domingo, maio 16, 2021

Saab Naval

Saab recebe pedido de mísseis antinavio RBS15 da Alemanha

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Corveta classe Braunschweig lançando um RBS15

A Saab recebeu um pedido de seu parceiro alemão Diehl Defense para o míssil antinavio RBS15 para fornecimento à Marinha Alemã. O valor do pedido é de aproximadamente 1,7 BSEK com entregas entre 2022 e 2026.

Este pedido é parte de um acordo-quadro entre a Saab e a Diehl Defense, que oferece a possibilidade de aquisição adicional no futuro, onde a participação da Saab é de até cerca de 1,5 BSEK. O acordo permite que os pedidos sejam feitos até o final de 2024.

Os mísseis RBS15 e os sistemas de lançamento fornecidos neste pedido serão colocados nas corvetas da Classe Braunschweig da Marinha Alemã. Além dos sistemas de mísseis, o pedido também inclui equipamentos e serviços associados. A Marinha alemã é usuária do RBS15 desde 2011.

 

“Estamos orgulhosos de continuar a apoiar a Marinha Alemã com sistemas RBS15 adicionais. Este acordo-quadro é um marco importante em nossa cooperação de longa data com Diehl Defense e nossa relação com a Alemanha. Esperamos continuar a construir nossa parceria e apoiar a capacidade da Marinha Alemã com nossos sistemas de mísseis antinavio de última geração ”, disse Micael Johansson, presidente e CEO da Saab.

“A concessão do novo contrato é um sinal de confiança da Marinha Alemã e das autoridades governamentais em relação à Defesa Diehl e sua cooperação estratégica com a Saab no campo de sistemas de armas modernos destinados à Marinha”, acrescentou Helmut Rauch, CEO e Presidente d0 Conselho da Divisão Corporativa da Diehl Defense.

O RBS15 fornece aos operadores navais uma capacidade antinavio e de negação do mar de longo alcance para todos os climas e foi projetado para superar os desafios do moderno espaço de batalha naval.

Construído para implantação em várias plataformas, o sistema de mísseis RBS15 atualmente atende às forças armadas de várias nações ao redor do mundo. A solução de míssil antinavio RBS15 é produzida em conjunto pela Saab e Diehl Defense. Leia mais sobre o RBS15 aqui.

NOTA DO EDITOR: Segundo a imprensa alemã, a encomenda compreende um total de 160 mísseis RBS15 Mk.3, sendo 75 pedidos firmes por 285 milhões de euros, mais itens de longo prazo para os próximos 85 mísseis por 6 milhões de euros. Os 160 mísseis permitirão 4 recargas das 10 corvetas alemãs (cada navio leva 4 mísseis).

- Advertisement -

40 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Cristiano de Aquino Campos

E capaz dos EUA reclamarem pois não foi o missil deles.

DOUGLAS TARGINO

Sim… kkkk

Teropode

Como se eles mesmo compram produtos produzidos pelos nórdicos ? Existe uma ligação ancestral forte entre os nórdicos , britânicos , Canadenses , Yankees e australianos . Se vc beliscar um os outros sentem a dor , relaxe .

filipe

São todos Vikings …

OSEIAS

Nem tanto, os russo também são vikins e não se entende com os demais.

Filipe Prestes

Varyag

Teropode

Até o início do século 20 se davam bem , bom …o resto da história todos já sabem .

Dalton

Verdade…a US Navy adquiriu o “NSM” norueguês para uso a partir de seus “LCSs”, futuras fragatas baseadas na “FREMM” italiana e pelos fuzileiros navais.

Tutu

Se não estivéssemos desenvolvendo o Mansup (que usa a mesma interface do Exocet) aí está um míssil que eu adoraria ver nas Tamandaré.

Marujo

Parece que a MB desistiu do Mansup omo as outras forcas desistiram dos misseis que desenvolviam. O Memorando 06/2019, do Comandabtw da Marinha, publicado na revista Tecnologia e Defesa 159.

Adriano Madureira

Claro, gastam rios de dinheiro em um projeto, comem um pouco de grana, fabricam um missil de qualidade um pouco inferior, compram pouquíssimas unidades e depois correm para o mercado estrangeiro…

XFF

È assim mesmo. As Forças Armadas gastam um dinheirão num projeto, que geralmente acaba custando 3 ou 4 vezes a mais do que o valor previsto, e depois simplesmente encerram o projeto. Esse tipo de coisa tem sido frequentes nas Forças Armadas brasileiras.

Fabio Araujo

Qual foi o míssil antinavio escolhido para as Tamandarés?

Tutu

O que foi divulgado fala em um misto de mansup e exocet block III.

Cleber

Gostaria de ver este missil integrados nos nossos Gripen Ng . Mas …

FighterBR

A FAB comprou

Kemen

Quando?

Tomcat

Boa pergunta! Nunca vi nada a respeito

Funcionario da Comlurb

A FAB comprou O QUE ? A versão em desenvolvimento é superfície x superfície. O que a FAB comprou?

Fabio Araujo

Que bom!

Mayuan

Integrados eles são. A questão é adquirir.

rommelqe

Os GRIPEN com RBS15 mais METEOR serão simplesmente formidáveis. Se a MB também dotar as Tamandares com RBS 15 seria uma vantagem estratégica e logística muito interessante. O METEOR talvez tenha em breve uma versão naval superfície/ar … será?

rommelqe

Re-Engineered Meteor BVRAAM On The Works For IAF

Tallguiese

Acho que o ideal seria reequipar o AF-1 com caças atuais e deixar a patrulha marítima e dissuasão no.mar pra eles não? A missão primária dos gripem será defesa aérea.

IBIZ

Com a aquisição dos Gripens pela FAB e na falta de um novo modelo para a MB, uma opção para a aviação naval brasileira para não desaparecer de vez seria a transferência dos AMX A1 da FAB para a MB com o devido processo de modernização dessas aeronaves para missões de patrulha marítima. Aliais essa teria sido uma escolha melhor do que modernizar apenas dois velhos A4 skyhawk.

Tutu

A MB não pode operar aviões de operação puramente terrestre.

IBIZ

Sem porta-aviões se não for assim a marinha vai acabar operando avião nenhum. Além do mais não é essa justamente a situação das aeronaves A4 da MB? Os AMX podem servir de solução paliativa afim de se manter viva a força aeronaval brasileira.

Tutu

“Art 1º A Marinha disporá de aviões e helicópteros destinados ao guarnecimento dos navios de superfície e de helicópteros de emprego geral, todos orgânicos e por ela operados, necessários ao cumprimento de sua destinação constitucional.”

A marinha não pode operar aeronaves puramente terrestres, elas têm que ser vocacionadas para o uso aero-naval.

IBIZ

Não sabia disso. Mas então pq a MB tinha mostrado interesse na aquisição de F/A-18 a algum tempo se não tem nem previsão de voltar a operar um PA?

Mayuan

O ideal mesmo seria a MB ter navios primeiro…

rommelqe

Caro Taliguiese: acho que a melhor opção é mesmo o Gripen. Se baseados em terra (como hoje são os poucos AF1 remanescentes de um lote já originalmente pequeno), graças à sua autonomia e poder de fogo (inclusive equipados com RBS15 já comprados…) um elemento composto por dois Gripens faz mais estrago do que uma Fragata. Outra faceta, abordada pelo Tutu, é que a MB mantem os AF1 porque eram originalmente para operar em NAs. Acredito (imagino…) que não podem legalmente comprar hoje; olhando por este lado a gente entende porque os P3 , os bandeirulhas, etc não são da MB… Read more »

IBIZ

Esse é o míssil anti-navio usado pela força aérea sueca em seus Gripens. É a opção mais pragmática e menos custosa para a FAB adquirir dessa categoria de armamento.

Tallguiese

Mas heim? Os alemão não tinha aquele míssil anti navio qual é mesmo? Há o kormoram acho que era da MBDA da época? Serve mais não?

Luiz Floriano Alves

O Saab Gripen tem na sua base conceitual, a integração dese missil. Não colocar esse recurso nos nossos Gripen, para priorizar um vetou ultrapassado, e em fase de desenvolvimento é inaceitável. Teriamos que ter razões muito fortes para justificar essa decisão. Nunca é demais lembrar que tecnologias ultrapassadas não decidem combates.

Renan

O Gripen brasileiro tem que ter ao menos 100 mísseis anti navio RBS 15 isso nos daria uma enorme arma estratégica nós tornando um país respeitado no mar pois acredito que sabendo da posse destes mísseis ninguém se aproxima a 500km de nossas costa Marinha.
A não ser potências mundiais (Eua, Inglaterra, França, China, Alemanha, índia, Rússia) que tem tecnologia para nós colocar de joelhos em poucos dias de combate, ou mesmo poucas horas.

Mateus Lobo

Se eu não achasse tão vital fortalecermos a indústria nacional por meio do MANSUP sem dúvidas advocaria pela escolha do RBS-15, torcendo pela SIATT dar prosseguimento ao desenvolvimento de uma versão utilizando motor a reação, pelo menos o nível do MK3 é atingível à médio prazo.

Antonio Palhares

Fragatas lindas e robustas. Com caras de potentes navios de guerra, usando míssil anti navio de primeira.

MestreD'Avis

Na imagem não são fragatas. São corvetas K130 e especializadas em operações litorais. Pelo tamanho não possuem equipamento anti submarino. Não lhes chamaria potentes. Uteis e perigosas sim, mas sem um helicoptero ou outro meio a indicar o alvo, nem sequer podem usar o RBS15 nas suas plenas capacidades

rui mendes

Elas têm capacidade para embarcar helis.

Luiz Floriano Alves

Esse RBS 15 é o melhor missai Anti Navio bo Ocidente. Para a Alemanha adota=lo já é um certificado excepcional. O Gripen ao ser projetado para integrar essa arma se torna um vetor naval impressionante.

- Publicidade -

Reportagens especiais

Aviação naval: a visão da Marinha

Em 1997, o SRPM (Serviço de Relações Públicas da Marinha, atual CCSM - Centro de Comunicação Social da Marinha),...
- Advertisement -