sábado, fevereiro 27, 2021

Saab Naval

FREMM Bretagne lança míssil de cruzeiro MdCN com sucesso

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Na terça-feira, 10 de novembro de 2020, a fragata multimissão FREMM Bretagne disparou com sucesso um míssil de cruzeiro naval (MdCN) contra um alvo terrestre, localizado em Landes (Biscarosse) da divisão de teste de mísseis da DGA. Este disparo marca o culminar de um treinamento intensivo para a tripulação.

O tenente Nicolas, oficial de quarto de operações no momento do disparo, disse em particular que se sentia “orgulhoso por ter participado neste teste, que é o resultado de um notável trabalho de preparação por parte das equipes centrais de operações. Todos os operadores demonstraram profissionalismo em cada etapa. O teste confirma mais uma vez o alto nível de desempenho da FREMM na ação contra alvos terrestres.”

O suboficial David, chefe da divisão de mísseis do navio, discute a preparação para o disparo dentro do departamento de artilharia: “Este disparo é o resultado de um trabalho intenso realizado em estreita colaboração entre a Marinha, a DGA e a indústria, em particular a MBDA. Tendo chegado neste verão na FREMM Bretagne, aprendi muito sobre o sistema MdCN que é muito sofisticado. Este lançamento é o ponto alto da minha missão até agora, estou muito feliz com o resultado.”

O contramestre de segunda classe Corentin, operador de armas, finalmente afirma que a realização de um disparo do MdCN o marcará de forma duradoura porque o trabalho do serviço de artilharia leva todo o seu significado ali.

Operando em fragatas FREMM desde 2017, o míssil MdCN permite que a Marinha Francesa dê suporte em terra com uma capacidade de ataque profundo. Também foi recentemente qualificado em um submarino, com o sucesso do primeiro disparo do MdCN realizado a partir do submarino Suffren em 20 de outubro.

Este disparo realizado pela FREMM Bretagne ilustra, se necessário, as capacidades excepcionais da FREMM em operações navais. A Bretagne já havia se destacado em maio de 2019 ao realizar com sucesso um disparo do míssil Aster 15 contra um alvo supersônico e ao ganhar o “Prêmio Hook’em” da Marinha dos EUA ao lado da FREMM Auvergne, do Centro de Operações Marítimas no Mediterrâneo e da sede do grupo de ataque de porta-aviões.

Míssil de cruzeiro naval lançado do submarino nuclear de ataque Suffren em outubro também atingiu o alvo

FONTE: Marinha Francesa

- Advertisement -

16 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
16 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
filipe

A França esta de parabéns , essa sua autonomia em Armamentos é um grande motivo de orgulho para eles, demoram a desenvolver os seus vectores , mas com diferença de 10 a 15 anos conseguem ter vectores análogos aos EUA e ao UK, o Brasil deveria aproveitar melhor a relação privilegiada com a França no campo militar.

Jefferson

O Brasil devia para de pagar 370 mil por mês para militar adido (fora do Brasil), cortar aposentadoria integral, fechar várias organizações meio para investir na atividade fim da instituição.

Tutu

Você pelo menos já se perguntou qual é a função desses adidos?

Allan Lemos

Discordo. A França já se mostrou ser um potencial futuro inimigo do Brasil. Depender excessivamente desse país nos colocaria em uma situação de vulnerabilidade. Não sou a favor de dar mais nenhum grande contrato militar aos franceses.

Raduga

Discordo. Temos pólvora suficiente para americanos e franceses.

Zezão.

Discordo. Sua interpretação de texto é ruim. Disposição para usar a pólvora quem tem que ter são aqueles que ameaçam nosso país gigantesco e cheio de recursos materiais e pessoais . Quem vai encarar??

Last edited 3 meses atrás by Zezão.
Heli

sugiro um coquetel de rispiridona com haldol de manha cedo

filipe

Essa paranoia do Bolso esta levando muitos a locura, Bolso Vs Macron não é a mesma coisa de Brasil Vs França seja já pelo que for, quem não se lembra da copa de 98, do Zidane marcando 2 gols naquela final, não faz sentido nenhum o Brasil alimentar essa ilusão belicista e aventureira contra a França, é pura demagogia, não faz qualquer sentido. O Brasil deveria aproveitar o bom relacionamento e incrementar a cooperação internacional com a França, Prosub + HX-BR + SGCD , Talvez é o maior parceiro na Área Militar a par da Alemanha e do Reino Unido,… Read more »

Allan Lemos

Vocês acham que tudo se resume ao Bonoro, parece que estão obcecados. Esqueçam o Presidente, logo ele vai sair. Mas a paranoia ambiental permanecerá e por causa disso a França, assim como outros países europeus podem sim se tornar inimigos em potencial. Nos anos 90, Al Gore já questionava a soberania brasileira sobre a Amazônia, ou seja, muito antes do Bonoro sonhar em ser presidente, e esse tipo de questionamento passará a ser frequente, independente de quem esteja no poder. Só quem é míope não consegue enxergar isso e acha que o problema será resolvido quando tivermos um novo presidente.

Jean Jardino

Va se tratar doente, toma cloroquina e ozonio pelo rabo……..

Marcelo

o Reino Unido nao possui um missil de cruzeiro nacional lancado de submarinos ou navios. Eles usam o Tomahawk, americano. Alias, nem mesmo misseis balisticos intercontinentais lancados de SSBNs. Nesse caso, usam os Tridents tambem americanos, com ogivas nucleares britanicas.

Last edited 3 meses atrás by Marcelo
Mercenário

Marcelo,

Só que o MdCN (ou SCALP naval) é um míssil desenvolvido a partir do SCALP/Storm Shadow, que, por acaso, é um desenvolvimento franco-britânico.

Ademais, os britânicos já utilizam – pela relação que possuem com os americanos – os mísseis Tomahawk há muitos anos. A França está correta em desejar obter a independência militar – que é uma política instituída desde De Gaulle – mas o Reino Unido não está errado em fazer uso de armamentos desenvolvidos pelos americanos (até porque atuou em conjunto na maioria dos últimos conflitos como o principal aliado, despendendo muitos recursos).

Paulo Sollo

Que relação privilegiada? Nunca houve isto.
A França nos vende caríssimo tudo o que compramos deles, inclusive ToT de matriz para filial entre Airbus e Helibrás e os scorpene, e despreza nossos produtos, como o C-390.

Jean Jardino

Eles nao compram porcaria…

Jose Dias

Efetivamente necessitamos proteger com melhores capacidades este maravilhoso país ! Somos o osso no meio de um bando de cachorros grandes! Acreditam que as 4 corvetinhas transformadas como em uma passe de magica em fragatas é suficiente para nos proteger …. que 36 gripens que serão entregues a conta gotas até 2028 e 2000 guarani com aquela torre monstro é suficiente para assustar a criançada, resolvem , é uma tremenda infantilidade e quando acontecer ficaremos com cara de paisagem ! Precisamos de homens corajosos e com visão para mudar esta situação e protegerem o condominio com equipamento de qualidade e… Read more »

Joli Le Chat

Uma dúvida: o míssil tem combustível para funcionar por quanto tempo? Na primeira foto, vemos que o motor está com potência. Nas fotos de perto do alvo, parece que o motor está desligado.

- Advertisement -

Guerra Antissubmarino

O afundamento da fragata INS Khukri pelo submarino PNS Hangor na Guerra Indo-Paquistanesa de 1971

Conheça a história do primeiro afundamento de navio de guerra por um submarino após a Segunda Guerra Mundial A fragata...
- Advertisement -
- Advertisement -