terça-feira, setembro 28, 2021

Saab Naval

U.S. Navy batiza o futuro submarino nuclear de ataque USS Hyman G. Rickover

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O mais novo submarino de ataque da classe Virginia da Marinha dos EUA, futuro USS Hyman G. Rickover (SSN 795), foi batizado durante uma cerimônia nas instalações do estaleiro Electric Boat da General Dynamics em Groton, Connecticut, em 31 de julho.

“Este submarino é uma homenagem adequada ao almirante Rickover, que realmente transformou nossa Marinha”, disse o almirante James Caldwell, diretor do Programa de Propulsão Nuclear Naval, durante seus comentários na celebração.

Caldwell atribuiu a Rickover – que serviu por 63 anos na Marinha e foi responsável por estimular a Força a adotar a propulsão nuclear após a Segunda Guerra Mundial – não apenas avanços tecnológicos, mas também culturais. Ele elogiou a lendária ética de trabalho de Rickover, sua franqueza, atenção aos detalhes e compromisso com a excelência, que, segundo ele, permeou toda a Marinha.

“É muito bom ver este navio ficar pronto e ver tantas pessoas aqui para celebrar seu batismo e honrar o legado de Hyman G. Rickover”, disse o comandante Thomas Niebel, oficial comandante do submarino recém-batizado.

O Honorável James F. Geurts, desempenhando as funções de Subsecretário da Marinha, disse aos presentes que a construção do futuro USS Hyman G. Rickover é um testemunho da dedicação dos construtores navais e marinheiros da América.

“Não fechamos um estaleiro, público ou privado, por um dia durante a pandemia”, disse Geurts. “O compromisso sustentado com a excelência demonstrado por esta força de trabalho mostra-se na construção deste barco e segue a cultura de excelência promovida por Hyman G. Rickover.

“Não é apenas uma questão de ter os melhores navios do mundo”, continuou ele, “você tem que ter os melhores marinheiros do mundo para manter a melhor Marinha do mundo, e nós temos os dois”.

Darleen Greenert, madrinha do submarino, uma veterana da Marinha e esposa do ex-chefe de Operações Navais Jonathan Greenert, destacou o sacrifício de famílias militares durante seus comentários e lembrou-se da falecida Eleonore Rickover, esposa do almirante homônimo.

“Ela estabeleceu o padrão [para madrinhas de navios]”, disse Darleen Greenert sobre Eleonore Rickover, que foi a madrinha de um submarino anterior da classe de Los Angeles para levar o nome Hyman G. Rickover, SSN 709. “Ela amou sua tripulação”.

O primeiro Hyman G. Rickover foi comissionado na Base de Submarinos, New London, em Groton, em 21 de julho de 1984. O SSN 709 e sua tripulação desdobraram 12 vezes até seu descomissionamento em dezembro de 2007. Ao longo dos anos, suas condecorações incluíram o Atlantic Fleet Golden Anchor Award, prêmios de guerra antissubmarino do Esquadrão de Submarinos Oito, branco “A” e vermelho de engenharia “E”, e o prestigioso prêmio da Sexta Frota “Hook ‘Em” por excelência em guerra antissubmarino.

Greenert pediu aos membros da família da tripulação do futuro USS Hyman G. Rickover que ficassem juntos quando sua filha, a Matrona de Honra Sarah Greenert McNichol, quebrou a garrafa cerimonial de vinho espumante na proa.

Outros oradores na cerimônia incluíram o presidente do Electric Boat Kevin Graney, a presidente de construção naval da Newport News, Jennifer Boykin, o deputado norte-americano Joe Courtney, D-CT e o deputado norte-americano Jim Langevin, D-RI.

O Rickover acabará por se juntar à frota com um deslocamento de 7.835 toneladas, tripulação de 132 e uma carga útil de armas de 12 sistemas de lançamento vertical e quatro tubos de torpedo.

Submarinos de ataque rápido como o Rickover são plataformas multimissão que habilitam cinco das seis capacidades principais da estratégia marítima da Marinha – controle do mar, projeção de poder, presença avançada, segurança marítima e dissuasão. O submarino é projetado para se destacar na guerra antissubmarino; guerra antinavio; guerra de ataque; operações Especiais; inteligência, vigilância e reconhecimento; guerra irregular; e guerra contra minas – da guerra antissubmarino em oceano aberto à inteligência, vigilância e reconhecimento, para projetar poder em terra com as Forças Especiais de Operação e mísseis de cruzeiro Tomahawk na prevenção ou preparação para crises regionais.

Almirante Hyman G. Rickover

FONTE: US Navy

- Advertisement -

57 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leandro Costa

Achei que demorou para a USN batizar um SSN de Rickover. Mas também era uma figura extremamente controversa. Basicamente um senhor feudal da Marinha Nuclear.

OBS.: Sou o único que acha o Almirante Hyman Rickover é extremamente parecido com o Harpo Marx? 😛

Dalton

Leandro, trata-se do segundo SSN com o nome de Rickover, o primeiro foi um da classe Los Angeles comissionado em 1984, conforme mencionado no texto e que foi desativado em fins de 2006 e oficialmente descomissionado um ano depois com apenas 22 anos de serviço. . Na época o “Rickover” SSN 709 foi um dos “SSNs” considerado como “excedente” afinal, o combate a “terroristas” não demandava submarinos, 🙂 não valendo a pena revitaliza-lo para servir outros 10 anos ou pouco mais. . E no lugar de ” 12 sistemas de lançamento vertical ” como escrito na matéria o mais correto… Read more »

Leandro Costa

Obrigado pelas informações adicionais, Dalton. É sempre um prazer ter maiores detalhes 🙂

Mk48

O Almte. Rickover foi uma figura muito controversa na USN. Foi perseguido por seus (à época) oficiais superiores, sofreu humilhações sendo transferido sistematicamente para locais onde seu trabalho de pesquisa fosse prejudicado, teve suas promoções retardadas, etc.
.
Fizeram de tudo para que ele desistisse.
.
Ele Utilizou-se de métodos e práticas de trabalho nada convencionais, mas no final teve o seu reconhecimento.
.
A homenagem demorou , mas veio em grande estilo , na forma de um Virgínia zero-bala.
.
Enquanto isso aqui no Brasil o Almte. Othon é execrado.

Rafael

Rickover tem uma contribuição maior para o Brasil do que o almirante execrado. A CMBB e a produção de nióbio tiveram ele como mentor intelectual e instigador – só faltou implorar – de Walther Moreira Salles.

Filipe

Parece que aos poucos a US Navy vai pondo a cauda em X , aos poucos até ao SSBN Columbia que usa cauda em X , muitas das tecnologias da classe Columbia já estão operacionais nos SSGN da Classe Virgínia. Parece que os EUA vão continuar liderando nessa Area até 2028 , ano em que a China vai lançar o SSBN Type 096 Tang de 150 metros e 18000 Toneladas e o SSGN Type 095 Sui de 115 metros e 7900Toneladas ( Todos com PumpJet e propulsão Turbo-Elétrica ).

Filipe

Não vejo a hora do Doria lançar o SNBR Alvaro Alberto…

Jean

O futuro PR que vai lançar o Sub Nuc ainda nem nasceu.

Rodrigo Martins Ferreira

Mais fácil ele lançar a balsa Calça Apertada, que vai só navegar no Rio Pinheiros e Tietê.

Heinz Guderian

Doria?
Esse não ganha mais nem para sindico de prédio.

Esteves

Diziam isso do Maluf.

Paulo Drusnam

Vai ter que estudar muito pra passar no concurso pra gari

Emmanuel

A marinha chinesa isso…a marinha chinesa aquilo…vem um submarino norte americano, lança um míssil com ogiva nuclear sobre a frota chinesa, não dá nem tempo de chorar. Adeus frota chinesa.
Tem uma galera que acha que a marinha chinesa será a dona do Pacífico.
Os japoneses pensaram a mesma coisa.
A União Soviética…
E mais uma meia dúzia de marinha.
Basta uma bomba nuclear no meio do pacífico e a China não tira mais um navio que seja do porto.

Willber Rodrigues

Da maneira como você fala, parece até a coisa mais fácil e simples do mundo de se fazer…

Emmanuel

Para os Estados Unidos é.
Já fizeram duas vezes.
E ainda brincaram no pacífico de soltar estalinho nuclear.
E na época, era a mãe Rússia quem estava só olhando, bem mais poderosa que a China de hoje.

vinicius momesso

Só os EUA tem tais meios de lançamento?

Gilson

É outro que acredita na propaganda ocidental. Só mais um iludido. São seguidores de Hollywood.

Last edited 1 mês atrás by Gilson
sergio

É outro que acredita na propaganda oriental. Só mais um iludido.

Paulo Drusnam

meios efetivos sim.

Willber Rodrigues

“Para os Estados Unidos é.”
Ué, então porque eles não fizeram isso contra a URSS? Porque não fazem agora contra a China?

Emmanuel

Não precisou.
Porque a URSS foi fraca e caiu sozinha.

Willber Rodrigues

É mesmo?
Porque então eles não fazem isso contra a China?
O Dep. de Estado norte-americano tá vacilando em não contratar logo você, pra dizer a eles o quanto é óbvio e fácil resolver tudo isso…

Antoniokings

Por acaso vc está querendo comparar esse submarino com os portentosos subs russos da Classe Belgorod?

Bosco

Emmanuel,
A janela de vulnerabilidade da China já se fechou há algum tempo. Durante todo o Século XX e parte do XXI a China estava vulnerável a um primeiro ataque preventivo de decapitação e contra-força. A URSS ficou também por mais de 20 sujeita a um primeiro ataque maciço. Fato é que esse ataque nunca ocorreu.
A pergunta é: será que as comunistas URSS de Stalin ou China de Mao teriam tido a mesma postura no caso dos papeis estarem invertidos.

Antoniokings

Apenas um Classe Victor ou um Borei devolve os EUA para a Idade da Pedra.
Não estou nem colocando os novos Belgorods na parada.
Creio que no campo de subs nucleares, Rússia (União Soviética) é imbatível.

Dalton

O “Victor III” é um SSN e existem apenas dois deles no inventário, que não irão durar muito mais, estão ultrapassados e não serão modernizados. . Talvez você tenha confundido com o “Delta” SSBN, que estão no fim de vida útil, são menores e mais antigos que um “Ohio”. . O “Borey” SSBN é novo apesar de que os 3 primeiros utilizaram-se de parte dos cascos de SSNs que tiveram a construção suspensa para se tentar apressar a construção, mas, mesmo assim sofreram atrasos e estes 3 juntamente com o único até agora Borey A não farão nada que um… Read more »

PACRF

Não entendo essa obsessão em destruir a China. O que a China está fazendo é o que todos os países que possuem suas próprias indústrias bélicas fazem: manter e ampliar suas forças de defesa. A diferença em relação aos demais países, é que a China está ampliando suas forças de defesa na mesma velocidade que seu PIB cresce. Talvez esse fato esteja provocando tanto ódio, rancor e inveja em muita gente. Nunca é demais lembrar, que em meados dos anos 1980 o PIB do Brasil era maior que o da China…

Emmanuel

Quem falou em destruir a China?
Interpretação de texto passou longe heim.

Cadillac

Você falou uai

Antoniokings

Fique tranquilo que, apesar dos chiliques de Trump e depois do Biden, o jogo já está dado e os EUA perderam.
Sinto muito por vc.
SQN

Bosco

Viajando na maionese, não é tarefa assim tão fácil atingir uma frota no meio dos oceanos com uma arma atômica. Vejamos os americanos. Eles possuem as seguintes armas nucleares: ICBM Minuteman III lançados de silos, SLBM Trident II lançados de submarinos, ALCM AGM-86B lançados dos B-52, bombas B61 (4, 7, 11, 12) lançadas pelos B-2 e possivelmente pelos caças F-15 e F-35 (F-16, F-18, B1????). Apesar de avanços significativos no tocante à programação de novos alvos para os ICBMs e SLBMs, fato é que eles já têm alvos pré-programados. A introdução de novos alvos não é tarefa fácil e eles… Read more »

Antoniokings
MestreD'Avis

Bosco, não se esqueça no final de acrescentar que essa explicação técnica somente é válido para misseis americanos!
Um missil Russo ou Chinês encontra o alvo e destrói sem qualquer dificuldade a milhares de km. Aprendi isso aqui no blog

Bosco

rsss
Realmente. Se formos pela cabeça de alguns um Zircon nuclear hiper hiper hipersônico afunda todo um CSG com uma tacada só.
Sem falar que agora eles têm aquele torpedo de … 100 MEGATONS , o Posseidon. Esse, sem dúvida nenhuma afunda não só um CSG americano mas tudo num raio de uns 100 km.
Já viu o desempenho dele? 100 nós!! Alcance: ilimitado.
Sua função é criar “ondas radioativas gigantes capaz de engolir cidades”. Um pouco de dano colateral e canja de galinha nunca fizeram mal a ninguém. rssss

Emmanuel

Bosco, não leve em consideração.
É que tem um pessoal que acha que a China é inatingível.
É bom deixá-los em fúria, se roendo de loucura, com comentários vagos e bem pretenciosos.
Kings pira.

Adriano Madureira

Os primeiros a caírem não seriam nem os americanos, seriam seus aliados japão, coréia do sul e Austrália que iriam receber as primeiras ogivas na cabeça…

Sem aliados, adeus bases navais e aéreas para poder usar…

Antoniokings

Esse suB parece um pouco acanhado em relação aos Belgorods

Paulo Drusnam

Um leve no toque no botão vermelho e …adeus marinha chinesa

CELSO ALBERTO MIGUEL

Não basta ter bombas nucleares, tem que ter culhões pra joga las.

Jean

Uma bomba nuclear no meio do pacífico só iria levantar água… Vc acha que isso afetaria a força de SSGN da PLA? Umas 2 horas depois adeus Los Angeles… Nada é simples neste hipotético confronto que não vai acontecer justamente por isso…

Cleber

Isso sim é um Submarino Nuclear .

Antoniokings
Paulo Drusnam

Como diz o ditado, “quanto maior a altura do coqueiro, maior será o tombo”.

Antoniokings

E é exatamente o que está acontecendo com os EUA.
Que tombaço, né?

Bosco

Antonio,
Você tem previsão de quando a ruina total dos EUA vai acontecer e eles irão se render para a coligação sino-russo? Vejo você prever isso “pra ontem” há uns 15 anos e até agora nada.
Eu acho que a bolha chinesa explode primeiro, hem??? O que você acha?

Antoniokings

Não vai haver ruína, no sentido de um colapso
Ocorrerá um lento, demorado e doloroso esmaecimento americano.
Dizem que isso é mais cruel que acabar tudo de repente.

MestreD'Avis

Vc tem uma fixação por tamanhos dificil de explicar…
Sabe que a sua amada URSS venceu os Tiger nazis com os muito menores T-34?
Ou quando vc fica excitado relembrando qualquer vitoria do munusculo Mig-21 sobre os gigantes B-52?
De que vale o tamanho então?

Bosco

Mestre, É porque russo gosta da coisa grande. rssss Veja algumas comparações: O maior míssil ar-ar americano hoje pesa 160 kg, o maior russo pesa 800. O maior míssil sup-ar americano pesa 1500 kg (SM-6), o maior russo pesa 5800 kg (9M82M) O míssil SSM tático TACMS pesa 1700 kg. O Iskander 5000 kg. O ICBM Minuteman III pesa 34 t. Os russos têm o Sarmat de 200 t. O torpedo Mk-48 pesa 1500 kg. Os russos tem o Type 65 de 5000 kg O maior míssil antinavio americano dedicado lançado da superfície pesa 630 kg (Harpoon) , o dos… Read more »

MestreD'Avis

Bosco, eu até entendo isso quando relacionado com a performance. Um missil maior leva mais combustivel e pode levar uma ogiva maior até mais longe. Até ai tudo bem e até gosto que quem entende a sério sobre os equipamentos compare os porquês. Muitas vezes, como nos casos de misseis ar-ar que vc referiu, é uma diferença de doutrina e de utilização correcto? Basta preferir ter 8 misseis em vez de 4 num caça Mas se eu estiver em casa e souber que começou uma guerra nuclear, de que me adianta saber se o que vem na direcção da minha… Read more »

Antoniokings

Vc percebeu que vc só utilizou exemplos de vitórias russas/soviéticas?
Agora imagine vc os russos com as armas maiores e melhores que o inimigo?
Sofrimento duplo.

Mestre D'Avis

La está o pensamento sempre no tamanho…

Allan Lemos.

Espero que quando o Álvaro Alberto for lançado a MB não se esqueça de cobrir a hélice do submarino.

Last edited 1 mês atrás by Allan Lemos.
Heinz Guderian

Quando falamos da Marinha Americana sempre lembramos dos Porta Aviões, apesar de serem armas com poder ofensivo absurdo. Na minha opinião a ponta de lança dessa marinha é sua força submarina, um submarino desse sim, que é um baita bíceps.
Espero que o do Brasil seja concluído.

Veiga 104

Boa Noite a todos. Gostaria de fazer uma pergunta e desde já agradeço a quem puder compartilhar conhecimento sobre o assunto. O número 795 significa que já foram construídos 795 submarinos ? É que fiquei impressionado com a quantidade caso realmente for isso. Obrigado e um forte abraço a todos.

Dalton

Veiga…o que aconteceu é que muitos submarinos tiveram suas construções canceladas por exemplo com o fim da II Guerra Mundial e isso ocasionou “buracos” na numeração. . A US Navy tem também 3 submarinos que fugiram completamente da sequência, são os 3 da classe Seawolf com indicativos 21, 22 e 23, mas, isso foi considerado uma bobagem tanto que o primeiro da classe Virginia o “774” seguiu a numeração do último da classe precedente Los Angeles o USS Cheyenne SSN 773. . De qualquer forma é de ficar impressionado mesmo não tendo sido construídos 795 deles, seguramente mais de 500… Read more »

Veiga 104

Muito obrigado amigo.

rommelqe

Voltando ao almirante Rickover, é importante salientar sua atuação na área da qualidade em termos de processos industriais, a qual foi fundamental na otimização dos produtos manufaturados, incluindo aqui no Brasil.

- Publicidade -

Últimas Notícias

Grécia assina MoU com o Naval Group e MBDA abrindo negociações para o fornecimento de fragatas FDI HN

Em 28 de setembro, Nikólaos Panayotópoulos, o Ministro da Defesa grego, Pierre Eric Pommellet, CEO do Naval Group, e...
- Advertisement -