Home Aviação Naval Concluído o exercício Malabar 2020 no Mar Arábico

Concluído o exercício Malabar 2020 no Mar Arábico

3438
49

Terminou hoje o exercício naval multilateral Malabar 2020 entre Índia, EUA, Japão e Austrália no Mar da Arábia e no Oceano Índico.

Caças MiG-29K da Marinha Indiana e F/A-18E/F da Marinha dos Estados Unidos realizaram ataques simulados à força de superfície durante o exercício naval multilateral no Mar da Arábia e no Oceano Índico na sexta-feira.

O exercício experimentou um ritmo elevado de operações de caça a partir do convés de dois porta-aviões, INS Vikramaditya e USS Nimitz.

“Os MiG 29K da IN e os F-18 da USN voaram junto com as aeronaves de patrulha marítima P-8I da IN e as aeronaves AEW E-2C Hawkeye em perfeita coordenação”, disse a Marinha Indiana em suas contas de mídia social.

A segunda estapa do exercício naval Malabar começou na terça-feira, 17 de novembro, no norte do Mar Arábico.

Subscribe
Notify of
guest
49 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Pedro
Pedro
1 mês atrás

Os Kiev foram um projeto mais bem feito do que o proprio Kuznetov! Problema deles foi dar enfase nos sistemas de armas e nao no grupo embarcado, e logicamente, seus jatos Yak.

Matheus S
Matheus S
Reply to  Pedro
1 mês atrás

Eu diria que ambos os projetos não foram bem sucedidos, o que é diferente de um fracasso total. Os da classe Kiev foram uma ambiciosa ideia de dar um poder à Rússia, de enfrentar uma força tarefa americana capitaneada por um porta-aviões e, ao mesmo tempo, caçar submarinos que representam um perigo aos soviéticos – provavelmente parte da estratégia de “Bastião”, o que acarretaria em uma defesa aos SSBNs soviéticos. O problema é que essa dual função fez com que a capacidade de ambas as funções fossem severamente reduzidas. Ao contrário dos porta-aviões americanos ou britânicos, a classe Kiev é uma combinação de… Read more »

Teropode
Reply to  Pedro
1 mês atrás

Mas ele nasceu com o objetivo de ser um cruzador , por isso deram prioridade as armas , aliás mesmo porque eles não possuíam caças capazes de operar embarcado , tiveram que roubar um projeto Alemão , que aliás seria jogado na lixeira de qualquer forma mesmo 🤪. Quanto ao Kiev , um belo navio , minha maquete já tem 30 anos .

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Belas imagens.

Teropode
1 mês atrás

Belas fotos , pessoal agora percebo o que está causando as críticas muitas vezes racistas contra os Indianos , sim , é a aproximação destes com o Ocidente , lamentável esta postura preconceituosa de certos comentaristas .

Fernando
Reply to  Teropode
1 mês atrás

Talvez critiquem os indianos por inveja.
Veja a Marinha Indiana e a MB. Os indianos já mandaram sondas para Marte e nós somos incapazes de fazer uma V-2.

Muita gente fica batendo peito “Brasil, potência” “somos sinistros, ninguém mexe com a gente” “Quando acabar a saliva tem a pólvora” e menosprezamos os indianos considerando um país e um povo inferior. Só que enquanto nós ficamos criticando os indianos, eles trabalham.

Alang
Alang
Reply to  Fernando
1 mês atrás

Os ”RICS” trabalham, a gente reclama nas redes sociais.

leonidas
leonidas
Reply to  Fernando
1 mês atrás

Isso ai é o que a garotada chama de recalque né? Os indianos compram caças em quantidades enormes em um punhado de anos enquanto nos levamos quase um quarto de século para só agora receber o primeiro de míseros 39 gripens. Façam as contas de quantos caças os Indianos perderam e compraram nesses últimos 25 anos… kkkk Uns falam outros fazem, os indianos com todos os problemas de castas e loucura logística tem capacidade real de defender sua soberania. Aqui só tem especialistas que gostam de relativizar a criminosa situação militar brasileira que tem sim parte desta culpa em cima… Read more »

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás
Koprowski
Koprowski
1 mês atrás

Lamentável não termos uma Marinha num patamar mais adequado, participando de um exercício destes, com o NAe A-12 São Paulo, modernizado adequadamente no seu tempo (2015 à 2019), operando aeronaves AF-1B Skyhawk modernizadas, com MAA de médio alcance, MAS Harpoon, p. ex., além dos KC-2 Trader. Em termos de asas rotativas estamos bem, para este tipo de exercício.

Dalton
Dalton
Reply to  Koprowski
1 mês atrás

Mesmo que tivesse sido possível modernizar o “São Paulo” e um número adequado de aeronaves a participação em um exercício como esse dependeria de um NAe da US Navy passar por aqui completamente certificado, porém, isso não acontece pois os que passam pelo Brasil estão em transito a caminho do Pacífico ou do Atlântico e precisam contornar à América do Sul. . Em 2004 o USS Ronald Reagan passou pelo Brasil a caminho de sua nova base em San Diego e aproveitou-se a ocasião para alguma interatividade com o “São Paulo”, mas, o NAe da US Navy era novo, não… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Koprowski
1 mês atrás

O São Paulo para mim era idiotice, quem era o AEW&C do São Paulo? Desconheço. Em caso de guerra sem um AEW&C iria levar fumo.

Last edited 1 mês atrás by Defensor da liberdade
leonidas
leonidas
Reply to  Koprowski
1 mês atrás

Se tivéssemos governo de verdade o Brasil teria assumido parceria para desenvolver um gripen naval e já teríamos um porta aviões em construção enquanto a gente se virava com o Nae Sao Paulo gastando o que fosse necessário.
Mas aqui a prioridade é fundo eleitoral, desvio de verbas enfim tudo menos investir em ciência, tecnologia e na soberania nacional…

Dalton
Dalton
1 mês atrás

A Índia teve pesadelos durante anos com a reconstrução do “Almirante Gorshkov”. . Em 2004 a Índia concordou em pagar a Rússia quase 1 bilhão de dólares para a reconstrução do navio que ficaria pronto em 2008, só que, depois de 4 anos, apenas 50% do trabalho estava completo e a Rússia exigia mais de 2 bilhões extras. . No fim de 2008 surgiu o boato que a Índia estaria interessa em adquirir o USS Kitty Hawk que estava sendo preparado para o descomissionamento, mas, isso não tinha muito fundamento, por várias razões, a principal que o “Kitty Hawk” não… Read more »

Matheus S
Matheus S
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Curiosamente, o almirante Gorshkov é também considerado o “pai” da marinha da Índia.

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Chatrapati Shivaji is the father of the Indian Navy.

Admiral Gorshkov has never ever been considered as father of Indian Navy.

Admiral Gorshkov was a good friend of India and is held in high regards.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Matheus S
Matheus S
Reply to  Nostra
1 mês atrás

I don’t think you understanding me. I put father in quotes mark just because it is not him, but Gorshkov is certainly the father of the modern Indian navy. Who said that was a Shishir Upadhyaya, a former Indian naval intelligence officer and he is a contributor to Jane’s.

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Sometimes google translate gives wrong meaning . My apologies .

That’s a personal opinion by an individual ( Upadhyaya ) and should be treated as such.

Anyways in Indian Navy the Western and Eastern influence is kind of balanced but more predominantly tilted towards the West.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Matheus S
Matheus S
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Interesting.

I always thought that the influence of the east was more predominantly than the west.

Seizing the occasion. Could you tell me if there is really a crisis in the Indian Navy budget? And that of 4 LPDs, only two units were confirmed, precisely because of the restrictive budget.

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

You are not at fault for thinking so, unfortunately many wrong fallacies have been spread mostly by some Indians themselves for their own interests whatever that might be. It might interest you to know IN used ( still does more or less ) to post naval assets with majority Western content under the Western command ( Mumbai ) and naval assets with majority Eastern content under Eastern command ( Vishakapatnam ). So assets bought from Soviets / Russia like nuclear submarines , destroyers etc would have their home bases assigned to Eastern command. This allowed to simplify logistics and maintenance… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

The current Malabar { *phase 2 } exercise was conducted in the Arabian sea.

*got omitted while writing.

Also this year’s Malabar exercise was a exception , exercises was held both under Eastern and Western command.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Matheus S
Matheus S
Reply to  Nostra
1 mês atrás

I get it. I believe that this division between the West and the East in technological terms is not an ideal situation for a military force. You said earlier that the Indian Navy is a balanced force, but it could be a much larger naval force if there were a greater degree of compatible systems between the same military force. If the organizational structure of the Indians really is that way, it means that at least in the Indian navy, it is a military force fragmented into two navies, a western and an eastern navy, although they coexist, they do… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Well I guess I was not able to explain properly . During the cold war days , it was a necessity – the seperation of assets. One could argue from the Indian Navy perspective that the division was superficial because when situation demanded assets were relocated as and where desired. Interoperability was also built in progressively so that the said assets could operate together. There was no impact in the operational perspective. Administrative and organisational structures were same , doctrines and tactics were same. Both were under the same HQ. After cold war Indian Navy became more Indian , more… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Just to make it clear let me give a example . Let’s say I own 5 US ships and 5 Russian ships. When these ships return from deployment at sea , these ships will need repairs , weapons resupply , testing , change of equipments , spares , change of consumables like oils , lubricants etc. Now Russian ships will have own above requirements and US ships their own. It will be a nightmare to service them both at the same port(s). Very expensive to have facilities for the same at all my ports. If I home berth the Russian… Read more »

Matheus S
Matheus S
Reply to  Nostra
1 mês atrás

The things are gradually clearing up, as it is difficult to have news from India in a certain degree of detail, what we know are superficial things. Thank you in advance for answering my questions. Let’s continue. On the question of doctrine, organizational structure and interoperability, I have a question. You say that both fleets, both western and eastern, were under the same HQ, and both were trying to integrate as much as possible, thus seeking interoperability, the question is whether this really happened or encountered several problems over time. You said there was no impact on the operational perspective, but before… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Problems are a part of day to day operations , it should not surprise . Even with own equipments there will arise problems , point is to solve the problems. What I said previously is spread over decades . It has been a continuous experience of last 50 years or so. As I said it’s best not to take things literally , western command has greater interoperability with Western foreign ships it meant the Western command is in a better position to serve and cater to the same. Eg the facilities are better suited to NATO standards , consumables ,… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

As for shipbuilding , Only those countries which have robust civilian shipbuilding industry will have the capability to churn out naval ships in the desired numbers , in the desired timeframe and within the desired costs. China produces largest no of civilian ships by tonnage followed by Japan and South Korea. Hence both these countries have the benifit of scale of production which allows for reduced costs , ready availablity of ship building resources and a well oiled shipbuilding infrastructure to churn out naval ships at a rapid rate. Indian shipbuilding industry order book for civilian ships is much behind… Read more »

Matheus S
Matheus S
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Even if a country has a naval base for its respective system, the fleet as a whole has a huge problem, logistics. Let’s use the example you gave from Russia and the USA. India with a naval base for each system cannot take full advantage of the fleet’s logistical situation, because if the port serving Russian vessels is paralyzed or no longer available at that time, these vessels will not be able to be served at the naval base serving US. And the problem is not only that, it also becomes in orders to the industry. We will have an… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Your point is not tenable , can’t take things literally . There are redundancies in place to take care of any emergencies . Every navy has it. I gave the example of 2 ports for simplicity , now if I say there are 4 ports , 1 extra port for each primary port to serve as alternative port incase of emergencies . You cannot than expand and say what if 2 ports go out of action simultaneously just for the sake of argument. IN has roughly 20 bases each for Western naval command , Eastern naval command , Southern naval… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Dalton
Dalton
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Além da aula proporcionada pelo Nostra, não se pode esquecer que após a independência os britânicos não se retiraram imediatamente e sim gradualmente a medida que mais oficiais indianos tornavam-se mais capacitados e um grande número de navios britânicos foi adquirido entre eles o NAe “Hercules” que tornou-se o “Vikrant” dando a marinha indiana grande experiência nesse campo. . O cruzador “Achilles” famoso pela luta contra o “Graf Spee” foi um dos dois cruzadores adquiridos pela Índia, o outro sendo o “Nigeria” e foi justamente o fato dele ter sido adquirido pela Índia o motivo que me fez comprar o… Read more »

Pablo Maroka
Pablo Maroka
1 mês atrás

Fandartico!
India tem uma posição privilegiada hoje, tira proveito do comercio de fronteira da China, que faz contra posição. Tem uma cooperação militar historica com a Russia e além de se tornar um parceiro importante dos EUA atualmente.
No final das contas tira proveito de todos os lados para se desenvolver.

Nostra
Nostra
Reply to  Pablo Maroka
1 mês atrás

What about the other side of the advantage – disadvantage ?

The fact that India has to tackle equal pressure from both the West ( USA etc ) and the East ( Russia etc ). Between this and fighting for own interests it is a very tedious and complicated job.

To understand Indian foreign one can read Chanakya’s rajamandala theory ( mandala theory of foreign policy ) in the treatise Arthashastra ( 3rd century BCE ) or read about the doctrine of rajamandala in H Kessinger’s book world order.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
nonato
nonato
Reply to  Nostra
1 mês atrás

China is an enemy.
The US is a friend that can help against China, the real enemy of the world!

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

Como é o sistema indiano de vigilância oceânica? Nem Kiev nem Kuznetsov tiraram o sono da USNavy. Os Tupolev com mísseis anti navio associados ao sistema soviético de vigilância oceânica, esses, sim deram dor de cabeça e foram mesmo os responsáveis pela configuração da ala aérea dos Nimitz…

Matheus S
Matheus S
Reply to  Alex Barreto Cypriano
1 mês atrás

Como é o sistema indiano de vigilância oceânica?

Me lembro de uma resposta que o nosso amigo indiano Nostra nos forneceu:

https://www.naval.com.br/blog/2020/10/05/imagens-carrier-strike-group-do-reino-unido/#comment-311365

Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Reply to  Matheus S
1 mês atrás

Grato, Matheus.

Alang
Alang
1 mês atrás

QUE INVEJA!!! 😢
Não poderíamos ter uma força naval representando o nosso país em exercícios internacionais, um PA, um cruzador (o ex USS America e dois destróieres Spurance ”promovidos” a cruzadores), duas fragatas Tamandaré, um submarino Riachuelo e um navio de abastecimento tipo o HMS Wave. Pronto, faríamos bonito.
Mas preferem pagar milhares de oficiais pra não fazer nada, ficar na mordomia, preferem eleger corruptos, lunáticos e incompetentes nas urnas que roubam e investem mal o nosso dinheiro? Isso é Brasil. 😢

Dalton
Dalton
Reply to  Alang
1 mês atrás

Independente de outros motivos, o ex USS America jamais poderia ter sido adquirido pela marinha brasileira mesmo ele sendo relativamente novo quando foi descomissionado aos 30 anos de idade em 1996. . Você parte do princípio que o “America” comissionado em 1966 ainda estaria ativo quando “Tamandarés” estivessem já em serviço, portanto depois de 2026 quando o “America” teria portanto mais de 60 anos, isso, sem ter passado por uma modernização que só poderia ter sido feita em Newport News nos EUA. . Diferentemente de outros NAes, como o “Independence” que supostamente teria sido sondado pela marinha brasileira o “America”… Read more »

Alang
Alang
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Ou seja, o Brasil tá ferrado de qualquer jeito.

Dalton
Dalton
Reply to  Alang
1 mês atrás

Até hoje Alang apenas os EUA operaram com os chamados “Super Carriers” navios enormes com 4 catapultas e mesmo o “America” não sendo de propulsão nuclear ainda assim podia levar em seu bojo mais de 2000 toneladas de munição para aeronaves. . E mesmo que o Brasil tivesse adquirido alguns dos “Spruance” mais novos eles estariam com praticamente a mesma idade das últimas Niteróis e teriam sido caros de manter por conta de suas 4 turbinas e grandes tripulações. . A realidade brasileira é outra , ainda há muito o que se fazer antes de se investir significativamente em forças… Read more »

Alang
Alang
Reply to  Dalton
1 mês atrás

Se combater a corrupção endêmica que temos, o excesso de oficiais que não fazem nada e lançar uma doutrina militar sem ufanismo ou patriotismo barato como esse governo quer nos impor o Brasil irá crescer. Discordo que o Brasil tenha a melhor marinha do continente, a marinha chilena tem mais navios de guerra e mais preparados que a gente, se houvesse um combate com eles a nossa marinha seria aniquilada. O inimigo do Brasil está aqui dentro, o próprio povo que insiste em eleger populistas, não se interessa pelo coletivo, só com o próprio umbigo e só quer saber de… Read more »

Dalton
Dalton
Reply to  Alang
1 mês atrás

O Chile tem como vizinho o Peru, um país que tem quase o dobro da população chilena e um passado de guerra e rivalidade e é isso tem que ser levado em conta e não uma comparação com a marinha brasileira, que tem por outro lado uma força de fuzileiros navais muito maior. . Se o Brasil tivesse um vizinho com 300 milhões de habitantes e alguma rivalidade ou suspeição certamente as forças armadas brasileiras seriam diferentes, então, o grau de percepção de ameaça é fundamental para se ter forças armadas melhores. . A marinha chilena historicamente tem mantido 8… Read more »

Esteves The Block Man
Esteves The Block Man
1 mês atrás

Obrigado Matheus e Nostra pela leitura.

Nostra
Nostra
1 mês atrás

Old satellite pic of DRDO project 20 ship
comment image

This ship is part of upcoming open sea test range inorder to test and validate , longer range ICBMs , SLBMs with larger no of MIRVs and importantly to test upcoming next generation ABM interceptor family which can engage ICBM class targets.

Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

The 4 rectangular hatches ( brown colour ) on the rear is for the under deck ship launch system ( SLS ). It is the launcher for very long range interceptors / air defence missiles.
comment image

The ship will travel somewhere close to Antarctica and use the onboard dual panel long range multifunction radar ( LR-MFR ) to detect, track ICBMs fired from Indian mainland and then use the onboard SLS to fire interceptors to engage and destroy the same under ABM testing program.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Nostra
Nostra
1 mês atrás

Old satellite pic of DRDO project VC 11184 ship
comment image

This ship is also part of upcoming open sea test range inorder to test and validate , longer range ICBMs , SLBMs with larger no of MIRVs and importantly to test upcoming next generation ABM interceptor family which can engage ICBM class targets.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Wagner Figueiredo
Wagner Figueiredo
1 mês atrás

Há ai as ” nossas” Halifax..heheheh

Carlos Alberto Soares
1 mês atrás

Duas vezes e meia o poder da China e com dois países com capacidade Nuc.

Mexeu com a Austrália vai mexer com a Grã Bretanha e Canadá, com a Inglaterra com capacidade Nuc, inclusive a partir de Sub’s e por tabela arrastam a França. A China NÃO é tudo isso.

Abner
Abner
1 mês atrás

Qual seriam as armas do USS Nimitz ? Além dos caças a bordo e navios de escolta ?