segunda-feira, março 1, 2021

Saab Naval

Submarino Riachuelo realiza testes em profundidade máxima

Destaques

IMAGENS: Navio-Aeródromo Ligeiro Minas Gerais – A11

Algumas das melhores fotos do NAeL Minas Gerais (A11) com seu grupo aéreo embarcado de aviões P-16 Tracker da...

TOPEX 1-87: USS Nimitz e cruzador nuclear USS California no Brasil, em 1987

Em 1987 eu era tripulante da fragata Niterói - F40 e quando estava em operação no mar, fazia parte...

SIMULAÇÃO: ‘Operação Pólvora’ – FAB e MB enfrentam o USS Nimitz

No início de novembro, o presidente Jair Bolsonaro em discurso com tom bélico ameaçou usar pólvora quando acabar a...
Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Ontem foi mais um dia histórico para a ICN, Marinha e a indústria naval brasileira, a partir da realização dos testes em máxima profundidade do submarino Riachuelo – S40, ocasião extremamente delicada em que a embarcação foi submetida a altíssimas pressões marítimas.

O submarino suportou com excelência todos os testes aplicados, aproximando ainda mais nosso país ao domínio total da complexa tecnologia construtiva desse tipo de embarcação, hoje, restrita a um pequeno grupo de países.

Perfil do submarino Riachuelo S40. Desenho: José da Silva

FONTE: ICN – Itaguaí Construções Navais

- Advertisement -

192 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
192 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Funcionário dos Correios

E qual seria a profundida máxima?

Carvalho2008

Top secret

Esteves

300

Diz a literatura. Tem com o tipo de aço utilizado. Submarinos americanos descem mais.

Funcionario da Comlurb

Na verdade, com excessao dos subs de pesquisa, os que mergulham mais fundo são os SSNs russos com casco de titânio.

Renato

Por isso são muito mais caros e complexos de construir.

Esteves

Submarinos russos são feitos de aço.

Funcionario da Comlurb

Esteves, vai se informar melhor antes de afirmar alguma coisa.

Esteves

Leia antes de postar.

Casco de pressão.

Esteves

Aço.

Funcionario da Comlurb
Esteves

Leia. Entenda. Pesquise mais.

Não é porque está publicado que se torna verdade. A postagem informa casco de pressão. Uma parte do submarino.

Não acredito que 100% do casco de pressão seja feito com titânio.

Funcionario da Comlurb

Você pode acreditar no que voce quiser. Mas é um fato . Queira vc acreditar, ou não. Leia os comentários dos colegas aqui no post sobre este assunto.

Esteves

Você colou um link para sustentar tua afirmação.

Leia a postagem do link que você colou.

Casco de pressão.

Esteves

Titânio…liga de titânio…isso é usado aonde existe pontos de fadiga.

Faz sentido que no casco de pressão seja utilizado titânio.

Mas quando existe estaleiro com 30 mil funcionários produzindo vários submarinos…vários…não acredito no uso integral do titânio.

Custos.

Cristiano de Aquino Campos

A Russia e a maior produtora mundial de titânio se não a única. Tanto é que ma guerra fria os EUA compraram titânio da Russia para usar nos Blackbird. Titânio e caro para nós, para os Russos e barato.

Esteves

Titânio não é barato. Titânio é muito caro.

O que é barato e foi usado nos Blackbird é dióxido de titânio.

Australia, África do Sul, Canadá, tem as maiores reservas. O maior produtor mundial é a China.

Não li ainda que russos vendem titânio para a indústria bélica norte-americana.

Alang

Fonte: TioTiozão do Whatsapp.

Jorge Knoll

E- Enquanto vcs, Bruno, Esteves e Funcionario da Comlurb, ficam discutindo o sexo dos anjos, é só ir submarinos russos, é só ir na matéria do naval.com.br https://www.naval.com.br/blog/2020/12/16/estaleiro-russo-sevmash-de-submarinos-nucleares-agora-tem-30-mil-funcionarios/, e comparar as fotos soldando com o da construção do Riachuelo, veras que a parece, espessura é bem maior, mais grossa a de construção francesa, diferença, mais de 100%, pró submarino russo, e portanto mais resistente, aguentando mais pressão ao imegir.

Esteves

Soldando aço.

Titânio…soldar titânio requer processos diferentes, onerosos, lentos.

Titânio não se combina com outras ligas.

Titanio…usa-se em peças únicas e se forem combinadas com outras ligas como aço e alumínio podem…podem trincar.

Solda em titânio…usa-se solda tipo arco, mig, tig. Solda com eletrodos pode ser…mas requer ambiente descontaminado de poeira e…eletrodos não são conhecidos por produzirem solda limpa.

Ciclisticamente falando…a SRAM produz componentes em titânio submetidos a intensa fadiga como câmbios.

Esteves teve uma bici com grupo full SRAM. Coisa linda.

Titânio é mais leve e mais resistente que o aço. Grossura é outra coisa.

Palpiteiro

Experimente cortar ou furar titânio….. Só quem já trabalhou com titânio sabe das dificuldades de manufatura envolvidas. Custa caro a materia prima, a infraestrutura, as ferramentas, demora mais….Fazer retrabalho então é o fim da picada. Estas dificuldades todas são traduzidas em custos

Tutu

Desde o fim da URSS eles não fazem mais subs de titânio.

Esteves

Pode ter havido partes. Casco completo penso que não.

Aço.

Funcionario da Comlurb

Sim, mas já fizeram cono vc mesmo disse e alguns poucos ainda operam. Por isso fiz o comentário

Dalton

Verdade. Ainda há no inventário dois Sierra I e dois Sierra II, porém, a modernização dos primeiros foi interrompida por conta de dificuldades técnicas e financeiras e aparentemente não será retomada.
.
Sendo assim, os dois Sierra II, deverão permanecer em serviço por uns poucos anos mais.

Paulo Costa

Houve um dos Sierra 1 que colodiu com o USN Baton Rouge,colisões devem ter varias,mas sabemos pouco…

marcus

Diz a lenda, que esse submarino de titânio só teve 2 exemplares fabricado.

sub urbano

Dentre os submarinos soviéticos de titânio estava os classe Alfa: maravilhas da engenharia naval, o nível de automação do projeto chegou a prever apenas 16 tripulantes isso em 1957! Deixaram os projetistas trabalhar a toque de caixa, o resultado foi esse monstrinho. Porém era caríssimo, um relógio suíço. Devido as propriedades antimagnéticas do titânio os submarinos produzidos com esse metal são mais dificeis de detectar. Por ser mais leve que o aço atingem recordes de velocidade, o classe Alfa navegava submerso a 80 km/h. Hoje a Russia opera a classe Sierra de titânio.

Jota Ká

“Por ser mais leve que o aço atingem recordes de velocidade, o classe…”
Caraca, kichute!😱

sj1

Entre 400 e 500

Kemen

Submersão máxima + – 350 metros sem considerar a margem de segurança que poderia permitir um pouco mais.
Entretanto existe a profundidade de teste, que eu acho seja 300 metros para os Scòrpene.

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Cristiano de Aquino Campos

Americanos e Russos.

Funcionario da Comlurb

Essa informacao nunca é divulgada oficialmente, mas ja li em foruns internacionais que seja alguma coisa entre 350 e 400 metros, aproximadamente.

Fabio Araujo

A maioria dos submarinos ocidentais operam por volta destas profundidades, inclusive os americanos, os submarinos nucleares russos segundo informações extra oficiais operam por volta dos 600 metros!

Esteves

Americanos não. Descem mais.

jairo

Em que pese a profundidade estar entre os parâmetros de performance que jamais seriam divulgados a esmo em qualquer classe, imagino que exceto pela curiosidade, ao menos de minha parte enquanto leigo, nao é tão determinante. Do contrário aquele sub que achou o desenho da Rose feito pelo Jack (que morreu por nao subir na porta king size) seria o rei dos mares.
Me lembro de ter esbarrado numa informação que a utilização de titânio nos Sierras além da resistência se devia a baixa assinatura magnética do metal.
Alguém teria alguma informação sobre isso?

João Adaime

Só 250 metros?

Eduardo

Pra que mais?

Kemen

Esse submarino classe Virginia que nos visitou na ilha da madeira, submerge + – 240 metros que é a profundidade de teste dessa classe.

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Kemen

Os usfanboys negativaram por completo desconhecimento.

https://en.wikipedia.org/wiki/USS_Vermont_(SSN-792)

Test depth:greater than 800 ft (244 m)

Matheus S

Não sou “usfanboy”, mas a USN só dirá que ela pode submerger em profundidades superiores a 244 metros por razões óbvias.   Podemos apenas especular sobre as verdadeiras capacidades operacionais da classe Virginia. O USS Thresher (lançado em 1960) tinha uma profundidade de teste de 1.300 pés e uma profundidade de esmagamento de 2.000 pés.  De acordo com a análise dos dados acústicos coletados pelos arranjos SOSUS, ela implodiu a uma profundidade estimada em 2.400 pés, 400 pés abaixo de sua profundidade de esmagamento nominal. É provável que a classe Virginia , uma embarcação muito mais moderna, possa operar a 1.300 pés ou mais fundo. No mais,… Read more »

Profundidade Teste US Submarine.JPG
Fighter_BR

Entorno de 400 metros

Wilson França

Em torno de

Fabio Araujo

Mas alguns meses de testes e no meio do ano que vem ele vai estar operacional! A duração de testes dos outros vai ser a mesma ou deste por ter sido o primeiro vai ser maior que os dos outros?

Funcionario da Comlurb

Talvez o teste mais aguardado pela maioria aqui sejam os testes com armamento.

Renan

Eu aguardava este teste, no meu ver o teste em grandes profundidade é o mais importante

sj1

Abril

João Carlos

Apenas 6 paises fabricam submarinos?
Vixe… EUA, Russia, China, França, Alemanha, Reino Unido, Japão, Koreia do Sul, Suecia… só ai são mais de 6 …

Esteves

Esse pessoal da ICN precisa ler o PN.

Esteves

Coréia do Norte, Bolívia, Colômbia, Peru, Venezuela…ops, esses últimos são pitorescos tipo artesanais.

Last edited 2 meses atrás by Esteves
Fabio Araujo

Coria do Norte e Irã fazem submarinos e mini-submarinos de uso militar!

Camargoer

Olá Fábio. São submarinos convencionais.

Fabio Araujo

Sim, convencionais!

Adriano RA

É isso aí. Os americanos apreendem dezenas e dezenas desses submarinos todos os anos. Tecnicamente, a América do Sul é o maior produtor de submarinos do mundo…;-)
Há pouco tempo os espanhóis capturaram um sub desses que cruzou toda a extensão do rio Amazonas e atravessou o Atlântico!

Funcionário dos Correios

No caso dos países sul americanos, você quer dizer os traficantes de drogas né

Agressor's

Isso mesmo. São grandes narco estados que levam a desgraça mundo afora e que tem como mercado principal os EUA . São narco estados fantoches, controlados por grandes “força ocultas” que por trás operam tudo isso.

Camargoer

Olá João. O objetivo do ProSub é o submarino nuclear…. neste caso são EUA, Russia, França Inglaterra, França e China.

Fabio Araujo

Dentro deste contexto sim, e o Brasil e a Coeria do Sul estão planejando entrar no clube!

CVN76

E a Índia.

Camargoer

Olá CVN. A Índia está operando submarinos nucleares mas ainda não construiu o seu.

Dalton

Construiu sim Camargo. Trata-se da classe “Arihant” de “pequenos” SSBNs que terá variantes maiores no futuro.
.
Assim como aconteceu com os franceses, necessidades pediram que um “SSBN” fosse introduzido antes de um “SSN” então por enquanto o único “SSN” puro a serviço da marinha indiana é um “971” russo “alugado” que teve a construção interrompida com o fim da URSS e teve a construção retomada inclusive com dinheiro da Índia.

Camargoer

Obrigado pela correção Dalton.

Esteves

França Inglaterra é um novo país. Surgiu após o Brexit?

Camargoer

Olá Esteves. Pode colocar na conta do corretor fanfarrão

Esteves

Mestre Professor Camargo aguarda com entusiasmo…o fim do ano.

Que ano!

Camargoer

Olá Esteves. Que venha 2022.

sj1

Índia.

Camargoer

Ola SJ1. Creio que a Índia opere submarinos nucleares mas ainda não construiu um.

sj1

Já construiu um, lançador de mísseis, e está construindo outro. Canal do Mário Sérgio Porto(excelente) tem informações a respeito.

Camargoer

Olá SJ1. Obrigado pela correção

Renato

É duro ver e pior saber ainda que o objetivo do PROSUB é um sub nuclear. Quando na minha modesta opinião o sub nuclear seria consequência e não a causa. Acho bonito, bacana e etc o Brasil possuir um sub nuclear mas se o pensamento for este mesmo, estamos fudidos de verde e amarelo. A verdade é que a Marinha colocou a sua vaidade em 1⁰ lugar. Não esqueça Camargoer, que vc próprio afirmou que a construção de um 5⁰ Riachuelo poderia comprometer o programa do sub nuclear. E eu acho radicalmente necessário hj a construção de um 5⁰ Riachuelo,… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Renato
sj1

A Indonésia está bastante interessada num Riachuelo.

Renato

Sj1,
O tempo entre interesse e compra pode levar décadas.
Vide o nosso quase eterno FX2.
Se a Marinha não conseguir resolver esse impasse, essa base passará para a história da maior vergonha logística e de planejamento mal feito por uma Marinha no mundo.
Posso estar enganado.
Mas o programa das Tamandaré tem tudo para ser engavetado por falta de recursos que serão redirecionados para esse sub nuclear.
O custo da vaidade é alto.

Esteves

Itália.

Renato

Esqueceu de mencionar a Itália e a Espanha.

Esteves

Isso. Espanha.

Palpiteiro

A Espanha faz submarino desde 1888. Vale até uma reportagem por sua história.

https://es.wikipedia.org/wiki/Submarino_Peral

TeoB

esqueceram os carteis de coca… inclusive com várias classes em operação.

Kemen

Nossa, existe uma diferença, atendendo ao texto: “Apenas 6 paises fabricam submarinos”, fabricar ou projetar?

Fabricar = montar, tem muitos mais, Brasil, India, Indonésia, Grecia, Italia, Espanha, etc

Projetar e fabricar, tem mais: Italia, Espanha, Coréia do Norte., Irã e talvez algum outro

Tem os carteis colombianos… kkkkkkkk

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Esteves

Há divergências.

Doutores, talvez não 100% dos doutores convencidos, convencem a quem querem convencer-me que montar = fabricar.

Fabricar é uma coisa. Cortar, soldar e montar é outra coisa.

Penso.

Kemen

Quem fabrica não necessariamente projeta. Sua TV pode ter sido fabricada no Brasil (made in Brasil) mas a LG, Samsung e outras montadoras no Brasil importam os projetos da matriz. TV nacional mesmo foram a Semp e acredito a Philco. Um carro fabricado no Brasil pode ter sido projetado no exterior. Um dos poucos carros projetados e fabricados no Brasil por exemplo foram os da Gurgel, ou o modêlo Brasilia da Volkswagem, talvez mais algum que agora não me lembro.

O projeto define o que se tem que fazer e como fabricar.

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Esteves

Projeto. Pesquisa, pesquisa, pesquisa, cria desenho, empenha-se e vira empreendedor. De empreendedor para empresário tem outro caminho longo. Se o projeto for da França…Esteves compra o aço, as prensas para cortar e dobrar o aço, as baterias, o sistema elétrico, o sistema de combate, a propulsão, as armas, os sonares, os periscópios, as alças de tiro, o vinho da França. Compra e monta. Sendo o projeto do Esteves e…todo os recheios estiverem disponíveis domesticamente como geradores, máquinas, motores, baterias, armas…tudo, fabricante o Esteves virou. Vide KC390. Produzimos os assentos. Não será diferente do Gripen, das Tamandarés…se sair alguma Tamandaré e… Read more »

Felipe Augusto Batista

“e…todo os recheios estiverem disponíveis domesticamente como geradores, máquinas, motores, baterias, armas…tudo, fabricante o Esteves virou.” Então só existem uns 3 fabricantes no globo.

Allan Lemos

Na verdade, afirmar que o Brasil também fabrica submarinos é um exagero. No momento, apenas os montamos, o que só mudará quando o SN Álvaro Alberto estiver pronto.

Renato

Piada do dia sobre o Riachuelo:
– Nosso dinheiro indo por água abaixo.

Esteves

Quando o dinheiro público é gasto com merendas e locadoras…coisas que se pagam e depois não se encontram, é verdade que o dinheiro some.

Quando o dinheiro público se transforma em ativos como consequência do esforço, da competência e da perseverança dos brasileiros, resta dar os parabéns.

Parabéns, Marinha do Brasil.

Renato

Esteves,
E o São Paulo se enquadra onde nesse seu contexto?
QUEM paga a conta?

Last edited 2 meses atrás by Renato
Esteves

Esforço, competência e perseverança.

Salve o Tricolor Paulista…

Felipe Augusto Batista

O São Paulo foi uma boa compra mantida de maneira errada. Quando adquirido ele se enquadrava bem nos planos e objetivos e tanto a MB quanto o governo sabiam que ele precisava passar por um grande processo de revitalização, por isso foi barato. O problema foi que não fizeram na época e foram usando e deixando a condição do mesmo cada bez pior e a recuperação mais cara. Por outro lado, dizem que os almirantes sonham com NAe sem se preocupar antes com o básico e as escoltas em volta dele, mas desde os tempos no Minas, todos os planos… Read more »

Renato

Comprar um ativo com 40 anos de uso cheio de problemas estruturais foi bom negócio?
Pra quem? França ou Brasil?
Cadê a coerência, se a própria Marinha afirma que seus meios navais de superfície estão chegando ao fim de sua vida útil por ostentar quase 40 anos de uso,?
Só queria entender como funciona essa tal de coerência.

Last edited 2 meses atrás by Renato
Dalton

O “Foch” foi adquirido com 37 anos de uso, comissionado em 1963 e descomissionado em 2000 pela marinha francesa. . Os chamados navios de maior valia ou tamanho, são mais comumente adquiridos com idades mais elevadas do que navios menores. . O “Ceará” e o “Rio de janeiro” foram incorporados com cerca de 33/34 anos de uso e prestaram bons serviços à marinha por mais de 20 anos. . O “problema” que vejo nas “críticas” é que se olha com os olhos de hoje quando se deveria ver com os olhos de 1998 quando iniciaram as tratativas entre Brasil e… Read more »

Leandro Costa

Lembro-me bem disso. Até aquele momento, o Foch era super bem visto em qualquer lugar. Participou até de filme (‘Maré Vermelha’ com cenas filmadas à bordo dele operando) e eu estava na Fortaleza de Santa Cruz na cerimônia de chegada. Bicho imponente. Estávamos bem tranquilos quanto à isso, até porque um CMG já havia me dito que a Marinha já havia identificado todos os problemas, inclusive falhas de projeto do Foch antes de comprá-lo e que ele serviria bem até algo feito aqui pudesse ser construído. Na época até se perguntavam o por que dos A-4 e a resposta normalmente… Read more »

Renato

Sem sacanagem.
Como eu invejo as FAs do Chile.
As FAs do Chile dão um banho de profissionalismo e organização com um orçamento 10X menor do que o do Brasil.
E é cercado de vizinhos mal humorados.
Vergonha não faz parte do vocabulário brasileiro.

Last edited 2 meses atrás by Renato
Helio Mello

Acredito que o principal problema do São Paulo foi que a sua transferência para o Brasil foi só do ativo. Não houve nenhum handover do projeto dele, a Marinha mal sabia o tamanho dos tanques.
Foi levantada a possibilidade de escanear o navio a laser para poder ter algum projeto, o que não aconteceu. Tanto que o projeto de modernização envolvia substituição total da PM e instalação de caldeiras no hangar, o que é extremamente raro de acontecer e, logicamente, muito caro.
Sem o as built do navio, é impossível executar qualquer manutenção, o que condena qualquer embarcação.

737-800RJ

Mas é por uma ótima causa, então eu digo: MB, vai fundo! 🙂

Adriano RA

Renato, acho que não perceberam a piada. Foi boa.

Renato

Adriano RA,
Já dizia meu saudoso pai:
– Não exija das pessoas aquilo que elas não podem lhe dar.
O brasileiro comum já anda, respira e come.
Vc ainda quer que raciocine?

Kemen

Me lembra uma música. E vida de gado, povo marcado é ….

JT8D

Você é um gênio. Seus comentários são fantásticos. Me faltam adjetivos

Leandro Costa

E lembro-me bem daqueles que postavam aqui sendo bastante incisivos dizendo que era um submarino que não mergulhava…

Esteves

Nunca li isso aqui.

Funcionario da Comlurb

Eu tbm nao

Leandro Costa

É só procurar pelas matérias em que figuravam os Scorpene indianos e o início da construção dos nossos. Vários afirmando que o projeto era ruim e o submarino não mergulhava. Geralmente em conjunto com comentários desagradáveis sobre os H225M.

rommelqe

Mas em relação ao H225 os problemas foram muito graves.

Leandro Costa

Eu concordo, mas a não correção incorreria em um escândalo de proporções épicas, o que não ocorreu. Pelo menos não ainda.

ALEX TIAGO

O submarino que não mergulhava era o da Espanha teve um problema que ja foi corrigido.

Kemen

Correção, não flutuaria como deveria, nem tentaram faze-lo flutuar, descobriram um êrro no projeto e contrataram uma empresa norte americana para ver a melhor forma de corrigi-lo. Não consideraram todas as armas possiveis de levar e o pêso do AIP final (não era o pêso do AIP protótipo, pois ainda estava em desenvolvimento na época) conforme a especificação da Marinha, na sua flutuabilidade e lastro.

Last edited 2 meses atrás by Kemen
ALEX TIAGO

Perfeito Kemen. Obrigado pela correção.

Fernando

Mergulhar qualquer navio mergulha. Agora voltar à superfície…

Junior

Será que você não tá confundindo com o submarino espanhol, esse sim tem diversas piadas de que ele ao invés de mergulhar, ele afunda e não volta mais, isso aconteceu por erros de cálculos no projeto, sobre o Riachuelo, acompanho o site há bastante tempo e nunca vi ninguém dizer isso ai, já vi gente dizendo que preferia o alemão a ele, agora que ele não mergulhava é a primeira vez que vejo

Dalton

Ele não está Junior. Também Li vários comentários de ao menos um comentarista que encheu os “Scorpenes” de defeitos.

Esteves

Defeito todos botão. Em tudo.

Leandro Costa

Vi o que fez aí, Esteves, mas não vou morder não hehehehehe

LucianoSR71

Mestre Dalton, salvo engano ele se apegava a problemas que o 1º fornecido a Malásia enfrentou, mas que foram corrigidos.

sj1

Sim, malharam bastante o scorpene. Tbm teve uma época que vazaram uns documentos confidenciais.

ALEX TIAGO

é provável que alguém tenha comentado algo assim sempre tem alguém especulando como se fosse verdade sem embasamento algum.

Leandro Costa

Infelizmente não estou confundindo não.

Renan

Parabéns a MB e a parceria francesa é um março importantíssimo no programa de submarinos.
Vamos rumo a operação em si
Espero que ocorra tudo bem com os demais

Adriano RA

Fica aqui meu parabéns. Para a MB e para todos os envolvidos. Isso é um marco!

Battlefield

Parabéns por esse grande feito, mas a verdade mesmo assim deve ser dita, apenas 4 subs convencionais e 1sbn para os próximos 10 anos, mesmo que todos ja tivessem prontos ainda é muito pouco para uma marinha de um País com poderio econômico, político e territorial como o nosso… talvez seja 1/5 do que deveríamos fazer nessa década…

Helio Eduardo

De acordo. Sem, contar que, se o programa parar nos quatro SBR, todo o “aprendizado” vai por água abaixo….

Claudio

Uma pena ficar só nos 4 , pra mim o ideal seria no mínimo 20 pro tamanho país, Japão por exemplo tem (segundo a Wikipedia) 50 submarinos de três classes ,aqui no Brasil fabricar dois por ano pra manter a mão de obra especializada aqui no país , fazer variantes não todos iguai, alguns com lançadores verticais de mísseis de cruzeiro, mísseis antiaéreos e anti-navio, mas é só imaginação minha mesmo já que é de graça kk

Esteves

A meta do Japão é 20. Talvez 22.

Esteves

Custos de operação e da manutenção. Há também a barreira das tripulações.

Submarinistas são voluntários.

Helio Eduardo

Amigo, nem penso em 20… Quem me dera, mas prioridade na MB não são os meios…

Penso em 8 ou 10, mantendo a linha de produção, o pessoal e o conhecimento em evolução. Penso num batch 2 para o ciclo 2022-2027 e, quem sabe, num batch 3 para 2028-2033.

O mesmo vale para o SN-BR, porque um só é como não ter nada.

Renato

Hélio,
Para manter a estrutura da Ilha da Madeira em funcionamento, não precisa construir um sub de dois em dois anos.
A própria manutenção de um sub demanda praticamente a mesma mão de obra de construção.
Segundo um oficial da própria Marinha, um sub tem que ser retirado da água para manutenção geral de 10 em 10 anos.
Fazendo uma conta simples da situação;
Se a Marinha tiver 05 subs Riachuelo na finalização do quinto estará próximo da manutenção do 1⁰ Riachuelo.
E com isso a roda não para de girar.

filipe

Segundo o documento vazado do Scorpene Indiano, a profundidade máxima é de 537 metros , essa profundidade dificilmente é alcançada uma vez que danifica a estrutura do navio, deformando o casco e a hélice, por segurança a profundidade máxima é em torno dos 300 e 400 metros.

R_cordeiro

“o” helice.

Bosco

Essa discussão acerca de qual artigo usar quando nos referimos ao substantivo hélice pra mim é “interna corporis” da Marinha do Brasil e fora dela é completamente irrelevante e opcional para o civil que comenta em sites não oficiais. Diferente por exemplo de “atracar” e “ancorar, que são termos com significados diferentes.

Esteves

Ancorar. Jogar âncora.
Atracar. Agarrar.

Hélice não faz ancoragem.

Last edited 2 meses atrás by Esteves
Palpiteiro

No interior é soltar a poita. kkkkkkkk

Dario

Concordo contigo, Bosco. Como velejador aprendi que, no mar, o correto é “o” hélice, mas jamais corrigi nenhum companheiro embarcado comigo. Já basta ter de saber de cor uma bíblia de termos de marinharia originários do português arcaico e seus correspondentes em inglês. Chamem como quiser, contanto que a equipe saiba o que está fazendo.

Last edited 2 meses atrás by Dario
Dario

Ah! Lembrei de uma boa: minha filha de 30 anos até hoje chama o lais de guia de “nó do coelhinho”.

Leandro Costa

Isso trouxe memórias incríveis, Dario. Obrigado! 🙂

Kemen

Acho que alguns colegas acham que um submarino é uma casca de aço ou titânio como um ovo e nada mais. Um submarino tem estruturas internas de refôrço (anéis) que sustentam a resistência do casco em espaçamentos calculados, o casco pode ser de aço, com durezas especificadas e ter anéis de titânio. Também pode tem chapas e anéis de aço ou de titânio. A maior resistência a pressão reside nos anéis.

Esteves

Isso.

Funcionario da Comlurb

Colega , vc é muito cabeça dura. Faço a vc a mesma sugestão que fiz ao colega acima.

Esteves

Toma um vaso de titânio pro cê.

E larga do pé do Esteves.

7AD4A3D2-1C75-4744-982D-CC2260D18391.jpeg
Funcionario da Comlurb

Hahaha

Last edited 2 meses atrás by Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb

Prezado, sim, mas procure mais informações sobre as classes russas Alpha e Sierra. Você vai ver que o casco de pressão é todo em titânio.

Alex Barreto Cypriano

A pressão da água age comprimindo o casco. A 250 metros de profundidade um casco de 8 m de diâmetro suporta 2000 toneladas-força em compressão por metro de comprimento. O anel pode ajudar, inclusive aumentando a rigidez geral, mas a espessura do casco é que segura a bronca. Aliás, naquela profundidade, pro aço 80 HLES, com tensão característica de escoamento de 700 MPa (7 tf/cm2) a espessura do casco deveria ser algo em torno de 23 mm (ou menos, dada a contribuicao dos anéis). E a ruptura por esmagamento se daria, grosseiramente, a uns 420 m. Sem pretensão de cálculo… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano
Last edited 2 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Bosco

Os submarinos sovieticos tinham que descer muito porque eram barulhentos e essa era a única forma de tentarem escapar de um ataque, e não porque mergulhar mais fundo era melhor.

Kemen

Concordo com vc Bosco, mas existe uma vantagem, na submersão em mares glaciais congelados, o que não é com certeza usual.

Bosco

Kemen,
A grande vantagem de um submarino resistir a mais ou menos profundidade tem a ver com a sua capacidade de sobrevivência, mantendo a estanqueidade no caso de um sinistro.
Outra vantagem que imagino tem a ver com a capacidade de alguns submarinos pousarem no fundo dos oceanos. Para alguns o leito oceânico estará muito fundo e não poderão atingi-lo, reduzindo essa possibilidade.
Descer mais já não é sinônimo de vantagem tática. Torpedos como o Mk-48 ADCAP o u o Mk-50 (só pra citar os americanos) operam a até 1000 m de profundidade.

ALEX TIAGO

E hoje se mergulhar mais fundo faz diferença??penso que a detecção fique mais dificil??

Bosco

Alex,
Não faz! Não dentro de limites aceitáveis. Ou seja, se fizeram submarinos que mergulham a 2000 ou 3000 metros talvez faça, mas mergulhar 400 ou 500 não faz em relação a 200 ou 300.
Submarinos tentam ficar abaixo da camada limite para fugirem da detecção de navios e estar muito abaixo dela não faz diferença.
Já em relação a outro submarino que esteja igualmente abaixo da camada termal o que dificulta a detecção é ele ser silencioso.

Adriano RA

As garrafas de vodka batiam muito.

Bosco

rsss

smichtt

Qual é a espessura da chapa de aço e seu tipo, no caso do casco de pressão?

Esteves

“O tipo do aço empregado no SBR é o 80 HLES (Haute Limite Elastique Soudable). Trata-se de uma liga metálica altamente resistente e de fácil soldabilidade. O 80 HLES satisfaz as exigências da Naval Group (antiga DCNS) para a produção de cascos para submarinos classe Scorpene e derivados. Já para os novos…”

PN é bacana. Aço do PROSUB.

Bosco

Submarinos mergulham para se manterem escondidos e não para terem seu nome estampados no GuinesBook. Para se manterem escondidos eles têm que:
1- emitirem o menor nível de ruído possível
2- formarem o menor eco possível
3- descerem abaixo da camada limite
Trocando em miúdos, a rigor um submarino não precisa mergulhar a mais de 300 metros para se manter oculto.
Se ele não conseguia se manter oculto aí na Guerra Fria funcionava mergulhar e se evadir a grande velocidade. Hoje não mais. Hoje, ou se é silencioso ou é caixão e vela preta.

Esteves

Isso.

Matheus S

Os submarinos soviéticos nunca foram planejados para mergulhar acima de 300 metros para se manterem ocultos, eles foram planejados porque queriam ser capazes de escapar dos melhores torpedos do ocidente. E eles podiam. Eles podiam ir tão fundo e tão rápido que nenhum torpedo poderia pegá-los (um torpedo com motor de combustão que expele o escapamento tem uma limitação de profundidade, devido à contrapressão do escapamento). Eles podiam ir tão rápido que nenhum torpedo poderia pegá-los, a menos que viesse pela frente de uma curta distância. Mas, isso não durou muito. Como se costuma dizer, “uma nova arma só é útil até… Read more »

Esteves

Boa explicação.

willhorv

Podem falar o que for…custou caro, demorou, mas está aí!?
Agora é colocar o pedido de mais 4.
Hehehe

Esteves

Na verdade…

A ICN, Itaguaí, a prensa…e mais estão superados, assimilados.

Colocar um novo contrato para mais 4 rompendo essa história que ainda não operamos 8 + 1 + 1…faz muito sentido.

O país precisa de continuidade. Até as chuvas estão acontecendo nunamicamente. Tem que haver galanteios perenemente.

Last edited 2 meses atrás by Esteves
Nilo

Existe um leque de opções: 2Sub, 4Sub, os Navios destinados a operar na Antartida ou apelar para os patrulhas. Importante é manter atividada, dentro de um corpo de funcionario, no pico da construção dos SUB, de 2000, 600 deles são essenciais. quatro Scorpene, e já está agora com 78% de progresso na construção. Certamente uma decisão dever ser tomada ainda em 2021. Tudo leva a crer que os ventos sopram nessa direção.

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Nilo

Esses numeros de funcionários deve ser de Produção Indústrial, porque só de projetistas são (inicialmente) 300 e passando no pico para 600.

Esteves

Alguma inteligência se perderá. É comum. Manter 100% do momento inicial ou até durante o rollout é difícil. Teríamos que já ter contratado mais. Essa gente que larga o sexo com a mulher…solução de continuidade diziam quando o Esteves fazia parte do mundo corporativo. Essa gente não está certa. Tem que permanecer bulboso ou o navio sofre para romper as ondas. Instituto Butantan. Produz vacinas. Se parar de produzir perde gente, competências, capacitação. Esquece o orçamento da MB por um tempo, uns anos…e contrata mais 2 convencionais movidos por energia convencional e 1 convencional movido por energia nuclear não armado… Read more »

mk48

Destilando suas asneiras de sempre, hein Esteves?

Esteves

Asneiras vem de asnos. Esteves não é.

O país, provavelmente, é campeão em interrupções.

Programa habitacional…desde e até antes do BNH.
Indústria nativa automotiva…seria a FNM.
Eletrônica…paramos na Invictus.
Etanol e veículos elétricos…Gurgel afinal Estava certo.
Construção naval…por demais comentado.
Industria calçadista, têxtil, mecânica, tanques.

Até picolés. Kibon era nacional.

Não abandona o sexo.

Nilo

Sim. Concordo, em pelo menos dois sub diesel, quando olho e comparo, o cabamento do vante do sub Riachuelo produzido na França e vejo o vante dos dois últimos produzido aqui, realmente tenho a certeza que ainda temos degraus a alcançar a excelencia dos franceses na produção desses sub(s). Pela fala do represente da Naval Group, ele partilha a necessidade de manter a mão de obra se necessario com a construção de navios, mais não a dúvida que o essencial e capacitação preservar as habilidades de construção de submarinos que foram adquiridas, até porque não é só manter a técnica… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Esteves

Exato.

Então…essa conversinha sobre o orçamento não nos leva.

Precisa enxergar nossa limitação e falar com os franceses sobre o patrulhamento do Atlântico, da Antártida, de como é fundamental exercer o poder naval imediatamente antes que outros façam.

Dizem que o mundo entra em um novo ciclo de desenvolvimento até os anos 2035. Depois, recessão e guerra?

A Fiat só vende carro no Brasil. O dinheiro da fusão com os franceses sairá dos cofres da PeugeotCitroen…são conversas maduras…de bilhões…precisamos aprender a fazer negócios grandes. Negócios efusivos.

Soldar calota de Opala…uma hora se aprende.

Last edited 2 meses atrás by Esteves
Nilo

E também concordo devem ser dois nuclear (estamos falando de numeros mínimos). Inicio de ano 2021, vamos contar os meses, ansiosos.

Esteves

Nilo,

Os últimos meses. Meses. Não anos. Bilhões pra todos os lados sem nenhuma produção.

Somente política.

Gastar mais 2,3 bilhões de euros com 4 submarinos…isso é nada.

Os franceses vão querer compensações ambientais, redução de gases…falar sobre ocupação urbana, água doce, habitação.

Minha avó faria com 1 fôlego.

Last edited 2 meses atrás by Esteves
Nilo

Dolares, + Dolares + Dolares. É isso que representante frances falou, disse, recursos para manter as conquistas até aqui presentes na Ilha da Madeira. Compensação ambiental, redução de gases, agua doce,…..não sustenta os projetos deles de Submarinos Nucleares. Só o D.G.A. – Direction Générale de L’armement tem na folha de pagamento 9.900 (metade deles engenheiros). É uma estrutura colossal e cara. Questões ambientas, é problema nosso. Mais ai tem quem gosta da FUZARCA, uma sueca daqui, um Macron dali, um Salles acolá. O que nos interressa é, o projeto esta dentro do prazo, qual a capacidade de cumprir a execução do… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Esteves

Para assinar o contrato atual…para captar o contrato atual…você acha que o ex falou tecnicamente? Questões ambientais são problemas de todos. Biden nomeou uma secretária indígena. Qual governo europeu em 2021 assinaria outro contrato para construção de mais submarinos e mais outro nuclear na AS? Como explicar aos argentinos que teremos 8 + 2? Venezuela? A atividade única da MB é exercer o poder naval. Não é meter-se na construção de navios. Tivessem entregado o contrato para um estaleiro nacional…se roubaram 5 bilhões de reais em respiradores no Rio…se compraram bexiga de aniversário por 5 mil… OK. Pra não roubarem… Read more »

Nilo

Se existe roubo, ladrão, é então é caso PF, MP…….Precisa, quem sabe, denunciar com todas as letras se não é conivente. Navio torto…rsrsrs…..digo, a marinha se ela quiser fazer barco tem que chamar os índios. Itaguaí cabeça de ponte para os franceses….rsrsrs… como tem sido o programa da Carvetas, uma balsa de salvação para os alemães. Assim como o projeto Gripen da emprego para os Suecos. Mas pelo que nos estamos dizendo, é notório precisamos dos franceses como assessoria na construção. Até os russos solicitaram ajuda dos francesses com relação aos porta helicopteros, Mais, rsrsrsr, entrou água no navio. Já… Read more »

Nilo

Mas uma, que demonstra a capacidade e o QUANTO PRECISA de assessoria: multinacional espanhola de engenharia Ghenova assinou um contrato com a Marinha do Brasil, avaliado em R$ 6,4 milhões,…espécie de contrato guarda-chuva, que abrange trabalhos de engenharia de detalhamento para construção, reparos e modernização dos meios navais da Marinha.Digo, se a marinha quer fazer barco chama os índios.

Nilo

A sim projeto fragata..rsrsrs com os alemães rsrsrs
em que são proprietário, ao menos ICN/Itaguai é controle acionário NACIONAL.

Nilo

Estives, discurtir Orçamento, é também discutir custos, é discurtir viabilidade de projeto. Sem isso voltamos para o delírio que nos levou a esse inchaço da folha de pagamento, que levou aos 80%, que tanto vc fala, que inviabiliza projetos.
Acordo com franceses no Atlântico?????rsrsrs.
Qualquer acordo com os franceses envolve +Dolares +Dolares +Dolares, que envolve capacidade de gerenciamento de rsrsrsrs “”Orçamento””. Quer aprender com os franceses?? então não faça curvas, o jogo é bruto.

Nilo

E sim, 2 Nucleares e estamos falando de numeros mínimos. O início de 2021 vamos estar a contar os meses, ansiosos.

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Tiger777

Tem aqueles submarinos de espionagem russos, que tem esferas no interior, permitindo ir a maior profundidade https://www.uol.com.br/tilt/reportagens-especiais/russia-x-cabos-submarinos/#page3

Gilson

Me parece mais um anúncio de propaganda no estilo ditaduras comunistas. Fala-se de modo genérico mas daqui a alguns anos saberemos os problemas surgidos na embarcação. Falavam-se maravilhas das corvetas julio de noronha e depois as imagens mostravam que e proa afundava demais na água, fato aliás previsto pelo IPT de SP na época. Com certeza problemas existiram neste teste. a questão é se saõ superáveis ou se reduzem a profundidade máxima esperada para operação

Luiz Trindade

Rapaz… Os novatos devem ter pirado ouvindo o som do casco estalando quando se atingiu a profundidade máxima. Kkkkkkkkkkkk

mk48

Você anda assistindo muito filme de submarino da 2a Guerra.

Luiz Trindade

Se vc diz neh?!?

carvalho2008

Surgiu na web a visão de que Itaguaí vai assumir as manutenções do Arsenal, o que por sua vez, será modernizado pois suas instalações e maquinarios estão antigos. Fala-se que isto atrelado ao Navio Oceanografico preenchem o GAP mesmo que não sejam vendidos novos scorpenes.

Nesta mesma divulgação que vi, tem a imagem de navio classe Amazonas com canhão 76 mm SR e radar diretor….sugerindo que está seria uma opção de contingencia que a MB estaria estudando seriamente. Ou Seja, pode ser que finalmente a MB se renda a ideia de Patruleiros classe Amazonas mais bombados…

carvalho2008

comment image

carvalho2008

comment image

Nilo

Carvalho, a MB produzir navios, é a continuação de um processo mal sucessido: . Marinheiro cuidando de Pátio Indústrial, Os interminais editais de compras, a burocracia inerente ao setor público, o desvio de atividade fim da MB, ….etc….etc….Modernização da Marinha é dinheiro que vai pro ralo. Isso não é modernização. A MB precisa descentralizar. A MB precisa de um grande PLAYER para construção naval assim como a Embraer para FAB. Não sei o caminho da Marinha de Itália, França, ou Inglaterra, e EUA, mas certamente aqui não deu e nem vai dar com a MB insistindo em ter seu próprio… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Nilo

digo: sucedido

carvalho2008

As imagens que postei acima são da ICN.

O que chamou a atenção é a imagem de uma classe Amazonas com armamento robusto, canhão 76 mm…e um bom conjunto de radar e DT…pode ser um indicativo de algum plano B…

Tutu

Não é um Classe Amazonas, sim um Roussen/Super Vita, em termos de deslocamento e proporção apesar de bem armado não é equivalente aos River B2, estão na casa das 600T e não possui convou.

Seria uma alternativa para os Napa 500, porém uma coisa me causa estranheza nessa propaganda da ICN, é que esse navio foi inicialmente projetado pela Vosper e mais tarde construídos pela BAE Systens, a questão é que para mim não faz sentido a ICN (Naval Group) oferecer um produto de uma concorrente.

Tutu

P-68 “Ypoploiarchos Daniolos” da marinha Grega.

picture001.jpg
Esteves

Se a Embraer não tivesse sido vendida…hoje seria uma Imbel. Produzindo aviões tortos. Privatizada, metida entre gigantes, segue vendendo e arrastando prejuízos. Até ser vendida novamente ou até ser comprada e tornada pública de novo. A Embraer é parceiro da FAB. Com atraso de 50 anos a MB tenta fazer da ICN, uma estatal, sua amiga íntima. Voltamos às queixas dos ipenianos. Governadores, superintendentes, presidentes = ingerência, interrompencia, descontinencia e obsolescência. A US Navy pelo que li aqui ancorada em estaleiros públicos e privados faz um bem bolado de encomendas. Útil para descobrir preços altos, defeitos de construção e garantias.… Read more »

Nilo

Oceana mais um projeto de Urgência dentro do mundo planificado da MB rsrssrssr….o que vai sair..que não seja identico a sabonete comprado…..vai depender da ATECH E EMBRAER.

carvalho2008

Em termos gerais, são estatais ou mistas que alavancam o nicho de mercado não atendido em qualquer nação. Não existe problema da alavancagem das deficiências internas de um país por meio estatal. O problema é calibrar o peso da mão. Alavanca-se e uma vez o nicho satisfeito e a industria tornando-se sustentável, vende-se e privatiza-se. Se estratégica, privatização para capital nacional ou outros instrumentos de proteção. Imagina-se que lá fora é tudo capital privado e livre concorrência e não é…. Nos US, é mandatório que a empresa seja americana. Além disto, setores essenciais ao alicerce da industria tambem tem forte… Read more »

Nilo

Como diz Esteves, Mestre Respeitável. Obrigado.
Impecável.

Last edited 2 meses atrás by Nilo
Glauco Romulo

Esse deve ser o primeiro lote de submarinos S4X . Fazer um túnel daquele tamanho para construir 4 submarinos ? Parece que tem coelho na cartola.