Torpedo Mk.44 na vela do USS Volador (classe Guppy II)

Em agosto de 1960, o submarino USS Volador (SS-490) foi designado como alvo para o destróier USS King (DLG-10) a fim de testar o novo torpedo MK-44 para o foguete antissubmarino ASROC. Enquanto estava na profundidade do periscópio e sendo rastreado pelo sonar SQS-23B do USS King, o destróier disparou um ASROC. O torpedo MK-44 separou do motor do foguete como planejado e ao entrar na água perfurou a vela do submarino Volador ao entrar na água, deixando um buraco (foto de abertura). Segue abaixo um relato detalhado do incidente:

A Marinha dos EUA estava desenvolvendo o sistema de torpedo antissubmarino Mk.44 lançado por foguete, conhecido como ASROC (Anti-Submarine Rocket). Como parte do programa de testes, o destróier USS King (DLG-10) e outros navios tiveram os lançadores instalados e em breve dariam ao sistema de armas um teste crucial.

USS Volador (SS-490) em 1960

Como o ASROC e outro programa de lançamento de torpedos antissubmarino dos EUA, o DASH (Drone Anti-Submarine Helicopter), pretendiam empregar torpedos que pudessem ter ogivas nucleares, também foi necessário desenvolver sistemas de sonar ativos de longo alcance que permitiriam às forças-tarefa antissubmarino manter-se a uma distância segura dos alvos pretendidos. Estes incluíram os sistemas de sonar AN/SQS-23B e AN/SQS 26.

Assim, o cenário está preparado para desenvolvimentos multibilionários e abrangentes de sistemas de armas múltiplas, destinados a equipar a Marinha dos EUA para combater eficazmente a crescente ameaça submarina soviética. Em agosto de 1960, ao King foi atribuído um submarino “alvo”, o Volador, então um submairno diesel-elétrico Guppy II (posteriormente modernizado para Guppy III) operando em San Diego, com o propósito de testar o novo sistema de torpedo MK-44/ASROC. Com o submarino na profundidade do periscópio, sendo rastreado pelo sonar SQS-23B do King, foi lançado um ASROC.

Lançador óctuplo de foguetes antissubmarino ASROC

 

Um ASROC deixa o lançador em direção ao seu alvo. Na ponta foguete, um torpedo que é liberado de paraquedas no final da trajetória

Incrivelmente, o torpedo Mk.44 separou-se do motor do foguete no ponto apropriado e então perfurou a fina pele da “vela” da superestrutura do Volador alguns segundos depois de entrar na água. O único outro dano causado ao Volador foi um buraco na vela.

Na verdade, o Chefe do Barco (“COB”) Darryl Bailey STC(SS) lembrou durante uma reunião do Volador em junho de 2004, que o submarino estava programado para servir como “navio de visita” no Píer da Broadway naquele mesmo fim de semana. Para cumprir esse compromisso, o COB Bailey fez com que a turma da superfície prendesse um pedaço de jornal com fita adesiva sobre o buraco causado pelo torpedo Mk.44 e depois repintou a área. Sua ideia funcionou, nenhum visitante notou o buraco na vela.

Torpedo Mk.44

A questão é que se o lançamento do ASROC tivesse sido real, não teria sido uma “kill” porque o torpedo Mk.44 atingiu a vela do Volador imediatamente após entrar nas águas calmas do Oceano Pacífico. Ele não começou, muito menos completou sua “corrida de habilitação” antes de se alojar na vela de Volador. A experiência adquirida durante a guerra ensinou a Marinha a fazer com que um torpedo recém-lançado completasse um curto percurso antes que sua ogiva ficasse totalmente armada – ou “habilitada”. Portanto, este tiro em particular foi um “fracasso” porque o grupo de controle de tiro do destróier USS King não ativou a corrida de habilitação obrigatória antes de disparar seu ASROC.

Fragata USS Bronstein (FF-1037 lançando um ASROC

A Marinha, o Estaleiro Naval de Norfolk, em particular, usou as fotos tiradas pelo fotógrafo do SUBMARINE FLOTILLA ONE e as incorporou em um relatório como testemunho gráfico da eficácia do sistema de armas ASROC! Nenhuma menção foi feita ao erro de solução de disparo cometido pelo grupo de controle de tiro a bordo do King. O encontro seguinte, no verão de 1961, viu Volador novamente fornecer serviços de alvo ao King para mais um teste do sistema ASROC. Este seria o “teste de qualificação” no qual o King ganharia suas credenciais para transportar – e empregar – o ASROC em ataques a um submarino hostil.

O Volador estava na profundidade do periscópio, preparado para ser atingido. O Comandante, LCDR H. Ray Heimback, da Marinha dos EUA, anunciou no intercomunicador do Volador conforme cada ponto crítico no “ataque” de King era alcançado. Finalmente anunciou “O torpedo está na água!”

Vários segundos depois, sentimos um solavanco estridente!!! – O torpedo lançado pelo King atingiu a carenagem da bóia posterior do Volador, deixando uma marca considerável. Essa marca ainda era visível quando voltamos a bordo do submarino em 1964, mas praticamente ninguém da tripulação tinha a menor ideia do que a causara. Mas a tripulação do King aprendeu a lição: se tivesse sido um tiro de guerra, estaríamos mortos!

FONTE: navsource.org

Subscribe
Notify of
guest

12 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sequim

“A questão é que se o lançamento do ASROC tivesse sido real, não teria sido uma “kill” porque o torpedo Mk.44 atingiu a vela do Volador imediatamente após entrar nas águas calmas do Oceano Pacífico.” Galante, não entendi esse trecho do texto. Fosse um torpedo verdadeiro, com ogiva, não teria ele rompido o casco do submarino e o destruído?

Last edited 3 meses atrás by Sequim
Alexandre Galante

Sequim, não teria porque o ogiva só é armada depois da corrida de habilitação.

Sequim

Perfeito, Galante. Então a sequência de um tiro real de um torpedo é essa , se entendi: 1. Disparo; 2. Corrida de habilitação; 3. Ativação da ogiva; 4. Atingimento (ou não) do alvo. Correto?

Esteves

Teria? O tiro não obedeceu esse fator: “grupo de controle de tiro do destróier USS King não ativou a corrida de habilitação obrigatória antes de disparar seu ASROC.”

Um torpedo tem uma trajetória necessária para ativar a cabeça de guerra que deveria, segundo o texto, estar habilitada antes do disparo.

Torpedos devem correr na água. Tratando-se de um exercício para incorporar artefatos nucleares, toda distância é saudável.

Se escrevi tolice, Galante corrige. Por favor.

Burgos

Curiosidade Naval:
O USS Bronstein foi descomissionado em Nov de 1990 nos EUA.
Em Nov de 1993 foi comissionado na Marinha Mexicana com o nome de Hermenegildo Galeano F-202.
Ficando ativa até abril de 2017.

Esteves

 ARM Galeana

Eles fazem uma bagunça tão grande que não achei a baixa do navio no site da Armada.

Burgos

Correto caro Istivis;
Devo ter dado uma nega de dedo aqui mas o nome certo é esse mesmo Galeana👍

ECosta

Eu li em uma entrevista que ocorreu caso semelhante com a nossa MB com um de nossos classe Oberon. Em treinamento de lançamento de um mk.24 sem carga explosiva que atingiu a vela do próprio submarino. Pelo que me recordo, a vela chegou a ser danificada.

ECosta

Muito top Galante. Foi esta entrevista mesmo. 👍🏻😉

IvanF

Até imagino numa das reuniões de análise de risco alguém levantando a hipótese: e se o torpedo já cair bem no alvo? E provavelmente todos riram e nem na ata de reunião isso deve ter entrado.