sábado, fevereiro 27, 2021

Saab Naval

Marinha Grega assina contrato de torpedo pesado com a Atlas Elektronik

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Torpedo SeaHake

Após um longo processo de aquisição, a Marinha Helênica (Πολεμικό Ναυτικό) assinou um importante acordo com a empresa alemã Atlas Elektronik para torpedos pesados. O acordo cobre a aquisição de novos torpedos SeaHake mod 4, a atualização dos torpedos existentes e a entrega de baterias sobressalentes para torpedos.

A informação foi divulgada pela primeira vez pela mídia de defesa local Ptisidiastima. O negócio, avaliado em 105 milhões de euros, inclui a aquisição de 36 novos torpedos pesados ​​DM2A4 Seehecht (também conhecido como SeaHake Mod 4), remodelação e atualização de torpedos SUT Mod0 existentes para a variante SUT Mod4 e entrega de um “grande número” de baterias de torpedo.

Como relatado anteriormente, a Marinha Helênica tinha a necessidade de equipar sua frota de quatro submarinos da classe Papanikolis Type 214 e o único Type 209/1500 com novos torpedos.

A necessidade era de 36 torpedos pesados ​​de 21 polegadas (533 mm) para substituir os antigos SUT Mod0 e SST-4. Os concorrentes da empresa alemã provavelmente incluíam o Naval Group da França e a Leonardo da Itália.

Submarino Papanikolis da Marinha Grega

FONTE: Naval News

- Advertisement -

19 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alexandre

Eu acho que o Brasil deveria ter uma Guarda Costeira assim como os outros países possuem, e focar a Marinha só na parte das embarcações de guerra (Corvetas, Fragatas, Submarinos, Porta-Helicópteros)

Jorge Knoll

Como também adquirir esse torpedo pesado.

Alexandre

Nem precisa, a Avibras tem tecnologia de sobra para desenvolver um torpedo pesado desse porte.

Alexandre

Me equivoquei aqui, n é a Avibras n rsrs, a Avibras é de equipamentos aeroespacial.

Mas voltando ao assunto, nós temos tecnologia suficiente para desenvolver torpedos pesados neste porte aí que a Grécia fará a aquisição.

Alexandre

Caramba!!!!

É, se infelizmente não temos, então temos que usar o que possuímos em termos de torpedos, para que possamos evoluir com o passar do tempo.

O lance também seria o Brasil possuir uma Guarda Costeira, e focar a Marinha só na parte das embarcações de guerra (Corvetas, Fragatas, Submarinos, Porta-Helicópteros)

Last edited 3 meses atrás by Alexandre
Alisson Mariano

O programa de desenvolvimento do torpedo pesado nacional foi mesmo abandonado pela Marinha? Lembro que a antiga Mectron e Atlas Elektronik estavam envolvidas no projeto.

A escolha do torpedo francês para equipar os submarinos classe Riachuelo (natural em razão da parceria no PROSUB) teria desestimulado os alemães?

Carlos Campos

Eu achava que era só fazer um treco hidrodinâmico e com guiagem com cabos, e mini sonar na ponta, que aguentassem alta pressão. um bom metal já seria suficiente.

nonato

De certo modo, não deixa de ser.
Teoricamente, tanto faz um torpedo de curto alcance e um de longo alcance.
Pelo menos na parte física.
Logicamente precisa ser maior, ter baterias maiores, aperfeiçoar os sensores e sistema de guiagem.
E se for com fio/fibra ótica, conseguir colocar 30, 50, 80 km desses cabos…

kemen

Me parece que hoje não se produzem torpedos pesados convencionais (sem cavitação) sem a possibilidade de uso de friba óptica ou fios metalicos o MK-48 me parece uma exceção. A fibra óptica nos torpedos tem limites de distância para seu uso e se usar fios metalicos também, são utilizados para guia-lo até uma distância máxima a partir da qual o sonar interno é bem mais importante.

Last edited 3 meses atrás by kemen
nonato

Isso é um exagero.
Foi em 1979.
A dificuldade dos chineses diz mais respeito à capacidade deles do que a dificuldade do torpedo.
Na matéria citada elesreceberam torpedos italianos e se complicaram até na conversão dos sistemas de medidas utilizados.

Kemen

O acôrdo entre a Mectron e a Atlas para desenvolver o nosso torpedo terminou quando a Odrebecht a absorveu e depois a Elbit absorveu a parte de defesa da Odebrecht.

Last edited 3 meses atrás by Kemen
Helio Silva

Galante, boa tarde!
Lembro que a Atlas estava em tratativas com a mectron pra desenvolver nosso TPN. Depois dos problemas da mectron, achei que a SIATT fosse assumir o projeto, mais nunca mais vi algo a respeito. O amigo sabe alguma informação de como anda tal projeto?
Se tá em hibernação ou foi cancelado em definitivo…

Wellingtonsoares2020

Falando sobre torpedos, quais são os torpedos que temos disponíveis para nossos submarinos da classe TUPI e TIKUNA ?
Alguém sabe as quantidades ?

Kemen

Se não me engano além dos MK-48, alguns F-21 já foram entregues em janeiro e estão aguardando os próximos Scòrpene..

Alisson Mariano

Bem lembrado. Mas, não são para uso nos submarinos classe Tikuna e classe Tupi.

Abraços.

Alex Barreto Cypriano

Meio offtopic: e as 4 MultiMissionSurfaceCombatant (em ForeignMilitarySales, só 10% a mais pelo serviço) pra MarinhaGrega por € 2 bi (com ou sem FOS, vai Zeus saber…))?
Dizem que vão construir mais três localmente. Déjà vu?
Ah, Wisconsin, Wisconsin… Um dia, o (grande) lago seca, jacaré…

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

Quando o P-3AM Orion da FAB enfrentou um submarino nuclear

Imagine buscar um inimigo invisível em uma área de 2 mil quilômetros quadrados, equivalente a mais de 242 mil...
- Advertisement -
- Advertisement -