Nesse seu outro comentário você está abordando a doutrina de emprego do míssil, uma coisa que eu não abordei. Óbvio que o lançamento do míssil dará uma localização de onde começar a procurar o submarino, mas você está dando a entender que no momento em que o submarino dispara o míssil Exocet, imediatamente a desvantagem está com o submarino, o que não é verdade. Conforme eu disse anteriormente, existe uma distância em que o míssil é impulsionado para fora d’água e eu não saberia te informar precisamente essa distância correta, mas deve ficar mesmo no que você disse em algumas… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

Parabéns a ICN/ Nuclep/ MB por mais esse grande e rápido feito. Agora acho que a MB deveria partir para 2 projetos. 1- modernizar os Tupis e transferir para uma base no nordeste, dando início a futura II esquadra. 2- iniciar um projeto nacional dos SBR-Mod II ou encomendar outro lote (4 embarcações) dos SBR. Sonhar em operar somente Subnuc , não passa disso. Sonho e alucinações megalomaníacos do almirantado. Torrando bilhões e 4 navios, concursos um atrás do outro e inúmeros ralos de dinheiro na força, não haverá verba nunca para operar apenas os SNBR,s. Precisamos de uma força… Read more »

willhorv
willhorv
1 mês atrás

E com certeza quase absoluta, não vai ficar só nestes 5 subs. Não tem pq investir e desenvolver apenas um sub nuca.
Chuto em pelo menos mais 2, perfazendo 3 unidades.
Já os convencionais, se posso chamá-los assim, devem chegar a 9 pelo menos.
Assim penso.
A estrutura montada é para tal.

Luiz Floriano Alves
Reply to  willhorv
1 mês atrás

Lula e Sarkozi muito fizeram para essa venda dar certo. Colocaram seus talentos em jogo. Tudo para termos o que de mais moderno existe. Em Itaguai dever ter monumento a isso.

Camargoer
Camargoer
Reply to  willhorv
1 mês atrás

Olá WIllhorv. Seria mais barato concluir o PMG dos Tupis do que construir novos submarinos convencionais. Um PMG deve custar algo em torno de USR 30 milhões (incluindo a substituição de todas as baterias). O PMG incluindo a remotorização deve custar algo como US$ 60 milhões. Supondo que todos os cinco Tupis realizarem um PMG típico, o custo seria da ordem de US$ 150 milhões. Se os dois Tupi mais antigos forem remotorizados, a despesa total seria de US$ 210 milhões. Um Riachuelo novo deve custar algo entre US$ 500 e US$ 600 milhões. Portanto, por um valor aproximado de… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Acredito que será reavaliado força sub em virtude desvalorização cambial de 35%. O sensato seria colocar os 5 tupi na ativa e garantir ao menos 3 scorpene, seria um ganho fabuloso atendendo as restrições orçamentárias presentes.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Salim
1 mês atrás

Olá Salim. A publicação menciona que a MB continua trabalhando na construção do S43, que é o quarto submarino da série (S40, S41, S42 e S43). Portanto, é razoável considerar que a MB irá incorporar os quatro SBR. Eu também acho que seria sensato concluir o PMG dos Tupi. Creio que seria muito mais vantajoso colocar os 5 submarinos em operação do que empregar recursos escassos na aquisição de navios de combate de segunda-mão.

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Lembro que argentina teve problemas e náo conseguiu terminar 2 tr1700 um com 75% serviço concluído e outro com 35% . A valorosa Barroso e muito mais barata que sub e demorou 14 anos para ser concluída. Espero que mantenham programa, porem a disponibilidade de valores para conclusão subs sera bem dificultosa vista desvalorização cambial.

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Camargoer;
tenho dúvidas quanto ao PMG que você menciona. Bem US$210 milhões para cinco Tupi e US$600 milhões para um S-BR.
Quanta “vida” ainda tem a classe Tupi, após PMG? Qual a atualidade de suas capacidades, após um PMG, comparadas a um S-BR? E as incertezas decorrentes de um PMG, quanto “dindini” precisará ser acrescentado, ao planejado originalmente, quando aparecerem as dificuldades e as “falhas” (e certamente vão encontrá-las)? Qual o custo de manter-se mais essa “linha de montagem” dos Tupi?
A meu ver, neste caso de PMG dos Tupi, dinheiro bom (e escasso) em coisa “vencida”.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Edson Parro
1 mês atrás

Caro Edson. O valor de US$ 60 milhões foi publicado pelo Roberto Lopez em uma matéria sobre a remotorização dos dos Tupi. Como é muito difícil definir o valor preciso de um PMG (já que vai depender muito do estado de cada submarino), uma boa aproximação é considerar que um PMG sem remotorização tivesse um valor em torno da metade do valor (talvez um pouco mais ou um pouco menos). Outro valar de referência seria o de US$ 6 milhões pelo conjunto de baterias (também publicado em uma matéria sobre os Tupi). Um submarino tem uma vida útil de 30~40… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sim, é algo bem razoável.

Concordo

Hellen
Hellen
Reply to  willhorv
1 mês atrás

Conhecendo nossos políticos tenho quase certeza que depois da entrega do ultimo submarino em 2022 o parque industrial sera totalmente desativado !!!!
O submarino nuclear vai ficar so na vontade mesmo !!!!

PACRF
PACRF
1 mês atrás

Perguntas de leigo: o compartimento onde ficam os tubos de torpedos fica alagado? Como os torpedos são colocados no interior do submarino? Quantos torpedos nossos novos submarinos convencionais são capazes de carregar?

Camargoer
Camargoer
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Olá P. O sonar fica localizado embaixo dos tubos de torpedo. Esse compartimento precisa estar alagado para que o meio de propagação das ondas sonoras esteja em contato com os sensores do sonar. O Scorpene tem uma escotilha acima da sala de lançamentos que pode ser aberta quando o submarino está atracado. Os torpedos e os SM39 são colocados dentro do submarino por esta escotilha. Acho que o Scorpene pode levar 16 “munições”, que podem ser todos torpedos F21, uma combinação de torpedos e mísseis Exocet SM39, ou todos SM39. Provavelmente os Riachuelo irão operar com arsenal misto, com mais… Read more »

PACRF
PACRF
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Prezado Carmagoer, obrigado pelas respostas. 16 “munições” podem ser consideradas como uma boa capacidade de ataque, na minha visão.

Salim
Salim
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Eu li em algum lugar 20 munições, alguém tem como confirmar este número?!

Camargoer
Camargoer
Reply to  Salim
1 mês atrás

Olá Salim. Encontrei uma publicação “Brazilian Navy’s Riachuelo Submarine Starts Sea Trials” recente no “Naval News” que menciona “Weapons total payload: 18”.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

São 18 torpedos/mísseis ou até 30 minas.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Olá FC. Legal. A publicação do Naval News não mencionava as minas.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Lembrando que no Scorpene tambem existe o sonar de flanco. Todos trabalham de forma integrada. Há ainda o sonar rebocado, mas a MB optou por não adquirir.

R_cordeiro
R_cordeiro
1 mês atrás

Leio os comentários ios e sempre aprendo. Mas alguns são chatissimos de ler ex: discussoes direita x esquerda, as voltas sem fim e rebuscadas do Camargoer, o fanatismo do kings, fanboys em geral. Ultimamente os comentarios estão só nesta lenga lenga. Saudades do saudoso M.O, Bosco, Colt, Ivan o Mapento, vovozona, cmte… Nossa! quanta gente boa que nao vejo mais.

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  R_cordeiro
1 mês atrás

Pois é R_cordeiro!
Também tenho muita vontade que estes comentaristas retornem, mas…

PACRF
PACRF
Reply to  R_cordeiro
1 mês atrás

Simples: se manifeste marcando os comentários que gosta e os que não gosta, também. Afinal, blogs são ambientes interativos para compartilhamento de opiniões, perguntas e respostas, que se fundamenta na pluralidade de visões. Entendo, que as únicas coisas que não podem ser admitidas, são ofensas e grosserias.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  R_cordeiro
1 mês atrás

Também acho Cordeiro .

Depois que o Nunão saiu o blog caiu muito. Ele fazia a mediação e estava sempre atento às asneiras que postavam.

Camargoer
Camargoer
Reply to  R_cordeiro
1 mês atrás

Caro Cordeiro. Você lembrou de colegas que sabem comentar, discordar e complementar sem que o debate se tornasse uma questão pessoal. Lembro de outros. Preferências a parte, todos sempre respeitaram os colegas. Com eles aprendi a pedir desculpas quando escrevi algo que deu a impressão errada de ofender. Posso discordar de muitos colegas, mas defendo o direito deles colocarem suas opiniões. Só perde a razão aquele que prefere ofender a argumentar.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

A mídia criticou o governo pelo orçamento da defesa mais uma vez receber uma especie de blindagem, espero que a MB tenha dinheiro para continuar a testar o reator nuclear e o SNUC, vá em frente.

Nelson
Nelson
1 mês atrás

Quando sera lançado o Humaita?

Tutu
Reply to  Nelson
1 mês atrás

Era para ser esse mês, espero que a pandemia não tenha atrapalhado esse panejamento.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

comment image

Mísseis e minas?! Legal…

Madmax
Madmax
1 mês atrás

Brasil putfênfia

Camargoer
Camargoer
Reply to  Madmax
1 mês atrás

Brasil potença, tálquei?

Leonardo M.
Leonardo M.
1 mês atrás

Trocaria o nuclear por mais uns 5 desses.
9 submarinos estaria de bom tamanho para a MB.

Só fico imaginando esse nuclear o quanto não vai custar ao longo de 30 anos para manter, revisar e atualizar.

Mensageiro
Mensageiro
1 mês atrás

Não pode parar, já emenda outros 5, se não tivermos como manter, vendemos.

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

comment image
Qual a diferença de fabricar um tubo destes (que dispara mísseis) e colocar ele na vertical ou horizontal?
É o que canso de escrever, temos todos os conhecimentos para fabricar um VLS nacional baseado nós conhecimentos do SLDM ou nesses tubos de torpedos.
O que nos falta é vontade e “peito” para peitar as grandes nações ocidentais.

Salim
Salim
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

O silo misseis na vertical resulta em sub diferente deste scorpene. As forcas de lançamento seriam perpendiculares ao eixo do submarino, portanto teria que ser repensada toda estrutura do mesmo. O exocet ainda e um missel razoável na sua ultima atualização. O silo vertical se justifica para misseis anti superfície terrestres, tipo tomahauk. Os diâmetro,comprimento e peso bem maior inviabiliza tubo na horizontal, alem do que pelo tamanho e aplicação sub o silo destes misseis e selado , tendo só a carga do silo ( náo tem recarga) oito silos terá oito misseis , se for silo único, tem silos… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Salim
1 mês atrás

Caro Salim, ótimas suas explicações. Porém não estou falando do funcionamento mecânico e suas forças , mas sim no conceito tecnológico da coisa. Pois o tubo dispara mísseis na horizontal, logo ele suporta as forças de pressões internas, temperatura etc de um disparo de míssil. Na vertical ele continuará suportando as mesmas forças, ou até menores, pois a força momento que o tubo suportará na horizontal se transformará em força peso na vertical. O conceito para se fazer um VLS portanto já dominamos desde o desenvolvimento do SLDM, e agora se concretizou mais ainda com esses tubos de torpedos. Afinal… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Sim, concordo , porem o classe scorpene náo comporta silo vertical, teria que ser negociado com franceses esta tecnologia. Se fosse eu , nossos Subs teriam oito silos duplos vertical para sm300 e se possível ate mansup. Faltou um pouco ousadia MB

Camargoe
Camargoe
Reply to  Salim
1 mês atrás

Caro Salim. Creio que seja primeiro necessário desenvolver o míssil, cuja primeira versão poderia ser lançada de navios. Depois disso, seria possível desenvolver uma versão para lançamento de submarinos e só então poderia haver a construção de um submarino com esta capacidade. Considerando que o foco agora é o desenvolvimento da propulsão nuclear, creio que a ousadia de desenvolver um programa paralelo para a fabricação de um míssil de lançamento vertical a partir de submarinos poderia comprometer o programa. A ousadia seria o MinDef assumir o programa desenvolvimento de um míssel de cruzeiro nacional que poderia ser lançado tanto de… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Camargoe
1 mês atrás

O programa desenvolvimento misseis e que e uma vergonha, ate agora na da operacional. O ssn se sair em 2033 teria que ter silos verticais, ( 13 anos náo da pra desenvolver estes misseis ) . Também pode comprar missil externo com silo compatível ao nacional. Se for andar neste passo estes misseis vão ficar obsoletos antes homologação.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Mestre Foxtrot, o amigo estaria questionando algo como um modelo parecido ao russo Amur 950. Ele tem esta designação pois é bem pequeno de 950 ton mas possui 8 VLS verticais com o Club K
comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Mas não muda Muito , neste caso 16 torpedos mais 8 VLS. Mesmo fosse o dobro, fica patente que poderiam ser lançados pelos tubos de torpedo tal como o Riachuelo e nem assim haveria uma capacidade de saturação. Estes sao misseis para alvos taticos ou estrategicos. Agora, fosse algo menor e ate de maior alcance como as GLSDB, apesar de carga 125 kg, seu tamanho permitiria ai sim uma quantidade missileira de respeito possivel de saturar alvos ate mais baratos. Mesmo um SSK pequeno como este ou um Riachuelo, numa design similar ao Typhon, daria para levar umas 125 bombas… Read more »

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Mestre Carvalho, estou me referindo simplismente a tecnologia VLS em si. Compramos as Meko/CCT gambiarra com uma das desculpas que não possuímos tecnologia para desenvolver um sistema VLS,e mesmo se iniciarmos agora demoraria muito tempo. Pois bem, olha o fato derrubando outra falácia que usam para justificar o atraso militar nacional e endossar importações duvidosas. O VLS como sempre escrevo nada mais é do que um tubo de pressão com um “cordão” umbilical para transferência de informações. E esse tubo de torpedos demonstrou isso. Já dominavamos a tecnologia de sistemas VLS desde a fabricação do SLDM, e agora se maturou… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Ahhh sim, concordo.

Principalmente pois quando tudo se miniaturiza, tudo transforma-se em arma inteligente, quer seja na forma de mísseis, bombas voadoras, morteiros ou drones. Silos para lançar será essencial nos próximos anos.

Navios precisarão, alguns projetos de tanques ja os tem, submarinos ja os tem, e ate aviões podem o ter.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Ja existem bombas de morteiro com 30km de alcance e precisão milimetrica….se achamos que glsdbs de 125 kg incriveis com 100 Km de alcance, imagina alguem fazer o mesmo com estas granadas
comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Os americanos espetaram as SDBs planadoras de 125 kg como cabeça inteligente de um foguete burro de 160mm. Imagine agora com a difusão de granadas de morteiros 120mm planadoras de 25 kg…da mais ou menos uns 15kg De explosivo entregue. Isto como cabeça inteligente em foguetes propiciaria o mesmo alcance aproximado de uns 120km mas como muito menores, numa saturação incrível e de facil transporte, armazenamento e disparo. Uma alternativa extremamente viável para canhões pesados de munição inteligente qier seja para pequenos barcos ou até SSKs, permitindo que pequenos submarinos ganhem um papel a mais antes ocupados por couraçados, canhoneiras… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image?w=1024

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

Salim
Salim
1 mês atrás

Lembro que classe tupi também tem tubos torpedo 533 mm e se modernizados poderiam usar f21 e exocet. 5 tupis modernizados e 4 scorpenes teríamos condição muito superior atual, alem do que seria possível programar nova classe 100% brazuca para reposição programada destes meios pois tupis ainda tem 15 a 20 anos operacionais se forem modernizados.

Kim Jong Un
Kim Jong Un
Reply to  Salim
1 mês atrás

Pelo menos dois Tupis/Tikuna foram modificados para lançar o torpedo americano mk48.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Salim
1 mês atrás

Parabéns caro Salim, outra coisa que canso de escrever aqui. Mas nossos “super estrategistas” alienados do almirantado resolveram torrar 2 bilhões em 4 navios improvisados que não mudará nada nossa capacidade estratégica regional. Querem trocar 2 Tupis por um Makassar para transformar o navio em navio escola. E os absurdos prosseguem com aplausos de uma platéia alienada aqui do fórum, iludidas com uma “queima de fogos” para iludir mentes impressíonaveis. Para mim, eu pegaria esses 2 bilhões do contrato CCT,mais os 2 de capitação da Engepron modernizar os os 4 Tupis transferindo-os para o Nordeste, construiria os cascos das Tamandarés… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Eu ate seria mais radical. Projeto casco Niterói e bom e já construímos aqui, modernizava layout, armamentos/seensores e casario novo e faria 6 aqui e mais 7 Classe Barroso. O Bahia e Atlântico são derivados de especificação civil, arriscaria casco otimizado de super petroleiro e faria dois PA com rampa para gripen naval ( que seria desenvolvido Embraer ). Tudo aqui com gasto em real e muito emprego bom e domínio tecnologia. Tudo esta ai disponível e só ter boa vontade e botar mão na massa.

Ramos
Ramos
1 mês atrás

Me formei em história lendo os comentários.