domingo, abril 11, 2021

Saab Naval

Submarino Tupi recebe submarinista da Marinha dos Estados Unidos da América

Destaques

Alexandre Galante
Ex-tripulante da fragata Niterói (F40), jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O Submarino “Tupi” recebeu, em caráter de destaque, a Capitão-Tenente Taylor Butler, submarinista da Marinha dos Estados Unidos da América, que acompanha operações no mar, de 1ª a 5 de março.

O evento faz parte do Plano de Engajamento entre as Forças de Submarinos dos dois países, objetivando o incremento na interoperabilidade com aquela Marinha, com a qual a Marinha do Brasil mantém laços operacionais de longa data.

FONTE: Marinha do Brasil

- Advertisement -

29 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
29 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo

Bom intercâmbio, no âmbito desse programa devemos ter também submarinistas nossos embarcando em submarinos americanos!

Dalton

Os EUA possuem o “DESI” que é um programa iniciado muitos anos atrás onde submarinos convencionais, inclusive, de marinhas sul americanas, participam regularmente. Os submarinos brasileiros durante algumas semanas ficam hospedados em Norfolk para treinar com submarinos nucleares e outros meios da US Navy e submarinistas brasileiros embarcam no submarino americano destacado para o treinamento.
.
San Diego na costa oeste também hospeda submarinos para o programa, normalmente os peruanos seguem para lá.

Glasquis 7

Chama-se Programa DESI (Iniciativa Submarina Elétrica Diesel) mas é um exercício conjunto criado em 2001 pra treinar suas unidades submarinas em conjunto com as unidades da América do Sul. Acredito que todos os países que tem unidades submarinas participam em algum momento.

borda a guerra submarina em todas as suas áreas, enfrentamento, operações de testes de sistemas de armamento, combate próximo, etc. Com a intenção de criar uma força conjunta que venha enfrentar qualquer situação caso seja necessário.

Dalton

O submarino peruano “Pisagua” é o mais recente participante tendo participado no fim do ano passado, dessa vez, na costa leste dos EUA.

Matheus

Que comecem os esquizofrênicos dizendo que é espionagem.

Sincero Brasileiro da Silva

Claro que não é espionagem! É apenas fiscalização! Normal!

Carlos Gallani

Que mal lhe pergunte mas… fiscalizar o que?

Leandro Costa

Ora, ondas eletromagnéticas vindas de outros planetas habitados, claro!

Vovozao

07/03/2021 – domingo, bdia; qual e que aprendizado/informações um submarinista dos USA, poderia conseguir aqui, ja que visitou o mais antigo submarino da MB, se fosse um SCOPENE, até poderiam ver ou quem sabe adquirir algum conhecimento; submarinos da classe TUPI (no BRASIL), são comum em muitas marinhas amigas dos USA.

César Evaristo

Creio que o interesse não é no equipamento, mas no grau de adestramento e capacidades operativas da tripulação.

Gabriel

Vamos voltar ao início.

Leia a matéria e responda:

1. Qual a finalidade de um marinheiro americano embarcar no Tupi?

2. Qual o objetivo da Marinha brasileira?

mk48

Prezado, é SCORPENE, Classe Riachuelo, que ainda não foi transferido ao setor operacional.

O TUPI é, no momento, o único sub disponivel para operar.

Tutu

Tudo o que eu já li e assisti nesse assunto indica que temos um forma própria de operar submarinos, formada das heranças dos nosso fornecedores atuais e do passado, britânicos, americanos, alemães, franceses e italianos.

Dalton

Pode ser “antigo”, mas continua letal, principalmente quando operando próximo a costa e como os EUA não fabricam mais submarinos convencionais dependem de outros para
treinar e assim manter a proficiência de como lidar com submarinos similares de nações potencialmente hostis, como, por exemplo o Irã.

Vovozao

07/03/2021 – domingo, btarde, nobre Dalton, sentido de “”antigo””, não é sentido de “”velho “”, que eu quis fizer que foi o 1 comissionado, e, como os USA possuem submarinos nucleares, qual seria ou o que seria que aprenderiam??? Esta minha colocacao…. temos muito mas que aprender, não achas???.

Dalton

Vovô, os EUA possuem um programa já há muitos anos onde submarinos convencionais de países da América do Sul participam, em ambas as costas, submarinos brasileiros por exemplo são recebidos em Norfolk e permanecem por algumas semanas treinando com meios da US Navy.
.
Submarinos convencionais tem perfil diferente dos grandes nucleares e os EUA encaram a possibilidade de confronto com nações que os possuem daí a importância desse intercâmbio que acaba sendo bom para os dois lados.

Phillipe Blower

Ainda que sejam armas no âmbito geral, mais poderosas, não é em todas as situações que um SUB nuclear é superior a um diesel elétrico. Um sub pequeno “pousado” no fundo do mar funcionando só nas baterias esperando de tocaia é um belo de um pesadelo pra detectar.

É um tipo de operação completamente diferente. Então faz sentido os americanos entenderem como funciona.

Sílvio Ferreira

Para quem acha que submarinos “antigos” não oferecem perigo ou são obsoletos.

https://www.naval.com.br/blog/2019/12/04/a-foto-que-irritou-os-almirantes-da-marinha-dos-eua/

Roberto Santos

Ela veio passear e observar os procedimentos, depois um relatório secreto circunstanciado é feito.
Quanto as manobras de Submarinos convencionais com a US Navy é simples. Eles querem, gravar os sinais acústicos dos barcos, sinais magnéticos, sinais infravermelhos, procedimentos e táticas de interceptação desses meios, só isso. Como somos dependentes, bonzinhos e amigos, fornecemos isso a eles.

sub urbano

Blza.

Já botou um plug com GPS do tamanho de uma formiga em um canto qualquer. Quando Biden for invadir a Amazonia e restaurar a democracia terá menos um submarino pra se preocupar.

737-800RJ

Você fala igualzinho aos estudantes barbudinhos de camisa vermelha de 40 anos dos diretórios acadêmicos: “invadir a Amazônia e restaurar a democracia” AHAHAHAHAHAHAHAHA

Welington S.

Para com essa loucura, cara. Que GPS? E os Estados Unidos precisa colocar GPS em submarino brasileiro para poder espionar? Aliás, espionar o quê? O que o submarino tem de tão tecnológico assim pra chegar ao ponto de uma militar da marinha americana vir ao Brasil? Te contar uma coisa que, pelo visto, parece desconhecer, os Estados Unidos não precisa de GPS coisa alguma para espionar NINGUÉM. Eles não tem satélites atoa – espionagem sempre existiu e se permanecerá assim até o fim. Quem nos garante que o próprio Brasil não espiona outros países? Não espiona nossos vizinhos? Principalmente o… Read more »

MMerlin

Importante avisar ao garoto que GPS não funciona debaixo d’água…

Flanker

O que me assusta é que tu, e um monte mais de sujeitos, acreditam nisso.

Fernando Veiria

Esse comentário é tão sem sentido que eu acho que ele foi irônico. Tomara que tenha sido.

Filipe Prestes

Na mídia especializada argentina é dito que uma comissão da marinha desse país está no Rio inspecionando o Tupi e que tentam convencer o seu MD que está relutante em comprar o S-30 da MB. A outra proposta que os argentinos avaliam é a produção sob licença de submarinos chineses em troca da cessão do complexo industrial naval de CIANAR.

angelo bigalli

O q um submarinista de marinha de primeiríssimo mundo deve pensar ao ver nossos submarinos…mesmo q de primeira linha para nos otros….Só conjecturando…

MATROSE

Intercâmbio muito positivo e excelente para que a USN afira o grau de adestramento de nossos submarinistas.. Nada temos a esconder e abre-se uma oportunidade de aprender com a USN, a mais poderosa de todas as marinhas.

Neto

Há reciprocidade nesses intercambios?

Algum submarinista BR já treinou dentro de um submarino americano?

- Publicidade -

Guerra Antissubmarino

Almirante russo explica por que a OTAN não consegue detectar submarino russo no Mediterrâneo

O submarino russo Rostov-na-Donu do projeto 636.6, da Frota do Mar Negro, que desapareceu dos radares dos navios da...
- Publicidade -
- Advertisement -